Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Exposição Korda

16 de Dezembro

Terça a Sexta das 10h às 19h

Fds das 14h às 19h

 

Galeria Torreão Nascente

Cordoaria Nacional

Lisboa

Che_m

A Korda – ou melhor, ao fotojornalista cubano Alberto Díaz Gutiérrez que escolheu Korda como nom de guerre em evocação a Zoltan e A. Korda e à Kodak – é conhecido mundialmente o toque fotográfico mesmo sem se lhe ser reconhecido o nome. É esta fotografia de Che da sua autoria que se tornou um ícone e que surge estampada em tudo o que é tshirt de Avante e poster de interesse mais ou menos revolucionário (eu próprio tenho duas reproduções de Korda em camiseta a fundo vermelho). Mas é no sentido de mostrar o restante trabalho de Korda e de o afastar dessa ideia redutora de fotógrafo de um instante só que surge esta exposição abarcando uma década do seu trabalho. A ver e (re)conhecer Korda e o seu talento. Com e sem Che.Rafael V.

 

Vakia Stavrou

 14 de Dezembro
18h30

 

Teatro Municipal de S. Luiz

R. Antº Maria Cardoso, 38-58
Lisboa

 

No Jardim de Inverno.

Apresentação de "Tants de Choses".

http://www.vakiastavrou.com

 

A cantora cipriota, uma apaixonada pelo fado e pela bossa nova, estreia-se perante o público português com o espectáculo "Sentimental", dedicado a uma mistura de várias geografias musicais - Grécia, Brasil, Itália, Argentina, Portugal e, claro, Chipre - que se encontram no campo das emoções.

 

Teatro Os Vivos, o Morto e o Peixe-Frito

15 de Dezembro

19h

 

Teatro Nacional D. Maria II

Rossio

Mail_m

Apenas e só uma curiosidade que nada tem que ver com este evento. O autor do texto, Ondjaki, é membro da Associação Protectora do Anonimato dos Gambozinos! Posto isto, ponto final e parágrafo, vamos àquilo que os meus caros leitores querem saber. O que vamos poder assistir hoje – e atenção, a entrada é livre! – não é a representação de uma peça de teatro, mas sim uma leitura. Com actores, naturalmente, que interpretarão estas 13 personagens provenientes de países lusófonos, que vivem o seu dia-a-dia no centro de Lisboa. É um jogo de futebol entre a selecção angolana e a selecção portuguesa o mote para todos se reunirem e conviverem. Com ritmo e humor, são as pequenas coisas da vida que originam uma grande reflexão por parte destes homens e mulheres, assim como de nós, do lado de cá. Sónia Castro

 

Pág. 1/3