Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

MUSEU NACIONAL DA MÚSICA | Quinta,18 Janeiro, 19h | Prelúdios...: Recital de piano com João Lucena e Vale - António Fragoso em destaque

 

Quinta, 18 de Janeiro, pelas 19h

 

 
PRELÚDIOS...
Recital de piano com João Lucena e Vale

23467379_1632352023488234_2437158801214774844_o.jp

 

PROGRAMA
 
F. Chopin
Prelúdio em Dó# menor, op.45
 
S. Rachmaninoff
Prelúdio em Dó# menor, op.3, nº2
Prelúdio em Re Maior, op.32, nº5
 Prelúdio em Sol menor, op.32, nº6
 
António Fragoso
7 Prelúdios
Muito vivo
Muito lento
Allegretto com graça
Allegretto molto
Calmo
Andantino
Vivo
 
C. Debussy
…“General Lavine” –eccentric-
…Des pas sur la neige
…Mistrels
 
G. Gershwin
3 Prelúdios para piano
Allegro bem ritmato e deciso
Andante com moto e poco rubato
Allegro bem ritmato e deciso
 


 
Prelúdios…

Partindo de três efemérides, 100 anos da morte de António Fragoso e Claude Debussy e 75 anos da morte de Sergei Rachmaninoff, o programa apresentado faz uma pequena recolha de alguns prelúdios destes compositores, juntando ainda Chopin e Gershwin.

O Prelúdio, na sua essência, era uma introdução a um outro ou outros momentos musicais. Como o nome mostra pre ludus era o que precedia o momento lúdico. Foi apenas no Sec. XIX que o Prelúdio se autonomizou como forma totalmente livre. Esta liberdade tão apreciada pelos compositores dos seculos XIX e XX permitiu o aparecimento de obras primas da história da música, tais como os 24 prelúdios de Chopin (op.28) ou os prelúdios de Debussy.

António Fragoso foi um compositor português (1987-1918), que apesar de ter morrido apenas com 21 anos, deixou uma obra ímpar e extensa, não só para piano, mas também, orquestra, música de câmara e canto.
A sua música é marcada por influências de Chopin, mas também por correntes mais modernas, como Debussy e Freitas-Branco, de quem foi aluno, revelando, no entanto, uma intuição e identidade musicais únicas na história da música portuguesa.


Bilhetes: 5 | Sócios: 3

https://www.youtube.com/watch?v=FlAC0Vh1G_Q

“QUARTO ESCURO” ESTÁ DE VOLTA SEM CARTAZ ANUNCIADO E DE LUZES APAGADAS

Ana Galvão, Fernando Alvim, várias personalidades e artistas reúnem-se para um evento inédito e solidário em Portugal

 

“QUARTO ESCURO” está de volta

sem cartaz anunciado e de luzes apagadas

 

image004.jpg

 

 

Após o sucesso da primeira edição, o “Quarto Escuro”, um espetáculo inédito em Portugal, às escuras e sem programa anunciado, está de volta e reúne diversas personalidades, artistas e músicos em momentos verdadeiramente surpreendentes. A segunda edição do “Quarto Escuro” está agendada para o próximo dia 3 de fevereiro, às 17h00, no cinema São Jorge em Lisboa e a totalidade da receita de bilheteira reverte para a Operação Nariz Vermelho.

 

Ana Galvão e Fernando Alvim, promotores e anfitriões do evento, vão receber e apresentar às escuras as várias atuações, performances, concertos, peças de dança e teatro, entre outros, de um elenco de luxo. O Quarto Escuro irá realizar-se no auditório principal deste cinema, numa plateia totalmente às escuras, em que a única iluminação decorrerá num breve momento de apresentação de cada um dos intervenientes, só desvendados na sua subida a palco.

 

Depois do sucesso da primeira edição, com lotação esgotada, em menos de uma semana, e angariando mais de 6.000€ para a fundação Maria Cristina, a 2ª edição do “Quarto Escuro” promete novas intervenções que irão brilhar no escuro, proporcionando momentos inesquecíveis ao mesmo tempo que apoia os Doutores Palhaços da Operação Nariz Vermelho a animar e levar alegria a crianças hospitalizadas.

 

Os bilhetes têm o valor unitário de 10€ e podem ser adquiridos nas bilheteiras do Cinema São Jorge ou através da ticketline: https://ticketline.sapo.pt/evento/quarto-escuro-23363

 

Milky Chance - Conner Youngblood na 1ª parte dia 7 de Março em Lisboa

 

02d215f7-b7ba-470e-8235-c469b67f3f1e.png

 

 

MILKY CHANCE

 

Conner Youngblood terá a cargo a primeira parte do concerto do próximo dia 7 de Março

Artista norte-americano visita portugal continental pela primeira vez, depois de ter encantado a ilha da Madeira em 2016.
 
Os Milky Chance estão de volta e é já no dia 7 de Março que a banda "Stolen Dance" visitará o Lx Factory, em Lisboa, para apresentar o seu mais recente trabalho, "Blossom" que será apresentado pela primeira vez em Portugal. Para lhes fazer companhia, os Milky Chance convidam o multi-instrumentista norte-americano Conner Youngblood para a primeira parte. 

A música de Conner, nascido e criado em Dallas, combina lirismo e sonoridades para pintar um quadro vívido, de um registo tanto de música ambiente como de concentração. Ao combinar uma grande variedade de influências, que vão desde o Bluegrass ao hip-hop, com uma instrumentalização muito eletrónica, Youngblood começa a esculpir o seu próprio nicho musical. 

O segundo EP de Conner, “The Generation of Lift”, lançado no outono de 2015, recebeu um feedback muito positivo com mais de 8 Milhões de de reproduções no Spotify desde a data do seu lançamento sendo bastante aclamado pela crítica colocando Conner noutro patamar. 

No dia 7 de Março poderemos ouvi-lo por terras lusas na abertura do concerto da dupla alemã que vem agora apresentar o seu último trabalho pela primeira vez em Portugal.

Os bilhetes já estão à venda na BOL e nos locais habituais e têm o valor de 30€. 

 

27 de Janeiro, Lisboa - um convite irrecusável por...

 

 

rc-eventofb.png

 

A completar 40 anos de idade, 4 canções de cada um dos seus álbuns, mais 4 originais e 4 convidados especiais, 27 de Janeiro será uma noite que reúne todos os condimentos de uma jornada inesquecível: amigos, música e o sentimento de descoberta.

Júlio Resende, Né Ladeiras, Ricardo Ribeiro e os Virgem Suta, são os 4 companheiros convidados para esta aventura musical que, obviamente, também será partilhada com os seus músicos de sempre: Os Irrevogáveis.

Bilhetes à venda:

Ticketline | Cinema S. Jorge | Fnac | Worten | El Corte Inglés | Centros Comercias Dolce Vita
SuperCor | Galeria Comercial Campo Pequeno | Casino Lisboa | Centro Cultural de Belém
Time Out Mercado da Ribeira, etc...

Casino Lisboa recebe Rui Drumond de 10 a 13 de Janeiro

 

Rui Drumond no Casino Lisboa de 10 a 13 de Janeiro

 

Com uma voz inconfundível, Rui Drumond será o novo protagonista do programa de música ao vivo no Casino Lisboa. O intérprete reencontra-se com as suas raízes, a sua zona de conforto, a sua inspiração de sempre: a soul e o jazz. Com entrada livre, de 10 a 13 de Janeiro, a partir das 22 horas, no Arena Lounge.

 

The Soul Journey é uma viagem entre a “old school” e os registos actuais da música Soul. Através de versões únicas, originais e algumas fusões, Rui Drumond (voz e guitarra acústica) criou um espectáculo contagiante que estará em destaque no Arena Lounge.

 

Rui Drumond será acompanhado por um elenco de músicos de excelência: João Rato nos teclados, Marco Reis na guitarra eléctrica, Rui Reis na bateria e Ricardo Pêgo (Dikk) no baixo.

 

 

 

Ciclo de música ao vivo com Rui Drumond

Quarta-Feira, dia 10 de Janeiro: 22h00 às 22h50 e das 23h10 às 00h00

Quinta-Feira, dia 11 de Janeiro: 22h00 às 22h50 e das 23h10 às 00h00

Sexta-Feira, dia 12 de Janeiro: 22h00 às 22h50 e das 23h00 às 23h50

Sábado, dia 13 de Janeiro: 22h00 às 22h50 e das 23h00 às 23h50

 

Por imperativo legal, o acesso aos espaços do Casino Lisboa é reservado a maiores de 18 anos.

Daniela Melo apresenta Tributo a Elis Regina ⋅ 13 de Janeiro, Casa da América Latina

cartazDanielaMelo.jpg

 

Daniela Melo apresenta 'Tributo a Elis Regina' na Casa da América Latinano próximo sábado, às 21h30, um projeto que une Portugal ao Brasil e faz jus à ligação emocional de Daniela Melo com a cultura brasileira e, em particular, com o cancioneiro musical de Elis Regina.

 

A cantora faz parte de uma nova geração de intérpretes que canta a palavra e os ritmos do Brasil, “uma nova geração que acredita que a vida é feita de experiências únicas e irrepetíveis”. O lema de Elis Regina “é preciso aprender a ser só” é adotado pelo projeto, composto por voz (Daniela Melo), piano (Cláudio Andrade), baixo elétrico (Leo Espinosa) e bateria (Joel Silva).

 

Aprender a escutar os sons da cidade e o lamento de um samba “misto de saudade e alegria, um samba de Elis para qualquer parte do mundo”, é o que motiva este grupo que junta portugueses, brasileiros e um cubano.

 

Informações:

Data: 13 de janeiro - 21h30

Sala do concerto: Casa da América Latina (Av. da Índia, 110)

Entrada: 5€ (a adquirir à entrada do concerto)

 

 

TMJB apresenta 46 espectáculos em 2018

image001.jpg

image003.jpg

 

 

Rui Madeira, Carlos Pimenta, Inês de Medeiros, Rodrigo Francisco, João Reis e Samuel Rego

 

 

 

 

 

 

A Companhia de Teatro de Almada apresentou no dia 6 de Janeiro a programação do TMJB para 2018. Vinte e seis espectáculos de teatro, seis espectáculos de dança e catorze concertos de música, além de vinte Conversas com o púbico e dezasseis oficinas para a infância.

 

Foi também inaugurada a exposição CTA: 40 anos em Almada - Parte I (1971 – 1987), que corresponde ao período que vai desde a fundação da Companhia em Campolide até ao momento em que saiu da Academia Almadense. A exposição terá quatro períodos ao longo do ano, sendo a II Parte inaugurada em Março e está patente em vários espaços do Teatro Municipal Joaquim Benite: Foyer, Restaurante e Galeria. A concepção plástica da exposição ficou a cargo do cenógrafo José Manuel Castanheira

 

 

PDF da Programação do TMJB para 2018: http://www.ctalmada.pt/images/programa_2018.pdf 

 

 

 

 

Nathan, o sábio, de Gotthold Ephraim Lessing, com encenação de Rodrigo Francisco, retoma a carreira a partir de dia 12 de Janeiro.

TEATRO MUNICIPAL JOAQUIM BENITE | SALA PRINCIPAL | M/12

12 a 28 JAN | QUI a SÁB às 21H | QUA e DOM às 16h

 

 

PREÇO: 6,5€ a 13€  (Clube de Amigos: entrada livre)

 

CONVERSAS COM O PÚBLICO: 13, 20 E 27 DE JANEIRO ÀS 18H

 

RESERVAS: +351 212 739 360
COMPRAR: http://cta.bilheteiraonline.pt/

PARLATÓRIO, de Américo Rodrigues + O QUE PODE A ARTE EM CONTEXTOS PRISIONAIS, 13 de Janeiro, 15h, Salão Brazil

image.jpeg

 

 

PARLATÓRIO

Lançamento do novo disco de Poesia Sonora de Américo Rodrigues

Apresentação por Nuno Miguel Neves

+

O QUE PODE A ARTE EM CONTEXTO PRISIONAL?

Mesa redonda com Américo Rodrigues, Antonio Pedro Andrade Dores, Daniel Maciel

e Paulo Lameiro. Moderação Vera Silva

 

DATA 13 de Janeiro

HORA 15h

PÚBLICO-ALVO Público em geral

LOCAL Salão Brazil

Entrada livre e gratuita

 

 

 

PARLATÓRIO é o novo disco de poesia sonora de Américo Rodrigues, que vai ser apresentado no dia 13 de Janeiro de 2018

no Salão Brazil, em Coimbra, por Nuno Miguel Neves.

Sobre o disco, diz-nos Américo Rodrigues:

"Há um ano entrevistei demoradamente 7 presos para que me contassem a sua história de vida.A ideia inicial era escrever um livro

com narrações daquelas mulheres e homens que estavam a cumprir pena numa prisão do interior de Portugal. Registei em vários cadernos

o que de mais importante me disseram (depoimentos de grande autenticidade), sublinhando frases e ligando palavras com setas e outras anotações.

O que escrevi foi aquilo que considerei ser o essencial do que ouvi. Histórias de roubos,tráficos, burlas, assaltos, dependências, traições, violências, mortes.Vidas.
A partir desse material de base concebi uma peça de poesia sonora que cruza a minha vocalidade (gritos, sussurros, choros, línguas inexistentes, ruídos bucais, cantos de inspiração étnica, estalidos com a língua, terrorismo fonético, etc.) com a leitura dos apontamentos da conversa com aqueles reclusos (leitura branca, interpretação teatral, enganos, hesitações, alteração de velocidade, silêncios, amálgamas, etc.).

O César Prata gravou tudo. O José Neves vai tratar da "dramaturgia do som" com a ajuda do Nuno Veiga, e o Tiago Rodrigues vai encarregar-se do desenho gráfico."

 

Aproveitando a ocasião, convidámos investigadores e artistas que têm desenvolvido o seu trabalho em prisões, para uma conversa sobre

 O QUE PODE A ARTE EM CONTEXTOS PRISIONAIS?

Um tema escassas vezes trazido à discussão pública mas central para o entendimento da sociedade actual.

 

Um dos convidados, Paulo Lameiro, director artístico da Samp Pousos, é responsável pelo projecto Pavilhão Mozart, desenvolvido

com os reclusos do Estabelecimento Prisional de Leiria (Prisão Escola Jovem), no âmbito do programa PARTIS, da Fundação

Calouste Gulbenkian.

 

A ele se juntarão Antonio Dores, docente e investigador do Observatório Europeu das Prisões, autor de vários livros e artigos científicos

sobre prisões, justiça, teoria social e estudos da face, e Daniel Maciel, doutorando em Antropologia na FCSH-UNL e membro do projecto

 ‘Cinema Dentro’ em colaboração com o Estabelecimento Prisional de Viana do Castelo.

Vera Silva, doutoranda em Antropologia social e cultural com trabalho de investigação feminista sobre as prisões, será a moderadora

desta mesa redonda.

 

A entrada é livre e gratuita.

 

Co-organização Serviço Educativo JACC e Bosq-íman:os