Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

CONFERÊNCIA ROTA DA SEDA EM TERRITÓRIO CHINÊS

 

Museu do Oriente

16 Novembro Com Carla Mota
Horário: 17.00 às 19.00 Entrada livre
Durante milénios, os chineses aprenderam e dominaram o fabrico da seda (a partir da fibra branca dos casulos dos bichos-da-seda) e usavam a seda como um produto exclusivo da sua sociedade. No entanto, com as crescentes transações comerciais, chegaram à Europa rumores desse tecido suave e brilhante que os chineses sabiam confeccionar. As técnicas de fabrico da seda eram um dos segredos mais bem guardados do império chinês. O brilhante e suave tecido asiático começou a aparecer na Europa e depressa se tornou um objecto de luxo, cobiçado nas melhores praças. A burguesia europeia estava disposta a pagar somas exorbitantes por essa relíquia. Iniciou-se, assim, uma rota mítica de caravanas que, atravessando a Ásia, abasteciam a burguesia europeia do seu novo "desejo". A rota tradicional ligava Chang'an (actual Xi-an), na China, até Antioquia (actual Antakya, na Turquia), na Ásia Menor, assim como a outros locais, nomeadamente Istambul. Na cidade de Kashgar, na China, a rota dividia-se em duas vias principais: uma, através de Caracrum, levava a Karashar e Turfan (via do norte); a outra acompanhava a bacia do Rio Tarim (via do sul). As duas vias encontravam-se depois e seguiam para Xi-an. É esta Rota da Seda que os participantes são convidados a descobrir. Uma rota cheia de lugares enigmáticos, como grutas preenchidas por esculturas budistas, desertos gelados, as maiores depressões topográficas do planeta Terra, povos e culturas milenares e cidades “perdidas”, engolidas pelas areias do deserto.

Carla Mota é geógrafa e especializada em Geografia Física e estudos ambientais (encontra-se a desenvolver investigação em geomorfologia glaciar nos Andes argentinos). A sua vida reparte-se entre a investigação, o ensino e a paixão pelas viagens e fotografia. Durante os anos da universidade viajou pelos quatro cantos do país, já de mochila às costas. As viagens extra-fronteiriças iniciaram-se com uma road trip pela Europa. Era o início de uma paixão que a viria a arrastar em direcção ao desconhecido com passagens pela Índia, Peru, Mongólia, Argentina, Quirguistão, Bolívia, Uruguai, Rússia, China, Grécia, Laos, Paraguai, Uzbequistão, Malásia, Marrocos, Irão, México, Cambodja entre outros países.

Em colaboração com o Colectivo Indus Doc e a agência NOMAD.