Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Internacional de Teatro de Setúbal / XVI FESTA DO TEATRO

A XVI Festa do Teatro começou no passado fim-de-semana.

E vai estar até 31 de Agosto!


A Inauguração e os primeiros espectáculos do Festival

 

Dia 22  de Agosto

 

A abertura deu-se na Casa da Cultura - Café das Artes/Pátio Dimas, o público compareceu num fim-de –tarde enchendo este belo e mítico espaço ao som da guitarra de Davide Fournier e da percussão de Filipe Oliveira.

 

No discurso de abertura, o Director do Festival, José Maria Dias, realçou a aposta numa programação eclética de variadas estéticas e geografias dando sempre primazia à qualidade artística. Caminho este que tem transformado o Festival num evento de relevo a nível nacional.

 

Falou ainda na novidade desta edição, “Mais Festa”, uma secção não oficial, fruto das muitas propostas de espectáculos que  chegaram em edições anteriores.

Foi dada prioridade a projectos emergentes e artistas jovens em início de carreira.

 

O Festival foi pela primeira vez reconhecido pelo Governo de Portugal através da Dgartes. Facto que consolida o já alcançado por direito próprio, ou seja, o reconhecimento dos pares como um dos festivais de maior relevo a nível nacional.

 

Invocou as palavras de Augusto Boal “O teatro é uma forma de conhecimento e deve ser também um meio de transformar a sociedade. Pode-nos ajudar a construir o futuro, em vez de mansamente esperarmos por ele”.

Pedro Pina Vereador da Cultura da Câmara Municipal de Setúbal agradeceu o esforço do Teatro Estúdio Fontenova, e, elogiou a programação do Festival, afirmando o acto de fazer Teatro como forma de Resistência nos dias que correm.

 

De seguida no Auditório da Escola Sebastião da Gama, JGM apresentou-se pela primeira vez no Festival com “Os Negros e os Deuses do Norte” um espectáculo que celebra o negro, o minúsculo, a mulher, a morte através da poesia, da verdade e do belo. Da verdade e do belo foi assistir aos aplausos e bravos do público que encheu o Auditório.

Ao mesmo tempo decorreu no Parque Urbano da Albarquel “Mestres do Cinema ao ar livre” numa noite encantatória tendo como pano de fundo o Rio Sado, aqui o público também marcou a sua presença.

 

Dia 23 de Agosto

 

No dia seguinte iniciámos “Mais Festa” na Casa da Avenida, Umcoletivo trouxe-nos “Inércia”, a de que falam Galileu e Newton, a que é refutada por físicos da actualidade, a do pensamento filosófico sobre a sociedade contemporânea, a de Fernando Pessoa – essa, sim, a que nos debruça sobre a mecânica do corpo. Espectáculo com lotação esgotada, em que a organização e a companhia decidiram fazer mais uma sessão.

 

Pelas 22h no Fórum Municipal Luísa Todi, o Teatro Estúdio Fontenova, brindou-nos com a visceral interpretação de Eduardo Dias e Wagner Borges e a performance Musical de Filipe Oliveira.

“Trilogia Whitman - Capítulo II – Saudação” de Fernando pessoa, Lorca e Walt Whitman, este capítulo centra-se na Saudação de Álvaro de Campos a Whitman, em que o tempo é uma invenção do homem para justificar a sua própria existência e valorizar a sua mortalidade.

Nesta passagem do “Tempo” os intérpretes num uníssono respirar e sentir com a plateia deram

vida à saudação de Álvaro de Campos a Whitman, o Teatro é isto, é a vida. O  público foi convidado a este “Tempo” e compareceu com uma plateia bem composta e terminou com vivas e aplausos.

 

E terminou-se a noite na Casa da Cultura – Café das Artes/Pátio Dimas num ambiente descontraído e bem divertido com Stand-Up pelo actor Pedro Luzindro, o público vibrou e riu pela noite dentro no sobrelotado Pátio Dimas.

 

Dia 24 de Agosto

 

No Auditório da Escola Sebastião da Gama chegou mais uma produção, Output Teatral de Lisboa trouxe-nos “D. Afonso Henriques 3 em 1”. Este nosso grande herói de todos os tempos saltou de um livro para um episódio de teatro radiofónico em directo e, simultaneamente, para uma peça de teatro. Um espectáculo para toda a família, no qual o público compareceu de uma forma massiva e entre aplausos e bravos assim terminámos o fim de tarde.

 

E pelas 22h no Teatro de Bolso terminámos o primeiro fim de semana da Festa da melhor forma, a Companhia de Teatro Contemporânea brindou-nos com a sua mais recente produção, “Branca de Neve” que no ano anterior tinha feito uma aparição no Festival em forma de leitura encenada, desta vez veio para esgotar a sala, felizmente para os que não puderam assistir há mais espectáculos para ver no festival. A sua infelicidade ficará, a de ter perdido esta Branca de Neve que impressionou o público com a sua arrojada opção estética e as magníficas interpretações do elenco. Aconselhamos que vão vê-los noutros lugares que vale bem a pena!

 

Até 31 de Agosto a Festa do Teatro continua com espectáculos todos os dias.

Na cidade de Setúbal para todos e para todas! Convosco a Festa Faz-se!