Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

RIGOLETTO, de Verdi | Maio no Coliseu Porto e Campo Pequeno

476_2158_1.jpg

 

Corcunda e bobo da corte, Rigoletto é um homem mal-amado, que todos goza e por todos é desprezado. A sua única alegria é a filha Gilda, cujo amor pelo Duque de Mântua vai resultar em tragédia...

Composta por Giuseppe Verdi, com libreto de Francesco Maria Piave, Rigoletto é uma ópera em 3 actos, a apresentar pela Opera del Mediterraneo sob direcção do maestro Fernando Alvarez. M/6

 

Nota: O espectáculo tem legendagem em português

As bodas de Fígaro no Teatro Municipal Joaquim Benite

image005 (3).jpg

 

image006.jpg

 

 

As bodas de Fígaro, com direcção musical de Pedro Amaral, estará em palco na sala principal do Teatro Municipal Joaquim Benite, em Almada, no dia 17 de Fevereiro, quarta-feira às 20h00. O espectáculo é uma produção da Orquestra Metropolitana de Lisboa.

 

Composta em 1786 por Wolfgang Amadeus Mozart, a partir do libreto de Lorenzo da Ponte, As bodas de Fígaro é uma ópera que satiriza os hábitos da nobreza no século XVIII. São-nos descritas as peripécias que envolvem os preparativos do casamento de Susanna com Fígaro, criados do Conde e da Condessa Almaviva. O obstáculo que se coloca à união feliz do casal é a paixão do Conde por Susanna, levando os noivos a acreditar que o nobre não abrirá mão do chamado Direito de Primícias, que dava ao patrão o privilégio de passar a noite de núpcias com a sua serva. A popularidade de uma obra como As bodas de Fígaro justifica-se não apenas pela excelência da partitura, mas também pela riqueza das questões interpretativas que coloca: trata-se , sob a aparência da frivolidade, de uma verdadeira educação sentimental e de uma das mais profundas análises da psicologia humana e dos valores sociais alguma vez escritas em ópera.

 

Pedro Amaral estudou na Escola Superior de Música de Lisboa, onde concluiu o curso de Composição com 20 valores. Como compositor e maestro, trabalha regularmente com a Orquestra Gulbenkian, a Orquestra Metropolitana de Lisboa e a Orquestra Sinfónica Portuguesa.

 

Jorge Vaz de Carvalho estreou-se como cantor lírico no Teatro de São Carlos em Lisboa, em 1984. Foi Director da Orquestra Nacional do Porto, entre 1999 e 2006 e, entre 2005 e 2007, Director do Instituto das Artes.

 

 

FICHA ARTÍSTICA

 

Direcção musical de Pedro Amaral

 

Direcção cénica e vocal de Jorge Vaz de Carvalho

 

Maestro do coro Jorge Carvalho Alves

 

Cantores do atelier de ópera da Metropolitana

 

 

TMJB | SALA PRINCIPAL | M/12 17 FEV | QUA às 20H00 PREÇO: 6.50€ a 13€

RESERVAS: +351 212 739 360 COMPRAR: http://cta.bilheteiraonline.pt/

ESTREIA MUNDIAL - Ópera - Três Mulheres com Máscara de Ferro, texto de Agustina Bessa Luís, música de Eurico Carrapatoso

No âmbito do I Congresso Internacional dedicado à obra de Agustina Bessa-Luís, a Fundação Calouste Gulbenkian e o Teatro Aberto vão apresentar no dia 14 de Outubro pelas 22h, em estreia mundial, a ópera Três mulheres com Máscara de Ferro, com música de Eurico Carrapatoso a partir de um texto inédito da autora. O convite para encenar este texto foi feito pelo Circulo Literário Agustina Bessa-Luís a João Lourenço que desafiou o compositor a escrever a música para este drama em um acto, a partir do texto homónimo e inédito de Agustina Bessa-Luís. A direcção musical é de João Paulo Santos, dramaturgia de Vera San Payo de Lemos, cenário de João Mendes Ribeiro, figurinos de Bernardo Monteiro e coreografia de Cláudia Nóvoa.

As três protagonistas, Fanny Owen, Ema e Sibila serão interpretadas pelas solistas Ana Ester Neves, Angélica Neto e Patrícia Quinta. A música foi composta para clarinete, violino, violoncelo e piano.

 

Nos dias 17 e 18 de Outubro, a ópera será apresentada na Sala Azul do Teatro Aberto, às 22h00. 

 

 

ÓPERA

TRÊS MULHERES COM MÁSCARA DE FERRO

TEXTO Agustina Bessa‑Luís

MÚSICA Eurico Carrapatoso

 

DIRECÇÃO MUSICAL João Paulo Santos

ENCENAÇÃO E LUZ João Lourenço

CENÁRIO João Mendes Ribeiro

FIGURINOS Bernardo Monteiro

DRAMATURGIA Vera San Payo de Lemos

COREOGRAFIA Cláudia Nóvoa

 

SOLISTAS Angélica Neto, Ana Ester Neves e Patrícia Quinta

 

Estreia

14 de Outubro de 2014

22h

Fundação Calouste Gulbenkian

 

Apresentações

17 e 18 de Outubro de 2014

22h

Teatro Aberto

 

 

Ópera Teatralogia Wagneriana

 

25 de Outubro

15h

 

Largo de S. Carlos

Image001_m

Já tinham posto o Marc Jacobs em casa do Pessoa, agora Wagner junta-se à festa no “quintal”. O Largo de S.Carlos vai, uma vez mais, encher-se de gente para ver e ouvir ópera, mas atenção que são projecções. Para os que não conseguíram acompanhar a epopeia wagneriana nas fofas cadeiras da plateia ou nos apinhados camarotes, nada como passar pelo Largo e pôr a cultura lírica em dia. “O Ouro do Reno”, “A Valquíria” (hoje), “Siegfried” e “O Crepúsculo dos Deuses” ao preço da chuva. Levar mantinha, castanhas assadas e mapa da Polónia (para congeminar uma conquista à Woody Allen). Mami

Ópera Carmina Burana

4 e 5 de Julho

22h

 

Largo de S. Carlos

Lisboa

 

Carmina_m
 

Ora, toda a gente que viveu no anos 80 e 90 sabe que a Carmina Burana não é senão a música daqueles perfumes e aftershaves que se dava ao pai no Natal, chamados Old Spice (imaginando que era a isso que cheiravam os marinheiros de mares revoltos). Mas, a atroz ignorância que pôe Carl Orff às voltas na campa, sempre que esta sua obra prima é sinonimo de odores a retalho num supermercado, vai acabar. Carmina Burana são essas canções encontradas num misterioso manuscrito do século XIII, num mosteiro da Baviera, canções de amor, de taberna, sátiras e canções estudantis que fazem o elogio dos prazeres carnais e da vida desregrada, a que o compositor deu toda a impetuosidade da vida, da morte e sobretudo da sorte de viver tais aventuras. Hoje, completamente de graça, no largo do S.Carlos, maior luxo? Só se trouxerem vinho para acompanhar. O Carl ia gostar!Mami

Brundibar

 


31 de Maio

11h

Cinema S. Jorge

Av. da Liberdade, 175

Lisboa

Imagem:

Maiores de 6 anos

www.gandapinta.tv

Nas vésperas do Dia Mundial da Criança, a Escola de Música do Conservatório Nacional (EMCN) apresenta no Cinema São Jorge a ópera infantil, Brundibar. Escrita em 1932, a sua estreia teve lugar no campo de concentração de Therezin, na antiga Checoslováquia, quando em 1944 a Cruz Vermelha foi convidada a conhecer as condições em que viviam os judeus aprisionados. Por essa ocasião foram interpretadas várias óperas entre elas Brundibar, de Hans Kráza, um dos prisioneiros do gueto. A EMCN propõe esta ópera numa versão não encenada procurando criar uma certa dinâmica das crianças em palco. O espectáculo termina com a projecção de um documentário com testemunhos actuais de quem na época presenciou e viveu aquele dia. O evento, para toda a família, está integrado no ciclo de concertos comentados organizados pela Câmara de Lisboa no emblemático cinema da Av. da Liberdade