Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Conversas de Ponta - Setúbal - 13 de Janeiro

 

Ciclo de Debates
 
Título – Reconhecimento e Justiça Ambiental

Conferencista – Carla Gomes 

Moderação – João Paulo Maia
 
Casa da Cultura de Setúbal
Rua Detrás da Guarda (junto à Praça do Bocage)
13 de Janeiro (sábado), 15h00

Resumo: 
A minha liberdade deve acabar onde começa a do outro. É um princípio que, à partida, parece simples. Mas que é posto à prova no momento em que diferentes outros, e as suas formas de estar no mundo, entram em conflito num mesmo território temporal e espacial. No fim de contas, a minha liberdade não existe num vácuo. Ela inscreve-se fisicamente na história, nas minhas interações sociais, numa paisagem. 
Não será por acaso que o conceito de reconhecimento – de outras identidades, valores e culturas - tem vindo a emergir no estudo da justiça ambiental. Diferentes conhecimentos ecológicos, formas de nos relacionarmos com o ambiente e de gerirmos os seus recursos, têm vindo a entrar em conflito no contexto dos ‘problemas ambientais globais’, da crise alimentar às alterações climáticas. 
Não foi preciso muito tempo para que os padrões de consumo dos chamados países ‘desenvolvidos’ desequilibrassem perigosamente o clima e os recursos disponíveis no planeta. Os mais vulneráveis à crise ambiental global são precisamente, por múltiplas razões, os países mais pobres do ‘Sul Global’. Mesmo a procura de soluções – como a produção de biocombustíveis – acaba por aumentar a pressão sobre uma terra cada vez mais escassa. Por todo o mundo, surgem movimentos em defesa da justiça alimentar e climática, pela proteção das terras indígenas e dos modos de vida das populações rurais.
Nesta conferência, partindo do meu recente trabalho de campo entre os agricultores de Moçambique, proponho-vos uma reflexão sobre o papel do reconhecimento em prol de uma melhor justiça social e ambiental.

Nota biográfica: Carla Gomes iniciou a carreira como jornalista, dedicando-se sobretudo à área do ambiente. Fez na Universidade de Aveiro o Mestrado em Gestão e Políticas Ambientais. Uma aventura que a levou até Cabo Verde e culminou na publicação do livro “Alterações Climáticas e Desenvolvimento Limpo”, premiado pela Fundação Calouste Gulbenkian. Quando deu por si era uma ‘cientista social ambiental’. Tem-se dedicado ao estudo das alterações climáticas, sustentabilidade e desenvolvimento, sobretudo em África. Acaba de concluir um doutoramento em Desenvolvimento Internacional, pelas Universidades de Lisboa e de East Anglia (Reino Unido), com uma tese sobre os camponeses do Norte de Moçambique.

Respirar Ponto - Associação ANTDR com ciclo de debates e eventos em novembro

RESPIRAR PONTO

 

image002.jpg

 

Associação ANTDR com ciclo de debates e eventos em novembro

Entre os próximos dias 3 e 29 de novembro irá realizar-se no Espaço Atmosfera M, em Lisboa, o evento “RESPIRAR PONTO – Viver em plenos pulmões”, um evento organizado pela Associação Nacional da Tuberculose e Doenças Respiratórias (ANTDR), cujo objetivo é sensibilizar a comunidade para a importância de respirar bem para uma melhor qualidade de vida e bem-estar, utilizando como veículo a Cultura.

 

No evento “RESPIRAR PONTO – Viver em plenos pulmões”, organizado pela ANTDR, decorre um ciclo de conferências onde serão apresentados temas como: “As alergias andam no ar”; “A tuberculose e o Tango”; “Comer, Respirar e Amar”; “Respirar e as Cidades”; “Respirar Melhor a Pintar”. Serão ainda incluídos no programa cultural intervenções na área da dança, música e pintura.

 

“Com este evento pretendemos sensibilizar a comunidade para a importância da qualidade respiratória, através de conferências, exposições e um programa rico do ponto de vista cultural com o objectivo de demonstrar que o espaço, as ações e a nossa envolvência influenciam o respirar”, comenta Maria Conceição Gomes, Presidente da ANTDR.

 

Nos dias 16 e 27 de novembro, entre as 10h e as 18h serão, ainda, realizados rastreios respiratórios gratuitos à população.

 

Neste evento pode-se contar com um espaço de Exposição ilustrativa sobre o trabalho da ANTDR, a sua história e intervenção até aos dias de hoje, onde estarão expostos, entre outros, os seguintes trabalhos: Da inteligência artificial à história contada em objetos; Vinhetas e selos: breve exposição da importância a nível mundial e nacional da vinheta/selo utilizado na divulgação de bons hábitos de saúde.

 

Este evento destina-se à sociedade civil em geral, sem limite de idade, e ainda à comunidade estudantil, em particular, nas ações específicas que existirão associadas às visitas escolares previstas. Todas as ações previstas no evento, desde a exposição, ao ciclo de conferências, aos rastreios e eventos culturais são de entrada gratuita.

 

Poderá encontrar o programa detalhado do evento RESPIRAR PONTO - Viver em plenos pulmões em:  http://respirarponto.pt/agenda.html

 

 

Mais sobre a ANTDR Associação Nacional de Tuberculose e Doenças Respiratórias:

ANTDR é uma IPSS (Instituição Particular de Solidariedade Social), federada na Union Internacionale contre la Tuberculose et les Maladies Respiratoires, fundada em 1989. Tem por objetivo dinamizar a Sociedade Civil na promoção da Saúde Respiratória dos portugueses, nas áreas da prevenção, diagnóstico precoce e aconselhamento dos doentes, em todas as doenças dos brônquios, pulmões e pleura.

 

Agenda Cultural FNAC | Segunda quinzena de maio

 

Shaper Talks, Mia Rose, Hannah Arendt, e muito mais

 

As ‘FNAC Shaper Talks’, debates mensais promovidos pelo Global Shapers Lisbon Hub e pela FNAC, estão de regresso para debater o futuro da política portuguesa, numa conversa moderada pelo jornalista David Diniz.

 

Mia Rose apresenta o seu novo trabalho, “Tudo Pra Dar”, e dá sessões de autógrafos em Lisboa e no Porto. Também português, mas de Macau, João Caetano faz dois concertos da sua tour para mostrar o primeiro trabalho a solo. Em português com sotaque de São Paulo, o cantor, compositor e músico brasileiro WEM dá três concertos para apresentar o seu segundo álbum, “Conectar”.

 

Nos livros, o célebre “Eichman em Jerusalém”, de Hannah Arendt, é apresentado por António Araújo e Miguel Nogueira de Brito. Ainda nos livros políticos, as Edições Avante apresentam “Euro Dívida Banca: Romper com os constrangimentos, desenvolver o país”, onde é proposto um caminho diferente para a gestão da dívida. Nas letras, mas para os mais novos, o youtuber NURB aventura-se na escrita e apresenta “Se vir um OVNI...peço-lhe boleia”, uma espécie de manual, para a transição entre a adolescência e a idade adulta.

 

 

Exposições e eventos

 

 

 

Rock in Rio - Exposição 30 anos

Fotografia de vários autores 

Mostra de algumas fotografias que retratam momentos de um festival que já passou, em 16 edições, por cidades como o Rio de Janeiro, Lisboa, Madrid e Las Vegas, e que já recebeu mais de 1498 artistas. 

Até 5 de Junho, FNAC Cascais

 

 

 

 

Saiba mais em: www.fnac.pt

 

Cultura FNAC: A missão da FNAC é a de tornar a cultura acessível a todos. Com mais de 11.000 eventos gratuitos por ano, a FNAC é o maior promotor cultural em Portugal, fomentando a proximidade entre autores de diferentes expressões artísticas e o público. 

 

Sobre a FNAC 

A FNAC é líder europeia na distribuição de bens culturais, tecnológicos e de lazer e desenvolveu um conceito único que assenta em espaços de descoberta e de experimentação. Garantindo uma experiência omnicanal aos seus clientes, a FNAC disponibiliza toda a sua oferta a partir de qualquer lugar ou dispositivo e em qualquer altura.  

A FNAC conta com uma forte presença internacional, com lojas em 9 países: França, Espanha, Portugal, Brasil, Bélgica, Suíça, Marrocos, Qatar e Costa do Marfim. Em 1998, foi inaugurada a primeira FNAC em Portugal, havendo atualmente 24 lojas em todo o país. A este número acresce ainda a loja online fnac.pt, o site português de retalho com mais visitas em Portugal.

 

'FNAC Shaper Talks'. Jovens talentosos portugueses debatem o futuro do país

image003.png

 

 

A comunidade portuguesa dos Global Shapers, jovens talentosos portugueses dedicados a contribuir para a solução de problemas atuais e futuros do país nas suas áreas de atuação, associa-se à FNAC para trazer ao espaço público um debate de ideias sobre diferentes temas essenciais para a sociedade portuguesa.

 

A parceria ganha forma através da realização de debates mensais, as “FNAC Shaper Talks”, que, durante um ano, vão abordar e discutir temas centrais para a construção do futuro do país: da Economia ao Desporto, da Saúde à Política, da Tecnologia à Cultura.

 

As “FNAC Shaper Talks” decorrerão nas terceiras terças-feiras de cada mês, pelas 18h30, na FNAC Chiado, espaço simultaneamente central e agregador da cultura na capital. A primeira “FNAC Shaper Talk” será realizada no dia 18 de abril e será dedicada à Educação.

 

Entre os jovens participantes, que já hoje intervêm decisivamente nestas áreas, contam-se o atual líder dos Global Shapers portugueses, Francisco Goiana da Silva (médico, docente universitário e gestor de saúde), Afonso Reis Cabral (escritor), Alexandre Farto (escultor conhecido por Vhils), Rui Maria Pêgo (apresentador), Inês Relvas (vice-curadora e consultora na Boston Consulting Group), Stephan Morais (fundador do Global Shapers Lisbon Hub e diretor executivo da Caixa Capital), Cristina Fonseca (co-fundadora da Talkdesk), Miguel Santo Amaro (co-fundador da Uniplaces) ou Miguel Nunes (Ator).

 

Cada debate será realizado sob a forma de uma mesa redonda moderada por figuras relevantes em cada uma das áreas abordadas, reforçando a ideia de que este é um debate dirigido ao público em geral, multigeracional e diversificado, sobre temas transversais à sociedade portuguesa.

Debate de encerramento da exposição - O Mundo nos Nossos Olhos - CCB

phpThumb_generated_thumbnailjpg.jpg

 

7 janeiro | 17:00 | Garagem Sul


A exposição de arquitetura culmina com o debate de encerramento, moderado por André Tavares e com participação de João Gomes da Silva e Paulo Moreira. Vão ser analisados os atuais sistemas de planeamento e gestão urbana com o objetivo de perceber como é que a arquitetura pode, nos dias de hoje, ir para além daquilo que foi feito ao longo do século XX.
Entrada Livre

Exposição e debates - ESTÉTICA PROPAGANDA E UTOPIA NO PORTUGAL DE ANTÓNIO FERRO

 

No próximo sábado, dia 3 de Dezembro, pelas 16h, realiza-se na Livraeria Sá da Costa – Galeria (Rua Garrett, 100, sobreloja. Lisboa) um debate moderado por Margarida Acciaiuoli, Professor Catedrático-História da Arte, sobre o tema

“ANTÓNIO FERRO A Vertigem da Palavra”.

Este debate, bem como os que se realizam nos sábados seguintes, enquadram-se no programa de actividades complementares à exposição “ESTÉTICA  PROPAGANDA E UTOPIA NO PORTUGAL DE ANTÓNIO FERRO”.

A mostra reúne obras documentais e outras de modernistas e fotógrafos que trabalharam para a “Exposição de PARIS” (1937) e para a “Exposição do Mundo Português”, de 1940, com destaque para documentos e livros raríssimos como “Portugal 1934” o Diploma da SPN de António Ferro, para além de  cartas e diversas publicações que estão à venda.

A mostra está patente todos os dias das 14h30 às 19h30 e encerra no dia 15 de Janeiro de 2017.

 

Calendário dos próximos debates:

 

Sábado,10 de Dezembro |16 H

VERA MARQUES ALVES | Antropóloga

“Modernismo e tradição”

 

Sábado dia 17 de Dezembro|16 H

RUI AFONSO SANTOS | Historiador de Design e Arte

"O Portugal de António Ferro no Século XXI”

 

Terramoto de 1755: o dia seguinte – Debate com especialistas na Academia das Ciências de Lisboa

terramoto1755_dia_seguinte-mailing.png

 

No próximo dia 2 de Novembro, quarta-feira, às 17.30, a Ciência Viva e a Academia das Ciências de Lisboa organizam o debate Terramoto de 1755: o dia seguinte, assinalando o encerramento da exposição Testemunhas do Caos: Faces do Terramoto, em exibição na Academia das Ciências de Lisboa.

O que aprendemos com o terramoto de 1755? Que mudanças provocou no pensamento científico, nas atitudes filosóficas, na política ou na forma como planeamos e construímos as cidades?

O debate conta com a participação de especialistas em geologia, filosofia, religião, matemática e economia, que irão abordar o impacto do terramoto de 1755 sob diferentes perspectivas e como este conduziu a mudanças significativas em áreas que vão da ciência à economia, passando pela política e pelo pensamento filosófico.

São oradores convidados Ivette Gomes e João Duarte (Universidade de Lisboa), João Duque (Universidade Católica Portuguesa), Manuel Porto (Universidade de Coimbra), João Appleton (a2p estudos e projectos) e Rachid Omira (Instituto Português do Mar e da Atmosfera). A moderação estará a cargo de Carlos Salema (Academia das Ciências de Lisboa).

A entrada é gratuita mediante inscrição prévia .

Programa

17.30 | Visita guiada à exposição Testemunhas do Caos: Faces do Terramoto

18.30 | À conversa sobre o Terramoto de 1755

20.00 | Cocktail

E agora que futuro? : Roca Lisboa Gallery reúne jovens designers para discutir futuro do setor em Portugal

image004.jpg

 

É já amanhã a terceira e última edição do “ E agora que futuro?”, o ciclo de debates aberto a estudantes e jovens profissionais, organizado integralmente pelo Roca Lisboa Gallery.

 

Esta última sessão será dedicada ao mundo do design, e terá como principal objetivo promover o debate e partilha de experiências entre os presentes, tentando perceber quais as suas expetativas face ao futuro do setor em Portugal.

 

O ciclo “E agora que futuro?” coloca frente a frente alunos de universidades (privadas e públicas), numa discussão argumentativa onde são abordados temas como o futuro do design português, os obstáculos no início das suas carreiras e os medos e anseios que esta nova fase pode acarretar.

 

O debate terá a moderação da designer gráfica Bárbara Monteiro, responsável da plataforma  Ladies, Wine & Design em Portugal.

 

image001.jpg

 

*Bárbara Monteiro

 

Sobre o Roca Lisboa Gallery

Os Roca Galleries são parte da estratégia internacional da Roca e um conceito que expressa a realidade atual e as suas metas de futuro. O Design, a Inovação, a Sustentabilidade e o bem estar são valores Roca transmitidos pelos Galleries, manifestando assim a vontade de uma marca líder em espaços de banho em manter um diálogo constante com a sociedade, e especialmente com os profissionais com quem comparte a inquietude e o interesse em evoluir os espaços de banho. Os diferentes Roca Gallery de Londres, Shangai, Barcelona, Madrid e Lisboa veiculam esta vontade, oferecendo um ponto de encontro e um espaço de diálogo aberto a interioristas, designers e arquitetos de todo o mundo.  

O Roca Lisboa Gallery é o resultado da colaboração com o estúdio Ferruz  Decoradors e foi inaugurado em junho de 2011. O Roca Lisboa Gallery é um espaço fundamental e flexível onde a exposição de produtos da gama Roca partilha o mesmo espaço de forma natural com exposições, apresentações, encontros de profissionais e eventos de interesse, que dinamizam a oferta sociocultural de Lisboa.  

Localizado num antigo palacete de 1909, no início da extensa Avenida da Liberdade, na Praça dos Restauradores nº46, este espaço acolhe diferentes exposições,debates, colóquios e encontros dos mais variados temas, desde a arquitetura ao design, passando pelo ambiente e a sustentabilidade.  

www.rocalisboagallery.com
 
Sobre a Roca
A Roca é uma empresa dedicada ao design, produção e comercialização de produtos para o espaço de banho, pavimentos e revestimentos cerâmicos destinados à arquitetura, à construção e ao design e decoração de interiores.
 
A companhia emprega 20.000 pessoas, tem 77 centros de produção e está presente em mais de 135 países distribuídos pelos cinco continentes.
 
A Roca, marca de qualidade e referência na definição de espaços de banho, trabalha em colaboração com prestigiados designers e arquitetos como R. Moneo, D. Chipperfield, Z. Hadid, Herzog & de Meuron, Schmidt & Lackner y J. Mariscal, ao mesmo tempo que trabalha constantemente no desenvolvimento e promoção de iniciativas que ajudem à conservação do meio ambiente. Este compromisso da Roca traduz-se num critério orientado para a poupança de água no desenvolvimento permanente de novos produtos.

EM TORNO DE CONSTELAÇÕES - 2ª Edição | 15 OUT @ Teatro Aberto

image002.jpg

 

No próximo sábado dia 15 de Outubro apresentamos a segunda edição da iniciativa Em torno de Constelações promovida em parceria com a Ciência Viva e a Sociedade Portuguesa de Física. Estarão presentes Vincenzo Vitagliano, do CENTRA (Instituto Superior Técnico), Sónia Anton, do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (Faculdade de Ciências) e a moderação estará a cargo da presidente da Sociedade Portuguesa de Física, Conceição Abreu.  

 

No passado dia 17 de Setembro, após o espectáculo, o público presente teve a oportunidade de ouvir dois grandes nomes da física e da astrofísica contemporânea Vitor Cardoso, do CENTRA (Instituto Superior Técnico) e Carla Sofia Carvalho, do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (Faculdade de Ciências) moderados por Sofia Andringa, Coordenadora da Divisão de Física de Partículas Elementares (Sociedade Portuguesa de Física).

 

O debate foi muito interessante, com a participação do público presente, que colocou questões sobre a forma como estes investigadores, que lidam com as questões abordadas na peça no seu quotidiano, olharam para o espectáculo. A conversa derivou ainda para temas da matemática, da biologia e das teorias do Big Bang, do início do universo, da teoria das cordas ou da possibilidade de existência de contacto entre as dimensões do espaço e do tempo com vários alunos e professores presentes na sala.

 

Um dos pontos de partida para a escrita deste texto foi a descoberta ocasional, por parte do autor Nick Payne, de um documentário sobre o universo, em que eram expostas teorias da Física moderna, como a relatividade geral, a mecânica quântica, a teoria das cordas e a teoria dos multiversos. A partir deste texto João Lourenço criou um espectáculo onde “[a]s teorias da física [se] misturam com a arte de bem representar, num espectáculo que à luz do conhecimento cientifico indaga sobre a condição humana e o nosso lugar no universo.” in Jornal de Letras (Leonor Nunes)

SINOPSE

Um homem e uma mulher conhecem-se, apaixonam-se, vivem juntos, separam-se, reencontram-se, reconciliam-se, ou talvez não. Talvez tudo seja, possa ter sido ou venha a ser diferente, conforme as circunstâncias com que se deparam e as escolhas que fazem ou deixam de fazer. Nos múltiplos universos paralelos em que estão, há múltiplas variantes da sua história de amor: talvez nunca mais se voltem a ver ou talvez fiquem juntos até que a morte os separe.

Seguindo uma tese da física teórica, segundo a qual há mais do que três dimensões do espaço e uma dimensão do tempo, Constelações mostra-nos um multiverso onde a vida assume uma miríade de formas em simultâneo e todos os futuros são possíveis. Mas será que aquilo que acontece depende das nossas decisões? Será que depende do acaso? Ou de algo mais que não se vê e não se conhece?

 

FICHA ARTÍSTICA

Versão João Lourenço | Vera San Payo de Lemos

Dramaturgia Vera San Payo de Lemos

Encenação João Lourenço

Cenário António Casimiro | João Lourenço

Figurinos Dino Alves

Luz Alberto Carvalho | João Lourenço | Marcos Verdades

Vídeo Luís Soares

Dança a Par João Fanha | Raquel Santos  

COM Joana Brandão | Pedro Laginha  

 

ESPECTÁCULOS  4ª a Sábado às 21h30  Domingo às 16h 

M/12

  BILHETEIRA 4ª a Sábado das 14h às 22h00; Domingo das 14h às 19h  Reservas 213 880 089 ou bilheteira@teatroaberto.com   www.bol.pt | FNAC | ABEP | CTT | El Corte Inglés (Lisboa e Gaia)

  

PREÇOS

Inteiro - 15   €

Jovem (até 25 anos) – 7,5€

Sénior (mais de 65 anos) – 12 €

Debate com investigadores no Teatro Aberto

constelacoes_mailing(3).jpg

 

 No próximo sábado, dia 15 de Outubro, terá lugar a segunda sessão do ciclo "À Conversa sobre Constelações", organizada pela Ciência Viva e pelo Teatro Aberto, em colaboração com a Sociedade Portuguesa de Física, a propósito da peça Constelações. Depois da representação, que termina às 23.00, o público poderá debater com investigadores os temas científicos que inspiraram a peça.

Um dos pontos de partida para a escrita deste texto foi a descoberta ocasional de um documentário sobre o universo pelo autor Nick Payne, em que eram expostas teorias da Física moderna como a relatividade geral, a mecânica quântica, a teoria das cordas e a teoria dos multiversos.

São investigadores convidados desta sessão Vincenzo Vitagliano (CENTRA, Instituto Superior Técnico) e Sonia Antón (Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço | Faculdade de Ciências). A moderação é de Conceição Abreu (Presidente da Sociedade Portuguesa de Física).


SINOPSE DA PEÇA
Um homem e uma mulher conhecem-se, apaixonam-se, vivem juntos, separam-se, reencontram-se, reconciliam-se, ou talvez não. Talvez tudo seja, possa ter sido ou venha a ser diferente, conforme as circunstâncias com que se deparam e as escolhas que fazem ou deixam de fazer. Nos múltiplos universos paralelos em que estão, há múltiplas variantes da sua história de amor: talvez nunca mais se voltem a ver ou talvez fiquem juntos até que a morte os separe.

Seguindo uma tese da física teórica, segundo a qual há mais do que três dimensões do espaço e uma dimensão do tempo, Constelações mostra-nos um multiverso onde a vida assume uma miríade de formas em simultâneo e todos os futuros são possíveis. Mas será que aquilo que acontece depende das nossas decisões? Será que depende do acaso? Ou de algo mais que não se vê e não se conhece?

Versão João Lourenço | Vera San Payo de Lemos
Encenação João Lourenço
Com Joana Brandão e Pedro Laginha
No Teatro Aberto, de 4ª a Sábado, às 21.30, e Domingo, às 16.00
Domingo, às 16.00

Bilheteira: Inteiro - 15 euros | Jovem (até 25 anos) - 7,50 euros | Sénior (mais de 65 anos) - 12 euros