Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Agenda Cultural FNAC | Segunda quinzena de maio

 

Shaper Talks, Mia Rose, Hannah Arendt, e muito mais

 

As ‘FNAC Shaper Talks’, debates mensais promovidos pelo Global Shapers Lisbon Hub e pela FNAC, estão de regresso para debater o futuro da política portuguesa, numa conversa moderada pelo jornalista David Diniz.

 

Mia Rose apresenta o seu novo trabalho, “Tudo Pra Dar”, e dá sessões de autógrafos em Lisboa e no Porto. Também português, mas de Macau, João Caetano faz dois concertos da sua tour para mostrar o primeiro trabalho a solo. Em português com sotaque de São Paulo, o cantor, compositor e músico brasileiro WEM dá três concertos para apresentar o seu segundo álbum, “Conectar”.

 

Nos livros, o célebre “Eichman em Jerusalém”, de Hannah Arendt, é apresentado por António Araújo e Miguel Nogueira de Brito. Ainda nos livros políticos, as Edições Avante apresentam “Euro Dívida Banca: Romper com os constrangimentos, desenvolver o país”, onde é proposto um caminho diferente para a gestão da dívida. Nas letras, mas para os mais novos, o youtuber NURB aventura-se na escrita e apresenta “Se vir um OVNI...peço-lhe boleia”, uma espécie de manual, para a transição entre a adolescência e a idade adulta.

 

 

Exposições e eventos

 

 

 

Rock in Rio - Exposição 30 anos

Fotografia de vários autores 

Mostra de algumas fotografias que retratam momentos de um festival que já passou, em 16 edições, por cidades como o Rio de Janeiro, Lisboa, Madrid e Las Vegas, e que já recebeu mais de 1498 artistas. 

Até 5 de Junho, FNAC Cascais

 

 

 

 

Saiba mais em: www.fnac.pt

 

Cultura FNAC: A missão da FNAC é a de tornar a cultura acessível a todos. Com mais de 11.000 eventos gratuitos por ano, a FNAC é o maior promotor cultural em Portugal, fomentando a proximidade entre autores de diferentes expressões artísticas e o público. 

 

Sobre a FNAC 

A FNAC é líder europeia na distribuição de bens culturais, tecnológicos e de lazer e desenvolveu um conceito único que assenta em espaços de descoberta e de experimentação. Garantindo uma experiência omnicanal aos seus clientes, a FNAC disponibiliza toda a sua oferta a partir de qualquer lugar ou dispositivo e em qualquer altura.  

A FNAC conta com uma forte presença internacional, com lojas em 9 países: França, Espanha, Portugal, Brasil, Bélgica, Suíça, Marrocos, Qatar e Costa do Marfim. Em 1998, foi inaugurada a primeira FNAC em Portugal, havendo atualmente 24 lojas em todo o país. A este número acresce ainda a loja online fnac.pt, o site português de retalho com mais visitas em Portugal.

 

'FNAC Shaper Talks'. Jovens talentosos portugueses debatem o futuro do país

image003.png

 

 

A comunidade portuguesa dos Global Shapers, jovens talentosos portugueses dedicados a contribuir para a solução de problemas atuais e futuros do país nas suas áreas de atuação, associa-se à FNAC para trazer ao espaço público um debate de ideias sobre diferentes temas essenciais para a sociedade portuguesa.

 

A parceria ganha forma através da realização de debates mensais, as “FNAC Shaper Talks”, que, durante um ano, vão abordar e discutir temas centrais para a construção do futuro do país: da Economia ao Desporto, da Saúde à Política, da Tecnologia à Cultura.

 

As “FNAC Shaper Talks” decorrerão nas terceiras terças-feiras de cada mês, pelas 18h30, na FNAC Chiado, espaço simultaneamente central e agregador da cultura na capital. A primeira “FNAC Shaper Talk” será realizada no dia 18 de abril e será dedicada à Educação.

 

Entre os jovens participantes, que já hoje intervêm decisivamente nestas áreas, contam-se o atual líder dos Global Shapers portugueses, Francisco Goiana da Silva (médico, docente universitário e gestor de saúde), Afonso Reis Cabral (escritor), Alexandre Farto (escultor conhecido por Vhils), Rui Maria Pêgo (apresentador), Inês Relvas (vice-curadora e consultora na Boston Consulting Group), Stephan Morais (fundador do Global Shapers Lisbon Hub e diretor executivo da Caixa Capital), Cristina Fonseca (co-fundadora da Talkdesk), Miguel Santo Amaro (co-fundador da Uniplaces) ou Miguel Nunes (Ator).

 

Cada debate será realizado sob a forma de uma mesa redonda moderada por figuras relevantes em cada uma das áreas abordadas, reforçando a ideia de que este é um debate dirigido ao público em geral, multigeracional e diversificado, sobre temas transversais à sociedade portuguesa.

Debate de encerramento da exposição - O Mundo nos Nossos Olhos - CCB

phpThumb_generated_thumbnailjpg.jpg

 

7 janeiro | 17:00 | Garagem Sul


A exposição de arquitetura culmina com o debate de encerramento, moderado por André Tavares e com participação de João Gomes da Silva e Paulo Moreira. Vão ser analisados os atuais sistemas de planeamento e gestão urbana com o objetivo de perceber como é que a arquitetura pode, nos dias de hoje, ir para além daquilo que foi feito ao longo do século XX.
Entrada Livre

Exposição e debates - ESTÉTICA PROPAGANDA E UTOPIA NO PORTUGAL DE ANTÓNIO FERRO

 

No próximo sábado, dia 3 de Dezembro, pelas 16h, realiza-se na Livraeria Sá da Costa – Galeria (Rua Garrett, 100, sobreloja. Lisboa) um debate moderado por Margarida Acciaiuoli, Professor Catedrático-História da Arte, sobre o tema

“ANTÓNIO FERRO A Vertigem da Palavra”.

Este debate, bem como os que se realizam nos sábados seguintes, enquadram-se no programa de actividades complementares à exposição “ESTÉTICA  PROPAGANDA E UTOPIA NO PORTUGAL DE ANTÓNIO FERRO”.

A mostra reúne obras documentais e outras de modernistas e fotógrafos que trabalharam para a “Exposição de PARIS” (1937) e para a “Exposição do Mundo Português”, de 1940, com destaque para documentos e livros raríssimos como “Portugal 1934” o Diploma da SPN de António Ferro, para além de  cartas e diversas publicações que estão à venda.

A mostra está patente todos os dias das 14h30 às 19h30 e encerra no dia 15 de Janeiro de 2017.

 

Calendário dos próximos debates:

 

Sábado,10 de Dezembro |16 H

VERA MARQUES ALVES | Antropóloga

“Modernismo e tradição”

 

Sábado dia 17 de Dezembro|16 H

RUI AFONSO SANTOS | Historiador de Design e Arte

"O Portugal de António Ferro no Século XXI”

 

Terramoto de 1755: o dia seguinte – Debate com especialistas na Academia das Ciências de Lisboa

terramoto1755_dia_seguinte-mailing.png

 

No próximo dia 2 de Novembro, quarta-feira, às 17.30, a Ciência Viva e a Academia das Ciências de Lisboa organizam o debate Terramoto de 1755: o dia seguinte, assinalando o encerramento da exposição Testemunhas do Caos: Faces do Terramoto, em exibição na Academia das Ciências de Lisboa.

O que aprendemos com o terramoto de 1755? Que mudanças provocou no pensamento científico, nas atitudes filosóficas, na política ou na forma como planeamos e construímos as cidades?

O debate conta com a participação de especialistas em geologia, filosofia, religião, matemática e economia, que irão abordar o impacto do terramoto de 1755 sob diferentes perspectivas e como este conduziu a mudanças significativas em áreas que vão da ciência à economia, passando pela política e pelo pensamento filosófico.

São oradores convidados Ivette Gomes e João Duarte (Universidade de Lisboa), João Duque (Universidade Católica Portuguesa), Manuel Porto (Universidade de Coimbra), João Appleton (a2p estudos e projectos) e Rachid Omira (Instituto Português do Mar e da Atmosfera). A moderação estará a cargo de Carlos Salema (Academia das Ciências de Lisboa).

A entrada é gratuita mediante inscrição prévia .

Programa

17.30 | Visita guiada à exposição Testemunhas do Caos: Faces do Terramoto

18.30 | À conversa sobre o Terramoto de 1755

20.00 | Cocktail

E agora que futuro? : Roca Lisboa Gallery reúne jovens designers para discutir futuro do setor em Portugal

image004.jpg

 

É já amanhã a terceira e última edição do “ E agora que futuro?”, o ciclo de debates aberto a estudantes e jovens profissionais, organizado integralmente pelo Roca Lisboa Gallery.

 

Esta última sessão será dedicada ao mundo do design, e terá como principal objetivo promover o debate e partilha de experiências entre os presentes, tentando perceber quais as suas expetativas face ao futuro do setor em Portugal.

 

O ciclo “E agora que futuro?” coloca frente a frente alunos de universidades (privadas e públicas), numa discussão argumentativa onde são abordados temas como o futuro do design português, os obstáculos no início das suas carreiras e os medos e anseios que esta nova fase pode acarretar.

 

O debate terá a moderação da designer gráfica Bárbara Monteiro, responsável da plataforma  Ladies, Wine & Design em Portugal.

 

image001.jpg

 

*Bárbara Monteiro

 

Sobre o Roca Lisboa Gallery

Os Roca Galleries são parte da estratégia internacional da Roca e um conceito que expressa a realidade atual e as suas metas de futuro. O Design, a Inovação, a Sustentabilidade e o bem estar são valores Roca transmitidos pelos Galleries, manifestando assim a vontade de uma marca líder em espaços de banho em manter um diálogo constante com a sociedade, e especialmente com os profissionais com quem comparte a inquietude e o interesse em evoluir os espaços de banho. Os diferentes Roca Gallery de Londres, Shangai, Barcelona, Madrid e Lisboa veiculam esta vontade, oferecendo um ponto de encontro e um espaço de diálogo aberto a interioristas, designers e arquitetos de todo o mundo.  

O Roca Lisboa Gallery é o resultado da colaboração com o estúdio Ferruz  Decoradors e foi inaugurado em junho de 2011. O Roca Lisboa Gallery é um espaço fundamental e flexível onde a exposição de produtos da gama Roca partilha o mesmo espaço de forma natural com exposições, apresentações, encontros de profissionais e eventos de interesse, que dinamizam a oferta sociocultural de Lisboa.  

Localizado num antigo palacete de 1909, no início da extensa Avenida da Liberdade, na Praça dos Restauradores nº46, este espaço acolhe diferentes exposições,debates, colóquios e encontros dos mais variados temas, desde a arquitetura ao design, passando pelo ambiente e a sustentabilidade.  

www.rocalisboagallery.com
 
Sobre a Roca
A Roca é uma empresa dedicada ao design, produção e comercialização de produtos para o espaço de banho, pavimentos e revestimentos cerâmicos destinados à arquitetura, à construção e ao design e decoração de interiores.
 
A companhia emprega 20.000 pessoas, tem 77 centros de produção e está presente em mais de 135 países distribuídos pelos cinco continentes.
 
A Roca, marca de qualidade e referência na definição de espaços de banho, trabalha em colaboração com prestigiados designers e arquitetos como R. Moneo, D. Chipperfield, Z. Hadid, Herzog & de Meuron, Schmidt & Lackner y J. Mariscal, ao mesmo tempo que trabalha constantemente no desenvolvimento e promoção de iniciativas que ajudem à conservação do meio ambiente. Este compromisso da Roca traduz-se num critério orientado para a poupança de água no desenvolvimento permanente de novos produtos.

EM TORNO DE CONSTELAÇÕES - 2ª Edição | 15 OUT @ Teatro Aberto

image002.jpg

 

No próximo sábado dia 15 de Outubro apresentamos a segunda edição da iniciativa Em torno de Constelações promovida em parceria com a Ciência Viva e a Sociedade Portuguesa de Física. Estarão presentes Vincenzo Vitagliano, do CENTRA (Instituto Superior Técnico), Sónia Anton, do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (Faculdade de Ciências) e a moderação estará a cargo da presidente da Sociedade Portuguesa de Física, Conceição Abreu.  

 

No passado dia 17 de Setembro, após o espectáculo, o público presente teve a oportunidade de ouvir dois grandes nomes da física e da astrofísica contemporânea Vitor Cardoso, do CENTRA (Instituto Superior Técnico) e Carla Sofia Carvalho, do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (Faculdade de Ciências) moderados por Sofia Andringa, Coordenadora da Divisão de Física de Partículas Elementares (Sociedade Portuguesa de Física).

 

O debate foi muito interessante, com a participação do público presente, que colocou questões sobre a forma como estes investigadores, que lidam com as questões abordadas na peça no seu quotidiano, olharam para o espectáculo. A conversa derivou ainda para temas da matemática, da biologia e das teorias do Big Bang, do início do universo, da teoria das cordas ou da possibilidade de existência de contacto entre as dimensões do espaço e do tempo com vários alunos e professores presentes na sala.

 

Um dos pontos de partida para a escrita deste texto foi a descoberta ocasional, por parte do autor Nick Payne, de um documentário sobre o universo, em que eram expostas teorias da Física moderna, como a relatividade geral, a mecânica quântica, a teoria das cordas e a teoria dos multiversos. A partir deste texto João Lourenço criou um espectáculo onde “[a]s teorias da física [se] misturam com a arte de bem representar, num espectáculo que à luz do conhecimento cientifico indaga sobre a condição humana e o nosso lugar no universo.” in Jornal de Letras (Leonor Nunes)

SINOPSE

Um homem e uma mulher conhecem-se, apaixonam-se, vivem juntos, separam-se, reencontram-se, reconciliam-se, ou talvez não. Talvez tudo seja, possa ter sido ou venha a ser diferente, conforme as circunstâncias com que se deparam e as escolhas que fazem ou deixam de fazer. Nos múltiplos universos paralelos em que estão, há múltiplas variantes da sua história de amor: talvez nunca mais se voltem a ver ou talvez fiquem juntos até que a morte os separe.

Seguindo uma tese da física teórica, segundo a qual há mais do que três dimensões do espaço e uma dimensão do tempo, Constelações mostra-nos um multiverso onde a vida assume uma miríade de formas em simultâneo e todos os futuros são possíveis. Mas será que aquilo que acontece depende das nossas decisões? Será que depende do acaso? Ou de algo mais que não se vê e não se conhece?

 

FICHA ARTÍSTICA

Versão João Lourenço | Vera San Payo de Lemos

Dramaturgia Vera San Payo de Lemos

Encenação João Lourenço

Cenário António Casimiro | João Lourenço

Figurinos Dino Alves

Luz Alberto Carvalho | João Lourenço | Marcos Verdades

Vídeo Luís Soares

Dança a Par João Fanha | Raquel Santos  

COM Joana Brandão | Pedro Laginha  

 

ESPECTÁCULOS  4ª a Sábado às 21h30  Domingo às 16h 

M/12

  BILHETEIRA 4ª a Sábado das 14h às 22h00; Domingo das 14h às 19h  Reservas 213 880 089 ou bilheteira@teatroaberto.com   www.bol.pt | FNAC | ABEP | CTT | El Corte Inglés (Lisboa e Gaia)

  

PREÇOS

Inteiro - 15   €

Jovem (até 25 anos) – 7,5€

Sénior (mais de 65 anos) – 12 €

Debate com investigadores no Teatro Aberto

constelacoes_mailing(3).jpg

 

 No próximo sábado, dia 15 de Outubro, terá lugar a segunda sessão do ciclo "À Conversa sobre Constelações", organizada pela Ciência Viva e pelo Teatro Aberto, em colaboração com a Sociedade Portuguesa de Física, a propósito da peça Constelações. Depois da representação, que termina às 23.00, o público poderá debater com investigadores os temas científicos que inspiraram a peça.

Um dos pontos de partida para a escrita deste texto foi a descoberta ocasional de um documentário sobre o universo pelo autor Nick Payne, em que eram expostas teorias da Física moderna como a relatividade geral, a mecânica quântica, a teoria das cordas e a teoria dos multiversos.

São investigadores convidados desta sessão Vincenzo Vitagliano (CENTRA, Instituto Superior Técnico) e Sonia Antón (Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço | Faculdade de Ciências). A moderação é de Conceição Abreu (Presidente da Sociedade Portuguesa de Física).


SINOPSE DA PEÇA
Um homem e uma mulher conhecem-se, apaixonam-se, vivem juntos, separam-se, reencontram-se, reconciliam-se, ou talvez não. Talvez tudo seja, possa ter sido ou venha a ser diferente, conforme as circunstâncias com que se deparam e as escolhas que fazem ou deixam de fazer. Nos múltiplos universos paralelos em que estão, há múltiplas variantes da sua história de amor: talvez nunca mais se voltem a ver ou talvez fiquem juntos até que a morte os separe.

Seguindo uma tese da física teórica, segundo a qual há mais do que três dimensões do espaço e uma dimensão do tempo, Constelações mostra-nos um multiverso onde a vida assume uma miríade de formas em simultâneo e todos os futuros são possíveis. Mas será que aquilo que acontece depende das nossas decisões? Será que depende do acaso? Ou de algo mais que não se vê e não se conhece?

Versão João Lourenço | Vera San Payo de Lemos
Encenação João Lourenço
Com Joana Brandão e Pedro Laginha
No Teatro Aberto, de 4ª a Sábado, às 21.30, e Domingo, às 16.00
Domingo, às 16.00

Bilheteira: Inteiro - 15 euros | Jovem (até 25 anos) - 7,50 euros | Sénior (mais de 65 anos) - 12 euros

DIREITOS HUMANOS EM DEBATE NO PORTO

PORTUCALENSE ACOLHE II CONGRESSO INTERNACIONAL COM A PRESENÇA DE 50 INVESTIGADORES

Os Direitos Humanos vão estar em debate no Porto no II Congresso Internacional ‘Dimensões dos Direitos Humanos’ que decorre dias 10 e 11 de outubro e que reunirá na Universidade Portucalense mais de uma centena de investigadores de diferentes nacionalidades.

 

Esta iniciativa, que conta com o apoio de universidades ibero-americanas, reúne especialistas de diversas áreas com o objetivo de explorar as principais matérias estruturantes na sociedade tais como, a vulnerabilidade social, a educação e informação em direitos humanos, o desenvolvimento sustentável e o combate à discriminação.

 

O evento inclui um programa alternado entre conferências e apresentações de trabalhos que terão lugar no auditório da UPT (Rua Doutor António Bernardino de Almeida, 541, Porto), sendo uma iniciativa de entrada livre.

 

 

11 de outubro, terça-feira

10h00 | 1.ª sessão

11h15 | 2. ª Sessão

15h00 | 17:00h Apresentação dos Grupos de Trabalhos 3

 

 

Ciclo de Cinema + Debates | Chiado, 3-6 Outubro

A Fundação Francisco Manuel dos Santos realiza o seu encontro anual no próximo dia 7 de outubro, dedicado ao tema “Que democracia?”. O local escolhido para acolher este evento foi o Chiado, onde o Teatro São Luiz irá desempenhar o papel de palco principal. Dos oradores convidados, destacaria o prémio Nobel da literatura, Mario Vargas Llosa. (Podem consultar toda a informação aqui).

 

Nos dias que antecedem o encontro, a FFMS tem duas iniciativas gratuitas, abertas ao público, que ambicionam trazer ao Chiado ainda mais gente: os "Fins de Tarde no Jardim da Fundação", um conjunto de debates a decorrer no Jardim da Fidelidade (Largo do Chiado, Nº 8), e um ciclo de cinema ligado à temática da democracia, que conta com a curadoria de Pedro Mexia e terá lugar no Teatro São Luiz.

 

 

“FINS DE TARDE NO JARDIM DA FUNDAÇÃO”

 

 

DEMOCRACIA E MÚSICA

Dia 4/10 (18h30)

Oradores: Sérgio Godinho, Sónia Tavares e David Fonseca

Moderação: Vítor Moura Pinto

 

Conceito: Não existe democracia sem palavra. Dita, falada, escrita. Agora que a democracia já tem idade para ser adulta, que histórias e narrativas estão por contar? Haverá diferenças entre uma literatura em tempos de chumbo e uma literatura sem outra censura que não as ideias lançadas para o lixo pelo próprio autor? A paz, o pão, a habitação, a saúde e um parágrafo bem escrito?

 

 

DEMOCRACIA E LITERATURA

Dia 5/10 (18h30)

Oradores: Mário de Carvalho, Dulce Maria Cardoso e João Pereira Coutinho

Moderação: Francisco José Viegas

 

Conceito: A música já foi uma arma. Qual é, hoje, o seu papel na construção da democracia? Esperam os portugueses demais dos músicos? Por outro lado, a proliferação de concertos e de festivais é um sinal de um acesso mais democrático à música? A atomização da indústria discográfica e da distribuição devolveu às pessoas um maior controlo sobre o que ouvem ou fazem falta gatekeepers que ajudem a organizar o que ouvimos? O ensino da música já é democrático ou continua a ser só uma disciplina escolar completamente inútil?

 

 

LANÇAMENTO ENSAIO: “DEMOCRACIA NA EUROPA”

Dia 6/10 (18h30)

Oradores: Catherine Moury e António Goucha Soares

Moderação: António Araújo

 

Conceito: A União Europeia ainda é uma democracia? Alguma vez o foi? As suas decisões são legítimas? Este livro aborda estas questões, procurando ajudar a compreender como funciona a UE e até que ponto a mesma é democrática. É argumentado que a democracia europeia se aperfeiçoou, em grande parte graças à própria ambição do Parlamento Europeu pelo poder. Porém, a crise da dívida soberana – que transferiu a tomada de decisão para fora das estruturas formais da UE – tem agravado dramaticamente o problema democrático da UE.

 

 

“CICLO DE CINEMA” no Teatro São Luiz

 

A ÁRVORE, O PRESIDENTE E A VIDEOTECA (1993), de Eric Rohmer

Dia 3/10 (21h30)

 

ELEIÇÕES (1999), de Alexander Payne

Dia 4/10 (21h30)

 

A ONDA (2008), de Dennis Gansel

Dia 5/10 (21h30)

 

CORIOLANO (2011), de Ralph Fiennes

Dia 6/10 (21h30)