Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Parques de Sintra exibe documentário “D. Fernando II – Notas Biográficas” no Palácio Nacional da Pena

 

A Parques de Sintra marca o encerramento da exposição “Fernando Coburgo fecit: a atividade artística do rei-consorte”, patente no Palácio Nacional da Pena, com a exibição do documentário “D. Fernando II – Notas Biográficas”, no próximo dia 11 de maio, às 20h00, no auditório do monumento.

 

A mostra dedicada à obra artística do monarca foi inaugurada a 29 de outubro de 2016, data de aniversário do rei, com o propósito de assinalar o bicentenário do nascimento de D. Fernando II, criador do Parque e Palácio da Pena.

 

Com curadoria de Hugo Xavier, conservador do Palácio, a exposição revela um numeroso conjunto, nunca exposto, de desenhos, gravuras e documentos manuscritos adquiridos em 2012 pela Parques de Sintra, e conta ainda com doações efetuadas por descendentes da Condessa d’Edla, segunda mulher do monarca, e com peças cedidas por particulares e instituições, como o Museu Nacional de Arte Antiga, Palácio Nacional da Ajuda, Museu-Biblioteca da Casa de Bragança e, dentro do universo da Parques de Sintra, o Palácio Nacional de Queluz.

 

O documentário “D. Fernando II – Notas Biográficas”, realizado por João Santa Clara, a partir do guião de João de Oliveira Cachado, levanta um conjunto de questões pertinentes sobre o monarca e regista aspetos biográficos com base em testemunhos de diferentes especialistas nos domínios em que o rei repartiu a sua atividade, como é o caso da historiadora de arte, Raquel Henriques da Silva, da historiadora e autora da biografia de D. Fernando II, Maria Antónia Lopes, da historiadora de arte, Maria João Neto, e do diretor do Palácio Nacional da Pena, António Nunes Pereira, entre outros.

 

O filme remete, assim, “para uma partilha de conhecimento que, apesar de veiculada por académicos, é perfeitamente acessível, sendo previsível que o seu potencial didático-pedagógico não escapará à atenção de professores das mais diversas áreas, formadores, etc.”, destaca o autor do guião.

 

“Personalidade fascinante de ilustre europeu, que tão bem soube entender os portugueses, D. Fernando II merece que estes lhe devolvam o interesse. Dois séculos depois do cognominado Rei Artista, ao aproveitar o contexto da efeméride, «D. Fernando II – Notas Biográficas» assume-se como modesto contributo, concebido, é verdade, com a permanente preocupação de estar à altura dos desafios que, ainda hoje, ele não cessa de propor”, conclui João de Oliveira Cachado.

 

Aposentos de D. Manuel II reintegrados no circuito de visita

 

A exposição “Fernando Coburgo fecit: a atividade artística do rei-consorte” está patente nos antigos aposentos de D. Manuel II, situados no piso nobre do Torreão do Palácio Nacional da Pena, restaurados em 2016.

 

No âmbito da intervenção, foram recuperados os estuques dos tetos, assim como as paredes, janelas e pavimentos. Foi dada particular atenção aos vestígios de cor que ainda se puderam encontrar nas paredes, assim como portas e ombreiras. Serão estas cores que se utilizarão, de resto, na musealização permanente das salas.

 

Terminada a exposição, estes compartimentos serão encerrados para obras de renovação, e posteriormente musealizados de acordo com a sua vivência histórica, ou seja, como aposentos do último rei de Portugal, D. Manuel II.

- fim –

ANOTHER LISBON STORY DOC

5b14d0d9-8d82-4527-a102-6be76cfb7720.gif

 

ANTE ESTREIA

ANOTHER LISBON STORY DOC

 

10 fevereiro 19h
Trienal de Arquitectura de Lisboa

 

O Plano Lisboa apresenta a ante estreia de Another Lisbon Story de Claudio Carbone.

Documentário | Talk | Cachupa
 

Junto ao aeroporto da Portela em Lisboa, os moradores de um pequeno bairro são parte ativa das decisões do lugar onde vivem. As suas casas refletem a ausência de uma política de habitação nos últimos anos, o que as obriga a encontrar os seus próprios meios para solucionar o problema da falta de uma habitação condigna.
Este filme sublinha as responsabilidades atuais do arquiteto no planeamento urbano, decifrando e debatendo modos de ação e inovação frente aos desafios urbanos futuros.

 

convidados:

Tiago Mota Saraiva (Ateliermob)
António Brito Guterres (DINAMIA’CET - ISCTE IUL)
Isabel Raposo (GESTUAL)

> Inscreva-se pra garantirmos o seu lugar sentado e/ou cachupa:

https://www.facebook.com/events/785327164952252/

Passatempo LISBON STORIE - Rua das Gaivotas

O Blog Cultura de Borla em parceria com a Rua das Gaivotas 6 tem um bilhete duplo para a performance LISBON STORIE para o dia 15 de Janeiro às 21h30 ao primeiro leitor que:

 

 Enviem um email para o culturadeborla@sapo.pt com a frase "Eu quero ir ver LISBON STORIE   com o Cultura de Borla" com nome, BI e nº de telefone:

 

 

20163845_87h3m.jpeg

 


D. Coltrinari, L. Onesti, M. Rossi

15 jan | dom | 21h30
6€ [bilhete normal]
Lisbon storie é o primeiro filme sobre os italianos em Lisboa. Um documentário no qual, através dos relatos de alguns dos nossos compatriotas, partilhamos o porquê destas pessoas terem escolhido viver em Lisboa. Investigadores, empreendedores, músicos, atores, etc. aparecem no filme com as suas histórias e as suas emoções.

“Ciclo de Documentário de Artista” arranca no Norteshopping

 

image005.jpg

 

Documentário “Durante o fim”, de João Trabulo, aborda a obra do escultor Rui Chafes

“Ciclo de Documentário de Artista” arranca no Norteshopping

O Silo-Espaço Cultural do NorteShopping apresenta o “Ciclo de Documentário de Artista”, que exibe filmes sobre a vida e obra de artistas portugueses. O ciclo de documentários tem início a 15 de dezembro com o trabalho de João Trabulo, “Durante o fim”, e aborda a vida e obra do escultor Rui Chafes.

O realizador João Trabulo (“Fernando Lanhas – Saber Ver Demora”, "Sombras, um Filme Sonâmbulo", "Sem Companhia") no documentário “Durante o fim”, acompanha o quotidiano do escultor Rui Chafes, numa viagem ao seu universo artístico, interior e íntimo. A obra de Rui Chafes, forjada em ferro, é o ponto de partida para desvendar o homem para lá do artista plástico. O ambiente do ateliê, seu território de eleição, é retratado pelo barulho das máquinas e o silêncio que envolve desde a idealização até à conceção de cada escultura.

A obra data de 2003 e foi apresentada em vários festivais de cinema na Europa (Itália, Dinamarca, Alemanha), no Canadá, no Brasil e nos Estados Unidos. Em Portugal, no XII Festival Luso-Brasileiro de Sta. Maria da Feira, foi contemplado com o Prémio Revelação.

Segundo o curador Nuno Malheiro Sarmento, os objetivos do “Ciclo de Documentário de Artista” são “por um lado, aproximar o público daquilo que é a intimidade do desenvolvimento de uma obra de arte e da personalidade de quem a realiza e, por outro, divulgar junto do grande público trabalhos cinematográficos de grande qualidade e valor artístico que apresentam autores fundamentais para a compreensão da Arte Contemporânea em Portugal.”

Rui Chafes é formado em Escultura pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa e no seu trabalho encontramos influências germânicas, do período em que viveu na Alemanha. A cultura clássica e o romantismo alemão servem de inspiração ao escultor, que mistura essas aprendizagens com as suas raízes portuguesas num universo de nostalgia. 

O primeiro filme do “Ciclo de Documentário de Artista” é exibido a 15 de dezembro, às 21h30, com entrada gratuita no Silo-Espaço Cultural do NorteShopping (junto ao Parque Infantil, no piso 0). Este ciclo sobre artistas plásticos portugueses promove filmes com pouca divulgação comercial que fazem parte do catálogo de produtoras independentes, não estando ao acesso do público.

De recordar que as iniciativas que integram a programação cultural do Silo-Espaço Cultural do NorteShopping fazem parte da Política de Arte Pública da Sonae Sierra, cujo objetivo passa por fomentar a criação artística e respetiva apresentação às comunidades locais, reconhecendo que as manifestações artísticas, independentemente da sua natureza criativa, proporcionam efeitos positivos e enriquecedores em quem as contempla e usufrui da sua presença. Este espaço para Exposição de Arte, presente no NorteShopping, foi criado pelo Arquiteto Souto Moura e tem atraído, desde a sua inauguração em 1999, bastantes visitantes e, em particular, turistas.

“Ciclo de Documentário de Artista” arranca no Norteshopping

 

image005.jpg

 

Documentário “Durante o fim”, de João Trabulo, aborda a obra do escultor Rui Chafes

“Ciclo de Documentário de Artista” arranca no Norteshopping

O Silo-Espaço Cultural do NorteShopping apresenta o “Ciclo de Documentário de Artista”, que exibe filmes sobre a vida e obra de artistas portugueses. O ciclo de documentários tem início a 15 de dezembro com o trabalho de João Trabulo, “Durante o fim”, e aborda a vida e obra do escultor Rui Chafes.

O realizador João Trabulo (“Fernando Lanhas – Saber Ver Demora”, "Sombras, um Filme Sonâmbulo", "Sem Companhia") no documentário “Durante o fim”, acompanha o quotidiano do escultor Rui Chafes, numa viagem ao seu universo artístico, interior e íntimo. A obra de Rui Chafes, forjada em ferro, é o ponto de partida para desvendar o homem para lá do artista plástico. O ambiente do ateliê, seu território de eleição, é retratado pelo barulho das máquinas e o silêncio que envolve desde a idealização até à conceção de cada escultura.

A obra data de 2003 e foi apresentada em vários festivais de cinema na Europa (Itália, Dinamarca, Alemanha), no Canadá, no Brasil e nos Estados Unidos. Em Portugal, no XII Festival Luso-Brasileiro de Sta. Maria da Feira, foi contemplado com o Prémio Revelação.

Segundo o curador Nuno Malheiro Sarmento, os objetivos do “Ciclo de Documentário de Artista” são “por um lado, aproximar o público daquilo que é a intimidade do desenvolvimento de uma obra de arte e da personalidade de quem a realiza e, por outro, divulgar junto do grande público trabalhos cinematográficos de grande qualidade e valor artístico que apresentam autores fundamentais para a compreensão da Arte Contemporânea em Portugal.”

Rui Chafes é formado em Escultura pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa e no seu trabalho encontramos influências germânicas, do período em que viveu na Alemanha. A cultura clássica e o romantismo alemão servem de inspiração ao escultor, que mistura essas aprendizagens com as suas raízes portuguesas num universo de nostalgia. 

O primeiro filme do “Ciclo de Documentário de Artista” é exibido a 15 de dezembro, às 21h30, com entrada gratuita no Silo-Espaço Cultural do NorteShopping (junto ao Parque Infantil, no piso 0). Este ciclo sobre artistas plásticos portugueses promove filmes com pouca divulgação comercial que fazem parte do catálogo de produtoras independentes, não estando ao acesso do público.

De recordar que as iniciativas que integram a programação cultural do Silo-Espaço Cultural do NorteShopping fazem parte da Política de Arte Pública da Sonae Sierra, cujo objetivo passa por fomentar a criação artística e respetiva apresentação às comunidades locais, reconhecendo que as manifestações artísticas, independentemente da sua natureza criativa, proporcionam efeitos positivos e enriquecedores em quem as contempla e usufrui da sua presença. Este espaço para Exposição de Arte, presente no NorteShopping, foi criado pelo Arquiteto Souto Moura e tem atraído, desde a sua inauguração em 1999, bastantes visitantes e, em particular, turistas.

Videoforum "Montado Alentejano - Um tesouro ecológico ", dia 9 de Agosto no Espaço Arkhé em Algés, às 19:30

32834721-f640-44b4-be5e-d66e59ff1ace.jpg

 

Terça- feira, 9 de Agosto, 19:30 no Espaço Arkhé, em Algés
Montado Alentejano Um tesouro Ecológico.
Videoforum por Rafael Zamith Pereira   ENTRADA LIVRE

Visualização do documentário da BBC "A floresta numa garrafa". O montado  português é dos mais ricos ecossistemas do mundo. Portugal alberga mais de 30% da área mundial de montado e é o maior exportador de cortiça do mundo. Logo a dimensão sócio-económica da floresta de sobro é importante e depende do equilíbrio - que é mantido pelo homem -  do ecossistema. O montado é então,e acima de tudo, uma paisagem cultural e um exemplo precioso de como o homem pode harmonizar-se com o meio ambiente.Explorar e compreender esta realidade é regressar àquilo que verdadeiramente nunca deixámos de ser - parte integrante da Natureza.
 

Organização:
Nova Acrópole Oeiras-Cascais

CAL exibe documentário de Carolina Espinoza no Largo Café Estúdio

12920518_1014187328634351_1547865335115732259_n.jp

 

A Casa da América Latina (CAL) apresenta, no dia 19 de abril, a projeção do documentário El Tren Popular de la Cultura no Largo Café Estúdio, em Lisboa. O filme será exibido pelas 21h30, contando com a presença da realizadora chilena Carolina Espinoza.
 
“El Tren Popular de la Cultura” conta a história de uma iniciativa do governo de Salvador Allende, que pretendia levar a cultura a populações que a ela não tinham acesso devido à sua distância geográfica da capital. Um comboio partiu rumo ao sul do Chile em fevereiro de 1971, com cerca de 60 artistas, incluindo poetas, cantores, folcloristas, comediantes, atores e mimos. Esta caravana percorreu mais de mil quilómetros, ao longo de 40 dias consecutivos, apresentando as várias representações artísticas aos povos mais isolados do país.

Documentário de Carlos Fraga em antestreia no Museu do Oriente | 10 Janeiro | 17.00 | Gratuito

Macaenses em Lisboa, ilusão ou realidade

 

 

Documentário%20Macaenses%20em%20Lisboa.jpg

 

A comunidade macaense residente em Lisboa é a protagonista do documentário de Carlos Fraga, Macaenses em Lisboa, ilusão ou realidade, com antestreia marcada para 10 de Janeiro, domingo, às 17.00, no Museu do Oriente, numa sessão de entrada gratuita.

 

A contextualização desta comunidade tem merecido, ao longo dos tempos, várias abordagens e significados. A própria declaração da afirmação étnica não tem sido pacífica, quer por quem a estuda, quer por quem a ela diz pertencer, tornando o tema aliciante e num caso de singularidade.

 

A possibilidade de um documentário sobre os macaenses em Lisboa perfila-se, na opinião do realizador espanhol, “como uma aproximação ao tema, de forma a ouvir e registar, na boa tradição antropológica de dar ‘voz’ aos envolvidos e trazer para o palco da actualidade a questão transversal de qualquer estudo/abordagem das etnicidades. Quem são? E o que são? As respostas, essas, serão porventura múltiplas e diversificadas”.

 

Esta sessão especial será apresentada por Nilton e conta com actuações de Rão Kyao, com Lu Yanan e do grupo A Outra Banda, que interpretarão temas da banda sonora.

 

Macaenses em Lisboa, ilusão ou realidade

Antestreia do documentário de Carlos Fraga

10 de Janeiro

17.00

Gratuito mediante levantamento de bilhete no próprio dia

Duração: 57´

M/6

 

Produção: Livremeio Produções

Realização: Carlos Fraga | Assessoria: Prof. Carlos Piteira | Guião: Carlos Fraga / Prof. Carlos Piteira | Direção de Produção: Helena Madeira | Fotografia e Câmara: Carlos Fraga | Operadores de Câmara em Macau: Carlos Fraga / Pedro Lemos | Operador de Som: Luís Duarte | Assistente de Filmagem: Luís Duarte | Edição e Pós-Produção: Carlos Fraga

 

Apoios: Fundação Macau | Fundação Oriente | Fundação Jorge Álvares | TdM (Teledifusão de Macau) | Restaurante Dimsum | Tradisom | Portal Martim Moniz

Colaboração: Instituto do Oriente - ISCSP/Universidade De Lisboa

 

 

Museu do Oriente, Avenida Brasília | Doca de Alcântara (Norte) | 1350-362 Lisboa

Tel.: 213 585 200 | E-mail: info@foriente.pt

www.museudooriente.pt

Siga-nos no

Documentário ÂNGELO DE SOUSA: TUDO O QUE SOU CAPAZ de Jorge Silva Melo.

 


NA MORTE DE ÂNGELO DE SOUSA
 
 
 

Em lembrança de Ângelo de Sousa, a RTP 2 volta a exibir, hoje, 30 de Março, pelas 20h50 o documentário ÂNGELO DE SOUSA: TUDO O QUE SOU CAPAZ de Jorge Silva Melo.

 
 
 
 
 
 
 
 

ÂNGELO DE SOUSA: TUDO O QUE SOU CAPAZ

Com Nuno Faria e João Perry Assistência de realização Joana Frazão Imagem José Luís Carvalhosa Som Armanda Carvalho, Quintino Bastos Montagem Vítor Alves e Miguel Aguiar Produção João Matos, Manuel João Àguas Realização Jorge Silva Melo Uma Produção Artistas Unidos/ RTP

Documentários Entre África e Índia. Antropologia e Imagem

4 e 5 de Julho

 
Museu Nacional de Etnologia
Lisboa
 

Manos_m

Nestes locais longínquos, donde nos chegam panos coloridos, a moda de andar de pinta na testa e caixinhas de cheiro em madeira trabalhada, há uma outra forma de ser e viver. Ákos Östör, antropólogo e realizador, convida-nos a conhece-las, através de imagens. Viajar ao porto de Dar es Salaam (Tanzânia), e acompanhar o dia-a-dia dos pescadores, homens e mulheres, que numa cidade de 3 milhões de pessoas continuam a utilizar equipamentos e técnicas de pesca de há séculos atrás. Ou saber, em Singing Pictures, como um grupo de mulheres indianas encontrou na pintura uma forma de exprimir temas que as preocupam. Questões do Islão, a vitimização das mulheres, a pobreza e o trabalho, tolerância e intolerância religiosa são alguns dos temas abordados. Com a presença Ákos Östör e Lina Fruzzetti, o Ciclo promete! Felisa