Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Na nova exposição do Pavilhão do Conhecimento vai conhecer os efeitos dos plásticos no oceano

Um_Oceano_Sem_Plasticos-convite.png

 

 



O plástico invadiu o nosso dia-a-dia e uma grande quantidade acaba por ir parar ao oceano. Todos podemos dar o nosso contributo na resolução deste problema é a mensagem da exposição Um Oceano sem Plástico que inaugura esta quarta-feira, dia 24 de Maio, no Pavilhão do Conhecimento - Centro Ciência Viva. A abertura é seguida de um diálogo com os cidadãos sobre a poluição por plástico e de um piquenique sustentável, na Praia da Mata, na Costa da Caparica.

Todo o plástico que não é colocado nos recipientes apropriados vai, mais tarde ou mais cedo, parar ao oceano. Os animais marinhos ficam presos nos resíduos ou confundem-nos com alimento. À medida que o plástico se degrada, vai dando origem a pequenos fragmentos muito difíceis de detectar e que estão a entrar na cadeia alimentar.

A inauguração da mostra está marcada para as 10.00, na presença de Rosalia Vargas, Presidente da Ciência Viva; Sofia Colares Alves, Chefe da Representação da Comissão Europeia em Lisboa e Herro Mustafa, da Chargée d´Affaires da Embaixada Americana em Portugal. Às 10.30 realiza-se uma sprintalk Microplásticos em ambientes marinhos com Filipa Bessa do MARE-UC, Laboratório MAREFOZ.

A exposição, produzida pelo Aquário Nacional da Dinamarca e pela ONG Plastic Change, conta com o apoio do Departamento de Estado dos Estados Unidos e da Comissão Europeia. A mostra, que já esteve em Copenhaga e Tallinn, chega agora a Lisboa, onde ficará até 15 de Agosto. Segue depois para Valeta, Génova e por fim Bruxelas.

Segue-se, às 11.15, um diálogo com os cidadãos Como tornar o oceano mais limpo e sustentável? Políticas europeias e prioridades nacionais, com João Aguiar Machado, Director-Geral dos Assuntos do Mar e da Pesca da Comissão Europeia; Fausto Brito e Abreu, Director-Geral da Direcção-Geral de Política do Mar e Tiago Pitta e Cunha, Presidente da Comissão Executiva da Fundação Oceano Azul. A moderação está a cargo de Carla Tomás, do semanário Expresso.

Desafiamos depois os participantes a juntarem-se a nós com um farnel sustentável para um piquenique anti-plástico na Praia da Mata, na Caparica, às 13:30. Poderão também participar numa recolha de microplásticos, em colaboração com a Associação Bandeira Azul e a Associação Portuguesa de Lixo Marinho.

A participação é gratuita mediante inscrição obrigatória.

Programa completo.

Exposição “heArt beats” de Luís Vieira-Baptista no Casino Lisboa até 11 de Junho

Exposição heArt beats de Luis Vieira-Baptista 4.

 

Os visitantes do Casino Lisboa podem observar, até 11 de Junho, a exposição de pintura “heArt beats”, da autoria de Luís Vieira-Baptista. Trata-se de uma original mostra individual de pintura que que expõe 31 obras na Galeria de Arte, localizada na área circundante ao Arena Lounge. A entrada é livre.

 

Inaugurada, no passado dia 20 de Abril, a exposição “heArt beats”, de Luís Vieira-Baptista continua em destaque na Galeria de Arte, registando uma expressiva afluência de público.

 

Com uma programação de diversidade artística multifacetada, o Casino Lisboa oferece aos seus visitantes, o acesso a eventos de elevado interesse artístico e cultural. A Galeria de Arte do Casino Lisboa, assume-se, cada vez mais, como um espaço expositivo prestigiado de valorização dos artistas, pela forma como os patrocina e acarinha na sua promoção e divulgação, em prol da cultura portuguesa.

 

Luís Vieira-Baptista, nasceu em Lisboa em 1954. A sua 1ª exposição individual foi em 1975, na conceituada Galeria de Arte do Casino Estoril. “A Vida é um Jogo” é o nome da exposição que no seu percurso internacional, em 1989, levou a Toronto, no Canadá e a Nova Iorque, onde em 1991, numa segunda exposição, apresentou pela primeira vez, o Visionismo como corrente artística de que é autor.

 

No mesmo ano, no Convento do Beato, numa mega exposição com mais dois artistas, apresentou o Visionismo em Portugal. No ano 2000 apresentou o livro/álbum “Visionismo ou as Sincronias do Acaso”, numa cerimónia realizada na Feira Internacional de Arte Contemporânea, na FIL em Lisboa.

 

Foi obsequiado pela Câmara Municipal de Oeiras, com a Medalha de Mérito em Ouro, em 2003, e no seu longo percurso de 40 anos, seguiram-se variadíssimas exposições, estando presente em inúmeras colecções de Arte, públicas e privadas, um pouco por todo o mundo.

 

A exposição heArt beats”, está patente ao público, até 11 de Junho, de Domingo a Quinta-Feira, das 15h00 às 03h00, e às Sextas-Feiras, Sábados e vésperas de Feriados das 16h00 às 04h00, na Galeria de Arte do Casino Lisboa.

 

Por imperativo legal, o acesso aos espaços do Casino Lisboa é reservado a maiores de 18 anos.

 

 

 

INAUGURAÇÃO A 1 DE JUNHO DA EXPOSIÇÃO DE OZIAS FILHO :: CASA DA AMÉRICA LATINA

headerozias.jpg

 

A Casa da América Latina inaugura a 1 de junho a exposição fotográfica Quasinvisível, do artista brasileiro Ozias Filho. Esta ficará patente na sede desta associação (Av. da Índia, 110) até 27 de julho, numa iniciativa promovida no âmbito da Passado e Presente – Lisboa Capital Ibero-americana de Cultura 2017.

O projeto urbano assenta em três pilares: arquitetura, vitrines e sinalética vária. Desde 2008 que Ozias Filho fotografa a temática das cidades nestas vertentes, não interessando tanto o lugar onde as imagens foram registadas, pois qualquer um dos instantâneos guarda entre si uma memória de cidade coletiva que, no entanto, não é vista pelos seus atores principais – as pessoas que nascem, definem uma trajetória de vida e morrem na cidade.

Este projeto coordenado pela Casa da América Latina inclui ainda a publicação de um catálogo onde se colocarão em destaque os conceitos e técnicas abordadas nesta exibição.

Peças dos Museus do Vaticano e do Museu de Arte Sacra de Teruel na Galeria de Exposições Temporárias da Santa Casa

 

 

Um Compromisso para o Futuro é uma exposição que recorda os 500 anos da primeira edição impressa do Compromisso da Confraria de Misericórdia e a atualidade da sua mensagem. Publicado pela primeira vez em 1516, e com edições posteriores, o Compromisso regulamenta a organização, as atividades, e as funções da Confraria da Misericórdia. Ao mesmo tempo anuncia, em letra impressa, o imperativo moral da realização das Obras de Misericórdia e do socorro material e espiritual aos mais necessitados, ou seja, aquele que seria o ideal e a prática das Misericórdias ao longo dos séculos, até aos dias de hoje.

 

Henrique Leitão, Professor Catedrático e Investigador da Universidade de Lisboa, foi o comissário convidado para esta exposição. Prémio Pessoa 2014, membro da Academia das Ciências de Lisboa e de várias outras sociedades científicas portuguesas e estrangeiras, Henrique Leitão tem uma vasta obra em assuntos de cultura, de ciência, de história do livro e das bibliotecas, no século XVI.

 

Da exposição fazem parte, entre outras peças, um exemplar da primeira edição impressa do Compromisso e duas pinturas quatrocentistas nunca antes exibidas em Portugal: Opere di Misericordia: Seppelire i morti, pertencente aos Museus do Vaticano e a Virgen de la Misericordia atribuída ao “Maestro de Teruel”, propriedade do Museu de Arte Sacra de Teruel, Espanha.

 

A exposição integra também um conjunto de fotografias encomendadas a fotógrafos portugueses, que ilustram a modernidade das obras de misericórdia e demonstram a sua importância na atualidade.

 

Informações:

 

Exposição Um Compromisso para o Futuro

De 10 de Maio a 10 de Setembro

 

Santa Casa da Misericórdia de Lisboa

Galeria de Exposições Temporárias

(acesso pela Igreja de São Roque)

Largo Trindade Coelho

1200-470 Lisboa

www.scml.pt

EMARP - Atividades Culturais Maio 2017 - Portimão

 
EX-VOTOS
Obras de JOÃO MARQUES
 
Até 26 de maio de 2017
Dias úteis das 8h30 às 17h30Deus

a1fa7bfa-b91c-4fc3-a23d-2674224d23ac.jpg

 


Charitas et Hilaritas est
Sem a intenção de me considerar pintor, até porque não é essa a minha área académica, apenas quero divulgar uma antiga tradição Religiosa de Graças recebida através de pinturas populares de ex-votos religiosos da minha autoria ou encomendados a outros.
Como os originais, na sua maioria pintados a óleo sobre madeira, já foram oferecidos a diversas paróquias e ao Vaticano, disponho apenas de algumas cópias, tendo-se perdido outras. Esta exposição é uma possibilidade de dar a conhecer em vida que Deus é Amor e Humor, na perspetiva deste humilde pecador que, apesar da idade e já perto dos 70, usando uma expressão de S. Exª Revª D. Manuel Quintas, Bispo do Algarve, “com sessenta ainda se tenta mas aos setenta só se senta", mas continua a tentar propagar as tradições regiliosas.
JOÃO MARQUES


Os ex-votos são ofertas votivas a um santo ou divindade, que tanto podem acompanhar um pedido de feliz desenlace, como constituir já o pagamento da promessa relacionada com tal pedido. Podem ser quadros, imagens ou inscrições que personificam uma intervenção miraculosa ou o recebimento de uma grande graça e, geralmente, são colocados em igrejas, capelas, estátuas, cemitérios ou cruzeiros.
A designação ex-voto vem precisamente da expressão latina ex voto suscepto, que significa “pela promessa realizada” ou “em resultado da promessa realizada”. A origem cristã do ex-voto remonta ao século IV, tendo-se generalizado na orla norte do Mediterrâneo no século XVII.
Sendo uma forma de arte popular muito genuína, na maioria dos casos o que motiva o pedido é uma situação de doença, a proteção da gravidez ou das colheitas a cura de alguma dependência, o sucesso de determinado projeto ou o encontro de alguém ou alguma coisa que tenha desaparecido. Sair ileso de algum acidente, catástrofe ou acontecimento violento constitui também motivo para os ex-votos.
De acordo com a doutrina católica, o ex-voto é uma manifestação de fé, sendo a exposição presente na EMARP constituída por réplicas, uma vez que os originais foram oferecidos a instituições religiosas, nomeadamente ao Vaticano e ao Papa.

Exposição de Ildebranda Martins no Castelo de Pirescoxe com o tema "O Grito Mudo com Eco"

cartaz_promocional.png

 

No dia 22 de abril, pelas 17 horas,  inaugura a exposição de Pintura e instalações de Ildebranda Martins no Castelo de Pirescoxe. A exposição individual de aproximadamente 40 obras estará patente até finais de julho.  

O Castelo de Pirescouxe, localiza-se na povoação de Pirescouxe, na freguesia de Santa Iria de Azóia, concelho de Loures. A mansão senhorial, acastelada, foi erguida no século XV, num ponto alto, com vista privilegiada sobre o Rio Tejo. Depois de ter sido habitada durante muitos séculos, conheceu o abandono por um longo período. Hoje, no espaço, funciona um auditório, ao ar livre para eventos culturais, uma cafetaria, galeria de artes plásticas, sala multi uso, além de uma área envolvente, ajardinada.


O tema “O Grito Mudo com Eco” está relacionado com o silêncio que impera nas ruas povoadas de sons. Nas avenidas da civilização quem grita pela respeitosa dama da verdade e aclama em voz alta pela rainha da justiça não tem direito sequer a ser amordaçado porque nem sequer tem o privilegio de ser ouvido. Há uma indiferença que mata a consciência com a arma da cegueira e que deixa a massa coletiva despedida de sentidos.

A Ildebranda Martins nasceu em Angola em 1965 e desde de 1974 que vive na área metropolitana de Lisboa. A sua ligação à arte não era profissional, mas afetiva. A sua dedicação fez com que no inicio dos anos 90 começasse a encarar a possibilidade de partilhar a sua arte com o público e assim iniciou o processo de abertura de portas. Com a disponibilidade moral que os artistas devem de ter para ouvir criticas, comentários, opiniões sobre o seu trabalho fez-se às paredes brancas com as quais  se ia cruzando e que manifestavam interesse em acolher as suas páginas de diário em formato de telas e instalações. 

 

Marta Moura inaugura exposição no TMJB

Between, de Marta Moura, de 8 de Abril a 25 de Junho, na Galeria do TMJB

 

image001.jpg

 

 

 

image002.jpg

 

 

 

Between, da artista plástica Marta Moura, é a exposição que se segue na Galeria do Teatro Municipal Joaquim Benite. É inaugurada no Sábado, dia 8 de Abril, às 18h, e ficará patente até dia 25 de Junho. Esta exposição é uma colaboração com a Galeria Caroline Pagès.

 

Nas palavras de Marta Moura, “os trabalhos apresentados nesta exposição exploram alusões simbólicas sobre relações e interacções humanas, de encontro e ligação, mutação e permanência, fragilidade e temporalidade, transformação da vida e das coisas. Relações de conexão ou analogia, partilha ou duplicidade, conversão ou passagem... A pintura permeia-se de objectos, marcas e lugares, num encontro simbólico com a vida, figurando-se de novos sentidos.”

Marta Moura (n. 1978) é licenciada em Pintura pela ESAD – Caldas da Rainha e Mestre em Pintura pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa. De entre as exposições individuais destacam-se Meet me at the bridge (2016), Vanitas (2014),Velocidade (2013) e Lost and Found (2012). Das exposições colectivas destacam-se Masquerade (2015), Diálogos com as obras do Museu Bienal de Cerveira (2015), Atlas secreto (2014), XV Bienal de Cerveira (2009), Pavilhão de Portugal (2009), Rasura (2007), Opções & futuros (2006) e Controlo remoto (2005). Foi seleccionada para o Jeune Création Européene (2011-13), para o International Call for Young Artists (2009) e para o Prémio de Pintura Ariane de Rothschild (2007). Está representada em diversas colecções públicas e privadas em Portugal, Espanha, França e Áustria.

 

TEATRO MUNICIPAL JOAQUIM BENITE | GALERIA | M/6

8 ABR a 25 JUN | QUI a SÁB das 19h às 21h30 | DOM das 15h às 19h30 | Em dias de espectáculo a galeria está aberta a partir das 19h00

 

PREÇO: ENTRADA LIVRE  

 

INFORMAÇÕES: +351 212 739 360

Atividades no Convento Madre de Deus da Verderena

 

Exposições no Claustro do Convento

 

 

 

- Os primeiros dias da Liberdade

  24 de abril a 31 de maio

 

- Embarcações Tradicionais do Tejo no Concelho do Barreiro

19 de junho a 31 de agosto

 

- Álvaro Velho do Barreiro

  2 de outubro a 29 de dezembro de 2017

 

 

Horário: dias úteis, das 9h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30.

 

Entrada Livre

 

 

Tertúlias no Convento

Ao Encontro de…

 

Cartaz Tertulias Poéticas 7.jpg

 

24 abril | 15h00 | “Memórias de África”

Integrada nas comemorações do 25 de Abril

Convidado – José Espadeiro

 

22 maio | 15h00 | “Os Poetas do meu livro de escola”

Comemorativa do Dia do Autor Português

Convidada – Paula Leite

Participação de alunos da disciplina de Cante Alentejano da UTIB

 

26 junho | 15h00 | “Património Cultural do Barreiro”

Convidada – Carla Marina Santos

Integrada nas comemorações do Dia da Cidade

 

Capela Grande do Convento da Madre de Deus da Verderena

 

Mais informações 21 206 8654

 

CMB