Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Manifestival 2017 - Manique do Intendente

cartaz manifestival 2017.jpg

 

 

A Associação Manifestival vai realizar pelo segundo ano consecutivo o Manifestival 2017, em Manique do Intendente.

 

O termo Manifestival deriva de Manifesto e Festival e pretende ser um manifesto pela vida no interior do país como alternativa assim como um festival com novas propostas.

 

A entrada será livre, como na anterior edição, pois queremos proporcionar ás nossas gentes a hipótese de estarem em contacto com diversas formas de expressão musical e que não sobrecarreguem os seus orçamentos!

 

A abertura do Manifestival será às 16 horas, música a partir das 18h e final ás 2 horas da manhã.

 

O local do evento será na grandiosa Praça dos Imperadores em Manique do Intendente, de extrema beleza e local nobre da nossa região.

 

A viagem pelo jazz, rock, hip-hop e música popular portuguesa espelha o espírito do festival proporcionando aos presentes o acesso a novos sons e abordagens musicais e aos músicos a oportunidade de mostrarem o seu trabalho num novo ambiente.

 

Nesta edição teremos: os cavaquinhos de João Frazão, músico de renome na música tradicional portuguesa quer como solista ou acompanhante de grandes músicos;  o Bernardo Tinoco Sexteto - 1 (quinteto ,portanto...), combo de jazz com alguns dos mais talentosos jovens músicos da actualidade;  o duo Magudesi (guitarra/bateria) que foi editado em várias colectâneas dos anos 80, nomeadamente a célebre "Convergências" e que aqui se vão reunir ao fim de 30 anos em exclusivo no nosso Manifestival;  o trio de Dinis Costa, excelente pianista da nova geração e para encerrar teremos os Alcool Club, grupo de Hip-Hop português já com respeitável discografia e história na nossa música.

 

A outra vertente que nos é muito querida e foi elogiada no primeiro ano é a parte degustativa supervisionada por Adolfo Henriques, ilustre produtor e activista das coisas da nossa cultura gastronómica onde daremos enfase aos produtos da região e da época.

 

 

Eco-festival Seaside Sunset Sessions conta com Juicy M na noite de 19 de agosto

Cartaz SSS'17.jpg

 

 

Eco-festival de entrada livre traz 10 dias de animação para toda a família e muita música à praia fluvial de Pampilhosa da Serra

 

Cartaz do Seaside Sunset Sessions já está completo e conta com Juicy M na noite de 19 de agosto

 

A DJ internacional, já considerada a "Melhor DJ Feminina do Ano" pela ProDJ em 2010, é a cabeça de cartaz da noite de 19 de agosto, noite em que também atuam Club Banditz e Joana Perez. A 18 juntam-se a Mastiksoul, Van Breda e Rob Willow. Oskar DJ é presença assídua nas duas noites.

 

Entre 11 e 20 de agosto todos os caminhos vão dar à praia fluvial de Pampilhosa da Serra. O cartaz da 4ª edição do eco-festival de música eletrónica Seaside Sunset Sessions está oficialmente fechado e conta com os DJs Mastiksoul e Juicy M como cabeças de cartaz das noites de 18 e 19 de agosto. Atuando em cima de um palco flutuante sobre o rio Unhais os DJs convidados prometem noites quentes com muita energia e a melhor música do momento, rodeados por uma envolvente natural de eleição.

 

Promovido pela Câmara Municipal de Pampilhosa da Serra e organizado pela LusoEvents, com o patrocínio oficial da Seaside, o Seaside Sunset Sessions está a ultimar os preparativos para a sua 4ª edição. Em 2016 este festival de entrada livre contou com mais de 16 mil festivaleiros das mais variadas idades, número que os promotores esperam superar nesta edição.

 

Em parte, para atingir este objetivo, contribui o cartaz musical já fechado que tem como noites fortes o 18 e 19 de agosto, noites em que os festivaleiros contam com a atuação de alguns dos maiores nomes da atualidade do universo da música eletrónica. Na sexta-feira, Mastiksoul, Van Breda, Rob Willow e Oskar DJ são os senhores da festa.

No sábado, 19 de agosto, a cabeça de cartaz é a DJ Juicy M mas na mesma noite atuam também Club Banditz, Joana Perez e, novamente Oskar DJ que prometem fazer vibrar a pista de dança da Praia Fluvial de Pampilhosa da Serra.

 

Mas não é apenas de música eletrónica que este festival se faz. Por entre a riqueza natural que envolve a região e cativa, pela beleza endémica e única e pelos seus habitantes tem vindo a tomar forma um festival com características ímpares. Um festival mágico, rodeado por vales, montanhas e florestas encantadas onde habitam os seres mais encantadores. Um festival que leva à praia fluvial de Pampilhosa da Serra uma experiência inigualável. Um festival capaz de nos transportar para um mundo de fantasia, aqui tão perto. Um festival que se desenvolve e cria raízes num ambiente que guarda o que mais puro existe – a Natureza no seu estado mais puro.

                                                              

É nesta envolvente que nasce o conceito Naturia, que o município pretende promover durante o Seaside Sunset Sessions, e que caracteriza a experiência que se vive na Pampilhosa da Serra: uma região do interior do país que vive sob um ritmo diferente das grandes cidades - mais calmo, pro-natura - e que privilegia a vitalidade que emana dos seus recursos, preservados no seu estado mais puro ao longo dos tempos, bem como os saberes das suas gentes e as suas origens. 

 

Para além do património natural, cultural e etnográfico, o festival Seaside Sunset Sessions promove um contínuo programa de actividades. As sunset parties diárias, as variadas aulas de grupo, workshops, aulas de dança, artes performativas, animação de rua, desportos radicais e insufláveis aquáticos fazem parte de todo o programa de actividades disponibilizado ao longo dos dez dias do evento.

 

Para que os festivaleiros possam usufruir plenamente deste festival a organização disponibiliza todas as comodidades necessárias. Para além do palco e pista de dança, esta última localizada sobre o Rio Unhais, o Seaside Sunset Sessions conta com a zona dos bares e food street, este ano com maior oferta, mais sombras e mais lugares sentados.

 

Foi também alargada a zona de camping, que se mantém gratuito, e haverá também a opção de glamping à semelhança do ano passado a preços reduzidos. Zonas específicas de estacionamento, zonas de carregamento de telemóveis e Wi-Fi gratuito, e para um maior conforto a organização providencia para esta edição mais áreas sombreadas e maior extensão de pavimento relvado e alcatifado. Para efetuar as reservas para estadias nos alojamentos glamping em breve estará disponível no website oficial do festival uma plataforma que permitirá registar as inscrições.

 

O Seaside Sunset Sessions é também um festival com preocupações ecológicas e por isso, à semelhança do que aconteceu nos anos anteriores, a organização continua a apostar na implementação de medidas eco-friendly, como a utilização de iluminação de baixo consumo e a distribuição de eco-pontos por várias áreas do recinto, para além da sensibilização para um consumo responsável dos recursos. A título de exemplo, a organização enviou para reciclagem os copos que foram utilizados durante o festival na edição anterior, mantendo desta forma a praia limpa e a vertente ecológica em prática.

 

O aumento das emissões de carbono durante os dias do evento é outra preocupação da organização que procura incentivar à partilha do transporte privado entre festivaleiros e à utilização do transporte coletivo. Há dois anos para compensar esta emissão extra de carbono e para recuperar a mancha florestal da região, dizimada pelos incêndios, plantámos medronheiros que são arbustos conhecidos por poderem travar o avanço dos incêndios e que têm uma capacidade de regeneração muito grande.

 

Curiosidades…

… O Seaside Sunset Sessions realiza-se desde 2013 sobre o Rio Unhais na praia fluvial da Pampilhosa da Serra. Esta é uma das três praias com bandeira azul no concelho.

… A Praia Fluvial da Pampilhosa da Serra foi distinguida em 2014 com a Bandeira Praia + Acessível.

 

Conheça o festival Seaside Sunset Session e acompanhe as novidades em www.sunsetsessions.pt e nas redes sociais:

🔺FESTIVAL MÚLTIPLO 🔺 17 ▶ 18 ▶19 ▶ 20 ▶ AGOSTO

6ffc67cc-16de-4f83-b433-d5dd81ec6dca.jpg

5c156d30-20f4-469c-a7ae-467ab85136f8.jpg

 

 

FESTIVAL MÚLTIPLO 2017

17-18-19-20 Agosto

Das 16H00 às 24H00 / From 4pm to 12pm
Entrada livre para sócios (quota anual 3 €) / Free entry for members (3€ annual fee)

Nos dia 17-18-19-20 de Agosto de 2016, a Zaratan - Arte Contemporânea e a Associação Terapêutica do Ruído apresentam a terceira edição do Festival MÚLTIPLO, um evento organizado por identidades plurais e referências cruzadas que promove a disseminação, a materialização e a multiplicação de experiências artísticas e partilhas culturais.
O festival é “Múltiplo” no sentido de variado e diferente, mas também por ser uma unidade que contém várias outras: o evento acontece em sinergia com uma série de parceiros e envolve de uma forma sustentável e interdisciplinar uma selecção de sujeitos e entidades dos mais interessantes no panorama artístico independente.
O Festival Múltiplo 2017 caracteriza-se uma forte componente de produção criativa DIY, com lançamentos de múltiplos, publicações e edições gráficas, e conta com uma programação intensa de performances, apresentações e tertúlias, incluindo a participação de dezenas de artistas nacionais e internacionais.

Co-organização: Zaratan - Arte Contemporânea e Associação Terapêutica do Ruído
Parceiros: A Besta, ZigurArtists. Alienação, Edições Senhora do Monte, Stolen Prints

BONS SONS 2017: Viagens Sonoras a bordo de várias naves… espaciais

BONS SONS 2017
VIAGENS SONORAS A BORDO DE VÁRIAS NAVES… ESPECIAIS

imagem.jpg

 

Domingo no BONS SONS, o programa musical tem os olhos no futuro e traz recordações do passado. Durante os dias de festival, Cem Soldos é um lugar de encontros. A ansiedade é muita para revisitar velhos amigos e conhecer novos. A música percorre as ruas e entra nas casas. “AGORA, AQUI” é umas das surpresas mais bem guardadas do festival, com artistas a entrarem casa adentro e fazerem pequenos instantâneos acústicos para quem conseguir, ou calhar, ver.

 

 

13 AGOSTO


10:00   MÚSICA PARA CRIANÇAS Armazém
15:00   MOÇOS DA VILA MPAGDP
16:15   JOANA BARRA VAZ Giacometti
17:30   SONOSCOPIA Tarde ao Sol
17:45   CARLOTA LAGIDO Auditório
18:45   CAPTAIN BOY Giacometti
20:00   SAMPLADÉLICOS Tarde ao Sol
21:00   PAULO BRAGANÇA Lopes-Graça
22:15   SAMUEL ÚRIA Eira
23:30   10.000 ANOS DEPOIS ENTRE VÉNUS E MARTE Lopes-Graça
00:45   ORELHA NEGRA Eira
02:00   PUTO ANDERSON, DJ NINOO E K30 (FIRMA DO TXIGA) Aguardela



O terceiro dia de BONS SONS começa com os Moços da Vila no Palco MPAGDP. A fazer jus ao nome, estes jovens entoam orgulhosamente o cante alentejano, reconhecido pela UNESCO como Património Imaterial da Humanidade desde 2014.

Joana Barra Vaz sobe ao coreto da praça de S. Pedro e vai mostrar porque foi aclamada pela crítica logo no seu primeiro registo de longa duração. Joana embala-nos entre o folk e a electrónica e leva-nos no ritmo das canções que traz na ponta da língua.

No Palco Tarde ao Sol, uma proposta diferente com Sonoscopia a apresentar “Phobos, orquestra robótica disfuncional” – um conjunto de pequenos geradores automáticos de música que formam uma orquestra de dispositivos estranhos com comportamento aleatório. Voltamos depois ao Giacometti para ouvir mais um capitão do festival. A voz rouca e guitarra a tiracolo de Captain Boy contam-nos as histórias das suas aventuras a bordo de um barco imaginário. Os Sampladélicos levam-nos de novo a entrar na igreja de S. Sebastião para um espectáculo que tem tanto de sonoro como visual, com uma performance a partir das gravações de práticas musicais e ambientes sonoros que percorrem todo o país.

Um dos regressos mais aguardados, só possível para o BONS SONS, é o de Paulo Bragança, intérprete excepcional do fado. Fiel à imagem irreverente que caracterizam a sua maneira de sentir a musica, Paulo Bragança está de volta a Portugal para um espectáculo que focaliza grande expectativa do público.

Samuel Úria tem presença assídua em vários palcos do país e no BONS SONS tem reservado o Palco Eira. É um prolífico cantautor e em constante desafio para o acompanharmos nas suas mensagens e letras cheias de conteúdo para decifrar.

Corria o ano de 1978 e a conquista espacial estava no horizonte político mundial. Uns passos à frente estava o visionário álbum 10.000 anos depois entre Vénus e Marte, uma obra de génio do rock, editada à frente do seu tempo, que ganhou estatuto de álbum de culto tanto em Portugal como além-fronteiras. É este o grande motivo para celebrarmos os quase 40 anos deste álbum, no Palco Lopes-Graça, com o seu compositor e intérprete original, José Cid.

Os Orelha Negra prosseguem o seu ritmado e envolvente reencontro com um público sempre ao rubro. Reabre-se o Palco Eira para os receber, às suas canções ao rubro e aos medleys surpreendentes a que a banda já nos habituou.

A noite termina no Palco Aguardela com Puto Anderson e DJ NinOo, dois dos membros da Firma do Txiga, produtores inventivos, DJs realizados e uma das crews mais jovens e pujantes a produzir música de dança electrónica autóctone da Grande Lisboa, na companhia de K30.

No Auditório, Carlota Lagido apresenta Jungle Reed ou Der Elgnuj, um argumento ornitológico, que conta com a participação de diversas pessoas para transmitirem à autora um minuto de uma ideia, sequência de movimento, imagem em movimento ou cénica, um universo sonoro, que serão posteriormente transformadas em algo seu, do seu corpo, com um tempo e características outras, fazendo o todo da composição coreográfica.



AGORA, AQUI


Sem pré-aviso, os concertos instantâneos vão decorrer ao longo das tardes do festival. Em qualquer ponto do recinto, mesmo dentro das casas, os artistas do cartaz podem emergir com um micro-espectáculo tão acústico como irrepetível. Quem está, está.




Vem Viver a Aldeia!





 

BBILHETES À VENDA APENAS NAS BILHETEIRAS DO RECINTO
PASSE 4 DIAS: 45€
BILHETE DIÁRIO: 22€

.BONS SONS 2017: Partida Lagartixa, Fugida

BONS SONS 2017
PARTIDA, LAGARTIXA, FUGIDA
 

A aldeia abriu as portas e o cartaz começa forte, logo no primeiro dia. O BONS SONS hoje é o espaço ideal para acompanhar projectos emergentes e a evolução da mais recente música portuguesa. Cem Soldos enche-se de cor com a feira de novo artesanato e com as simpáticas Tixas, que nascem de um projecto de intercâmbio cultural que une gerações. Chegar a Cem Soldos é tão fácil que, para uma escapadela de fim-de-semana, vale a pena – prometemos só o melhor programa cultural do país, pensado para toda a família.

PARTIDA

 

11 AGOSTO

10:00   MÚSICA PARA CRIANÇAS Armazém
14:00   BAND’OLIM MPAGDP
15:45   SINGULARLUGAR MPAGDP
16:45   WHALES Giacometti
17:45   ANA JEZABEL E ANTÓNIO TORRES Auditório
18:00   MANUEL FÚRIA E OS NÁUFRAGOS Tarde ao Sol
19:15   SURMA Giacometti
20:45   HOLY NOTHING Lopes-Graça
22:00   GLOCKENWISE Eira
23:15   VIRGEM SUTA Lopes-Graça
00:30   CAPITÃO FAUSTO Eira
01:45   THUNDER & CO Aguardela
03:00   GROOVE SALVATION Aguardela

Hoje arrancamos os concertos com Band’Olim na igreja de S. Sebastião, um projecto de originais com raízes na tradição musical portuguesa, folk e clássica, seguidos de SingularLugar, um duo com sotaque lusófono a criar pontes entre o popular e o erudito, que incluem no reportório composições originais, além de temas tradicionais e canções de Fausto e José Afonso.

Vencedores da edição 2016 do Festival Termómetro, os Whales são uma das mais recentes revelações da nova música de Leiria e vão estrear esta edição do Palco Giacometti. No adro da igreja, Manuel Fúria no seu percurso a solo acompanhado pelos Náufragos mantém o cruzamento pródigo entre o rock e a música tradicional portuguesa, que já havia ensaiado no seu projecto colectivo Os Golpes. De volta ao coreto, vamos poder ver Surma, a one-woman-band com sons que oscilam entre o jazz e o post-rock, a pintar-nos paisagens desconhecidas.

Com o cair da noite e a inaugurar o soalho do Palco Lopes Graça, os Holy Nothing, vão misturar projecções com sintetizadores, palavras com imagens, música com cinema. A percorrer o vão entre o rock’n’roll e o garage-rock com pinceladas indie dos 80s, o quarteto barcelense Glockenwise vai inflamar o Palco Eira.

Os Virgem Suta transpiram portugalidade e assumem-no. Vão tocar guitarras, adufe e cavaquinho no palco mais central, porque lhes é natural e a isto juntar uma letra mordaz que só contribui para dançarmos com um sorriso.

À nossa espera no Palco Eira vão estar os Capitão Fausto com três álbuns de canções orelhudas em carteira. Entre o rock e a pop, têm-se afirmado na cena musical portuguesa com crescente maturidade e inspiração.

A pista de dança liderada pelo Palco Aguardela começa com a batida balançante de Thunder & Co., uma referência nos valores emergentes da música portuguesa, com um registo sonoro único e emocionante. A fechar a noite, Groove Salvation traz as suas remixagens com sons house, deep house e tech house.

Além do cartaz musical, o Auditório é o espaço das artes performáticas em parceria com a Materiais Diversos. Hoje Ana Jezabel e António Torres trazem um debate sobre o próprio corpo, sobre as suas características, sobre a personalidade que o veste, aspetos para esquecer, ocultar, e que, contudo, perduram e emergem incontrolavelmente.

 

tixas.jpg

 

Festival Internacional de Blues do Alentejo recebe primeira edição Reguengos Wine & Blues Fest nos dias 11 e 12 de Agosto

af638e10-ff07-49ed-a513-d621e05f8456.jpg

 

O Reguengos Wine & Blues Fest vai ter em 2017 a sua 1ª edição, nos dias 11 e 12 de Agosto no Parque de Feiras e Exposições
de Reguengos de Monsaraz

Este Festival é uma organização da Câmara Municipal de Reguengos de Monsaraz com a produção da Trovas Soltas e está integrado na 25ª Edição da ExpoReg (Exposição de Atividades Económicas de Reguengos de Monsaraz, que decorre entre os dias 11 e 15 de agosto)

 

Programa:

Sexta – 11 de Agosto

21h45 – 23h15 : Concerto Chino & the Big Bet

23h35 – 01h00 : Concerto Budda Power Blues & Maria João – The Blues Experience

 

Sábado – 12 de Agosto

21h45 – 23h15 : Concerto Fast Eddie Nelson

23h35 – 01h00 : Concerto Shirley King Blues Band
 

Entrada livre.

 

FEST e Coca-Cola levam cinema a Paredes de Coura

fb9bbe51-fb3d-4616-8f94-f8e14b080fd5.jpg

 

 

 

FEST – Coca-Cola Cool Down

13 – 15 de Agosto de 2017

Praia Fluvial do Tabuão | Festival Vodafone Paredes de Coura

 

O FEST – Coca Cola Cool Down, a jeito de pós-fest, sobe ao palco Jazz na Relva durante os dias 13, 14 e 15 de Agosto, com actividades que começam às 19h e permitem à população e campistas já instalados participarem em actividades cinematográficas entre concertos. O programa inclui ambiciosos filmes do universo FEST, bem como conversas descontraídas com convidados FEST: profissionais nacionais e internacionais do mundo do cinema.
As actividades vão de encontro àquele que foi o lema do festival de cinema, que terminou em Junho: “Stop Oppression, Stop Regression, Stop Agression”. Os filmes exibidos abordam temas como a sobrepopulação, o direito à manifestação pacífica, bem como as consequências da austeridade económica. Documentário, drama e comédia garantem um início de noite irreverente, com olhares frescos de realizadores que não baixam os braços face à adversidade.
Não faltará diversão, introspecção e, claro, pipocas, neste evento apoiado pela Coca-Cola, que assim destaca os novos realizadores e se alia à promoção do cinema independente.


PROGRAMA


13 de Agosto
19h – Conversa com Ruth Llopis | Actriz e Produtora
21h – Exibição “The One Eyed King” | Marc Cruhuet | ES | 85’


14 de Agosto
19h – Conversa com Peter Webber | Realizador
21h – Exibição “10 Billion” | Peter Webber | UK | 83’

 

15 de Agosto
19h – Conversa com Ricardo Leite (Prémio da Audiência FEST 2017)
21h – Exibição “A Instalação do Medo” | Ricardo Leite | PT | 14´
         “São Jorge” | Marco Martins | PT | 112’

Festival Seaside Sunset Sessions arranca amanhã

image001.jpg

 

 

 

Estamos a menos de 24 horas do arranque oficial da 4ª edição do eco-festival Seaside Sunset Sessions que levará à praia fluvial de Pampilhosa da Serra a melhor música eletrónica, com sunsets e after hours diários, mas também muita animação e atividades que permitem ao longo de todo o dia tirar o máximo partido da riqueza natural oferecida por este município do centro interior do país.

 

Entre as comodidades disponibilizadas para os festivaleiros que se deslocam à Pampilhosa da Serra destaca-se a Street Food, nesta edição com uma oferta mais abrangente, com mais sombras e mais lugares sentados, a zona de carregamentos de equipamentos digitais, a área de camping gratuito e o glamping, disponível a preços acessíveis.

 

De entrada livre este festival, promovido pela Câmara Municipal de Pampilhosa da Serra e organizado pela LusoEvents, com o patrocínio oficial da Seaside, decorre até 20 de agosto.

 

Passatempo FESTIVAL BONS SONS

O Blog Cultura de Borla tem passes gerais individuais para o "FESTIVAL BONS SONS"  aos primeiros leitores que de 5 em 5 participações:

 

- enviem um mail para culturadeborla@sapo.pt com a frase "Eu quero ir ao  "FESTIVAL BONS SONS"   com o Cultura de Borla" com nome, BI e nº de telefone.

 

 

20424342_10156555160074517_2369919959179140115_o.p

 

OUT.FEST 2017 - Novas Confirmações: CATERINA BARBIERI, LOLINA, GYUR, COLECTIVO VANDALISMO

 

 

OUT.FEST – Festival Internacional de Música Exploratória do Barreiro 

2017 / 14ª edição 

De 4 a 7 de Outubro em vários locais da cidade do Barreiro

Uma Co-Programação da OUT.RA - Associação Cultural e da Filho Único - Associação Cultural

 

http://www.outfest.pt 

 

Novas confirmações: 

CATERINA BARBIERI (IT)

LOLINA (RU)

GYUR (PT)

COLECTIVO VANDALISMO (PT)

 

Juntando-se aos já conhecidos em cartaz: 

THIS IS NOT THIS HEAT (UK)

JEJUNO (PT)

THE PERE UBU MOON UNIT (US)

CASA FUTURO (P. Sousa, J. Berthling & G. Ferrandini) (PT/SE)

NOCTURNAL EMISSIONS (UK)

SIMON CRAB (UK)

JONATHAN ULIEL SALDANHA & CORAL TAB (Coro dos Trabalhadores da Autarquia do Barreiro) + CORO BE VOICE (PT)

BOOKWORMS (US)

 

Bilhetes: 

** Último lote de Passes Gerais à venda nos locais habituais ao preço de 30€ **

 

**

Do novo grupo hoje anunciado, ressalta o denominador comum da linguagem da música electrónica trabalhada ao serviço de ideias de fazer novo, diferente, alternativo, no espaço, ainda e sempre a dimensão mais desafiante para explorar. 

A italiana Caterina Barbieri é uma compositora em sintetizadores modulares, que lançou o aclamado disco "Patterns Of Consciousness” na Primavera última no selo Important Records. O seu trabalho de ambientes sonoros rizomático, frondoso em arpeggios sintetizados e algoritmos melódicos intricados, mereceu o apto elogio de Alessandro Cortini, dos Nine Inch Nails, que achou-o “elegantemente movendo-se entre o melódico aprazível, sequências desconfortáveis e espaços sónicos de abrigo e conforto”. > https://youtu.be/kNKvsdyCTy4 

Lolina é a nova pele da artista a viver e trabalhar entre Londres e Tallin, natural de Samara, Rússia, anteriormente conhecida como Inga Copeland - quer a solo, quer a meias nos Hype Williams, que partilhava com Dean Blunt. As suas produções de música electrónica desde o finamento do duo mestre do fascínio do intangível têm revelado uma estética insigne; exigentes, discordantes, contudo melódicas e sensuais. O engajante “Live in Paris”, lançado online em formato video, chegando a versão em CD um par de meses depois, mostrou a artista em palco cercada por uma projecção multiscreen do jogo de tabuleiro ‘Monopólio’, numa possível apocrifia conceptual sobre as dinâmicas sócio-económicas-culturais que se trocam em Londres nos tempos que correm. > https://vimeo.com/156627557 

GYUR é, tal como a emergente BLEID que actuou há dois anos no OUT.FEST, parte da CRATERA, um grupo de criadores de ‘conteúdos digitais’ com epicentro na difusa Grande Lisboa. Através do bandcamp do colectivo editou em Fevereiro último o primeiro disco, “Garble”, produzido, misturado, masterizado e com artwork pelo autor. Temas cascantes, de ataques rítmicos cyber punk levedantes, com um sentido narrativo cognitivamente desafiante. > https://cratera.bandcamp.com/album/garble 

 

Os Colectivo Vandalismo é a dupla constituída por Pedro Abrantes e Valdemar Pereira, dividindo-se entre Braga e Porto. Lançaram no final do ano passado a nortada carismática “Untitled” na Eye For An Eye Recordings. Música minimal, agressivamente fresca e subtil, num equilíbrio aprimorado entre o cru e a sofisticação nos processos e resultados claramente vencedor. Evocativa das Waves europeias mais escuras e frias dos anos 80, transcende o fetiche fácil de compilação underground em cassete da época - até na tuga a “Coma” já no início da década de 90 deu fogo à peça - justapondo códices tecnados desde então tornados música. > https://eyeforaneyerecordings.bandcamp.com/album/untitled-2 

 

Mais informações em http://www.outfest.pt