Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Festival Flamenco de Lisboa no Teatro da Trindade

image006.jpg

 

Sala Eça de Queiroz

26 out | M6
Qua 21:30
 O Festival realiza no Teatro da Trindade INATEL três concertos:
Javier Conde
(26 out), Columna Flamenca (25 nov) e Niño de Elche (26 nov)

image007.jpg

 



O Flamenco, como património, “rompiendo las camisas” do “bom pano” português.

JAVIER CONDE CUARTETO

“EL FLAMENCO Y SU VIBRANTE MUNDO” Guitarra | Cante | Baile

Guitarra solista JAVIER CONDE

Baile ZAIRA SANTOS

Cante PACO “EL LEVITA”

Segunda Guitarra JOSÉ A. CONDE

produção Associação Flamenco Atlântico

 

Festival Estarrejazz regressa com 6 concertos imperdíveis

jazz.jpg

 m outubro celebra-se o 11º Estarrejazz no Cine-Teatro de Estarreja, onde o universo do improviso encontra um novo fôlego e dimensão. Entre 6 a 15 de outubro, o jazz invade o auditório principal do CTE para 6 concertos geniais, sempre às 21h30. 

 

O contrabaixo será um gigante desta edição, com homenagem a um dos seus maiores embaixadores Charles Mingus pelo The Mingus Project (7 out. sexta, 21h30); com o concerto de um dos melhores intérpretes portugueses, o contrabaixista Carlos Barretto, que desta vez pisa o palco estarrejense com Lokomotiv, um dos mais antigos trios do jazz português, com Mário Delgado na guitarra e José Salgueiro na bateria e percussão (13 out. quinta, 21h30); e a presença de Zé Eduardo, mais um notável convidado da Big Band Estarrejazz (15 out. sábado, 21h30), que no papel de contrabaixista tocou com grandes nomes do jazz internacional, tais como Art Farmer, Kenny Wheeler, Steve Lacy, Harold Land ou Brad Meldhau.

 

O Estarrejazz assume uma forte componente internacional, reforçada com o trio espanhol de Pedro Calero (8 out. sábado, 21h30), inconfundível pela exclusividade e o som do órgão hammond, e o CMS – Colina, Miralta, Sambeat Trio (14 out. sexta, 21h30) que reúne três dos mais emblemáticos jazzmen no panorama europeu. A edição de 2016 do Estarrejazz abre com a Big Band e Coro do Conservatório de Música de Aveiro de Calouste Gulbenkian (6 out. quinta, 21h30).

 

 

Um percurso que está a completar 11 anos. A a­firmação do jazz num festival dedicado à divulgação e fruição do jazz contemporâneo.

 

Desde 2005 que o Cine-Teatro de Estarreja acolhe, anualmente, o Estarrejazz – Festival de Jazz de Estarreja. Acontece no início do outono, com um cartaz composto por concertos de grandes músicos contemporâneos.

 

Ao longo de 10 edições o Estarrejazz recebeu nomes como Maria João, Bernardo Sassetti, Mário Laginha, André Fernandes, Nelson Cascais, Carlos Barretto e Carlos Bica, sem esquecer a presença de luxo de Kurt Elling.

 

Em 2013 o festival lançou a sua própria orquestra. A Big Band Estarrejazz, resultado dos workshops e masterclasses promovidos durante o festival, reúne jovens músicos e teve a sua estreia na 8º edição. Uma extensão da marca Estarrejazz, mas também uma montra viva da qualidade dos jovens músicos da Região de Aveiro, que tem andado em digressão pelo país.

 

 

Programa

Quinta 6, 21h30 Big Band e Coro do Conservatório de Música de Aveiro de Calouste Gulbenkian
Sexta 7, 21h30 The Mingus Project 
Sábado 8, 21h30 Trio Pedro Calero
Quinta 13, 21h30 Carlos Barretto - Lokomotiv
Sexta 14, 21h30 CMS - Colina, Miralta, Sambeat Trio
Sábado 15, 21h30 Zé Eduardo + Big Band Estarrejazz 

Local Cine-Teatro de Estarreja Organização Câmara Municipal de Estarreja Website www.cineteatroestarreja.com

JÁ ESTE FIM-DE-SEMANA | Coca-Cola junta música e gastronomia portuguesas

 

 

image002.png

 

 

09, 10 e 11 de setembro, Sala Tejo do Meo Arena

Coca-Cola junta música e gastronomia portuguesas

 

 

Katia Guerreiro, Diogo Piçarra, Paulo Gonzo e João Pedro Pais são os cabeças de cartaz dasegunda edição do festival gastronómico Adoramos a nossa Gastronomia com Coca-Cola, que decorre nos dias 09, 10 e 11 de setembro, na Sala Tejo do Meo Arena, em Lisboa. O Festival reúne os 12 restaurantes finalistas que ganharam as etapas regionais organizadas entre março e junho, de norte a Sul de Portugal continental, Açores e Madeira e onde participaram mais de 1200 restaurantes.

 

Durante três dias, música e gastronomia portuguesa estarão de mãos dadas:

 

  • Dia 23, sexta-feira: das 19h às 23h

Banda Baco e Kátia Guerreiro

  • Dia 24, sábado: das 12h às 16h e das 19h às 23h

Diogo Piçarra e Paulo Gonzo

  • Dia 25, domingo: das 12h às 16h

Banda RED e João Pedro Pais

 

 

 

 

Os restaurantes finalistas, escolhidos pelo público e avaliados pelo Chef Tiago Bonito, apresentam neste evento o melhor da gastronomia nacional, oferecendo a todos os visitantes a possibilidade de saborear 12 dos pratos típicos que exaltam a Portugalidade:

  • MADEIRA: Bife de Atum
  • MINHO NORTE: Rojões à Moda do Minho
  • MINHO SUL: Arroz de Pato
  • GRANDE PORTO: Francesinha        
  • NORTE INTERIOR: Bacalhau à Lagareiro
  • GRANDE LISBOA: Bacalhau à Brás
  • SUL DO TEJO LITORAL: Arroz de Tamboril
  • NORTE LITORAL: Caldeirada de Peixe
  • CENTRO: Migas com Carne
  • ALGARVE: Choquinhos à Algarvia
  • SUL DO TEJO INTERIOR: Sopa de Cação
  • AÇORES: Alcatra à Moda dos Açores

 

A Coca-Cola, como promotor deste evento, pretende valorizar a cultura gastronómica portuguesa, proporcionando experiências que aproximem os seus consumidores do que de melhor e mais genuíno existe na comida regional portuguesa.

O festival conta com o apoio institucional da AHRESP - Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal.

 

A entrada custa 2,5 euro e a cada visitante será oferecido uma coca cola e um copo contour com perfect serve.

Bilhetes estão à venda na BlueTicket.

MUVI Lisboa’14: As Canções Com Gente Dentro em competição

MUVI Lisboa’14: As Canções Com Gente Dentro em competição

 

“Far From Everything”, "Vayorken" e “Shoes For The Man With No Feet”  no Palco Nacional e “Lazaretto”, “When I Grow Up” e “El Aguante” no Palco Internacional são alguns dos nomes que podem ver na competição Canções Com Gente Dentro

 
A competição Canções Com Gente Dentro nos Palcos Nacional e Internacional do MUVI Lisboa’14, conta com 50 vídeos musicais realizados entre 2013 e 2014. A escolha foi renhida e bastante difícil, dada a qualidade e quantidade dos mesmos. Desta forma, criámos três sessões de vídeos musicais na programação do MUVI Lisboa, onde uma delas é exclusiva de animação e ilustração.  
As condições estão criadas para durante a 1h30 de sessão o público ser confrontado com as técnicas mais incríveis, argumentos, fotografia, basicamente como um simples vídeoclip conta uma história. Muitos são mesmo ‘mini-filmes’.

As Canções Com Gente Dentro + Palco Nacional conta com 17 vídeos musicais em competição:
- “This is maybe the place where trains are going to sleep at night” (Noiserv) e “After December” (You Can’t Win, Charlie Brown), ambas do coletivo We Are Plastic Too
- "We Came In Peace" (Nuno & The End) de João Costa
- “Barba” (Pernas de Alicate) de Sara Feio e Dickon Knowles
- “Pobre e Rico” (Batida) de Pedro Coquenão
- “Far From Everything” (White Haus) de Vasco Mendes
- “O Homem Que Dança” (Guta Naki) de Joana Areal
- “Cara” de André Marques
- “Sem Ponta Por Onde Se Pegue” (PZ) de Alexandre Azinheira
- “Zenith” (La Flag) de Marcelo Engenheiro
- “Neve” (NBC) de Sérgio Santos
- “Night Drive” (Joana Gama & Luís Fernandes) de Eduardo Brito
- “Eles deram as mãos” (TV Rural) de Chris Agnese e Gil Chagas
- “3 and a Half Pellets” (The Big Church of Fire) de Luís Melim Pereira
- “Shoes For The Man With No Feet” (First Breath After Coma) de Edurado Brito
- ”Belong” (Les Crazy Coconuts) de Diana Antunes
- “Poeta Falhado” (Expeão) de Paulo Pinto
- “Paluí” (Helena Caspurro) de Carlos Silva e Pedro Almeida
- "Âncora" (Stray) e "Vayorken" (Capicua), ambas de Artur Caiano

As Canções Com Gente Dentro + Palco Internacional conta com 33 vídeos musicais em competição, dos quais destacamos os seguintes:
- “Sine” (Bites) de Maria-Ines Manchego
- “Who” (David Byrne & St Vincent), “When I Grow Up” (Fever Ray) e “Retrograde” (James Blake) de Martin de Thurah
- “Sequenz” (Neosignal) de Benjamin Mege e Charles Klipfel do colectivo Dent De Cuir
- “Au” (Kaja Gunnufsen) de Kenneth Karlstad
- “El Aguante” (Calle 13) de Kacho López
- “Lazaretto” (Jack White) de Jonas e Francois
- “Digital Witness” (St. Vincent) de Chino Moya
- “Hourglass” (Rodrigo Amarante) de Rodrigo Amarante
- “Busy Earnin” (Jungle) de Oliver Hadlee Pearch
- “Fuckers” (Savages) de Giorgio Testi
- “Water Fountain” (tUne-yArds) de Joel Kefali
- “Someone” (We Have Band)
- “Allaxis” (Kaly live dub), “Sufferation” (Brain Damage meets Vibronics), “Parler le fracas” (Le Peuple de l'Herbe), todas de Wasaru
 
Um vídeo musical não é apenas uma música vista, é uma imagem, um universo, uma recriação em minutos de um quadro. Sim, sabemos que estão no youtube/vimeo mas nada substitui a sua visualização numa sala com as condições que só o Cinema São Jorge oferece.
 
De 3 a 7 de setembro o MUVI Lisboa’14 vai invadir o Cinema São Jorge em Lisboa com o que de melhor se tem feito no âmbito do cinema sobre música. Sintonizem os vossos olhares: a música agora é outra, e não deixem de apoiar o nosso Crowdfunding: http://ppl.com.pt/pt/prj/muvilisboa.

Venham ser surpreendidos.


Para mais informação consultem:
www.muvilisboa.com
 

IX FESTIVAL INTERNACIONAL MÁSCARA IBÉRICA

KEPA JUNKERA, 10 maio, 22 horas


 

Kepa Junkera, referência internacional da música folk, regressa a Lisboa para o IX Festival Internacional Máscara Ibérica

 

 

Kepa Junkera é uma das estrelas confirmadas para animar o IX Festival Internacional da Máscara Ibérica, que decorre em Lisboa entre 8 e 11 de maio. O músico basco sobe ao Palco Ibérico  no dia 10 de maio, pelas 22h00, prometendo contagiar o público com as sonoridades folk que fazem dele uma referência a nível internacional. Kepa Junkera, que tem no acordeão diatónico (chamado trikitita) o seu instrumento de eleição, conseguiu, desde cedo, estabelecer a fronteira entre os sons tradicionais do seu país Basco natal e uma musicalidade mais contemporânea. O virtuosismo musical é sempre acompanhado por espectáculos por onde perpassa uma explosão de alegria, autênticas descargas emotivas que não deixarão de contagiar o público lisboeta.

 

Não obstante ter nascido em Bilbao, em 1965, e ser um orgulhoso defensor das raízes do País Basco, Kepa Junkera fez da folk global a sua herança, através de uma criatividade única, irrequieta e sem concessões. O seu último trabalho, que será apresentado em Lisboa, chama-se “Galiza”, e, uma vez mais, Junkera estabelece uma fusão entre a sua trikitita e as tradicionais gaitas, vozes, pandeiros e harpas galegas, criando uma paleta folk que tanto apela à introspecção, como se revela o detonador de um universo musical explosivo e que não deixa ninguém indiferente. Kepa Junkera começou a publicar em 1988 e foi uma pedrada no charco no panorama musical basco. A trikitita saía do contexto tradicional e entrava de rompante em novas estéticas musicais. Em 1990, com o álbum “Triki Up” e, no ano seguinte, com “Trikita Zoom”, Junkera afirma-se em definitivo como um nome maior do folk contemporâneao, iniciando também um processo de internacionalização que o levaria a actuar nos quatro cantos do mundo.

 

Desta forma, Kepa Junkera promete tomar de assalto a baixa de Lisboa, durante o IX Festival Internacional da Máscara Ibérica, transformando a maior mostra de turismo cultural e regional que se realiza no país numa festa sem freio e que promete ser um marco inolvidável na capital.

 

SOBRE O PROGRAMA

 

Tendo a Praça do Rossio como espaço âncora, o festival contará com o já tradicional Desfile Máscara Ibérica (dia 10, sábado às 16h30, com partida da Praça do Município para o Rossio, através da Rua do Ouro), onde são esperados mais de 500 participantes, divididos em 30 grupos. O Norte e Centro de Portugal, Galiza, León, Zamora, Cáceres, Astúrias e Salamanca, entre outros, são as regiões que irão participar neste exuberante evento. O desfile, que a cada ano surpreende e entusiasma transeuntes, conta este ano e pela primeira vez com um grupo da Sardenha (Itália), os Mamuthones e Issohadores Pro Loco Mamoiada.

Para lá do desfile, o programa apresenta-se, como de costume, variado. A Gastronomia Ibérica, com showcookings e workshops, e os Vinhos Ibéricos, juntam-se à Mostra das Regiões, onde, todos os dias, a partir das 11h00, no Rossio,  as propostas se multiplicam. Ali, será possível descobrir e adquirir algumas das mais tradicionais iguarias ibéricas – fumeiro, doçaria regional -, e peças artesanais nacionais e espanholas, espalhadas por 30 espaços. Este ano participam nas actividades gastronómicas os chefes Michelin: Vítor Matos (Restaurante Largo do Paço no Hotel Casa da Calçada em Amarante), Miguel Laffan (Restaurante L’and no Resort L’And Vineyards em Montemor-o-novo), Marcos Moran (Restaurante Casa Gerardo, Gijon) e André Silva, recentemente eleito Chefe Cozinheiro do Ano 2013. A animação de rua será assegurada, durante as tardes, pelos Sidros de Valdesoto (Astúrias), pelo grupo Mamuthones e Issohadores Pro Loco Mamoiada (Itália) e Gaiteiros de Viana do Bolo (Espanha).

O Palco Ibérico apresenta concertos de música folk de raiz tradicional europeia com elementos de fusão entre o ska, reggae e rock nas noites de sexta e sábado e tarde de domingo. Sexta-feira, dia 9, a noite é dedicada a Espanha e conta, a partir das 22h00, com a actuação dos Skama la Rede, grupo que regressa a Lisboa após ter protagonizado um dos mais emblemáticos concertos de sempre do Festival da Máscara Ibérica. No sábado, dia 10, actua Kepa Junquera, às 22h00. Domingo, dia 11, às 18h00, a música é em português com Ginga.

Paralelamente, organiza-se, uma vez mais, o concurso de fotografia Desfile com a Máscara Ibérica 2013, cuja exposição com as fotos vencedoras estará patente no Rossio.

Waterwall

5 e 6 de Agosto de 2011

22h

 

Praça do Comércio

Lisboa

 

Esta promete ser uma hora em que ninguém vai passar sede. É água, senhores, muita água. Uma parede deste líquido tão puro que, num ápice, se torna selvagem em fúria. A batalha vai contar com 16 guerreiros/bailarinos/acrobatas que farão as delícias dos nossos olhares. As leis da gravidade serão por eles desafiadas, revelando toda a liberdade e destreza físicas perante o poder da água. Serão anfíbios? De véu transparente a muro quase impenetrável, este elemento natural é hoje o rei da Praça do Comércio. Por isso, rememos e/ou surfemos ao Terreiro, ávidos por puro entretenimento. E brindemos… com água! (Quem se atreve a dizer que azar!?) / Sónia Castro

Participe nas Provas Comentadas e nos Laboratórios do Gosto durante o Festival do Queijo, Pão e Vinho!

 

 

Participe nas Provas Comentadas e nos Laboratórios do Gosto durante o Festival do Queijo, Pão e Vinho!


Provas Comentadas
Local: Auditório do Festival do Queijo, Pão e Vinho
Datas: 2 de Abril e 3 de Abril
Duração: 30-45 minutos
Descrição: Provas de vinhos da Península de Setúbal dirigidas por enólogos de cada adega convidada.
Participação gratuita, mediante reserva através de
info@rotavinhospsetubal,com ou telefone 212 334 398.
Actividade limitada a 30 pessoas por prova.
Organização: Rota de Vinhos da Península de Setúbal e adegas aderentes.

 
2 de Abril
15h00 - Adega Cooperativa de Palmela - Eng.º Luís Silva
16h00 - Casa Agrícola Horácio Simões - Pedro Simões
17h00 - Sivipa - Eng.º Filipe Cardoso

 
3 de Abril
16h00 - Venâncio da Costa Lima - Eng.ª Joana Vida

Laboratórios do Gosto
Local: Auditório do Festival do Queijo, Pão e Vinho
Datas: 2 de Abril | 19h00 e 3 de Abril | 12h00
Duração: 1h30
Descrição: Sessão com prova de vinhos da Península de Setúbal comentada, acompanhada por degustação de queijo de Azeitão.
Programa: Uniões perfeitas entre queijo e vinho: As Denominações de Origem do queijo de Azeitão e dos vinhos da Península de Setúbal. Técnicas de análise sensorial de queijos e de vinhos. 6 queijos e 4 vinhos em prova.
Valor: 10,00€ por pessoa.
Reservas através de
info@rotavinhospsetubal,comou telefone 212 334 398.
Actividade limitada a 20 pessoas por sessão.
Organização: Rota de Vinhos da Península de Setúbal.


Consulte o programa completo da 17ª edição do Festival.


Casa Mãe da Rota de Vinhos - Largo de S. João, Palmela.
Segunda a Sábado - 10h às 19h. Encerra aos feriados

I Córtex

19, 20, 26 e 27 de Novembro de 2010
Às 21h30

Espaço Reflexo

Sintra

Qual duração necessária para que uma curta seja uma curta? Esta é talvez uma das questões com maior convergência de respostas diferentes, que eu já formulei: entre 20 a 40 minutos; até 30 minutos; com mais de um minuto e menos de 15 minutos; até 15 minutos; mais ou menos dez minutos; até 59 minutos, e continua! Felizmente, neste “Córtex - I Festival de Curtas Metragens de Sintra”, a duração não é o mais importante. O que interessa é que existe mais um festival de curtas, que pretende ser uma plataforma cultural para novos criadores na área do cinema. E que quer dar Sintra a conhecer – o que é um bónus, porque é simplesmente impossível não adorar Sintra. São dez curtas, sem especificidade de género, de realizadores mais ou menos conhecidos, em dois fins-de-semana. E no final, um dos prémios até é escolhido por nós! / Zara

Festival Crono

20 de Agosto de 2010

 

Av. Fontes Pereira de Melo
Lisboa

 

O Festival Crono existe e vai-se dando a conhecer a bochechos de coisas boas. Se primeiro chegaram os Os Gémeos em panelinha com Blu e Sam3 em 2 edifícios devolutos da Fontes Pereira de Melo, desta vez são os restantes edifícios a embrulhar-se de arte boa, de Street Art da melhor: Lucy McLauchlan e Erica Il Cane. E na Av. da Liberdade com os muito orgulhosamente nossos RAM e MAR. Lisboa transpira arte por todos os seus poros edifícios - não te sentes contagiado e com ânsias de pintar e desenhar, de algo fazer até rebentar? Para já assiste a esta segunda fase do Crono, depois a-ver-vamos que muita tinta irá (de)correr ainda por aqui. / Rafik