Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Saudades da Rua da Saudade, Museu de Lisboa - Teatro Romano | Tributo Ary dos Santos, 21 out | Exposição 9 nov

No âmbito do projeto museológico de ligação à comunidade, “Saudades da Rua da Saudade. O teatro romano e a sua envolvente nas memórias da cidade”, o Museu de Lisboa – Teatro Romano apresenta o espetáculo de tributo a Ary dos Santos, 21 de outubro, 21h, uma exposição e um livro, ambos apresentados no dia 9 novembro, às 18h.

 

Procura-se resgatar da memória alguns dos episódios mais marcantes da história recente desta zona da cidade. As escavações do monumento romano realizadas na década de 1960, a alteração do espaço construído e algumas facetas de sociabilidade tão distinta da de agora, que perduraram até há pouco tempo, são alguns dos muitos aspetos que se pretendem trazer para o presente. Apenas conhecendo melhor o passado se percebe o presente e se criam laços identitários. Este é o objetivo do Museu de Lisboa – Teatro Romano: o dar a conhecer um passado que é de todos com vista a reforçar os elos comunitários através da música, da história e da memória. Em 2017, este projeto engloba a realização de um espetáculo de música, um tributo ao poeta Ary dos Santos (antigo morador da Rua da Saudade), a realização de uma exposição e a apresentação de uma publicação.

 

O facto de um monumento romano do século I d.C. permanecer no coração de uma capital é notável. Se pensarmos que sobreviveu ao casario compacto que sobre ele se erigiu, aos muitos terramotos que assolaram a cidade e à pilhagem de quase todas as suas pedras que permitiram reerguer a cidade após o terramoto de 1755, é verdadeiramente admirável que ele subsista, reconhecível, sob o chão que pisamos.

 

A reabertura do Museu de Lisboa – Teatro Romano em 2015, após obras de renovação e valorização implementadas nos dois anos anteriores, levou a que se preconizasse uma maior divulgação deste equipamento após o período de encerramento. O objetivo é, naturalmente, divulgar o museu, mas também torná-lo mais acolhedor junto do público e muito especialmente pela população local, uma vez que se pretende que este espaço seja entendido também como um centro de encontro e partilha para além da natural divulgação do monumento romano e da história do sítio.

 

Desde a reabertura do museu (setembro de 2015), o Museu de Lisboa - Teatro Romano oferece uma programação variada a todos quantos veem no museu um local de partilha de conhecimentos. Palestras, visitas guiadas, percursos na envolvente do museu, encenações clássicas nas ruínas e múltiplas outras atividades têm demonstrado um interesse crescente por este museu. Uma das atividades de maior sucesso é a “Hora de Baco”. Nas últimas quintas-feiras de cada mês, entre as 18h e as 20h, o museu abre gratuitamente, oferecendo, de forma informal, pequenos concertos musicais acompanhados de provas de vinhos patrocinadas pela Cooperativa Agrícola de Santo Isidro de Pegões. Recupera-se, afinal, a função do post scaenium dos teatros romanos: por detrás da fachada cénica dos teatros latinos localizavam-se grandes praças, onde a população se entretinha antes e no final dos espetáculos. Queremos, deste modo, abrir o museu a todos, em horário alargado, e promover esta iniciativa da “Hora de Baco como um elo de ligação da comunidade desta nova intensa e extensa freguesia de Lisboa: Santa Maria Maior.

 

Tecer uma teia de relações que una populações tão diversas como as que habitam o território vasto que se estende desde a Baixa Pombalina a São Vicente, Santo Estevão, o Bairro do Castelo ou a zona da Sé, constitui um desafio difícil, mas verdadeiramente aliciante. Neste intento, o papel da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior tem sido decisivo e é também por essa razão que museus e instituições locais têm de unir esforços para formar uma rede informativa fortemente identitária. Na “Hora de Baco” apela-se aos vizinhos do Museu de Lisboa-Teatro Romano que venham encontrar-se e fruir este local, que queremos que vejam como seu.

 

Já no projeto Saudades da Rua da Saudade” é o Museu de Lisboa quem sai ao encontro dos vizinhos mais antigos, querendo conhece-los e registar as memórias que ainda persistam sobre o longo processo de implantação deste equipamento cultural na zona em que residem. São simultaneamente recordações e informações preciosas para um mais profundo conhecimento do teatro romano e para a compreensão do impacto social das campanhas arqueológicas no local. Iniciado ainda no final de 2016, entende-se como um projeto de continuidade que vá recolhendo este património imaterial. Os resultados deste primeiro ano de investigação do projeto “Saudades da Rua da Saudade” junto da comunidade local serão apresentados ao público através de uma exposição que inaugura a 9 de novembro, na Galeria de Exposições da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior (patente até fevereiro de 2018) e de um espetáculo musical nas ruínas do teatro romano no dia 21 de outubro. A entrada é gratuita (sujeita à lotação) em todos os eventos, abrindo-se as ruínas do teatro romano a toda a comunidade de vizinhos e a todo o público.

 

Num território tão ligado ao Fado e à Música Popular, pensamos que as saudades da Rua da Saudade (um dos arruamentos fronteiro ao Teatro Romano) não poderiam deixar de estar associadas a Ary dos Santos, poeta que aí residiu até à sua morte em 1984. Assim, pedimos a colaboração dos “Flor de Sal” (grupo de música tradicional/world music) e da fadista Marifá (residente na Mouraria) para oferecer a Lisboa um espetáculo que se pretende ser simultaneamente um Tributo a Ary dos Santos e à tradição cultural desta área tão antiga da cidade. Porque a música popular, também ela, tem uma história, é diversa e evolui, o Museu de Lisboa – Teatro Romano dá o seu contributo para o aliar da tradição à modernidade, para a partilha de histórias que façam do quotidiano e do futuro lugares melhores para viver e pensar.

 

Espetáculo “Saudades da Rua da Saudade – tributo a Ary dos Santos”

- Museu de Lisboa –Teatro Romano: nas ruínas do teatro, frente à Rua de São Mamede nº 3 A

21 de outubro 21h; entrada gratuita; sujeita à lotação do espaço; M/ 6 anos

 

Exposição e apresentação da publicação “Saudades da Rua da Saudade – o teatro romano e a sua envolvente nas memórias da cidade”

- Galeria de Exposições da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior: 9 de novembro 18h30, entrada gratuita; inauguração da exposição e apresentação do livro

Exposição de arte contemporânea assinala 15º aniversário da Operação Nariz Vermelho

Com curadoria de Luiza Teixeira de Freitas e João Fernandes, “Debaixo do seu nariz” estará patente entre 14 de outubro e 19 de novembro

 

 

image011.jpg

 

  • Conta com o Alto Patrocínio da Presidência da República e tem exposiografia do gabinete SIA Arquitectura e Aires Mateus
  • Inauguração oficial do evento no dia 13 de outubro, às 18h30, na Gare Marítima da Rocha Conde d’Óbidos, em Alcântara

Nas comemorações dos 15 anos, a Operação Nariz Vermelho (ONV) leva a cabo diversas iniciativas, com destaque para uma exposição de arte contemporânea que, entre 14 de outubro e 19 de novembro, tem como palco a Gare Marítima da Rocha Conde d’Óbidos, em Alcântara. Sendo o tema central o humor e o palhaço, “Debaixo do seu nariz” retrata a história de missão da ONV, evidenciando os marcos principais, através de fotografia, vídeo e ilustração, mas também de objetos emblemáticos da arte do palhaço. O evento inaugural tem lugar no próximo dia 13 de outubro, às 18h30.

 

A exposição pretende reunir um conjunto combinado de conceitos referentes ao palhaço, ao humorístico e ao absurdo. Conta com curadoria de Luiza Teixeira de Freitas e João Fernandes, atual vice-diretor e curador principal do Museu Nacional Centro de Arte Reina Sofia (Madrid) e ex-diretor do Museu de Arte Contemporânea de Serralves. Tem o Alto Patrocínio da Presidência da República, estando entregue a exposiografia ao gabinete SIA Arquitectura e Aires Mateus.

 

Com recurso a filmes, performance, escultura, literatura, desenho e pintura, a exposição pretende representar o cómico e o riso, quer seja de forma mais direta ou mais abstrata. Sendo o palhaço, no caso o Doutor Palhaço, uma figura complexa e de diversas interpretações, as obras de arte escolhidas para a exposição abordam as diferentes facetas de ser um palhaço – o figurino, a construção da personagem, as inspirações e o mundo maravilhoso de trabalhar com crianças.

 

“A exposição investiga certas práticas artísticas contemporâneas em que a presença do humor é enfatizada de muitas maneiras diferentes. Seja através do uso de formas e objetos que recriam a dinâmica dos jogos, seja através da ironia e do absurdo, ou seja gerando dinâmicas relacionais e participativas. As obras apresentadas compreendem uma exposição polvilhada com humor e ironia, formulada como uma breve exploração de certos conceitos que nos permitem analisar o lúdico, enquanto ilustramos como o absurdo, as brincadeiras e o riso podem ser ferramentas poderosas para avaliar a realidade de cada um e das suas contradições inerentes.” sublinha a curadora da exposição, Luiza Teixeira de Freitas.

 

A curadora acrescenta ainda que “de forma implícita e poética, a exposição encobre os limites entre o trabalho e o lazer, a produtividade e a improdutividade, a educação e a instrução, quase como uma ponte para um mundo de criatividade e pura imaginação.”

 

É, assim, através da arte e de um conjunto combinado de conceitos referentes ao palhaço e ao humor que surge uma exposição de arte inédita e surpreendente, cujo evento inaugural para o dia 13 de outubro celebra os 15 anos da ONV.

 

Em paralelo à exposição e aos fins e semana, entre 14 de outubro e 19 de novembro, decorre outra programação que serve também de mote à celebração do 15º aniversário da ONV.

A pensar nos mais novos, acontecerão vários workshops entre os quais se destacam “Quando Eu For Grande Quero Ser Doutor Palhaço” e “Pai-lhaço e Fi-lhaço”, ambos com Mark Mekelburg (um dos fundadores da ONV) e serão aos sábados e domingos, das 11h30 às 12h30. Também aos fins de semana têm lugar o Consultório dos Doutores Palhaços e no sábado, dia 28 de outubro, o debate Rir é o melhor remédio – “Diferentes Olhares”, moderado pelo Dr. Francisco Goiana da Silva, Secretário de Estado Adjunto e da Saúde e que contará com a presença do Doutor Palhaço D’Agulha e de outros profissionais ligados aos hospitais onde a ONV intervém.

Por último, aos sábados, entre as 18h000 e as 19h00, decorre o F. L. O. P. – Festival Louco Organizado por Palhaços, num serão artístico experimental com vários números em que se explora o efeito cómico, estando confirmada a presença de convidados especiais a cada semana como Pedro Tochas, César Mourão, Maria Rueff, José Pedro Vasconcelos, Filomena Cautela e Ana Bola.

 

“15 anos é uma celebração muito especial para a Operação Nariz Vermelho, por isso queremos espalhar a alegria e fazer sorrir mais e mais portugueses. Na rua, nos centros comerciais, no trânsito, nas janelas dos escritórios. Em todo o lado. Entre o trabalho e o lazer, o humor e a arte, procuramos despertar olhares curiosos e ávidos - olhares de criança, que permitem redescobrir um mundo interdependente, mais criativo e solidário.”, refere Nicole Azevedo, presidente da ONV.

Agenda Cultural Fnac | Olá outono! Propostas culturais FNAC para dar as boas-vindas à nova estação

Agenda Cultural -  segunda quinzena de setembro

 

 

Olá outono!

 

Propostas culturais FNAC 

para dar as boas-vindas à nova estação

 

 

A FNAC convida a desfrutar dos serões de outono com propostas culturais gratuitas em todo o país. Da música ao vivo, às exposições, passando pelos workshops e pelas apresentações didáticas há sugestões para todos os gostos e para toda a família.

 

Passar um fim de tarde ao som do dedilhar do artista do cavaquinho Júlio Pereira é uma das muitas propostas FNAC para a nova estação. A apresentação do seu novo disco “Praça do Comércio” vai acontecer na FNAC do Chiado, no próximo dia 29 de setembro pelas 18h30.

 

Destaque para a oportunidade de aperfeiçoar as técnicas de fotografia com workshops gratuitos: introdução à fotografia digital, sexta-feira, dia 22 de setembro pelas 20h30 na FNAC Leiria e o workshop de fotografia noturna, quinta-feira, dia 28 de setembro pelas 21h30 na FNAC GaiaShopping. 

 

Para os aficionados dos videojogos a FNAC propõe o evento de lançamento do jogo FIFA18 que decorre dia 28 de setembro nas FNAC do Colombo, Cascais, Oeiras, Vasco da Gama, Alfragide e Coimbra. Na FNAC Colombo a festa começa às 16h00 com várias surpresas, entre as quais um torneio de FIFA17 com atribuição de prémios. 

 

 

Seguem os destaques culturais da última quinzena de setembro:

 

 

 

 

 

Apresentações/Workshops

 

Workshop de introdução à Fotografia Digital, por Rute Violante

22/09 |20H30 - FNAC Leiria

 

Workshop de Fotografia Noturna, por Tiago Monteiro da Academia Olhares

28/09 |21H30 - FNAC GaiaShopping

 

Sound+ Vision Magazine, Os dias de Berlim - viagem pelos sons e imagens da fase berlinense de David Bowie

30/09 | 18H30 - FNAC Chiado

 

A linguagem mágica dos bebés, livro de Joana Rombert

30/09 | 19H00 - FNAC Madeira

 

 

Exposições

 

Fotografia

Teatro Mudo, fotografias de filipe Ferreira

Até 10/11 - FNAC NorteShopping

 

O olhar de Compromisso com os filhos dos grandes descobridores, fotografias de Gérald Bloncourt

Até 12/11 -  FNAC Madeira

 

Ilustrações

Exposição 10 anos, 10 Fóruns, ilustrações de vários autores 

Até 01/12 -  FNAC Gaia Shopping, Braga, Guimarães, Sta. Catarinas, Coimbra, Leira, Viseu, Chiado, Almada e Algarve Shopping, 

 

 

Projeção

 

Festival Curtas Vila do Conde, Filmes Vencedores da 25ª Edição do Festival

22/09 e 23/09 Todas as FNAC, exceto Coimbra, Madeira e Mar Shopping

 

Gaming

 

Lançamento FIFA 18

28/09 |16h00 - FNAC Colombo

28/09 | 21h00 - FNAC Cascais e Oeiras

28/09 | 21h30 - FNAC Vasco da Gama e Alfragide

 

exposição "Universo Africano" com base na história da Isabel "Batata Doce" - 12/10 a 03/11

cartaz_redes_sociais_-_2.png

Cartaz_redes_sociais_3.png

 

 

No dia 12 de outubro inauguramos a  exposição “Universo Africano”, uma coletiva que  abrange várias manifestações artísticas à volta de um tema. No sentido de homenagear as relações entre os países lusófonos de origem africana, quisemos juntar no espaço expositivo diversos artistas de origem africana. Nesta exposição seremos presenteados com moda, escultura, pintura e fotografia. No dia da inauguração contaremos ainda com as narradoras de histórias através da arte do dizer.

A exposição estará patente entre as 9:00h e as 18:00h, de segunda a sexta-feira até 03 de novembro de 2017 e os artistas participantes e expostos  são os seguintes:

Isabel Batata Doce (Oradora)

Elsa de Noronha (Dizer Poesia)

Luisa Fresta (Escrita / Contos)

 

Julieta Lupambo (Moda – Estilismo)

Célia das Neves (Moda – Acessórios)

Manuela Leitão (Moda – Acessórios)

 

Malenga (Pintura / Escultura)

Armanda Alves (Pintura)

Lion Maré Djaci (Fotografia)

 

 

 

Sobre a Galeria Beltrão Coelho informamos

 

A Galeria Beltrão Coelho foi  criada com o propósito de promover e auxiliar o progresso da arte em todas as suas manifestações: pintura, escultura, design, ilustração, ourivesaria, fotografia, vídeo, entre outros, defender os interesses dos artistas e tornar grátis e acessível a arte ao publico em geral.  Em setembro de 2015 a empresa Beltrão Coelho, inaugurou o seu espaço cultural, numa época em que ocorreu um decréscimo nos apoios culturais. O usufruto dos artistas na Galeria Beltrão Coelho passa pela oferta de Catalogo (20 paginas),   do beberete com serviço de catering, convites em suporte de papel e digital,  serviços de comunicação e divulgação em vários suportes, apoio administrativo na elaboração e impressão de tabelas, preçários,  cartazes promocionais, fornecimento de equipamento e instrumentos  para todas as manifestações artísticas, apoio logístico nas montagens e desmontagens, acompanhamento personalizado das visitas na inauguração e durante o período em que se encontram patentes as exposições, seguro das obras pelo valor atribuído pelo artista, serviços de fotografo profissional no dia da inauguração, uma sala de apoio para as montagens e desmontagens.

Como a galeria não comercializa arte, não cobra comissões sobre as vendas das obras de arte, não aluga o espaço aos artistas recebeu o selo da APEE de responsabilidade social.

Actividades na exposição | "A Partir do Surrealismo" | Galeria Millennium | 26 Set a 6 Jan

A PARTIR DO SURREALISMO
26 Set 2017 - 6 Jan 2018
Galeria Millennium | Fundação Millennium bcp

cruzeiro_seixas&rui_macedo.jpg

 


 
@Rui Macedo
 
 
A PARTIR DO SURREALISMO e (LAND)SCAPING NORMATIVE THINKING
decorrem no mesmo espaço e tempo com diferentes razões de ser.
 
A PARTIR DO SURREALISMO é uma mostra colectiva de oito artistas da Colecção Millennium bcp: visa divulgar esta importante Colecção e, simultaneamente, valorizar a arte portuguesa contemporânea. 
 
Os artistas presentes – Cruzeiro Seixas, Mário Cesariny, António Dacosta, Carlos Calvet, Vespeira, Eduardo Luíz, Paula Rego e Graça Morais – têm em comum o gosto pela pintura figurativa contadora de histórias, sugeridas pelos títulos e pelo modo imaginoso como as formas (nem sempre identificáveis) usam a cor e a composição para perturbar o entendimento comum das coisas. Destes artistas, só alguns (Cruzeiro, Cesariny, Calvet, Dacosta) pertenceram aos movimentos surrealistas do meio do século XX mas todos pintam a realidade como se ela tivesse a natureza dos sonhos: confusa, disparatada, surpreendente.
 
Nesta exposição histórica, intromete-se (LAND)SCAPING NORMATIVE THINKING do pintor Rui Macedo, especialmente convidado, que gosta de trabalhar em espaços de museus e em diálogo com as memórias da pintura. 
 
A partir do tema da paisagem, constrói uma inesperada história: eram os seus quadros que ali estavam primeiro, nos espaços da Galeria, e foram “os quadros dos outros” que vieram sobrepor-se parcialmente, deixando ainda assim peças suficientes para que se possa inventar diálogos entre uns e outros...
 
Mas há um objectivo conjunto nas duas exposições: deixar-nos entrar, por via
surrealista, no inesgotável mundo da arte proposto por obras históricas num lugar
partilhado com um artista que acabou de realizar as suas. (RHS)






Casino Lisboa oferece em Outubro novo programa de animação musical

O Casino Lisboa oferece, em Outubro, um renovado programa de animação musical. Trata-se de um extenso cartaz que inclui, de Quarta-Feira a Sábado, um elenco de novas bandas no Arena Lounge. Estarão, ainda, em destaque, de Quinta-Feira a Sábado, pouco depois da meia-noite, conceituados Dj’s. Com entrada livre, a animação prolonga-se até de madrugada. 

 

 

Os Stacat sobem ao palco multiusos, no próximo dia 4 de Outubro, para recriar um elenco de composições bem conhecidas do público. A banda propõe uma fusão entre o pop, o soul e o jazz, dando um toque pessoal e único a cada uma das músicas. 

 

Em evidência no Arena Lounge, até 7 de Outubro, a vocalista Catarina Couto será acompanhada por Pedro Brito na guitarra, Luis Rosa no baixo, e Duarte Fernandes na bateria.

 

 

André Sarbib é um dos músicos mais prestigiados da cena portuguesa na área do Jazz e não só. Pianista autodidacta, André Sarbib regressa, de 11 a 14 de Outubro, ao Arena Lounge para um novo ciclo de actuações. 

Andre Sarbib-2-3.jpg

 

 

Com um registo intimista, André Sarbib privilegia, habitualmente, ao vivo, as melhores composições do álbum “This Is It”. Recorde-se que André Sarbib já participou em vários projectos com músicos, tais como Joe Lovano, Barry Altschul, Ivan Lins, Carlos Benavente, Ruben d’Antas, Alice Day, Jorge Rossi, Saheb Sarbib, Carlos Carli, Jorge Pardo, Chavier Colina, Joachim Chacón, Paulo de Carvalho, Rão Kião, António Serrano, Leonardo ou Amuedo.

 

 

Os CandyBlues, reencontra-se, de 18 a 21 Outubro, com os visitantes do Casino Lisboa. Num formato acústico especial, a banda explora alguns standards, com a sonoridade quente do r&b. 

 

Candy Blues - Célia Ramos e Pedro Leónidas.jpg

 

Os CandyBlues irão apresentar, também, algumas versões do seu projecto de originais "Candymoon". A vocalista Célia Ramos será acompanhada por Pedro Leónidas na guitarra, Sérgio Fiúza no contrabaixo e Vasco Gomes na bateria. 

 

 

Os Satisfaction protagonizam, de 25 a 28 de Outubro, a animação musical no Arena Lounge. O vocalista Duarte sublinha: “Interpretamos vários êxitos da música pop, rock e soul que marcaram diferentes épocas”. Com inovadores arranjos musicais os Satisfaction interpretam, assim, um alargado repertório que inclui composições intemporais.

 

Satisfação foi o que encontraram os quatro músicos quando concretizaram a formação da banda. Com a sua guitarra, o vocalista Duarte partilha o palco com Luis Rosa no baixo, Nuno Pires nos teclados e João Mouzinho, bateria.

 

 

Arena Lounge - Jukebox

No Arena Lounge, a contagiante Juke Box constitui, pouco depois da meia-noite, uma referência nos serões do Casino Lisboa. São conhecidos DJ’s que escolhem criteriosamente os ritmos ideais, prolongando a animação até de madrugada. A entrada é livre.

 

Programa de Outubro

04 - Yugo Dee

05 - Pelota

06 - Dj Al

07 - Luís Patraquim

 

12 - Pan Sorbe

13 - Sheri Vari

14 - Bruno Safara

 

19 - Mário Valente

20 - Diogo Pires

21 - Luís Leite

 

26 - Nery

27 - Johhny Deep

28 - John Holmes

 

31 - Ka§par

 

 

Por imperativo legal, o acesso aos espaços do Casino Lisboa é reservado a maiores de 18 anos.

A vida e o imaginário de Camilo Pessanha no Museu do Oriente

Exposição assinala 150º aniversário do nascimento do poeta

 

 

Foi um deslumbramento que me endoidou a vista.tif.

 

 

Para assinalar o 150º aniversário de Camilo Pessanha, o Museu do Oriente apresenta um conjunto de 24 foto-ficções da autoria do artista plástico Victor Belém, sobre o imaginário da vida e obra do poeta. “Memórias de Camilo Pessanha” inaugura a 12 de Outubro, às 18h30.

 

O fascínio de Victor Belém pela literatura e, em particular, pela poesia de Camilo Pessanha, resultou num conjunto de foto-ficções em que o artista recorre à sobreposição de transparências, privilegiando texturas, valores de luz e ambientes oníricos. As obras, cujos títulos remetem para excertos de sonetos e poemas da “Clepsydra”, ilustram as várias fases da vida de Camilo Pessanha desde a juventude, a partida para Macau, o seu amor por Ana de Castro Osório e o tema do ópio e da morte. Este conjunto de obras foi doado à Fundação Oriente em duas fases: em 2013 pelo artista e, em 2016, pelo seu filho, Mário Pardal Monteiro Belém.

 

A exposição propõe ainda um segundo olhar sobre a vida de Camilo Pessanha, integrando duas dezenas de peças em porcelana chinesa, álbuns de pintura e frascos de rapé que fazem parte da colecção doada por Pessanha ao Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra. Esta é a primeira vez que as peças são expostas ao público no Museu do Oriente, onde se encontram em depósito.

 

O Museu do Oriente associa-se assim às comemorações dos 150 anos do nascimento de Camilo Pessanha que decorrem também na Sociedade de Geografia de Lisboa e no Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra.

 

Victor Belém [1938 - 2015]

Iniciou-se nas artes plásticas em 1956, tendo-se formado na Escola António Arroio, em Lisboa. Entre 1961 e 1963 foi bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, sob orientação do pintor Júlio Pomar. Destacou-se pela sua modernidade e irreverência, primeiro como artista plástico e mais tarde com trabalhos de fotografia ficcionada. Expôs pela primeira vez em 1958, tendo feito um percurso pródigo em exposições individuais e participações em exposições colectivas. 


Camilo Pessanha [Coimbra, 1867 – Macau, 1926]

Licenciou-se em Direito em 1891 e, três anos depois. partiu para Macau, onde deu aulas de Filosofia. Desde a sua chegada que se interessou pelo exotismo e beleza da arte e cultura chinesa. Ao longo de duas décadas reuniu uma vasta colecção de objectos como rolos e álbuns de pintura e caligrafia, têxteis bordados, porcelanas, pratas, leques, esculturas e frascos de rapé, entre outros, com um horizonte cronológico que vai desde o século II a.C até finais do século XIX. 

 

 

Exposição “Memórias de Caminho Pessanha”

Inauguração | 12 de Outubro | 18.30

Até 19 de Novembro

Horário: terça-feira a domingo | 10.00-18.00

(à sexta-feira o horário prolonga-se até às 22.00, com entrada gratuita

a partir das 18.00)

Preço: 6 €

 

Rui Veloso inaugura ciclo de "Concertos Arena Live" no Casino Lisboa

Rui Veloso abre o ciclo de Concerto Arena Live.jpg

 

 

Com um cartaz de luxo, o Casino Lisboa inaugura, já no próximo dia 30 de Outubro, às 22h00, o ciclo de “Concertos “Arena Live 2017”. O ambiente de festa está garantido, até ao final do ano, por um notável elenco de intérpretes. Trata-se de uma série de 10 concertos agendada para o palco central do Arena Lounge, às Segundas-Feiras, e que culmina com mais uma aguardada noite de Réveillon. A entrada é livre.

 

 

“Porto Sentido”, “Não Há Estrelas no Céu”, “Sei de Uma Camponesa”, “O Prometido é Devido”, “Porto Covo” ou “Lado Lunar” são, apenas, algumas das composições incontornáveis do repertório de Rui Veloso que abre, a 30 de Outubro, o ciclo de “Concertos Arena Live 2017”.

 

Referência no panorama da música nacional, o artista portuense regressa, assim, ao Arena Lounge para apresentar, num formato intimista, alguns dos seus principais sucessos discográficos que marcam diferentes épocas da sua extensa carreira.

 

 

Em concerto inédito no Casino Lisboa, Gisela João actua, a 6 de Novembro, privilegiando as melhores composições do álbum “Nua”. O novo registo discográfico dá voz às palavras de alguns poetas da actualidade, visita temas clássicos e tradicionais e surpreende o público, mostrando que, vinda de onde vier, e vem de muitos sítios, a música que passa pela voz de Gisela João é fado. É esse o seu fado.

 

6. Gisela João_Nua@Estelle Valente.jpg

 

Considerada uma das vozes arrebatadoras do panorama do fado, Gisela João é já uma das mais importantes intérpretes da música portuguesa, tendo recebido inúmeros galardões, entre os quais se destacam, por exemplo, os Prémios Blitz, Time Out, Expresso e o Globo de Ouro para Melhor Intérprete Nacional.

 

 

Após ter esgotado, em 2016, o Arena Lounge, Carlão regressa, a 13 de Novembro, ao Casino Lisboa, privilegiando as melhores composições do álbum “Quarenta”. O artista identifica-se facilmente com o público e com ele estabelece uma ligação quase imediata, tornando-o seu cúmplice nas aventuras e desventuras que partilha dentro e fora das músicas nas suas actuações ao vivo.

 

Trazendo na bagagem o álbum “Quarenta” (que teve como primeiro single o estrondoso sucesso “Os Tais”), o EP “Na Batalha” e os singles de 2017 “Agulha No Palheiro” e “Viver Pra Sempre”, os primeiros avanços do álbum a ser editado ainda este ano, o ex-vocalista dos Da Weasel é acompanhado ao vivo por Dj Glue, Bruno Ribeiro (Voz),  Nuno Espírito Santo (Baixo) e Gil Pulido (Guitarra e Teclados).

 

 

Em noite de celebração da música portuguesa, os GNR actuam, a 20 de Novembro, no Casino Lisboa. Rui Reininho, Toli César Machado e Jorge Romão construíram um sólido percurso no meio artístico nacional, coleccionando numerosos êxitos que foram, consequentemente, distinguidos com prestigiantes prémios. 

Em 2016, os GNR comemoraram 35 anos de carreira numa digressão que culminou, já este ano, com um memorável concerto que esgotou o Salão Preto e Prata do Casino Estoril. A banda portuense apresenta-se, desta vez, no Casino Lisboa, prometendo uma hora e meia repleta de êxitos como, por exemplo, “Dunas”, “Bellevue”, “Efectivamente”, “Video Maria”, “Morte ao Sol”, “Sub-16”, “Sangue Oculto”, Ana Lee”, “Pronúncia do Norte”, “Popless” ou “Mais Vale Nunca”.

 

 

Slow J estreia-se, a 27 de Novembro, no ciclo de “Concertos Arena Live” do Casino Lisboa. O artista é um caso sério da nova música feita em Portugal e o seu álbum “The Art of Slowing Down” confirma-o. É um disco que se ouve da primeira à última faixa, porque o som e as palavras conquistam a atenção das pessoas.

 

Slow J apresenta um novo espectáculo, baseado nos temas deste disco, mas nunca esquece a sua origem, recordando também verdadeiros hinos, como “Cristalina”. É uma experiência “live” sem precedentes cujo lema é “casa em todo o lado, pode entrar quem quer”. Em palco, com Fred na percussão e Francis Dale nas teclas e guitarra, as palavras das suas canções ganham uma dimensão ainda maior que, junto com a luz e o vídeo (conteúdo a cargo de Made in Lx), criam uma energia contagiante.

 

 

Para a noite de 4 de Dezembro, o Casino Lisboa propõe Branko e Convidados. Tendo como ponto central toda a sua obra enquanto produtor (seja em nome próprio ou em colaborações em discos de outros), João Barbosa (aka Branko) propõe um roteiro especial com foco em pontos como a global club music, bem como visões mais afro ou tropicais de uma música electrónica cada vez mais presente no quotidiano. 

 

Os Convidados são parte essencial desta noite, dado que são cunho e alavanca da reafirmação duma linguagem musical, que não conhece fronteiras e de que Branko tem sido porta-estandarte.

 

 

Em noite de “Concerto Arena Live”, David Carreira estreia-se, a 11 de Dezembro, no Casino Lisboa. O mediático intérprete sobe ao palco para apresentar “3 World Tour”, assegurando uma actuação muito interactiva com o público. 

 

Com uma agenda muito preenchida, David Carreira protagoniza, ao vivo, um concerto renovado que tem merecido os aplausos do público, tanto em Portugal como no estrangeiro. “3 World Tour”, alargou o conceito de “3 Tour”, (digressão de 2016), inserindo alguns temas originais, nomeadamente o grande sucesso francês “Domino”, a par com os inúmeros êxitos da sua carreira e com o novo single “Ficamos Por Aqui”, editado no passado mês de Junho.

 

 

Noutra aguardada estreia, Agir apresenta-se, a 18 de Dezembro, no Casino Lisboa para interpretar os seus principais êxitos discográficos, bem como alguns temas inéditos que integram o seu próximo álbum, cujo lançamento está previsto para 2018.

 

Com um percurso consolidado por várias experiências no panorama musical, Agir editou, em 2015, “Leva-me a Sério”. O álbum integra 19 canções, escritas e produzidas pelo próprio, que demonstram o imenso talento de um dos principais cantores da nova música portuguesa de expressão urbana.

 

Num concerto especial, os Gospel Collective actuam em plena noite do Dia de Natal no Casino Lisboa. Dirigido pela cantora e maestrina Anastácia Carvalho o grupo é formado por  cantores profissionais de diversas áreas musicais e nacionalidades lusófonas, que encontram neste conjunto um lugar de comunhão única e singular, apresentando um repertório que visita não só os tradicionais espirituais negros, como o new-urban gospel ou afrogospel.

 

É com este coração de espalhar a Palavra de modo cantado que o Gospel Collective tem feito inúmeros concertos em nome próprio e se encontra já em estúdio a preparar o seu 1º álbum, apresentando repertório novo e em parte original. Reunidos desde 2010, os quase 30 membros do Gospel Collective são herdeiros de um percurso no circuito da música gospel em Portugal que começou em 1999 com o grupo D'Vine, passou pelo grupo 100 Vozes Gospel e mais tarde pelo Faith Gospel Choir.

 

 

Em plena noite de RéveillonAna Moura encerra o ciclo de “Concertos Arena Live 2017”. A artista sobe ao palco para interpretar as melhores composições do mais recente álbum intitulado “Moura”, bem como outros sucessos do seu percurso musical. 

 

Depois de “Desfado” se ter tornado o álbum mais vendido de um artista português nos últimos dez anos, Ana Moura lançou “Moura”, disco que deu continuidade à sua parceria com o reputado produtor norte-americano Larry Klein. Em palco, Ana Moura continua a contar com o mesmo excelente naipe de músicos que a tem acompanhado nos últimos anos: Ângelo Freire na guitarra portuguesa, Pedro Soares na viola de fado, André Moreira no baixo, João Gomes no teclado, e Mário Costa na bateria e percussão. 

 

Ciclo de “Concertos Arena Live 2017”

- 30 de Outubro: Rui Veloso

- 06 de Novembro: Gisela João

- 13 de Novembro: Carlão

- 20 de Novembro: GNR

- 27 de Novembro: Slow J

- 04 de Dezembro: Branko e Convidados

- 11 de Dezembro: David Carreira

- 18 de Dezembro: Agir

- 25 de Dezembro: Gospel Collective (Dia de Natal)

- 31 de Dezembro: Ana Moura (Réveillon)

 

 

O Arena Lounge do Casino Lisboa acolhe, a partir do dia 30 de Outubro, o ciclo de “Concertos Arena Live 2017”. O programa decorre às Segundas-Feiras, pelas 22h00, excepto na noite de Reveillon. A entrada é livre.

 

Por imperativo legal, o acesso aos espaços do Casino Lisboa é reservado a maiores de 18 anos.

 

Exposição ATLAS 2009/2017 de Lourenço de Castro

 

f2294ed0-3d62-4cdc-8a90-338d1f663848.jpg

 

INAUGURAÇÃO >  04 Novembro, 18h30 
EXPOSIÇÃO >  04 - 23 Novembro
Segunda - Sábado  I  14h30 - 19h30 

Lourenço de Castro apresenta na galeria da Livraria Sá da Costa a sua mais recente exposição individual de pintura, intitulada “Atlas 2009/2017”, entre os próximos dias 4 e 23 de Novembro.

São pinturas de pequeno formato, sobre papel, de forte cromatismo, que balanceiam entre jogos abstractos geometrizantes e composições informais com sugestão a paisagens.

O conjunto das obras a apresentar é o resultado de uma criteriosa seleção baseada na capacidade de cada trabalho escolhido poder estabelecer relações com as demais pinturas. Para tal, foram agrupadas em cinco blocos, ligeiramente autónomos mas, decididamente, fazendo parte de um todo. Continuidade, fluxo, dispersão orientada, limite do suporte, vestígio, infinito, transformação, construção da imagem, especulação no processo, matéria, geometria, mapeamento, são noções importantes para a compreensão destas obras.

No limite cada pintura é um fragmento, um organismo vivo em pulsão que se espraia num plano de leitura vertical e que permite mapear uma constelação tendencialmente infinita, portanto em constante transformação. 

A exposição estará patente ao público até ao próximo dia 23 de Novembro.

(Livraria Sá da Costa, Rua Garrett, 100-102, 1º andar, ao Chiado, Lisboa. Horário: de segunda a sábado, das 14h30 às 19h30.

Formação:
Curso Avançado de Artes Plásticas, Centro de Arte & Comunicação Visual (Ar.Co.) – 2000/2002.
Curso Básico de Pintura, Ar.Co. – 1997/2000.
Licenciatura em Arquitetura, Universidade Lusíada – 1990/1996.

Exposições individuais (selecção): 
2016 - “Dust is everywhere”, Museu Geológico, Lisboa.
2015 - “Sem Estilo - Modo Heterogéneo", Centro Cultural de Cascais, Cascais.
2014 - “Linha, Mancha, Plano”, Museu Nogueira da Silva, Braga.
2013 - “Um Corpo num Espaço”, Galeria Monumental, Lisboa.
2012 - “Concinnitas”, Museu Nacional de História Natural e da Ciência – Sala do Veado, Lisboa.

Exposições colectivas (selecção): 
2017 – “Apropriação, Desejo e Memória”, XIX Bienal de Arte de Cerveira, Vila Nova de Cerveira.

2016 - TERRA DE NINGUÉM, Espaço AZ, Lisboa.

2016 - Arte Hoje 2014 - Premiados, Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa.
2014 - TIAF London, The Rag Factory, Londres.
2014 - Arte Hoje, Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa.
2008 - “On Europe” – 1ª Bienal do Montijo – IX Prémio Vespeira, Montijo.
2002 - “7º Prémio Fidelidade Jovens Pintores”, Culturgest, Lisboa.
 
Prémios: 

2014 -“ARTE HOJE”, SNBA, Lisboa.
2002 -7º Prémio Fidelidade Jovens Pintores - Menção Honrosa.