Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Fevereiro no Museu Coleção Berardo

620px_e586502cb6aece5651219.jpg

 

Vista da exposição Visualidade & Visão - Arte Portuguesa na Coleção Berardo II. Obras de Miguel Palma e Helena Almeida. Fotografia: Bruno Lopes.

 

Em fevereiro, destaque para as atividades das Férias de Carnaval no museu, cujas inscrições já se encontram abertas. Não perca também as exposições temporárias Visualidade & Visão - Arte Portuguesa na Coleção Berardo II, e Fernando Lemos: Para um retrato coletivo em Portugal, no fim dos anos 40. A entrada é gratuita.

 

Exposições temporárias

Visualidade & Visão – Arte Portuguesa na Coleção Berardo II
Até 12 de março | Entrada gratuita

Exposição que procura definir alguns dos fios condutores entre o entendimento da visualidade e uma perspetiva sobre o mundo. As práticas artísticas têm suscitado variadas interrogações sobre estas relações. Desde um processo de racionalização normativa ao de uma subtração material pelo digital, o espaço de uma visão crítica parece estreitar-se. Estas obras põem em questão os limites supostos pelos regimes da visualidade referidos e procuram dar lugar ao acontecer de uma outra visão da imagem e do mundo.
 
Com: Ângela Ferreira, Helena Almeida, Joaquim Bravo, José Barrias, José Luís Neto, Miguel Palma, Pedro Barateiro, Pedro Cabrita Reis, Rui Chafes. Curadoria de Pedro Lapa.

300px_e57fb66dd408004591101.jpg

 

For Mozambique (model n°1 screen-kiosk-tribune celebrating a post independence utopia), 2008, de Ângela Ferreira. Fotografia: Luís Colaço.

 

Fernando Lemos: Para um retrato coletivo em Portugal, no fim dos anos 40
Até 2 de abril | Entrada gratuita

Entre 1949 e 1952, Fernando Lemos desenvolveu um impressionante trabalho fotográfico, que assumiu múltiplas direções. Esta exposição reúne o vasto conjunto de retratos, que realizou no seu atelier, de muitos protagonistas do mundo intelectual, nos meados do século XX, em Portugal. Pela sua extensão, poder-se-á dizer que inventaria parte significativa de uma geração, encerrada num país isolado e alheio ao mundo que despontava depois da devastação do conflito mundial.

Curadoria de Pedro Lapa.

300px_e57fba0973001d630319.jpg

 

Fernando Lemos, Azevedo / Pilar / Vespeira / Mirar para serem vistos, 1949. Prova cromogénea / chromogenic print, 60 x 50 cm.

 

Coleção Berardo (1900-1960)

 

Coleção Berardo (1960-1990)

 

As exposições permanentes da Coleção Berardo apresentam um vasto conjunto de obras representativas dos maiores artistas e movimentos que definiram a história da arte ocidental do século XX.

300px_e583db2dbd754d746451.jpg

 

Vista da exposição Coleção Berardo (1900-1960). Fotografia: Alexandra Sumares, 2014.

 

Férias de Carnaval no museu

Estão abertas as inscrições para as atividades das férias de Carnaval no museu, que decorrerão de 27 a 29 de fevereiro. O valor por criança é de 65€, com almoço e seguro incluídos.

Muito riso, pouco juízo?
27-29 fevereiro | 9h30-17h30 | 4-12 anos | Inscrição prévia

301px_e5889edeee7ff65681210.jpg

 

Atividade do serviço educativo. Museu Coleção Berardo, 2016. Fotografia: Orlando Franco.

 

Outras atividades em fevereiro

Adultos

As escolhas dos críticos
Art & Language por Nuno Crespo

18 fevereiro | 16h00 | Inscrição prévia | Entrada gratuita

Visita orientada à exposição "Visualidade & Visão - Arte Portuguesa na Coleção Berardo II"
26 fevereiro | 16h00 | Entrada gratuita, sem inscrição prévia

299px_e588b63353d5eb674349.jpg

 

Secret Painting (Ghost), 1968, Art & Language.

 

Famílias

No museu da fantasia
5 fevereiro | 11h00 | 2-4 anos | Inscrição prévia | 2€ por participante

Entrar e sair da caixa
19 fevereiro | 15h00 | 5-10 anos | Inscrição prévia | 2€ por participante

Magia no museu
26 de fevereiro | 11h00 | 2-4 anos | Inscrição prévia | 2€ por participante

Aniversários temáticos no museu
3-12 anos | Inscrição prévia | 12€ por participante

300px_e5889f4842ff95588116.jpg

 

Atividade do serviço educativo. Museu Coleção Berardo. Fotografia: Maire Karuvuori.

 

Para todos os públicos
 
Espelhos viajantes

Atividade contínua | Domingos | 15h30-17h30 | Entrada gratuita, sem inscrição prévia

300px_e583d747e730b05611246.jpg

 

Atividade "Espelhos viajantes", 2016. Fotografia: Marília Pascoal

 

Conferência

Do Arquivo ao Novo: Impactos da Tecnologia Digital na Noção de Arquivo
Oradores: Luísa Ribas e Sara Orsi

Apresentada no âmbito do VII Ciclo de Conferências Internacionais, organizado pela Escola de Comunicação, Artes e Tecnologias de Informação da Universidade Lusófona, em conjunto com o Museu Coleção Berardo.

15 fevereiro | 18h00 | Auditório do museu | Entrada gratuita, sujeita ao número de lugares disponíveis

300px_e588b6458eaa61678340.jpg

 

Luísa Ribas e Sara Orsi

 

 
 
   

Exposição Playboy World em destaque no Casino Lisboa

A Galeria de Arte do Casino Lisboa encheu para a inauguração da exposição de fotografia “Playboy World” da autoria de Ana Dias. A fotógrafa portuguesa contou com a presença de numerosos amigos, familiares, colegas de profissão e algumas modelos com quem já trabalhou. “Esta exposição reúne alguns dos mais importantes trabalhos da minha carreira”, explicou Ana Dias. Com entrada livre, “Playboy World” está em exibição até 9 de Março.

 

Os visitantes do Casino Lisboa podem observar, assim, esta original exposição, da autoria de Ana Dias, que reúne 19 fotos publicadas, em 2015 e 2016, em várias edições internacionais da revista Playboy.

 

Natural do Porto, Ana Dias, de 32 anos, apesar de não ser modelo, é uma das estrelas da revista Playboy. Com um assinalável percurso internacional, a fotógrafa é colaboradora da revista Playboy em 20 países, como são, por exemplo, os casos de Portugal, Holanda, Rússia, Alemanha, Estados Unidos, Brasil ou Africa do Sul. 

 

“Fotografar nudez feminina é emocionalmente forte, porque envolve algum secretismo e mistério, mas se for mostrada com sensibilidade, acredito que a imagem da mulher é valorizada. No meu trabalho, procuro mulheres poderosas, com pleno controlo da sua sexualidade e de qualquer situação. Mulheres que amem o seu corpo e que tenham orgulho em mostrá-lo ao mundo”, sublinha Ana Dias.

 

Depois de vários anos a colaborar para Playboy, Ana Dias foi reconhecida pelo seu trabalho, quando em junho de 2015, o director da publicação, Jimmy Jellinek, a convidou para um projecto inovador: um webshow sobre as suas aventuras enquanto fotógrafa da marca internacional.

 

1007 - Playboy World no Casino Lisboa - Créditos

 

O projecto intitulado “Playboy Abroad: Adventures with Photographer Ana Dias” é, segundo a fotógrafa, “uma espécie de diário da minha vida enquanto fotógrafa da Playboy. Em cada episódio, há sempre uma modelo diferente, fotografada numa cidade diferente. Revelamos os bastidores da sessão fotográfica, assim como as minhas aventuras com a modelo e com a minha equipa, desde conversarmos e passearmos pela cidade”.

 

Com uma carreira relevante, Ana Dias viaja, actualmente, pelo mundo, trabalhando para várias marcas ilustres incluindo Playboy, e as suas imagens foram aclamadas internacionalmente.

 

Notas biográficas de Ana Dias

Ana Dias nasceu no Porto em 1984. Concluiu, em 2007, a licenciatura na Escola Superior Artística do Porto, tendo integrado como assistente técnica da instituição na área de Serigrafia, Litografia e Gravura no ano lectivo seguinte.

 

A sua formação em Artes Plásticas levou-a ao encontro da imagem fotográfica que escolheu como meio preferido de expressão artística. A criação de cenários com cores vivas, povoados por personagens alegres em poses expressivas, plenas de glamour e beleza, são os ingredientes que tornam o seu trabalho singular. O seu estilo, fortemente inspirado pela cultura pop, traz-nos de volta o leve erotismo da arte pin-up das décadas de 40 e 50… mas mais do que imagens soltas, a fotografia de Ana Dias conta uma história que nos faz sorrir, e que nos lembra que a beleza existe.

 

A exposição fotográfica “Playboy World” está patente ao público até 9 de Março, de Domingo a Quinta-Feira, das 15h00 às 03h00, e às Sextas-Feiras e aos Sábados das 16h00 às 04h00, na Galeria de Arte do Casino Lisboa.

 

Por imperativo legal, o acesso aos espaços do Casino Lisboa é reservado a maiores de 18 anos.

PATRÍCIA CANDOSO Showcase FNAC Colombo

Numa altura em que “Frenética” chega por fim às lojas em formato físico, é tempo de Patrícia Candoso apresentar o seu novo álbum perante o público, apresentando-se agora ao vivo em algumas FNAC portuguesas.

O primeiro showcase será já este Domingo, dia 19 de Fevereiro, pelas 17h na FNAC Colombo. Oportunidade perfeita para escutar este seu novo trabalho editado com a chancela da Music In My Soul e produzido pelo cantor/compositor Mikkel Solnado, do qual já foram extraídos os singles “Ready For It” e “Só Sei Que Nada Sei”.

 

 

 

O Nome da Rosa

e8778608-7203-4c1d-ad8b-b3840084d6b5.jpg

 

reposição

 

de Pedro Zegre Penim
com Rosa Mota


20 janeiro / Cine-Teatro Louletano
28 janeiro / Centro Cultural de Ílhavo

No desporto assiste-se, muitas vezes, a verdadeiros espetáculos. Actores princi-pais e secundários, audiências apaixona-das, drama, suor e lágrimas... como no teatro. Em “O Nome da Rosa”, Pedro Zegre Penim e Rosa Mota partem numa maratona teatral que começou com um convite do Teatro Municipal do Porto em 2015. Depois da estreia em Novembro do mesmo ano, "O Nome da Rosa" continua a passar as várias etapas desta maratona, desta vez com paragens em Loulé e Ílhavo.

"Nunca se trata de uma biografia narrativa e linear. Será sempre uma Rosa dentro de uma Rosa dentro de uma Rosa, que no fim corta a Meta.”

Pedro Zegre Penim

De Pedro Zegre Penim
Texto Pedro Zegre Penim com a colaboração de Hugo van der Ding
Com Rosa Mota, Mariana Magalhães, Pedro Zegre Penim, Hugo van der Ding, Joana Magalhães, Mafalda Banquart, Xana Novais e Luísa Osório
Desenho de luz Rui Monteiro
Som Tiago Pinto
Edição vídeo Jorge Quintela
Operação vídeo Hugo Moutinho
Produção executiva Teatro Praga e Teatro Municipal do Porto
Uma produção Teatro Municipal do Porto
Coprodução Teatro Praga

Hora do Planeta reúne Raquel Tavares, Tiago Bettencourt, Matias Damásio, André Sardet, Samuel Úria, Tito Paris, entre outros, em concerto solidário à luz das velas em Lisboa

Cartaz_HORA_DO_PLANETA.JPG

 

A Hora do Planeta, promovida pela WWF, reúne no próximo dia 25 de Março pelas 20h00 no Parque Eduardo VII em Lisboa vozes bem conhecidas dos portugueses para um concerto único e solidário à luz das velas. Raquel Tavares, Matias Damásio, Tiago Bettencourt, André Sardet, Tito Paris, Samuel Úria, Enoque e Janeiro celebram em concerto a Hora do Planeta em Portugal, uma iniciativa global ambiental da WWF, que visa alertar e sensibilizar indivíduos, empresas, governos e comunidades a assumirem compromissos e hábitos mais sustentáveis.

 

Os bilhetes encontram-se à venda nas bilheteiras das lojas FNAC e na BOL com um custo de 10€ e entrada gratuita para crianças até aos 12 anos, desde que acompanhadas por adulto pagante. Os lucros deste concerto revertem para a WWF, uma das mais respeitadas ONG ambientais que tenta travar a degradação do ambiente natural do planeta.

 

Ângela Morgado da WWF, refere que “É fantástico ver os artistas que se juntaram a uma causa que é de todos nós, para celebrar o nosso planeta e passar uma mensagem forte de que os portugueses querem mais e melhores hábitos e compromissos sustentáveis. A luta contra as alterações climáticas toca-nos a todos nós em Portugal e pelo mundo e a 25 de Março teremos a oportunidade de celebrar, cantar e sensibilizar para a urgência de mudança. Contamos que sejam muitos a juntar-se a esta iniciativa que reúne alguns dos melhores músicos de língua portuguesa.”

 

O PAI EM CENA ATÉ 12 DE MARÇO | PRESIDENTE DA REPÚBLICA ASSISTE AO ESPECTÁCULO 26 FEVEREIRO

stá em cena no Teatro Aberto o espectáculo O Pai, com texto de Florian Zeller e encenação de João Lourenço. O êxito do espectáculo levou-nos a prolongar a carreira até dia 12 de Março. Desde a estreia, já recebemos no Teatro Aberto o autor do texto, o dramaturgo Francês Florian Zeller

 

 

 

No próximo dia 26 de Fevereiro Sua Excelência o Presidente da República virá ao Teatro Aberto para fazer a imposição das insígnias da Ordem da Instrução Pública e assistir ao espectáculo.

 

O Pai estará em cena no Teatro Aberto até dia 12 de Março.

SINOPSE
Não sabe onde deixou o relógio e em que casa está. Suspeita que o andem a roubar e lhe queiram ficar com a casa. O tempo, o lugar, as pessoas, o mundo à sua volta tornam-se cada vez mais estranhos. Quem está esquecido, confuso, errado? O pai? A filha? O genro? Os outros, que aparecem para ajudar?

No labirinto em que a vida se transformou, são muitas as encruzilhadas porque as grandes questões da existência irrompem na normalidade do quotidiano. É preciso encontrar soluções para a perda de autonomia, o desvanecer da identidade e a solidão. E continuar a viver.
 

FICHA ARTÍSTICA

Versão João Lourenço | Vera San Payo de Lemos

Dramaturgia Vera San Payo de Lemos

Encenação João Lourenço

Cenário António Casimiro | João Lourenço

Figurinos Dino Alves

Luz Alberto Carvalho | João Lourenço

Vídeo Luís Soares

COM Ana Guiomar | João Perry | João Vicente | Patrícia André | Paulo Oom | Sara Cipriano  

 

VÍDEOS PROMOCIONAIS

 

 

 

 

ESPECTÁCULOS 
4ª a Sábado às 21h30 
Domingo às 16h 

 

M/12

 
BILHETEIRA
4ª a Sábado das 14h às 22h00; Domingo das 14h às 19h 
Reservas 213 880 089 ou bilheteira@teatroaberto.com  
www.bol.pt | FNAC | ABEP | CTT | El Corte Inglés (Lisboa e Gaia)

  

PREÇOS

Inteiro - 15   €

Jovem (até 25 anos) – 7,5€

Sénior (mais de 65 anos) – 12 €

Grupo de jovens apresenta “Fragmentos”, uma peça sobre abusos sexuais

 

TEATRO  

Fragmentos

de Miguel Mestre | Projecto RevelArte - Teatro Contra-Senso

3 de Março: 11:00, 15:00 e 21:00 + 4 de Março: 15:00 e 21:00

Auditório Fernando Pessa - Lisboa

 

 

 

Grupo de jovens apresenta “Fragmentos”,

uma peça sobre a temática dos abusos sexuais

 

 

Se isto fosse televisão, a bolinha vermelha no canto superior direito do ecrã estaria sempre presente. Tal como uma marca, uma cicatriz, que, mais do que permanecer nos corpos, não se extingue da memória de tantos e tantos jovens. Sim, aqui as palavras e as imagens podem ferir a susceptibilidade do espectador. Podem e devem! Mas não irão ferir mais do que já magoaram as próprias vítimas. Tantas! São elas – as personagens-vítimas – que se expõem perante os olhares do público. Contam e revivem, ao pormenor, aqueles momentos que jamais conseguirão esquecer. Abusos. Violência. Sexo pelo sexo. Só pelo corpo. Pela carne. Como um troféu. Sem distinção de idade, género ou orientação sexual. E revelam as consequências destas agressões, impossíveis de apagar.

 

Nunca a temática dos abusos sexuais na adolescência foi abordada de forma tão directa. Sem meias palavras. Sem imagens encriptadas. Porque a realidade é esta: crua e esmagadora! E o que estes actores com idades compreendidas entre os 14 e os 22 anos denunciam é a sua realidade. Nada mais actual e pessoal.

 

Este é o terceiro e último capítulo de uma trilogia – “Revela-te” – que retrata diversas problemáticas dos jovens de hoje. A primeira peça, “Espinhos da Rosa Que Te Ofereço” tinha como tema a violência no namoro. A segunda, “Caixa Negra”, versava o bullying. Agora, e fechando a tríade, “Fragmentos” reflecte sobre os abusos sexuais.

 

O conjunto destas peças é dotado de vários elementos simbólicos que atravessam as três encenações e que perfazem um todo, o que não exclui a possibilidade de cada uma delas contar a sua história isoladamente. Outra característica comum aos três espectáculos é a linguagem directa, não com o intuito de chocar, mas sim, para alertar para as temáticas abordadas. É proibido ficar indiferente! 

 

Este ciclo de espectáculos é o resultado do trabalho do Projecto RevelArte, promovido pelo Teatro Contra-Senso, com o apoio da Junta de Freguesia de Marvila e em parceria com o Agrupamento de Escolas D. Dinis, em Lisboa.

 

O Projecto RevelArte tem como objectivo proporcionar formação teatral a jovens da freguesia de Marvila, em Lisboa, culminando na apresentação de um espectáculo para a comunidade no final do projecto. Note-se que, para a maioria destes adolescentes, este é o primeiro contacto com o universo teatral.

 

O Teatro Contra-Senso é um grupo de teatro amador, sedeado na freguesia de Marvila, em Lisboa, que em 2017 comemora 20 anos. Muitos foram os palcos que o Contra-Senso pisou ao longo deste percurso, nomeadamente, na Grande Lisboa – Teatro Municipal Maria Matos, Teatro Taborda, Teatro A Barraca, Teatro Armando Cortez, Centro Cultural Malaposta –, entre outros, um pouco por todo o País.

 

 

Fragmentos

3 de Março: 11:00, 15:00 e 21:00

4 de Março: 15:00 e 21:00

Auditório Fernando Pessa - Casa dos Direitos Sociais

Rua Ferreira de Castro, s/n

1900-697 Bairro da Flamenga, Marvila - Lisboa

 

Bilhetes: 3€

Reservas: 917897868| reservas.contrasenso@gmail.com

 

Ficha técnica

 

Texto e encenação: Miguel Mestre

Apoio ao Projecto: Gonçalo Henriques

Interpretação: Alexandre Silva, André Ribeiro, Beatriz Duarte, Bruna Antunes, Inês Martins, Jinissi Meggi, Joana Martins, Mariana Pinto, Maria Rosa Tavares, Rui Alexandre, Samuel Pacheco, Tiago Ferro, Ticha Campos, Vanessa Monteiro.

 

Solistas da Metropolitana em ritmo latino-americano | 19 de Fevereiro, 16.00, gratuito

América Latina - Fevereiro 2017.jpg

 

Os Solistas da Metropolitana apresentam o espectáculo “América Latina”, dedicado a composições de António Carlos Jobim, Ary Barroso e Thierry Thibault, entre outros, no dia 19 de Fevereiro, às 16.00, no Museu do Oriente, com entrada livre.

 

O programa inclui os temas Suite Americana (E. Crespo), Chica de Espanha (J. Noway), Samba de uma Nota Só (A.C. Jobim) e El Diablo Suelto (H. Fernandez) num total de nove músicas de compositores latinos oriundos do continente americano.

 

A entrada é gratuita, limitada à capacidade da sala, devendo o bilhete ser levantado no próprio dia no Museu do Oriente.

 

Solistas da Metropolitana

“América Latina”

19 de Fevereiro, 16.00, entrada gratuita

 

Programa:

  1. Crespo Suite Americana
  2. Noway Chica de Espanha
  3. C. Jobim Samba de Uma Nota Só (arr. W. Lang)
  4. Fernandez El diablo suelto (arr. S. Charrinho)
  5. D´Rivera Quatro Peças para Quinteto de Metais
  6. Barroso Aquarela do Brasil (arr. Duda da Silva)
  7. Smith Lalopalooza (arr. M. Fernandes)
  8. Thibault Alla cubana
  9. Benson At the Mambo Inn (arr. R. Guerreiro)

 

Solistas: trompista (a anunciar), Sérgio Charrinho, Rui Mirra (trompetes), Reinaldo Guerreiro (trombone), Adélio Carneiro (tuba), Marco Fernandes (percussão)

 

Museu do Oriente, Avenida Brasília | Doca de Alcântara (Norte) | 1350-362 Lisboa

www.museudooriente.pt