Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Tumulária do Museu de Lamego e Vale do Varosa em e-book

Revista_UmAnoUmTema_2017_Capa.jpg

 

Procurando reforçar o papel do Museu de Lamego enquanto museu do território, a rubrica UM ANO. UM TEMA estendeu-se em 2016 à rede de monumentos Vale do Varosa, divulgando um conjunto muito significativo de arte tumular, com exemplares distribuídos pelo museu, Capela de São Pedro de Balsemão, Convento de Santo António de Ferreirim mosteiros de São João de Tarouca e Santa Maria de Salzedas. Com periodicidade mensal, UM ANO. UM TEMA chega agora sob a forma de revista, compilando numa só publicação os doze exemplares estudados, reforçando a sua difusão e acesso, de forma permanente, a partir do site oficial do Museu de Lamego.

Pinturas de “Grão Vasco” fecham rubrica MUSEU.DOC

GV_Banner.jpg

 

Obra maior da pintura portuguesa, tesouro nacional do Museu de Lamego, o conjunto de pinturas de Vasco Fernandes destinadas ao desaparecido retábulo da catedral lamecense encerram em dezembro a rubrica MUSEU.DOC. O episódio 9 traz a “Criação dos Animais”, “Anunciação”, “Visitação”, “Circuncisão” e “Apresentação no Templo”. Disponível em www.museudelamego.gov.pt.

Cadernos “Conhecer Conservar Valorizar” regressam com “Quo Vadis94

 

Capa.jpg

 

Integra a coleção do Museu de Lamego desde a sua criação. Foi sendo relegada para as reservas, sujeita a várias tentativas falhadas de restauro e a várias intervenções que se revelaram desastrosas para a sua conservação. Falamos da pintura portuguesa do século XVI “Quo Vadis?”, restaurada em 2017 e apresentada ao público no dia 5 de abril, data do centenário do museu. Depois do restauro e da sua integração na exposição permanente, chega agora a vez de tomar a forma de publicação online. O número 2 dos Cadernos “Conhecer Conservar Valorizar” aborda a pintura “Quo Vadis?” em todas as suas vertentes e volta a apostar no caráter multimédia, integrando uma reportagem vídeo sobre o processo de restauro.

“Caminhos do Ferro e da Prata” no Museu Municipal de Penafiel

CaminhosFerroPrata_MuseuMunicipalPenafiel_boletim_

 

 

Depois de Santiago de Compostela, “Caminhos do Ferro e da Prata” regressa a Portugal e faz paragem no Museu Municipal de Penafiel. A exposição, que reflete a construção da via-férrea do Douro e Minho numa coleção de fotografias reunidas num álbum originalmente concebido para a sua apresentação pública, vai muito para além dos interesses do transporte ferroviário, por toda a informação que reúne ao nível da paisagem, da arquitetura, do traje ou dos costumes. Para visitar de 16 de dezembro de 2017 a 25 de fevereiro de 2018.

MUSEU NACIONAL DA MÚSICA | Programa de férias para crianças no mês de Julho

POSTER ACTIVIDADES JULHO (2).jpg

 

 

Chegaram as férias grandes e com elas os dias longos sem TPC, a preguiça, o tempo livre, o sol e a praia... mas se és melómano a sério, arranja um tempinho extra e entra na onda do MUSEU NACIONAL DA MÚSICA!

 
Aprender violino, tocar bateria, explorar o piano: programa de férias para o mês de Julho, especialmente preparado para proporcionar às crianças um contacto divertido, descontraído e pedagógico com o mundo da música. 
 

 
03 - 07 JULHO
 
MANHÃ - 10:30 H - 12:30 H
 
:: VISITA COM MÚSICA AO MUSEU
 
:: ATELIER - PORTUGAL DE LÉS A LÉS
Atividade de descoberta do nosso país, instrumentos e tradições.
5 Euros / participante
 
 
 
TARDE - 14:30 H - 16:30 H
 
:: VISITA COM MÚSICA AO MUSEU
 
:: ATELIER - PIANO DE SONS
Atividade musical interativa de exploração do piano
5 Euros / participante
 
 
10 - 14 JULHO
 
 
 
MANHÃ - 10:30 H - 12:30 H
 
 
:: VISITA COM MÚSICA AO MUSEU
 
:: ATELIER DE BATERIA
Exploração da bateria e das suas partes com interação rítmica no final.
5 Euros / participante
 
 
TARDE - 14:30 H - 16:30 H
 
:: VISITA COM MÚSICA AO MUSEU
 
:: ATELIER - PIANO DE SONS
Atividade musical interativa de exploração do piano
5 Euros / participante
 
 
 
 
17 - 21 JULHO
 
 
 
MANHÃ - 10:00 H - 13:00 H
 
:: VIOLINOS EM FESTA - CURSO INTENSIVO DE VIOLINO DE UMA SEMANA
Apresentação em concerto no final do curso 
65 Euros / participante
 
 
TARDE - 14:00 H - 17:00 H
 
:: VIOLINOS EM FESTA - CURSO INTENSIVO DE VIOLINO DE UMA SEMANA
Apresentação em concerto no final do curso
65 Euros / participante
 
 
 
 
24 - 28 JULHO
 
 
MANHÃ - 10:30 H - 12:30 H
 
 
:: VISITA COM MÚSICA AO MUSEU
 
:: ATELIER - PORTUGAL DE LÉS A LÉS
Atividade de descoberta do nosso país, instrumentos e tradições.
5 Euros / participante
 
 
TARDE - 14:30 H - 16:30 H
 
:: VISITA COM MÚSICA AO MUSEU
 
:: ATELIER - PIANO DE SONS
Atividade musical interativa de exploração do piano
5 Euros / participante
 
 

 
NOTAS
- Todas as atividades estão sujeitas a marcação prévia (Tel. 21 7710990 – Liliana Dias). São destinadas a grupos escolares, centros de estudo ou famílias.
- O Curso de Violino decorre durante uma semana, no período da manhã ou da tarde (à escolha).
- Os participantes poderão trazer uma refeição simples (reforço da manhã ou lanche da tarde).
 

Discografia de Zeca Afonso em exposição no Museu do Oriente

Single_Indios_da_Meia_Praia-min.jpg

 

 

Tributo ao cantautor, no 30º aniversário da sua morte

 

Discografia de Zeca Afonso em exposição no Museu do Oriente

 

A obra discográfica de um dos cantautores mais emblemáticos da música portuguesa do século XX, Zeca Afonso, está em exposição no Museu do Oriente a partir de 7 de Julho, numa iniciativa da Associação José Afonso.

 

“Desta canção que apeteço” mostra partituras, livros, fotografias, recortes de imprensa e uma dezena de instrumentos musicais, a par de registos sonoros e um vídeo. Resultado de um trabalho de pesquisa de Miguel Gouveia e Cláudia Lopes, a exposição compreende toda a obra discográfica de Zeca Afonso desde a edição, em 1953, do seu primeiro registo fonográfico nos estúdios da Emissora Regional de Coimbra, até 1985, data do seu último disco “Galinhas do Mato”. Destaque ainda para o concerto inaugural com Rui Pato e António Ataíde e os testemunhos inéditos de alguns artistas que gravaram com José Afonso como Levy Baptista, Paulo Alão, José Mário Branco, Michel Delaporte, José Luís Iglésias, Octávio Sérgio, Carlos Zíngaro e Júlio Pereira.

 

“O que se apresenta resulta do trabalho possível perante um objecto de estudo revestido de alguma complexidade, que advém do facto de estarmos perante uma obra que atravessa períodos onde o rigor informativo que as editoras colocavam nos seus discos, em particular nos EP, deixa bastante a desejar. Assim, tentar recuperar esse rigor a tantos anos de distância não foi, de facto, tarefa fácil, exigindo um aturado esforço de investigação e, sobretudo, de comparação de fontes, embora muitas delas atraiçoadas pela memória e pela perpetuação de erros na atribuição de datas e autorias de letras e músicas. Consideramos, no entanto, que a panorâmica em exposição em “Desta canção que apeteço – obra discográfica de José Afonso 1953//1985” não deixa de se constituir como uma base sólida para o estudo e discussão de uma das obras mais marcantes da música popular mundial”, afirmam os investigadores.

 

A exposição está patente até 24 de Setembro.

Exposição

“Desta canção que apeteço – obra discográfica de José Afonso 1953//1985”

Inauguração | 6 de Julho | 18.30

7 de Julho a 24 de Setembro

Horário: terça-feira a domingo | 10.00-18.00

(à sexta-feira o horário prolonga-se até às 22.00, com entrada gratuita a partir das 18.00)

Preço: 6 €

10º aniversário do Museu Coleção Berardo

10º aniversário do Museu
Programação especial com atividades para todos os públicos
Fim de semana com entrada gratuita nos dias 24 e 25 de junho

 

No próximo fim de semana, o Museu Coleção Berardo celebra o seu 10º aniversário e, para além de ter entrada gratuita em ambos os dias, criou uma programação especial para 24 e 25 de junho, com atividades destinadas a todos os que visitarem o Museu. Saiba mais aqui.

Oficinas para famílias, visitas para adultos, percursos de 30 minutos pelas obras de um artista ou pelos principais movimentos da arte moderna e contemporânea, são algumas das propostas para vir festejar no Museu.

Nestes dez anos, o Museu Coleção Berardo recebeu mais de 7 milhões de visitas e apresentou 86 exposições.
Obrigado por fazer parte deste projeto.

 

Vista da entrada do Museu, com a obra Les Baigneuses, 1985, de Niki de Saint Phalle. Museu Coleção Berardo, 2017. Fotografia: David Rato.

 

Espelhos viajantes

440px_e583d747e730b05611246.jpg

 

Atividade "Espelhos viajantes". Museu Coleção Berardo, 2016. Fotografia: Marília Pascoal.

Viajar no tempo, guardar imagens, acrescentar memórias... nesta atividade é proposto ao “espectador-viajante” caminhar pelos espaços do Museu “recolhendo” e guardando reflexos das obras de arte. Estes reflexos são capturados na superfície de um conjunto de espelhos acoplados ao corpo e fixos na instantaneidade de uma fotografia.

Atividade contínua | Todos os públicos | Sábado e domingo | 14h30-18h00 | Piso 2 | Entrada gratuita, sem inscrição prévia

 

Revelar Enigmas

 

440px_e57221463c03ba616215.jpg

 

Atividade "Revelar Enigmas". Museu Coleção Berardo, 2016. Fotografia: Fabrícia Valente e Hugo Barata.

A partir de obras dos artistas presentes na exposição "Coleção Berardo 1960-2010" desafiamos o público a participar numa atividade prática, que facilite a reflexão sobre as questões levantadas pelo trabalho destes artistas.

Atividade contínua | Todos os públicos | Sábado e domingo | 14h30-18h00 | Piso -1 | Entrada gratuita, sem inscrição prévia

 

 

Cozinh’arte

440px_e5947f21bbcb7c699439.jpg

Atividade "Cozinh'arte". Exposição Coleção Berardo (1960-2010). Museu Coleção Berardo, 2013. Fotografia: Sara Franqueira.

 

2-5 anos | Sábado e domingo | 11h00 | Mínimo: 6 crianças + acompanhantes | Máximo: 12 crianças + acompanhantes | Entrada gratuita, com inscrição prévia

Um momento performativo entre a cozinha de autor e a fértil imaginação das criança.
Duas personagens, singulares que acreditam que tudo tem uma receita, e um «cozinhífrico», uma sofisticada máquina de preparação de onde tudo pode sair, uma bancada de trabalho regulamentada e uma ferramenta inusitada. Será então no Museu que vamos encontrar inspiração para construir estas criaturas que, quando viajarem para outras paragens, vão levar a história das obras de arte.

 

 

Visita orientada

440px_e5901e5942aee3566132.jpg

 

Pedro Neves Marques, The Pudic Relation Between Machine and Plant, 2016. Com o apoio de King's College Centre for Robotics Research. Exposição Aprender a viver com o inimigo

Percurso pela exposição “Aprender a viver com o inimigo”, de Pedro Neves Marques.

Adultos | Sábado e domingo | 16h00 | Entrada gratuita, sem inscrição prévia

 

 

30 minutos com...

440px_add314485546398701145d.jpeg

 Vista da exposição Coleção Berardo (1900-1960). Obras de Andy Warhol e James Rosenquist. Fotografia: David Rato.

 

Sábado | Piso 2

15h30 - Dadaísmo
16h00 - Piet Mondrian
16h30 - Surrealismo
17h00 - Francis Bacon
17h30 - Pop Art

Domingo | Piso -1

15h30 - Minimalismo
16h00 - Conceptualismo
16h30 - Land Art
17h00 - Christian Boltanski
17h30 - Jorge Molder

 

Para mais informações contacte o Serviço Educativo de segunda a sexta-feira, das 10h00 às 18h00, pelo 213 612 800,
ou pelo e-mail servico.educativo@museuberardo.pt

Toda a programação em www.museuberardo.pt | Facebook | Instagram | Twitter | Youtube

 

 

 

 

 

 

 

Museu do Oriente antecipa os Santos Populares com oficinas para famílias

 

 

sapatos mágicos.jpg

 

Os Santos Populares celebram-se mais cedo no Museu do Oriente, durante o fim-de-semana de 10 e 11 de Junho, com as actividades “Não é trono, é oratório! Em honra de Santo António”, “Sapatos Mágicos!” e “Papagaios Mensageiros”.

 

Por ocasião do dia dedicado ao santo tão querido da cidade de Lisboa, o Museu do Oriente dá a conhecer os oratórios pertencentes à sua colecção para que sirvam de inspiração na construção de um modelo original, criado pelas famílias participantes na oficina “Não é trono, é oratório! Em honra de Santo António” (11 de Junho, às 11.00). Menino Jesus, arco, balão, manjerico ou mesmo uma sardinha, cada família escolherá os elementos com quer decorar o seu oratório de Santo António.

 

A partir dos magníficos exemplares em exposição n’”A Ópera Chinesa”, a oficina “Sapatos Mágicos” mergulha num universo de cores e personagens – guerreiros, princesas, bailarinas ou feiticeiros. A partir de um par de sapatos muito especial, os participantes (bebés de 1 e 2 anos, acompanhados pelos pais), poderão viver uma ou várias aventuras, numa oficina que se realiza sábado, 10 de Junho, em dois horários, 10.00 e 11.00.

Também no sábado, desta feita para crianças dos 6 aos 12 anos, o desafio é construir os seus próprios “Papagaios Mensageiros”. Retrocedendo à China de há 2.000 anos atrás, a oficina traça a história dos papagaios de papel e suas utilizações, na origem ligadas a operações militares, para sinalizar ou comunicar. Com forma de animal – real ou mitológico, do peixe ao dragão – e muita cor, os participantes vão conhecer peças e histórias da Ásia para depois imaginarem e construírem o seu próprio papagaio.

 

“Oficina Sapatos Mágicos!”

Ateliês Primeiros Passos

10 ou 24 Junho

Horário: 10.00-10.30 ou 11.00-11h30

Público-alvo: bebés de 1 e 2 anos, acompanhados por um adulto

Preço: € 4/participante [adulto ou criança]

Participantes: mín. 10, máx. 20

 

Oficina “Papagaios Mensageiros”

Sábados em Oficina

10 ou 24 Junho

Horário: 15.00-17.00

6-12 anos

€5,00

Participantes: mín. 8, máx. 15

 

“Não é trono, é oratório! Em honra de Santo António”

11 ou 25 de Junho
Horário: 11.00-12.30 
Público-alvo: Famílias (crianças a partir dos 5 anos)
Preço: € 4/participante (adulto ou criança)

Participantes: mín. 10,  máx. 24