Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Fundação EDP apresenta: La Chienne, uma performance de Alice Joana Gonçalves

A Fundação EDP apresenta La Chienne, uma performance de Alice Joana Gonçalves inserida na exposição “Afinidades Electivas – Julião Sarmento Coleccionador”.

Uma interpretação única para ver dia 5 de Dezembro, às 18h, no Museu da Electricidade. A entrada é livre, e sem marcação prévia, numa sala com lotação máxima para 40 pessoas. O espectáculo tem a duração de 40 minutos e é para maiores de 18 anos.

LaChienne-AliceJoanaGonçalves.jpg

 

"Novos Exploradores" | 6 de Julho | Fundação Calouste Gulbenkian| Embaixador da Bélgica despede-se de Portugal com performance multimédia de Chris Christoffels& José Roland

 

 

 

image003.jpg

 

 

6 de julho, às 20h30, na Fundação Calouste Gulbenkian

 

A dupla de artistas belgas Chris Christoffels & José Roland regressa a Portugal para homenagear o país com a obra NOVOS EXPLORADORES. A performance multimédia é uma oferta do Embaixador da Bélgica em Portugal, Bernard Pierre, que termina agora a sua presença de três anos no nosso país. O espetáculo realiza-se no próximo dia 6 de Julho, pelas 20h30, no Auditório 2 da Fundação Calouste Gulbenkian.

 

O tributo prolonga a aventura poética nascida com EXPLORADORES no Palácio da Bolsa, no Porto, em 2013. Projetado in situ, o espetáculo aposta na sede inextinguível do desconhecido. É uma viagem iniciática que relembra a época em que os navegadores se lançaram à descoberta do mundo.

 

O retrato de Helena Fourment, obra-prima do pintor flamengo Rubens, foi o ponto de partida que inspirou os artistas belgas para criar esta performance. Segundo os mesmos, trata-se do “espelho evocativo das grandes descobertas, a janela aberta sobre a nossa contemporaneidade, os nossos génios, os nossos exploradores. Rubens, enquanto mestre do Barroco e grande embaixador da Idade de Ouro, santifica esta ligação do presente com a História e dá o mote à performance”.

Conduzida por Chris Christoffels, que estará em palco ao piano, a assinatura sonora tem como base textos de autores, lidos e cantados, ao vivo ou pré-gravados, que acompanham imagens de movimentos e de grandes vultos contemporâneos, como o recente Prémio Nobel belga François Englert.

 

Jacques De Decker, escritor, secretário permanente da Academia Real da Língua e da Literatura Francesa na Bélgica e profundo estudioso da obra de Rubens, intervém também ao vivo na obra.

A Fundação Calouste Gulbenkian acolhe a performance NOVOS EXPLORADORES para celebrar a última missão do Embaixador Bernard Pierre.

 

O espetáculo tem livre acesso.

 

Sobre Chris Christoffels & José Roland

Independentemente do local onde atuem, Chris Christoffels & José Roland desenvolvem as suas criações de acordo com uma abordagem interativa das artes, que se baliza entre a alquimia da composição musical, artes plásticas e multimédia. A dupla belga tem atuado em vários pontos do globo, nomeadamente no MoMA, em Nova Iorque, no Louvre, em Paris, no LACMA, em Los Angeles, no Festival Grande Musica em Chiesa, Roma, na Art Fair de Roterdão, no Festival Pietrasanta in Concerto, na Toscana, e no Palácio da Bolsa, no Porto.

 

 

Sinal de Alarme

 

 

 

 

 

14 de fevereiro de 2012

21h30

 

 

 

Última carruagem do metro na estação de Santa Apolónia
Av. Infante D. Henrique

 

Hoje é Dia dos Namorados, dos apaixonados, dos que vivem uma relação com suspiros e corações imaginários ao redor da cabeça. Mas hoje não deixa de ser dia dos que não estão enamorados, daqueles que gostavam de conquistar um amor e daqueles que vivem solteiros e felizes. Foi um ano que um romântico encalhado começou a aventura de, todos os dias, deixar uma flor e uma frase de amor na última carruagem do metro, na estação de Santa Apolónia. Para perceberes melhor, e desfruta de toda a história aqui. O projeto chega agora ao fim. O José vai deixar a última flor e a última frase no sinal de alarme da última carruagem. Mas não quer fazê-lo sozinho e convida toda a gente a levar mais uma flor e mais uma frase de amor e a deixá-las junto com a dele. Vamos também espalhar o amor? / Sónia Castro

Fonte: LeCool

Miguel Bonneville com nova criação

20 e 21 de Novembro de 2010

 

Museu Berardo

Lisboa

© Mundo Universitário

Dias 20 e 21 de Novembro, às 18h, a Sala polivalente situada no Piso -1, do Museu Berardo (Lisboa) recebe a estreia da performance ‘MB#7 - The X Show' integrada na programação do Festival Temps d’Images.

 

‘MB#7 - The X Show' é o simulacro de um talk show, onde há um apresentador e um artista entrevistado. A identidade do convidado não é revelada, mas ‘este apresenta-se sob a forma totémica de um animal, um animal-estátua, empalhado, desprovido de vitalidade física pela sua condição de objecto. A sua personalidade e identidade permanecem incógnitas. Através da dissonância entre personalidade (artista) e forma física (animal, totem) o artista é totem a atenção do espectador concentra-se nas palavras que espelham o pensamento trazido à superfície através das perguntas, que induzem o convidado a discorrer sobre tópicos da filosofia, da política, da arte, da vida, oferecendo assim a quem vê a possibilidade de construir a identidade do artista através do seu discurso.’

Performance Miguel Bonneville #6

 

24 de Janeiro

17h

 

Museu Berardo

Mb6_foto_m

Miguel Bonneville é um artista intenso .Cria performances essencialmente com recurso às artes visuais do mais experimental que pode haver. Assume que o seu trabalho é autobiográfico, através do qual tenta resconstruir ou mesmo destruir a sua identidade e o seu passado. No CCB e no contexto da exposição She´s a Femme Fatale, Miguel Bonneville apresenta ao público um trabalho cujo tema central é a mulher e as suas emoções, expectativas e ideais. Seis mulheres que o artista entrevistou e filmou e cujas respostas são-nos mostradas de forma descontinua, como pequenos flashes, sem final ou conclusão. Pretende com isto o artista provar-nos o caos e a desfragmentação interior em que vive não só a mulher, mas a humanidade? Ou ele próprio pretende redescobrir-se através delas? Perguntas que ficam no ar e para as quais talvez não haja sequer resposta concreta ou final, apenas muita reflexão sobre o eu e a eterna busca de Miguel Bonneville. Daniela Catulo

Exposição + Performance Crash

 

5 de Junho
Das 15h às 19h
 
Galeria Bernardo Marques
Rua D.Pedro V, 81
Lisboa
3210_73761699723_57764049723_1739652_149405_n_m
 

Há já algumas semanas que a Sara Franco se mudou para a casa (do) Bernardo Marques. Mudou-se com obras e bagagens e convidou-nos à visita, para apreciação artística das exteriorizadas criatividades da própria, em Crash. Ora a Lecool esteve-se a guardar para esta quinta feira, porque vamos poder ver, além das vibrantes e coloridas telas de inspiração urbana, a verdadeira artista a pintar ao vivo (processo que se advinha assaz interessante num género National Artistical presents: Sara no seu habitat a fazer o que de melhor faz). Hoje entre as 15h e as 19h não perder esta oportunidade de conhecer a obra e quem a cria. Ah (suspiro) se todas as exposições fossem assim…. Mami

Performance+Concerto Bairro Alto Hotel

15 de Maio

Praça

15h

 

O Bairro Alto Hotel faz 4 anos! 4 anos de grandes noites, solarengas manhãs e fantásticos lusco-fusco no terraço a beber Piñas Coladas e no bar a descontrair ao som de chillouts e muito mais. Para celebrar, o B.A.H. preparou-nos uma surpresa em plena Praça Luís de Camões. O que será, não revelo, mas perto de 50 pessoas lá estarão à nossa espera! Depois disto e para fechar em beleza, só podia haver um concerto dos so cool Soulbizness, e depois quem sabe não aproveitam uma promoçãozinha e passam um fim-de-semana-de-hotel-à Mastroianni…Mami

Performance Volte Face #3

14 de Maio
23 h
 
Bar Lounge |, Rua da Moeda 1
Lisboa
 

"Isto é para a malta que perfoma e para aquela que gosta de ver perfomar, para aqueles que gostam de agitar o sossego, de dar voz ao silêncio, de partilhar o seu cantinho mais intimo ou para aqueles que gostam de complicar o simples ou que são simplesmente complicados. Cara ou coroa? Não importa. Há de haver sempre um ângulo positivo. Nesta 3ª edição da Volte Face, o “papel” vira “palco” recriando em actuações multifacetadas o recente número desta publicação onde no palco as palavras correm em sintonia com o som (musica ao vivo), com a imagem (multimédia) e o movimento (dança) inspiradas pelo contexto da contemporaneidade e com base nos conteúdos da nova Volte face…ou Face Volte ? %$&”!#?É sempre um drama tomar opções…Vamos mas é tirar partido dos dois ângulos! "Margarida Patricio