Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Cendrev | Dezembro

cabecalhoDzembro2.jpg

 

TEATRO PARA INFÂNCIA


_ANTES DE COMEÇAR, Almada Negreiros

A peça retrata o momento em que dois bonecos, quando não estão sob o olhar do seu manipulador, do seu bonecreiro, ganham vida própria. Onde um boneco e uma boneca começam a falar e conversam das suas memórias. É belíssima prosa poética, falam da amizade, do amor, da vida, das relações humanas.

Teatro Garcia de Resende
 Até 15 de Dezembro, às 10h30 e às 15h00
 (sessões para público escolar do 1.º ao 8.º ano) 

 Dia 16 e 17 de Dezembro, às 16h00 


FICHA TÉCNICA
autoria Almada Negreiros | encenação Rui Nuno | cenografia e figurinos Helena Calvet | música Vitor Ciríaco | desenho de luz e operação de luz e som António Rebocho | construção Tomé Baixinho e Paulo Carocho | interpretação Maria Marrafa e Jorge Baião

 

 

BONECOS1.jpg

 

BONECOS DE SANTO ALEIXO
AUTO DO NASCIMENTO DO MENINO JESUS

Recentemente chegados do Brasil os Bonecos de Santo Aleixo já estão prontos para a tradicional temporada de espectáculos na Biblioteca Pública de Évora. Estes “pícaros” e divertidos títeres de varão voltam assim para as suas gentes que também estão sempre desejosas de os ver.
O reportório que irá ser apresentado nestas sessões são o Auto do Nascimento do Menino Jesus, o Baile dos Anjinhos, o Passo do Barbeiro, as Saiadas e para finalizar o espectáculo, a Tourada.
Se ainda não viu ou quer rever este espectáculo, que preserva a tradição e originalidade de outros tempos, venha ao teatro!

Biblioteca Pública de Évora
 De 13 a 17 de Dezembro, às 18h30 

Sociedade Recreativa da Aldeia da Serra
 Dia 22 de Dezembro, às 21h30 
 No âmbito do protocolo com o Município de Arraiolos 
 (espectáculo de entrada gratuita) 

FICHA TÉCNICA
actores-manipuladores Ana Meira, Gil Salgueiro Nave, Isabel Bilou, José Russo, Victor Zambujo | acompanhamento musical Gil Salgueiro Nave

 

 


BILHETEIRA EM ÉVORA
Preço normal 6€ | Sócios do Sindicato dos Professores da Zona Sul (SPZS) 4€ | até aos 12 anos, Estudantes, + 65 anos, Reformados/Pensionistas, Funcionários da C.M.Évora, Grupos Escolares e outros de + de 12 pessoas  desconto 50% - 3€ | Cartão PassaporTeatro (estudante) 3€ | Cartão Passaporteatro Sénior: (Assinatura Anual)

Informações e Reservas: 266 703 112 | Email: geral@cendrev.com

PASSATEMPO - Pocahontas

O Blog Cultura de Borla em parceria com  a YELLOW STAR COMPANY tem bilhetes duplos para POCAHONTAS para os dias 26, 27, 28, 29 e 30 de Dezembro às 16h nos Cinemas do El Corte Ingles em Lisboa aos primeiros leitores que de 5 em 5 participações:

 

 Enviem um email para o culturadeborla@sapo.pt com a frase "Eu quero ver POCAHONTAS com o Cultura de Borla" com nome, BI e nº de telefone.

Cartaz A4 Lisboa (2 pocahontas).jpg

 

Género – Espetáculo Familiar/Musical

Com Sofia Ribeiro

Uma história onde a aventura e o romance vão dar azo à fantasia de pequenos e graúdos, em mais uma aposta de teatro familiar, com encenação de Paulo Sousa Costa e João Didelet.

Teatro no Cinema, um cruzamento de duas artes que resultam num projeto inovador, onde a tela de cinema ganha uma dimensão ainda maior fruto da interação dos atores que estão em “palco”. A história de um mundo imaginário, recheado de fantasia, amor e sonhos, com personagens extravagantes, que reforçam a loucura desta azáfama.

Sofia Ribeiro, Marta Faial, Quimbé, Leandro Pires, Leandro Pires, João Correia, Debbie Monteiro, João Vilas, Mario Pais e Fernando Oliveira.

PASSATEMPO - "O Último Dia de Um Condenado" com Virgílio Castelo no Teatro Armando Cortez

O Blog Cultura de Borla em parceria com  a YELLOW STAR COMPANY tem bilhetes duplos para O ÚLTIMO DIA DE UM CONDENADO para os dias 16 e 17 de Dezembro no TEATRO ARMANDO CORTEZ aos primeiros leitores que de 5 em 5 participações:

 

 Enviem um email para o culturadeborla@sapo.pt com a frase "Eu quero ver O ÚLTIMO DIA DE UM CONDENADO com o Cultura de Borla" com nome, BI e nº de telefone.

image001.jpg

No ano em que se assinala os 150 anos da Abolição da Pena de Morte em Portugal (1867-2017) a produtora Yellow Star Company apresenta “O Último Dia de um Condenado” de Vitor Hugo, com adaptação e encenação de Paulo Sousa Costa. Interpretado por Virgílio Castelo.

 

"Uma adaptação a partir da obra homónima de Victor Hugo, que versa as últimas horas de um homem que está no “corredor da morte”, com o fim iminente à sua espera. É uma crítica mordaz à pena de morte, onde o autor questiona a justiça por tamanha barbaridade que é tirar a vida a um ser humano, mesmo que seja culpado por um crime de sangue. É um manifesto a favor da abolição da pena de morte, publicado em 1862. Esta obra teve repercussões em todo o mundo, contribuindo para a proibição da pena capital. Portugal foi o primeiro país da Europa a abolir a pena de morte e o romancista francês Victor Hugo referiu esse facto, congratulando o feito e dizendo “Portugal dá o exemplo à Europa, que imitará a vossa nação. Morte à Morte. Guerra à Guerra. Viva a vida! Ódio ao ódio! A Liberdade é uma imensa cidade da qual todos somos concidadãos”. 

No Teatro Armando Cortez a partir de 7 de Dezembro, de quinta a sábado às 21h30 e domingos às 18h00 - Reservas através dos contactos 938667315 bilheteira@yellowstarcompany.com

 

 

Passatempo ALL YOU NEED IS LOVE

O Blog CULTURA DE BORLA tem bilhetes duplos para o espectáculo ALL YOU NEED IS LOVEpara o dia 12 de Dezembro na Sociedade Musical Ordem e Progresso aos primeiros leitores que de 5 em 5 participações:

 

- enviem um e-mailpara culturadeborla@sapo.ptcom a frase "Eu quero ir verALL YOU NEED IS LOVE  com o Cultura de Borla" com nome, BI e contacto;

- partilhem o passatempo no seu perfil pessoal;

-façam like na página do Cultura de Borla no Facebook e façam um like no post do passatempo.

 

20731286_gb1VC.jpeg

 

A VILA a partir de Raúl Brandão | O GRANDE DIA DA BATALHA de Jorge Silva Melo | Artistas Unidos

 

 

 

No Teatro da Politécnica, os Artistas Unidos acolhem já no próximo dia 13 de Dezembro A VILA, a partir de Húmus, de Raúl Brandão, que aí estará em cena até dia 16. E a partir de 18 de Janeiro de 2018, os Artistas Unidos estreiam O GRANDE DIA DA BATALHA, texto de Jorge Silva Melo, variações sobre o Albergue Nocturno, de Máximo Gorki.

 

A VILA a partir de Húmus de Raúl Brandão Criação e Interpretação Eduardo Breda e Maria Leite Desenho de Luz Jorge Rosado Artwork Lulu Wolf Fotografia Arlindo Costa Direcção Eduardo Breda Apoio Fundação GDA, Projecto Ruínas, Primeiros Sintomas, Largo Residências

No Teatro da Politécnica de 13 a 16 de Dezembro
4ª às 19h00 | 5ª e 6ª às 21h00 | Sáb. às 16h00 e às 21h00

A VILA.jpg

 

“O drama não tem personagens nem gestos, nem regras, nem leis. Não tem acção. Passa-se no silêncio, despercebido.”
Húmus, Raúl Brandão

A Vila é frágil, aqui não se aplicam leis, nem de espaço nem de tempo. Descrevê-la implica assumir um compromisso entre informações que se contradizem. Os habitantes da Vila não têm cara, estão em permanente mutação, tal como a sua paisagem. Chegamos juntos à Vila e tentamos cartografá-la. Seria um risco demasiado grande estar sozinho neste lugar.

 

O GRANDE DIA DA BATALHA variações sobre o ALBERGUE NOCTURNO de Máximo Gorki

O GRANDE DIA DA BATALHA.JPG

 

Com Vânia Rodrigues, Paula Mora, Rúben Gomes, Hugo Tourita, Figueira Cid, André Loubet, Gonçalo Carvalho, José Neves, Simon Frankel, Ricardo Aibéo, Inês Pereira, João Pedro Mamede, Pedro Baptista, Tiago Matias, Gonçalo Egito, João Estima, Diana Narciso, Rita Delgado, Miguel Galamba e Sara Inês Gigante Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Som André Pires Apoio Musical Rui Rebelo Luz Pedro Domingos Assistência de Encenação Nuno Gonçalo Rodrigues e Isabel Muñoz Cardoso Encenação Jorge Silva Melo Uma produção Artistas Unidos Coprodução TNDMII

No Teatro Nacional D. Maria II de 18 de Janeiro a 25 de Fevereiro

4ª às 19h00 | 5ª a Sáb. às 21h | Dom. às 16h

São  "os tristes, os vis, os oprimidos", escreveu Gomes Leal quando ouvia "os passos da Canalha" anunciando "O grande dia da Batalha".  E que foi feito deles, abandonados pela industrialização, abandonados pela pós-industrialização, morrendo de drogas como outrora de tuberculose? Usámo-los para comprar a boa consciência dos nossos salões burgueeses? E agora espantamo-nos ao vê-lo engrossar, como na Alemanha de 1933, as milícias de miseráveis que querem "restaurar a ordem", voltar atrás? "Pois foi, diz JSM, enxertei a minha perplexidade neste texto maior de Gorki, o que em 1901, assim abriu as cenas ao mundo colectivo, o que inventou o plano geral no teatro, o que fez soprar sobre os miseráveis um vento cálido de Primavera."

Luca Todos somos precisos para se fazer um mundo.

Jorge Silva Melo, O Grande Dia da Batalha

Jerusalém: umbigo da humanidade

André Pardal em Nathan, o sábio

 

Jerusalém: umbigo da humanidade

 

image001.jpg

image002.jpg

 

 

A Companhia de Teatro de Almada estreia no próximo sábado o espectáculo Nathan, o sábio, de Gotthold Ephraim Lessing, com encenação de Rodrigo Francisco. A acção da peça decorre na Jerusalém do século XII, e é um mote para a reflexão sobre as relações – e a origem comum – das três religiões do Livro: judaísmo, cristianismo e islamismo. No mesmo dia a CTA inaugura uma exposição documental no átrio do Teatro Municipal Joaquim Benite intitulada Jerusalém: umbigo da humanidade. Após a sessão da tarde de domingo 10, às 18h30, será gravado ao vivo, na Sala Principal do TMJB, o programa de rádio da Antena 1 E Deus criou o Mundo, no qual três representantes das três religiões monoteístas comentarão Nathan, o sábio. O programa de rádio será aberto à participação do público.

 

 

Nunca levado à cena no nosso País, Nathan, o sábio é um dos clássicos da dramaturgia mundial. Publicada em 1779, esta peça é uma ode à tolerância e um texto fundamental do Século das Luzes. Estamos na Jerusalém do século XII, acabada de conquistar pelo muçulmano Saladino, e onde vivem o judeu Nathan e a sua filha adoptiva, a cristã Recha. A jovem acaba de ser salva de um incêndio por um jovem cruzado, que a pede em casamento. Mas nem o tolerante Nathan – que demonstra ao sultão Saladino, através da célebre parábola dos anéis, que a religião perfeita é aquela que torna os homens melhores – pode aceitar essa união. Na verdade, existem outros laços a unir as duas jovens personagens apaixonadas: laços fraternos, como se as diferentes religiões tivessem, no fundo, a mesma origem.


Filósofo, teólogo e dramaturgo alemão, Gotthold Ephraim Lessing é um dos principais representantes do Século das Luzes na Alemanha. Com uma escrita precisa e clara, encontra-se próximo do cepticismo de Voltaire, sendo um defensor da tolerância. A sua dramaturgia, uma das mais célebres do seu tempo, é composta tanto por comédias como por dramas, e debruça-se principalmente sobre os temas da religião, do lugar das mulheres na sociedade e do patriotismo.


Intérpretes André Gomes, André Pardal, Guilherme Filipe, João Farraia, João Tempera, Leonor Alecrim, Luís Vicente, Maria Rueff e Tânia Guerreiro
Tradução Yvette K. Centeno
Cenografia Pedro Calapez
Figurinos António Lagarto
Luz Guilherme Frazão
Som Miguel Laureano

 

 

TEATRO MUNICIPAL JOAQUIM BENITE | SALA PRINCIPAL | M/12

09 a 17 DEZ | QUA a SÁB às 21H e DOM às 16h

 

PREÇO: 6,5€ a 13€   (Clube de Amigos: entrada livre)

 

RESERVAS: +351 212 739 360
COMPRAR: http://cta.bilheteiraonline.pt/

"Noite Viva", de Conor McPherson, com encenação de João Lourenço @ Teatro Aberto

 

image002.jpg

 

Noite Viva, de Conor McPherson, com encenação de João Lourenço, antestreia dia 19 de Dezembro às 21h30, na Sala Azul do Teatro Aberto, e conta com as interpretações de Anna Eremin, Bruno Bernardo,  Filipe Vargas, Rui Mendes e Vítor Norte .

O autor Conor McPherson é especial na programação do Teatro Aberto. Foi no antigo Teatro Aberto que se estreou em Portugal o primeiro texto deste então jovem  dramaturgo, em 1997, num ciclo dedicado às novas dramaturgias. “Água Salgada”, uma das suas primeiras peças foi encenada por João Lourenço com dramaturgia de Vera San Payo de Lemos. O “trabalho de campo” dramatúrgico que os textos de McPherson suscitam, interessou ao encenador e à dramaturgista que voltaram a trabalhar sobre peças deste autor em “Lucefécit” (2000), “Luz na Cidade” (2005) e, agora, em “Noite Viva”. Este espectáculo apresenta-se como um projecto verdadeiramente inovador, na senda da pesquisa, experimentação, criação e inovação artísticas e no âmbito do cruzamento da linguagem do cinema e do teatro, que o encenador João Lourenço tem traçado desde a sua primeira encenação. Já terminámos a rodagem do filme “Noite Viva” e no palco prosseguem os ensaios da peça.

 

 

SINOPSE
                Sem grandes perspectivas de futuro, Tomás vai sobrevivendo com esquemas e trabalhos ocasionais. Numa noite, Ana cruza-se no seu caminho. Traz consigo a violência e desperta sentimentos e sonhos que Tomás julgava perdidos. Quem é esta jovem mulher e qual é a sua história? Entre a solidão e o vazio, vislumbram-se a possibilidade do amor e a esperança de uma vida diferente.

                Noite viva, apresenta-se como um projecto inovador de cine-teatro. Combinando as linguagens do teatro e do cinema, este espectáculo sai do espaço do teatro para seguir com a câmara as personagens e mostrar no grande ecrã outras histórias que se juntam àquela que se está a contar ao vivo no palco.  Tudo se desenrola de noite. É uma noite viva onde irrompem acções e emoções inesperadas e perturbadoras. E noite após noite procura-se a estrela que vai guiar o caminho.

FICHA ARTÍSTICA
Versão João Lourenço e Vera San Payo de Lemos
Dramaturgia Vera San Payo de Lemos
 
Encenação João Lourenço
Cenografia António Casimiro e João Lourenço
Figurinos Isabel Finkler
Luz João Lourenço
COM  Anna Eremin | Bruno Bernardo | Filipe Vargas | Rui Mendes | Vítor Norte  

UM FILME DE JOÃO LOURENÇO / NUNO NEVES | ARGUMENTO JOÃO LOURENÇO / VERA SAN PAYO DE LEMOS

DIRECÇÃO DE FOTOGRAFIA E MONTAGEM NUNO NEVES | DIRECÇÃO DE ARTE ANTÓNIO CASIMIRO / JOÃO LOURENÇO

FIGURINOS ISABEL FINKLER | DIRECÇÃO DE PRODUÇÃO CÉLIA CAEIRO - TEATRO ABERTO | ASSISTÊNCIA DE REALIZAÇÃO TOMÁS QUITÉRIO

COM ANNA EREMIN / BRUNO BERNARDO / EURICO LOPES / FILIPE VARGAS / IRENE CRUZ/ IVO CANELAS / JOÃO PERRY / PATRÍCIA ANDRÉ /

PAULO OOM / SÍLVIA FILIPE / TERESA FARIA / TOMÁS ALVES / RITA CABAÇO / RUI MENDES / VÍTOR NORTE

PRODUÇÃO TEATRO ABERTO / OTHER FEATURES

 

ESPECTÁCULOS 
4ª a Sábado às 21h30 
Domingo às 16h 
Antestreia 19 DEZ | Estreia 20 DEZ
NOS DIAS 24, 25 e 31/12 E NO DIA 1/01 NÃO HAVERÁ ESPECTÁCULO.
 

M/16
 

BILHETEIRA
4ª a Sábado das 14h às 22h00; Domingo das 14h às 19h 
Reservas 213 880 089 ou bilheteira@teatroaberto.com  
www.bol.pt | FNAC | ABEP | CTT | El Corte Inglés (Lisboa e Gaia)  

PREÇOS
Inteiro - 15   €
Jovem (até 25 anos) – 7,5€
Sénior (mais de 65 anos) – 12 € 

 

PASSATEMPO - "O Último Dia de Um Condenado" - 7, 8, 9 e 10 de Dezembro

O Blog Cultura de Borla em parceria com  a YELLOW STAR COMPANY tem bilhetes duplos para O ÚLTIMO DIA DE UM CONDENADO para os dias 7, 8 e 9 de Dezembro (21h30) e 10 de Dezembro (18h) no TEATRO ARMANDO CORTEZ aos primeiros leitores que de 5 em 5 participações:

 

 Enviem um email para o culturadeborla@sapo.pt com a frase "Eu quero ver O ÚLTIMO DIA DE UM CONDENADO com o Cultura de Borla" com nome, BI e nº de telefone.

 

 

 

o ultimo dia de um condenado.jpg

 

No ano em que se assinala os 150 anos da Abolição da Pena de Morte em Portugal (1867-2017) a produtora Yellow Star Company apresenta “O Último Dia de um Condenado” de Vitor Hugo, com adaptação e encenação de Paulo Sousa Costa. Interpretado por Virgílio Castelo.

 

"Uma adaptação a partir da obra homónima de Victor Hugo, que versa as últimas horas de um homem que está no “corredor da morte”, com o fim iminente à sua espera. É uma crítica mordaz à pena de morte, onde o autor questiona a justiça por tamanha barbaridade que é tirar a vida a um ser humano, mesmo que seja culpado por um crime de sangue. É um manifesto a favor da abolição da pena de morte, publicado em 1862. Esta obra teve repercussões em todo o mundo, contribuindo para a proibição da pena capital. Portugal foi o primeiro país da Europa a abolir a pena de morte e o romancista francês Victor Hugo referiu esse facto, congratulando o feito e dizendo “Portugal dá o exemplo à Europa, que imitará a vossa nação. Morte à Morte. Guerra à Guerra. Viva a vida! Ódio ao ódio! A Liberdade é uma imensa cidade da qual todos somos concidadãos”. 

No Teatro Armando Cortez a partir de 7 de Dezembro, de quinta a sábado às 21h30 e domingos às 18h00 - Reservas através dos contactos 938667315 bilheteira@yellowstarcompany.com