Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Programa de Comemorações 35 Anos do Museu da Terra de Miranda e Centenário do Nascimento de António Maria Mourinho

image002.jpg

 

Por ocasião da comemoração dos 100 anos do nascimento de António Maria Mourinho e, simultaneamente, os 35 anos da criação do Museu da Terra de Miranda, a Direção Regional de Cultura do Norte e o Museu da Terra de Miranda preparam um programa evocativo da efeméride, a realizar nos dias 18 de maio (Dia Internacional dos Museus) e 20 de maio (Noite dos Museus).

 

Programa

18 maio (Dia Internacional dos Museus)

16h00 Inauguração da Exposição «António Maria Mourinho - Memórias de uma Vida»

(em colaboração com o Município de Miranda do Douro e com o espólio de Ilídio Cristal)

17h00 Lançamento de Vinho Comemorativo: 35 anos do Museu da Terra de Miranda e 100 anos do Nascimento de António Maria Mourinho

(com a colaboração dos vinhos José Preto)

 

20 maio (Noite dos Museus)

Visitas Guiadas à Exposição de António Maria Mourinho

21h00 Fiadouro, representado pela Associação Cultural e Recreativa Duas Igrejas

22h00 Reabilitação da «Dança das Flores», realizada pelo grupo de Duas Igrejas

22h30 Dança das Fitas, realizada pelo grupo de Sendim

23h00 Atuação do Grupo de Pauliteiros de Malhadas

(abertura do Museu até às 24h00)

 

O Museu da Terra de Miranda está situado no centro histórico de Miranda do Douro, instalado na antiga Domus Municipalis da cidade, edifício do século XVII. Fundado em 1982, o museu evoca o tempo longo do planalto mirandês. A visita permite descobrir traços característicos da vida social e cultural de uma região cuja forte identidade, manifesta na presença da língua mirandesa (segunda língua oficial da República Portuguesa desde 1999) e ancorada na agricultura, na pecuária e no comércio de fronteira, passa hoje por evoluções profundas e rápidas.

 

António Maria Mourinho (14 de fevereiro de 1917 - 13 de julho de 1996) foi padre, professor, historiador, etnógrafo e folclorista.

A etnologia e a arqueologia foram áreas de conhecimento que o apaixonaram e às quais se dedicou com entusiasmo e afeição em grande parte da sua vida, podendo colocar a criação do museu como um marco do seu trabalho, e, num dos seus maiores sonhos e ambições. Sonho este, que começa a ganhar forma, através de uma recolha sistemática, pensada para o efeito e orientando também a ideia de preservar toda uma riqueza arqueológica, e etnográfica, orgulho de toda esta região, tão rica em história e em arte, e que se encontrava dispersa deficientemente protegida ou mesmo em vias de destruição. Por fim, concretizando um desejo de longa data no dia 18 de maio (Dia Internacional dos Museu) de 1982 é inaugurado o Museu da Terra de Miranda ficando instalado no antigo edifício da Câmara Municipal, e antiga cadeia comarcã, já adaptados para o efeito.

António Maria Mourinho era apaixonado pela sua terra, pela sua cultura e pelas suas gentes, trabalhou intensamente para o fortalecimento da identidade da Terra de Miranda pela via da etnografia e da antropologia. Tinha uma visão aberta para o seu tempo, sempre com a preocupação de compreender a sociedade da sua época.

 

Parques de Sintra associa-se às comemorações do 25 de abril com abertura gratuita do Palácio Nacional de Queluz

Palacio_Nacional_de_Queluz_creditos_PSML_Wilson_Pe

 

A Parques de Sintra associa-se às comemorações do 25 de abril, Dia da Liberdade, com a abertura gratuita, até às 14h30, do Palácio Nacional e Jardins de Queluz.

 

A última entrada será às 14h00, já que o monumento encerra ao público às 14h30 devido à realização de eventos oficiais.

 

EPAL assinala Dia Mundial da Água com visitas gratuitas ao Museu da Água

Outdoors_FILLFOREVER_2017_MDA_aqueduto.jpg

 

Para comemorar o Dia Mundial da Água, que se assinala no dia 22 de março, a EPAL está a promover um conjunto de iniciativas no âmbito da sua nova campanha: “EPAL Faz Parte da História da Água em Lisboa”. A par das visitas gratuitas ao Museu da Água, que se realizará durante uma semana serão realizadas ações com aguadeiros que oferecerão água da torneira nas ruas de Lisboa, para assinalar esta efeméride.-

No dia 22 de Março, data em que se assinala o Dia Mundial da Água, a EPAL lança a campanha “EPAL FAZ PARTE DA HISTÓRIA DA ÁGUA EM LISBOA”. Esta campanha, com enfoque no singular património museológico da empresa, pretende promover e valorizar os diversos Núcleos do Museu da Água, parte indissociável da história do abastecimento de água à cidade, e um legado único da nossa arquitetura, cultura e saber.

Esta iniciativa da EPAL pretende convidar os munícipes, visitantes da capital e turistas a conhecerem estes espaços magníficos, com a abertura gratuita a toda a população durante a semana de 22 a 29 de Março.

A nova campanha conta ainda com uma campanha de ativação de rua, a ocorrer no Dia Mundial da Água, com a presença de aguadeiros que, uma vez mais, saem à rua para oferecer água da torneira de excelente qualidade, bem como, materiais informativos sobre os núcleos do Museu da Água. Esta ação de rua terá lugar na Av. da Liberdade, no Parque Eduardo VII e nos jardins envolventes ao Reservatório da Mãe d’Água das Amoreiras e do Reservatório da Patriarcal.

Sobre a campanha:

“EPAL FAZ PARTE da SUA HISTÓRIA” evidencia o percurso da água através das infraestruturas históricas de transporte, armazenamento e distribuição deste bem essencial para consumo pelos habitantes da capital, ao longo de eras e gerações, fator condicionante do progresso da cidade e parte integrante das vivências dos seus habitantes.

Esta campanha, enquadrada nas comemorações Dia Mundial da Água, pretende atrair a cidade, os clientes e munícipes, para a o grande evento do próximo ano - a celebração dos 150 anos da EPAL.


Informações adicionais:

 

Bernardo Pessanha | Tlm. 963 432

Percursos pela história da arte e dos símbolos no Museu do Oriente

Visitas orientadas, workshop e conferência

 

Percursos pela história da arte e dos símbolos no Museu do Oriente

 

Índia Ritual.jpg

 

 

Explorar a história da arte e suas simbologias, fazendo a ponte entre ocidente e Ásia, é a sugestão do Museu do Oriente através de conferências, visitas orientadas às colecções e workshops, que se realizam até ao final do ano.

 

“Deusas e devotas: o hinduísmo no feminino” é o tema da conferência da próxima terça-feira, dia 25 de Outubro, com entrada livre, integrada no ciclo de conferências ‘A Índia Ritual’. Juntando as perspectivas da antropologia com o universo museológico, os temas apresentados são ilustrados com peças do Museu, enquadrando-as nos contextos sociais, culturais e religiosos da Índia.

 

O ciclo termina no dia 22 de Novembro, com a conferência “Nossa Senhora da Conceição, Ganesh e Ghumat”, também de entrada livre, que foca os cruzamentos entre catolicismo e hinduísmo em Goa.

 

No dia 28 de Outubro, a visita orientada “Que China a de Camilo Pessanha?”, dá a conhecer as viagens e vivências deste grande poeta da língua portuguesa, através dos objectos que colecionou, para ver na exposição permanente Presença Portuguesa na Ásia. Fruto do fascínio pela cultura chinesa, com a qual contactou directamente em Macau, Camilo Pessanha adquiriu vários objectos e obras de arte, incluindo álbuns de pintura, rolos de caligrafia e trajes. Esta colecção encontra-se exposta no Museu do Oriente, em depósito do Museu Nacional Machado de Castro (Coimbra).

 

No sábado, 29 de Outubro, o workshop “Linguagem secreta da arte: símbolos e códigos na arte ocidental e oriental” propõe uma introdução aos significados, muitas vezes ‘ocultos’, da arte.  Serão abordadas algumas das fórmulas e simbologias mais recorrentes ao longo da história da arte, fazendo a ponte entre Ocidente e Oriente, e das apropriações e assimilações entre culturas, artistas e artífices.

 

O mês de Novembro começa com uma visita orientada, na quinta-feira, dia 3, direccionada a todos os interessados no processo de xilogravura na Ásia. Durante duas horas, as reservas do museu abrem-se para mostrar inúmeros exemplares de xilogravuras da China, Japão e Vietname, pertencentes à colecção Kwok On, explorando a história, técnicas e temas dos primórdios da impressão.

 

Ciclo de conferências “A Índia Ritual”

18h30

Entrada livre

25 de Outubro: “Deusas e devotas: o hinduísmo no feminino”

por Inês Lourenço | CRIA-ISCTE / IUL

22 de Novembro: “Nossa Senhora da Conceição, Ganesh e Ghumat”

por Claudia Pereira | CIES ISCTE/IUL

 

Visita orientada temática “Que China a de Camilo Pessanha?”

28 de Outubro

19.00-20.00

Público-alvo: M/16

Participantes: mín. 6, máx. 25

Preço: € 6,50

 

Workshop Linguagem secreta da arte: símbolos e códigos na arte ocidental e oriental”

29 de Outubro

10.00-13.00

Participantes: mín. 10, máx. 15

Preço: € 8,00

 

Visita orientada temática “A xilogravura na colecção Kwok On”

3 de Novembro

15.00-17.00

Público-alvo: M/16

Participantes: mín. 10, máx. 12

Preço: € 12

 

Museu do Oriente, Avenida Brasília | Doca de Alcântara (Norte) | 1350-362 Lisboa

www.museudooriente.pt

 

Visita à cidade Templária de Tomar (sábado, 5/3) | O Mistério Templário desde a Formação de Portugal ao Projecto dos Descobrimentos | pelo historiador Paulo Loução

image002.jpg

 

VISITA À CIDADE TEMPLÁRIA DE TOMAR

O Mistério Templário desde a Formação de Portugal ao Projecto dos Descobrimentos

pelo historiador Paulo Loução | Sábado, 5 de Março

 

Programa:

. 8h00 – Saída do Palácio Marquês de Pombal, em Oeiras;

. 8h30 – Paragem em Lisboa, junto à Faculdade de Direito, na Cidade Universitéria;

. 10h30 – Visita à igreja templária de Santa Maria do Olival, primitivo templo da Ordem em Tomar, panteão dos seus mestre, e no tempo da Ordem de Cristo foi igreja matriz de todas as paróquias de além-mar.

. 12h30 – Visita à Igreja de São João Baptista, onde se encontra o enigmático óleo de Gregório Lopes, «Melquisedeque e Abraão»;

. 13h30 – Almoço;

. 15h00 – Visita ao Castelo templário e ao Convento de Cristo. Destaca-se explicação do simbolismo do Pórtico Sul, da Charola, da famosa janela manuelina, dos enigmáticos símbolos das estelas templárias e da Ordem de Cristo (a maior colecção de estelas templárias do mundo), e da pedra de fundação da Torre de Menagem, de origem romana e dedicada ao espírito do lugar;

. 18h00 – regresso a Lisboa e Oeiras. Chegada prevista por volta das 20h30-21h00.

image001.jpg

 

 

Paulo Alexandre Loução é o autor das obras «Os Templários na Formação de Portugal», «Portugal – Terra de Mistérios» e «Dos Templários à Nova Demanda do Graal» e é um dos historiadores convidados pela Canal História para diversos documentários, entre eles o dedicado aos Templários na Península Ibérica. Algumas referências nos media:

Revista UP da TAP sobre a visita a Tomar,

http://upmagazine-tap.com/pt_artigos/tomar-cidade-templaria/

 

no Público sobre o Portugal a (re)descobrir, com alma:

http://fugas.publico.pt/Viagens/299147_ha-um-portugal-magico-para-redescobrir?pagina=-1

 

e no ABC de Espanha:

http://www.abc.es/internacional/20131117/abci-templarios-portugal-tomar-201311152016.html

 

Valor da participação: 60 € (45 € para Membros da Nova Acrópole), inclui transporte, almoço, entradas nos monumentos e envio de documentação sobre o tema da viagem. Valor sem transporte: 45 € (encontro às 10h30 junto à entrada da Igreja de Santa Maria do Olival, em Tomar); Pagamento antecipado por transferência.

Santos Convida

13 de Novembro de 2011

14h

São Estanislau Kostka


 

4 de Dezembro de 2011

14h

São Francisco Xavier

 

Museu de São Roque

Lisboa

 

Para assinalar os dias de vários santos representados na colecção da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, o Museu de S. Roque apresenta, mensalmente, a vida e obra de um santo, recorrendo ás colecções de pintura, escultura e relicários.

Visita à Tapada

2 Out/11: 15h

Tapada das Necessidades

Largo das Necessidades

 
 

Informações Úteis:             213 932 122       (Junta de Freguesia dos Prazeres)
gatnecessidades@gmail.com

 

Internet: gatnecessidades.blogspot.com

A história da Tapada das Necessidades começou em 1607 com a construção da Ermida de Nossa Senhora da Saúde. Mais tarde surge um convento, um palácio, um picadeiro, um jardim romântico inglês, uma estufa circular, a Casa do Regalo e a Casa de Fresco. Com a implementação da República a Tapada cai no esquecimento até 1916 quando o palácio acolhe o Ministério dos Negócios Estrangeiros onde se mantém até hoje. Só no final do século XX é que se iniciou a sua recuperação, mas não de forma continua. Durante a Primavera e o Verão, no primeiro Domingo de cada mês, o Grupo dos Amigos da Tapada das Necessidades organiza um passeio guiado pelo património botânico e monumental deste espaço verde. Um bonito lugar de Lisboa que oferece aos visitantes uma abundante vegetação - belas-sombras, teixos, dragoeiros -, um jardim de cactos , lagos, caminhos pedonais, uma zona de merendas e uma magnifica vista sobre o rio Tejo. O encontro dos participantes é sempre na portaria sul da Tapada, a entrada é livre e não necessita de marcação.

«Almoços com Arte»

De 1 a 26 de Agosto

Conheça uma peça de arte em 15 minutos na hora de almoço


«ALMOÇOS COM ARTE»

NA CASA-MUSEU MEDEIROS E ALMEIDA

Serviço de chá de Napoleão e quadro de Brueghel são algumas das peças da colecção de António Medeiros e Almeida cujas histórias são reveladas nesta iniciativa

 

Inspirada na National Gallery de Londres, a Casa-Museu Medeiros e Almeida apresenta «Almoços com Arte».

De 1 a 26 de Agosto é possível conhecer uma peça de arte da colecção de António Medeiros e Almeida durante a hora de almoço em 15 minutos e enquanto come-se uma sandes. Um quadro de Brueghel, o relógio de Sissi da Áustria ou o serviço de chá de Napoleão Bonaparte são algumas das peças eleitas.

 

No Verão, Lisboa fica ainda mais cosmopolita e apela ao turista que há em nós. A Casa-Museu Medeiros e Almeida, bem no centro da cidade, lança o desafio: agarrar numa sandes e aproveitar a hora de almoço para “beber” um pouco de cultura, entre dentadas.

 

A inspiração para os «Almoços com Arte» veio da National Gallery de Londres. Deste modo, em 15 minutos fica-se a saber a história por detrás de uma peça de arte da colecção de António Medeiros e Almeida (1895-1986) em exposição permanente na Casa-Museu. Um quadro deBrueghel, o relógio de Sissi da Áustria ou o serviço de chá de Napoleão Bonaparte são algumas das peças eleitas.

 

«Almoços com Arte», de segunda a sexta-feira, entre 1 e 26 de Agosto, às 13h30, com entrada gratuita e sem necessidade de reserva, mas limitado ao mínimo de 5 e ao máximo de 15 participantes.

 

 

CASA-MUSEU MEDEIROS E ALMEIDA CELEBRA DÉCIMO ANIVERSÁRIO

 1 de Junho de 2011



A Casa-Museu Medeiros e Almeida encontra-se aberta ao público há 10 anos, com um acervo de cerca de 2000 obras, no centro de Lisboa. Desde 1 de Junho de 2001 que é possível conhecer o vasto e precioso conjunto de obras de arte que reflecte o gosto muito cosmopolita de António Medeiros e Almeida, o fundador. Assim, para celebrar, a Casa-Museu pode ser visitada gratuitamente e em horário alargado, entre as 10H00 e as 17H30,
esta quarta-feira.

 

«O convite está, desde já, feito: conhecer uma das melhores colecções privadas de artes decorativas do mundo, que apresenta peças de mobiliário de autor, pintura, escultura, tapeçaria, ourivesaria, arte sacra e uma valiosíssima colecção de relógios e de porcelanas chinesas», afirma Teresa Vilaça, directora da Casa-Museu Medeiros e Almeida.

 

A Casa-Museu Medeiros e Almeida está aberta ao público entre as 13H00 e as 17H30 de segunda a sexta-feira e das 10H00 às 17H30 aos sábados, estando encerrada aos domingos. A entrada tem o preço de 5 € no caso dos adultos, 3 € para mais de 65 anos e entrada livre até aos 18 anos. Para visitas guiadas é necessário fazer uma reserva antecipadamente através do número 21 354 78 92 e terá um custo de 6 € por pessoa. Aos sábados,
das 10H00 às 13H00, a entrada é gratuita.

 

Para conhecer previamente um pouco mais a Casa-Museu Medeiros e Almeida vá a www.casa-museumedeirosealmeida.pt e veja o vídeo da visita
guiada.