Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Vimaranenses Paraguaii atuam este sábado no Café Concerto do Centro Cultural Vila Flor (02 abril)

Banda uniu-se pela amizade e pelo amor à música

 

Vimaranenses Paraguaii atuam este sábado no Café Concerto do Centro Cultural Vila Flor

image001 (2).jpg

 

Este sábado, 02 de abril, à meia-noite, o Café Concerto do Centro Cultural Vila Flor acolhe um concerto da promissora banda vimaranense Paraguaii. Um grupo de amigos, cúmplices na vida e também no gosto musical, uniu-se para dar corpo a um projeto que já vai conquistando um público fiel, enquanto calcorreia palcos pelo país fora. Chegou a vez do CCVF receber estes filhos do berço.

 

Depois de, em março de 2015, terem lançado o seu primeiro EP e percorrido Portugal com singles como “She”, “Tucano Baby” e “Black Ships”, os Paraguaii estiveram em estúdio a terminar o disco de estreia. O single de avanço, “Scope”, introduz o tema do álbum que foi lançado no passado mês de março. Baseando-se no conceito de amplitude espacial e envolvendo-se numa onda de cosmologia criativa, a banda busca inspiração no espaço para se interrogar sobre o nosso lugar no cosmos e a forma como este se ramifica para a autoperceção e consciencialização humana.

 

O projeto constrói, assim, a sua anatomia musical em dicotomias que conjugam elementos micro e macro, distância e proximidade, tempo e espaço. Os Paraguaii apresentam-se agora como um mergulho num denso, amplo e profundo espaço de luz. O projeto é formado por Giliano Boucinha na guitarra e voz, Igor Gonçalves na bateria, Zé Pedro Correia nos synths e baixo e, sempre que possível, conta com a participação de um quarto elemento, Rui Sousa no hammond, synths e saxofone.

 

A banda nasceu na procura da amizade musical e das experiências entre Igor Gonçalves e Giliano Boucinha quando ainda partilhavam o palco em Utter, um projeto anterior. Só na segunda metade do ano de 2014 surgiu, realmente, o reflexo de toda esta interação e a oportunidade de assegurar e dar vida ao projeto. Em agosto desse mesmo ano, junta-se o terceiro elemento, Zé Pedro Caldas Correia e, por fim, Rui Sousa que vem ultimar a formação. Toda uma nova história é criada e chegou agora a vez do Café Concerto do Centro Cultural Vila Flor ouvir estes rapazes.