Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Miguel e João esgotam concerto em 1h30 no Casino Estoril. Data Extra anunciada!

Miguel e João esgotam concerto em 1h30 no Casino Estoril. Data Extra anunciada!

Miguel e João.JPG

 

A dupla alentejana que deu que falar no "The Voice Portugal" vai estar em concerto dia 29 e 30 de Janeiro, pelas 20h, no palco do Lounge D do Casino Estoril. A primeira data (29) foi ontem anunciada e esgotou os lugares em apenas 1h30. A cultura é segura e a entrada é livre.

Miguel Costa é natural de Beja e João Maria Baião da Vidigueira, tem ambos 19 anos, e conquistaram os quatro mentores logo no primeiro dia ao virar as quatro cadeiras. Seguiram até à final, no último domingo, onde ficaram em 4ºlugar.

Nesse dia foram convidados pela mentora Aurea a participarem no seu concerto no próximo dia 15 de Janeiro no Campo Pequeno. No dia 29 e 30 estão anunciados no Casino Estoril onde prometem levar convidados especiais que serão revelados mais em cima da data.

Conhecem-se desde pequenos, mas foi apenas por volta dos 12 anos de idade que a amizade cresceu, altura em que João começou a ter aulas em Beja e a aproveitar o tempo livre para estar com Miguel. Juntos dedicaram-se à música, começaram a tocar e a cantar em grupos de jovens da igreja e aos 15 anos decidiram criar um grupo musical em conjunto com mais dois amigos, ao qual deram o nome de "Los Colchoneros". Desde aí nunca mais se separaram. Já atuaram em várias palcos no Alentejo e também em Lisboa, mas o "The Voice" foi o primeiro grande palco que pisaram.

Dia 29 e 30 de Janeiro no Casino Estoril a entrada é gratuita. Garanta o seu lugar ao fazer a reserva de mesa pelo 214 667 815. Lotação limitada de acordo com as normas da DGS.

De salientar que o Casino Estoril foi distinguido com o certificado “Clean & Safe” do Turismo de Portugal e aderiu ao serviço COVID OUT, Selo de Confiança, Clean Surfaces Safe Places, emitido pelo ISQ.

Com novo horário de funcionamento, o Casino Estoril abre agora às 11h e encerra às 22 horas. O acesso ao Lounge D do Casino Estoril é para maiores de 14 anos, ou maiores de 10 quando acompanhados pelos pais. Nas áreas de Jogo só é permitida a entrada a maiores de 18 anos.

Exposição “30 Anos de Leitura Pública – Pessoas, Palavras e Poemas!”

exposição 30 anos de leitura publica.jpg

 

 

A Exposição “30 Anos de Leitura Pública – Pessoas, Palavras e Poemas!” está a percorrer as bibliotecas municipais do concelho da Moita. De 6 a 30 de janeiro, estará patente na Baixa da Banheira.

 

Ao longo de três décadas, as bibliotecas têm desenvolvido um conjunto de projetos dirigidos à comunidade educativa, aos utentes dos lares, às crianças e famílias e à população em geral. Muito mais do que um local onde se pode aceder à informação, o papel das bibliotecas municipais tem sido essencial na manifestação das mais variadas práticas artísticas, trabalhando com parceiros, disponibilizando espaços, promovendo e incluindo na sua programação um conjunto de ações com vista à fruição artística e cultural. São essencialmente centros de aprendizagem e partilha onde é possível, através das múltiplas atividades existentes, envolver a comunidade em projetos diversificados.

Os autores locais fazem, pois, parte deste universo. São pilares essenciais na dinâmica e na vida das bibliotecas e a sua participação nas mais variadas ações constitui um importante elo de ligação territorial e de reforço comunitário.
Por isso, a Câmara Municipal da Moita lançou o desafio aos “poetas nossos munícipes”: escrever um poema sobre as bibliotecas para integrar a “Exposição 30 anos de Leitura Pública – Pessoas, Palavras e Poemas!”.

 

Jovens Solistas da Metropolitana apresentam-se no Museu do Oriente

Entrada gratuita

 

metropolitana_14jan.JPG

 

Os Jovens Solistas da Metropolitana sobem ao palco do Museu do Oriente, na quinta-feira 14 de Janeiro, às 19.00, com um programa ligeiro e divertido capaz de mostrar todo o virtuosismo das cordas, dos instrumentos de sopro e do piano. A entrada é gratuita.

 

Percorrendo composições de Debussy, Koechlin, Telleman e Crusell, entre outros, os alunos da Academia Nacional Superior de Orquestra demonstram por que esta é a mais premiada escola portuguesa nesta área. Desenvolvendo uma ponte pedagógica inédita entre a prática e o ensino musical, a ANSO é a única escola do país que forma maestros, instrumentistas de orquestra e pianistas vocacionados para música de câmara. Ao longo dos seus 25 anos tem vindo a mudar o panorama cultural em Portugal, com muitos dos seus alunos a ingressar nas mais exigentes instituições de ensino e formações internacionais.

 

O Museu do Oriente cumpre todos os requisitos de higiene e limpeza para prevenção e controlo da COVID-19, tendo recebido o Selo Clean & Safe para Museus, Palácios, Monumentos e Sítios Arqueológicos, atribuído pelo Turismo de Portugal em articulação com o Ministério da Cultura, às entidades que cumprem as recomendações da Direcção-Geral da Saúde.

 

Jovens Solistas da Metropolitana

14 de Janeiro, quinta-feira

19.00

Entrada gratuita

 

Programa

  1. P. Telemann |Concerto para 4 Violinos, TWV 40:202 (arra. para 4 flautas) (1)
  2. CrusellDivertimento para Oboé e Cordas, Op. 9 (2)

    C.-P. Taffanel | Quinteto de Sopros (3)

  1. ArnoldDivertimento para Flauta, Oboé e Clarinete, Op. 37 (4)
  2. Debussy2 andamento do Trio com Piano em Sol Maior (5)
  3. KoechlinQuatro Pequenas Peças para Piano, Violino e Trompa, Op. 32 (6)

 

(1) Ana Clara SousaGonçalo ReisCatarina SilvaHélio Santos (flautas)

(2) Pedro Capelão (oboé), Carolina Duarte (violino), Beatriz Tomás (violino), Ana Russo (viola), Beatriz Lousan (violoncelo)

(3) Beatriz Marques (flauta), Rodrigo Marques (oboé), Guilherme Duque (clarinete), Sara Maia (fagote), César Luís (trompa)

(4) Carolina Rosa (flauta), Guilherme Cruz (oboé), Joana Neves (clarinete)

(5) Bernardo Sousa (violino), Tiago Mirra (violoncelo), André Rodrigues (piano)

(6) Ana Ferreirinho (piano), Cristiana Herculano (violino), Helena Gabriela (trompa)

 

www.museudooriente.pt

Município de Palmela promove formação certificada e gratuita sobre Criatividade

Criatividade.jpg

 

No âmbito do Projeto “Formação para a Comunidade”, a Câmara Municipal de Palmela e o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) promovem, entre 27 de fevereiro e 19 de junho, a ação de formação “Criatividade - a mais valiosa ferramenta do futuro | Linguagem Plástica e as Práticas de Representação Livre”.

Dinamizada por Paula Moita em formato B-Learning - quartas-feiras, online (19h00 às 21h30) e sábados, presencialmente (Biblioteca Municipal de Palmela - 9h30 às 18h00) - esta ação, com um mínimo de 17 formandas/os e um total de 50 horas, é dirigida a maiores de 18 anos.

Recorde-se que a “Formação para a Comunidade”, projeto promovido pela Autarquia desde 2007, em parceria com pessoas e entidades acreditadas para o efeito, tem como objetivo central o reforço das qualificações pessoais e profissionais da população do concelho.

Mais informações/inscrições através do e-mail formacao.comunidade@cm-palmela.pt e do telefone 212 336 632 (Biblioteca Municipal de Palmela).

 

METROPOLITANA | O Testamento de Mozart > com Nuno Inácio | 16 JAN. 11H. THALIA

É com música de Wolfgang Amadeus Mozart que a Metropolitana brinda o primeiro mês do ano. Trata-se de um dos compositores mais consensuais de toda a História da Música. Existe, porém, uma enorme variedade no seu extenso legado que passa por vezes despercebida. Encontramos aí obras que se distinguem pela ligeireza expressiva e por uma jovialidade contagiante. Mas também outras em que sobressai a comoção expressiva, por vezes majestáticas. Ainda que possam parecer comportamentos incompatíveis, sempre se sobrepõe uma irrepreensível coerência estilística. É essa, afinal, uma das principais qualidades da música da segunda metade do século XVIII, quando eram exaustivamente exploradas as possibilidades técnicas dos instrumentos, o planeamento formal da partitura, encadeamentos harmónicos complexos e efeitos dramáticos de pendor teatral. Nunca compromete, porém, a fluência do discurso musical que tanto apreciamos e que temos agora a oportunidade de revisitar em três fins de semana seguidos, com sinfonias, concertos e música de câmara do génio de Salzburgo.

transferir (3).jpg

Em 1777 Mozart decidiu sair novamente de Salzburgo, dessa vez para viajar até à cidade de Mannheim, onde estava então sediada aquela que seria a melhor orquestra da época, constituída por um conjunto de músicos cuja qualidade permitia implementar as mais modernas técnicas de escrita orquestrais. Apesar de o Concerto para Flauta e Orquestra N.º 1 responder à encomenda de um abastado flautista amador, reflete esse mesmo brilhantismo instrumental. Já a sinfonia Júpiter, transporta-nos até ao verão de 1788, quando o músico compôs as suas últimas três sinfonias num só fôlego.
Trata-se de um «tríptico» que termina brilhantemente com esta sinfonia. O mistério que alguns lhe associam transparece na gravidade de largos momentos da partitura, como acontece no primeiro andamento, onde se exalta por vezes o estilo sério da abertura francesa. Tudo prossegue numa bem humorada oposição entre a mais elevada eloquência dramática e uma simplicidade de escrita deslumbrante.

O Testamento de Mozart
[Mozart em Janeiro]

Orquestra Metropolitana de Lisboa
Nuno Inácio Flauta e Direção Musical

W. A. Mozart
 Concerto para Flauta e Orquestra N.º 1, KV 313
W. A. Mozart Sinfonia N.º 41, KV 551, Júpiter


Sábado, 16 de janeiro, 11h00, Teatro Thalia
BILHETES À VENDA AQUI



Facebook iconInstagram icon

Copyright (C) 2021 Orquestra Metropolitana de Lisboa. All rights reserved.

You are receiving this email because you opted in via our website.

Orquestra Metropolitana de Lisboa
Travessa da Galé
36
Lisboa 1349-028
Portugal

A Oficina organiza, cria, produz, preserva. Mas, A Oficina é mais do que isso.

JP Coimbra | Apresentação de VIBRA no Theatro Circo dia 16 Janeiro

Apresentação de VIBRA no Theatro Circo dia 16 janeiro

JP Coimbra é-nos mais conhecido por ter sido o mentor de um dos projetos pop com mais sucesso em Portugal, os Mesa, assim como ser colaborador habitual dos Três Tristes Tigres. Contudo, nesta sua primeira aventura a solo, todo o universo pop é retirado para acedermos a um novo classicismo aliado à eletrónica. VIBRA é o nome do álbum.

VIBRA vai ser apresentado no próximo dia 16 de janeiro pelas 19 horas na Sala Principal do Theatro Circo em Braga. Este será o segundo concerto de apresentação sucedendo ao de dia 17 de dezembro na Casa da Música.

Mas o que podemos saber sobre VIBRA? Para JP Coimbra "é música maioritariamente instrumental feita com extrema liberdade, sem pensar em formatos ou condicionantes. No sentido em que procura em cada faixa construir um bolo sonoro coerente, repleto de referências que vão da música eletrónica à clássica."

O objetivo central do VIBRA foi combinar a plasticidade dos espaços públicos e suas inerentes características acústicas, na composição das peças musicais, criando autênticos "retratos sonoros" desses locais.

O projeto foi gravado na Casa da Música do Porto, na Estação de Metro do Marquês, na Fundação de Serralves, no rio subterrâneo “Rio de Vila” por baixo da Rua Mouzinho da Silveira. Todo o processo de gravação foi captado pelo realizador Vasco Mendes e será disponibilizado em formato documentário.

Local: Theatro Circo Braga
Dia: 16 janeiro 2021
Hora: 19h
Bilhetes
https://theatrocirco.bol.pt/Comprar/Bilhetes/93588-jp_coimbra-theatro_circo/Sessoes

https://www.youtube.com/watch?v=ocvh0I1k6Ho

Perfeitos Desconhecidos

transferir (1).jpg

 

 

 

LISBOA 
Teatro Maria Matos a partir de 14 de Janeiro de Quarta a Domingo

Ensaio Solidário (esgotado): 13 de Janeiro - Receitas revertem a favor da União Audiovisual 

Bilhetes já à venda na Ticketline, Fnac, bilheteiras dos teatros e locais habituais. 

 

Sinopse
Um grupo de amigos de longa data organiza um jantar. A anfitriã propõe um jogo: cada um deixa o telemóvel sobre a mesa e cada mensagem ou chamada que chega é lida e ouvida por todos, afinal entre amigos não há segredos.
Alguém tem algo a esconder?  Jogamos?
A partir deste momento as surpresas e reviravoltas sucedem-se em espiral.
Alternando entre o drama e a comédia, os segredos de cada um serão revelados, no final da noite nada será como dantes e os amigos descobrem que são, afinal, Perfeitos Desconhecidos.

Texto Paolo Genovese
Encenação, Tradução e Adaptação Pedro Penim
Cenário Joana Sousa
Figurinos Joana Barrios
Desenho de Luz Luís Duarte
Vídeo Joana Linda
Assistente de Encenação Bernardo de Lacerda
Produção Força de Produção
 
Com Ana Guiomar, Cláudia Semedo, Filipe Vargas, Jorge Mourato, Martinho Silva, Samuel Alves, Sara Barradas

 
 
 

Rock tropicalista: Assista novo clipe da Ave Máquina

 

image001.jpg

 

 

 

Como uma cigarra que anuncia a chuva que renova, a banda carioca Ave Máquina lança o clipe de “Cigarra”, como um prenúncio de que a vida vai melhorar. O clipe em animação conta com roteiro e direção de uma fã, Nicole Peixoto, e saiu do papel graças a uma rifa virtual apoiada pelos seguidores do Instagram. Gravada à distância, a música foi produzida com base na apresentação do grupo no Showlivre, com nova mixagem e masterização, além de novos instrumentos como teclado e uma segunda guitarra.

 

“Escolhemos a música Cigarra como single por ser uma música que representa bem a estética musical do grupo. É uma canção que transita por diversas influências, que vão do rock psicodélico, hard rock, tropicalismo e música nordestina. A letra da canção também se destaca por suas metáforas que transmitem imagens oníricas, mas com um sentido crítico e metafísico.”, explica Rafael Monteiro, baixista e tecladista da Ave Máquina.

 

 

 

O videoclipe de “Cigarra” também representa o amadurecimento da banda. O novo arranjo da canção mostra uma sonoridade apurada, próxima do que os músicos pretendem seguir lançando nos próximos singles em 2021. O baixista e tecladista Rafael conta sobre a decisão pela animação e os desafios da produção:

 

“O clipe em animação proporciona uma liberdade imagética que dialoga perfeitamente com a ideia de metamorfose e evolução sugerida pela canção. Durante a produção, nosso maior desafio foi conseguir produzir essa faixa mesmo com o distanciamento social.”, analisa Rafael.

 

O clipe de “Cigarra” contou com roteiro, direção e edição de Nicole Peixoto, que também foi responsável pela capa do single. A música “Cigarra” é uma composição de Fiu, com produção musical e mixagem de Yuri Ribas, e a masterização ficou por conta de Emygdio. A Ave Máquina é uma banda carioca formada por Katia Jorgensen (voz e triângulo), Fiu (voz e bateria), Rafael Monteiro (baixo e teclado) e Yuri Ribas (guitarra). As fotos de divulgação são de Flávio Salgado.

 

 

Formada em 2018, a Ave Máquina é uma banda que se autodefine como rock tropicalista. No repertório, os singles "Terra Oca" e "Me Dou Mal", entre outros, que levou o quarteto a tocar em casas importantes na cena carioca, como Audio Rebel, Saloon 79 e Lapa Irish Pub. Em janeiro deste ano, a Ave Máquina se apresentou ao vivo no Showlivre, importante canal de divulgação da música independente. A performance gerou o primeiro álbum da banda, já disponível nos streamings.

 

Assista “Cigarra”: https://youtu.be/h4xK3aGdku8

Ouça “Cigarra”: https://smarturl.it/cigarra

 

Acompanhe a Ave Máquina nas redes sociais

 

Facebook: https://www.facebook.com/avemaquina

Instagram: https://www.instagram.com/avemaquinabanda/

 

Teatro "Nos Tempos de Gungunhana" representado no Teatro-Cine de Torres Vedras

transferir.jpg

 

Klemente Tsamba vai representar no próximo dia 15 de janeiro, pelas 21h, no Teatro-Cine de Torres Vedras, o teatro Nos Tempos de Gungunhana.

Trata-se de uma peça baseada na tradição oral dos contadores de histórias africanos, onde um único elemento se desdobra em vários personagens e, com a cumplicidade do público, retrata alguns dos episódios mágicos paralelos à vida do célebre rei tribal moçambicano Gungunhana.

"Era uma vez um guerreiro da tribo Tsonga chamado Umbangananamani, que fora em tempos casado com uma linda mulher da tribo Macua, de nome Malice. Não tiveram filhos. Mas tentaram muito". Este é o mote que dá início a uma série de histórias nas quais se relatam aspetos curiosos ligados ao reinado de Gungunhana.

O preço dos bilhetes para se assistir ao teatro Nos Tempos de Gungunhana no Teatro-Cine de Torres Vedras é de cinco euros. As entradas estão limitadas a 136 espetadores.

 

Ficha Técnica

Criação/Interpretação: Klemente Tsamba
Textos originais: Ungulani Ba Ka Khosa
Apoio/Assistência criativa: Filipa Figueiredo, Paulo Cintrão e Ricardo Karitsis
Adereços e Figurinos: Klemente Tsamba
Fotografia: Margareth Leite e Danilo Ferrara
Produção: Carla Margarida Cardoso