Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

O Caminho Chinês | Fotografias de Paolo Longo em exposição no Museu do Oriente

chinesepath_china tattoo shanghai.jpg

 

Fotógrafo, jornalista e documentarista, Paolo Longo apresenta “O Caminho Chinês”, um conjunto de 56 fotografias que retratam a vida quotidiana do povo chinês na época do boom económico e da grande transformação económica, social e cultural, a partir de 28 de Novembro, no Museu do Oriente.

 

Nascido em Itália, e actualmente a residir em Portugal, Paolo Longo chegou à China em 2004 como correspondente da RAI, a televisão nacional italiana. Durante a estadia no país presenciou, em primeira-mão, nas palavras do próprio, “a maior experiência política e económico-social da História”.

 

Foi para descobrir os homens e as mulheres da terra que visitava, as histórias das suas vidas, as suas verdades, que captou cada fotografia. Histórias de pessoas, histórias verídicas, imagens do quotidiano na China, a vida do dia-a-dia que, à primeira vista pode parecer enfadonha, mas que encerra a política, a cultura, as emoções, os desejos e os segredos de uma sociedade.

 

A sequência de imagens inicia com aquilo que resta da China comunista (Nanjiecun, a última aldeia comunista) e o mito de Mao, transformado num ícone sem cabeça ou numa personagem passível de ser imitada, como Elvis. Continua através das ruínas das cidades imperiais, pelas vielas de Pequim, pela mítica cidade de Lijiang com os seus telhados de lousa. Olha para a metrópole futurista projetada no século XXI e para os seus habitantes, que recordam muito pouco do passado e olham para o Ocidente para encontrar um caminho chinês para a modernidade. Mistura o passado e o presente nos jovens da nova classe média, que se disfarçam para serem fotografados como protagonistas da antiga Ópera Chinesa, tal como fazem os camponeses de uma aldeia não muito longe de Pequim, que seguem dos campos para a caracterização, e daí, para o palco.

 

“Os jornalistas que trabalharam na China, na década de 1960, falavam de como os chineses eram todos iguais. Durante 30 anos, desde a vitória da revolução até à morte de Mao, o país habituou-se a pensar em termos do colectivo, grupos de trabalho, movimentos de massas. Eu vi uma China diferente, onde a história da comunidade se dissolve numa infinidade de histórias individuais, de vitórias e de derrotas, de riqueza e de pobreza, de descobertas, de batalhas, de desperdício, de protestos, mas sempre histórias de indivíduos debatendo-se com um novo caminho que se abria”, afirma Paolo Longo.

 

Organizada em colaboração com o Istituto Italiano di Cultura, em Lisboa, “O Caminho Chinês” está patente até 23 de Fevereiro de 2020. O fotógrafo orienta duas visitas à exposição, de entrada livre, nos dias 29 de Novembro e 21 de Fevereiro de 2020. No dia 17 de Janeiro de 2020, em conferência, Paolo Longo explica o seu processo de trabalho e as motivações por trás desta exposição.

 

Exposição “O Caminho Chinês – fotografia de Paolo Longo”

Inauguração | 28 de Novembro | 18.30

Até 23 de Fevereiro de 2020

Horário: terça-feira a domingo, 10.00-18.00

(à sexta-feira o horário prolonga-se até às 22.00, com entrada gratuita a partir das 18.00)

Preço: 6 €


Visitas orientadas com Paolo Longo
29 de Novembro e 21 de Fevereiro 2020 | 18.00 | Gratuito
 
Conferência com Paolo Longo
17 de Janeiro 2020 | 18.00 | Gratuito

 

 

 

www.museudooriente.pt

Tour Nacional + Álbum Waldemar Bastos

Waldemar Bastos é conhecido pela imprensa internacional como African Legend, e com razão. Um dos maiores nomes mundiais de world music, a música corre-lhe no sangue quase desde que nasceu.

O seu portefólio de colaborações é vastamente rico – desde trabalhos com artistas de grande renome internacional como David Byrne, Arto Lindsay, Ryuichi Sakamoto, Chico Buarque, David Sylvian, Brian Eno ou Jacques Morelenbaun a colaborações com a Orquestra Gulbenkian, London Symphony Orchestra ou a Brazilian Symphony Orchestra, foi ainda o único músico não português a quem coube a honra de cantar no Panteão Nacional em homenagem à fadista Amália Rodrigues.

“Alumbramento”: Lançamento de livro e exposição de fotografia no Fórum Cultural da Baixa da Banheira

Alumbramento_Exposicao_Fotografia_Joao_Ramos.jpg

 

O lançamento do livro de Fotografia “Alumbramento”, de João Ramos, com textos de Maria Laura Martins e Manuel João Croca, realiza-se no dia 23 novembro, às 16:00h, no Fórum Cultural José Manuel Figueiredo.

 

A apresentação desta edição ficará a cargo de Joaquim Caetano e a leitura de textos será feita por Bárbara Vicente e Margarida Sousa. A iniciativa contará com momentos de teatro/dança pela Cercimb e de música por Helena Madeira (harpa e voz).

 

Na sequência do lançamento do livro, pela Editora Local e pela Câmara Municipal da Moita, a Galeria de Exposições do Fórum recebe, de 23 de novembro a 14 de dezembro, a exposição fotográfica "Alumbramento".

Contemplativa, emotiva e com uma forte ligação à natureza, o conjunto de obras de grande formato, convida à meditação, introspeção e silêncio. Desafia a abrandar o ritmo quotidiano frenético e ajuda a observar a beleza em algo tão simples e tão próximo como o vaivém das águas do rio, o voo sereno das aves ou o balançar suave das folhas das árvores ao sabor do vento.

 

Fórum Turismo Palmela 2019: conheça o programa!

Fórum Turismo Palmela.jpg

 

 

 

Já está disponível o programa do Fórum Turismo Palmela 2019, que se realiza a 6 de dezembro, no Cineteatro S. João. As inscrições, gratuitas, estão a decorrer.

No ano em que o Município de Palmela comemora 30 anos de investigação e divulgação de conhecimento historiográfico em Ordens Militares, o tema escolhido para o Fórum Turismo foi “As Ordens religioso-militares na valorização turística dos destinos”.

Organizado pela Câmara Municipal de Palmela, com o apoio da Entidade Regional de Turismo da Região de Lisboa e da Rota de Vinhos da Península de Setúbal, o evento assume-se como um momento anual de partilha de experiências na área do Turismo, focando, todos os anos, temas diferentes e de grande interesse para o setor. Os trabalhos desta edição são centrados em dois grandes painéis: “A Ordem Militar de Santiago e a sua influência nos destinos turísticos” e “O papel das Ordens religioso-militares na valorização turística dos destinos / Exemplo e Práticas”. São convidadas/os oradoras/es a nível nacional, que farão intervenções relacionadas com as suas áreas de ação, para partilha de exemplos e boas práticas.

Mais informações e inscrições: 212 336 668, turismo@cm-palmela.ptou www.facebook.com/TurismoPalmela.

 

Programa

 

9h30

Sessão de Abertura

 

Secretaria de Estado do Turismo*

Turismo de Portugal - Teresa Ferreira

Entidade Regional de Turismo da Região de Lisboa - Vítor Costa

Câmara Municipal de Palmela - Álvaro Balseiro Amaro

 

10h00-12h30

A Ordem Militar de Santiago e a sua influência nos destinos turísticos

Moderação: Jorge Humberto Silva - Entidade Regional de Turismo da Região de Lisboa

 

Palmela: História, Arqueologia e Arte da Ordem de Santiago como Atrativo Turístico

Isabel Cristina Ferreira Fernandes - GesOS-Câmara Municipal de Palmela

 

A Relevância da Ordem de Santiago em Alcácer do Sal: Castelo, Convento, Igrejas e Panteão

Maria Teresa Lopes Pereira - Instituto de Estudos Medievais-Universidade Nova de Lisboa

 

A Ordem de Santiago no Alentejo: Valor Histórico e Artístico no Quadro de um Turismo Cultural

José António Falcão - Direção-Geral do Património Cultural

 

O Projeto Ordo Christi: Do Estudo do Património à Implementação e Promoção de Rotas de uma Ordem Religioso-Militar

João Neves e Ricardo Silva

 

Debate

 

14h00-16h45

O papel das Ordens religioso-militares na valorização turística dos destinos / Exemplo e Práticas

Moderação: Paula Magalhães - Câmara Municipal de Palmela

 

Ordem dos Templários – Conselho Científico Português da Rota Europeia dos Templários

Ernesto Jana - Município de Tomar

 

O Valor Cultural e Turístico do Património de Avis, sede da Ordem Religioso-Militar de Avis

Marta Alexandre - Centro Interpretativo da Ordem de Avis-Câmara Municipal de Avis

 

Ordem do Hospital / Ordem de Malta - Mosteiro Flor da Rosa

Jorge Rodrigues e Paulo Pereira - Museu Municipal do Crato

 

A Importância do Turismo no Desenvolvimento Regional

Bernardo Trindade AHP - Associação de Hotelaria de Portugal

 

Ordem de Santiago e Valorização Patrimonial – Perspetivas e Desafios de Futuro

Luís Miguel Calha - Câmara Municipal de Palmela

 

Debate

 

Encerramento com Moscatel de Honra

 

*A confirmar

 

 

Loulé Criativo e CEARTE promovem formação certificada

Costura.jpg

 

O Palácio Gama Lobo, em Loulé, recebe, de 14 de novembro a 7 de dezembro, uma formação certificada em Costura (Iniciação à Confeção), num total de 50 horas, em horário pós-laboral.

Esta iniciativa nasce ao abrigo do protocolo que a Câmara Municipal de Loulé celebrou recentemente com o CEARTE - Centro de Formação Profissional para o Artesanato e Património, com vista à criação de uma oferta em termos de aquisição e reforço de competências na área das artes e ofícios e atividades relacionadas.

Raquel Guimarães será a formadora desta ação destinada a ativos empregados com habilitação escolar mínima de 6º ano e desempregados com habilitação escolar igual ou superior ao 12º ano.

Pretende-se que, no final, os formandos consigam executar costuras m tecido, pespontar costuras simples, caracterizar as linhas e agulhas, realizar componentes das peças, reconhecer o funcionamento da máquina de orlar com uma e duas agulhas e realizar peças na máquina de ponto preso e orlar.

A formação decorrerá às quintas e sexta-feira, das 18h30 às 22h30, e aos sábados, das 9h00 às 17h00.

A participação é gratuita mas requer inscrição prévia até 8 de novembro.

Para inscrições e esclarecimentos contactar o Loulé Criativo através do tel. 289400829 ou do email loulecriativo@cm-loule.pt

 

CML/GAP /RP

Galeria Beltrão Coelho recebe exposição “Sui Generis”

Exposição conta com obras de Maria Amélia Ramos e de Pedro César Teles

 

pwLKa6ABF0211.jpg

 


A Galeria Beltrão Coelho recebe a exposição “Sui Generis”, com obras de arte da escultora/ceramista Maria Amélia Ramos e do pintor Pedro César Teles.

“Sui Generis” surge da amizade que junta estes dois artistas, com o intuito de alertar para a necessidade de desbravar novos caminhos e abrir portas para outras e novas visões. Os “bichos” surgem aqui como mensageiros, num terreno onde a imaginação intenta as peculiaridades da realidade.

Maria Amélia Ramos é natural de Lisboa e economista de profissão, desenvolvendo o seu trabalho artístico em paralelo com a sua atividade profissional. A cerâmica escultórica é atualmente a linguagem artística que privilegia e objeto do seu campo de atividade dado o fascínio de uma arte que conjuga os quatro elementos: terra, ar, água e fogo. Nesta exposição, apresenta peças em cerâmica cozida a elevadas temperaturas e trabalhadas com uma paleta de vidrados diversificada, parte das quais inspirada na obra do artista plástico Pedro César Teles.

Pedro César Teles nasceu em Angola, estudou e viveu em diversas regiões de Portugal. Fez a licenciatura em Teologia (Universidade Católica Portuguesa), frequentou a licenciatura em Direito (Universidade Clássica de Lisboa) e fez mestrado em Psicologia da Adolescência (Universidade Nova de Lisboa). A sua obra integra diversas coleções particulares (nacionais e estrangeiras) e está representada em várias instituições. Assume-se como autodidata e, paralelamente ao universo das artes, desenvolve atividade docente há cerca de 27 anos.

A exposição é gratuita e poderá ser visitada até 13 de dezembro, de segunda a sexta-feira, das 9h00 às 17h30.

A Galeria Beltrão Coelho foi criada em 2015 com o propósito de promover e auxiliar o progresso da arte em todas as suas manifestações, defender os interesses dos artistas e permitir aos seus visitantes um momento de viagem para outras realidades, transportando-os para um mundo de novas emoções.
 
Exposição: “Sui Generis” – MAR – Maria Amélia Ramos e Pedro César Teles
Data:
 24 de outubro a 13 de dezembro
Horário: de segunda a sexta-feira, das 9h00 às 17h30
Local: Galeria Beltrão Coelho – Rua Sarmento Beires, 3A 1900-410 Lisboa

EMARP - Exposição VIDA-Vida Selvagem do Botswana e África do Sul - Exposição de fotografia de Vítor Azevedo

e60425d2-bb4a-4039-8c16-0feb1990fac9.jpg

 

VIDA - Vida Selvagem do Botswana e África do Sul

Exposição de fotografia de Vítor Azevedo

4 de novembro a 6 de dezembro de 2019
Dias úteis das 8h30 às 17h30

Vítor Manuel Nascimento de Azevedo,  é desde miúdo apaixonado pela fotografia.
41 anos de trabalho em hotelaria e aviação comercial proporcionaram-lhe a oportunidade de conviver e contactar com muita gente, viajando pelo mundo, fotografando, fazendo amigos, conhecendo outras culturas, costumes e apreciando a gastronomia local e cozinhando a nossa para os amigos.
Gosta da fotografia em geral, mas prefere fotografar ao ar livre, muito em especial vida selvagem no seu habitat.
Fotografou em vários países onde a fauna é abundante, tais como Costa Rica e Brasil , mas é sem dúvida África que mais o atrai e onde mais gosta de fotografar, aliando o prazer e a proximidade da fotografia com a força da adrenalina ao estar muito próximo e sem barreiras de animais selvagens de grande porte, respeitando os meus espaços… mas ali pertinho deles.
Esta exposição tenta mostrar um pouco da beleza da fauna africana.

VIDA - Vida Selvagem do Botswana e África do Sul
Dedicada a Sean van Wyk
Conheça as fotografias captadas no Parque Nacional de Chobe (10.000 km2) no Botswana e na Reserva Privada de Timbavati (533,92 km2) na África do Sul.
Imagens que retratam a vida, a sobrevivência e a cadeia alimentar. A morte está intimamente ligada à vida que se transforma num renascer constante e cíclico. Princípio que moveu Vítor Azevedo a fazer este conjunto de trabalhos. Foi desta mistura de beleza, brutalidade, doçura, agressividade, sobrevivência que surgiu o título para este trabalho.
Porque a vida e a morte andam de mão dada numa constante renovação gerando mais VIDA.

Cientistas desfilam com as "Jóias da Ciência" na nova e breve exposição do Pavilhão do Conhecimento

press-joias(1).png

 

Não há dúvidas que a ciência é preciosa mas se fosse uma jóia, como seria? E que formas e padrões adoptaria?

O desafio foi lançado pela Ciência Viva aos alunos do curso regular de Joalharia da Ar.co - Centro de Arte e Comunicação Visual. O resultado está na exposição "Jóias da Ciência", que se inaugura no próximo dia 19 de Novembro, terça-feira, às 18.00, no Átrio do Pavilhão do Conhecimento. O acesso à mostra é livre.

Maria Mota, Rui Agostinho, Conceição Calhau, Maria José Costa, Luísa Schmidt, Elsa Anes, Octávio Mateus, Raquel Gaspar e Alexandre Quintanilha* serão alguns dos cientistas convidados a desfilar com estas jóias tão especiais, antes de serem depositadas nos suportes onde ficarão em exposição até 24 de Novembro, Dia Nacional da Cultura Científica e primeiro dia da Semana da Ciência e da Tecnologia 2019. Os autores das peças também partilharão com o público as influências que estiveram na base da sua criação.

Temas como "Água e Meio Ambiente", "Robótica", "Dr. Sousa Martins: o boticário, o médico e o santo laico", "Fauna e Flora", "Corpo Humano" e "Fenómenos Físicos" serviram de inspiração às 22 peças criadas com materiais reutilizados e inspiradas na ligação da ciência e da tecnologia com a sociedade.

A parceria estabelecida este ano entre a Ciência Viva e o Ar.Co propõe a concretização de projectos que contribuam para a formação dos jovens e o acesso à cultura científica por parte de todos os cidadãos, estabelecendo-se assim um ponto de encontro de missões comuns às duas instituições.

Programa completo da inauguração aqui.