Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Manel Cruz apresenta novo espectáculo no Teatro Tivoli BBVA a 29 de Fevereiro

image.png

 

Tour Nedó é o novo espectáculo de Manel Cruz e da sua banda, composta por António Serginho, Eduardo Silva e Nico Tricot. Um pretexto para se fazer e reinventar música, tendo como ponto de partida o recente Vida Nova, mas também o repertório mais antigo, passando por inéditos e outros temas que nunca vão existir. 

Depois de Ornatos Violeta, Pluto, Foge Foge Bandido e Supernada chegou Vida Nova, o há muito desejado álbum de estreia de Manel Cruz. A expectativa era grande e foi superada desde o primeiro momento. Os concertos de apresentação, dois na Casa da Música no Porto e um no Capitólio em Lisboa, esgotaram rapidamente. O CD em formato de livro foi procurado por todo o país e o valor da obra unanimemente reconhecido.

Ao longo de 12 músicas, Manel Cruz dá-se a conhecer mais um bocadinho e é muito o que ainda tem para revelar. As canções e poemas que não deixam ninguém indiferente, destacam-se individualmente e como um todo. "Ainda Não Acabei", "Beija-Flor", "Cães e Ossos" e "O Navio Dela" são os singles.

Em palco, a solo ou com António Serginho (percussão, piano, xilofone), Eduardo Silva (baixo, voz) e Nico Tricot (piano), músicos com quem toca há mais de 10 anos e, nesta formação, há mais de seis anos, Manel Cruz mostra-se um homem novo. Em teatro, auditórios, festivais e grandes palcos, Vida Nova marca o começo da nova vida do músico e compositor portuense.

Entretanto, surgiram as comemorações dos Ornatos Violeta e Manel Cruz entregou-se de corpo e alma. Como sempre faz, e só assim sabe fazer. O Verão de 2019 ficou marcado pelo reencontro do grupo de amigos cuja história foi escrita nos anos 90 e ainda hoje é querida por todos.Mas, terminado este reencontro, é tempo de Manel Cruz retomar a sua Vida Nova, em 2020.

 

M6

TEATRO TIVOLI BBVA

29 Fevereiro | 21h30

JÁ COMEÇARAM OS ENSAIOS DE... A PEÇA QUE DÁ PARA O TORTO

image003.png

 

O primeiro replica show em Portugal estreia a 12 de Fevereiro no Auditório dos OceanosCasino Lisboa e, curiosamente, coincide com a primeira vez em que uma peça vai dar para o torto.

 

Os ensaios desta peça-dentro-da-peça que acontece no Inverno de 1922 e onde tudo pode suceder, menos o que é realmente suposto, já começaram.

O espectáculo adaptado por Nuno Markl e com a encenação “residente” de Frederico Corado tem como elenco Alexandre Carvalho, Cristóvão Campos, Igor Regalla, Inês Castel-Branco, Joana Pais de Brito, Miguel Thiré, Telmo Mendes e Telmo Ramalho que sobem ao palco para enfrentar vários obstáculos, que têm tanto de inoportunos como de imprevisivelmente cómicos.

 

 

O QUE É UM REPLICA SHOW?

 

Este conceito define-se pela compra da totalidade de um projecto por parte de uma produtora nacional. São, por isso, adquiridos os desenhos de luz, som, cenário e guarda-roupa, o que faz com que a peça seja apresentada nos seus moldes originais e, por isso, coincida com as apresentações de, por exemplo, Londres, Nova Iorque e Madrid, sendo a única alteração a tradução do texto para português e a selecção do elenco, com actores nacionais. Além disso, também a linha de comunicação, nomeadamente a imagem e cartazes, estão em consonância com o espectáculo original.

 

 

SOBRE A PEÇA

 

Um assassinato de contornos misteriosos acontece na década de 1920. Os investigadores vão ter de perceber quem é o assassino e, não fosse esta a peça onde tudo dá para o torto, no final o assassino seria descoberto sem qualquer inconveniente. O problema é que, pelo meio, há́ toda uma série de desgraças hilariantes que acontecem quando menos se espera. Desde portas encravadas, objectos a cair e actores que se esquecem das deixas.

 

SUCESSO INTERNACIONAL

 

Estreou em Londres há 5 anos e já passou, regressou ou ainda está a passar por mais de 30 países:

 

Alemanha. Itália, Bulgária, Argentina, Hungria, França, Polónia, Turquia, Austrália, Japão, Finlândia, Grécia, China, Israel, Roménia, Chile, Noruega, Holanda, Espanha, Brasil, Islândia, Bélgica, Croácia, Coreia, Estónia, Perú, Suécia, Dinamarca, República Checa, India, Luxemburgo, Suíça, Áustria, Rússia, África do Sul, México, sem esquecer os Estados Unidos, tanto na Broadway como Off- Broadway, o que vale por dois!

 

JÁ ARRECADOU PRÉMIOS MUITO IMPORTANTES:

image004.png

 

ALEXANDRE CARVALHO É TELMO: O TÉCNICO DE SOM E LUZ.

 

Tirou o curso de Interpretação na Escola Profissional de Teatro de Cascais e tem vindo a fazer parte de peças como “Amália, o Musical” (2000) e, mais recentemente, “As Aventuras do João Sem Medo” (2019), com encenação de Lúcia Moniz e Paulo Quedas. Participou igualmente em projectos televisivos, cinematográficos e também dobragens para filmes de animação, como "Força de Ralph” em 2012, “Monstros, a Universidade” em 2013, e em 2017 deu voz em a “A Bela e o Monstro”.

  CRISTÓVÃO CAMPOS

É CARLOS: O DIRECTOR DO NÚCLEO DE TEATRO DA SOCIEDADE RECREATIVA, ENCENADOR DA PEÇA E INTERPRETA O PAPEL DO INSPECTOR CARTER.

 

Estreou-se em televisão em 2000 na série “Uma Aventura” e fez parte do elenco de “A Minha Família é uma Animação” (Neco) e, mais à frente, de “Floribella”, “Doce Tentação” e “Filhos do Rock”. No cinema, a sua carreira conta com “Pátio das Cantigas” e “Pedro e Inês”. Em 2006 deu início ao seu percurso teatral, subindo a palcos como o Teatro Nacional D. Maria II interpretando "r Reagan" e Teatro Aberto, com "Hanna e Martín", “O Senhor Puntila e o seu Criado Matti” ou em 2019 “A Golpada”.

 

 

INÊS CASTEL-BRANCO

É SANDRA: INTERPRETA O PAPEL DE FLORENCE COLLEYMOORE.

 

Formou-se em Digital Filmmaking na New York Film Academy e começou em televisão aos 18 anos na série “Uma Aventura”. Desde aí participou em várias peças de teatro como “39 Degraus” (2011) e “Três Mulheres Altas” (2014). No cinema foi “Snu” (2019), que lhe deu a nomeação para Melhor Atriz de Cinema nos Globos de Ouro. Em televisão, esteve em produções como “Tudo poror”, “Doce Fugitiva” (TVI), “Laços de Sangue”, “Sol de Inverno” ou “Mar Salgado” na SIC, integrando actualmente “Nazaré”.

 

 

IGOR REGALLA

É DINIS: INTERPRETA O PAPEL DE PERKINS.

 

Foi no teatro que iniciou a sua carreira. Participou em campanhas publicitárias e estreou-se na ficção nacional com “Água de Mar”, em 2014, na TVI, tendo sido nesse canal que em 2015 fez parte do grande projeto “A Única Mulher”. Ainda em televisão, deu vida a Lucas na novela “Alma e Coração” (SIC) em 2018. Já́ no cinema, protagonizou Eusébio na minissérie “Ruth” e fez de Gabriel, no filme com o mesmo nome, para o qual esteve nomeado para o Globo de Ouro de Melhor Ator de Cinema, em 2019.

 

 

JOANA PAIS DE BRITO

É ANITA: A CONTRA-REGRA DA COMPANHIA.

 

Foi a fazer comédia que surpreendeu, mais precisamente em Donos Disto Tudo (DDT), na RTP, ao criar bonecos irrepreensíveis de Cristina Ferreira e Ana Malhoa. No teatro integrou projectos como “Querida, comprei uma Orquestra” (2016) e “Os Monólogos da Vagina” (2019). No cinema, fazem parte do seu percurso os filmes portugueses “A Mãe É Que Sabe" (2016) e "Linhas Tortas" (2019). Na actualidade, podemos contar com a sua presença no programa “Cá por Casa” e “Patrulha da Noite”, ambos na RTP1.

 

 

JOÃO VELOSO

É TÉCNICO DA SOCIEDADE CULTURAL E RECREATIVA DO SOBRALINHO.

Fez o Curso Profissional de Actores na ACT e vários workshops de representação. Nos palcos integrou peças como “As Bodas de Sangue” (2014), “Almenara” (2016) e “Vanessa vai à luta” (2017). Em televisão, participou nas novelas “Mar Salgado” e “Coração d’Ouro” (SIC). Já no cinema estreou-se na curta-metragem “Ninho” (2015) e fez parte de “O amor​ é lindo...porque sim" e de "Cartas da Guerra" (2015).

 

 

MIGUEL THIRÉ 

É ROBERTO: INTERPRETA O PAPEL DE THOMAS COLLEYMOORE.

 

Iniciou a sua formação aos 10 anos e desde aí tem vindo a dar vida a muitas personagens, tanto em teatro, como em cinema e televisão. No Brasil fez parte de muitos projectos da Rede Globo e TV Record, tendo também concebido vários espectáculos teatrais. Chegou à ficção portuguesa em 2016 com a novela “A Impostora”, na TVI, e deu os primeiros passos no Chapitô, como criador e interprete. No último ano estreou a peça "SELFIE" em Portugal, que vinha de uma carreira de sucesso em terras brasileiras.

 

 

RITA SILVESTRE

É TÉCNICA DA SOCIEDADE CULTURAL E RECREATIVA DO SOBRALINHO.

 

Fez o Curso de Teatro na Escola Superior de Teatro e Cinema e de Interpretação na Escola Profissional de Teatro de Cascais. Seguiram-se projectos orientados por Carlos Avilez e peças com encenação de Leonardo Garibaldi, como “O Cornudo Imaginário” (2014) e “Rape – Estudo de um ingénuo amor” (2015/2016) e “YOUTH” (2018/2019). Na ficção nacional, esteve em "Sol de Inverno" (SIC), em 2013.

 

 

TELMO MENDES

É JOÃO:INTERPRETA O PAPEL DE CHARLES HAVERSHAM.

 

Actor, cantor e bailarino, fez formação na Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo e São vários os projectos teatrais em que esteve presente, nomeadamente dirigidos por Filipe La Féria, mas também no Centro Cultural Malaposta, Teatro do Bairro e Comuna Teatro de Pesquisa. Em televisão, vimo-lo em “Hotel 5 Estrelas”, na RTP, em “Rosa Fogo”, na SIC, e podemo-lo ouvir em dobragens de diversos filmes de animação, sendo o mais recente “Viva o Rei Juliano”.

 

 

TELMO RAMALHO

É MAX: INTERPRETA O PAPEL DE CECIL HAVERSHAM E DE ARTHUR, O JARDINEIRO.

 

Participou no “Aqui há́ Talento” (RTP1) em 2007 e desde aí seguiram-se participações em televisão, dobragens em filmes de animação e peças de teatro como “As Obras Completas de William Shakespeare em 97 Minutos” e “Raul, Um Espectáculo de Homenagem a Solnado”. Além de actor, é também criador e formador com um notável percurso na escola do improviso. "ImproFado”, “ImproKids” e “WWW Os Improváveis”, com Os Improváveis, e “Tochas e Telmo (A)variado” com Pedro Tochas, São alguns dos seus projectos.

 

 

VALTER TEIXEIRA

É TÉCNICO DA SOCIEDADE CULTURAL E RECREATIVA DO SOBRALINHO.

 

Foi na Escola Profissional de Teatro de Cascais que deu os primeiros passos na representação. Em teatro, integrou projectos da Companhia de Teatro ‘O Sonho’ e, depois, na Companhia de Teatro Andrómeda, como “Hipotenusa”, em 2018. Participou em musicais como “Feiticeiro de OZ” e “Príncipe Nabo” e, mais recentemente, vimo-lo na novela "A Prisioneira" (TVI), em 2019.

 

 

Texto de:Henry Lewis, Jonathan Sayer, Henry Shields

Encenação de: Hannah Sharkey

Encenação residente de: Frederico Corad

Tradução e adaptação de: Nuno Markl

Produção de: UAU

 

M12

 

Aud. Oceanos Casino Lisboa

Estreia 12 Fevereiro

4ª a sábado às 21h30 | Domingos às 17h

 

Casa das Artes evoca 250° Aniversário do Nascimento de Beethoven

image002.jpg

 

A Casa das Artes, no Porto, apresenta o Ciclo À Sexta com Beethoven, composto por cinco concertos pelo Duo Tramma-Facchini, com a participação extraordinária do compositor Cândido Lima.

 

No âmbito da Celebração do 250° Aniversário do Nascimento de Ludwig van Beethoven (1770-1827), o Duo Tramma-Facchini propõe a integral das Sonatas para "Klavier und Violine" (Piano e Violino), com a participação extraordinária do compositor Cândido Lima que irá apresentar as dez Sonatas, divididas em cinco concertos, na Casa das Artes, Porto.

 

O Duo Tramma-Facchini (Ludovico Tramma - violinista e Fiammetta Facchini - pianista) festeja também os vinte anos de atividade em Duo.

 

Ambos doutorados na Universidade de Aveiro no âmbito da Música, ramo Performance, são também pluridiplomados no país de origem (Itália), tendo concluído, respetivamente, o Curso Superior de Violino, Viola d’Arco e Música de Câmara (Ludovico) e Piano, Cravo e Música de Câmara (Fiammetta).

 

Realizaram concertos e tournée em vários países da Europa, Canadá, U.S.A., Emirados Árabes, América do Sul, Japão, em Duo e em formações de câmara mais alargadas.

 

Ganharam vários prémios de interpretação de Música de Câmara nacionais e internacionais e gravaram três CD’s. Atualmente preparam o lançamento de mais uma gravação e uma tournée pelo Oriente.

 

Ambos professores de Cursos Superiores em Itália, o Duo Tramma- Facchini vive em Portugal.

 

Entrada livre, sujeita à lotação da sala.

 

 

PROGRAMA

 

DUO TRAMMA – FACCHINI (Violino e Piano)

 

com a participação extraordinária de CÂNDIDO LIMA que irá apresentar as obras:

 

 

21 fevereiro 19 horas   L. van Beethoven Sonata op. 12 n.1 Ré major     

  1. van Beethoven Sonata op. 12 n.2 Lá major     

 

24 abril 19 horas         L. van Beethoven Sonata op. 12 n.3 Mib major  

  1. van Beethoven Sonata op. 23 Lá menor          

 

25 setembro 19 horas   L. van Beethoven Sonata op. 24 Fa major           

  1. van Beethoven Sonata op. 30 n.1 Lá major     

 

13 novembro 19 horas  L. van Beethoven Sonata op. 30 n.2 Dó menor   

  1. van Beethoven Sonata op. 30 n.3 Sol major   

 

11 dezembro 19 horas  L. van Beethoven Sonata op. 47 Lá major            

  1. van Beethoven Sonata op. 96 Sol major         

 

Djon África, de Filipa Reis e João Miller Guerra, no Isto é PARTIS 2020

1fa6aa65-0bb5-45c9-a34b-854cb8cb5b4d.jpg

 

O filme Djon África, de Filipa Reis e João Miller Guerra, vai ser exibido Domingo, dia 26 de Janeiro, às 18:30, na Fundação Calouste Gulbenkian, no âmbito do Isto é PARTIS 2020.

A entrada é gratuita, mediante levantamento de bilhete e a sessão conta com a presença dos realizadores e do protagonista, Miguel Moreira (Tibars).

Djon África segue a história de Miguel Moreira, também conhecido como Tibars, na busca pelo seu pai desconhecido, num percurso que é também uma viagem ao território das memórias, os desejos ou as mitologias de uma boa parte daqueles que mantêm as suas raízes culturais e a génese da sua identidade no continente africano.

Tibars vive duas identidades em conflito e ao mesmo tempo em harmonia: o que é viver num gueto em Portugal e ser africano sem o ser? África surge aqui com toda a carga que tem na imaginação, na projeção não só do lugar, mas também da sua essência, da sua pertença. 

O filme teve estreia mundial, em competição, no festival de Roterdão (secção Tiger), em Janeiro de 2018, foi exibido no New Directors/New Films, em Nova Iorque, no festival do Uruguai - onde ganhou o prémio FIPRESCI, atribuído pela crítica, e uma menção especial atribuída pelo júri - entre muitos outros festivais, e teve estreia comercial em Portugal, Brasil, Inglaterra e Alemanha. Miguel Moreira ganhou recentemente o Prémio Novo Talento atribuído pela Fundação GDA pelo desempenho em Djón África.

Decorrendo de 24 a 26 de Janeiro, o Isto é PARTIS - Práticas Artísticas para a Inclusão Social é uma iniciativa Gulbenkian de apoio a projetos que visem demonstrar o papel que as artes podem desempenhar nos percursos de integração e na construção de comunidades mais coesas e justas. São projetos que criam espaços de liberdade e de aprendizagem permanente, onde se desfazem preconceitos e se ensaia a compreensão e a tolerância.

A programação da edição de 2020 do Isto é PARTIS tem por denominador comum os “novos centros de criação artística de hoje”, reunindo reflexão e partilha nacional e internacional (Holanda e Reino Unido), apresentações de projetos PARTIS e de outros projetos artísticos que, não sendo apoiados diretamente pela iniciativa PARTIS, refletem as atuais flutuações criativas geradoras de novas, e por vezes inesperadas, centralidades.

https://gulbenkian.pt/agenda/djon-africa/
 

METROPOLITANO DE LISBOA ASSINALA 72.º ANIVERSÁRIO DA SUA FUNDAÇÃO COM HOMENAGEM A TRABALHADORES E ANIMAÇÃO PARA OS CLIENTES

O Metropolitano de Lisboa assinala, no dia 26 de janeiro de 2020, o 72.º aniversário da sua fundação com iniciativas destinadas aos seus colaboradores, aos seus clientes e ao público em geral.

 

No âmbito destas comemorações, o Metro realizará uma sessão de homenagem aos trabalhadores que, em 2019, perfizeram 10, 20 e 30 anos ao serviço da empresa, testemunhando o reconhecimento pelo desempenho das suas funções, numa iniciativa que será presidida pelo Secretário de Estado da Mobilidade, Eduardo Pinheiro.

O Metropolitano de Lisboa, ainda no âmbito destas comemorações proporcionará, também, ações de animação nas suas estações especialmente destinadas seus clientes.

 

Assim, quem passar, nos dias 26 e 27 de janeiro, pelas estações Cais do Sodré e São Sebastião, poderá assistir a concertos de música, espetáculos de marionetas e usufruir de momentos únicos de descontração e lazer.

Este programa de concertos conta com o apoio do Museu Nacional da Música e com a colaboração de alguns grupos musicais que, habitualmente, marcam presença em ações desenvolvidas pelo Metropolitano de Lisboa.

 

O Metropolitano de Lisboa convida, assim, todos os clientes e público em geral a participarem nestas iniciativas assistindo gratuitamente aos seguintes concertos e outras atividades artísticas:

 

 

Dia 26 de janeiro:

 

  • Estação Cais do Sodré | Micro Teatro | 16h00 – Teatro Académico da Universidade de Lisboa
  • Estação Cais do Sodré| Concertos:

      17h00 – Regime de Sapadores de Bombeiros de Lisboa

      18h00 – Centro Cultural e Desportivo dos Trabalhadores do Metro de Lisboa

 

 

Dia 27 de janeiro:

 

  • Estação Cais do Sodré | Concertos:

16h30 – T’ÚNICA – Universidade Intergeracional do Concelho de Almada

17h30 – Coro da Casa de Pessoal do IEFP, I.P

18h00 – Grupo Coral do Clube PT

 

  • Estação São Sebastião | Marionetas | 18h00 – Museu da Marioneta
  • Estação São Sebastião | Coro | 19h00 – Coro Stacatto

 

 

Serão, igualmente, distribuídas ofertas aos clientes que assistam aos concertos.

 

 

Stomp volta a Portugal pela 11.ª vez na véspera de celebrar o 30.º aniversário

Outlook-wcarlebf.png

 

 

A companhia britânica traz novos números para apresentar em Lisboa e no Porto

 

 

Prestes a celebrar o 30.º aniversário, os Stomp estão de volta pela 11.ª vez a Portugal com a performance dinâmica, enérgica e disciplinada a que já habituaram os portugueses e desta vez vêm surpreender os fãs com os novos objectos e diferentes números que têm vindo a preparar.

Há 29 anos a correr os cinco continentes, os mestres da percussão e do humor regressam em 2020 para apresentações de dia 4 a 15 de Março, no Teatro Tivoli BBVA, em Lisboa e de 2 a 4 de Abril, no Coliseu Porto Ageas, no Porto.

Para a companhia britânica tudo, mesmo tudo!, tem um movimento e som próprios. Os espectáculos de Stomp contam com uma mistura contagiante de percussão, dança, teatro e comédia com uma trilha sonora emocionante, na qual o corpo humano e inusitados objectos do quotidiano são as estrelas, desde os baldes, às tampas de caixotes de lixo, isqueiros e vassouras, lava-loiças e garrafões de água, a sua originalidade é esmagadora e o humor contagiante.

Sobre Stomp: O espectáculo foi criado em Brighton por Luke Cressweel e Steve McNicholas em 1991, e desde então tem vindo a percorrer todos os cantos do mundo. São mais de cinco companhias a actuar em todo o mundo ao mesmo tempo, incluindo em espectáculos de longa duração em Londres e Nova Iorque.

Nota: É interdita a entrada após o início do espectáculo.

TEATRO TIVOLI BBVA

4 a 15 Março

21h | Sábados e Domingos também às 16h

COLISEU PORTO AGEAS

2 a 4 Abril

21h30 | Domingo às 16h30

 

Mais de uma centena de especialistas nacionais e internacionais visitam Palmela

Jornadas Internacionais.jpg.png

 

Mais de uma centena de especialistas nacionais e internacionais, nas áreas da Arqueologia, História e Arqueociências, vão estar em Palmela, de 23 a 25 de janeiro, para participar nas Jornadas Internacionais Terra, Pedras e Cacos do Garb al-Andalus. Até dia 21, ainda pode fazer a sua inscrição.

A iniciativa é organizada pela Câmara Municipal de Palmela e pelo Campo Arqueológico de Mértola, com coordenação científica a cargo do Grupo CIGA - Cerâmica Islâmica do Garb al-Andalus.

12 anos depois da formação do Grupo CIGA e 20 anos depois da publicação de “Portugal Musulman”, de Christophe Picard, esta iniciativa pretende relançar o debate sobre os estudos do período islâmico em Portugal. Palmela, conhecida no meio arqueológico por ser um dos mais importantes sítios com vestígios desta fase, é o cenário ideal para conhecer o muito que se tem feito a nível nacional no campo da arqueologia do período medieval islâmico e perceber o contributo dessas novas descobertas e investigações para a construção do conhecimento histórico.

O programa abre com uma evocação de Christophe Picarde vai integrar quatro sessões temáticas, no Cineteatro S. João (dias 23 e 24) e no Auditório da Biblioteca Municipal de Palmela (dia 25): “Revelações e novas abordagens sobre o Garb no século XXI”, “Arqueologia preventiva: transformar salvaguarda em conhecimento do Garb al-Andalus”, “O Garb e o Mediterrâneo” e “Da história à arqueologia e da arqueologia à história do Garb al-Andalus”. Destaque para a participação, no encerramento, de Cláudio Torres, fundador e diretor do Campo Arqueológico de Mértola, que tem desenvolvido uma relevante atividade científica na área do património cultural, nomeadamente, nos domínios da Arqueologia, investigação histórica e Museologia. A tarde de dia 25 será dedicada a visitas de estudo a sítios arqueológicos de Lisboa.

A inscrição é gratuita e deve ser efetuada preenchendo a ficha de inscrição disponível em www.cm-palmela.pt e enviando-a para os endereços de e-mail patrimonio.cultural@cm-palmela.pt e ciga.portugal@gmail.com. A disponibilidade de transporte para as visitas é limitada ao número de lugares do autocarro e a inscrição nas visitas e no almoço (com um custo de 15€) é também limitada, por ordem de receção. Serão entregues certificados de participação.

Mais informações através do Secretariado das Jornadas, a funcionar na Divisão de Bibliotecas e Património Cultural do Município de Palmela: Largo do Município, 2954-001 Palmela, 212 336 640 ou patrimonio.cultural@cm-palmela.pt.

 

Programa

 

23 de janeiro

 

9h00-9h30

Receção aos participantes

 

9h30

Sessão de abertura

Presidida pelo Presidente da Câmara Municipal de Palmela, Álvaro Balseiro Amaro

9h45

Evocação de Christophe Picard

 

10h00

Comunicação de abertura - “12 anos, 12 cacos”

Grupo CIGA: Maria José Gonçalves, Sandra Cavaco, Jacinta Bugalhão, Sofia Gomes, Isabel Inácio, Marco Liberato, Constança dos Santos, Helena Catarino, Jaquelina Covaneiro, Susana Gómez, Isabel Cristina Fernandes e Gonçalo Lopes

 

10h20-10h50

Pausa

 

Sessão 1 - Revelações e novas abordagens sobre o Garb no século XXI

 

10h50-11h10

A presúria de Coimbra, de 878 d. C. e seu contexto

Manuel Real

 

11h10-11h30

Moçarabismo: materialidades do heterogéneo coletivo cristão do Garb al-Andalus

Paulo Almeida Fernandes

 

11h30-11h50

Viver na fronteira. Os cacos, as pedras e as terras e algo mais das comunidades rurais da Beira Alta

Catarina Tente

 

11h50-12h10

Territórios e povoamento em Ossonoba/Ocsonoba. O Nordeste Algarvio pós romano e islâmico

Helena Catarino

 

12h10-12h30

Novos e velhos dados sobre espaços de culto na Silves islâmica

Maria José Gonçalves, Carlos Oliveira e Miguel Cipriano Costa

 

12h30-12h50

Repositório de técnicas ornamentais na cerâmica do Garb al-Andalus

Grupo CIGA: Susana Gómez, Pilar Lafuente, Jacinta Bugalhão, Sofia Gomes, Isabel Inácio, Marco Liberato, Constança dos Santos, Helena Catarino, Jaquelina Covaneiro, Isabel Cristina Fernandes, Gonçalo Lopes, Maria José Gonçalves e Sandra Cavaco

 

12h50-13h20

Debate

 

13h20-15h20

Almoço

 

15h20-15h40

La importancia de la epigrafía para el conocimiento del Garb al-Andalus

Maria Antonia Martínez Núñez e Pilar Delgado Blasco

 

15h40-16h00

Los herreros de Albalat (s. XII): aproximación a las actividades metalúrgicas a la luz de los testimonios arqueológicos

Sophie Gilotte e Pauline de Keukelaere

 

16h00-16h20

Importações e produções locais na mouraria de moura - cerâmicas do século XIV

Santiago Macias e José Gonçalo Valente

 

16h20-16h40

Achados de felus emirais do Baixo Alentejo, um ponto da questão: a Quinta do Estácio 3, Beja

Teresa Ricou Nunes da Ponte, Luciana de Jesus e Vasco Abegoaria

 

16h40-17h00

O ribat do Alto da Vigia (Sintra, Portugal)

Alexandre Gonçalves e Helena Catarino

 

17h00-17h30

Pausa

 

17h30-17h50

Arqueometria da cerâmica islâmica de Mértola: estudo da pasta e das decorações vidradas

Massimo Beltrame, Susana Gómez Martínez e José Mirão

 

17h50-18h10

Zooarqueologia do Garb al-Andalus: urbanidades, ruralidades, especialidades e não só

Maria João Valente

 

18h10-18h30

Terminologia e conhecimento arqueológico: contributos interdisciplinares para o estudo da cerâmica do al-Andalus

Bruno Almeida

 

18h30-19h00

Debate

 

24 de janeiro

 

Sessão 2 - Arqueologia preventiva: transformar salvaguarda em conhecimento do Garb al-Andalus

 

9h00-9h20

Fragmentos de Coimbra Medieval: reflexões a propósito do alcance dos trabalhos arqueológicos preventivos em Coimbra

Ricardo Costeira da Silva

 

9h20-9h40

Conclusiones sobre el registro funerario islámico y cristiano de Mérida (ss. VIII-XIII)

Miguel Alba

 

9h40-10h00

Ponto de situação das intervenções de categoria C do período islâmico e questionamento sobre resultados

Grupo CIGA: Jacinta Bugalhão, Isabel Inácio, Sofia Gomes, Marco Liberato, Constança dos Santos, Helena Catarino, Jaquelina Covaneiro, Isabel Cristina Fernandes, Gonçalo Lopes, Maria José Gonçalves, Sandra Cavaco e Susana Gómez

 

10h00-10h20

Da arqueologia preventiva ao conhecimento da ocupação islâmica de Setúbal

Susana Duarte, Joaquina Soares e Carlos Tavares da Silva

 

10h20-10h40 

“…Deus tenha misericórdia dele” - Contributos da Arqueologia preventiva para o conhecimento de Setúbal no Garb al-Andalus

Artur Fontinha, Maria Antónia Martínez Núñez e Maria João Cândido

 

10h40-11h10 - Pausa

 

11h10-11h30

Novos dados para a compreensão da ocupação entre o período Medieval Islâmico e Cristão através das materialidades e contextos - Resultados preliminares da intervenção arqueológica de 2019 na encosta Sul do hisn Balmalla (Castelo de Palmela)

Luís Filipe Pereira e Michelle Teixeira Santos

 

11h30-11h50

Os contextos islâmicos dos antigos Armazéns Sommer nas dinâmicas da Lisboa medieval islâmica

Paulo Rebelo, Vanessa Filipe, Ricardo Ribeiro, Virgílio Martínez e Nuno Neto

 

11h50-12h10

O que nos contam os cacos? Aproximação a uma leitura diacrónica e socioeconómica da cerâmica no Largo da Atafona, Lisboa

Vanessa Filipe, José Pedro Henriques, Vasco Vieira e Tiago Pereira

 

12h10-12h30 

Cerâmicas de contextos islâmicos e de tradição da Praça da Figueira, Lisboa

Rodrigo Banha da Silva, André Bargão, Sara da Cruz Ferreira, Inês Pires e Duarte Mira

 

12h30-12h50 

Espaços de uma cidade: novos dados sobre a necrópole islâmica de Lisboa oriental

Vanessa Filipe, Nuno Neto, José Pedro Henriques, Sara Brito, Alice Toso, Sílvia Casimiro, Raquel Granja, Joana Inocêncio e Sónia Ferro

 

12h50-13h15

Debate

 

13h15-15h10

Almoço

 

Sessão 3 - O Garb e o Mediterrâneo

 

15h10-15h30

Cuando Madïna Mayürqa dejó de ser Madïna para convertirse en Ciudad

Guillermo Rosselló Bordoy

 

15h30-15h50

Questions d'images et de céramique

Patrice Cressier

 

15h50-16h10

El Garb y el Sharq al-Andalus a través de las producciones cerámicas

Rafael Azuar

 

16h10-16h30

Cacela-a-Velha no mundo mediterrânico almóada através das cerâmicas

Cristina Tété Garcia e Patrícia Dores

 

16h30-16h50

Cerámicas del Algarve (de Além-mar): dos nuevos silos documentados en Ceuta

Fernando Villada

 

16h50-17h10

Pausa

 

17h10-17h30

Algunas consideraciones sobre las cerámicas medievales del Rif: hacia una tipología cerámica del Magreb al-Aqṣā

Yaiza Hernández Casas, Bilal Sarr e Luca Mattei

 

17h30-17h50

Debate

 

Sessão 4 - Da história à arqueologia e da arqueologia à história do Garb al-Andalus

 

17h50-18h10

Da Arqueologia à História do Gharb al-Andalus. As cerâmicas almorávidas do Castelo de Sesimbra: dinâmicas de poder e ocupação do território

Rui Filipe Gil e Rafael Santiago

 

18h10-18h30

Entre Balmala e Qasr al-Fath: leitura histórico-arqueológica de um território de fronteira

Isabel Cristina F. Fernandes

 

18h30

Apresentação, por André Teixeira, da obra “Scripta Manent. Inventario de Signos Lapidarios de Ceuta”, da autoria de Gabriel Fernández Ahumada e Fernando Villada Paredes

 

25 de janeiro

 

Sessão 4 - Da história à arqueologia e da arqueologia à história  do Garb al-Andalus

 

9h00-9h20

Conquista islámica del norte peninsular y reacciones locales

Avelino Gutiérrez

 

9h20-9h40

Garb al-Andalus y Portugal en las fuentes árabes (siglos X-XIII)

Alejandro García Sanjuan

 

9h40-10h00

Toponímia, fontes escritas e arqueologia: a identificação de Laqant, de Halq az-Zawiya e de Kanisat al-Gurab

Santiago Macías

 

10h00-10h20

Oleiros muçulmanos depois da conquista de Lisboa

Filomena Barros

 

10h20-10h50

Pausa

 

10h50-11h10

As mudun e a fronteira: o projeto almóada de reocupação de Baja

Hermenegildo Fernandes

 

11h10-11h30

Mahmud ibn Al-Ğabbar - ponto de partida para hipóteses sobre o Garb al-Andalus no séc. IX

Fernando Branco Correia

 

11h30-11h50

Da Arqueologia à História: A forma urbana da Lisboa Islâmica

Manuel Fialho Silva

 

11h50-12h10

Debate

 

12h10-12h30

Sessão de encerramento presidida pelo Vereador Luís Miguel Calha e com intervenção de Cláudio Torres

12h35- Partida para Lisboa (paragem de autocarro, Largo de S. João)

 

13h15-15h15 - Almoço em Lisboa

 

15h15

Visita de estudo a sítios arqueológicos de Lisboa

  1. Armazéns Sommer - Hotel Eurostar Museum (visita conduzida por Paulo Rebelo e Nuno Neto)
  2. Núcleo de Interpretação da Muralha de D. Dinis - Banco de Portugal (visita conduzida por Artur Rocha)
  3. Muralha Fernandina - Hotel Corpo Santo (visita conduzida por António Valongo)

Downtown Chiado

 regressa já no dia 01 de fevereiro ao Atelier Natália Gromicho para a sua 7ª edição para nos apresentar 10 novos artistas oriundos de vários locais do globo.

Para esta edição, a seleção de artistas foi bastante criteriosa, tendo como mote a pluralidade de expressões artísticas, vamos encontrar Sarka Darton, artista oriunda da republica checa e que vive atualmente em Londres. Repete em menos de 2 meses a mostra das suas esculturas em Lisboa e terá lugar de destaque nesta exposição.

Da Bolívia podemos vislumbrar os grafismos criados por Domingo Parada, de Itália temos 2 pintoras de destaque, Magda Chiarelli que nos apresentar uma composição de padrões em acrílico, em cores neutras, que se destacam pela simplicidade, Fabiana Macaluso é uma premiada artista que expõe uma das obras mais importantes da sua carreira, pela primeira vez em Portugal.

Sinikka Elving é um talento da Finlândia, também ela uma artista premiada expõe uma obra abstrata muito particular onde os amarelos e Lilases se fundem tornando uma harmonia muito original.

Da Guatemala com um grande destaque no que funde o clássico com o contemporâneo está Mariana Seibold, escultura, pintura, alma é o que apresente neste projeto arrojado.

Yvone Wiese nasceu e vive em Dinamarca, uma artista com influencias impressionistas e ao mesmo tempo uma sensação de profundidade na obra que trás a Lisboa.

Do Japão, Kayo Sato apresenta a obra mais irreverente, usando a técnica de plissado, cria uma instalação de tecido com 3 obras muito originais.

Natália Gromicho regressa a 2017 com uma obra já exposta em vários locais do mundo, um acrílico de nome “Holiday” que representa o seu estado de espirito atual.

Por ultimo, Day Barry regressa de Londres com uma espetacular composição muito colorida.

A inauguração está prevista para o dia 1 de fevereiro pelas 15h no Chiado, Atelier Natália Gromicho e estará patente até dia 7 de fevereiro.

 

 

About ANG (Atelier Natalia Gromicho)

O Atelier Natália Gromicho está localizado no Espaço Chiado, um centro comercial em pleno Chiado que foi erguido preservando a Muralha Fernandina, do período da idade média. A sua localização é privilegiada, com acesso pela Rua da Misericórdia e pela Rua Nova da Trindade, mesmo ao lado do Teatro da Trindade.

 

O Espaço conhecido como a fusão de um Atelier e uma galeria de arte, tem cerca de 100 metros quadrados, conta anualmente com um programação muito diversificada, destacando a pintura ao vivo, exposições internacionais de arte contemporânea, gala de entrega de prémios e mensalmente uma exposição de obras da artista residente. O Atelier Natalia Gromicho já expos mais de 170 artistas, de 29 nacionalidades

 

Natália Gromicho é a mentora de todo o projeto, artista com 25 anos de carreira, conta com mais de 150 exposições por tudo o mundo, a artista aposta promove á mais de 5 anos, na sua cidade, um conceito inovador, onde aplica toda a sua experiência internacional neste conceito.

 

Aberto de terça-feira a sábado das 14h ás 18h

 

Morada:

(1) Rua da Misericórdia, 14 Piso S/L 1200-273 Lisboa

(2) Rua Nova da Trindade, 5G Piso S/L 1200-301 Lisboa

Portugal

 

Telefone/Whatsapp:  (+351) 965 865 454

 

Website http://meetingartgallery.wix.com/chiado

E-mail info@nataliagromicho.com

 

QUINTETO MARIA JOÃO FURA DÁ CONCERTO EM GRÂNDOLA

CartazConcertoMJFura_Prancheta 1.png

 

O Cineteatro Grandolense recebe dia 25 de Janeiro, às 21h30, o concerto com o Quinteto Maria João Fura, num espectáculo que será uma viagem entre a Bossa-Nova, o Pop-Eletroacústico, o Cool Jazz e a World Music. A Entrada é gratuita.

A cantora e compositora irá apresentar em quinteto o disco FURA, recheado de belas canções em português, todas de sua autoria.

Numa sonoridade multifacetada, as contagiantes melodias tecidas por vários estados de alma, desenvolvem-se numa ambiência que viaja entre a Bossa-Nova, o Pop - Eletroacústico, o Cool Jazz e a World Music, gerando um clima de festa com forte participação do público.

Se a maioria das vezes as canções parecem ter voz de mulher, podem também transfigurar-se em pele de qualquer um ao abordar o quotidiano atual com ironia.

A sua autenticidade tem merecido o reconhecimento do público em concertos em Portugal e no Brasil e do meio musical, com a seleção de duas canções (Serei Feliz por Acaso e Mais Um Gole) para os prémios Zeca Afonso e Ary dos Santos. FURA tem também o reconhecimento do meio cinematográfico com a integração da canção "Fui Eu" na curta metragem francesa "La Loi Sana Moi" de 2019.

Visitas Públicas à Igreja de Santa Clara do Porto

Visitas à Igreja de Santa Clara do Porto

Participantes poderão apreciar os trabalhos de conservação e restauro em curso

A Direção Regional de Cultura do Norte promove visitas públicas à Intervenção de Conservação e Restauro da Igreja de Santa Clara do Porto, nos dias 18 janeiro, 15 fevereiro e 21 de março, pelas 10h00. A iniciativa está limitada aos primeiros 35 inscritos por visita.

As inscrições para a visita do dia 18 de janeiro já estão a decorrer e podem ser efetuadas neste link: https://forms.gle/K7mmUHkp57tuAXrP6

Os trabalhos de conservação e restauro do recheio artístico da Igreja implicam o tratamento, limpeza e consolidação de toda a talha pintada ou dourada, da escultura e imaginária, das pinturas sobre tela e de pintura mural, de granitos e, ainda, trabalhos de consolidação de estruturas dos retábulos.

Além dos trabalhos acima referidos, estão em curso trabalhos de conservação e restauro do espólio artístico da sacristia, incluindo revestimento azulejar, pinturas sobre telas ou retábulo e arcaz.

A curto prazo serão, igualmente, iniciados os trabalhos de beneficiação dos paramentos exteriores, dos acessos de público e das instalações elétricas e os trabalhos de conservação e restauro do órgão e dos portais em cantaria de granitos (a norte, da igreja e a nascente, da portaria).

Este conjunto de trabalhos de recuperação e valorização da Igreja de Santa Clara do Porto segue-se aos trabalhos iniciais desta campanha já realizados: trabalhos de reforços estruturais e de conservação e restauro nos dois níveis do coro do antigo convento.

A Operação Igreja de Santa Clara do Porto representa um investimento global de 2 Milhões de Euros, sendo a intervenção comparticipada em 85% pelo Programa Operacional Norte 2020 e Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, com o Mecenato da Irmandade dos Clérigos e Fundação Millennium BCP. Deverá estar concluída até final do 1º semestre de 2020.