Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

04.12 | Balcony apresenta: Surender, Surender de Nikolai Nekh para implicar uma imaginação coletiva

Surender, Surender de Nikolai Nekh

para implicar uma imaginação coletiva

image006 (1).jpg

 

Surender, Surender, Nikolai Nekh

Curadoria: João Silvério

Inauguração: 4 de dezembro, sexta-feira, 14h – 21h00

 

Patente até dia 19 de janeiro de 2021

Segunda a sexta-feira 14h – 19h30

www.balcony.pt

 

 

A galeria Balcony inaugura no dia 4 de dezembro, sexta-feira, às 14h, a exposição Surender, Surender de Nikolai Nekh com curadoria de João Silvério. O projeto insere-se no Museu da Gentrificação, a “estrutura para uma imaginação coletiva” que o artista desenvolve desde 2018.

 

O título Surender, Surender nomeia um imigrante que trabalha como motorista em Lisboa e com quem Nekh viajou, por coincidência, duas vezes? Resulta da apropriação do nome de um hotel - “Sur Ender” -, em Beirut, onde o artista esteve em residência em outubro de 2019, altura em que rebentou a revolução no Líbano, após o governo decidir taxar as chamadas através do WhatsApp? Do inglês a palavra surrender sugere “rendição”. O curador João Silvério rendeu-se ao projeto pelo rigor ou pela imaginação?

 

“Quando trabalho sobre um tema gosto que as coisas sejam implícitas, que impliquem as pessoas ou que impliquem alguma coisa. O que é diferente de criticar”, esclarece o artista. “Aqui não há nada para perceber no sentido do significado, isto faz parte de um processo que tem certas regras, regras que se vão criando à medida que os objetos surgem. São vestígios de algo, não são propriamente intensões”.

 

Surender, Surender mostra um conjunto de esculturas criadas a partir de objetos que Nekh tem vindo a recolher nas ruas de Lisboa. Estrados de camas, andaimes, cadeiras, suportes de loiça e letreiros, são exemplos de elementos do dia-a-dia que o artista usa para desenvolver novos mecanismos narrativos. Porque, como o próprio descreve, “as histórias sobre como as imagens são produzidas e a sua distribuição fazem parte da obra. Não trabalho com simbologia, trabalho com o índice e estes objetos são indícios da gentrificação”.

 

Antes de existirem na escala que será apresentada pela primeira vez na galeria Balcony, os objetos escultóricos foram produzidos como elementos ou maquetas minuciosas, que o artista usou para criar composições fotográficas com grande realismo e rigor técnico. “A ideia foi pegar no código da fotografia de exposição e produzir algo totalmente falso”, Nekh acredita que a fotografia de exposição “revela uma ideologia”, e que o mesmo acontece com as fotografias de casas que são usadas pelas agências imobiliárias, “as pessoas querem aquilo, não há muito para inventar”. O realismo das imagens produzidas por Nekh despertaram a atenção de João Silvério e no final de 2019 o curador contactou o artista com o propósito de ver ao vivo as peças fotografadas, porque imaginou que estas existiam noutra escala.

 

Foi o processo de “descoberta estética da escala” que orientou a atual exposição e que abre um novo capítulo na investigação de Nekh em torno de um museu que não existe. O Museu da Gentrificação surgiu em 2018 e é definido pelo artista como “estrutura para uma imaginação coletiva e um processo dialógico que colide com as estratégias discursivas praticadas pelas instituições que participam na construção deste fenómeno”. O projeto foi apresentado em janeiro de 2019 na revista Wrong Wrong, em formato de ensaio visual e entrevista a Alexandra Trejo Berber, “diretora artística do Museu da Gentrificação”, por Carolina Montalvão, “editora da revista Conflict & Theories”. Duas personagens ficcionadas, com nomes inspirados em nomes de profissionais do imobiliário com anúncios nas fachadas de edifícios em Lisboa. Mais recentemente, Nekh expôs Três cartazes para o Museu da Gentrificação, na Mupy Gallery dos Maus Hábitos, no Porto. O objeto final do projeto será a publicação de um livro de artista ou de um catálogo do museu.

 

A exposição Surender, Surender pode ser visitada até 19 de janeiro, de segunda a sexta-feira, entre as 14h e as 19h30. A admissão na Balcony é livre, mas encontra-se limitada a 10 pessoas em simultâneo no interior da galeria, é também obrigatório o uso de máscara individual e o cumprimento das normas da DGS a respeito do distanciamento social.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.