Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

CHÃO DE ÁGUA

 

 

As Troianas de Eurípides, este clássico da tragédia grega, serve de matriz ao paralelismo criado entre o desenraizamento  provocado pela deslocalização compulsiva das populações dos seus territórios e a solidão revoltada das mulheres troianas quando a guerra lhes rouba os seus homens. João Monge pega neste dilacerante drama e transporta-o para os nossos dias. Em Chão de Água, a tragédia do povo de Tróia é entrelaçada com as vivências do povo alentejano no afogamento de territórios ancestrais. Esta é uma grande parábola sobre a vida e a morte, uma epopeia dedicada ao povo alentejano, mesclada com referências da vida contemporânea e com o intuito de potenciar uma visão crítica abrangente.
 
 
Texto  João Monge, a partir de As Troianas de Eurípides
Encenação Maria João Luís
Figurinos Rafaela Mapril
Desenho de som José Fortes
Direcção de produção e Desenho de luz Pedro Domingos
Interpretação Catarina Guerreiro, Heitor Lourenço, Helena Montez, Maria João Luís, Patrícia André, Pedro Mendes, Susana Blazer, Rui Gorda
Coral Polifónico de Ponte de Sôr dirigido pelo maestro Rui Martins Picado 
Figuração Carolina Pita, Filipa Rosa, Inês Lopes, João Oliveira, Maria Eduarda, Mónica Lanzinha, Paulo Roque, Rita Martins, Rodrigo Martins, Salomé Palmeiro, Tânia Maurício, Vanessa Campff
Canto em voz-off  Paulo Ribeiro
Produção Teatro da Terra
 

Parceiro Município de Ponte de Sôr
Apoio Direcção Regional de Cultura do Alentejo