Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

14.ª edição do MOTELX arranca hoje. Destaques diários (7-14 Setembro)

 

 

Cartaz_Digital.jpeg

 

 

 

 

São 8 dias e mais de 70 sessões para matar saudades do grande ecrã e mostrar o lugar único que o cinema de terror tem no mundo de hoje. Com segurança reforçada mas o ADN de sempre, a 14.ª edição do MOTELX começa hoje e prolonga-se até à próxima segunda-feira (14 de Setembro), sempre no Cinema São Jorge.

Destaques diários

Segunda-feira, 7 de Setembro
Numa edição que apresenta filmes dos cinco continentes, a primeira noite de MOTELX traz a estreia mundial de “A Beast in Love”, pérola negra do veterano do terror japonês Koji Shiraishi. “Malasaña 32”, do catalão Albert Pintó, é o filme de terror paranormal que marca a já esgotada sessão de abertura do Festival, a que se segue o road movie sul-africano “Fried Barry” (Ryan Kruger). A primeira sessão de meia-noite do Festival mostra “Hunted”thriller de Vincent Paronnaud (co-realizador de “Persepolis”) que recupera a história do Capuchinho Vermelho na era me too.

Terça-feira, 8 de Setembro
Depois de servidas as primeiras “Curtas ao Almoço” (diariamente às 13h), o segundo dia de MOTELX apresenta mais uma estreia mundial: “History of the Occult”, uma história surpreendente do argentino Cristian Jesús Ponce sobre a relação sombria entre a política e o fenómeno das bruxas. O conto gótico “Sanzaru”, do americano Xia Magnus, surge em estreia europeia, e começa a competição pelo Prémio MOTELX – Melhor Longa de Terror Europeia/Méliès d’argent com títulos como “Sputnik” (Egor Abramenko), um híbrido sci-fi- terror passado na União Soviética da Guerra Fria. “White Dog”, de Samuel Fuller (1982), é o primeiro dos sete filmes da retrospectiva “Pesadelo Americano: Racismo e Cinema de Terror”, eixo central do Festival.

Quarta-feira, 9 de Setembro
O terceiro dia do MOTELX começa com uma sessão do Lobo Mau dedicada aos mais novos e termina com “First Love” em sessão de meia-noite, o 103.º filme de um dos grandes favoritos dos festivais de cinema de género, Takashi Miike. Pelo meio há filmes como “Pelican Blood”, de Katrin Gebbe, e “Relic”, de Natalie Erika James, dois dos títulos da nova vaga de terror feminino que este ano ocupa um lugar de destaque no MOTELX.

Quinta-feira, 10 de Setembro
Em 2020, a programação do MOTELX não poderia ignorar o terror da crise pandémica. Na quinta-feira o Festival exibe “Epidemic” de Lars von Trier, filme desconcertante de 1987 em que o realizador interpreta um médico à procura da vacina para uma epidemia que saltou de um guião de terror para a realidade. O dia termina com “Host” de Rob Savage, uma aterradora sessão espírita filmada pelo Zoom durante a quarentena, mas antes há propostas como “Amulet”, estreia da actriz Romola Garai na realização, e “Teddy”, filme francês de lobisomens inspirado em Stephen King (Ludovid e Zoran Boukherma).

Sexta-feira, 11 de Setembro
Sexta-feira traz uma das estreias mais aguardadas do MOTELX: “Saint Maud”, de Rose Glass, uma visão original e corajosa sobre fé e loucura com carimbo dos estúdios A24. Num registo de comédia, monstros prostéticos e gore“Psycho Goreman” de Steven Kostanski é aposta segura para encerrar a noite. Outros destaques incluem a primeira de duas sessões de curtas experimentais de terror“La Llorona” de Jayro Bustamante, uma metáfora da história recente da Guatemala e das suas feridas políticas, e o clássico “Candyman” (1992, Bernard Rose), que este ano conhecerá uma nova versão pela mão de Jordan Peele.

Sábado, 12 de Setembro
Sábado reserva um dos momentos altos da 14.ª edição do MOTELX: Pedro Costa estará presente no Festival para conversar sobre a sua declarada afinidade com o universo do terror e do fantástico. Uma sessão integrada na secção Quarto Perdido, este ano intitulada “Pedro Costa: Filmar as Trevas”. Num dia recheado de propostas, há a destacar a estreia de “Antebellum”, filme sobre as tensões raciais na América com Janelle Monáe no seu primeiro papel principal, o êxito indonésio “Impetigore” (Joko Anwar), o clássico “The Intruder” de Roger Corman (convidado do MOTELX em 2017), e “Macabro”, filme de Marcos Prado baseado numa história real que chocou o Brasil nos anos 90.

Domingo, 13 de Setembro
À semelhança de Sábado, Domingo traz a oportunidade de assistir a uma sessão dedicada às curtas portuguesas em competição pelo Prémio MOTELX – Melhor Curta de Terror Portuguesa/Méliès d’argent, seguida por uma conversa com os realizadores moderada pelo Shortcutz Lisboa. Logo depois há masterclass com a produtora Bro Cinema sobre as aventuras de filmar “Color Out of Space” em Sintra com os excêntricos Richard Stanley e Nicolas Cage (e alpacas). Na secção “Doc Terror” será possível ver “Leap of Faith”, documentário de Alexandre O. Philippe sobre “O Exorcista”. Destaques de ficção incluem a fantasia japonesa “Dancing Mary” e “AV: The Hunt”, corajoso thriller turco que retrata a luta de uma mulher numa sociedade patriarcal. Descrito pela crítica como “Psycho para a era do alojamento local”, “The Rental”, de Dave Franco, é o filme escolhido para a sessão de encerramento do MOTELX.

Segunda-feira, 14 de Setembro
Este ano o MOTELX termina pela primeira vez com um dia em que será possível ver ou rever alguns dos filmes mais populares do Festival, incluindo o filme vencedor do Prémio MOTELX – Melhor Longa de Terror Europeia. Mas também há lugar para novidades nas curtas e na secção Doc Terror. “Scream, Queen! My Nightmare on Elm Street” é um documentário sobre Mark Patton e o seu papel enquanto primeiro Scream Queen masculino do cinema de terror. Por fim, e para fechar o ciclo “Pesadelo Americano: Racismo e Cinema de Terror”, será possível voltar a ver no grande ecrã o já clássico “Get Out” (Jordan Peele, 2017).

Os bilhetes para o MOTELX estão à venda no Cinema São Jorge, na Ticketline e em pontos de venda associados. As medidas de segurança em vigor durante o Festival podem ser consultadas em www.motelx.org.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.