Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

...

De 16 de Out. a 12 de Nov.

Das 10h às 18h

 

Centro Cultural de Cascais

 

A Fundação D. Luís I, em colaboração com a Embaixada do México em Portugal, apresenta no Centro Cultural de Cascais um conjunto de aguarelas do conhecido pintor mexicano Francisco Toledo. Mostra patente ao público de 16 de Outubro a 12 de Novembro.


 

Descrição

ZOOLOGIA FANTÁSTICA
de Francisco Toledo

de 16 de Outubro a 12 de Novembro
Centro Cultural de Cascais 

A Fundação D. Luís I, em colaboração com a Embaixada do México em Portugal, apresenta no Centro Cultural de Cascais um conjunto de aguarelas do conhecido pintor mexicano Francisco Toledo (n. 1940). Esta exposição é composta por 46 aguarelas que foram criadas a partir da célebre obra Manual de Zoologia fantástica, da autoria do escritor argentino Jorge Luis Borges (1899-1986).

Borges é um dos mais notáveis ensaístas, poetas e contistas do século XX: o Manual de Zoología fantástica foi publicado pela primeira vez em 1957, constituindo a tentativa de catalogar todas as criaturas míticas da história e da lenda. A edição original tinha 82 animais imaginários, que eram explicados de uma forma bastante pormenorizada. As edições subsequentes da obra, à qual foi entretanto atribuído o título de El libro de los seres imaginários alargou a lista de seres, passando a integrar mais de 100. 

Em 1983, Francisco Toledo decidiu ilustrar as estranhas e bizarras criaturas do Manual. O artista era já um gravador, pintor, escultor, ceramista e desenhador de méritos reconhecidos, manifestando-se na sua produção o seu interesse pelo Surrealismo e pela combinação das tradições ancestrais do seu povo com a mitologia moderna. Toledo entendeu que seria um desafio à sua imaginação criadora dar forma visual ao que Borges tinha descrito por palavras. Todavia, em vez de seguir à letra as descrições borgianas, o artista mexicano formulou uma interpretação muito pessoal de cada um dos seres representados. As 46 aguarelas que resultam desse labor incorporam elementos da fauna da sua região natal (Oaxaca), como iguanas, escorpiões e tartarugas, e incluem as criaturas metamórficas tão típicas da sua arte, exibindo de um modo muito claro a sua propensão para enfatizar a anatomia sexual das suas criações.

Estas obras reflectem todo o talento de Toledo como aguarelista, que utiliza cores pretensamente simples espalhadas com grande delicadeza sobre o papel para potenciar um leque de tonalidades muito diversificado.

A exposição estará patente ao público até 12 de Novembro, de terça a domingo das 10 às 18. Entrada Livre