Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Masterclass Songwriter Series

 

 

11 a 17 de Janeiro

18h

 

Escola do Hot Club
Travessa da Galé 36, 1º dtº
Alcantara
 

Prometo solenemente que ao escrever este artigo não vou aludir à ironia que é o HOT Club arder, tão pouco vou discorrer sobre essa única certeza existencial de que “só se dá valor ao que se tem quando já nem vintém se tem” e por fim prometo não apontar dedos a toda a gente que tinha prometido uma noite ir ao Hot Club e agora só em sonhos. Não vou cair na esparrela-da-fénix, do “agora renascer só das cinzas”, nem enaltecer as saudades daquelas tostas mistas ao som de improvisos, Não! A Lecool tem o prazer de apresentar a oportunidade de ir celebrar o espírito Hot da nossa canção, na Escola do Hot Club (em Alcântara), com 9 magnificos da nossa praça, Fernando Ribeiro e Pedro Paixão (Moonspell) dia 11, Tiago Bettencourt (12), Camané (13), Manuela Azevedo e Helder Gonçalves (Clã) (14), Sérgio Godinho (15), Sam The Kid (16) e Manuel João Vieira (17). Tudo grátis, tudo tu-cá-tu-lá com a música. Não deixem para a próxima!Mami

 

Instalação Arte em Movimento

11 de Janeiro

Até 30 de Junho

 
Ascensores da Bica, do Lavra e da Glória e Elevador de Santa Justa
Lisboa
  

Ascensordabica_alexandrefarto_m


Amarelos, com história, mais estórias e várias surpresas. Assim são os elevadores e ascensores cá da terra. Se ainda não andaste em todos, eis mais uma forte razão para fazê-lo. A arte juntou-se à mobilidade para reunir estórias do passado, presente e futuro e dar uma lufada de ar fresco às vivências e aventuras lisboetas. A Carris chamou e o Alexandre Farto, o Vasco Araújo, a Susana Anágua e a Susana Mendes Silva intervieram. Resultado, Arte em Movimento nos ascensores da Bica, do Lavra e da Glória e no Elevador de Santa Justa. Justiça feita a estes quatro emblemáticos ícones da nossa Lisboa que são ainda património nacional. E tens 6 meses para ver e andar em todos. Não há desculpas para perder o elevador. Sara Vale

Diferentes vivências do espaço do Teatro: o actor, o cenógrafo e o espectador’

11 de Janeiro
19h
Salão Nobre do Teatro D. Maria II
Lisboa
© Mundo Universitário
Dia 11 de Janeiro, às 19h, o Salão Nobre do Teatro D. Maria II, em Lisboa recebe uma conferência com João Brites, João Perry e Maria Antónia Amarante sobre as ‘Diferentes vivências do espaço do Teatro: o actor, o cenógrafo e o espectador’. A entrada é livre.
Habitualmente vamos ao Teatro como espectadores para assistir ao que actores, encenadores e cenógrafos preparam para nós, mas quais são os seus verdadeiros papéis? Qual a dinâmica de cada um no processo criativo? Assim, o que a conferência '‘Diferentes vivências do espaço do Teatro: o actor, o cenógrafo e o espectador’ pretende é abordar o papel dos vários intervenientes no evento teatral. A entrada é livre e à conversa vão estar João Brites, João Perry e Maria Antónia Amarante.

Camus, 50 Anos Depois

 

10 de Janeiro 2010

15h

 

Centro Cultural de Belém

Lisboa

Imagem:

Este dia, dedicado à evocação da obra de Albert Camus, cinquenta anos depois da sua morte, dá voz a excertos de alguns textos literários fundamentais, relembra a polémica com Sartre e encerra com a projecção do filme Les Justes, realizado a partir de uma encenação da peça de Camus. Com a participação de Pedro Lamares, Nuno Carinhas e António Mega Ferreira.

 

Exposição Ermida em Silêncio

 

10 de Janeiro

Das 14h às 18h
 

Ermida Nª Sª Conceição

Travessa do Marta Pinto, 21

Lisboa

20__1632_x_1224__m

Uma intervenção e uma exposição numa ermida, poder-se-iam chamar de revelações divinas dentro de um espaço de culto. Mas uma ermida é uma ermida e se uma ermida leva obras de arte dentro então é um espaço de contemplação do belo e os templos foram sempre galerias de arte. A exposição é Silêncio de Suzanne SD Themlitz e (ainda) a intervenção Dois Tempos dos R2 que deambulam pela instalação, pela escultura e pelo desenho. Abre-se a ermida ao culto da arte neste início de ano e esperam-se desejam-se excelentes passagens. Até Belém é um saltinho de nada e todos os Santos ajudam. Aceita este convite, ora vem.Rafael V.

Cinema e muito mais Dia do Brasil no CinAlfama

 

10 de Janeiro
19h30
 
Clube Sportivo Adicense
Rua de S.Pedro, 20
Alfama
 

20_1645-ralo01_m

 
Entrada gratuita (churrasco e beberagem pago)


 

Hoje Alfama vai pronunciar-se em jeitinho brasuca – rebolando as vogais, sílabas rolando língua abaixo e em boca aberta: Al – fa – ma! E isto porque há festa dedicada a esse tropical grande país do povo nosso irmão – ou irmãs, como quiserem, como preferirem… Encarem a chuva que rebenta levemente cá fora como gotas de cachoeira, que lá dentro onde se faz a festa só chove animação e em catarata. No Clube Sportivo Adicense é a celebração do cinema brasileiro com a projecção do doc “Sou Feia Mas Tou na Moda ” sobre o funk e ainda o filme “O Cheiro do Ralo ” de Heitor Dhalia, entremeados com churrasco e boa disposição carioca. Depois dança e música em jam session de ritmos bossa nova e exposição do artista Reginaldo Pereira. Alfama vira trópico e tu com ela e dentro dela. Vamo nessa?Rafael V.

Experiência Cantar as Janeiras pelas Tascas

9 de Janeiro

15h

 

Encontro na Rua do Capelão
Mouraria
 
 

Convite_janeiras10_m

quanto

“Vamos cantar as Janeiras, vamos cantar as Janeiras, por estas ruas acima há…..raparigas solteiras, grandes bebedeiras, velhas alcoviteiras, rapazes sem meias, mulheres simpáticas mas feias e… freiras (porque também rimam, às vezes)” Hoje vamos encontrarmo-nos na Rua do Capelão em plena Mouraria com os Gaiteiros e o Coro da Achada, que prometem muita cançoneta e gente emborrachada. Cada tasquinha uma trovazinha, uma bebidinha e muita alegria, que as Janeiras servem mesmo para isso.Mami

 

Exposição Segunda Escolha

 

 

9 de Janeiro
De Segunda a Sexta das 10h-18h e Sábado das 14h-19h
 
[KGaleria] Rua da Vinha 43A
Bairro Alto

Convite_p_imprensa_m

Há mais ou menos trinta anos o Lopes, o Costa e o Silva fizeram uma segunda escolha. Viajaram aos Champs Elysees, apaixonaram-se pelo glamour de Paris e renderam-se aos encantos do “estrangeiro”. Atrás, foi um recém-médico que trocou o bisturí por uma Leica M4 e também quis ser um deles. Sem receios da palavra “emigrante” o António Pedro instalou-se na Casa de Portugal, em Paris, e fez dos balneários, cafés, festas e casamentos “tugas” por lá um laboratório improvisado. Não só criou uma nova atitude no fotojornalismo português, como construiu uma história que privilegia o discurso visual. Vem conhecê-la a partir de hoje na KGaleria.Ele há rabos, pernas e bigodes que só podem ser tugas. Obrigada António. Maravilhosos!Felisa