Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Centro Internacional das Artes José de Guimarães reabre a 25 de janeiro com novas exposições

Este sábado, 25 de janeiro, marca o arranque das exposições que irão habitar o Palácio Vila Flor e o Centro Internacional das Artes José de Guimarães durante o 1º trimestre de 2014. E o ambiente desta noite promete terminar em festa.

 

O programa delineado para este último sábado do mês tem início às 18h00 no Palácio Vila Flor onde será inaugurada a exposição “Coração e Cinzas” de Arlindo Silva. Às 22h00 é a vez do Centro Internacional das Artes José de Guimarães (CIAJG) inaugurar as exposições “Estrela Negra” de Jarosław Fliciński e “Provas de Contacto” de José de Guimarães. Será possível ainda conhecer a intervenção do coletivo Oficina ARARA e rever os ex-libris das coleções de José de Guimarães. Ao som da música, o ambiente desta noite promete terminar em festa com um live act de The Astroboy, projeto pessoal de Luís Fernandes, guitarrista e manipulador de eletrónica dos peixe : avião. No dia seguinte, domingo (26 janeiro), às 11h00, não perca a oportunidade de conversar e visitar a exposição com José de Guimarães. A entrada no CIAJG será livre durante todo o dia deste domingo. A sucessão de atividades relacionadas com a reabertura do CIAJG não termina sem que no dia 28 (terça-feira), pelas 18h30, se realize também uma conversa e visita guiada com Jarosław Fliciński.

 

A exposição “Coração e Cinzas” – que inaugura no Palácio Vila Flor (18h00) – reúne trabalhos de Arlindo Silva. As pinturas deste artista são constituídas por pessoas do seu círculo de relações, captadas em instantâneos algo inesperados, “anti-retratos” que negam a tradicional pose das figuras retratadas, perpassando uma atitude desafetada e discreta, que é também transversal ao seu percurso artístico e humano. Porque a sua obra ainda não obteve a atenção pública que merece, esta exposição vem colmatar uma evidente lacuna no panorama das artes em Portugal, reunindo sem uma orientação retrospetiva um número expressivo de trabalhos de Arlindo Silva. A exposição poderá ser visitada de terça a domingo, até ao dia 06 de abril.

 

Após a inauguração da exposição de Arlindo Silva, a noite de 25 de janeiro promete prolongar-se em ambiente de festa no Centro Internacional das Artes José de Guimarães.

Ao longo de um percurso pelas oito salas que constituem o piso 1 do edifício, os visitantes poderão rever alguns dos ex-libris das coleções de José de Guimarães (obras de arte tribal africana, arte pré-colombiana e arte chinesa antiga), mas também descobrir neste novo ciclo expositivo novas peças que integram as constelações de objetos e imagens organizadas a partir de tipologias como arcaico/contemporâneo, acontecimento/história, estranho/familiar, erudito/popular, material/imaterial.

 

No piso 0 do CIAJG (salas 09, 10 e 11) será inaugurada a primeira exposição individual de Jarosław Fliciński em Portugal. Trata-se de uma intervenção de grande escala de um dos mais iminentes artistas polacos contemporâneos, incorporando paredes, pinturas, desenhos e objetos, uma mostra exemplar do trabalho que o artista tem vindo a desenvolver em relevantes instituições do contexto internacional da arte contemporânea: um projeto de expansão do campo operativo da linguagem pictórica no qual se cruzam uma aguda sensibilidade à arquitetura com uma proficiente prática de pintura sobre parede que vai para além do quadro e se alarga à escala do espaço arquitetónico.

 

O piso -1 (salas 12 e 13) dará a conhecer uma exposição que revela um segmento do trabalho de José de Guimarães pouco conhecido e de grande relevância para o entendimento da obra do artista, que cobre um arco temporal de mais de quarenta anos: um conjunto muito diversificado de trabalhos que dão corpo a uma incessante produção de imagens realizadas por transferência. Seja em torno de métodos tradicionais da gravura, seja de práticas menos convencionais, como o stencil, José de Guimarães desenvolve desde o princípio dos anos 60 até aos dias de hoje uma incansável pesquisa que concilia experimentação material, rigor formal e um vocabulário de formas que permanentemente convoca a mestiçagem como conceito central da sua obra. Abordando a prática da gravura e de processos derivados, esta exposição, de cariz antológico, mostra que essa prática continuada em vários momentos do percurso do artista se revelou estruturante e decisiva, quer enquanto processo de conhecimento, quer enquanto campo operativo de experimentação.

 

No hall do CIAJG será possível conhecer uma intervenção criada pelo coletivo Oficina ARARA. Concebido como “um espaço autónomo e aberto de experimentação em torno da produção de cartazes, livros e outras edições”, o coletivo Oficina ARARA tem vindo a repensar e a propor, com as suas intervenções no espaço público e a energia gerada em torno de diversas colaborações entre várias disciplinas e linguagens, a potência do múltiplo como forma de operacionalização do gesto artístico.

 

Estas exposições do CIAJG ficarão patentes até ao dia 13 do mês de abril, podendo ser visitadas de terça a domingo, das 10h00 às 19h00.

"Música com Dragõezinhos" e "Jogo no Museu" - Actividades no LUGAR eduCativo

 


 

 

“Música com Dragõezinhos”

 

Dia 2 de Fevereiro às 10:30 e às 11:30 (dos 0-4anos)

 

“Música com Dragõezinhos” é o mais recente evento educativo das manhãs dos primeiros domingos de cada mês no Museu do FC Porto. A iniciativa desenrola-se em parceria com a Trupe Sons em Cena, e proporcionará uma experiência singular para todas as crianças até aos 4 anos, que serão envolvidas na fantasia de um ambiente musical, rico e de qualidade, em que as histórias contadas e os sons serão elementos de magia, conhecimento e sociabilização.

As sessões musicais com bebés (e papás) vão decorrer no Lugar eduCativo do Museu do FC Porto, às 10h30 e 11h30, sob a condução dos elementos da Trupe Sons em Cena - o Indy, a Tânia e o Lipe.

 

O preço das entradas é de 7,50 euros por criança mais acompanhante. É permitido o acesso a um acompanhante extra, por apenas mais 2,50 euros. O parque de estacionamento grátis (duas horas) é outra das vantagens acrescidas desta novidade na programação do Museu, que junta a pedagogia da música ao universo azul e branco.

 

 


 

 

“Há Jogo no Museu” (dos 3–10 anos)

 

Fim-de-semana de 8 e 9 de Fevereiro

Dia 20 de Fevereiro 18:30 às 22:30

Fim-de-semana de 22 e 23 de Fevereiro

 

No LUGAR eduCATIVO, as crianças dos 3 aos 10 anos poderão aprender e divertir-se enquanto os adultos assistem aos jogos nas bancadas.

 

O contacto com a história e os valores do clube estará presente numa selecção de actividades lúdicas e pedagógicas dirigidas ao público infantil. A participação terá um preço de 7,50 euros por criança, com 10% de desconto garantido a crianças que sejam sócias portistas. As reservas devem ser efectuadas com um mínimo de 48 horas de antecedência em relação ao horário dos jogos e as crianças devem comparecer no LUGAR eduCATIVO, junto à recepção do Museu do FC Porto, 60 minutos antes do início dos encontros.

 

Informações

 

Museu do FC Porto

Morada
Estádio do Dragão
Via Futebol Clube do Porto
4350-415 Porto
Portugal

 

Marcações:
10h00 às 12h00 e das 15h00 às 17h00
Tel: +351 225570418/9
Fax: +351 225570550
email: servicoeducativo.museu@fcporto.pt

«Tenho o teu Número», de Sophie Kinsella - Bestseller internacional (Quinta Essência)

Tenho o teu Número
Sophie Kinsella
Ficção Estrangeira
Às vezes o número errado conduz ao homem certo.
Um romance entusiasmante e divertido, com uma mulher surpreendente.
Livro
Dez dias antes do casamento, Poppy perde o anel de noivado. Desesperada, Poppy começa a telefonar a toda a gente para pedir ajuda e alguém lhe arranca o telemóvel da mão! Também o roubaram! Como irão agora avisá-la se encontrarem o anel? E, imediatamente, Poppy vê um telemóvel num caixote do lixo, um telemóvel abandonado de que ela precisa urgentemente. Poppy dá o seu novo número a todos os amigos e também atende as chamadas recebidas e lê as mensagens endereçadas à anterior proprietária, a secretária (que acaba de se demitir) de Sam Roxton, um empresário importante. Enquanto continua à procura do anel, Poppy mantem-se em contacto com Sam Roxton, o novo proprietário do telefone. Sam vai deixá-la ficar com o aparelho, desde que ela lhe reencaminhe todas as mensagens que receber, mas às vezes Poppy responde por Sam em assuntos profissionais e também pessoais. Não se contém. Sam também começa a opinar sobre a vida de Poppy, o seu casamento, sobre os sogros e até sobre o noivo, que talvez, não seja tão maravilhoso como ela pensava.
Imprensa
«As suas heroínas, como sempre, são amorosamente previsíveis e alegremente desajeitadas. Todas elas têm em comum muito carisma, paletes de inteligência, presença de espírito, problemas inevitáveis com o ​​namorado, romantismo, falta de jeito, e muita coragem. Não é de admirar que nos deixemos encantar de cada vez.»
The Times of India
«E assim que lhe peguei, não consegui largá-lo até o ter acabado e voltado a folhear tudo para ter a certeza de que não perdera nada. Este livro é tudo, desde espirituoso a comovente.»
Chocolate Coated Reviews
«Um romance alucinado com uma heroína simpática e vulnerável.»
Kirkus Reviews
Da mesma autora

 

Autora

 
Sophie Kinsella tem romances publicados em quarenta países, com um total de 25 milhões de exemplares vendidos. Escreveu 6 livros na série «Louca por Compras«; tem ainda seis romances independentes, como este nas suas mãos. As razões do seu êxito são variadas: Escreve com ritmo, com um estilo ágil, coloquial e direto. Os argumentos são engenhosos e apresentados com graça e encanto. Nada é previsível. Diverte-nos, arrasta-nos num torvelinho e faz-nos rir constantemente. Além disso, as suas histórias são românticas, com protagonistas tão reais que cremos inteiramente neles, apesar dos seus momentos mais disparatados. Sophie Kinsella é assim. A autora vive em Londres com o marido e a família.
Para mais informações, visite o seu site:
www.sophiekinsella.co.uk

ROSEMARY BABY apresentam primeiro álbum na CASA INDEPENDENTE

No dia25 de Novembrode 2013 foi editado, pela Optimus Discos, o disco de estreia dos Rosemary Baby.

 

 

The First Time contacom Bruno Rosmaninho navoz, guitarrae ukulele, Afonso Lagartona guitarrae banjo, David Neto no Baixoe Johny Dinamitena Bateria.

 

Compostopor setetemas originais, o álbumcontéminfluências do Rock & Roll, mas que se transforma, canção a canção, numa coisadiferente comoFolk ouDream-Pop, como ousaram chamar-lhe.

 

 

 

A apresentação do álbumvai realizar-se no dia 1 de Fevereiro na Casa Independente e no dia 28 de Fevereiro no Fontória Blues & Jazz Caffe.

 

 

 

Casa Independente | 1 de Fevereiro | 18H00 | Entrada Gratuita




Inline images 1

 

 

 

SITE OFICIAL - ROSEMARY BABY

Inline images 1

 

DISCO NA ÍNTEGRA

O álbumde estreiados Rosemary Baby reflectesentimentosuniversais, ligadosàsalegriase tristezasdo dia-a-dia, traduzidosemcançõessimples, com boas harmoniasvocaise, emalgunscasos, lançadesafiosàactual geração. As composiçõesde Bruno Rosmaninho(voz, guitarrae ukulele) sãoquasesempresatisfatóriase revelamum considerávelsentidomelódicoe eficáciapop.
‘This is the Time’,
particularmenteinteressantepelocrescendo instrumental da secçãorítmica, arrebatao títuloda músicacom maisambiçãodo disco, e a boa ‘Days Are Over’, umahomenagemdo grupoa umapessoaespecial, permiteaosRosemary Baby insistiremnafrasequedefine o tema‘Thank You’, semsoaremrepetitivos.

‘The First Time’ mostraquea bandade Rosmaninhoencontrou, logo no primeiroálbum, o seuimagináriopróprio.Pedro Salgado in SÁBADO.


Inline images 2

OsRosemary Baby nasceram em2012, fruto da inspiraçãoque veiode África, maispropriamenteda Ilha do Príncipe em São Tomé, onde compuseramas primeiras canções. Canções escritasporBruno Rosmaninho, quepassaram da guitarraem casa para o estúdioainda em2012, com a participaçãona compilaçãodos Novos TalentosFnac, e paraosconcertos ao vivo com a estreia a acontecerno Teatro do Bairroem Novembro. Dos Rosemary Baby fazem parte Bruno Rosmaninho na voz e guitarra, sendo este o seu primeiro trabalho musical, Afonso Lagarto dos Brass Wires Orquestra na guitarra, David Neto dos QUAISS KITIR e B!rd no Baixo e Johnny Dinamite dos Maltês na bateria.
Coisasda vida, coisasdo coração, alegriase tristezas do diaa dia sãoas letras, eminglêssimples, fáceis de ouvire sem pretensões.