Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

CCVF | Company Wayne McGregor estreia-se em Portugal com a apresentação de "Atomos" (07 maio)

Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães, recebe espetáculo do conceituado coreógrafo britânico, em data única no país

 

Company Wayne McGregor estreia-se em Portugal com a apresentação de “Atomos”

image002 (2).jpg

 

No dia 07 de maio, às 22h00, o Centro Cultural Vila Flor acolhe a estreia absoluta da Company Wayne McGregor em Portugal. O multipremiado coreógrafo britânico traz a Guimarães a peça “Atomos”, em data única no país. “Atomos” é um hino à inteligência do corpo, uma reflexão sobre o potencial do corpo humano enquanto a mais perfeita tecnologia.

 

Conhecido pela sua singularidade e pelo questionamento persistente sobre o cruzamento da arte e da ciência, do corpo e da mente, Wayne McGregor permanece na linha da frente da criação contemporânea dos últimos 20 anos. “Atomos” – o espetáculo que traz a Guimarães, na sua primeira visita a Portugal – cresce a partir da mais pequena unidade da matéria. Corpos, movimento, filme, som e luz são atomizados em pequenos fragmentos de sensações intensas.

 

Dez incríveis bailarinos dão vida ao estilo único de Wayne McGregor – escultural, rigoroso, chocante e assustadoramente belo. Um espetáculo que é o refinamento puro da linguagem única de McGregor, mas que é também uma experiência em si mesma, uma exploração do próprio corpo enquanto a mais perfeita tecnologia. Onde ele começa e onde ele acaba. Sempre na relação com o próximo, porque cada indivíduo se define pela existência ou ausência de um outro.

 

Wayne McGregor cria nesta obra uma experiência única não só para o público, mas também para os próprios bailarinos. A equipa envolvida neste projeto recorreu à tecnologia para explorar o funcionamento do próprio corpo, a sua inteligência, o seu movimento no espaço, propondo uma reflexão sobre o corpo como o lugar partilhado, uma vez que o “eu” ganha forma através dos outros e com os outros. O que é o corpo? O que lhe dá identidade humana? Onde começa e onde acaba? O corpo que se inicia ou finda na proximidade (ou ausência dela) de um outro.

 

O público vai, com esta peça, experienciar uma abordagem coreográfica completamente inovadora. Mais do que um espetáculo, “Atomos” é uma experiência sensorial onde todos os sentidos estarão em alerta na senda da descoberta do corpo enquanto derradeira ferramenta tecnológica. Um corpo que pensa e reage, um corpo que se adapta e comunica através do movimento, da postura e, sempre, da ligação estabelecida com o próximo, caraterística que lhe confere humanidade.

 

A obra de McGregor sempre girou muito em torno da exploração dos limites do corpo e este “Atomos” vem sublinhar essa preocupação uma vez mais, de forma sublime. O sentir e o saber, o mover e ser movido, a presença de um outro organismo que inevitavelmente condiciona a linguagem que, primordialmente, se inicia no movimento. Para o coreógrafo, o corpo é fascinante, é inteligente. Ele pensa, resolve, faz e cria. Ele esforça-se para reconhecer e organizar informação, porque pensamento é também movimento. McGregor cria dança a partir da mais ínfima partícula, o átomo.

 

Os bilhetes para o espetáculo já se encontram à venda, podendo ser adquiridos na bilheteira do Centro Cultural Vila Flor, Lojas Fnac, El Corte Inglés, Worten, entidades aderentes da Bilheteira Online, e via online em www.ccvf.pt e oficina.bol.pt.

 

CONFIRMADO: David Fonseca apresenta "Hit Parade" no festival solidário + Música + Ajuda


Concerto do mês de maio marca o 22º Aniversário da Associação CAIS
 


David Fonseca é a nova confirmação do + Música + Ajuda, o primeiro grande festival de música solidário em Portugal, desenvolvido em parceria com a Associação CAIS. Em Lisboa e no Porto, David Fonseca apresenta a sua própria "Hit Parade" e faz uma viagem pelos hits que o marcaram ao longo da sua carreira.

Após dois concertos quase esgotados de The Legendary Tigerman, David Fonseca atua na Casa da Música, no Porto, no dia 12 de maio e no Estúdio Time Out, do Mercado da Ribeira, em Lisboa, no dia 13. Nos dois espetáculos, David Fonseca recria temas de vários artistas de estilos diferentes, num registo único onde nunca foi ouvido.

 


"O universo musical dos outros foi sempre algo me fascinou e ponto de partida para tudo isto - afinal a minha ligação com a música começou enquanto ouvinte. A oportunidade de reproduzir ou recriar temas que me emocionam é um prazer antigo, que nunca deixei de exercer nos meus concertos. Dos guilty pleasures às canções que me moldaram enquanto músico, de todos essas se fará a história deste "Hit Parade" que levarei a palco na companhia da minha banda", revela David Fonseca.

Os dois espetáculos únicos marcam o início da celebração do 22º Aniversário da Associações CAIS, que através do + Música + Ajuda continua a juntar nomes da música portuguesa, para melhorar as condições de vida de centenas de pessoas em situações económica e socialmente vulneráveis que acompanha há 22 anos. O festival irá prolongar-se em junho com mais um concerto intimista e terminará em setembro com um grande evento.

"Colaborar com a CAIS nesta iniciativa e enquadrá-la neste desafio artístico é algo a que não podia deixar de aceder. Quando há uns meses preparava os conteúdos para a Revista CAIS publicada em Janeiro passado e de que tive o prazer de ser "cara", apercebi-me de quão gratificante é colaborar na angariação de fundos, divulgando uma causa de forma criativa. Saber que para além do mais, se comemoram os 22 anos da revista que mudou a nossa forma de ver e viver a solidariedade, uma verdadeira justificação para montar esta "Hit Parade". Será uma celebração aberta a todos!", explica David Fonseca.

A receita de bilhetes vendidos pelo + Música + Ajuda é revertida em fundos para que a Associação CAIS possa aumentar o número de pessoas acompanhadas, o número de refeições servidas e horas de formação aplicadas no reganho de competências de todos aqueles que acompanha. Os bilhetes para o concerto de David Fonseca têm um custo de 6?* e estão à venda na Ticketline (online e em vários pontos de venda, tais como: FNAC, Campo Pequeno, Estúdio Time Out, Casa da Música).

*valor + taxa (variável conforme o ponto de venda)

Sobre o + Música + Ajuda
O festival + Música + Ajuda é o primeiro grande festival de música solidário em Portugal, desenvolvido em parceria com a Associação CAIS. Assumindo-se como um projeto inovador de responsabilidade social, o + Música + Ajuda tem como objetivo promover a cidadania participativa e sensibilizar os portugueses para uma sociedade mais unida e mais justa, através do poder da música.
Durante vários meses, através da realização de vários concertos solidários, o festival irá reunir alguns dos melhores nomes da música portuguesa para ajudar a melhorar as condições de vida de centenas de pessoas em situações económica e socialmente vulneráveis que a Associação CAIS acompanha. Tiago Bettencourt, The Legendary Tigerman, The Black Mamba, Blasted Mechanism, Frankie Chavez, For Pete Sake e O Martim são os nomes que já se juntaram ao + Música + Ajuda.
O + Música + Ajuda irá continuar em junho com mais um concerto intimista e terminará com um grande evento em setembro.

Sobre a Associação CAIS
F
undada em 1994, a CAIS é uma Associação de Solidariedade Social sem fins lucrativos, reconhecida como pessoa coletiva de utilidade pública. Tem como objetivo principal contribuir para a melhoria das condições de vida dos cidadãos em risco de exclusão social, pela dignificação humana, capacitação e empregabilidade.

Desde 1994 que a Associação CAIS promove a inclusão social através de diferentes projetos, em Lisboa e Porto, apostando sempre no caráter diferenciador das suas iniciativas. Vinte e um anos depois de ter criado a Revista CAIS, a associação mantém-se fiel aos seus princípios, acompanhando direta e indiretamente mais de 500 pessoas em condições economicamente vulneráveis e em situação de exclusão e risco.

A Associação CAIS promove o programa CAHO (programa de capacitação profissional), formando e integrando pessoas em contexto laboral através da capacitação, empowerment, autonomização, formação e ampliação de competências socias e profissionais.
w
ww.cais.pt

Passatempo TENHO UM MARIACHI DEBAIXO DA CAMA - Teatro Villaret

O Blog CULTURA DE BORLA tem bilhetes duplos para o espectáculo TENHO UM MARIACHI DEBAIXO DA CAMA para o dia 3 de Maio no TEATRO VILLARET aos primeiros leitores que de 5 em 5 participações:

 

- enviem um e-mail para culturadeborla@sapo.pt com a frase "Eu quero ir ver TENHO UM MARIACHI DEBAIXO DA CAMA com o Cultura de Borla" com nome, BI e contacto;

- partilhem o passatempo no seu perfil pessoal;

- façam like na página do Cultura de Borla no Facebook e façam um like no post do passatempo.

 

tENHO%20UM%20MARIACHI%20DEBAIXO%20DA%20CAMA%20vill

 

TEATRO - Memorial do Convento, de José Saramago - em cena desde 2007

primage_15726.png

 

A ÉTER – Produção Cultural apresenta no Centro Cultural Olga Cadaval em Sintra, dia 6 de Maio, às 22 horas o espectáculo de Teatro "Memorial do Convento", em cena há 9 anos, visto por mais de 200 mil pessoas de todo o país. Gratuito para o Público do espectáculo a ÉTER em parceria com a ÚNICA-Mixing Cultures oferecem a Instalação Multimédia “CABAÇA”, no MU.SA – Museu das Artes de Sintra, uma experiência interactiva baseada na atmosfera característica da Guiné-Bissau e da sua diversidade cultural em forma de som, vídeo, luz.

 

A ÉTER – Produção Cultural apresenta no Centro Cultural Olga Cadaval em Sintra, dia 6 de Maio, às 22 horas o espectáculo de Teatro "Memorial do Convento", em cena há 9 anos, visto por mais de 200 mil pessoas de todo o país.
Gratuito para o Público do espectáculo a ÉTER em parceria com a ÚNICA-Mixing Cultures oferecem a Instalação Multimédia “CABAÇA”, no MU.SA – Museu das Artes de Sintra, uma experiência interactiva baseada na atmosfera característica da Guiné-Bissau e da sua diversidade cultural em forma de som, vídeo, luz.

MEMORIAL DO CONVENTO
Teatro

“O homem primeiro tropeça, depois anda, depois corre, um dia voará. (...) Baltasar, tu és Sete-Sóis porque vês às claras e tu, Blimunda, serás Sete-Luas porque vês às escuras.”


SINOPSE
Unidos por um amor maravilhoso, Blimunda e Baltasar reúnem-se a Padre Bartolomeu de Gusmão e ao seu sonho de voar. A Passarola, máquina voadora, misto de barco e de pássaro, nasce do saber científico de Padre Bartolomeu, da força de trabalho de Baltasar e dos poderes de Blimunda recolhendo as vontades humanas (“as nuvens fechadas”) que alimentarão a máquina e a farão voar. A história encantada, que revolucionou a literatura portuguesa, do nascimento de um convento no século XVIII. Na presente adaptação dramatúrgica, a relação dinâmica entre os cinco atores, a música original, a luz e os espaços cénicos dão vida a dezassete personagens e a momentos essenciais de Memorial do Convento.


FICHA TÉCNICA E ARTÍSTICA

TEXTO

José Saramago

ADAPTAÇÃO DRAMATÚRGICA

Filomena Oliveira e Miguel Real

ENCENAÇÃO

Filomena Oliveira

ORGÂNICA SONORA E MÚSICA ORIGINAL

David Martins

VOZ Andreia João | Piano Sandra Nunes

INTERPRETAÇÃO

Leonor Cabral | Pedro Oliveira | Rogério Jacques  Hugo Bettencourt | João de Brito


DESENHO E OPERAÇÃO LUZ

Carlos Arroja

OPERAÇÃO SOM

David Martins

LEGENDAGEM

José Ricardo

CRIAÇÃO E ADAPTAÇÃO DO ESPAÇO CÉNICO

Carlos Arroja | Vitor Fernandez

GUARDA-ROUPA E ADEREÇOS

Éter | Câmara dos Ofícios

FOTOGRAFIA

André Rabaça | Edgar d’Oliveira | Filipa Vieira  

ASSISTENTE DE PRODUÇÃO

Cláudia Faria | Inês Oliveira Martins

PRODUÇÃO

ÉTER-Produção Cultural


CABAÇA
Instalação Multimédia Interactiva

Uma experiência interactiva baseada na atmosfera característica da Guiné-Bissau e da sua diversidade cultural em forma de som, vídeo, luz e cenografia. “Cabaça” pretende revelar o mais belo da Guiné-Bissau, chamando ao mesmo tempo a atenção para os problemas patentes em países em vias de desenvolvimento, sensibilizando o visitante a actuar no seio da sociedade para uma maior harmonia na humanidade.

Concepção Instalação: José Ricardo | David Martins.


Apoie 10 jardins de infância na Guiné-Bissau entregando brinquedos, materiais escolares ou paracetamol na bilheteira do espectáculo. Uma acção ÚNICA - Mixing Cultures.


Dia 6 de Maio
21h - 
MU.SA - Museu das Artes de Sintra - INSTALAÇÃO MULTIMÉDIA

22h Centro Cultural Olga Cadaval TEATRO

Bilhetes à Venda na TicketLine e no Local (info e reservas) 219 107 110

HISTÓRIA estreia O Génio dos Milhões de Dólares

image004.jpg

 

No dia 1 de maio, o canal HISTÓRIA homenageia as histórias de pessoas que pela sua dedicação e trabalho árduo, conseguiram transformar as suas ideias em produtos de sucesso, com a estreia de O Génio dos Milhões de Dólares, às 22h.

Ao longo da série descobrirá os segredos por detrás do sucesso destes inventores. Poderá acompanhar todo o processo, desde o momento em que tiveram uma ideia brilhante até ao seu desenvolvimento e comercialização.

Cada história tem as suas reviravoltas particulares, e cada inventor transporta a sua perspetiva pessoal. Conheça as estratégias utilizadas para ultrapassar obstáculos que, inicialmente, pareciam intransponíveis.

 

A ESCALDAR!

O Gênio dos Milhões de Dólares” é a série que conta as histórias verídicas de pessoas comuns que transformaram as suas ideias de génio em fortunas. Este episódio apresenta o caso de um agente imobiliário fracassado que inventou uma pega de cartão para os copos de café a escaldar; um aluno medíocre que nunca acabou o liceu, mas que inventou um apito; e um indivíduo que tirou partido da inevitável queda de cabelo para inventar a máquina de barbear perfeita para rapar a cabeça.

Domingo 1, 22h

 

BONANÇA NO BARBECUE

Ethan Woods é um agente imobiliário de Nova Iorque que investiu todas as poupanças que tinha na invenção do primeiro robô de limpeza para grelhadores de churrasco: o Grillbot. Patrick O’Neill é um fotógrafo amador que hipotecou a casa e gastou todas as poupanças que tinha para pagar o curso universitário da filha para criar a primeira lente fotográfica destacável para o iPhone.

Scotty Olson era um adolescente apaixonado por hóquei, a viver no Minnesota na década de 70, que queria poder patinar no verão. Scotty e o irmão criaram os patins em linha: Rollerblades!

Domingo 8, 22h

 

A PULSO!

Wayne Fromm é um ávido fotógrafo que gastou milhares de dólares na invenção do famoso selfie stick.

Outro dos nossos protagonistas é David Weck, um ator incansável que criou na garagem do seu pai um acessório para fazer exercício chamado BOSU – e depois o vendeu a algumas das maiores organizações desportivas do mundo.

Joel Glickman, já reformado, hipotecou a empresa familiar para criar um dos jogos de construção mais conhecidos: K’NEX.

Domingo 15, 22h

IDEIAS SIMPLES DE SUCESSO

Este episódio apresenta Michael Berardi, um produtor de anúncios para inventores que querem vender os seus produtos. Um dia, Berardi criou a sua própria invenção – a Xhose –, a primeira mangueira retrátil do mundo. Fez o seu próprio anúncio, e a ideia revelou ser um sucesso.

Randy Hetrick era um SEAL da Marinha que precisava de estar sempre na melhor forma possível, onde quer que fosse colocado. Depois de muitas tentativas, inventou um dos aparelhos de exercício de maior sucesso: TRX Suspension Trainer.

Gary Clegg era um caloiro universitário que, numa noite gelada no seu dormitório, na Universidade de Maine, inventou “The Skanket”, um cobertor com mangas. Anos depois de se ter formado, Gary apercebeu-se do potencial do seu cobertor, e o resto é história…

Domingo 22, 22h

HISTÓRIA

O HISTÓRIA emite as produções internacionais mais prestigiosas e apaixonantes da televisão como “World Wars”, “A Humanidade”, “O preço da História”, “Alienígenas”, e aposta na melhor produção própria com séries como “ Microassassinos”, “E de repente Teresa” e “Templários”. Um canal de referência que explora os feitos que transformam o mundo e aproxima o espectador da História. Uma forma de humanizar o passado, refletir o presente e iluminar o futuro.

Produzido por The History Channel Iberia, uma joint-venture entre a AMC International-Iberia e a A+E Networks, o HISTÓRIA é uma marca de prestígio internacional que está disponível em mais de 160 países e que chega a mais de 330 milhões de espectadores em todo o mundo. O canal é distribuído em Portugal na Meo, NOS, Cabovisão e Vodafone.

Estoril Sol institui 9ª edição ao Prémio Literário Revelação Agustina Bessa-Luís

Agustina%20Bessa-Luís.jpg

 

Recepção das obras originais até 31 de Maio

 

Estoril Sol acolhe candidaturas sem limite de idade

ao Prémio Literário Revelação Agustina Bessa-Luís

 

 

O júri do Prémio Literário Revelação Agustina Bessa-Luís aboliu o limite de idade de 35 anos para os autores que pretendam candidatar-se. Trata-se de uma decisão que procura dinamizar o aparecimento de novos valores. O prazo de recepção das obras termina no próximo dia 31 de Maio.

 

A 9ª edição do Prémio Literário Revelação Agustina Bessa-Luís terá o valor de 10 mil euros e, nos termos do Regulamento, será publicado pela Editora Gradiva, conforme o protocolo existente com a Estoril Sol. O júri será presidido por Guilherme D `Oliveira Martins.

 

Com a abolição dessa norma considerada restritiva, a Estoril Sol vai ao encontro do desejo manifestado por numerosos candidatos ao concurso, que se viam impossibilitados de nele participarem. Mantém-se, contudo, a obrigatoriedade do romance concorrente ser inédito, e de autor português, "sem qualquer obra publicada no género".

 

Recorde-se que, em 2015, o romance vencedor do Prémio Literário Revelação Agustina Bessa-Luís foi "Fredo", de Ricardo Daniel Fonseca Mota, em fase de edição.

 

Segundo a acta do Prémio, ao escolher "Fredo" o Júri teve em conta a natureza intrínseca de um romance "narrado na primeira pessoa numa linguagem sóbria (…), assente num registo quase confessional"  que  " acompanha a descoberta que um jovem (Adolfo Maria) vai fazendo dos silêncios e da solidão que sempre acabou por marcar os horizontes de vida e, sobretudo,  as suas mágoas e tristezas ".

 

Juntamente com o Prémio Literário Revelação, a Estoril Sol mantém o Prémio Literário Fernando Namora, instituído regularmente desde 1988, e a cujo Júri presidiu, durante vários anos, Agustina Bessa-Luís.

 

O RITMO DO BONS SONS – 9 NOVOS NOMES PARA O CARTAZ DO FESTIVAL QUE FAZ DA SUSTENTABILIDADE UMA TRADIÇÃO

 

footer-2016-01.jpg

 

O BONS SONS 2016 revela mais 9 nomes que enchem o seu cartaz de música portuguesa. A rocktrónica de João Vieira no projecto White Haus, o turbo-baile de Tocha Pestana, os jogos rítmicos das Adufeiras do Paúl, as canções tresmalhadas de Diego Armés, as quatro baterias de Tim Tim por Tim Tum e as canções dramáticas de João e a Sombra são alguns dos novos nomes para o alinhamento desta edição.

A Enchufada faz 10 anos e celebra com o BONS SONS. Branko, Rastronaut e Dotorado Pro, nomes emblemáticos da editora criada pelos fundadores de Buraka Som Sistema, vêm encher a noite de ritmos globais.

A primeira fase de venda de bilhetes termina já no final de Abril. Até lá o Passe 4 Dias mantém-se a 25€..

tochapestana.jpg

Tocha Pestana

whitehaus.jpg

 White Haus





BATEM TRADICIONAL E ELECTRONICAMENTE COMO QUEM CHAMA POR NÓS
 

João Vieira, depois do sucesso aos comandos de X-Wife e DJ Kitten, entrou na composição e produção electrónicas com o projecto White Haus.

A dupla Tocha Pestana, percorrendo deliberadamente a estética pop-rock portuguesa dos anos 80, são os reis do turbo-baile. Pop de bola de espelhos a reflectir nos óculos escuros retro-futuristas.

As Adufeiras do Paúl misturam as palavras das suas recolhas etnográficas com os sons de adufes, peneiras e pedrinhas.

Para lá de Feromona e Chibazqui, projectos que integra, Diego Armés deixa fugir a solo as suas canções frágeis e isoladas, apoiadas no som da guitarra acústica.

 

adufeirasdopaul.jpg

Adufeiras do Paúl

 

diegoarmes.jpg

 Diego Armés



As quatro baterias em palco de Tim Tim por Tim Tum (José Salgueiro, Alexandre Frazão, Bruno Pedroso e Marco Franco) comportam um universo tão vasto quanto a imaginação de quem as toca e de quem as ouve.

O actor e músico João Tempera ressuscitou o seu alter-ego musical João e a Sombra. Traz canções negras que consolam as penas e embalam os medos.

joaoeasombra.jpg

João e Sombra

 

timtimportimtum.jpg

 Tim Tim por Tim Tum 

 

 


Ao celebrar 10 anos, como o BONS SONS, era mais que justo que a festa fosse conjunta. Em Agosto, a Enchufada vai levantar os decibéis em Cem Soldos com Branko, Rastronaut e Dotorado Pro.

Branko, pioneiro da editora, depois de uma residência na BBC Radio 1 e Antena 3, editou o seu álbum “Atlas” em 2015, com uma sonoridade classificada como “sonoridade sensualmente dançante”.

branko.jpg

 Branko



Rastronaut encarna na plenitude a missão da Enchufada, de azimute traçado desde o continente africano até Campo de Ourique.

rastronaut.jpg

Rastronaut

 


Dotorado Pro, um dos mais recentes nomes lançados pelo selo português, trabalha num misto de afrohouse e sonoridade progressiva.

dotoradopro.jpg

 Dotorado Pro

 

Passatempo ESCREVER, FALAR - Teatro da Trindade

O Blog Cultura de Borla em parceria com a FUNDAÇÃO INATEL tem bilhetes duplos para a peça ESCREVER, FALAR para o dia 4 de Maio às 21h45 no TEATRO DA TRINDADE aos primeiros leitores que:

 

 Enviem um email para o culturadeborla@sapo.pt com a frase "Eu quero ver ESCREVER, FALAR  com o Cultura de Borla" com nome, BI e nº de telefone.

28ba4218-22c1-42d3-99d5-34603095d3be.jpg

 

Teatro dos Aloés apresenta: ESCREVER, FALAR de Jacinto Lucas Pires        

28 de Abril a 15 de Maio no Teatro da Trindade (Sala Estúdio) 

Quarta a Sábado às 21h45 / Domingo às 17h00 

 

Sinopse: Dois homens encontram-se num espaço indefinido. Dialogam entre si, dialogam consigo próprios. Não são mais do que aquilo que fazem e dizem naquele momento concreto, não têm vidas para trás ou para a frente. Só existem ali, na peça.Usam imagens para dar sentido às palavras e não palavras que dão sentido a imagens (verdadeiras, falsas??). Usam-nas como se de uma partitura se tratasse, têm tempos, tons, pausas, interrupções, sobreposições. Quanto ao texto em si...Um texto não se explica, é a sua própria explicação.

Autor Jacinto Lucas Pires Encenação Jorge Silva
Interpretação João de Brito e João Pedro Dantas
Desenho de Luz Tasso Adamopoulos Música Filipe Melo 
Bateria João Lopes Pereira Fotografia e Vídeo José Sena Goulão 
Design Gráfico Rui A. Pereira Assistência à Encenação Anna Eremin 
Direcção de Produção Joana Ferreira 
Produção Executiva Daniela Sampaio 
Produção Teatro dos Aloés M/12


Preço: 10€ (Sujeito a descontos)
Reservas: 213420000 / bilheteira.trindade@inatel.pt

 

 

"A Princesa de Galochas" | em Santarém

Cartaz%20Princesa%20net.jpg

 

“A PRINCESA DE GALOCHAS”

de Vânia Calado

Encenação de Frederico Corado

Círculo Cultural Scalabitano - Teatro Taborda

Santarém

Dia 8 de MAIO às 16.00

Depois da estreia no Centro Cultural do Cartaxo em duas sessões esgotadas exclusivas para as escolas do concelho do Cartaxo, chega agora a Santarém, "A Princesa de Galochas". 

Continuando o trabalho direcionado para o público mais jovem, a Área de Serviço estreia um novo espectáculo. Desta vez um original da autora Vânia Calado.

Depois de “A Trisavó de Pistola à Cinta” de Alice Vieira e “A Volta ao Mundo em 80 Dias” a partir do romance de Jules Verne, levamos à cena “A Princesa de Galochas” de Vânia Calado, autora nascida no Cartaxo (Vale da Pinta).

Direcionado para o público infantil “A Princesa de Galochas” é uma adaptação feita pela autora do seu livro infantil homónimo e que com esta peça faz a sua estreia na escrita de teatro infantil. A experiência de Vânia Calado na escrita teatral começou com o projecto “Pânico!” juntamente com Frederico Corado (que encena “A Princesa de Galochas”) e passou depois pela tradução de “Noises Off!”. 

Foi a ligação de Vânia Calado com a terra onde nasceu e a horta que o seu avô tinha onde plantava batatas, tomate, alfaces, entre outras coisas, que lhe deu a ideia de escrever “A Princesa de Galochas” que chega dia 8 de Maio ao palco do Círculo Cultural Scalabitano com encenação de Frederico Corado e as interpretações de Carolina Seia Viana, Sara Margarida, Carlos Ramos, Rosário Narciso e Gabriel Silva. 

Vânia Calado propõe com esta “A Princesa de Galochas” um aproximar dos mais novos à terra, às hortas, às tradições e ao estar com produtos de vêm da terra, com os animais e com os mais velhos, bem como algumas reflexões sobre temas muito actuais. 

 

 

Foto%20Princesa.jpg

 

Parceiros Institucionais: Câmara Municipal do Cartaxo | Centro Cultural do Cartaxo | Apoios: Casa das Peles | Sotinco | J.M.Fernandes - Vidreira e Alumínio | Negócio de Família | E.Nove | Tejo Rádio Jornal | Revista Dada | Jornal de Cá | Valor Local | Guia dos Teatros

Facebook: https://www.facebook.com/AreaDeServico

 

Circulo Cultural Scalabitano
Largo Engenheiro Zeferino Sarmento 6 | 2000-113 Santarém, Portugal 
Teatro . M/2

Reservas para 243 321 150

circuloscalabitano@gmail.com