Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Casino Lisboa reforça animação cultural em Setembro

Auditório dos Oceanos - "Filho da Treta"

Casino%20Lisboa%20estreia%20Filho%20da%20Treta%20a

 

O Casino Lisboa estreia a 14 de Setembro, pelas 21h30, a comédia "Filho da Treta" que terá como protagonistas os actores José Pedro Gomes e António Machado. Trata-se de uma divertida série de representações que abre, da melhor forma, a nova temporada de espectáculos no Auditório dos Oceanos.

 

Antigamente, a vida era uma selva. Agora, a vida é uma selfie. Toda a treta se dispersou e cresceu nas redes sociais, e os especialistas têm tido alguma dificuldade em encontrar a genuína conversa da treta. Mas quem é vivo sempre falece, e também sempre aparece. Nada se perde, tudo se transforma – o código genético da Treta renasce, em 2016, com a assustadora e nada aguardada peça de teatro "Filho da Treta".

 

Zezé (José Pedro Gomes) prossegue a sua luta contra o bom-senso, a solidariedade, o trabalho e outros conceitos primeiro-mundistas, desta vez, na companhia de Júnior (António Machado), o filho de Toni que Zezé nunca quis ter.

 

Texto Filipe Homem Fonseca e Rui Cardoso Martins | Encenação Sónia Aragão | Música Nuno Rafael | Desenho de Luz Luís Duarte | Figurinos Fernanda Ramos | Produção Força de Produção | Com José Pedro Gomes e António Machado

 

O Auditório dos Oceanos do Casino Lisboa estreia, no próximo dia 14 de Setembro, um ciclo de representações da comédia "Filho da Treta". Os espectáculos decorrem às Quintas, Sextas e Sábados, a partir das 21h30, enquanto aos Domingos estão agendados para as 17 horas. M/12

 

Bilhetes à venda:

Ticketline: www.tiketline.pt

Informações e reservas: Info & Reservas ligue 1820 (24h).

Preços: De 12€ a 16€

 

Galeria de Arte - Exposição "Como Vejo o que Vi"

Como%20Vejo%20o%20que%20Vi%20-%20Exposição%20de%

 

 

O Casino Lisboa inaugura, no próximo dia 9 de Setembro, pelas 18h30, a exposição "Como Vejo o que Vi", da autoria de Artur Pinto. Trata-se de uma mostra fotográfica que poderá ser observada no amplo espaço da Galeria de Arte, localizada na área circundante ao Arena Lounge. A entrada é livre.

 

A Galeria de Arte acolhe, assim, a primeira exposição do fotógrafo Artur Pinto. Estará em evidência, até 22 de Setembro, um elenco de fotografias que revelam um pouco do quotidiano de diferentes populações que habitavam meios rurais na década de setenta do século XX.

 

"Considero-me um genuíno fotógrafo amador. O meu gosto pela fotografia iniciou-se em finais dos anos 50 quando os meus pais me ofereceram uma máquina da Kodak, modelo Brownie, mais conhecida por "caixote Kodak". Fiz as primeiras fotografias deambulando pela cidade de Lisboa. A máquina, entretanto, tornou-se obsoleta, com a rápida difusão das máquinas em formato 35 mm. Mas, eram ainda caras, pelo que fiquei uns anos sem fotografar", revela Artur Pinto.

 

"Na primeira metade dos anos 70, mergulhei nas aldeias da Serra do Montemuro, minha região natal e andei pelo Alentejo. Não procurei retratar tipos humanos, mas as pessoas, rostos e olhares que nos revelavam um país triste. É uma fotografia de rosto humano, feita de uma forma directa, sem efeitos, sem retoques, sem arranjos, olhos nos olhos, a preto e branco, que irei apresentar na minha primeira exposição", explica o autor.

 

A Galeria de Arte acolhe, de 9 a 22 de Setembro, a exposição fotográfica "Como Vejo o que Vi", da autoria de Artur Pinto". Todos os dias, das 15 às três horas da madrugada, excepto às Sextas-Feiras, aos Sábados cujo horário será das 16 às quatro horas da madrugada.

 

 

Arena Lounge – Música ao vivo, Dança e Novo Circo

O Casino Lisboa reforça, em Setembro, um festivo programa de animação, que inclui, às Sextas-Feiras e aos Sábados, a acção promocional "Bingo" no Arena Lounge. O público poderá acompanhar, de Quinta-Feira a Domingo, dinâmicos sets de música ao vivo protagonizados por várias bandas. Em Setembro, estarão, também, em destaque performances de novo circo e de dança. A entrada é livre.

 

As noites de Quinta-Feira são especiais no Casino Lisboa. A banda Voodoo Marmalade actua, logo no dia 1 de Setembro, enquanto Bruno Rosa propõe, no dia 8, uma original performance de Novo Circo. O grupo Três Bairros actua, a 15 de Setembro, em noite dedicada ao fado; e a Companhia de dança Legacy está de volta no dia 22. Por sua vez, João Pires apresenta-se, em concerto, a 29 de Setembro.

 

Arena Lounge - Palco central

Concerto Voodoo Marmalade

É já no próximo dia 1 de Setembro, que os Voodoo Marmalade se reencontram com os visitantes do Casino Lisboa. Com um álbum editado recentemente, a banda é reconhecida por protagonizar sets muito interactivos com o público.

 

Os Voodoo Marmalade distinguem-se por "uma hipnotizante odisseia pelos mais variados estilos musicais, em originais versões acústicas recheadas de boa energia e temperadas pela magia de ukuleles, de um ukulele-baixo e percussão. A juntar ao ensemble instrumental, adicionam-se as vozes de Tiago Albuquerque, André Galvão, João Cabrita, João ONeill, Sérgio Gaspar, Duarte Forjaz. A percussão é de Miguel Roquette e Luis Neiva.

 

Novo Circo com Bruno Rosa

O novo circo estará em destaque no Casino Lisboa a 8 de Setembro. Bruno Rosa, de 27 anos, apresenta "Confitions". Este espectáculo é o resultado de vários anos de pesquisa pela sua vida. Um número de elegância, serenidade, risco e de confissão para com o público: a sua arte, o seu maior pecado! Uma linguagem corporal vibrante, sensual e de uma honestidade únicas. " Este sou eu. Este é o meu corpo. Esta é a minha verdadeira confissão".

 

Bruno Miguel Rosa escolheu voar pela vida. No seu percurso de eterno aprendiz fez parte de grandes e pequenas criações artísticas. Em Portugal ou pelo mundo, entrega-se de alma e coração a cada projecto. Integra, actualmente, a companhia de circo francesa "Les Farfadais". A não perder, a partir das 23 horas.

 

Noite de fado com Três Bairros

Em noite dedicada ao fado, o grupo Três Bairros estreia-se, no próximo dia 15 de Setembro, no Casino Lisboa. Guilherme Madeira, João Correia e Ricardo Gama juntaram-se, em 2015, para formar algo que trouxesse o melhor da musicalidade que há em cada um, combinando vários géneros e formas de abordar a música. Cada um traz na alma uma história. Misturam o fado e as guitarradas, unindo o calor das searas, desde a lezíria à frescura da serra.

 

Legacy Dance Company Project

A Legacy Dance Company Project reencontra-se, a 22 de Setembro, com os visitantes do Casino Lisboa. Estará em destaque um projecto de dança inovador em Portugal que é composto por bailarinos, professores e coreógrafos promissores. Desenvolvem um trabalho de produção de Repertório Legacy variado desde a Dança Clássica, Contemporâneo, Jazz, Cabaret  e Hip-Hop, com o objetivo final de o levar a palco em várias salas de espectáculo nacionais e internacionais.

 

Recorde-se que os Legacy nasceram há cerca de 5 anos, após terem chegado à final do programa da SIC, "Achas que Sabes Dançar" (1ª série). A concretização de workshops, aulas, pocket shows, espectáculos e a participação em grandes projectos como coreógrafos, tanto no território nacional como no internacional, tem permitido o seu crescimento e afirmação no meio artístico.

 

Concerto João Pires

Com uma proposta inédita, o Casino Lisboa propõe, a 29 de Setembro, um concerto protagonizado por João Pires. A música de João Pires não é mais que um reflexo do português que já andou pelos quatro cantos do mundo. Define-se como cantautor e o seu repertório varia entre a canção e a música instrumental: "A guitarra é o meu instrumento, faço música portuguesa deixando-a influenciar-se por outras linguagens que a minha vivência me trouxe e traz."

 

Na sua discografia constam os álbuns "Caminhar" e "Coladera", projecto eleito pelo site/revista brasileiro "Embrulhador" como um dos 100 melhores álbuns de 2014. Foi, também, distinguido pela imprensa portuguesa, pela "BBC6 Radio" no programa de Gilles Petterson e pela rádio parisiense "Lusophonie".

 

Arena Lounge – Palco-multiusos

Com propostas sempre diferentes, o Casino Lisboa acolhe, ainda, de Sexta-Feira a Domingo, diferentes sets de música ao vivo que serão protagonizados pelos Chronicle News, Bossa Morna, Tamla, Stacat, e pelos Sal, Pimenta e Cacau. A animação musical será consolidada, de Quinta-Feira a Sábado, pouco depois da meia-noite, com as actuações de conhecidos Dj’s que selecionam criteriosamente os ritmos mais adequados pela noite dentro.

 

Bandas

 

- De 16 a 18 de Setembro - Tamla

- De 23 a 25 de Setembro - Stacat

- De 30 de Setembro a 2 de Outubro - Sal, Pimenta & Cacau

 

 

Arena Lounge - Jukebox

No Arena Lounge, a Juke Box assume, pouco depois da meia-noite, o protagonismo dos serões do Casino Lisboa. São conhecidos DJ’s que seleccionam criteriosamente os melhores ritmos pela noite dentro. A entrada é livre.

 

Programa de Setembro

 

17 - Mr Mute

 

22 - Pelota

23 - Luis Patraquim

24 - Bruno Safara

 

29 - Mário Valente

30 - John Holmes

 

A NOITE MAIS FASHION ESTÁ A CHEGAR AO FORUM AVEIRO

Cartaz_Fashion%20Night.jpg

 

 

Para uma grande noite de compras, o Forum Aveiro vai ser o teu ponto de encontro.

 

O Forum Aveiro vai promover, no próximo dia 30 de setembro, das 18H30 às 24H00, uma experiência de compras única – Fashion Night by Forum Aveiro. Nesta temporada, o Forum Aveiro decidiu apostar num conceito diferente para apresentar as coleções outono-inverno das suas marcas. Num evento dedicado à moda e às compras, o Forum Aveiro preparou uma festa com animação permanente, repleta de atividades e muitas surpresas.

 

Será uma noite de experiências integradas no mundo da moda e do Lifestyle, onde os visitantes terão acesso a ofertas exclusivas, degustações, experiências de beleza e make-up, silent concerts, tattoos, animações e o contacto com figuras públicas. Isabel Silva e Luís Borges já confirmaram presença nesta grande festa.

 

As ações estarão distribuídas pelo Forum Aveiro em diferentes ambientes. Os visitantes poderão encontrar: os Style Corners, criados para as experimentações e ativações dos lojistas e marcas parceiras; o Style Lounge, que funcionará como zona VIP, mais reservada, com bar e animação musical; o Style Garden, no Jardim Superior, onde estarão dois DJs a realizar as silent sessions; haverá também o Style Catwalk, um espaço criado para as lojas desfilarem as suas peças da nova estação; e o Style Gourmet dedicado a degustações e workshops com um Chef de renome na zona da restauração. 

 

Este ano, a música está também em destaque. Às 21H00 um DJ Mega Hits – rádio oficial do evento – irá animar o espaço, convidando todos os clientes a vibrar ao som dos grandes êxitos do ano.

 

Venha viver uma noite ao seu estilo.

Jorge Palma e grandes estrelas de Terry O’Neill juntos no Dia Mundial da Música

image001 (2).jpg

 

Dia 1 de Outubro, o Centro Colombo oferece o melhor da música aos seus visitantes

 

É já no próximo dia 1 de outubro, Dia Mundial da Música, às 19h00, que o Centro Colombo vai surpreender todos os visitantes com um espetáculo de Jorge Palma. Aquele que é um dos maiores artistas do panorama nacional vai presentear todos os curiosos e amantes da música com um concerto em que para além dos seus temas icónicos, brindará também o público com alguns dos melhores hits dos grandes músicos internacionais do século XX, fotografados e representados na Exposição de Terry O’Neill - “Faces of the Stars”, como os The Rolling Stones, Beatles, Paul McCartney, entre outros. Mais uma vez, A Arte Chegou ao Colombo alia-se à música e o Centro Colombo oferece aos seus visitantes a oportunidade única de ouvir e viver o melhor da música, na voz de um dos maiores artistas portugueses, com entrada gratuita.

Jorge Palma na voz, no piano e na guitarra acústica será, claramente, o protagonista desta celebração. Mas o artista não vem sozinho. Juntam-se a ele outros músicos excecionais: Pedro Vidal na guitarra elétrica e no banjo, Pedro Santos no baixo e Pedro Vasconcelos na bateria. E, também ele “Palma”, na guitarra acústica, hammond e piano, neste caso filho de Jorge Palma, Vicente Palma.

Este concerto, que comemora o Dia Mundial da Música, é também o marco do encerramento da 6ª edição do projeto “A Arte Chegou ao Colombo” que, este ano, no âmbito das comemorações que assinalam o Ano do Cinema e Audiovisual Português, reuniu pela primeira vez em Lisboa uma coleção de 50 fotografias dos grandes ícones da Música, Cinema e Moda do século XX. A Exposição de Terry O’Neill – Faces of the Stars, assinala mais uma edição de sucesso do projeto A Arte Chegou ao Colombo que, até ao momento, conta com cerca de 180 mil visitantes.

 

 

 

Exposição "(Co)Habitar" :: Inauguração Casa da América Latina e UCCLA

A Casa da América Latina e a UCCLA - União de Cidades Capitais de Língua Portuguesa vão inaugurar, no dia 30 de setembro a sua nova sede conjunta na Avenida da Índia, nº110, Lisboa.
 
A cerimónia oficial vai decorrer pelas 12h00, contando com a presença do Primeiro-Ministro, António Costa, do ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, do ministro da Cultura, Luís Filipe de Castro Mendes, da secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, Teresa Ribeiro, do presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, do presidente da Câmara de Maputo, David Simango, assim como de altas personalidades de referência nacional e das cidades que representam as duas instituições.

headercohabitar (2).jpg

 

No mesmo dia, será também inaugurada, pelas 18h30, num cocktail aberto ao público em geral, a exposição de arte contemporânea "(Co)Habitar". Esta reúne um conjunto de obras da autoria das artistas Lia Chaia (br) e Andrea Brandão (pt), que exploram o espaço habitável em diferentes vertentes.
 
Além de pensar a partilha do espaço por parte das duas instituições, nesta nova sede, a exposição propõe uma reflexão sobre a cidade como espaço heterogéneo, constituído por múltiplas camadas em constante conflito, mas também adaptação, articulação e encontro.
 
Serão ainda apresentados vídeos de Daniel Barroca, Eurídice Kala, Cinthia Marcelle, e Carolina Saquelperformances de Joana Bastos, Lia Chaia e Eurídice Kala, ao longo de uma programação paralela que inicia no dia seguinte (1 de outubro) e se estende até 30 janeiro de 2017.
 
 

ExposicaoJesusCristoEmSari

O SORRISO DE CRISTO EM SARI

de Philippe Pons

17 a 30 de Setembro 2016 · Mouraria?

 

071dde5f-d3e6-4b0d-89fc-8b27ea7c33a8.png

 

Inauguração · 17 de Setembro                                                                 

 

 

É na Mouraria, bairro onde a comunidade Indiana tem grande representação em Portugal, que se acolhe uma exposição fruto das fotografias e textos poéticos que compõem o livro O Sorriso de Cristo em Sari. Depois de uma longa viagem com paragens em Goa, nas ilhas de Diu e de Damão e no estado do Kerala -antigas colónias portuguesas do Séc. XV-, o fotógrafo viajante Philippe Pons apresenta-nos um trabalho que representa uma história desenvolvida há mais de 500 anos entre duas culturas que tudo parecia opor e cujo contacto se afiguraria improvável. 

A estes “instantâneos” juntam-se os textos do poeta Philippe Despeysses, que reactivam a história das origens do caminho marítimo para o subcontinente indiano. A Mouraria como pátria, pois além de ser o actual lar de numerosas famílias de origem indiana, mostra agora nas suas ruas um passado em forma de imagens fotográficas, numa visão do autor sobre a herança cultural portuguesa nas antigas feitorias indianas. 

...

Fotografia · Philippe Pons
Nasceu em Sarlat em 1962, actualmente vive e trabalha em Périgord. Formado em Belas Artes na Escola de Toulouse, produz, desde 1989, diferentes trabalhos artísticos em vários países da Europa, Ásia e África. 

Textos · Philippe Despeysses 
Nasceu em Ardèche em 1950. Mora em Lisboa há 10 anos e exerce uma atividade de escritor caminhante, poeta e jornalista. 

Tradução · Fernando Couto e Santos
Professor de português e francês, tradutor e crítico literário. 

 

Fui dar uma volta

CapaPeq_Indochina.jpg

 

INDOCHINA – fui dar uma volta

de Jorge Vassalo.

440 páginas / PVP 16,90€

O livro Indochina não é só uma emocionante colecção de histórias de viagem, encontros e desencontros, curiosidades e peripécias várias. É uma viagem em si mesmo que põe à prova os sentidos, as emoções e as opiniões. E é também uma ferramenta essencial para quem planeia viajar no Vietname, Camboja e Laos, pois inclui dicas e sugestões de quem conhece esta zona do mundo como poucos.

Ao longo do livro, o leitor tanto será transportado para um comboio preso no meio de um furacão como será testemunha de momentos tensos de um assalto a meio da noite. Mas poderá também anotar receitas, aprender sobre religião e mitologia ou debater a relação dos turistas com as crianças locais ou com os elefantes.

Para uns, este livro será um eco da viagem que fizeram em tempos. Para outros, a projecção de um plano concreto – ou de um sonho –, da aventura que vão viver um dia. Seja como for, é um livro aberto, que não se esgota nas palavras impressas. Sublinhe o que achar essencial, acrescente notas, opiniões, mapas e bilhetes.

Jorge Vassallo nasceu em Lisboa, mas viveu e cresceu em Sintra, rodeado de magia e nevoeiro,  a ouvir histórias da Índia portuguesa, a ver filmes  do Indiana Jones, a ler as aventuras de Júlio Verne e os livros de Salman Rushdie. Gosta de histórias, de personagens, de cenários e das relações entre uns e outros. E gosta de pôr todos os sentidos à prova – a curiosidade é a grande força que o leva a viajar. Licenciado em Marketing e Publicidade, fez também um curso de Escrita Criativa e, nos anos em que trabalhou como copywriter em publicidade, lançou-se em aventuras várias pela Europa... e estreou-se  na Ásia em 2001. Foi amor à primeira vista. 

Centro Cultural Vila Flor comemora 11º aniversário durante todo o mês de setembro

 

image001 (2).jpg

 

 

 

No Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães, setembro significa início, reencontro e celebração. E também oportunidade para dar forma ao futuro. Início, porque uma nova temporada artística se anuncia. Reencontro, porque é o regresso à cidade e à vivência em comunidade. E celebração, porque o CCVF avança para o ano onze da sua existência. Ano ímpar e capicua. Por isso mesmo, o mês inteiro é dedicado à celebração.

 

Como já é hábito, a nova temporada do Centro Cultural Vila Flor abre com uma convocatória de caráter ritualista dos tempos modernos, o Manta, logo no primeiro fim de semana do mês. Um encontro no jardim que liga o Palácio Vila Flor ao Centro Cultural, para se estender a Manta e sentir o poder universal da música de forma livre, próxima e jubilatória. Um conceito muito especial que congrega artistas e público para o centro das manifestações artísticas, num anfiteatro natural com cenário arquitetónico singular.

 

No dia 02 de setembro, o Manta chama ao palco os Capitão Fausto que trazem o novo álbum, “Capitão Fausto têm os dias contados”. Um disco sublime, com letras assertivas, mas que não perdem um certo lirismo. Um dos mais belos discos do ano ganha vida em cima da frescura da relva. Antes de Capitão Fausto, o evento recebe Valter Lobo.

Na noite seguinte, 03 de setembro, uma lenda viva do rock atua no idílico jardim do CCVF. The Thurston Moore Group, que tem à cabeça o líder da mítica banda Sonic Youth, mostra que o seu entusiasmo em fazer grandes músicas permanece intacto. O músico apresenta, com a sua banda, o mais recente trabalho, “Rock’N’Roll Consciousness”. Alek Rein é o primeiro a subir ao palco nessa noite.

 

Do jardim para o Grande Auditório, em dia de aniversário do CCVF, 17 de setembro, evoca-se um ícone da cultura europeia, Edith Piaf, através da música teatral dos magníficos The Tiger Lillies, que acabam de publicar o seu mais recente trabalho com base no legado da cantora, assinalando também o centenário do seu nascimento. Uma obra imortal revisitada em tons contemporâneos por um trio altamente sedutor em concerto único. O universo de The Tiger Lillies é negro e peculiar, com momentos que passam pela tristeza profunda, pela beleza imensa ou ainda por um humor controverso. Para assinalar o seu 11º aniversário, o Centro Cultural Vila Flor oferece ao público este concerto, que aqui se apresenta em estreia nacional. A entrada é livre mediante o levantamento prévio de bilhetes.

 

E como um aniversário sem festa se configuraria numa celebração incompleta, o CCVF abre espaço à dança e ao regresso de Paulo Ribeiro. No dia 24 de setembro, o Grande Auditório acolhe “A festa (da insignificância)”, criação que se assume como uma festa, na qual o coreógrafo tem a pretensão de dar corpo às motivações interiores e secretas, dar corpo à utopia, à expetativa e à vontade de criar uma plataforma de entendimentos e cumplicidades. Também este espetáculo é uma comemoração em si mesmo, ao marcar os 20 anos da companhia do coreógrafo que aqui comprova estar em grande forma criativa.

 

No fecho da celebração de mês inteiro, teremos teatro. Uma estreia absoluta em regime de coprodução, “Força Humana”, apresenta-se no dia 30 de setembro, na Black Box da Plataforma das Artes e da Criatividade. A peça parte da experiência sentida na Capital Europeia da Cultura através da leitura de “Os Lusíadas” por António Fonseca, que agora utilizando esse património se lança em nova criação com outro ator, José Neves, e música de Paulo Furtado. Um lastro interessante que vem de 2012 e agora se volta a manifestar de outra forma original num incessante processo de construção imaterial. “Força Humana” parte do desejo de encontrar, na vastidão do poema épico, as pistas de decifração do Portugal contemporâneo.

 

Ainda no âmbito deste espetáculo, o Serviço Educativo programa, nos dias 26 e 27, às 18h00, “Ler|Dizer Os Lusíadas”, uma oficina direcionada para professores e alunos do ensino secundário. Na primeira sessão da oficina, António Fonseca fará uma introdução geral ao poema e ao modo de abordagem, centrado na oralização e na apropriação da linguagem poética. Segue-se um trabalho prático, orientado por António Fonseca e José Neves, que incluirá a leitura partilhada e o ensaio de dois episódios escolhidos.

 

Assim traduzimos e transferimos, dos artistas para o público, a força da criação e a competência das várias artes na transformação de um território virado ao mundo, Guimarães, que celebra as suas raízes, reinventando-as. E se o onze é só um ponto de passagem para o doze... então que a jornada seja de vivência plena.

“Escola de Bruxas 3 – A última aula” promove sorrisos mais saudáveis

6X3_BRUXAS%203.jpg

 

Ação de rastreio na área da saúde oral no Teatro Independente de Oeiras

 

“Escola de Bruxas 3 – A última aula” promove sorrisos mais saudáveis

 

 

O Teatro Independente Oeiras, que tem proporcionado aos seus espectadores muitos sorrisos, ao longo dos seus 26 anos de atividade, associa-se através do musical para toda a família “Escola de Bruxas 3 – A última aula”, de Pedro Almeida Ribeiro - em cena no Teatro Independente de Oeiras, de 1 de outubro a 18 de dezembro, sábados e domingos, às 15h30 - a uma ação de rastreio na área da saúde oral para que muito mais famílias possam aplaudir os seus espetáculos de sorriso rasgado e saudável. Todos os espetadores têm acesso à ação de rastreio, mediante inscrição, antes do início de cada sessão.

 

Contribuir para a identificação precoce de patologias graves do foro oral é a causa pela qual a companhia e elenco do musical “Escola de Bruxas 3 - A última aula” se mobilizou, para que cada vez mais crianças e respetivas famílias possam ter acesso a informação e cuidados na área da saúde oral.

 

A ação de rastreio resulta da junção de esforços entre o Teatro Independente de Oeiras e um grupo de clínicas dentárias que assegura a máxima qualidade e segurança em todos os procedimentos.

 

Carlos d’Almeida Ribeiro, Diretor e Encenador da peça, esclarece que “A sequela “Escola de Bruxas” já fez sorrir cerca de 24 mil crianças e acreditamos que vá fazer sorrir muitas mais, nesta que é a terceira edição.

A higiene oral é também uma questão cultural. Colocar a cultura ao serviço da saúde e vice-versa foi encarado pela Companhia T.I.O. – Teatro Independente de Oeiras, como uma ação pertinente e necessária. Os nossos espetáculos acolhem centenas de crianças e algumas, infelizmente, por falta de informação ou recursos dos seus encarregados de educação, sorriem constrangidas. Ao abrirmos portas a esta ação de rastreio pretendemos que muito mais crianças possam assistir ao nosso espetáculo com um sorriso feliz e saudável.”

 

Os bilhetes para o musical infantil “Escola de Bruxas 3 – A última aula” já se encontram à venda. Para mais informações consulte o sitewww.teatrodeoeiras.com

 

“Escola de Bruxas 3 – A última aula”

Sinopse

 

Nas profundezas da floresta de Bruxeville continua a existir um lugar misterioso onde se pode aprender a fazer poções, feitiços, encantamentos e maldições. A Escola de Bruxas é o local ideal para se aprender a ser uma bruxa a sério. Bruxas e bruxos é claro! Uns melhores, outros piores mas todos com uma vontade imensa de terminar o curso e assim ficarem com a licença para trabalhar no ofício que escolheram. Desta vez, na Escola mais conhecida de Bruxeville, está a chegar ao fim mais um curso e bruxas e bruxos mais conhecidos vão finalmente saber, na sua última aula, para onde vão trabalhar.

Agora formados, os alunos bruxos irão ser colocados pela directora Gertrudes nos mais distintos e importantes cargos mundiais.

Gertrudes reforma-se e irá para os confins da floresta negra com o seu novo amor – Pirolito.

Porém Pirolito dá a terrível informação a Gestrudes que o seu gato cuspidor de estimação morreu. Numa procura pelo autor de tão horrível feito descobre-se que todos têm planos secretos para descobrir o que se passou.

 

"Palavras na nossa terra" - Almeida Garrett | Biblioteca Municipal de Pinhal Novo - 30 de setembro

image001 (4).jpg

 


 Almeida Garrett é o poeta em debate na tertúlia poética de setembro

A tertúlia poética que se reúne, mensalmente, na Biblioteca Municipal de Pinhal Novo, debruça-se, no dia 30 de setembro, sobre a vida e obra de Almeida Garrett. O encontro decorre às 21 horas e presta homenagem ao poeta portuense, nascido em 1799, que dedicou a sua vida à política, ao jornalismo e à literatura, sendo um dos fundadores do romantismo português.
João Batista da Silva Leitão foi feito Visconde de Almeida Garrett em 1851 e nomeado Par do Reino, na sequência do apoio a D. Pedro, que lhe valera, já, no passado, o exílio para França e, mais tarde, Inglaterra. O seu empenho na vida política e cívica está intimamente ligado à sua produção literária, que retrata o período conturbado e reformista vivido em Portugal. Na sua obra, destaque para os poemas "Camões" (1825) e "Dona Branca" (1826), na base do movimento romântico nacional, e para "Viagens na Minha Terra" (1843), considerada a primeira narrativa moderna portuguesa.
Bocage, Sebastião da Gama, Camões e Calafate são alguns dos nomes já evocados nestas tertúlias, que apostam na divulgação da poesia e da literatura, em geral, procurando incentivar a escrita, divulgar a grande poesia e criar experiências inovadoras de escrita, pessoal e coletiva. José Régio será o autor a estudar em outubro.

A EGEAC apresenta LISBOA NA RUA | 25 agosto a 1 outubro

image001.jpg

 

A EGEAC apresenta o Lisboa na Rua, o festival de artes e cultura fora de portas

 

25 de agosto a 1 de outubro

 

É já a partir de dia 25 de agosto que as ruas, praças, jardins e recantos de Lisboa serão palco de um festival para todos que inclui música, cinema, teatro, literatura, exposições, instalações e visitas literárias, culminando, no dia 1 de outubro, Dia Mundial da Música.

Organizado pela EGEAC (Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural, E.M), e apoiado pelo Turismo de Portugal, o festival estende-se a várias zonas da cidade, mantendo a programação gratuita e de acesso livre.

 

"Lisboa na Rua é um festival que permite a qualquer pessoa assistir de forma totalmente livre e gratuita a espetáculos que normalmente não se passam na rua e não são gratuitos, como a apresentação integral das sinfonias de Beethoven, em quatro concertos ao ar livre. Nesta edição alargámos o festival a zonas como São Domingos de Benfica, Carnide e Lumiar, porque é importante mostrar que a cidade é mais do que o seu centro histórico", frisa a Presidente do Conselho de Administração da EGEAC, Joana Gomes Cardoso.

 

Ao longo dos cinco fins de semana, o festival irá acolher bandas de jazz de várias proveniências, fará soar o fado pelas vozes consagradas de Gisela João, de Camané e de Carlos do Carmo e trará para a rua grandes orquestras como a Gulbenkian e a Metropolitana, esta última apresentará em quatro dias seguidos a integral das sinfonias de Beethoven, algo que só aconteceu em 1973 e nunca na rua.

 

Ainda nas sonoridades, o Jardim da Tapada das Necessidades será transformado para acolher o inédito Lisboa Soa, um festival dedicado à arte sonora, com performances, concertos e debates sobre o ambiente acústico que nos rodeia.
Já o grande ecrã irá instalar-se, pela primeira vez, no jardim do Palácio Pimenta do Museu de Lisboa, no Campo Grande. A estreia do ciclo CineCidade irá exibir filmes clássicos e icónicos, como o E.T. ou Os Verdes Anos, em noites mágicas de cinema ao ar livre.

 

E porque muito se descobre a calcorrear as ruas e esquinas, o Lisboa na Rua lança também passeios literários pela mão de alguns dos escritores e ilustradores que deram corpo e forma ao Guia Ler e Ver Lisboa, com que a EGEAC assinalou os seus 20 anos.

 

O programa Lisboa na Rua pode ser consultado em: www.lisboanarua.com