Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Foi um verdadeiro Festim, no palco e fora dele!

Terminou a grande viagem da 9ª edição do Festim, numa região unida pela música.

image.png

 

Ílhavo acolheu e celebrou a última noite do Festim 2017. Foto @ Ana Filipa Flores



Das Américas à Mongólia, com muita e boa África. Um mês depois, a nona edição do Festim chegou ao fim no último sábado, em Ílhavo, após 14 concertos, que entusiasmaram plateias nas melhores salas da região e em vários recintos ao ar livre. O cartaz deste ano incluiu sete grandes nomes, que levaram milhares a viver esta festiva viagem pelas músicas do mundo.

 

Pela região passaram sete grandes nomes das músicas do mundo, em 14 grandes concertos. A 9ª edição do Festim – festival intermunicipal de músicas do mundo começou a 22 de junho e terminou no último sábado (21 de julho), numa viagem onde embarcaram mais de seis mil pessoas e que passou por sete Municípios parceiros: Águeda, Albergaria-a-Velha, Sever do Vouga, Ovar, Estarreja, Ílhavo e Oliveira do Bairro.
 
Para terminar a nona edição da melhor forma, a Kočani Orkestar (Macedónia) fez uma verdadeira festa, no palco e fora dele. Primeiro em Águeda e depois em Ílhavo, um novo palco do festival.  Foi Festim à primeira visita. Recuando um mês, a abertura do evento estivera a cargo do guitarrista brasileiro Yamandu Costa, que arrebatou o público com a sua técnica absolutamente virtuosa. Do Níger, Bombino marcou presença com dois concertos bem ao estilo tuaregue, e nem a chuva afastou os seguidores do seu blues rock exótico. O momento mais encantador desta edição chegou pela voz da afro-peruana Susana Baca. Depois, diretamente de Nova Iorque, o Festim recebeu o folk blues de Hazmat Modine em três noites de triunfo. No penúltimo fim-de-semana de Festim, a cabo-verdiana Lura levou o público a navegar pelas ilhas de Cabo Verde, em duas noites de muita dança. Violons Barbares (Mongólia, Bulgária e França) também fizeram parte do cartaz deste ano, surpreendendo todos com os seus ritmos galopantes, num concerto único em Sever do Vouga.
 
O modelo partilhado deste festival, iniciativa da d’Orfeu AC, envolvendo 7 Municípios parceiros, juntamente com o apoio oficial do Ministério da Cultura / Direção-Geral das Artes, viabiliza a presença na região de grupos e artistas de uma dimensão surpreendente. O Festim é o único festival português a integrar a rede europeia “European Forum of Worldwide Music Festivals” e recebeu este ano, pela segunda vez, o selo de qualidade EFFE - Europe for Festivals, Festivals for Europe.

Os actores de João Garcia Miguel abraçam a Tempestade em várias cidades de Portugal

Almadatemp_1_BR3.JPG

 

Companhia João Garcia Miguel (Cia JGM) já trabalha a rentrée. 
Depois de ter estreado em Aveiro e ter subido ao palco do Festival de Teatro de Almada, a Tempestade estende-se a outras cidades do país. Esta história de vingança e de amor, uma metáfora emocional reinventada a partir do texto clássico de Shakespeare (A Tempestade), sobe a outros palcos, já a partir de Outubro: Matosinhos, Torres Vedras e Lisboa são as cidades eleitas.

PEU DEL REY | Estreia do single “Nem Pense Em Duvidar"

 

 

Detentor de um nome artístico suis generis, de um chapéu de palha do qual parece ser inseparável e, acima de tudo, de um talento incomensurável Peu Del Rey estreia-se entre nós com o positivo single “Nem Pense Em Duvidar”, mostrando-nos quão importante é acreditarmos em nós mesmos e nos nossos sonhos!

 

Depois de ter editado três EP’s (“Atlântico”, “Peu Del Rey” e mais recentemente “Nem Pense Em Duvidar”) encontra-se a ultimar o lançamento do seu próximo projeto, um registo audiovisual, totalmente gravado no estúdio Costella, em Sampa. Este single antecipa uma digressão que o trará aos palcos nacionais, tudo com o selo de qualidade da Music For All.

As artes em festa no 12º aniversário do Centro Cultural Vila Flor

CCVF abre temporada a comemorar 12 anos, com destaque para a companhia belga Peeping Tom que se apresenta a 17 de setembro,

e revela destaques da programação dos próximos meses

 

 

image002.jpg

 

Setembro, mês que assinala os 12 anos do Centro Cultural Vila Flor, é prenúncio de celebração artística com lastro até ao final do ano. Para abrir da melhor forma a temporada 2017/2018, os jardins do CCVF convocam-nos para a 11ª edição do Manta a 01 e 02 de setembro que, este ano, recebe os carismáticos Dead Combo em formato trio, uma rara aparição da cantora Lula Pena, o universo encantatório de Noiserv e a artista canadiana em ascensão Lydia Ainsworth. A 17 de setembro, data que marca a abertura do CCVF, todas as atenções se viram para o regresso da conceituada companhia belga Peeping Tom, com o seu mais recente espetáculo “Moeder” (Mãe), internacionalmente aclamado pela crítica. A programação estende-se mês adentro, dia 23 com “O Pato Selvagem”, obra de Ibsen encenada por Tiago Guedes, e dia 30 com “Operários”, de Miguel Moreira e Romeu Runa (Útero). Avançando para o último trimestre do ano, destaca-se na música a 26ª edição do Guimarães Jazz e o segundo tomo do ciclo “SOM de GMR”. Nas artes visuais, novas exposições no CIAJG. No teatro e na dança, relevo para as novas criações do Teatro Oficina, Nuno Cardoso, Raquel Castro, João dos Santos Martins com Rita Natálio e Companhia Paulo Ribeiro, as 3 últimas em regime de coprodução.

 

As primeiras canções da nova temporada fazem-se ouvir no tapete verde do CCVF que volta a acolher o Manta logo no primeiro fim de semana de setembro. O Manta chega aos 11 anos de existência mantendo intacta a missão de convocar todas as gerações para um só lugar, o jardim do Centro Cultural Vila Flor, vivenciando arte e cultura. No palco, encontraremos artistas da nova geração a par de outros já estabelecidos que dispensam qualquer apresentação.

 

No dia 01 de setembro, a partir das 21h30, a celebração na relva faz-se ao som das canções sublimes de Noiserv e Lydia Ainsworth. Propostas que nos apresentam a música pop na sua forma mais contemplativa. Se David Santos, reconhecido como Noiserv, vem ao Manta com o seu mais recente projeto, descrito pelo músico como “a banda sonora para um filme que ainda não existe, mas que talvez um dia venha a existir”, já a canadiana Lydia Ainsworth, que tocará em trio, promete revelar por que razão a sua carreira vai ganhando um fulgor internacional cada vez maior. A cantora e compositora sobe ao palco com os temas do mais recente álbum, “Darling of the Afterglow”. Canções simples, mas ao mesmo tempo majestosas e exuberantes. No segundo dia de concertos, à mesma hora, o regresso dos Dead Combo – 10 anos depois da sua presença na 1ª edição do Manta – será certamente especial, desta vez com a particularidade de Tó Trips e Pedro Gonçalves surgirem em formato trio na companhia do baterista Alexandre Frazão. A noite de sábado abre com Lula Pena, artista nascida em Portugal mas criada no mundo, alvo de culto por um crescente número de seguidores, que nesta noite nos traz o seu novo álbum, “Archivo Pittoresco”. A sua voz é inquietante e comovente, o seu estilo na guitarra é único, a sua abordagem é profundamente emocional.

 

A 17 de setembro, às 21h30, o CCVF celebra o seu 12º aniversário com um espetáculo verdadeiramente marcante, que assinala também o regresso a Guimarães da consagrada companhia belga Peeping Tom, que neste dia levará a sua última criação ao palco do Grande Auditório. “Moeder” (Mãe) é a segunda parte de uma trilogia que se iniciou em 2014 com “Vader” (Pai) – peça a apresentar no CCVF em 2018 – e que fechará em 2019 com “Kinderen” (Filhos). Num espaço cénico hiper-realista, “Moeder” cruza o teatro, a dança e o cinema, para nos levar numa viagem à condição humana. A peça cria conexões que inundam o limite entre sofrimento, luto e festejo, entre manter ou deixar ir, estrutura e loucura. Passado, presente e futuro tentam desesperadamente aguentar o tempo cíclico de um arquétipo da natureza humana: a figura da mãe. Os bilhetes para este espetáculo podem ser adquiridos pelo valor de 12,12 euros, numa alusão ao 12º aniversário do CCVF.

 

Nesta nova temporada, o teatro desperta às 21h30 do dia 23 de setembro com “O Pato Selvagem”. Um elenco de luxo dá vida ao icónico texto de Henrik Ibsen, escrito em 1884, que surge agora em cena pela apurada visão estética do encenador Tiago Guedes. A peça gira em torno de várias questões morais que a todos assolam e que fazem parte do quotidiano. O que será melhor? Viver em harmonia sob a fina película de uma mentira ou sofrer com a realidade de uma verdade que tudo põe em causa? Considerado por muitos o melhor e mais profundo texto de Ibsen, “O Pato Selvagem” é uma peça carregada de simbolismo, que questiona o significado da verdade nas nossas vidas.

 

A fechar o mês, a 30 de setembro, às 21h30, Miguel Moreira e Romeu Runa apresentam “Operários”. A assinalar 20 anos de percurso criativo, o Útero liga-se às duas cidades que mais contribuíram para o seu crescimento, Almada e Guimarães. Lugares de uma relação forte com as fábricas e os trabalhadores que diariamente lutam pela vida e sua dignidade. “Operários” é uma homenagem aos trabalhadores fabris que, tal como os artistas, pensam o mundo na sua imensa fragilidade e força de transformação.

 

Se setembro é fértil em propostas no domínio das várias artes, os últimos meses de 2017 prometem um calendário cultural intenso diversificado. Música, artes visuais, teatro, dança, tudo se conjuga no programa deste último trimestre. O ciclo SOM de GMR propõe uma segunda e última ronda de atuações, com os This Penguin Can Fly (13 outubro), Ana (03 novembro) e Smartini (01 dezembro) no Café Concerto do CCVF. Também na música, em inevitável destaque surge o Guimarães Jazz, que se apresenta para a sua 26ª edição entre os dias 08 e 18 de novembro. A Casa da Memória de Guimarães (CDMG), centro de interpretação e conhecimento, continua a explorar a memória da cidade enquanto território e a memória das pessoas que escrevem a sua existência nesta cidade, em permanência ou de passagem, através da sua programação regular e das suas exposições.

 

O Centro Internacional das Artes José de Guimarães (CIAJG) terá novas exposições que poderão ser descobertas pelo público a partir de 27 de outubro. Na área das artes performativas, o Teatro Oficina leva à cena uma nova criação a 28 e 29 de outubro, “Auto das Máscaras”, em relação com a coleção de José de Guimarães patente no CIAJG. A 04 de outubro, o CCVF acolhe uma coprodução no âmbito da rede 5 Sentidos, “O Olhar de Milhões”, espetáculo da criadora de Raquel Castro. Continuando pelas artes de palco, Nuno Cardoso apresenta a 08 de dezembro a sua mais recente criação, “Canas de Senhorim”, um trabalho que completa a trilogia “A vida, a morte e Canas de Senhorim”, numa referência à vila beirã onde nasceu. Uma oportunidade para ver o encenador vestir a pele de intérprete. Saltando para a dança, importa referir duas coproduções do CCVF. A 20 de outubro, João dos Santos Martins apresenta um novo projeto em colaboração com Rita Natálio, “Antropocenas”. O movimento dos corpos não esmorece e a 25 de novembro (a Companhia) Paulo Ribeiro traz a Guimarães a sua nova peça “Never Stop Searching, walking with Kylián”, espetáculo criado em homenagem ao importante coreógrafo internacional Jiří Kylián.

 

Na nova temporada do CCVF, os espetáculos apresentados nos auditórios passarão a ter início às 21h30 e no Café Concerto às 23h00. Os bilhetes poderão ser adquiridos, como habitualmente, nas bilheteiras do Centro Cultural Vila Flor, da Plataforma das Artes e da Criatividade e da Casa da Memória de Guimarães, bem como nas lojas Fnac e El Corte Inglês, entre outros pontos de vendas, e na internet em www.ccvf.pt e oficina.bol.pt.

 

De relevar ainda que, na temporada de 2016/2017, o Centro de Criação de Candoso acolheu um total de 25 residências artísticas. O Centro Cultural Vila Flor foi coprodutor de 15 criações e acolheu no seu palco 28 estreias de espetáculos.

Festival da Água e do Tempo - Clepsidra.

A Associação Burgo Pedestal e a Câmara Municipal de Castelo de Vide realizam de 3 a 6 de agosto de 2017 a primeira edição do Festival da Água e do Tempo - Clepsidra.
Através de instalações de escultura, fotografia, pintura, teatro e vídeo arte espalhadas por vários pontos chaves da vila, como fontes, praças, igrejas e castelo, cada artista irá exibir a sua instalação ao longo dos 4 dias de festival, criando-se ambientes de simbologia, de reflexão e de inspiração.


Stormborn: da estratégia ao ataque inesperado, no Syfy

A Guerra dos Tronos está de volta com o 2º episódio com muitas promessas, imprevisibilidade e desafios. Tudo o que parecia delineado, já não o é...

gameofthrones.png

 

O 62º episódio da série e segundo episódio da nova temporada, com o titulo de “Stormborn”, começou pelas 22h15 no Syfy!

Os primeiros momentos da série passam-se em Dragonstone, onde Daenerys planeia a estratégia. Para além da Mãe dos Dragões duvidar da lealdade de Varys, alguém inesperado chega a Dragonstone. Melisandre, a serva do Senhor da Luz, pede a Daenerys que convoque o Rei do Norte.

No Norte, Jon, Sansa e Davos discutem sobre esta convocação e qual a melhor estratégia, pois ponderam que seja uma armadilha. Mesmo sem o apoio de Sansa, Jon Snow decide encontrar-se com Daenerys, deixando Winterfell nas mãos da sua irmã.

Passando para Kings Landing, Cersei nunca sentiu tanta vontade de vencer e tenta arranjar aliados para combater todos aqueles que se atravessarem no seu caminho.

Dos momentos mais emocionantes do segundo episódio, o reencontro de Arya com a sua loba Nymeria, que não pode continuar o caminho com Arya, Tal como ela, já não pode ser domesticada e tem que seguir o seu caminho.

Apesar de toda estratégia para a conquista do trono, os últimos minutos do episódio representam uma grande reviravolta nos planos de Daenerys e os seus aliados. Um dos maiores vilões desta temporada, Euron Greyjoy, ataca a frota dos seus sobrinhos Yara e Theon. Este, mata as filhas de Ellia, tornando-a juntamente com a sobrinha suas prisioneiras, enquanto o seu sobrinho atira-se do barco por ter demasiado medo da situação.

E assim acaba o segundo episódio da 7ª Temporada, para além da estratégia e dos planos falhados, as mulheres da série encontram-se em completo domínio de A Guerra dos Tronos.

O próximo episódio já tem o nome de “The Queen´s Justice”.

Não perca, todas as segundas-feiras às 22h15, novos episódios da 7ªTemporada de A Guerra dos Tronos, no Syfy.

 

#WinterIsHere

#GOT

#GoTS7 estreia a 17.01.17 #SóNoSyfy@SyfyPT

Estas séries e filmes podem ser vistos nos seguintes operadores de televisão por cabo: 

Meo: Syfy HD: Posição 86 // Syfy: Posição 87
NOS: Syfy HD: Posição 90
Vodafone TV: Syfy HD: Posição 101 // Syfy: Posição 102

Toda a informação sobre estas séries e filmes está disponível na página web do Syfy, ou no FacebookInstagram e Twitter do canal.

Com a estreia da 7ª temporada de “A Guerra dos Tronos”, uma das séries de televisão mais épicas da atualidade, o Syfy e o MEO desenvolvem uma parceria que procura envolver toda a comunidade de fãs da série.

BEA | Single de Estreia

 

 

A Music For All orgulha-se de apresentar aquela que promete ser a próxima sensação da música nacional. Dá pelo nome de BEA e estreia agora o seu primeiro single, "Don't Care". Esta é uma autêntica onda de rebeldia e festa mergulhada numa sonoridade pop, r&b e soul, criando uma identidade marcada pela atitude, poder e sensualidade.

 

A cantora revela-se ao público português num tema que antecipa a edição do seu EP de Estreia, com edição marcada para o último trimestre de 2017.

CMB acaba de colocar à venda a 2ª edição do catálogo “O Regresso das Bandeiras”

Imagem2Edicao+.jpg

 

 

 

A Câmara Municipal do Barreiro acaba de colocar à venda a 2ª edição do catálogo “O Regresso das Bandeiras”, publicação de suporte à exposição temporária com o mesmo nome, realizada em parceria com o Arquivo Nacional/Torre do Tombo que, durante o ano de 2016, levou ao Espaço Memória perto de 3 milhares de visitantes, num evento que deu relevo a um acontecimento da história do Barreiro e hoje, sabemo-lo, da história nacional, até então pouco estudado e conhecido. Tratou-se da “Jornada de Agitação e Luta contra a Ditadura Salazarista, a Guerra e o Fascismo”, que culminou com a colocação de várias bandeiras vermelhas em vários pontos da Vila do Barreiro no dia 28 de Fevereiro de 1935.

 

O catálogo tem o preço de 7,5 € e pode ser adquirido no Espaço Memória, na Biblioteca Municipal do Barreiro, no Auditório Municipal Augusto Cabrita e no Posto  de Turismo da Câmara Municipal do Barreiro. 

Recorde-se que este catálogo - cujo trabalho de investigação histórica e conteúdos foi da responsabilidade técnica municipal Rosalina Carmona, com conceção, design e logótipo criado pela empresa WeenOne - foi lançado pela primeira vez a 19 de novembro de 2016 no Espaço Memória, tendo esgotado rapidamente. Na ocasião, Carlos Humberto de Carvalho, Presidente da Câmara Municipal do Barreiro, disse que a Autarquia cumpria “uma obrigação, um dever, uma homenagem à nossa Terra que tanto admiramos. O Barreiro não esquece o terror do período de ditadura e os que lutaram pela liberdade, democracia e pelo futuro”.

Neste sentido, “O Regresso das Bandeiras” visa homenagear e destacar todos os que lutaram. “É função dos poderes públicos preservar essa memória”, considerou.

“Queremos assumidamente tomar partido pela Democracia, pela Liberdade”, salientou o Autarca, considerando que “é preciso não desistir, é necessário definir estratégias de defesa dos Direitos e da Liberdade, semear a esperança, construir um tempo novo. Os povos merecem bem-estar, desenvolvimento, Paz e Liberdade”.

 CMB

Abertura oficial do Encontro Mundial dos Amigos 2 CV | dia 26 de julho | 10h00 | Ericeira Camping

image003.jpg

 

A Ericeira recebe o 22.º Encontro Mundial dos Amigos 2 CV.

 

30 anos depois, o mais nobre e importante evento dedicado a esse grande ícone da Indústria Automóvel, o Citroën 2CV, regressa ao mesmo local, com o apoio da Câmara Municipal: o Ericeira Camping, desta vez de 26 a 31 de julho. O encontro conta já com cerca de 2.000 viaturas inscritas e 4.500 participantes oriundos de 29 países.

 

O programa do Encontro Mundial integra diversos eventos a que se poderá assistir no recinto do Ericeira Camping, mediante um ingresso pago: uma demonstração de PopCross, concurso de desmontagem/ montagem de 2CV, concursos de elegância de 2CV e derivados.

 

No dia 30 de julho está agendado o passeio em caravana a Mafra, de 250 carros, representando os vários países presentes no evento, os quais poderão ser apreciados, pelo público em geral, junto ao Palácio Nacional de Mafra.

 

Também faz parte do evento o Museu 2CV, instalado no Claustro Sul do Real Edifício de Mafra, de entrada livre. O museu apresenta, entre outros elementos alusivos ao universo 2CV, veículos da coleção da Citroën Heritage, vindos propositadamente de Paris, pois o Mundial 2CV foi eleito EotY – Evento do Ano 2017, pela Amicale Citroën International.

 

O evento integra, igualmente, uma Volta a Portugal em 2 CV e um Raid 2CV Racing Team Havas. Este raid conta com a participação de 50 Citröen 2CV de competição (TT) e o seu percurso é todo em pistas de terra batida, com troços cronometrados.

 

Consulte o programa em: http://www.cm-mafra.pt/sites/default/files/programa_2cv_mundial_ericeira_.pdf

Feira Quinhentista de Coina chega ao fim com milhares de visitantes e um momento que fica na História

Feira Quinhentista de Coina chega ao fim com milhares de visitantes e um momento que fica na História

 

Feira Qunhentista Coina 2017_22JUL_07_n.jpg

 

Chegou ao fim, domingo, 23 de julho, a Feira Quinhentista de Coina, no Concelho do Barreiro. A 2ª edição deste evento, que contou com milhares de visitantes de várias zonas do País, foi marcada por um momento representativo, de elevado valor e sentimento, com a inauguração, na noite de sábado, dia 22, da Memória Histórica do Pelourinho de Coina. Trata-se da reposição de uma reconstituição do símbolo de municipalidade reportando a uma época em que Coina era um entreposto de passagem obrigatória.

 

A denominada Memória Histórica do Pelourinho de Coina foi, agora, erigida um século depois do desaparecimento do original (1917-2017) e a poucos metros da sua localização. Estava, originalmente, situado junto à Rua Professora Maria Rita Amaro Duarte, no espaço onde se encontra, atualmente, uma rotunda, mas, por questões de segurança, teve que ser colocado poucos metros a Sul. A Cerimónia de inauguração, que contou com “guarda de honra”, formada por dois elementos do grupo de animação Espada Lusitana, estava, também, integrada na programação Feira Quinhentista.

 

“Finalmente a Vila de Coina tem o seu Pelourinho” que explica a “importância que a nossa Vila teve há centenas de anos”, referiu, na inauguração, a Presidente da União das Freguesias de Palhais e Coina (UFPC), Naciolinda Silvestre.

 

500 anos do Foral Manuelino

Esta “evocação histórica” é o “culminar das Comemorações do Foral de Coina”, salientou o Presidente da Câmara Municipal do Barreiro (CMB), Carlos Humberto de Carvalho, lembrando que o Pelourinho foi reposto “porque a população de Coina assim o desejou”.

A 15 de fevereiro de 2016, recorde-se, assinalou-se o aniversário dos 500 anos do Foral de Coina, atribuído por D. Manuel, em 1516, a este antigo Município, Freguesia, na atualidade, integrante do Município do Barreiro.

As comemorações do meio milénio decorreram durante o ano de 2016 prosseguindo em 2017. Incluíam várias atividades, entre elas iniciativas com a população escolar, a realização da 1ª edição da Feira Quinhentista, o lançamento do livro de investigação histórica “Foral de Coina – 1516”, da autoria de José Manuel Vargas, e, agora, a reposição do Pelourinho de Coina, obra da responsabilidade da CMB e da UFPC, executada pela empresa de Alcobaça «Gárgula Gótica» que labora nas áreas de cantaria, restauro e da conservação de monumentos em pedra.

 

A evocação da centralidade de Coina foi transversal nas intervenções. Coina foi, refira-se, uma grande interface de mobilidade tendo conquistado uma considerável dimensão do ponto de vista empresarial, logístico e comercial, facto que dinamizou a sociedade de então. 

 

A animação da Feira esteve a cargo de 80 artistas e animadores.

GRUPOS DE ANIMAÇÃO:
ANIMA VOX – música coral e instrumental da Renascença
ANIMAREGNUM – teatro de rua
ANIMAL EXPERIENCE – aves do Novo Mundo
AREFINA – profissões da época
COLIBRI – música de inspiração medieval
GAITEIROS DUMTRAGO – música de inspiração medieval
COMPANHIA AL-NAWAR – dança oriental
ESPADA LUSITANA – exercícios de combate apeado, mesa pedagógica e acampamento
FAZENDA DOS ANIMAIS – exposição de animais da quinta, aves de rapina e demonstração de voo livre.
GRUPO DE DANÇAS ANTIGAS DE ALHOS VEDROS – danças renascentistas
GRUPO DE DANÇAS ANTIGAS CORVOS DO CONDE – danças medievais
LE PERSIL NOIR – animação de rua e espetáculo de fogo
LEONOR e os gansos
MINERARTE – acampamento das 3 culturas (árabe, cristã e judaica)
VOX DE VILLE – animação de rua
JOEL SANTOS – animação de rua e espetáculo de fogo

 

A Feira Quinhentista é uma iniciativa da CMB e da UFPC, com o apoio à organização da Alius Vetus – Associação Cultural História e Património.

Tudo sobre a Feira Quinhentista: http://www.cm-barreiro.pt/pages/1286/