Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

SUITE 647 estreia dia 11 de Abril!

7da3faa3-31d6-417c-8b7f-5496855db4af.jpg

 

Uma história que se passa num quarto de hotel em 2038, mas também em 2018 e em 1998, SUITE 647 é uma comédia com muito suspense!
 

De visita a um cliente num hotel, Poupée teme pela própria vida e foge pela primeira porta que encontra. Olhando à volta, descobre-se no mesmo quarto de hotel... 20 anos atrás. À sua frente, Renata, uma mulher que morreu há precisamente 20 anos, ou seja, nesse dia. Confuso? Nem por isso! As viagens continuam, rescrevendo a história de todos os personagens. Ou não...

Texto
Alan Ayckbourn | Tradução e Adaptação Fernando Villas-Boas | Encenação Fernando Gomes | Cenário Eric Costa e Luna Rebelo | Figurinos Dino Alves  | Desenho de Luz Paulo Sabino | Assist. de Encenação Catarina Guerreiro | Interpretação Gabriela Barros, Jorge Corrula, Manuela Couto, Ruben Madureira, Sérgio Praia, Sissi Martins


Estreia 11 Abril no Auditório dos Oceanos Casino Lisboa
Estreia 13 Setembro no Teatro Sá da Bandeira (Porto)

 

Com a Primavera, um novo e longo ciclo de espetáculos no Cine-Teatro de Estarreja!

 

 

Uma nova temporada, abril/ julho, um novo e longo ciclo de espetáculos, como sempre, transversal às diferentes áreas culturais,  com a forte aposta em alargar cada vez mais a “família” CTE” e melhorar a oferta cultural pensada e executada em equipa, para todos.

 

Da nova MPB, ao soul e ao jazz, com Mallu Magalhães, HMB, Big Band Estarrejazz e João Mortágua, passando pela música filarmónica com o FIMFAB

 

Na música,  a iniciar  abril,  o 2º Festival Internacional de Música Filarmónica Francisco Bingre (FIMFAB) (7 e 8 abril);  grandes nomes como a brasileira Mallu Magalhães ( 30 maio) que nos apresenta ao vivo o seu novo disco “VEM”; a Big Band Estarrejazz que convida o estarrejense, e seu membro, João Mortágua para juntos comemorarmos o Dia Internacional do Jazz ( 29 abril), ou os HMB, a banda mais soul da música portuguesa,  que sobe ao palco para encerrar mais um Ciclo de Concertos Íntimos (19 maio).

 

Em julho não podia faltar mais uma edição do “Festim” – Festival Intermunicipal de Músicas do Mundo, com La Yegros, a alegre, vibrante e carismática argentina (13 julho), e o angolano Waldemar Bastos, um dos mais consagrados artistas lusófonos, (20 julho).  Os mais pequenose família, têm um concerto com os Gira Sol Azul que apresentam “Pequenos Piratas”(20 de maio).

 

Arte maior com Teatro Nacional D. Maria II e Joaquim Monchique

 

O Teatro Nacional D. Maria II, diz presente, com“Sweet Home Europa: De onde vimos e para onde estamos a ir?”; quando o abismo da relação entre dois seres humanos é a fronteira entre os países, numa visão caustica do sonho Europeu, a partir de um texto de Davide Carnavali (21 abril); Joaquim Monchique, a comemorar 30 anos de carreira, que sobe ao palco com “Mais Respeito que Sou Tua Mãe” (12 maio), são sugestões abrangentes aos diversos públicos desta Arte maior.

 

A linguagem das sombras na dança, com Aldara Bizarro

 

Na dança, SOMBRA, com Aldara Bizarro (14 abril), criado para jovens e público em geral, que nos fala da sombra enquanto luz, ou a ausência dela. De salientar que do elenco faz parte um nome incontornável da dança, na vertente do sapateado: Michel. Este espetáculo é antecedido de um Workshop sobre “A Dança e a Sombra” (13 abril), inserido na programação do LAC, Laboratório de Aprendizagem Criativa.

 

Commédia a la Carte e Ponto de Fuga ou o Stand Up e a Magia, com os melhores do mundo

 

O Stand Up chega-nos com “Commedia a la Carte” (24 abril), que estreia o novo espetáculo “Os Melhores do Mundo”, com os melhores improvisadores do mundo, César Mourão e Carlos M. Cunha que se fazem acompanhar do argentino Gustavo Miranda.A Magia acontece com “Ponto de Fuga” (6 de julho), a mais recente criação de Hélder Guimarães, campeão mundial  desta Arte de fascinação, distinguido por duas vezes como ‘Mágico Parlour’ do Ano pela Academia de Artes Mágicas de Hollywood e vencedor do Prémio Ascanio. Um espetáculo verdadeiramente original e inesquecível.

 

Ano Europeu do Património Cultural com Programação em Rede da Região de Aveiro

 

Um intenso fim de semana de Programação Cultural em Rede da Região de Aveiro, em que o património cultural é colocado ao serviço da atratividade turística, através de diversificados formatos de visitação, no ano que se comemora o Ano Europeu do Património Cultural.  A abrir, “4 Mãos: Os Esteiros na Ponta da Caneta” (4 maio), um concerto para piano e caneta digital que promove a redescoberta das memórias do património do território de Estarreja. Segue-se Celina da Piedade, que convida os A Par d’Ilhós, Grupo de Musica Popular Portuguesa, para seus parceiros, numa viagem pelas memórias da música de raiz portuguesa (5 maio). O fim-de-semana encerra com “Plaina” pela Cia Umpor1, umespetáculo de circo contemporâneo que retrata o quotidiano de uma sociedade ribeirinha, numa clara alusão aos esteiros concelhios (6 maio). Uma excelente proposta, com bilhete passe geral, para disfrutar em família.

 

O CTE comemora 13 anos com Teatro do Desassossego e…SIMONE DE OLIVEIRA!

 

Em junho, com mais um aniversário do Cine -Teatro, o 13º desde a sua reabertura, é com grande Honra que cantamos os Parabéns com a apresentação de “O Coro dos Maus Alunos” de Tiago Rodrigues com o Teatro do Desassossego (16 junho), Companhia de Teatro jovem do município, e com uma das figuras impares da cultura portuguesa: SIMONE DE OLIVEIRA ! (22 julho)

 

A Sétima Arte presente no CTE com filmes de culto, estreias e Óscars!

 

No Cinema, as Quintas de Cinema compeliculas europeias ou de autor; o Cinema Infantil com estreias de sucesso, como “A Idade da Pedra”, “Peter Rabbit”, e Cinema em Cartaz aos domingos, com filmes acabados de estrear, e também oscarizados:  “A Forma da Água”.

 

Cine- Teatro de Estarreja oferece serviço gratuito de Babysitting Cultural

Para que as famílias possam usufruir plenamente dos espetáculos, colocamos à disposição o serviço de babysitting cultural gratuito,  válido para crianças dos 3 aos 10 anos, pretendendo desta forma dar uma resposta de qualidade às necessidades dos que desejem assistir aos eventos CTE. A inscrição deve ser formalizada até 48 horas antes do espetáculo na bilheteira do Cine- Teatro de Estarreja, através de contacto telefónico 234811300/ 915651668 ou do envio da ficha de inscrição para o email bilheteira@cineteatroestarreja.com.

 

Este resumo não dispensa a consulta da AME-Agenda Municipal de Estarreja.

 

As escolhas e reserva atempada dos espetáculos, pode feita através da Bilheteira CTE, e em caso de dúvida  podem sempre contactar-nos.

 

Bons espetáculos!

 

 

MEDEIA em Torres Vedras: Sara Ribeiro, David Pereira Bastos e Mário Laginha sobem a palco

4D9A2658.png

 

Depois da estreia em Lisboa, com salas esgotadas, a Medeia da Companhia João Garcia Miguel faz-se à estrada.
 
Se não a conseguiu ver, aqui tem uma nova oportunidade: na noite de 14 de abril, três gigantes sobem ao palco do Teatro-Cine de Torres Vedras para dar vida à Medeia de Francisco Luís Parreira.
Sara Ribeiro e David Pereira Bastos na interpretação; Mário Laginha a tocar ao vivo.
 

Uma noite cheia de amor, ira e intensidade, que começa às 21h30.

 

Casino Lisboa recebe a banda Cat Green de 29 a 31 de Março

Casino Lisboa - Cat Green.jpg

Num aguardado reencontro com os visitantes do Casino Lisboa, os Cat Green protagonizam, a partir da próxima Quinta-Feira, dia 29, a animação musical no Arena Lounge. Com entrada livre, a não perder, até Sábado, dia 31 de Março.

 

Com um repertório diversificado, os Cat Green distinguem-se pela fusão de diferentes estilos musicais, nomeadamente, o r&b, o soul e o funk. A banda propõe dois sets, por noite, assegurando um genuíno ambiente festivo. 

 

Os Cat Green revelam uma sonoridade singular. Os temas dão lugar ao improviso e a uma energia e interacção partilhada com o público. 

 

 

Ciclo de música ao vivo com os Cat Green

Quinta-Feira, dia 29 de Março: 22h00 às 22h50 e das 23h10 às 00h00

Sexta-Feira, dia 30 de Março: 20h30 às 21h20 e das 22h50 às 23h40

Sábado, dia 31 de Março: 20h30 às 21h20 e das 22h40 às 23h30

 

Por imperativo legal, o acesso aos espaços do Casino Lisboa é reservado a maiores de 18 anos.

 

“Caminhos do Ferro e da Prata” sai do papel para o digital

Capa.jpg

 

Depois da exposição, depois da edição impressa, depois do reconhecimento da Associação Portuguesa de Museologia com uma menção honrosa, chega agora a vez de o catálogo “Caminhos do Ferro e da Prata” conhecer a versão online. Disponível em forma de e-book, juntam-se nesta obra a beleza das imagens, o percurso ao longo do rio Douro, os aspetos históricos e etnográficos, as tradições internacionais, fatores que fazem desta coleção fotográfica um conjunto único, acessível a partir de www.museudelamego.gov.pt.

"Hochstein Youth Symphony Orchestra" | Cine-teatro S. João, Palmela - 2 de abril

 

No dia 2 de abril

“Hochstein Youth Symphony Orchestra” no palco Cine-teatro S. João

 

O Cine-teatro S. João, em Palmela, apresenta, no dia 2 de abril, às 21h00, um espetáculo pela “Hochstein Youth Symphony Orchestra” (HYSO) - uma estrutura musical proveniente do estado de Nova Iorque, nos Estados Unidos - no âmbito da tournée pela Península Ibérica, numa iniciativa de Paulo Cayolla, com o apoio da Câmara Municipal de Palmela.

Formada por alunos dos 7.º ao 12.º anos, a HYSO apresenta um repertório para orquestra sinfónica, peças contemporâneas, pequenos emsemble e concertos a solo para estudantes. Apresentou a sua primeira tournée europeia em 2001, na Áustria, e desde então, já passou pelo Carnegie Hall, em Nova Iorque, Normandia e Paris, em França e República Checa.

Casey Springtead - trompetista na Penfield Symphony Orchestra, com participações em outros agrupamentos musicais daquela zona, pianista acompanhante de audições e recitais e docente em Hochstein -  é o diretor musical da HYSO, desde 2012.

Mais informações em http://hochstein.org/Ensembles/Orchestras/HYSO.

 

Thiago Ramil - "Amora"

 

 

De Rio Grande do Sul para o mundo. É este o percurso que está a fazer Thiago Ramil, jovem músico, cantor e compositor brasileiro que agora chega à Europa. Para já, apresenta-se com “Amora”, single que integra o registo de estreia, “Leve Embora”, tendo guardado para o verão uma série de concertos em solo nacional com a Music For All.

 

Oriundo de uma família recheada de talento, Thiago está ligado à música desde muito cedo. Foi nomeado para os Grammys Latinos em 2016 para Melhor Álbum Pop Contemporâneo de Língua Portuguesa. De si podemos esperar alguma da melhor Folk Pop da atual cena musical brasileira, uma voz de veludo e um coração autêntico impresso em cada verso que canta.

O mês de março no Terras sem Sombra: Prémios, Serpa e Odemira

c853c890-0286-49d1-863e-94361a7fc923.jpg

 

 

 

O mês de março no Terras sem Sombra: Prémios, Serpa e Odemira

O Terras sem Sombra orgulha-se de após a votação do público e do júri, ter ficado nomeado para os Iberian Festival Awards nas categorias de Best Small Festival/ Melhor Festival de Pequena Dimensão e Best Cultural Programme / Melhor Programa Cultural, considerando um reconhecimento ao trabalho que vem desenvolvendo ao longo destas catorze edições.

d59db9b8-13ff-4008-b383-2bb042c049b6.jpg

fe424568-8549-4020-a5e7-c6cea1e11a2f.jpg

 

Em marçoo festival percorre mais dois concelhos do Baixo Alentejo: Serpa (2 e 3 de março) e Odemira (17 e 18 de março) onde os dois concertos programados estendem laços afectivos e musicais entre a Hungria e Portugal.

Em Serpa, o Festival apresenta, em estreia mundial, as Dez Canções Populares Húngaras, de Fernando Lopes-Graça. 64 anos depois de ter sido composto, este brilhante ciclo nunca foi escutado. O concerto, uma homenagem do Alentejo ao compositor português, revela as peças de Lopes-Graça e as canções da tradição popular húngara em o mestre que se inspirou. Para tal, coloca lado a lado, artistas lusos e húngaros, com a cantora lírica Cátia Moreso e os cantores magiares Hanga Kacksó e Áron Vára (também bailarino), acompanhados por Nuno Vieira de Almeida, ao piano – um grande conhecedor da obra de Lopes-Graça, de quem foi amigo – e por Béla Szerényi, na sanfona, na flauta e no “tárogató”. Um evento muito especial, em que dois músicos portugueses de referência são parceiros de jovens intérpretes húngaros, com a garantia interpretativa da Academia Liszt, e em que a música se conjuga com a dança.

7b4c0a18-74a9-4b4c-80cd-b432475cd069.jpg

No concerto de Odemira, por seu turno, o protagonismo cabe ao Vena Piano Trio. Este ensemble, que está a despertar grande interesse nos palcos europeus, reúne três artistas, oriundas de três países, todos eles formados, ao mais alto nível, na Academia Liszt: a pianista, Andrea Fernandes, é portuguesa e colabora com a Ópera de Budapeste, ao passo que a violinista e a violoncelista, Erzsebet Hutas e Kamila Słodkowska, são, respectivamente, húngara e polaca. Associa-se ao concerto o compositor português Eurico Carrapatoso, partilhando o programa com mestres dos séculos XIX e XX: Kodály, Hubay e Chopin.

7bc0d6f0-abd9-4850-9da4-a1f2226e954a.jpg

As tardes de sábado são dedicadas, a partir das 15h00, a conhecer a monumentos extraordinários, geralmente inacessíveis ao público.

Em Serpa, no dia 2 de Março, o Terras sem Sombra abre as portas do Convento de Santo António, um dos mais notáveis exemplos da arquitectura tardo-gótica no Alentejo e um marco da história regional. A visita conta com a orientação de António Martins Quaresma (historiador) e José António Falcão (historiador da arte).

Quanto a Odemira, o alvo é um dos moinhos de vento do sítio dos “moinhos juntos”. Este equipamento recuperado pelo Município, encontra-se capaz de moer. Visitá-lo oferece uma ocasião para conhecer um património protoindustrial digno de atenção, mas também para se reflectir sobre o uso sustentável de energias renováveis, um dos grandes desafios que se colocam à sociedade actual. Com a orientação de Ana Tendeiro Gonçalves (antropóloga), António Martins Quaresma (historiador) e José Matias (técnico de museus), na tarde de sábado do dia 17 de Março.

Ambos os programas fecham no domingo com iniciativas de salvaguarda da biodiversidade que juntam a prática à teoria – todos os participantes são voluntários que dão uma mão à Mãe Natureza. Em Serpa, vamos conhecer e defender os olivais com 2000 anos que produzem um azeite muito apreciado pelas suas características singulares, com os engenheiros agrónomos José Pedro Fernandes de Oliveira e Francisco Garcia. E, em Odemira, partimos à descoberta da geo e da biodiversidade nas falésias, campos agrícolas e bosquetes do Cabo Sardão, que representa um habitat de grande interesse para a vida selvagem. Os orientadores são Rita Balbino (bióloga), Carlos Cupeto (geólogo) e António Martins Quaresma (historiador).

Todas as actividades são de acesso livre.

 

BONS SONS: Estudo de um amor de verão com muito que se lhe diga

HEADER-BS.jpg

 

 
BONS SONS 2018
ESTUDO DE UM AMOR DE VERÃO
COM MUITO QUE SE LHE DIGA
 

Há várias dimensões a analisar quando se trata de avaliar um festival. O BONS SONS passa com distinção em todas. Mas há algumas que nos são particularmente queridas. O estudo realizado junto do público do BONS SONS mostra que há todo um país a convergir no calor da aldeia, em agosto. Em termos nacionais, o BONS SONS é visitado desde o Porto (15%) e região norte (24%), passando por Lisboa e grande Lisboa/Vale do Tejo, de onde provém a grande maioria (58%). Em termos regionais, 48% dos visitantes são de localidades a menos de 40 km de Cem Soldos - Tomar, Ourém, Alcanena, Torres Novas, Abrantes e Fátima.

O estudo é resultado de questionários aplicados durante quatro dias na última edição do festival, junto de uma amostra composta por homens e mulheres de vários pontos pontos do país, de diferentes grupos etários e diversificado perfil académico, com o objetivo de caracterizar os perfis de público, considerando o seu perfil sócio-cultural e a sua relação com o festival.

Um dos grandes atrativos para os visitantes questionados é o facto de o festival fazer parte de algo maior, de um projeto comunitário, erguido por voluntários, pela amizade e pelo amor a um ideal. Os festivaleiros reconhecem esse ideal e sentem-se felizes por fazer parte dele. A reunião com amigos, a possibilidade de fazer novos, é outra das razões que leva milhares a Cem Soldos.

 

Quem vai uma vez volta sempre

 

Interessante verificar que a maioria que vai pela primeira vez ao festival volta (58% dos inquiridos foi e voltou uma ou mais vezes). Os visitantes mais fiéis, isto é os que já estiveram em edições anteriores, valorizam mais a dimensão comunitária do BONS SONS e o programa musical (ver atuar um artista em particular) do que os visitantes que vêm ao festival pela primeira vez, sendo que a maioria tem conhecimento do festival através de amigos e familiares (74%). Este resultado reforça a ideia de que o BONS SONS é um festival de amigos e para os amigos.

Para os visitantes é possível perceber que o BONS SONS contribui também para uma imagem positiva de Cem Soldos, para tornar a comunidade mais aberta, para reforçar laços intergeracionais, para o sentimento de comunidade e contribui com benefícios económicos e receitas para projectos sociais na aldeia.

Constata-se também que a satisfação geral é bastante elevada entre os visitantes. Mais de 87% declara-se muito ou totalmente satisfeito com o festival, 98% assume que provavelmente ou certamente irá voltar ao festival, e 99% recomendaria o festival aos amigos e familiares.

Tudo isto com uma banda sonora proporcional ao amor que se sente ao entrar na aldeia que se fecha de tanto abrir os braços. Os concertos são o vento que empurra paixões, amizades e encontros. O programa do BONS SONS é realçado pela sua qualidade, pelo seu enquadramento na aldeia e pela forma como consegue transmitir energia e alegria durante os quatro dias de festival.

 

Um festival sustentável

 

E depois há a sustentabilidade, uma qualidade que o BONS SONS teima e teimará ter sempre. Realçando, novamente, o facto de o festival ser erguido por voluntários, a ecologia está sempre presente de forma muito profissional e estimada. Não há desperdícios e a reciclagem ou reutilização das já famosas canecas ou copos reutilizáveis são ponto de honra na aldeia. São, acima de tudo, algo natural.

Já sabem! Este amor de verão já tem data marcada, de 9 a 12 de agosto. 72% dos nossos visitantes são solteiros. Os outros são comprometidos mas também com a música. Vamos gritar alto que, em Cem Soldos, no Festival BONS SONS, não há espaço para tristezas. Ser ou não ser não é questão. Em Cem Soldos há bons sons, bons palcos, boas vibrações e boas amizades. E amor de verão. O resto se verá.

 

imagem1.jpg

© Pedro Sadio

 

Este amor de verão tem data marcada e não dá para esperar mais.
Bilhetes à venda nos locais habituais.


PASSE 4 DIAS
30€ Janeiro—Abril / 40€ Maio—Julho / 45€ Agosto

BILHETE DIÁRIO
20€ Maio—Julho / 22€ Agosto

Agenda UAU para Abril

Em Abril, Teatro e Música!
Raul, Um Espectáculo de Homenagem a Solnado despede-se de Lisboa e parte em digressão nacional. O Porto é a primeira paragem.
Suite 647 estreia dia 11 de Abril. Com Gabriela Barros, Jorge Corrula, Manuela Couto, Ruben Madureira, Sergio Praia e Sissi Martins e encenação de Fernando Gomes, é uma comédia com muito suspense e viagens no tempo...
David Santos celebra o 13º aniversário de Noiserv com um concerto especial, no Teatro Tivoli BBVA.
Bons espectáculos!

a5f5833e-802b-4843-a1ed-7be0f7a40038.jpg

 

Raul, Um Espectáculo de Homenagem a Solnado

Teatro Sá da Bandeira
5 a 22 Abril  M/12
Comprar

 

754793f5-ce06-45bb-a619-91a646d10118.png

 

Noiserv | 5 Abril
Teatro Tivoli BBVA
Concerto que celebra o 13º aniversário. M/6
Comprar

 

38c30ca7-369e-4089-80aa-ef81f9c97781.jpg

 

Auditório dos Oceanos Casino Lisboa
5ª a Sábado às 21h30 | Domingos às 16h30
M/14
Comprar