Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

CHICAGO estreia no Teatro da Trindade Inatel a 11 de Setembro

Chicago_Newsletter.jpg

Os bilhetes para a primeira produção portuguesa do emblemático musical
já estão à venda, garanta já o seu.


Passado nos loucos anos 20, CHICAGO conta-nos a história de duas rivais de vaudeville, acusadas de assassínio. Velma, uma estrela de clubes nocturnos, cumpre pena por ter morto o marido e a irmã, depois de os apanhar juntos; Roxie, uma ambiciosa corista, foi parar atrás das grades por matar o amante. Ambas socorrem-se dos serviços de Mama Morton, a chefe das guardas prisionais, e do astuto advogado Billy Flynn, para criarem um frenesim mediático e prepararem o seu regresso, em grande, ao mundo do showbiz. CHICAGO é um dos musicais com maior sucesso no mundo. Baseado numa peça de teatro com o mesmo nome, escrita pela repórter Maurine Dallas Watkins, o musical foi distinguido com 6 Prémios Tony e seis Óscares para a adaptação para cinema de Rob Marshall. A produção original, coreografada por Bob Fosse, estreou-se na Broadway em 1975 e teve mais de 900 apresentações, tendo percorrido mais de 24 países e sendo interpretado em 12 línguas diferentes.


De
Fred Ebb e Bob Fosse Música John Kander Tradução Ana Sampaio Tradução canções Rui Melo Encenação Diogo Infante Direção musical Artur Guimarães Músicos André Galvão, Artur Mendes,
Jorge Pereira, Tom Neiva e Vítor Faria Coreografia Rita Spider Cenografia F. Ribeiro
Figurinos José António Tenente Desenho de luz Nuno Meira Desenho de som Nelson Carvalho
Co-produção Força de Produção e Teatro da Trindade INATEL

Com Gabriela Barros, Soraia Tavares, Miguel Raposo, José Raposo, Catarina Guerreiro, Ana Cloe,
Carlota Carreira, Catarina Alves, Filipa Peraltinha, Leonor Rolla, Mariana da Silva, Sofia Loureiro,
David Bernardino, Gonçalo Cabral, João Lopes, JP Costa, Pedro Gomes e Ricardo Lima


TEATRO DA TRINDADE INATEL
ESTREIA 11 DE SETEMBRO
Quarta a Sexta às 21h00 | Sábado às 16h30 e às 21h00 | Domingo às 16h30
Bilhetes: 14€ a 22€
Descontos especiais para grupos

Exposição Carybé - Aquarelas do Descobrimento é pioneira em Portugal na utilização da tecnologia Beacons

 

 

Utilizada nos maiores museus do mundo, como o Louvre e o MET, tecnologia fornece conteúdo exclusivo e partilhamento em redes sociais aos visitantes

606A3857.JPG

 

A exposição "Carybé - Aquarelas do Descobrimento", em cartaz no Palácio da Independência, no Rossio, tem um diferencial tecnológico interessante: a utilização de Beacons, dispositivos BLE (Bluetooth Low Energy) que tornam a visitação da mostra mais relevante e interativa e já são largamente utilizados em grandes museus e espaços culturais em todo o mundo, tais como o Louvre, em Paris; o EYE Museum, em Amesterdão; o Guggenheim Museum, o American Museum of Natural History, o The MET, o New Museum e o Metropolitan Museum of Art, nos Estados Unidos.

 

Ao utilizar a aplicação Visit Carybé (com download gratuito para Android e iOS), o visitante irá ter acesso a diversas informações complementares sobre a exposição, sem necessidade de passar por nenhum código. Quem tiver a app instalada começa a receber as notificações ao entrar nas salas da exibição, numa espécie de passo a passo a cada uma das 52 telas da mostra. Além de ajudar a compreensão dos trechos da carta de Pero Vaz de Caminha com explicações, quem quiser saber ainda mais detalhes será remetido a referências complementares sobre trechos mais arcaicos da carta, provenientes de estudos do grande escritor e historiador Jaime Cortesão.

 

A experiência para quem visita uma exposição de artes suportada com beacons e uma aplicação é sempre mais completa. No caso desta exibição e da app Visit Carybé, além das notificações com a descrição de cada aguarela no idioma de sua preferência (português, inglês, francês ou espanhol), o utilizador terá conhecimento que existem duas cartas de boas-vindas (uma do senhor Embaixador Luiz Alberto Figueiredo e outra da curadora Solange Bernabó, filha de Carybé) e, ao final, poderá com um único toque na tela partilhar todas as aguarelas, textos e possíveis selfies que tenha feito no Palácio em suas redes sociais, por whatsapp ou por email, pois a aplicação cria um catálogo das imagens e disponibiliza ao utilizador.  

Além de mais detalhes em formato de hipertextos, o visitante terá acesso ao que foi publicado na imprensa a respeito do artista e também a agenda dos demais eventos apoiados pela Embaixada do Brasil em Lisboa, realizadora da exposição.

 

"A exposição é um grande sucesso de público e crítica, tanto que foi prorrogada por mais um mês, e seu conteúdo é muito relevante em especial para estudantes. Acredito que, ao disponibilizarmos esta tecnologia, estamos a ofertar um atrativo a mais para o público jovem, que está sempre conectado com seus smartphones e é adepto do partilhamento de imagens em redes sociais", afirma Luiz Alberto Figueiredo, Embaixador do Brasil em Portugal.

 

Marco Aurélio Freitas, fundador da empresa BluTip desenvolvedora da plataforma Visit Carybé, concorda: "Aliarmos a tradição com a inovação é normalmente uma experiência muito enriquecedora, principalmente, quando queremos atrair os mais jovens", reitera.

 

"A plataforma Visit Carybé introduz uma tecnologia capaz de proporcionar uma experiência sensível ao contexto com o uso de uma das mais modernas técnicas de marketing de proximidade. Além de consumir pouquíssima bateria do telemóvel, os beacons conseguem fornecer a microlocalização e, com isso, podemos oferecer mensagens diferentes para o visitante em função da distância em que ele esteja da obra da arte ou de outro ponto de interesse. A aplicação também amplia a visitação para fora das paredes do Palácio da Independência, ao permitir que a experiência seja partilhada nas redes sociais da preferência do utilizador", complementa Marco Aurélio Freitas.

 

SOBRE A EXPOSIÇÃO:

 

CARYBÉ – AQUARELAS DO DESCOBRIMENTO EM LISBOA

Palácio da Independência

Morada: Largo de São Domingos, 11, Rossio (Ao pé do Teatro Nacional Dona Maria II)

Horários: De segunda a sexta-feira: das 9h às 19h – Sábado: das 11h às 21h.

Entrada gratuita

A exposição fica em cartaz até o dia 1 de junho

As 52 obras em formato 50x40cm emolduradas com vidro e passe-partout que integram a exposição "Carybé - Aquarelas do Descobrimento" são versões aguareladas sobre o registo mais antigo da existência do Brasil: a Carta de Pero Vaz de Caminha. Em cores vivas e traços leves, Carybé deu vida aos momentos mais marcantes da narrativa portuguesa sobre o Brasil: a navegação da esquadra; o avistar das terras; o primeiro contato entre portugueses e índios; a troca de culturas; a primeira missa; o pau-brasil. Cenas dos primeiros encontros que, mais tarde, com a contribuição igualmente fundamental dos africanos, dariam origem ao povo brasileiro.

Originalmente, os desenhos foram feitos em tinta nanquim e publicados em preto e branco no livro “Carta a El Rey Dom Manuel”, uma releitura do documento histórico idealizada pelo escritor Rubem Braga, tendo como mote o quinto centenário de nascimento de Pedro Álvares Cabral, em 1968. Rubem Braga, amigo e compadre do pintor, descreve na introdução do livro: “Esta edição, pela sua natureza, não comporta notas nem glossário. A novidade verdadeira que ela traz, e que a justifica, são os 52 desenhos que a ilustram, do cidadão baiano Carybé.”

 

“Aquarelas do Descobrimento” tem como curadora Solange Bernabó, filha de Carybé. O trabalho procurou privilegiar a sintonia entre os momentos do artista, com a sua técnica privilegiada, e o marco da história do Brasil revelado em traços leves, coloridos e minuciosos.

 

“Carybé foi um exímio desenhista e aquarelista, arte aparentemente simples, mas que exige maestria técnica e não permite correções. Partindo do relato escrito por Caminha, usou sua imaginação e conhecimento, para transformá-lo em imagens, dando-nos a sensação de termos testemunhado os acontecimentos que há mais de cinco séculos deram origem ao Brasil”, afirma Solange Bernabó.

 

SOBRE CARYBÉ:


Carybé nasceu como Hector Julio Páride Bernabó, em Lanús, na Argentina, em 1911. Passou a infância e a adolescência no Rio de Janeiro. Foi aos 8 anos, como escuteiro no Clube de Regatas Flamengo e membro da Patrulha dos Peixes, que surgiu a alcunha. A inspiração veio da feroz piranha Pygocentrus Cariba, das margens dos rios Orinoco e Amazonas. Do Rio de Janeiro, Carybé viajou o mundo até mudar-se definitivamente para o Brasil em 1949.  Naturalizou-se brasileiro oito anos depois e viveu em Salvador até a sua morte, em 1997. A relação do artista com o país que escolheu sempre esteve declarada na sua obra. Tanto nas diversas exposições internacionais que realizou, quanto em trabalhos que levavam a sua arte para o quotidiano das pessoas. Como o mapa do Brasil personalizado que decorava os aviões Electra II, da Varig, nos anos 60, e os murais em fachadas de prédios comerciais de vários estados brasileiros. Sobre os trabalhos que cruzaram fronteiras, pode-se citar os dois painéis que retratam a diversidade cultural do continente americano e a conquista do oeste estadunidense pelos colonos peregrinos e que adornam o Aeroporto Internacional de Miami, nos Estados Unidos; o quadro “São Sebastião”, no acervo dos Museus do Vaticano; e uma pintura no Castelo de Balmoral, residência de férias da Rainha Elizabeth II, em Escócia. Carybé também ilustrou livros de autores importantes como Gabriel García Márquez, Pierre Verger e do seu grande amigo Jorge Amado.  

 

 

CARYBÉ EM PORTUGAL

 

Exposições:

 

1980 Semana de Arte Estoril, Lisboa – Portugal

1981 Exposição no Casino Estoril, Estoril – Portugal

1986 Exposição na Galeria Estoril, Lisboa – Portugal

1989 Exposição no Casino Estoril, Estoril – Portugal

1993 Exposição no Casino Estoril, Estoril – Portugal

 

Acervos:

 

Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa – Portugal

• Museu de Arte Contemporânea, Lisboa – Portugal

 

 

Seixal recebe mega festival Nick Fest

image007.png

 

Dias 31 de maio e 1 de junho o Seixal recebe a grande festa do Nickelodeon dedicada aos mais jovens. Com entrada gratuita, no Nick Fest não vai faltar música, jogos, passatempos e muita animação.

 

Fernando Daniel, ÁTOA, Paulo Sousa e os D.A.M.A compõem o cartaz da segunda edição do festival juvenil Nick Fest. Nos dias 31 de maio e 1 de junho, o Parque Urbano da Quinta da Marialva - Corroios será palco de dois dias repletos de música e diversão, onde para além dos concertos que prometem levar ao rubro a plateia, não vão faltar passatempos, jogos, insufláveis e muitas outras atividades.

 

Com apresentação da Catarina Perez e co-apresentação da Mafalda Creative, o Nick Fest está de volta e abre as portas na sexta-feira, às 09:30. O mítico SpongeBob e o seu companheiro Patrick, a dupla canina Marshall e Chase, da Patrulha Pata, e ainda as Tartarugas mais ninja do planeta, o Miguel Ângelo, o Leonardo, o Donatelo e o Rafael, prometem fazer as delícias dos mais novos.

 

Vão ser dois dias de muita diversão, com casting Repórter Nickelodeon, piscina de slime, minigolf, jogos tradicionais, oficina de artes, cabine de fotos, e insufláveis para todos os gostos. 

 

À noite, a partir das 21:00, os protagonistas são o cantor e compositor Fernando Daniel, vencedor da 4.ª edição do The Voice Portugal, e os Átoa, banda que está prestes a lançar o seu novo álbum e que encerra o primeiro dia de festival.

 

No sábado as portas abrem às 16:00. À noite, pelas 21:00, o palco volta a receber o melhor do talento português, desta vez com a atuação de Paulo Sousa, artista que lançou em março o disco “Teu”, que ocupou de imediato o topo de vendas nacionais. Cabe aos D.A.M.A a importante missão de encerrar o Nick Fest com um grande concerto previsto para as 22:20.

 

Esta é a segunda edição do Nick Fest e resulta da parceria entre o canal Nickelodeon e a Câmara Municipal do Seixal. Pensado para toda a família, dos miúdos aos graúdos, este é um festival que reúne jovens talentos portugueses e as personagens preferidas dos mais novos num único local, com várias atividades e muita animação à mistura. Na primeira edição, o festival contou com cerca de 13.500 visitantes, número que se espera ser superado este ano.

 

 

exposição MANUEL COSTA CABRAL no Projecto Travessa da Ermida

image.png

 

A exposição minha solidão sente-se acompanhada de MANUEL COSTA CABRAL é apresentada pelo PROJECTO TRAVESSA DA ERMIDA. Com inauguração agendada para dia 7 de Junho, entre as 18:00h e as 21:00h, e patente até 13 de Julho, minha solidão sente-se acompanhada, título retirado de Yolanda, com letra e música de Pablo Milanés, reúne cinco obras de pintura sobre papel feitas nos anos ’90, no âmbito da residência em 1991 a convite do Art Institute of Chicago.

Simili Modo

 

têmpera de ovo sobre papel

 

100 x 130 cm

 

Lisboa, 1996

 

 

Nota biográfica de MANUEL COSTA CABRAL

 

Natural de Lisboa (1941). Formação em pintura na Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa, 1963. Fundador e director executivo do Ar.Co - Centro de Arte e Comunicação Visual, de 1973 a 1994. Honorary Fellow do Royal College of Art, Londres, 1993. Director do Serviço de Belas-Artes da Fundação Calouste Gulbenkian, de 1994 a 2011. Organização de exposições e conferências desde 2015 em colaboração com a Fundação Carmona e Costa. Retomou a actividade de pintor em 1982 e participou em exposições individuais e colectivas desde 1989.

 

Exposições individuais: minha solidão sente-se acompanhada, Projecto Travessa da Ermida, Lisboa, em 2019; Ornato Deliberado, Galeria Diferença, Lisboa, em 1994; Pinturas Recentes, Fundação Casa de Mateus, Vila Real, e Galeria Diferença, Lisboa, em 1992; Pinturas 1987-1990, Centro Cultural de São Lourenço, Almancil, e Pinturas 1990, Galeria Giefarte, Lisboa, em 1991; e Pinturas 1984 -1989, Galeria Diferença, Lisboa, em 1989. Exposições colectivas: Curated Curators (1), Galeria Zaratan, Lisboa, em 2017; Mater Dei, Igreja Nossa Senhora da Conceição Velha, Lisboa, em 2016; Até as Árvores são Sonhos, Galeria Reverso, Lisboa, em 2013; O Sagrado na Arte, Mosteiro de São Vicente de Fora, Lisboa, em 2014; Arte Portuguesa Contemporânea, Palácio Galveias, Lisboa, em 1991; Galeria Ipso, Bruxelas, em 1990; Salão da Primavera, Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa, em 1963 e 1961.

 

 

 

Sobre o PROJECTO TRAVESSA DA ERMIDA

 

O Projecto Travessa da Ermida é um projecto de referência de natureza experimental orientado pela valorização do património histórico e pela dinamização do tecido artístico e cultural contemporâneos. Neste singular ponto de encontro, de intimidade e de dinamismo, as memórias do passado dialogam com variados domínios das artes contemporâneas, visando a sua penetração nos diversos públicos que o visitam e frequentam.

 

Com curadoria própria e/ou envolvimento em parcerias com outras estruturas de criação e programação artística, a actividade do Projecto Travessa da Ermida conta com a assinatura dos mais proeminentes artistas e autores nacionais, artistas nacionais das novas gerações e variados artistas internacionais.

 

Após longos anos de abandono, a Ermida de N. Srª. da Conceição, na Travessa do Marta Pinto, em Belém, assume-se desde 2008 enquanto âncora do projecto. 

 

 

Horário de Funcionamento

 

3ªfeira a sábado, das 14h00 às 18h00. Encerrado domingo, segunda-feira e feriados.

 

 

 

Localização:

 

Travessa do Marta Pinto, 21, 1300-390 Lisboa

Au Lecteur | Sebastião Castelo Lopes | Galeria Monumental

505458b7-4e7f-442b-8712-31833a6cb4f6.jpg

 

Crédito: Sebastião Castelo Lopes, Au Lecteur, 2019.
 

| | |


Inauguração: quarta-feira, 17-04-2019. 18h30 - 21h00
Opening: Wednesday, 17-04-2019. 18h30 - 21h00

até 01-06-2019
until  01-06-2019

| | |

terça - sábado, 15h00 - 19h30
Tuesday - Saturday, 3pm - 7.30pm 

encerra aos domingos, segundas e feriados
closed on Sunday, Monday and public holidays  

Casa das Artes de Famalicão celebra 18 anos

casa das Artes exterior.jpg

 

No próximo dia 1 de junho a Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão completa o seu 18º aniversário. São quase duas décadas de criação de esforço contínuo de formação de públicos e de dedicação e serviço absolutos à cultura, às artes, aos artistas e à comunidade.

Este é um dos mais dinâmicos e criativos teatros municipais portugueses como se pode comprovar pelo portefólio de produções já realizadas. Inaugurado a 1 de junho de 2001, este equipamento cultural integra a Rede Nacional de Teatros e Cineteatros e desenvolve um trabalho interdisciplinar e multifacetado.

Os resultados têm sido exemplares e, hoje, o nome da Casa das Artes é uma marca de qualidade já firmada no mundo das artes e cada vez mais reconhecida em todos os contextos da sociedade.

Em 2018, foram mais de 87.700 as pessoas que escolheram a Casa das Artes para assistirem a um concerto, a um filme, a uma peça de teatro, a um bailado ou para apreciarem uma exposição ou para visitarem o espaço saído do traço do arquiteto Pedro Ramalho.

image005.png

Ao longo dos 18 anos de atividade, largamente, mais de um milhão de espetadores optou pela Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão para assistir a um ato artístico. Os números não enganam e a heterogeneidade dos públicos é a sua marca constante. Este teatro municipal não tem um público fechado. Bem pelo contrário, aos que são habituais, junta-se uma sempre renovada miríade de espetadores, assegurando, assim, uma constante renovação.

Teatro, Dança, Cinema, Música, Pintura, Fotografia, Escultura, Instalação, a Casa das Artes tem-se afirmado cada vez mais no panorama cultural da região e do país, sendo referenciada também a nível internacional.

Esta é a Casa onde artistas e público se sentem em casa, porque todos são acolhidos com afeto, aqui encontram o seu lugar e porque há afeto pela Arte.

A Casa das Artes é o polo de atração que está a fazer germinar em Vila Nova de Famalicão um diversificado cluster cultural que se revela com a imergência de vários projetos de produção e de formação artística.

 

Aniversário comemorado com arte

Os 18 anos da Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão serão comemorados com uma programação especial que deambulará, em três dias, por diversas manifestações artísticas: Dança, Cinema e muita Música e que será do agrado do público de todas as idades.

De véspera, no dia 31 de maio, às 21h30, no Grande Auditório, será exibido “Alento”, um momento de dança/performance que se materializará na interpretação corporal de Pedro Ramos e Sandra Rosado. A conceção artística, coreografia e interpretação é de Pedro Ramos, numa produção Ordem do O e coprodução Cineteatro Avenida e Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão. Entrada: 5 euros. Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 2,5 euros.

No dia 1 de junho, o presente da Casa das Artes ao seu público assume a forma de dois momentos por um bilhete, num vistoso embrulho musical, que inclui os concertos de Sérgio Godinho e de Frankie Chavez. Entrada: 10 euros. Estudante e Cartão Quadrilátero Cultural: 5 euros.

Nos 18 anos da Casa das Artes, Sérgio Godinho traz a Famalicão, às 21h30, “Nação Valente”, o seu 18º álbum de estúdio, que agrega colaborações inéditas, inesperadas e, diríamos, bem-sucedidas – David Fonseca, Filipe Raposo, Hélder Gonçalves, Pedro da Silva Martins ou um velho companheiro, José Mário Branco.

Em palco, “Nação Valente” crescerá adicionada por melodias outras, menos recentes, das mais e menos conhecidas, e que por certo enriquecerão o retrato desta nação, necessariamente valente, feita de vida.

Finda a atuação de Sérgio Godinho, pelas 23h00, no Foyer, imerge a “I Don’t Belong Tour”, com Frankie Chavez. Indiferente à “rede de segurança” de uma banda, o músico, cantor e compositor assume o espetáculo a solo, olhos nos olhos com o público, sem segredos e sem truques, sem distanciamentos e sem barreiras.

No dia 2 de junho, às 11h30, o Grande Auditório da Casa das Artes recebe “Música para Famílias 2019”, no 4º Ciclo de Concertos Promenade, sob o mote “Encruzilhadas”. Entrada: 4 euros. Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 2 euros

Organizados pela Casa das Artes em coprodução com a APROARTE- Associação das Escolas Profissionais de Música, os Concertos Promenade, de maio a dezembro, aos domingos de manhã, dão acesso à grande música, tocada pelas Orquestras das Escolas Profissionais, e explicada com interação multimédia, sendo usufruída por todas as idades num ambiente descontraído e de grande qualidade artística.

O programa de aniversário da Casa das Artes de Famalicão encerra com as atenções viradas para o público mais novo, desta feita com oferta de cinema de animação, no Grande Auditório, às 16h00 e às 18h00, com “Dumbo” de Tim Burton. Entrada: 2 euros. Estudante e Cartão Quadrilátero Cultural: 1 euro.

Da Disney e do visionário realizador Tim Burton, a nova e extraordinária aventura de ação real Dumbo, desenvolve-se a partir do clássico e acarinhado conto homónimo, onde as diferenças são celebradas, a família é valorizada e os sonhos ganham asas.

Estas são as plurais ofertas da Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão, que celebrando 18 anos de atividade, há muito é-lhe reconhecido já ter assumido, em plenitude, a maioridade. O aniversário é agora, mas o convite ao convívio com as artes é permanente.

 

Fundação da Juventude apresenta os melhores projetos de ciência e investigação juvenil

30 de maio a 1 de junho, no Centro de Congressos da Alfândega do Porto

 

image006.jpg

 

  • Fundação da Juventude reúne na 13ª Mostra Nacional de Ciência os melhores 97 projetos, os quais envolvem 247 jovens cientistas e 67 professores de 43 instituições de ensino, resultantes do 27º Concurso para Jovens Cientistas
  • Ciências do Ambiente, Biologia, Engenharias e Ciências Sociais são as áreas que reúnem o maior número de participações.
  • Aberta ao público em geral e com acesso livre e gratuito, a Mostra Nacional de Ciência realiza-se de 30 de Maio a 01 de Junho, no Centro de Congressos da Alfândega do Porto, numa coorganização da Fundação da Juventude, da Ciência Viva e do Município do Porto

 

De âmbito nacional, o Concurso de Jovens Cientistas, que vai já na sua 27 edição, pretende promover a realização de projetos científicos inovadores nas escolas, incentivar o empreendedorismo qualificado e favorecer o aproveitamento económico do conhecimento científico e tecnológico. Para Carla Mouro, Presidente Executiva da Fundação da Juventude «o desenvolvimento e a inovação científica devem começar nas escolas e é nosso dever apoiar os nossos jovens.»

 

Bioeconomia, Biologia, Ciências da Terra, Ciências do Ambiente, Ciências Médicas, Ciências Sociais, Engenharias, Física, Informática e Ciências da Computação, Matemática e Química são as categorias dos 97 melhores projetos que este ano foram submetidas ao concurso e que vão estar em destaque na 13ª Mostra Nacional de Ciência que se realiza de 30 de maio a 1 de junho no Centro de Congressos da Alfândega, no Porto, numa coorganização da Fundação da Juventude, da Ciência Viva e do Município do Porto.

 

A Mostra Nacional de Ciência é considerada uma das maiores a nível Europeu. Os 247 jovens coordenados por 67 professores participantes concorrem a um valor global de 50.000€ em prémios, distribuídos entre prémios monetários (10.000€) e participações internacionais (40.000€).

 

É a partir deste encontro de ciência que a própria Fundação da Juventude, enquanto promotora do Concurso de Jovens Cientistas e da Mostra Nacional de Ciência, seleciona os projetos destinados a representar Portugal em competições europeias e internacionais de ciência, como seja a Final Europeia, organizada pela Comissão Europeia, a ISEF nos EUA, a CASTIC em Macau, a Expo-Science no Luxemburgo, a Zientzia Azoka em Espanha, a ESI nos Emirados Árabes Unidos, a Semana de Investigação nos Alpes Suíços e a MOSTRATEC no Brasil. «É através de iniciativas como o Concurso para Jovens Cientistas que a Fundação da Juventude tem premiado o mérito e a investigação científica. Este esforço é reconhecido pelos prémios obtidos em participações internacionais», acrescenta Carla Mouro.

 

A avaliação e a seleção dos trabalhos, cabe a um Júri coordenado pela Ciência Viva, o qual integra professores, investigadores e personalidades de reconhecido mérito das diferentes áreas científicas envolvidas. Os projetos selecionados para a 13ª Mostra Nacional de Ciência, que decorre de 30 de Maio a 1 de Junho, no Centro de Congressos da Alfândega do Porto, podem ser consultados aqui.

 

Com entrada livre, a Mostra Nacional de Ciência está aberta ao público nos seguintes horários: Dia 30 de Maio: 16h às 18h | Dia 31 de maio: 10h às 17h30 | Dia 1 de Junho: 10h às 15h

 

A 27ª edição do Concurso para Jovens Cientistas e a 13ª Mostra Nacional de Ciência, integram o Projeto Gera Talentos, um programa estruturante de apoio ao empreendedorismo qualificado e criativo, promovido pela Fundação da Juventude, que visa fomentar, reconhecer, distinguir e premiar a inovação, a criatividade e o talento dos jovens cientistas e empreendedores.

O Projeto Gera Talentos é uma iniciativa promovida pela Fundação da Juventude, financiada pelo Portugal 2020, no âmbito do COMPETE 2020 (Programa Operacional da Competitividade e Internacionalização 2014-2020).

 

DE 31 DE MAIO A 2 DE JUNHO EM CAMINHA - DANCE, CANTE E VIBRE COM A 6º EDIÇÃO DO ENTRE MARGENS-ENCONTRO DE TOCADORES

3M1A6202.jpg

 

O Entre Margens - Encontro de Tocadores é um evento de três dias, organizado pela PédeXumbo em parceria com aCentral Folque, Gaiteiros de Ponte Velha, a Music Trad e o apoio do Município de Caminha , que pretende juntar tocadores de instrumentos tradicionais de gerações distintas, fomentando a partilha de conhecimentos, repertórios e técnicas instrumentais. Deste modo, espera-se possibilitar a continuidade das tradições musicais de várias regiões, em particular da região do Minho. Este Encontro abrange sessões de trabalho entre músicos (oficinas de instrumentos), palestras, documentários, feira de construtores de instrumentos e bailes ao improviso abertos ao público em geral.

 

O formato do evento consiste numa série de oficinas de aprendizagem, com a presença de tocadores de vários instrumentos e a assistência das oficinas será constituída por jovens músicos que tencionam aprender técnicas e repertórios de instrumentos “tradicionais”, procurando renová-los, experimentá-los e inseri-los em novas práticas musicais, sem intenções “fossilizadoras” ou discursos imobilistas de identidade regional ou nacional.

 

Para além destas oficinas, o Encontro inclui ainda palestras com temas específicos e oradores convidados (músicos, tocadores académicos, etc.), exposições, concertos, projeção de filmes e documentários, bailes noturnos à volta de “jam sessions” dos vários músicos presentes. Tudo isto, com vista a gerar uma interação entre músicos e não-músicos de várias gerações e proveniências.

 

Através das práticas musicais, gera-se maior riqueza na descoberta de instrumentos, repertórios e, sobretudo, numa reflexão implícita sobre quem somos e para onde vamos, através da música.

 

Site do projeto: http://www.encontrodetocadores.pedexumbo.com/

 

Pág. 22/22