Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Oktoberfest by Teleperformance transforma Lisboa em Munique | 6 de outubro | Mercado de Santa Clara, em Lisboa

Dia 6 de outubro, Mercado de Santa Clara, com entrada livre e sujeita à capacidade do espaço

image002.jpg

 

 

O Mercado de Santa Clara, em Lisboa, será o palco do Oktoberfest by Teleperformance, que acontecerá no dia 6 de outubro, das 14h00 às 20h00, com entrada gratuita e sujeita à capacidade do espaço. Além da gastronomia, haverá também música e jogos tradicionais para celebrar a cultura e envolver a comunidade alemã, no espírito "traz um amigo alemão".

 

No Oktoberfest by Teleperformance vai ser possível degustar as típicas salsichas alemãs, pretzels, entre outros petiscos, e ainda cervejas típicas. A animação musical será com a DJ Sg e o início do evento vai ser assinalado com a tradicional cerimónia de abertura do barril com um martelo para ser servida a primeira caneca.

 

João Santos Tavares, Diretor de Recursos Humanos da Teleperformace Portugal refere: “A Teleperformance Portugal orgulha-se em ser uma empresa versátil e multicultural e com uma grande variedade de experiências e competências. Por isso, é prática comum assinalar os dias festivos das nacionalidades que estão no nosso universo. E, com mais de 600 colaboradores de nacionalidade alemã, faz todo o sentido recriar um evento que traga a esta equipa um pouco do “sabor a casa”, mesmo estando longe. Além de promover a integração dos colaboradores, este tipo de iniciativas pretendem celebrar a diversidade e dar diferentes tradições aos portugueses.”

 

Organizado pela Teleperformance Portugal, esta iniciativa celebra a cultura e língua alemãs, que é uma das 86 nacionalidades presentes no universo de 10 400 colaboradores da empresa e um dos 35 idiomas falados. O Oktoberfest by Teleperformance vai trazer até ao Mercado de Santa Clara os trajes e petiscos tradicionais, música e muita animação que vão transformar Lisboa em Munique por uma tarde.

 

Jazz e Bossa Nova no Bairro Metropolitan

3 a 6 de outubro, no Novo Terminal de Cruzeiros de Lisboa

Cartaz.png

 

 

Entre os dias 3 e 6 de outubro, o Terminal de Cruzeiros de Santa Apolónia transforma-se num bairro pop-up, com diferentes manifestações artísticas, musicais e gastronómicas. Durante 4 dias os visitantes do Bairro Metropolitan vão ouvir Tiago Nacarato, Janeiro, Ive Greice, Ricardo Toscano trio e muito mais.

 

 

“No palco do Bairro Metropolitan os nossos visitantes vão ouvir Tiago Nacarato, Janeiro, Ive Greice, The Bossa Alibi, Blues & Swing Trio, João Ventura, Ricardo Toscano Trio, Suzie and The Boys, e vários DJs da Fuse Records, assistir a performances artísticas e na  Metropolitan Art ver exposições e instalações da Vanessa Teodoro, Maria Imaginário, Catarina Glam, Rita Ravasco e Drama Lisboa.

 

No Bairro pretendemos privilegiar as diferentes manifestações artísticas por considerarmos que se tratam de linguagens por excelência democráticas e que nos permitem descobrir dentro de nós universos de outra forma inacessíveis.

 

O dia 5 de outubro, sábado, será dedicado à Bossa Nova enquanto que o Jazz será transversal a todos os dias do evento. Domingo, dia 6 de outubro, e último dia do evento pop up, integram-se experiências dedicadas a um público inserido num segmento infantil”, explica Catarina Vasconcelos, mentora do projeto.

 

 

 

O Bairro Metropolitan, para além dos espaços de cultura, oferece lazer, um espaço comercial e um vasto património gastronómico.

 

“Na Pink Street os visitantes vão poder tirar fotografias em ambientes cor de rosa, enquanto que na Metropolitan Avenue podem fazer compras em lojas pop up, com uma vasta oferta de produtos de joalharia, marroquinaria, acessórios e vestuário. Na Wine Garden apreciar a degustação de vinhos e no Food Corner experimentar distintos sabores de diversas origens - comida Italiana, Tailandesa, Vegetariana, o típico Hambúrguer ou ainda deliciosas ostras. Fazer a barba na Barber Street, e por fim usufruir de um Rooftop com vista para a cidade de Lisboa”, conclui Catarina Vasconcelos.

 

O Bairro Metropolitan é um evento de cariz público e cultural, com entrada gratuita. Este bairro onírico, do mundo do imaginário, vai oferecer o que de melhor existe num bairro e colocar os visitantes no centro da experiência.

MOSAICO +INFO2-03.png

 

'HHY & The Macumbas' no CIAJG e 'Do Avesso' CCVF integram 9ª edição do Guimarães noc noc (5 e 6 outubro)

f5d9615cf59f87692451.jpg

 

No fim de semana em que decorre a 9ª edição do Guimarães noc noc, o Centro Internacional das Artes José de Guimarães (CIAJG) propõe a atuação de HHY & The Macumbas na sua Black Box (5 outubro, 21h30) e o Centro Cultural Vila Flor (CCVF) abre as suas portas para uma visita performativa em que o público explora este espaço Do Avesso (6 outubro, 17h00), investigando o que se esconde atrás do que está por trás – o que não se vê, o que não está em cena. Ambas as iniciativas têm entrada livre, estando integradas no programa do Guimarães noc noc, mostra artística informal organizada pela Associação Cultural Ó da Casa!, que se dedica à promoção das artes e artistas desenvolvendo projetos no âmbito cultural. 

 

Este sábado, 5 de outubro, às 21h30, a Black Box do CIAJG recebe o concerto do coletivo HHY & The Macumbas. Há uma década Jonathan Uliel Saldanha, artista multifacetado e que integra o elenco de “Geometria Sónica”, exposição que está patente no CIAJG desde junho, criou um coletivo musical, que integra nomes fundamentais da cena experimental do Porto, como João Pais Filipe, André Rocha, Frankão, Filipe Silva e Brendan Hemsworth. A intenção era criar um laboratório para o desenvolvimento de uma linguagem sincrética a partir de música periférica, a que chamou HHY & The Macumbas. Ao segundo álbum, “Beheaded Totem”, lançado no final do ano passado, confirmam-se como uma das grandes potências de criadores nacionais. No concerto deste sábado em Guimarães, a receita promete misturar percussão, eletrónica, sopros e bateria, em conjunto com uma teatralidade e um jogo com o espaço dos sons, a juntar à variedade e conjunção rítmica e tímbrica da acústica com a eletrónica. 

 

No domingo, às 17h00, a magia começa fora do palco com Do Avesso, da autoria de Manuela Ferreira.  Nesta visita encenada – que é também um espetáculo – aos lugares secretos do Centro Cultural Vila Flor faz-se o percurso inverso que por norma fazemos quando chegamos ao teatro. Em Do Avesso, o público investiga o que se esconde atrás do que está por trás – o que não se vê, o que não está em cena. Acompanhados por um grupo inusitado, descobrem-se armazéns, elevadores e outras passagens (quase) secretas, que abrigam memórias e preservam saberes das pessoas que preenchem o quotidiano de uma sala de espetáculos. Os bastidores do CCVF são assim o cenário e a inspiração para esta visita especial que mostra um lado deste centro cultural (habitualmente reservado aos artistas e profissionais do teatro) raramente visto pelo público.   

 

Do Avesso foi o projeto vencedor da 1ª Bolsa do Gangue de Guimarães (artistas de artes performativas cartografados pelo Teatro Oficina que são provenientes de Guimarães ou com íntima relação com este território, encontrando-se espalhados pela cidade, pelo país e pelo mundo). Entre os elementos que constituem este projeto encontramos Manuela Ferreira, responsável pela encenação e dramaturgia, Mário Alberto Pereira, Rita Morais e Tiago Porteiro, no papel de intérpretes, sendo o texto da autoria de Ana Arqueiro. 

MAAT celebra terceiro aniversário com fim de semana de portas abertas

MAAT celebra terceiro aniversário com fim de semana de portas abertas

 

Legendary Tiger Man apresenta-se em palco para um cine-concerto.

Alice Joana Gonçalves com Daddy G. marcam 5 de outubro, dia do aniversário do museu.

Visitas guiadas às exposições e oficinas para a família fazem parte do programa.

Fim de semana especial encerra com Out Jazz à beira-rio.

 

 

 

O Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT) comemora o terceiro aniversário no próximo dia 5 de outubro e assinala a data com um open weekend.

Durante este fim de semana de portas abertas –dias 4, 5 e 6 de outubro – vai ser possível conhecer gratuitamente as novas exposições e participar em visitas guiadas e oficinas para crianças.

 

NOVAS EXPOSIÇÕES

  • Anima Vectorias, da artista Angela Bulloch: uma instalação concebida para a Galeria Oval do MAAT.

O projeto compreende trabalhos em vídeo, que integra múltiplas projeções, animações 3D, avatares e dispositivos de realidade virtual

(exposição até 20 de abril de 2020). Curadoria de Inês Grosso e João Ribas.

  • Economia de Meios, uma exposição que integra a 5.ª edição da Trienal de Arquitetura de Lisboa, com o título ‘A Poética da Razão’:

a exposição propõe uma tipologia das formas pelas quais a economia de meios se exerceu até agora, e questiona as formas através das quais ela se poderia exercer hoje

(exposição até 13 de janeiro de 2020). Curadoria de Éric Lapierre.

  • Ama como a Estrada Começa, de João Pedro Vale e Nuno Alexandre Ferreira: ‘Ama como a Estrada Começa’ é um trabalho inédito pensado para a Project Room

e assume-se como uma reflexão sobre espaços de controlo e dissidência dos corpos (exposição até 20 de abril de 2020). Curadoria de Inês Grosso.

  • Dreamers Never Learn, de Vasco Barata: o artista transforma o espaço expositivo numa instalação em que os visitantes são imersos num ambiente urbano semiabandonado.

O espaço está fisicamente ‘ocupado’ e ao mesmo tempo mostra as repercussões de uma cheia e respetivos despojos

(exposição até 27 de janeiro de 2020). Curadoria de Carolina Grau.

 

ATIVIDADES E OFICINAS

4 de outubro:

  • Concerto de Legendary Tiger Man (One Band Man), 19h.

 

5 de outubro:

  • Oficina para famílias ‘Carrinhos Solares’, 11h30.
  • Visita à exposição ‘Playmode’, 12h.
  • Visita ‘Percurso Monumental’ (Central Tejo), 15h.
  • ‘Oficina do Cego’, 15h30-17h30.
  • Visita acessível temática arquitetura para públicos normovisuais + invisuais ou baixa visão, 16h.
  • Arquitetura em Curtas: Festival de Curtas Metragens sobre Arquitetura, 16h-18h.
  • Performance de Alice Joana Gonçalves + Daddy G., 17h-19h.
  • Legendary Tiger Man em cine-concerto, ‘How to Become Nothing’ + Lançamento Livro + Vinil + Conversa com Paulo Furtado, Rita Lino e José Pedro Cortes, 19h.

 

6 de outubro:

  • Estórias Com Asas ‘E Se, de Repente Tudo Fosse ao Contrário?’, 11h - 12h.
  • Oficina para famílias ‘Não Acordes o Dragão’ (Central Tejo), 15h.
  • Oficina para famílias exposição ‘Playmode’, 15h30-17h30.
  • Performance ‘Salão para o Século XXI’, de Isabel Costa, 16h-17h.
  • Visita ‘Percurso Secreto’ (Central Tejo), 16h.
  • Visita à exposição de Angela Bulloch, 16h30.
  • Out Jazz, 17h.

 

Programa exclusivo para membros:

Visita ‘Jogo MAAT à Descoberta’, 15h30-17h.

Visita à exposição ‘Playmode’, com a curadora Patrícia Gouveia, 16h-17h.

 

O MAAT vai estar aberto sexta-feira e sábado até às 21h e domingo até às 19h.

Para participar nas visitas orientadas e nas oficinas deverá inscrever-se através do e-mailvisitar.maat@edp.pt.

 

 

Artistas Unidos em digressão | VIDAS ÍNTIMAS de Noël Coward

VIDAS ÍNTIMAS de Noël Coward_22.JPG

 

Os Artistas Unidos vão estar em digressão com VIDAS ÍNTIMAS de Noël Coward. Um espectáculo com interpretação de Rúben Gomes, Rita Durão, Tiago Matias, Vânia Rodrigues e Isabel Muñoz Cardoso e encenação de Jorge Silva Melo.

 

VIDAS ÍNTIMAS de Noël Coward Tradução Miguel Esteves Cardoso Com Rúben Gomes, Rita Durão, Tiago Matias, Vânia Rodrigues e Isabel Muñoz Cardoso Cenografia Rita Lopes Alves e José Manuel Reis Figurinos Rita Lopes Alves Som André Pires Luz Pedro Domingos Assistência de Encenação Nuno Gonçalo Rodrigues Encenação Jorge Silva Melo Produção Artistas Unidos Co-Produção Teatro Nacional São João, Centro Cultural de Belém A Classificar pela CCE

 

No Teatro Municipal de Vila Real a 31 de Outubro de 2019

No Teatro Municipal da Guarda a 8 de Novembro de 2019

No Porto, no Teatro Nacional São João de 14 de Novembro a 1 de Dezembro de 2019

No Teatro Aveirense a 6 de Dezembro de 2019

Em Ponte de Lima, no teatro Diogo Bernardes a 14 de Dezembro de 2019

Na Póvoa de Varzim, no Cine-Teatro Garrett a 4 de Janeiro de 2020

Em Setúbal, no Fórum Municipal Luísa Todi a 11 de Janeiro de 2020

Em Santarém, no Teatro Municipal Sá da Bandeira a 18 de Janeiro de 2020

Em Braga, no Theatro Circo a 25 de Janeiro de 2020

Em Leiria, no Teatro José Lúcio Silva a 6 de Fevereiro de 2020

Em Coimbra, no Convento São Francisco a 8 de Fevereiro de 2020

Em Viana do Castelo, no Teatro Sá de Miranda a 15 de Fevereiro de 2020

Em Viseu, no Teatro Viriato a 21 e 22 de Fevereiro de 2020

Em Torres Novas, no Teatro Virgínia a 29 de Fevereiro de 2020

No CCB – Centro Cultural de Belém de 4 a 9 de Março de 2020

 

AMANDA É preciso ser tão antipático?

ELYOT É sim senhora, muito preciso mesmo. Em toda a minha vida nunca tive tanta vontade de ser antipático.

Noël Coward, Vidas Íntimas

 

Uma comédia clássica, sofisticada, sobre as vicissitudes do casamento e do divórcio. Uma análise cínica e aparentemente descomprometida das relações.

 

"A frivolidade só é frívola para aqueles que não são frívolos", diz a Madame De na obra-prima de Max Ophüls. E podia aplicar-se a este teatro de dinner jackets, champanhe, rosas, camélia e muita malícia. Mas vistas agora estas Private Lives são uma das mais cruéis análises das relações matrimoniais. Sob a doçura de uma primavera na Cote d´Azur quanto veneno, quanta maldade, quanto amor perdido? Uma obra-prima que queremos revisitar, um grande autor "menorizado" e fundamental. Depois de Pinter, Williams, Miller, quem? E com um sorriso de compreensão pelas fraquezas humanas.

Jorge Silva Melo

 

Pedro Mestre ao vivo| Teatro Tivoli BBVA | 29 Outubro, 21h30

19_cartaz_a3_tivoli_PM_final_v3-01.jpg

 

Como um dos grandes impulsionadores e embaixadores da música e das tradições do Alentejo, Pedro Mestre apresenta a 29 de Outubro no Teatro TIVOLI BBVA "Mercado dos Amores" o seu mais recente trabalho.

Um concerto que evoca o mais belo Cante Alentejano e o genuíno toque da viola campaniça, que desde sempre acompanhou os cantes de improviso no Alentejo.

Há 25 anos a cantar a música tradicional do Alentejo, pioneiro do projecto de salvaguarda do Cante, fundador e ensaiador de corais alentejanos, Pedro Mestre é um dos principais responsáveis pelo surgimento de novas gerações na música tradicional do Alentejo, levando o Cante Coral alentejano para as Escolas, onde desde 2006 ensina a tradição.

Neste  concerto, que se realiza no Teatro Tivoli BBVA, dia 29 de Outubro, Pedro Mestre apresenta temas inéditos, da sua autoria, assim como também temas do cancioneiro tradicional alentejano, que ganham aqui um novo fôlego com os vários convidados (FF, Hugo Osga, Celina da Piedade e Chico Lobo).

***


O Cante Alentejano já é Património Cultural e Imaterial da Humanidade. A decisão da UNESCO vai permitir salvaguardar e transmitir esta tradição a gerações vindouras, um trabalho a que o músico Pedro Mestre tem dedicado a sua vida. Há 25 anos a cantar a música tradicional do Alentejo, pioneiro do projeto de salvaguarda do Cante, fundador e ensaiador de corais alentejanos, Pedro Mestre é um dos principais responsáveis pelo surgimento de novas gerações na música tradicional do Alentejo, levando o Cante Coral alentejano para as Escolas, onde desde 2006 ensina a tradição a alunos do 1º ciclo, em várias escolas do Baixo Alentejo.

Paralelamente ao cante, Pedro Mestre tem trabalhado na preservação e salvaguarda da viola campaniça, instrumento tradicional do Alentejo. Aprendeu com os mestres tocadores a arte de construir e dedilhar esta peculiar viola de arame e, para além de a ensinar nas escolas, já levou este instrumento aos quatro cantos do mundo.

***

No álbum "Mercado dos Amores", Pedro Mestre recria uma realidade na vida do cante Alentejano e da viola Campaniça, que tiveram como palco as feiras e mercados da região. Lugares de encontro de poetas, trovadores e repentistas, homens do campo. Gente que ia à feira comprar e vender, mas também para se divertir, conviver, para dar e receber novidades, cantadas na roda do despique. Feiras e mercados onde se passeavam amores, num pé de dança ao som da viola Campaniça. Onde se aprendiam modas, que apareciam envoltas num copo de vinho.
"Mercado dos Amores" tenta fazer a ponte para outros palcos, outras realidades de hoje, de outras gerações a dedilhar a viola de arame do Alentejo, e a entoar as polifonias do Sul. Salienta-se deste logo pela escolha do título, uma aproximação à temática do amor, da paixão e da expressão sentimental do bem querer doa amantes, que se evidencia plasmada na singeleza da poesia muito ao estilo popular. Assim, conduzidos pela voz de Pedro Mestre, seguimos num percurso de ida e volta a um romantismo bucólico, acompanhado por sonoridades que muito bem se enleiam nos registos de expressões amorosas que o tempo levou, mas que é bom ficarem nas memórias.
"Mercado dos Amores" é composto por temas inéditos da autoria de Pedro Mestre e temas do cancioneiro tradicional alentejano.
Conta com a participação de vários músicos convidados; Ricardo Ribeiro, Celina da Piedade, FF, Lúcia Moniz, Rancho de Cantadores da aldeia  Nova de São Bento, Grupo Coral do Povo de Reguengos de Monsaraz e etc... Neste "Mercado dos Amores", Pedro Mestre faz uso de todo o saber aprendido ao longo da vida, nas rodas dos cantos de improviso e nos grupos corais, onde buscou inspiração.
 

DJ Firmeza e Space Quartet no Mercado de Outono Na Casa das Artes Bissaya Barreto

DJ Firmeza e Space Quartet no Mercado de Outono da Casa das Artes Bissaya Barreto 

 

A Casa das Artes Bissaya Barreto abre as portas no próximo dia 5 de Outubro para um Mercado de Outono e no programa pode-se assistir ao concerto de DJ Firmeza e depois ao de Rafael Toral’s Space Quartet. 

 

image001.png

 

 

Firmeza é DJ desde a adolescência, um mago quando toca a sua música ao vivo, dominando enredos percussivos de uma outra dimensão, do mais pronto a conduzir uma pista de dança rumo ao transe comunal que sem esforço o seu âmago espiritual convoca. O cofundador da crew Piquenos DJs do Guetto apresenta, na Casa das Artes Bissaya Barreto, o seu último EP, de nome Ardeu. Este e muito do seu trabalho é falado para além das fronteiras portuguesas, como o seu Alma do Meu Pai que é um clássico onde a vida e realidade estão reveladas nos ritmos e sons que cravam a pista de dança. Em 2017 protagonizou a coprodução da Príncipe com a FADER do filme Pai Nosso, uma curta ficção-ensaio a partir da sua vida quotidiana realizada pelo nova-iorquino Clayton Vomero. 

image002.png

Um quarteto post-free-jazz, construído pelo ouvido de Rafael Toral, dono de uma sensibilidade muito peculiar que tem sobressaído na música experimental portuguesa. 

Em concerto pode esperar-se experiência musical que se molda a partir da sonoridade experimental dos instrumentos eletrónicos de Rafael com, o contrabaixo de Hugo Antunes, a percussão de Nuno Morão e o saxofone de Nuno Torres, resultando num projeto que se intitula Space Quartet e que sucede a pesquisa de mais de sete anos de Rafael Toral, Space Program. 

image003.png

 

Download imagens para publicação em https://go.fbb.pt/mercadooutono 

 

Os mercados sazonais na Casa das Artes são uma tradição de diversidade, fruta com livros e discos com legumes, acepipes para beber e garrafas para trincar, cores de tudo e saudades da estação que terminou. Chegado o Outono é tempo de a Casa voltar a transformar-se num grande e colorido mercado de quase tudo. Este ano orgulhosamente integrados na programação da novíssima Festa da Praça da República que estamos a organizar com a vizinhança. 

 

 

 

Sábado, 5 de Outubro 

15H00 

Entrada Livre 

 

No Fórum Cultural - Baixa da Banheira: Teatro “Couve Rosa, Morango Amarelo”

couve rosa morango amarelo.jpg

 

Com criação e interpretação de Graça Ochoa, a peça de teatro “Couve Rosa, Morango Amarelo” sobe ao palco do Fórum Cultural José Manuel Figueiredo, na Baixa da Banheira, no dia 3 de outubro, pelas 14:30h, numa sessão dirigida aos alunos do 2º e 3º ciclos do concelho da Moita. Esta peça tem entrada gratuita, mediante inscrição prévia.

 

Uma couve rosa, uma rosa couve,uma rosa verde,um morango amarelo e uma banana lilás... As frutas, pelas suas formas particulares, pelos seus interiores sumarentos e coloridos são particularmente sugestivas. Encerram em si significados ocultos, estão carregadas de sentidos metafóricos e são uma constante durante o espetáculo. “Couve Rosa, Morango Amarelo” baralha conceitos, abana “pré-conceitos”, questiona estereótipos sobre o masculino e o feminino. Será estanque esta fronteira? Há um espaço intermédio? Ambíguo?

Através de uma linguagem sensorial, metafórica e poética; através da expressividade do corpo, do contar de histórias, da manipulação de objeto, no espetáculo, abordam-se questões como a identidade de género, o bullying e ou a orientação sexual, indo ao encontro da sensibilidade do público juvenil.

   

Criação e interpretação: Graça Ochoa | Conceção plástica: Sofia Silva | Desenho de luz: Alexandre Nobre | Música final / letra: Regina Guimarães | Música: Jorge Salgueiro | Apoio à criação: Dolores Matos e Margarida Chambel | Produção: Fiar Associação Cultural | Agradecimentos: Irene Ochoa Ntontsi, Helena Mancelos, Rita Alegria, Sofia Belchior, Sónia Passos, Susana Gonçalves, Stratos Ntontsis.

 

 

Reserva de Bilhetes:
Fórum Cultural José Manuel Figueiredo
Rua José Vicente, Baixa da Banheira
Tel. 210888900
Horário da Bilheteira:

De 3ª a sábado – 14:30h às 19:30h

Dias de espetáculo e cinema – uma hora antes do início do espetáculo ou sessão. Os bilhetes podem ainda ser reservados através do telefone 210 888 900, no horário de funcionamento da bilheteira. As reservas podem ser levantadas, no máximo, até 1h antes do início do espetáculo, com um limite de cinco bilhetes por reserva.

Na Baixa da Banheira: Orquestra de Sopros do Médio Tejo no Fórum Cultural

Na Baixa da Banheira

Orquestra de Sopros do Médio Tejo no Fórum Cultural

Orquestra de Sopros.jpg

 

No âmbito das Comemorações do Dia Mundial da Música, o Fórum Cultural José Manuel Figueiredo, na Baixa da Banheira, recebe, a 4 de outubro, pelas 21:30h, um concerto da Orquestra de Sopros do Médio Tejo, com entrada gratuita.

 

A Orquestra de Sopros do Médio Tejo nasce da realização de dois estágios anuais para formação de jovens instrumentistas. Nestes estágios, os jovens têm a possibilidade de trabalhar com os professores do Conservatório de Artes da Canto Firme de Tomar e com maestros de referência nacional e internacional.

Sediada em Tomar, esta Orquestra, com direção artística e musical do Maestro Simão Francisco, procura promover o encontro de músicos profissionais da região centro ou músicos que estejam ainda em fase de formação.

O repertório apresentado passa por obras originais para esta formação, sendo que, pontualmente, aborda algum repertório transcrito, historicamente interpretado pelas bandas filarmónicas ou orquestras de sopros.

 

 

Reserva de Bilhetes:
Fórum Cultural José Manuel Figueiredo
Rua José Vicente, Baixa da Banheira
Tel. 210888900
Horário da Bilheteira:

De 3ª a sábado – 14:30h às 19:30h

Dias de espetáculo e cinema – uma hora antes do início do espetáculo ou sessão. Os bilhetes podem ainda ser reservados através do telefone 210 888 900, no horário de funcionamento da bilheteira. As reservas podem ser levantadas, no máximo, até 1h antes do início do espetáculo, com um limite de cinco bilhetes por reserva.

 

Prémio Literário do Município de Mafra | Candidaturas até 30 de abril de 2020

cartaz_premioliterario.jpg

 

Encontram-se a decorrer, até 30 de abril de 2020, as candidaturas para a primeira edição do Prémio Literário do Município de Mafra. Instituído bienalmente, este prémio visa reconhecer, valorizar, incentivar, promover e divulgar a criação literária, sendo atribuído, alternadamente, a obras inéditas de poesia e de ficção em prosa. A edição de 2019/ 2020 destina-se a premiar o melhor trabalho inédito na modalidade de Poesia.

 

Reconhecendo aimportância da literatura na formação integral de jovens e adultos, desempenhando um papel fulcral como instrumento de educação, o Prémio Literário do Município de Mafra irá distinguir textos inéditos, escritos em língua portuguesa, da autoria de indivíduos de nacionalidade portuguesa ou estrangeira e de autoria única, atribuindo ao vencedor de cada edição, além de uma retribuição pecuniária, a publicação da obra premiada.

 

O júri, da primeira edição, é constituído pelos escritores Fernando Pinto do Amaral (Presidente), Alice Vieira e José Fanha.

 

As normas de participação e demais informações podem ser consultadas em: https://www.cm-mafra.pt/pages/1324