Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Música Avançada regressa ao Passos Manuel com Muqata, LAGOSS e OMNE

descarregar (15).jpg

 

Está marcado para 11 de novembro o regresso da rubrica Música Avançada ao Passos Manuel no Porto. Iniciado em 2020, este ciclo programático propõe o expandir do olhar para as periferias, espaço essencial para a descoberta dos novos paradigmas da música contemporânea. Para este regresso estão alinhadas as atuações do palestiniano Muqata, o trio experimental LAGOSS e a dupla OMNE. Os bilhetes custam 5 euros e poderão ser adquiridos à porta. A noite arranca às 22h30.

Trabalhando a partir de Ramallah, na Palestina, Muqata cria música a partir de samples, field recordings e a sua própria maquinaria electrónica. O resultado, músicas de texturas densas, cadências tonais abstractas e glitch. Membro fundador do Ramallah Underground Collective, é também uma das caras dos Tashweesh juntamente com Basel Abbas e Ruanne Abou-Rahme. A solo editou através de casas como a Discrepant e a Third Tapes, tendo também criado diversas bandas sonoras para cinema e dança. 

Composto por Daniel Garcia, Gonçalo F. Cardoso e M laden Kurajica, LAGOSS estreou-se nas edições na recta final de 2020, com Musica Imaginaria de las Islas Vol.1, um disco onde mergulham nas mitologias de uma ilha fantasma, habitada pelo borbulhar livre de diversas influências. Sons, formas e padrões desenham grandes visões de um bravo novo mundo, tomado pela fauna e flora e com desejo de mundo. 

A noite encerra com as escolhas musicais da dupla portuense OMNE

Recordamos que o acesso ao Passos Manuel requer a apresentação de certificado de vacinação e um teste negativo realizado nos intervalos estipulados por lei. A realização deste teste pode acontecer no laboratório instalado no piso térreo da Garagem Passos Manuel, em funcionamento entre as 23h00 e as 3h00. 

Concurso SmartVideo 21 Palmela: participe até 25 de dezembro!

 

SmartVideo 2021.jpg

 

Se gosta de vídeo, participe, até 25 de dezembro, no Concurso SmartVideo 21 Palmela, com o tema “Concelho de Palmela e o seu Património”.

Organizado pelo Município e de participação gratuita,o Concurso destina-se a jovens nas faixas etárias dos 13 aos 17 anos e dos 18 aos 30 anos, que residam, estudem ou trabalhem no concelho de Palmela. Tem como objetivos promover o contacto das/os jovens com o concelho na vertente artística, o vídeo enquanto meio de expressão e o trabalho de novos talentos, divulgar o património cultural do concelho e estimular e apelar à criatividade e ao espírito inovador.

Cada participante pode enviar para votação até dois vídeos (com um máximo de 21 segundos de duração cada, captados este ano, no concelho). Os vídeos devem ser enviados até 25 de dezembro para o e-mail juventude@cm-palmela.pt, juntamente com a ficha de inscrição (disponível no Facebook Juventude Interactiva e no site www.juventudeinteractiva.org) e acompanhados de uma descrição.

A votação vai decorrer nas duas últimas semanas de dezembro, através do Facebook Juventude Interactiva e por um júri de três membros escolhidos pela Município. A divulgação pública dos resultados será feita no dia 6 de janeiro de 2022, através dos sites www.cm-palmela.pt e www.juventudeinteractiva.org e do Facebook Juventude Interactiva.

As/os autoras/es dos três melhores vídeos em cada escalão etário recebem vouchers Worten no valor de 100€ (1.º lugar), 75€ (2.º lugar) e 50€ (3.º lugar), no caso das/os participantes entre os 13 e os 17 anos, e de 130€ (1.º lugar), 90€ (2.º lugar) e 60€ (3.º lugar), para as/os participantes dos 18 aos 30 anos.

Dê asas à criatividade e participe! Mais informações: juventude@cm-palmela.pt.

 

LOBO MAU ANUNCIA NOVO EP VINHA A CANTAR COM VÍDEOCLIP “AOS OLHOS DA ALDEIA”

 

“Aos Olhos da Aldeia” é o single e o primeiro vídeoclip de apresentação do EP Vinha a Cantar do LOBO MAU que será editado dia 17 de Dezembro. “Aos Olhos da Aldeia” é uma canção que narra a história de duas pessoas que se cruzam e se seduzem numa realidade rural que nos parece transportada do passado, mas na qual nos revemos e da qual também fazemos parte. Inspirada nas histórias reais de quem as viveu desta forma, ela fala-nos da expectativa do momento aguardado, de amor, do que foi e do que ainda é. Cruzando, na sua sonoridade melódica, elementos da música de raiz portuguesa com sons contemporâneos, ela é intemporal no seu foco poético e é o single que dá o mote ao conjunto de canções do EP Vinha a Cantar. O videoclip da canção, realizado por Gil Chagas, é o retrato de um baile ao relento, pela noite dentro, levados pelo vento, pela música e pelas pedras que testemunham as relações humanas ao longo dos tempos.

 

LOBO MAU é a banda de David Jacinto, Gonçalo Ferreira e Lília Esteves. Depois de colaborarem na mítica banda TvRural, uniram-se na criação do universo sonoro das canções que nascem da sua partilha artística, enquanto músicos, autores, compositores, intérpretes e produtores.

 

Após o lançamento do seu primeiro álbum, Na Casa Dele, em Abril de 2020, o LOBO MAU apresenta agora o EP Vinha a Cantar, com o Apoio da Fundação GDA. Um conjunto de canções que nasceram do processo criativo inspirado na comunhão das pessoas com a sua história, as suas raízes, as suas contemplações e os seus jeitos de viver e sentir. É uma reflexão sobre a identidade comum entre a ruralidade de uma aldeia portuguesa e a realidade urbana da actualidade.

 

Com a sonoridade própria do LOBO MAU, Vinha a Cantar é um passo em frente na experimentação sonora do repertório original e desinibido da banda, enquadrado no espectro que engloba o rock independente, a música folk e a canção portuguesa e que abraça a multiculturalidade musical e poética do Portugal actual.

 

O EP Vinha a cantar tem lançamento marcado para 17 de Dezembro e será apresentado ao vivo no dia 18 de Dezembro no CRIARTE, em Carcavelos. Ao vivo, o LOBO MAU pode ser intimista e envolvente, com uma guitarra e duas vozes, mas também arrojado e intenso quando a ele se juntam a bateria, a percussão, o baixo, o contrabaixo, as teclas ou qualquer outra das texturas sonoras dos músicos convidados que enriquecem o seu universo. O palco é a sua casa, e a sua casa é o local onde a sua música cria laços com quem o ouve, com quem lhe reconhece as estórias, as sensações e a essência da sua sonoridade indie, rock, folk, tuga, com qualquer coisa de indefinível e que faz eco em quem o sente e ao qual também pertence.

 

www.lobomau.bandcamp.com

www.facebook.com/Lobo.Mau.Musica

www.instagram.com/lobomau_musica

www.youtube.com/channel/UCfk2yvg71nqsunI37Bmav1g/featured

O primeiro single (e vídeo) dos 5ª Punkada - o projeto musical da Associação de Paralisia Cerebral de Coimbra.

 

Os 5ª Punkada são uma banda de rock constituída há mais de 25 anos por utentes da Associação de Paralisia Cerebral de Coimbra.

A 23 de Dezembro de 2021 lançam o disco de estreia, que foi gravado e produzido por Rui Gaspar (First Breath After Coma) e que conta com os músicos convidados Surma e de Victor Torpedo (The Parkinsons /Tédio Boys). A apresentação ao vivo (com os músicos convidados) em palco também já está marcada para esse mesmo dia, em Leiria.

 

"Blues da Quinta" é o single de avanço para o disco "Somos Punks ou não?"

Quem são os 5ª Punkada?
 

Fausto Sousa nasceu para compor música, escrever letras, cantar e tocar, mas quem o vê na sua cadeira de rodas, com a paralisia cerebral a tomar conta dele, dificilmente imaginaria que ele conseguiria fundar uma banda. Mas, com muito trabalho e com o espírito mais punk que pode haver, Fausto prova o contrário há já quase três décadas, quando fundou este projeto.

Desde 2008, é acompanhado nesta aventura por Fátima Pinho, teclista (que integra também a orquestra de samples “Ligados às Máquinas”, também na APCC) e é uma espécie de referência estética dos 5ª Punkada, sempre preocupada com a segunda parte do binómio ‘som + visão’.

Jorge Maleiro e Miguel Duarte são os elementos mais recentes, tendo ambos entrado para a banda em 2018. Jorge, além de garantir boa disposição, tem toda a ambição das grandes estrelas rock e começou a tocar guitarra elétrica apenas quando passou a integrar o grupo, mas hoje já fala em fundar uma outra banda e talvez até em ter uma carreira a solo.

Miguel é o mais novo dos quatro e o otimista de serviço, discreto q.b. mas seguro de como quer fazer as coisas.

Paulo Jacob é o musico-terapeuta da APCC que coordena o projeto há duas décadas, desde 2001. 

Bilhetes para concerto de apresentação

"Crush" de Bibas

Uma homenagem a Cesária Évora e um concerto natalício de música clássica a não perder esta semana

descarregar (11).jpg

 

SODADE - Homenagem a Cesária Évora

10 DE DEZEMBRO | 21HOO | COLISEU DOS RECREIOS

Esta semana celebramos Cesária Évora, com um concerto único, assinalando duas datas simbólicas, a do seu nascimento (faria 80 anos a 27 de agosto) e a da sua partida, há 10 anos (no dia 17 de dezembro de 2011).

Sodade - Homenagem a Cesária Évora reúne músicos de vários países e diferentes cantores, que trazem à memória a Diva dos Pés Descalços, num repertório que levou Cabo Verde e a lusofonia aos quatro cantos do mundo e que permanece na memória coletiva.

Emilio Moret (um dos cantores do icónico grupo cubano Septeto Habanero), Teófilo ChantreNancy VieiraTito ParisLucibela e Elida Almeida dão voz à cantora cabo-verdiana também conhecida como rainha da morna.  Às seis grandes vozes, juntam-se 12 grandes músicos, num palco em forma de arena para um espetáculo especial que terá lugar no Coliseu dos Recreios, sexta feira (dia 10), às 21h00.

Integrado no programa Natal em Lisboa, organizado pela EGEAC, este concerto é gratuito e solidário com a União Audiovisual, sujeito a levantamento prévio de bilhete (dias 6, 7 e 9 de dezembro, das 13h00 às 19h30 e dia 10, entre as 13h e as 21h00), mediante donativo de bens alimentares não perecíveis e produtos de higiene.
 

Cantar o Natal

11 DE DEZEMBRO | 21H00 | IGREJA DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

descarregar (12).jpg

Igreja do Sagrado Coração de Jesus @José Frade/EGEAC

 

Diferentes gerações do Coro de Câmara Lisboa Cantat e uma orquestra especialmente criada para este concerto, dirigida pelo maestro Cesário Costa, juntam-se este sábado para interpretar canções tradicionais portuguesas de Natal, da autoria de Lopes-Graça, Sampayo Ribeiro e Eurico Carrapatoso. O programa apresenta também obras orquestrais de compositores italianos barrocos, entre os quais Corelli, Manfredini e Torelli.

O palco deste concerto será a Igreja do Sagrado Coração de Jesus, obra dos arquitetos Nuno Portas e Nuno Teotónio Pereira, vencedora de um Prémio Valmor e classificada como Monumento Nacional.

A entrada é livre, sujeita à lotação da sala os bilhetes estão disponíveis no local, no próprio dia, entre as 15h e até ao início do concerto. 
 
Para assistir a estes espetáculos é obrigatória a apresentação de certificado de vacinação ou teste de antigénio (42 horas) ou PCR (72 horas), bem como de Cartão de Cidadão para verificação do certificado /testes.
 

TEATRO-CINE DE TORRES VEDRAS ACOLHE ESPETÁCULO DE DANÇA CRIADO POR MIGUEL MOREIRA

311450d8-32c7-4389-b7a5-eed1f54c6d4f.tmp

 

A Útero A.C. leva ao palco do Teatro-Cine de Torres Vedras no próximo dia 10 de dezembro, pelas 21h30, o espetáculo de dança Fraternidade I e II – Díptico de Miguel Moreira.

Acerca deste espetáculo e respetiva temática, o criador do mesmo, Miguel Moreira, refere o seguinte: “A fraternidade talvez seja o elo mais forte que liga todos os seres humanos numa tentativa de se entenderem e de perceberem a diferença que existe em cada um de nós. Focamos a peça no tempo e nos rituais de crescimento que nos fazem afirmar que uma pessoa é jovem ou velha ou que está na meia-idade. Na história de cada um, que é inconfundível mas que ao mesmo tempo se parece com tanta gente que conhecemos. Li um diário de um senhor, que escreveu diariamente desde os 83 anos até aos 92 anos. Todos os dias mapeou o tempo da sua vida. O mais surpreendente é que podemos ver no diário, a cada dia, a hora a que se deitava, a hora a que acordava e a hora a que voltava a adormecer. Há um hiato em que não sabemos o que se passou. O tempo da insónia. Esse tempo é o tempo que, de uma forma metafórica, deveríamos conseguir dançar. Dançar o tempo da insónia.”

Para o festival GUIDANCE, Cláudia Galhós efetuou a seguinte abordagem ao trabalho de Miguel Moreira e ao seu referido espetáculo: “Há um tumulto permanente em Miguel Moreira. Há algo de excessivo, que se esvai nas palavras que diz, nas ideias que partilha, e nessa busca incessante por um movimento que tem uma raiz interior. Às vezes, o corpo até pode recuar ou reduzir a sua pulsação em cena, contrair a convulsão, mas por dentro será sempre trémulo e inquieto. Miguel fala com o mesmo entusiasmo obsessivo com que se dedica à dança. Ele diz coisas assim: “O trabalho do artista é sobre o que não conhece. Não é sobre ‘gosto’ ou ‘não gosto’, não me interessa isso. O trabalho do artista é sobre conhecer." (...) Ele diz coisas assim: “Fraternidade II é diferente das outras criações porque venho com a Fraternidade I na cabeça. Quero fazer um díptico como num quadro. Sei que as pessoas vão olhar primeiro para o 1, e já tenho isso dentro de mim." O ponto de partida é o mesmo: um caderno de anotação metódica das horas, que acompanhou a vida de uma pessoa a caminho dos 90 anos. "Um diário muito metódico, que sugeria uma organização mental... no final já só havia números. ‘Deitei-me à meia-noite’, depois há anotações de horas, ‘2h30 da manhã’, ‘3h30’. Tornou-se um registo do passar do tempo, de alguém que vai acordando ao longo da noite, e toma nota das horas em que desperta. Só tem números. Fez-me pensar que a Fraternidade seria a dança desse mundo, em que acordamos e adormecemos e não sabemos bem onde estamos.”

O preço dos bilhetes para se assistir ao espetáculo de dança Fraternidade I e II – Díptico de Miguel Moreira no Teatro-Cine de Torres Vedras é de cinco euros.

 

Ficha Técnica

 

Uma peça de Miguel Moreira

Cocriação e interpretação: Carolina Faria, Cláudia Serpa Soares, Francisco Camacho, Luís Guerra, Maria Fonseca, Miguel Moreira, Romeu Runa, Sara Garcia, Shadowman

Música original ao vivo: Ricardo Toscano

Violoncelista: Nelson Ferreira

Desenho de luz: Rui Monteiro

Vídeo: João Pedro Fonseca

Cenografia e colaboração desenho de luz da segunda parte: Jorge Rosado

Residências e lugares de ensaio: Estúdios Vitor Córdon, Espaço Gaivotas, Latoaria, Teatro Aveirense, Estúdios ACCCA

Apoios: Dgartes / Governo de Portugal / Estúdios Vitor Córdon / Programa casa / Câmara Municipal de Lisboa / Pólo Cultural das Gaivotas

Coprodução: Útero e Centro Cultural Vila Flor / Festival Guidance / Cine Teatro Avenida / Teatro Aveirense

(Crédito Fotográfico: Helena Gonçalves)

Maria do Rosário Pedreira na última sessão deste ano do “365 Dias de Romance”

2ca33959-4ca0-4fdf-a4d5-09f63b0af564.tmp

 

A escritora Maria do Rosário Pedreira é a convidada da última sessão deste ano do “365 Dias de Romance: Conversas Literárias”, no dia 11 de dezembro, às 16h00, na Biblioteca Municipal de Palmela (sessão presencial, com transmissão online através do Facebook Palmela Município).

Nascida em Lisboa, em 1959, Maria do Rosário Pedreira licenciou-se em Línguas e Literaturas Modernas, variante de Estudos Franceses e Ingleses, na Universidade Clássica de Lisboa. Concluiu ainda o curso de Língua e Cultura do Instituto Italiano.

Depois de uma breve passagem pelo ensino, que a influenciou a escrever para jovens, ingressou na carreira editorial, sendo hoje editora de literatura portuguesa. A sua obra literária iniciou-se pela literatura juvenil, com duas coleções que foram adaptadas à televisão e venderam cerca de um milhão de exemplares.

Embora tenha publicado um romance e contos dispersos em revistas e antologias, é sobretudo conhecida como poetisa, tendo publicado quatro livros, hoje coligidos num volume com o título “Poesia Reunida”, distinguido com o Prémio da Fundação Inês de Castro. Está traduzida em várias línguas e publicada em volumes independentes, revistas e antologias em diversos países.

Tem participado em numerosos encontros de escritoras/es em Portugal e no estrangeiro. É ainda autora de letras para fado e canções e publicou uma biografia de Amália Rodrigues para crianças.

Tem um blogue sobre livros e edição, “Horas Extraordinárias”, que alimenta quase diariamente desde 2010. Escreve regularmente crónicas para a imprensa, algumas delas reunidas no recente livro “Adeus, Futuro”.

O “365 Dias de Romance: Conversas Literárias” é uma iniciativa dinamizada pela Câmara Municipal de Palmela, em parceria com a Casa Ermelinda Freitas (Programa Mecenas de Palmela) e a Livraria Culsete.

Para participar na sessão, é obrigatória a apresentação do Certificado Digital COVID e o uso de máscara. Mais informações e inscrições: 212 336 632 ou bibliotecas@cm-palmela.pt (lugares limitados).