Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Teatro Maria Matos - Programação Abril'22

descarregar (8).jpg

LAR DOCE LAR
A partir de 7 de Abril
Quinta a Sábado às 21h | Domingo às 17h | Duração: 105m aprox.  | M12
Bilhetes:  16€ - 20€

Lar Doce Lar”, o espectáculo que juntou pela primeira vez em palco Joaquim Monchique e Maria Rueff, regressa para uma nova temporada no Teatro Maria Matos a partir de 7 de Abril.

Duas idosas que partilham um quarto na Residência Sénior Antúrios Dourados embarcam numa competição desmedida por um quarto particular após a “partida” da sua anterior ocupante. Com o brilhantismo cómico a que já nos habituaram, Maria Rueff e Joaquim Monchique desdobram-se em múltiplas personagens e levam-nos numa viagem atribulada e hilariante pelos quatro cantos deste doce lar. 

Lar Doce Lar” estreou originalmente em 2012. Com um texto vibrante, reforçado pela vivacidade e inteligência das interpretações de Rueff e Monchique, alcançou rapidamente um grande sucesso junto do publico que se viria a repetir em 2015.

Este ano as portas da Residência Antúrios Dourados voltam a abrir-se e oferecem mais uma oportunidade de testemunhar ao vivo o enorme talento de dois nomes absolutamente incontornáveis da comédia nacional.

Texto A partir de O Que Importa É Que Sejam Felizes! de Luísa Costa Gomes
Encenação António Pires
Cenário F. Ribeiro
Figurinos Dino Alves
Desenho de luz Paulo Sabino

Com Maria Rueff e Joaquim Monchique

 

TEATRO - INFANTIL

descarregar (9).jpg

 

 

 

O PRINCIPEZINHO 
Sábados às 11h e às 16h | Domingo às 11h | 70m | M6
Bilhetes: 16€ - 20€

Depois do sucesso que fez em 2018, a Universal Music Portugal traz de novo para Portugal o musical O Principezinho (vencedor do prémio de Melhor Peça de Teatro para Crianças dos Pumpkin Awards 2018), versão para palco da célebre obra da autoria do francês Antoine de Saint-Exupéry que conta a história de um rapazinho com cabelos cor de ouro e de um piloto perdido no deserto.

O Principezinho conta com direcção e versão portuguesa de João Duarte Costa. O elenco volta a ser composto pelos atores que fizeram da produção estreada em 2018 um sucesso arrebatador: Mariana Pacheco, Paulo Vintém, Joana Brito Silva, José Lobo e Diogo Bach.

Esta é uma história intemporal sobre o amor e amizade e sobre a importância da honestidade e de nunca nos deixarmos de surpreender pelo mundo que nos rodeia, tendo emocionado várias gerações.
A música, as canções, os atores, as personagens virtuais em 3D e efeitos visuais de video mapping criam uma cenografia visual espetacular e mágica que transporta o público para o mundo fantástico de O Principezinho.

 

MÚSICA

 

 

 

RODRIGO LEÃO - CINEMA PROJECT Luísa Sobral

descarregar (10).jpg


11 e 12 de Abril
21h | M6 | 95m
Bilhetes: 25€ - 40€

Este espetáculo, em que Rodrigo Leão se apresenta como Rodrigo Leão cinema project, reune repertório dos três discos editados em 2020 e 2021 (O Método, Avis 2020 e A Estranha Beleza da Vida), assim como uma seleção de temas clássicos do compositor. É, por isso, bastante eclético, com uma grande abrangência de estilos musicais que vão do neoclássico à valsa. Em palco, Rodrigo Leão (sintetizador e piano e coros) é acompanhado pela sua banda habitual: Ângela Silva (voz, sintetizador e metalofone), Viviena Tupikova (Voz, violino e piano), Carlos Tony Gomes (violoncelo) e João Eleutério (guitarra, baixo, sintetizador, percussão, harmónio indiano e coros).
Ler mais...

 

 

 

FERNANDO CUNHA - A LINHA DO TEMPO 

descarregar (11).jpg


13 de Abril
21h | M6 | 75m
Bilhetes: 15,00 €

A “Linha do Tempo” é o mais recente álbum de originais de Fernando Cunha, nome incontornável da cena pop-rock nacional, membro fundador dos Delfins, Ar De Rock e da super-banda Resistência, editado em Fevereiro de 2022. No concerto será possível conhecer o novo trabalho na íntegra e ainda alguns dos temas mais marcantes editados a solo pelo artista.
Ler mais...

 

 

 

ALINE FRAZÃO - UMA MÚSICA ANGOLANA 

descarregar (12).jpg


21 de Abril
21h | M6 | 80m
Bilhetes: 12,50 €

Aline Frazão regressa aos palcos com o espectáculo de “Uma Música Angolana”, um novo disco onde retoma uma sonoridade de banda, cálida, festiva e poética, navegando entre vários ritmos de matriz africana.

 

 

 

FERNANDO TORDO - ABRIL. CANTIGAS DE ANTES E DEPOIS 

descarregar (1).png


22 de Abril
21h00 | M6 
Bilhetes: 25,00 €

Fernando Tordo apresenta “Abril. Cantigas de Antes e Depois” um espetcáculo onde recorda os compositores e cantores que viveram os três tempos: antes, durante e depois do 25 de Abril. Momentos que se podem definir cantando e contando, abrindo ainda mais as portas que Abril abriu. Mais do que um concerto, esta é uma oportunidade única para ouvir e conhecer as canções e as histórias que marcaram uma época histórica da música portuguesa.

 

Bilheteira online AQUI Reservas e informações de bilheteira 1820 | Outras informações 213 621 648 / info@fproducao.pt | Morada Av. Frei Miguel Contreiras, 52, 1700-213 Lisboa 

 

www.teatromariamatos.pt

Fã de ficção científica e mistério? 4400 chega ao SYFY no dia 25 de abril e é perfeita para ti


O SYFY pode ser visualizado nos seguintes operadores de televisão por cabo:

MEO: SYFY HD: Posição 76 // SYFY: Posição 576
NOS: SYFY HD: Posição 90 // SYFY: Posição: 67
NOWO: SYFY HD: Posição 41 // SYFY: Posição 341
VODAFONE TV: SYFY HD: Posição 87 // SYFY: Posição 88

Behind the REDGIANT | "Somewhere, somehow..." single/videoclipe retirado de "How far is far away?"

"How far is far away?" é inspirado na misteriosa beleza do cosmos. Tem na astrofísica, matemática e nas ciências em geral as suas principais referências criativas. O álbum de estreia dos Behind the REDGIANT já está disponível nas plataformas digitais e "Somewhere, somehow..." é o primeiro single/videoclip retirado do disco.

Abril, Mês do Livro e da Leitura

 

Para assinalar o Mês do Livro e da Leitura, que se comemora em abril, a Biblioteca Municipal do Vale da Amoreira vai oferecer livros.

 

A ação, que pretende sensibilizar os munícipes para a importância do livro e da leitura, decorre entre os dias 2 e 20 de abril e pretende assinalar o Dia Internacional do Livro Infantil, a 2, o Dia Mundial da Voz, a 16, o Dia Mundial do Livro, a 23, e o Dia Mundial da Propriedade Intelectual, a 26 de abril.

NOVIDADE Marcador: «Manual para descomplicar o cancro» de Marine Antunes

Capa Marine Antunes.png

A Marcador (Grupo Editorial Presença) lança a 6 de abril o «Manual para descomplicar o cancro» de Marine Antunes. 
 
O livro conta com a participação de três oncologistas: Diogo Branco, Joana Augusto e Joana Febra. 
Conta ainda com o contributo da enfermeira oncologista Sara Torcato, de Andreia Costa, sobrevivente oncológica e enfermeira, 
da psicoterapeuta Tânia Costa, da nutricionista Magda Roma e de Catarina Pazes, presidente da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos.

DESCOMPLICAR. É essa a missão deste livro. Roubar-te sorrisos ou até gargalhadas é um objetivo também. E é por isso que ao longo destas páginas irei apresentar-te diferentes e distintos profissionais de saúde da área da oncologia que admiro muito e que convidei para descomplicarem comigo.

 

E tornar mais fácil não significa ser leviano e muito menos desinteressado.

 

Se o cancro é uma doença tão dura, não devemos pelo menos tentar que a informação seja comunicada de forma leve? Se complicarmos o cancro, não complicamos também a vida da pessoa que é diagnosticada com ele?

 

 

 

Marine Antunes é muito mais do que uma sobrevivente oncológica. Desde que sentiu a urgência de comunicar e partilhar a sua história usando a sua ferramenta predileta, o humor, nunca mais parou.

A autora do projeto pioneiro Cancro com Humor tem vindo a ajudar doentes oncológicos (nacionais e internacionais) através dos seus livros, palestras motivacionais e ações criativas, como, por exemplo, a sua própria comunidade que vive sob o mote: «É possível ser feliz no caos.»

Relativamente à escrita, além dos vários livros do projeto Cancro com Humor, editou o divertido livro Teorias deUma (Not) Atinadinha, foi autora da banda desenhada É de Se Lhe Tirar o Chapéu, e por último deste Manual paraDescomplicar o Cancro.

Em coautoria com o seu marido, o ator e humorista Tiago Castro, lançou o projeto Se Podes Sonhar, Podes Concretizar, para o público juvenil, tendo chegado a mais de 18 mil jovens com um enorme sucesso.

Criou a webserie Quem É Boss Sabe Escolher, que aparece com o intuito de falar de temas da adolescência de forma divertida e impactante, seguindo-se o projeto Manual para Descomplicar o Cancro, disponível online. Criado a pensar na pessoa diagnosticada com cancro e seus cuidadores, contou com o apoio da marca Uriage e da revista Visão e foi impulsionador do seu quarto livro, Manual para Descomplicar o Cancro.

 

Festival Panda está de volta

image004 (2).png

O Festival Pandafaz 15 anos e para assinalar a data, o maior evento infantil em Portugal, irá reunir na Maia e em Oeiras, a partir de dia 25 de junho, os personagens mais acarinhados pelas crianças portuguesas num espetáculo inteiramente dedicado ao tema da “Viva a Amizade”.

 

Os primeiros espetáculos confirmados decorrem na Maia (Estádio Municipal Dr. José Vieira de Carvalho) nos dias 25 e 26 de junho e em Oeiras (Parque dos Poetas), nos dias 1, 2 e 3 de julho, com duas sessões diárias, à exceção do dia 1 de julho, que contempla apenas uma sessão pelas 15h30.

 

 

 

OS FILHOS, de Lucy Kirkwood @ TEATRO ABERTO

O Teatro Aberto vai estrear a 20 de Abril o espectáculo “Os Filhos”, de Lucy Kirkwood, com encenação de Álvaro Correia. A interpretação é de Custódia Gallego, João Lagarto e Maria José Pascoal. O espectáculo estará em cena até 3 de Julho.

Sinopse

Hazel e Robin são um casal de físicos nucleares reformados. Mudaram-se para uma pequena casa depois de um acidente na central nuclear onde trabalhavam ter contaminado a área circundante com radioactividade. Embora façam racionamento de água e electricidade, procuram manter as rotinas e levar uma vida tão normal quanto possível. Um dia recebem a visita de Rose, uma antiga colega, que lhes vem propor um regresso ao trabalho para repararem os danos causados pelo acidente. Estarão Hazel e Robin dispostos a tanto? A que custo?
Estreada em Londres em 2016, a peça Os Filhos problematiza a responsabilidade de cada indivíduo pelas escolhas que faz na sua vida pessoal, familiar e profissional e propõe uma reflexão sobre aquilo que cada um poderá fazer para melhorar a vida dos outros e proteger o planeta dos perigos que o ameaçam destruir.

CustódiaGallego_Ensaios©FilipeFigueiredo_Easy-Re

ESPECTÁCULOS

Quarta e Quinta às 19h

Sexta e Sábado às 21h30

Domingo às 16h00

SALA VERMELHA

“Odeio a Minha Irmã”, nova produção do teatromosca, estreia em abril

.

Para além da programação regular do AMAS – Auditório Municipal António Silva e da celebração do Dia Mundial do Teatro, com a apresentação do espetáculo “ZONA DE ALTA TENSÃO”, pelo Teatro Duas Senas, na Casa da Cultura Lívio de Morais, o teatromosca está prestes a estrear a sua nova produção teatral, “Odeio a Minha Irmã”, uma criação para toda a família. 

 

“Odeio a Minha Irmã” é um espetáculo que, na verdade, se divide em duas performances com textos dramáticos do dramaturgo e encenador francês Sébastien Joanniez e encenação de Pedro Alves, indicado para maiores de 6 anos. Na primeira parte, escutamos a voz da irmã mais nova. De seguida, o protagonismo é entregue à mais velha. Dois monólogos em que, recorrendo ao humor e uma linguagem muito inventiva, são traçados os retratos de duas personalidades fortes. "Eu odeio-a", confessam as duas, mas o público poderá compreender outra coisa: "eu amo-a". 

 

teatromosca vem, assim, convidar-vos a estar presentes, dia 25 de março, num ensaio aberto à imprensa, onde poderão também conversar com o encenador e diretor artístico da companhia, Pedro Alves. Caso não tenham disponibilidade na data sugerida, pedimos que nos informem qual seria a data mais conveniente para o efeito.

 

O espetáculo estará em cena no AMAS – Auditório Municipal António Silva, em Agualva-Cacém, aos sábados e domingos, às 16h, de 2 a 10 de abril. Seguirá em digressão pelo Seixal, Maia, Viana do Castelo, Leiria, Faro, entre outros locais.  

 

Na SNBA em Lisboa inaugura a exposição "LA LUNGA STRADA DI SABBIA / A LONGA ESTRADA DE AREIA" de Paolo Di Paolo

 

LA LUNGA STRADA DI SABBIA

A Longa Estrada de Areia

Fotografias de Paolo Di Paolo

Textos de Pier Paolo Pasolini

 

image002.png

Com a curadoria de Silvia Di Paolo

Organizada pelo Instituto Italiano de Cultura de Lisboa, Sociedade Nacional de Belas Artes, Festa do Cinema Italiano, Fondazione Sozzani de Milão

Sob a égide da Embaixada de Itália em Portugal

Promovida pelo Ministero degli Affari Esteri e della Cooperazione Internazionale

Em colaboração com a Fondazione Sozzani de Milão

Com o patrocínio do Centro Studi Pier Paolo Pasolini de Casarsa (Pordenone)

 

Inauguração

24 de Março 2022

às 18h00

Local: Sociedade Nacional de Belas Artes - Lisboa

Na presença de S.E. o Embaixador de Itália em Portugal Carlo Formosa, do diretor do Instituto Italiano de Cultura de Lisboa Stefano Scaramuzzino, da curadora Silvia di Paolo e do autor Paolo Di Paolo

 

Patente

De 24 de março a 16 de abril de 2022
Dias úteis das 12h às 19h, sábado das 14h às 19h

Entrada gratuita

 

O Instituto Italiano de Cultura de Lisboa apresenta “La lunga strada di sabbia” de Paolo Di Paolo e Pier Paolo Pasolini: mais de sessenta fotografias das quais muitas inéditas, vídeo, documentos, com a curadoria de Silvia Di Paolo.

 

Em 1959, Paolo Di Paolo, com 34 anos, era já fotógrafo, há cinco anos, do semanário Il Mondo dirigido por Mario Pannunzio. Aos 37 anos, Pier Paolo Pasolini era um escritor promissor, tendo publicado A melhor juventude, Vadios e Uma vida violenta. Embora não fosse, ainda, realizador. Arturo Tofanelli, diretor da revista mensal Successo e do semanário Tempo, confiava aos dois autores, que não se conheciam, a reportagem sobre as férias de verão dos italianos.

 

O escritor e o fotógrafo tinham visões diferentes. “Pasolini procurava um mundo perdido de fantasmas literários, uma Itália que já não existia  – recorda Di Paolo – eu procurava uma Itália que olhasse para o futuro. Tinha também concebido o título “A longa estrada de areia” que representava o árduo caminho percorrido pelos italianos para alcançar o bem-estar e as férias.” Nasce uma parceria complexa, delicada, que os aproximará apenas na primeira parte da viagem, mas que depois se consolidará no respeito mútuo e na confiança.

 

A história extraordinária em imagens de Paolo Di Paolo será publicada na revista mensal “Successo” e, para Pier Paolo Pasolini, La lunga strada di sabbia representará um texto com inúmeras publicações. A reportagem sairá em três capítulos (4 de julho, 14 de agosto e 5 de setembro de 1959) para contar as férias de verão dos italianos, percorrendo a costa, do Tirreno ao Adriático, de Ventimiglia a Óstia, de Torvaianica à Sicília, de Santa Maria di Leuca a Trieste. Pasolini escreve: “As montanhas da Versilia…risonhas ou sombrias? Eis uma coisa que nunca se consegue entender. Um pouco loucas, pela forma, e pintadas sempre com tintas do fim do mundo, com aqueles cor-de-rosa, aquele rubor seco da mármore que transparece, como por acaso. Mas tão doces, míticas. Aqui está a praia do Cinquale. (...)”

 

Em 1959 Fidel Castro lidera a revolução em Cuba e Moscovo reconhece o novo regime. Neste ano também Nikita Krusciov visita oficialmente os Estados Unidos e encontra Richard Nixon, conclui-se o Plano Marshall, é promulgada a lei Merlin contra as “casas fechadas”. Em Itália, o milagre económico iniciava-se. Nos jornais, às famílias italianas era apresentado um microcosmo de personagens míticas, em alternativa ao cinzentismo e aos medos da guerra, da emigração, da pobreza que se devia deixar para trás.

 

Di Paolo durante anos fotografou Cinecittà, os artistas e os intelectuais, a nobreza romana e as celebridades internacionais, além de importantes reportagens sociológicas sobre as prisões e o incremento industrial. Colabora durante muito tempo com Irene Brin para a revista mensal “Domina” e para a sua coluna na “Harper’s Bazaar”, mas, com o advento dos paparazzi, dos furos a qualquer custo e dos escândalos, o seu rigor, a sua fotografia profundamente narrativa e evocativa, rende-se.

 

Em 1966 encerra “Il Mondo” de Pannunzio. Paolo Di Paolo abandona a máquina fotográfica e muda-se para o campo, nos arredores de Roma. Regressa aos estudos filosófico e ao setor editorial e inicia uma longa colaboração com a Arma dei Carabinieri, com inúmeras publicações e mais de 40 calendários. O arquivo fotográfico, composto por mais de duzentos e cinquenta mil negativos, folhas de contato, impressões e diapositivos foi descoberto, por acaso, no início dos anos 2000, pela filha Silvia Di Paolo, riportando alla luce la straordinaria lettura di un’epoca.

 

A exposição “La lunga strada di sabbia” foi apresentada pela primeira vez, em 2021, na Fundação Sozzani de Milão.

 

 

PAOLO DI PAOLO

Nascido a 17 de maio de 1925 em Larino, Molise, Paolo Di Paolo muda-se para Roma logo após o fim da guerra e inscreve-se na Faculdade de História e Filosofia da Universidade La Sapienza.

Em 1946 começam as primeiras experiências jornalísticas come correspondente do diário nacional “Il Minuto” e, sucessivamente, com “Italia Libera” e com “Il Messaggero”.

Frequenta os ambientes artísticos de Roma e o grupo Forma 1 com artistas como Mario Mafai, Giovanni Omiccioli, Giulio Turcato, Antonio Corpora, Pietro Consagra, Carla Accardi e Mimmo Rotella. Trabalha no sector editorial e, em 1953, torna-se chefe de redação da revista “Viaggi Cit. Le tourisme en Italie”. Estreia-se na fotografia como amador, no sentido de "fotografar por prazer".

Em 1954 é publicada a sua primeira fotografia no semanário cultural Il Mondo no qual Di Paolo publicará mais de 573 imagens. Entre 1954 e 1956, colabora com La Settimana Incom Illustrata e, no mesmo período, inicia uma parceria assídua com o semanário Tempo. Foram inúmeras as reportagens e os serviços assinados com Antonio Cederna, Lamberti Sorrentino, Mino Guerrini, Luigi Romersa e Pier Paolo Pasolini. Como enviado especial, para além de toda a Europa, viaja na União Soviética, Irão, Japão e Estados Unidos da América.

Documenta Pasolini durante as filmagens dos filmes O Evangelho segundo São Mateus e Mamma Roma com Anna Magnani.

Conclui a sua carreira como fotógrafo em parceria com Irene Brin, celebre jornalista de moda, dedicando-se a reportagens sobre celebridades internacionais. Em 1968, decide acabar com a fotografia e regressa aos estudos filosófico e à investigação histórica. Entre 1970 e 2015 dedica-se às publicações editoriais, entre as quais o calendário do Comando Geral da Arma dei Carabinieri.

O arquivo de Paolo Di Paolo permaneceu escondido durante decénios, perfeitamente conservado, até ser descoberto, pela filha Sílvia, no início dos anos 2000.

Em 2019, o Museu MAXXI, Museo nazionale delle arti del XXI secolo, dedica-lhe uma importante retrospetiva em Roma.

O fotógrafo e realizador americano Bruce Weber acabou de apresentar “The treasure of his youth” (Little Bear, 2021) um docu-filme sobre Paolo Di Paolo.

Sugestão da Nova SBE para Dia Internacional do Livro Infantil: “Perguntas no Ar”

image003 (1).jpg

No dia 2 de abril celebra-se o Dia Internacional do Livro Infantil, uma data celebrada por iniciativa do Conselho Internacional sobre Literatura para os Jovens para promover a leitura entre os mais novos.A Nova School of Business & Economics (Nova SBE) associa-se a efeméride destacando como sugestão o livro infantil “Perguntas no Ar”, uma obra destinada a crianças entre 7 e os 10 anos de idade e professores que lecionam para esta faixa etária, que aborda os antagonismos que vivemos de uma forma divertida, criativa e pedagógica, sem nunca mencionar a palavra “paradoxo”. O objectivo é instigar o pensamento paradoxal das crianças através da leitura desta obra.

elaborado no âmbito do projeto European Forum on Paradox and Pluralism, um fórum financiado pela Comissão Europeia e que agrega cinco escolas de negócios europeias - Nova SBE (Portugal), CASS Business School   (Reino Unido), Escola de Economia e Gestão de Genebra (Suíça), LUISS Guido Carli (Itália)  e Rotterdam School of Management  (Holanda), o livro “Perguntas no Ar” está disponível gratuitamente em versão digital e impressa. O seu propósito é trazer perguntas que remetem a visões do mundo aparentemente opostas - Devemos sempre lutar pela paz? A liberdade de expressão tem limites? - apresentando os paradoxos como forças de regeneração das organizações e da sociedade, e de antídotos contra os antagonismos e as divisões — paradoxalmente, dir-se-ia, por vezes assumidos em nome da inclusão.

 

Com coordenação de Miguel Pina e Cunha (Nova SBE, Portugal), Aníbal Lopez (Nova SBE, Portugal) e Luca Giustiniano (Luiss University, Itália), a obra conta com textos de Isabel Minhós Martins (Planeta Tangerina) e ilustrações de Madalena Matoso (Planeta Tangerina).

 

Com a disponibilização gratuita deste livro e também com ações que no âmbito deste lançamento estão a ser desenvolvidas junto com a comunidade escolar, a Nova SBE pretende gerar um maior envolvimento e proximidade da escola com a sociedade no geral, promovendo um pensamento critíco, consciente e sustentável para temas atuais e globais.

 

 

Sinopse

Muitas das perguntas deste livro não têm uma resposta simples.

Muitas das perguntas deste livro vão dividir opiniões.

Existirem muitas opiniões é sempre uma coisa boa!

É sinal de que todos pensamos e de que não pensamos todos da mesma maneira.

É sinal de que há muitos pontos de vista, isto é, há muitas preocupações diferentes quando procuramos respostas para uma pergunta.

 

 

Edição digital do livro disponível aqui