Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

"LISBOA" INSPIRA MERCADO CRAFTS & DESIGN NO JARDIM DA ESTRELA

“LISBOA”, é o tema da próxima edição de Mercado Crafts & Design no Jardim da Estrela, nos dias 1 e 2 de Junho, das 10h00 às 19h00.

Lisboa_Junho 2024.jpg

Desafiamos os participantes a inspirarem-se na nossa cidade e convidamos os visitantes a conhecer as mais recentes propostas de joalharia, ilustração, moda, decoração, entre outras. 

 

Lisboa acolhe-nos desde 2006 e, por isso, esta edição é dedicada à cidade "menina e moça". Lembrem-se, Lisboa está em festa e, por aqui, esperamos que usufruam do mood criativo do Mercado Crafts & Design.

 

Sobre o Mercado Crafts & Design:
A decorrer desde Setembro de 2006, o Mercado Crafts & Design no Jardim da Estrela mantém o compromisso de se assumir como rampa de lançamento para criadores nacionais e internacionais nas áreas do design e do artesanato contemporâneo. Define-se como um mercado criativo para pessoas criativas, com uma curadoria criteriosa dos projectos participantes, cuja base são projectos de autor criados de raiz. Decorre no primeiro fim-de-semana do mês (excepto em Janeiro e este ano Agosto) com entrada gratuita. A organização está a cargo de Arquitexturas® - Organização de Eventos com o apoio da Câmara Municipal de Lisboa e Freguesia da Estrela.

 

Nota: créditos fotográficos | ©Flor Salgueiro 

 

Shopping Cidade do Porto dinamiza workshop alusivo aos Direitos das Crianças

descarregar (1).jpg

No próximo dia 1 de junho, o Shopping Cidade do Porto irá dinamizar um workshop dedicado ao Dia Mundial da Criança, sob o tema “Direitos que nos fazem voar mais alto”, no qual as crianças irão ilustrar dez dos seus direitos, entre 54 existentes.
 
Os participantes criarão juntos um mural, em cartolina no formato de papagaio de papel, na qual estarão inseridos um dos dez direitos selecionados - a parte interna estará vazia para que as crianças possam ilustrar esse direito.
 
Em parceria com a Carlin, o workshop decorrerá no piso -1, de forma gratuita, sendo necessário que os participantes se inscrevam previamente através do formulário digital. A iniciativa terá lugar nos seguintes horários: das 10h00 às 11h30; das 12h00 às 13h00; das 14h30 às 15h30; e das 16h00 às 17h00.
 
Ainda no dia 1 de junho decorrerá um rastreio visual infantil, no piso -1, em parceria com a Ergovisão. Já no dia 2, entre as 10h00 e as 19h00, as crianças poderão divertir-se com os insufláveis e pipocas disponíveis no centro comercial, situados também no piso -1.

ALEGRO SINTRA CELEBRA MÊS DA CRIANÇA COM JOGO DA GLÓRIA EM TAMANHO REAL  E INAUGURAÇÃO DO PARQUE LUCCAS NETO

 

AF_SNT_Dia_Crianca_cartaz.jpg

Está a chegar o mês mais aguardado do ano entre a pequenada e o Alegro Sintra faz uma viagem no tempo para surpreender os visitantes com o tradicional Jogo da Glória em tamanho real e não só…

 

No sábado, dia 1 de junho, entre as 11 e as 19 horas, todos os caminhos vão dar à Praça Central, no Piso 0 do Alegro Sintra, centro gerido pela Nhood Portugal, que vai transformar-se num mega tabuleiro onde os peões somos nós. Dois dados, desafios, cantorias, dancinhas e muita animação vão marcar este Dia da Criança que reúne pequenos e graúdos. Voltar a ser criança por um dia, recordar os bons momentos da infância e partilhar esses momentos em família. E o melhor?  Além da atividade ser gratuita, há ainda brindes Alegro e bilhetes de Cinema Castello Lopes Sintra para os “pequenos grandes” vencedores. Junte a família, prepare o pé-coxinho e entre em jogo, sem batotas!

 

Mas as celebrações não ficam por aqui… para dar continuidade às festividades dos mais novos, está quase a chegar o Parque Luccas Neto. Dia 15 de junho, este espaço de diversões exclusivo para os pequenotes chega pela primeira vez a Portugal para fazer as delícias dos fãs, uma estreia nacional no Alegro Sintra!

 

“PORQUINHA PEPPA” E “SUPERWINGS” ATERRAM NO PALCO DO ALEGRO MONTIJO PARA CELEBRAR O DIA DA CRIANÇA

Este fim de semana, há 2 motivos gratuitos para

levar os miúdos ao Alegro Montijo e um deles é uma estreia em Portugal

 

Alegro Montijo_Super Wings.jpg

 

 

 

  • Dia 1 de junho, às 11h e às 16h, Mini Show da “Porquinha Pepa” pela primeira vez em Portugal
  • Dia 2 de junho, às 11h e às 16h, espetáculo musical dos “SUPER WINGS”

 

Este Dia da Criança vai ser inesquecível! O Alegro Montijo, gerido pela Nhood Portugal, preparou um fim de semana muito especial com dois espetáculos gratuitos que prometem encantar e divertir os mais pequenos no sábado, dia 1 de junho e no domingo, dia 2, na Praça do Moinho.

Alegro Montijo_Porquinha Peppa.jpg

Diretamente da quinta mais animada da TV, e, pela primeira vez em Portugal, a “Porquinha Peppa e os amigos” sobem ao palco do Alegro Montijo no dia 1 de junho para dois Mini Shows onde os mais novos terão a oportunidade de ver ao vivo as adoradas personagens e soltar as emoções. O primeiro espetáculo gratuito acontece às 11h e o segundo pelas 16h, na Praça do Moinho.

 

No domingo, os mais novos vão embarcar com os SUPER WINGS em dois espetáculos musicais de uma das séries mais incríveis do Canal Panda, o primeiro às 11h e o segundo às 16h, também na Praça do Moinho. Vai ser difícil escapar ao ritmo da “Escola de Voo”. dos aviões mais divertidos de sempre.

 

Vemo-nos no Alegro Montijo no dia mais divertido do ano?

 

CCB | Dia Mundial da Criança na Fábrica das Artes > Quanto Vale a Liberdade // Missão: Libertar Os Sentidos // Cantar Juntos pelo Mundo

image001.jpg

Ficha artística

Direção artística Guilherme Gomes e Tânia Guerreiro

Cenografia Luís Santos

Música e espaço sonoro Leonardo Outeiro

 

Esta instalação é uma máquina/jogo de revoluções. Nela poderemos reconhecer metáforas para as estruturas que formam a nossa Sociedade: como estamos ligados uns aos outros e nos influenciamos e o sobre papel único que cada um de nós tem.

Inspirado pelo mecanismo do relógio, e pela diversidade de propostas de toda a equipa artística, o cenógrafo cria este invento; um engenho-engenhoca que é uma maquineta, que é uma nave, que é um veículo para descobrir e para expressar a Liberdade. No decorrer do processo criativo, contamos com alunos do curso de relojoaria do Centro de Educação e Desenvolvimento de Pina Manique da Casa Pia de Lisboa, como parceiros de trabalho.

A música original é parte integrante desta máquina de revoluções, que pode ser visitada e experimentada a sós, em grupo, ou ainda revelada através dos solos que os atores e as atrizes nos propõem ao longo dos meses.

E a Liberdade? Será que podemos medi-la, pesá-la, cheirá-la, escutá-la? Quem sabe, até tocá-la?

A entrada para a instalação é feita mediante inscrição para o número (+351) 213 612 899 ou para o e-mail fabricadasartes@ccb.pt

 

image002.jpg

oficina/performance

Missão: Libertar Os Sentidos

David dos Santos

1 de junho, sábado, 15h00 | 2 de junho, domingo, 11h00| Espaço Fábrica das Artes

 

Neste solo de David dos Santos, para responder à pergunta «Quanto Vale a liberdade?», o público é convocado para uma missão: ajudar o ator a recuperar os seus sentidos.

O público é parte fundamental desta oficina/performance, que pode ser uma discoteca, uma praia, um pequeno-almoço (a refeição mais importante do dia), uma experiência sensorial sobre a liberdade e também a falta dela. Vamos mergulhar nos cheiros, flutuar nos sabores e abraçar o som deste apelo — aceitar esta missão: ajudar alguém a ser livre.

Este espetáculo integra as atividades relacionadas com a instalação/jogo Quanto Vale a Liberdade? e faz parte do ciclo A Mesma Inquietação.

 

image008.jpg

música

Cantar Juntos pelo Mundo

Associação A PAR

1 de junho | sábado | 16h30 | Jardim das Oliveiras | entrada livre

Vamos viajar sem sair do lugar? No dia em que celebramos a nossa criança, trazemos um concerto de canções do mundo que viajaram desde os cinco continentes até nós, oferecidas por pessoas migrantes que residem em Lisboa. Canções da infância e da vida para dançar, rir, pensar, rodar e até sonhar!
Este é o concerto de lançamento de Cantar Juntos pelo Mundo, o 3.º volume do projeto musical Cantar Juntos, da Associação A PAR. Esta edição conta com a direção artística de Telma Pereira, direção musical de Carlos Garcia, ilustrações de Madalena Matoso (Planeta Tangerina) e muitas colaborações bonitas e surpreendentes.

 

Centro Vasco da Gama recebe exposição “Comer com Consciência” da Too Good To Go

A mostra tem como objetivo sensibilizar para o tema do desperdício alimentar e os visitantes podem ainda testar o seu conhecimento, habilitando-se a receber prémios.

image002 (2).png

A exposição “Comer com Consciência” organizada pela Too Goo To Go, empresa dedicada a salvar alimentos não vendidos e a combater o desperdício alimentar, está a caminho do Centro Vasco da Gama, em Lisboa. Esta iniciativa visa alertar e sensibilizar para o fenómeno do desperdício e a incentivar mudanças positivas no comportamento da sociedade.

 

Numa uma abordagem que concilia uma expressão visual e informativa, a mostra vai estar presente no Piso 0 do centro comercial, junto à Zara, entre os dias 23 de maio e 6 de junho, e tem ainda espaço para um quiz e prémios.

 

A peça central desta exposição é uma torre constituída por vários blocos, que simbolizam recursos naturais consumidos na produção de uma refeição, que culminam num exemplo de um “prato confecionado”, posicionado no topo da estrutura. Junto de cada um deles, encontram-se painéis informativos que revelam estatísticas e números relevantes sobre o desperdício de alimentos, em Portugal e internacionalmente.

 

No sentido de tornar a experiência ainda mais completa e permitir que os visitantes possam testar o seu conhecimento, é disponibilizado um QR Code que remete para um quiz sobre desperdício alimentar. Dentro desta plataforma, além de responder a questões relacionadas com a área, os participantes são desafiados a propor uma ação diferenciadora para combater o desperdício alimentar e, com isso, concorrer a prémios, entre os quais cartões de 25€ para compras, que distinguem o seu desempenho e incentivam a adesão de práticas sustentáveis.

 

Data: 23 de maioa 6 de junho

Local: Lisboa,Centro Vasco da Gama, Piso 0

Entrada: gratuita

Seixal World Music regressa entre 31 de maio e 2 de junho, com entrada livre

image002 (1).png

Maria Mazzotta, Buba Espinho, Lucibela, Bandua, 47Soul e Pongo vão subir, este ano, ao palco do Seixal World Music. O Parque Urbano José Afonso, em Miratejo, entre os dias 31 de maio e 2 de junho, recebe este evento dedicado à promoção da tolerância, do conhecimento e da paz entre os povos, através da música e de outras expressões culturais oriundas das mais diversas geografias. Além da música, não faltará o tradicional espaço dedicado às associações de imigrantes do concelho do Seixal, com gastronomia do mundo. Estarão representados neste espaço a Associação Cabo-Verdiana do Seixal, Potu Betu – Associação para o Desenvolvimento Social, Solidariedade e Cooperação com São Tomé e Príncipe, AAGA – Associação de Apoio à Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa, ANALP – Associação dos Naturais e Amigos de Lobata em Portugal (São Tomé e Príncipe), Kamba – Associação de Angolanos do Concelho do Seixal, Associação Raízes do Bairro de Santa Marta e Associação Juntos Sem Fronteiras.

 

«Numa verdadeira homenagem à multiculturalidade, o Seixal World Music é um projeto singular na Área Metropolitana de Lisboa que traz ao nosso concelho a música que se faz pelo mundo. De realçar, nesta edição, entre outros nomes sonantes da música africana e europeia, a participação de uma banda palestiniana que relembrará a urgência da paz no Médio Oriente e do fim do genocídio do povo da Palestina», salienta o presidente da Câmara Municipal do Seixal, Paulo Silva.

A iniciativa, com entrada livre, integra as comemorações dos 50 anos do 25 de Abril.

Programa


31 de maio, sexta-feira


16 horas – Abertura dos espaços de restauração


21 horas – Maria Mazzotta | Itália

A versatilidade única de Maria Mazzotta é o que a torna uma das vozes mais importantes da cena musical da região italiana de Apúlia e também das músicas do mundo. Desde 2020, ano que marcou a sua estreia a solo com o lançamento do álbum «Amoreamaro», já percorreu milhares de quilómetros, realizando mais de 200 concertos em mais de 25 países da Europa, América Latina e Ásia.

O seu novo álbum, «Onde», une a interpretação visceral de Maria Mazzotta com sons elétricos do post rock, criando uma união original e profunda.


23 horas – Buba Espinho | Portugal

Buba Espinho é um jovem cantor natural de Beja. Desde cedo que vive e sente a música de raiz intensamente, pela mão do pai, também músico, que lhe transmitiu a importante missão de a preservar. A música tradicional portuguesa tem em Buba Espinho um dos seus mais importantes porta-vozes da atualidade. Apesar da sua jovem idade, Buba cruza géneros musicais como ninguém e viaja do cante ao fado com a mesma mestria com que domina a música pop nacional e as sonoridades mais urbanas e atuais. As mais recentes atuações de Buba consagram-no como o cantautor que há muito despertava dentro dele e são o resultado de toda a sua vivência em Beja e no mundo da música de raiz, do fado e mais recentemente da pop.


1 de junho, sábado


16 horas – Abertura dos espaços de restauração


21 horas – Lucibela | Cabo Verde

Foi o barlavento, Ilha de São Nicolau, em crioulo Son Niklau, Saniklau, reconhecida como berço da intelectualidade cabo-verdiana, que viu nascer Lucibela em meados dos anos 80. O seu primeiro disco, «Laço Umbilical», fê-la percorrer o íntimo caminho entre o ser e a terra, dando voz de forma sublime a clássicos e prestigiados compositores cabo-verdianos, num prisma de maturação que a levou rapidamente a integrar alguns dos maiores festivais e salas por todo o mundo. Em tributo à mulher cabo-verdiana, e a todas as mulheres, «Amdjer», o seu segundo disco, realça a força e a alegria de viver, não obstante as angústias e desafios do quotidiano. Ao vivo irradia o sentimento envolvido na genuína tradição musical da alma cabo-verdiana. A sua mestria, potencial vocal e interpretativo colocam-na entre as grandes vozes da atualidade.


23 horas – Bandua | Portugal

Bandua agarra no cancioneiro popular da região da Beira Baixa e encara-o com uma reinterpretação folk eletrónica. Concebido pelo músico e produtor luso-brasileiro Tempura the Purple Boy, agora residente em Berlim, e pelo cantor, e versátil músico português, Edgar Valente, Bandua representa a primeira vez em que estas sonoridades, poemas e canções são transformadas num som pop eletrónico de língua portuguesa.


2 de junho, domingo


16 horas – Abertura dos espaços de restauração


20 horas – 47Soul | Palestina

A banda palestina 47Soul lançou as sementes do shamstep, um género que reúne influências do hip-hop, da música eletrónica e do R&B, fundindo-as com os sons do dabke, uma dança folclórica tradicional, e outras músicas de raízes shaa’bi, da região do Levante. As letras das suas músicas misturam árabe e inglês e apelam à celebração e festa na luta pela igualdade em todo o mundo.

Depois do sucesso do EP «Shamstep», a banda lança, em fevereiro de 2018, «Balfron Promise», um álbum com influências mistas entre a contemporaneidade londrina e os últimos 100 anos de controvérsia política do Médio Oriente. «Balfron Promise» está repleto de mensagens socialmente relevantes e inteligentemente escritas, integrando todos os elementos de uma transbordante e pulsante declaração de liberdade de expressão. Em 2020 o grupo lança o álbum «Semitics», com a colaboração de nomes como Lowkey, Fedzilla e Shadia Mansour.


22 horas – Pongo | Angola

Conhecida como a rainha do kuduro, Pongo é uma força da natureza, tanto dentro como fora do palco. A sua energia contagiante e criatividade notória fazem com que a cantora e bailarina misture a sua herança musical com ritmos que nos arrepiam desde a primeira batida. Em temas como o nostálgico «Kuzola» ou o eletrizante «Bruxos», o kuduro mistura-se com o pop, o EDM e com uma linguagem que só Pongo nos pode oferecer, viajando entre o kimbundu e o português e hipnotizando-nos com a sua entrega.

Após a sua aclamação em órgãos de comunicação como o «New York Times» e a BBC, Pongo já percorreu festivais por todo o mundo, encontrando-se neste momento a promover o seu último álbum, «Sakidila».

 

Exposição Afro Renaissance no palacete da Quinta da Fidalga, no Seixal

O palacete da Quinta da Fidalga, no Seixal, recebe, de 4 de maio a 2 de junho, exposição Afro Renaissance, uma celebração da multiplicidade e do dinamismo da arte contemporânea africana que reúne nove artistas distintos que navegam por um leque de estilos que vão desde o retrato e o expressionismo ao abstrato, passando pelo street art, fauvismo, surrealismo e pop art.

image002 (5).jpg

As peças expostas confrontam o espectador com temas contemporâneos prementes, desde migração e colonização até questões sociais e políticas, refletindo assim a vivência e o impacto do continente africano no contexto global.

 

«Além de mostrar toda a riqueza da cultura africana, esta exposição alerta para as desigualdades e injustiça social ainda existentes nas comunidades africanas, frequentemente ignoradas pelo chamado mundo privilegiado», refere o presidente da Câmara Municipal do Seixal, Paulo Silva, considerando que «se trata, no fundo, de reconhecer e abordar questões sociais muito sensíveis, num tempo em que a igualdade e a empatia deveriam ser universais».

 

Esta exposição será a primeira no âmbito da parceria entre o Município do Seixal e a plataforma Afrikanizm Art. A autarquia proporciona, assim, à população do município do Seixal uma oportunidade para a comunidade experienciar uma variedade de expressões artísticas e dialogar sobre o papel da arte no mundo atual. A entrada é gratuita, reafirmando o compromisso da autarquia em democratizar o acesso à cultura e à arte de relevância internacional.

Estão representados os artistas: Bolondo, Don Ruelas, Joselyna Pemba, Isabel Teixeira de Sousa, Emília Morais, Lino Damião, Thó Simões, Paulo Amaral e Rómulo Santa Rita. 

A abertura da exposição ao público está marcada para este sábado, dia 4, às 14 horas.

 

Luís Ançã apresenta exposição de desenhos na Biblioteca Municipal de Reguengos de Monsaraz

 

Luís Ançã 2023_Auto-Retrato.jpg

 

A exposição “Desenhos”, de Luís Ançã, vai ser inaugurada no dia 3 de maio, pelas 18h, no Auditório António Marcelino da Biblioteca Municipal de Reguengos de Monsaraz. Esta mostra de desenhos vai estar patente até ao dia 30 de maio e pode ser visitada de segunda-feira a sábado, das 10h às 12h30 e entre as 14h e as 17h30.

 

Luís Ançã vai apresentar 32 desenhos a tinta-da-china e aguarela realizados in loco. Desta forma, capta o momento e a atmosfera de cada local, permanecendo como um registo do presente e da sua envolvência cultural e plástica.

 

O artista pratica um exercício contínuo de experimentalismo plástico, marcando, ultimamente, um registo da realidade do dia a dia no lugar e no tempo, em representações que fogem ao naturalismo. O Alentejo, o Algarve, o património histórico-cultural, o campo e a cidade, a praia, um panorama, um moinho, um castelo, a rua, a feira, um cantar alentejano, uma visita a Angola ou ao Luxemburgo são obras de bem sentir e de respeito cultural, estética e formalmente não apenas aliciantes, mas indutoras da vontade de conhecer.

 

Luís Ançã nasceu em Lisboa, em 1955, onde estudou e se licenciou em Artes Plásticas/Pintura, pela Escola Superior de Belas Artes de Lisboa. Em 1978 abraçou a carreira de professor de Educação Visual em várias escolas, tendo-se depois fixado em Reguengos de Monsaraz.

 

É autor de obra pública em Reguengos de Monsaraz, com o trabalho “Passado e Presente” (2003), que está à entrada da Urbanização Tapada do Carapetal, mas também com os trabalhos azulejares da numeração de polícia das habitações da mesma urbanização, que integrou 101 pinturas em azulejo.

 

 

Exposição “25 de Abril presente e futuro” na Biblioteca de Palmela - visite até 31 maio!

Inauguração Exposição.jpg

A Exposição Documental “25 de Abril presente e futuro, sempre com a força dos trabalhadores” pode ser visitada na Biblioteca Municipal de Palmela até 31 de maio.

Organizada pela Câmara Municipal de Palmela e União dos Sindicatos de Setúbal - CGTP/IN, a mostra foi inaugurada no dia 20 de abril e dá a conhecer o contributo da luta das/os trabalhadoras/es ao longo dos anos para a Revolução de 25 de Abril de 1974.

A Exposição pode ser visitada no horário de funcionamento da Biblioteca: de terça a sexta-feira, das 10h00 às 19h00, e aos sábados, das 14h00 às 19h00 (encerra aos feriados).

Esta iniciativa integra o programa “Abril para Já!” que, até ao final do ano, está a assinalar os 50 Anos do 25 de Abril no concelho, com Exposições, Música, Teatro, Dança, Cinema, Literatura, atividades para a juventude, entre muitas outras. É promovido pelo Município de Palmela com os parceiros locais e enquadra-se no Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 16 - Paz, Justiça e Instituições Eficazes. Consulte a programação completa, atualizada em permanência, em www.cm-palmela.pt (Município - 50 Anos 25 de Abril).

 

Sinopse

 

            «A Revolução de 25 de Abril de 1974 é um dos momentos mais altos da história de Portugal, a concretização da vontade coletiva de pôr fim aos 48 anos da ditadura fascista e à guerra colonial, acabar com o atraso em que o país se encontrava, erradicar as gritantes injustiças e desigualdades sociais, construir um regime de liberdade e democracia para a emancipação social e política dos trabalhadores e do povo e afirmar a soberania e a independência nacionais.

            O percurso heroico de luta, de resistência antifascista, de luta dos trabalhadores deu um contributo inestimável para a vitória alcançada em 1974 sobre o regime fascista e colonial de Salazar, Caetano e seus sequazes, levada a cabo pelo Movimento das Forças Armadas em aliança com o povo português, e para tornar possível a libertação de Portugal naquele 25 de Abril de 1974».