Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Fado

8 de Maio de 2011

18h30

Velha Gaiteira

Rua da Pedras Negras 17
Lisboa

Saiu apressada de casa, canasta na cabeça, calcorreando as ruas da cidade, apregoando bordões inesquecíveis. Os anos por ela passaram num ápice, e de nova, amadureceu e depressa se fez velha. Como nunca tinha sido a menina bonita dos olhos de alguém, não soube com a velhice trazer o estado cúmplice da idade e o seu saber estar. Virou retro, cantava o fado e trazia consigo as lantejoulas de uma vida feita a só. Pailletés multicoloridos e meias de renda abaixo do joelho, enroladas para não cortar a circulação. Chapéu coquete à la mode garçonier. Movia-se apressada, nisso seguiu, canastra na cabeça e rima fácil da canção saudosa dos fados de outro tempo. Já não era jovem, era velha, a velha gaiteira. / Von Rau Pipiska

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.