Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

O SENHOR PUNTILA E O SEU CRIADO MATTI PREMIADO EM SANTARÉM

 

O espectáculo O Senhor Puntila e o Seu Criado Matti venceu dois prémios Bernardo Santareno 2010/2011. A VI Gala Santareno decorreu no passado domingo dia 20 de Novembro no Teatro Sá da Bandeira em Santarém. Junto enviamos imagens de João Lourenço e Miguel Guilherme que subiram ao palco para receber o prémio para melhor espectáculo 2010/2011 e melhor actor, atribuído a Miguel Guilherme pela sua interpretação do personagem Puntila.

 

Este espectáculo já tinha sido premiado em 2011 na XVI Gala dos Globos de Ouro com as distinções de melhor espectáculo e melhor actor e na Gala da Sociedade Portuguesa de Autores, onde Miguel Guilherme recebeu o prémio de melhor actor. A Associação Portuguesa de Críticos de Teatro, também distinguiu o actor com uma menção especial no Prémio da Crítica 2010 “pelo brilho e excelência singular na composição do Senhor Puntila, aliando um domínio exemplar do registo e do tempo cómicos a uma compreensão global da espessura do discurso do espectáculo.”

 

 

VERMELHO

                                                              de John Logan

 

 

A próxima encenação de João Lourenço estreia em Dezembro no Teatro Aberto. Os ensaios da peça Vermelho, de John Logan começaram no mês de Outubro e em palco estarão os actores António Fonseca e João Vicente que interpretarão este texto vencedor de 6 Tony Awards em 2010 incluindo melhor espectáculo, melhor encenação e melhor actor. A estreia mundial desta peça do aclamado dramaturgo norte-americano foi em Dezembro de 2009 em Londres. Junto enviamos uma fotografia de ensaio, cujos créditos são de Nuno Neves.

 

Nova Iorque, 1958-1959. O pintor Mark Rothko contrata Ken, um jovem assistente, para o ajudar na execução de um trabalho que lhe foi encomendado. Trata-se de uma série de murais para o luxuoso restaurante Four Seasons, integrado no edifício Seagram, um projecto inovador dos arquitectos Philip Johnson e Mies van der Rohe. Enquanto misturam as tintas e preparam as telas, Rothko expõe as suas ideias sobre a arte, reportando-se aos pintores que o antecederam, como Caravaggio ou Miguel Ângelo, e aos seus contemporâneos, como Jackson Pollock ou Andy Warhol: a arte deve propiciar o encontro do homem consigo próprio e com o mistério da existência e não ser um mero objecto de divertimento e decoração. No diálogo entre o mestre e o discípulo, desenvolve-se um intenso processo de reflexão que os transforma a ambos e os leva a procurar novos caminhos.

 

Escrito pelo autor norte-americano John Logan em 2009 e distinguido com vários prémios de teatro, Vermelho é um diálogo apaixonante sobre a arte e a vida que envolve não apenas artistas e criadores como também os seus cúmplices, os espectadores.

 

 

Ficha artística

 

Versão João Lourenço | Vera San Payo de Lemos

Dramaturgia Vera San Payo de Lemos

 

Encenação e realização vídeo João Lourenço

Cenário António Casimiro | João Lourenço

Figurinos Dino Alves

Supervisão audiovisual Nuno Neves

Luz Melim Teixeira

 

Com António Fonseca | João Vicente

 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.