Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

9ª Edição do Festival Encontros

9ª edição do Festival Encontros – Cores, Sons, Saberes e Sabores

 

DSC_0671.jpg

 

Este ano num novo espaço, no Largo junto ao Forum Barreiro, a 9ª edição do Festival Encontros acolheu centenas de pessoas e contou com muita música, gastronomia, artesanato e convívio. Na abertura oficial, no dia 6 de julho, a Vereadora Sara Ferreira, agradeceu à comissão organizadora, não apenas pelo trabalho desenvolvido na construção do evento, mas “por tudo o que dão no dia-a-dia da cidade”. O Festival Encontros decorreu nos 6 e 7 de julho, e celebrou a diversidade, a multiculturalidade e equidade entre os povos. Fizeram parte da Comissão organizadora a Câmara Municipal do Barreiro, Associação Angolana Residentes a Sul do Tejo, Associação Africana do Barreiro, MIORITA - Associação Cultural dos Imigrantes Moldavos, CLDS 3G, Associação NÓS, RUMO e Associação From Kibera With Love.

 

A Vereadora Sara Ferreira, responsável pelas áreas da Cultura e Intervenção Social, recordou que o Barreiro “sempre foi uma terra de acolhimento. Somos o Barreiro que somos graças ao contributo dos migrantes que vieram para cá”.

André Pinotes, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, saudou “esta soma de vontades que permitem este feliz encontro”.

Esteve também na abertura oficial o representante da embaixada da Moldávia, Andrei Pâlâdutâ, que agradeceu à Autarquia o acolhimento dado às associações de imigrantes, nomeadamente à Miorita. “Estes eventos demonstram que Portugal é uma terra de encontros e de acolhimento”.

Na abertura oficial estavam também os representantes das associações que compõem a comissão organizadora, o Vice-Presidente da CMB, João Pintassilgo, o Vereador Pedro Estrela, e a Presidente da União das Freguesias do Barreiro e Lavradio, Gabriela Guerreiro.

 

Comissão organizadora

Susana Santos (CLDS 3G) referiu que este “é um festival de muita amizade e partilha”.

Paula Encarnação, da NÓS, salientou que é a primeira edição em que a associação participa. “Faz todo o sentido esta participação, tendo em conta a nossa intervenção com famílias migrantes”.

Rute Pires, da Associação RUMO, referiu o prazer em participar nesta iniciativa, “já conhecida fora dos limítrofes do Concelho”.

Rodica Gherasim, da Miorita, salientou que o Barreiro “é uma terra de encontros”. “Esta é também a minha casa, referiu”.

Marta Baeta, de From Kibera with Love, incentivou os presentes a conhecerem mais sobre os sabores e a cultura do Quénia.

Gilberto Adriano, da Associação Angolana Residentes a Sul do Tejo, realçou os valores da harmonia e da fraternidade entre os povos.

Pedro Santarém, da Associação Africana do Barreiro, referiu que “neste festival, contruímos todos os dias uma união”. E incentivou “vamos pôr o Barreiro como um exemplo de luta contra o racismo.

Passaram pelos três palcos do Festival vários grupos, danças e músicas do mundo, entre eles, Nice Groove Batucada Lusófona (Portugal, Brasil, Cabo Verde, Moçambique e Angola), Selma Uamusse (Moçambique), Vitalie Dani (Moldávia), Melech Mechaya (Portugal) e Terrakota (Portugal).

 

Homenagem à Avó Juliana, a contadora de histórias

No âmbito da programação do Festival Encontros, decorreu no dia 7 de julho, a Homenagem à “Avó” Juliana, a contadora de histórias, que cativa, nas escolas miúdos e graúdos.

A iniciativa contou com a presença de familiares e amigos da “Avó” Juliana e membros da Comissão Organizadora do Festival - Pedro Santarém, Rodica Gherasim e João Rodrigues - do Ministro Conselheiro em representação da embaixada de Moçambique, Ananias Chigauque, e do Vice-Presidente da Câmara Municipal do Barreiro, João Pintassilgo.

“O Barreiro tem no seu ADN a multiculturalidade. O Barreiro é um exemplo, tal como Portugal, de abertura ao mundo”, referiu o Vice-Presidente na homenagem à “Avó” Juliana, agradecendo-lhe “por aquilo que está a ensinar às novas gerações”.

“Quando era pequena ouvia histórias tradicionais à volta de uma fogueira. Hoje, nas salas de aula, recordo-as às crianças do Barreiro e espero que estas histórias passem de geração para geração”. Juliana Alves, natural de Moçambique, referiu que, no Barreiro, “fiz amizades, criei novas raízes e tento transmitir um pouco da cultura e das tradições de minha terra. É com emoção que recebo esta homenagem e agradeço de coração a todos os representantes da Comissão Organizadora do Festival Encontros, à qual pertenço. É com imenso prazer que faço parte da construção deste festival intercultural. Agradeço ao Pedro Santarém que me meteu nestes caminhos. É um amigo de sempre e para sempre. Agradeço à Câmara Municipal por esta homenagem e principalmente por me convidar para ir às escolas fazer o que eu mais gosto que é conviver com os pequeninos e contar as minhas histórias. E agradeço à minha família pelo apoio e pelo incentivo para continuar. A Juliana estará sempre disponível para receber e partilhar a alegria e a riqueza da interculturalidade”, referiu a Avó Juliana.

De seguida, foram inauguradas, no Forum Barreiro, as Exposições “MULHERES NEGRAS - CULTURA E PROTAGONISMO”, com a presença do artista plástico Celso Fonseca, e AVÓ JULIANA | A CONTADORA DE HISTÓRIAS ILUSTRADA POR CRIANÇAS”.

 

CMB