Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

“Encontro com a Maia” é o título da exposição de Luís Filipe Azevedo em exibição no Centro Comercial Maia Jardim

 

2021 inicia-se com uma exposição fotográfica do autor natural de Moreira da Maia

EncontroComAMaia_Cartaz.jpg

 

<input ... >

 

Centro Comercial Maia Jardim começa 2021 com um brinde aos seus visitantes, presenteando-os com mais uma exposição a não perder. “Encontro com a Maia” é uma exposição fotográfica da autoria de Luís Filipe Azevedo e estará em exibição na galeria entre os dias 05 a 30 de janeiro, durante o horário de funcionamento do centro.

“Encontro com a Maia” apresenta um conjunto de imagens representativas de locais e eventos da Maia, aliando o aspeto documental da fotografia, registo de um tempo e espaço, ao aspeto artístico e criativo na construção de uma imagem.

Luís Filipe Azevedo é natural de Moreira da Maia, onde vive. É licenciado em Tecnologias de Comunicação Multimédia pelo ISMAI e atualmente desempenha funções no Departamento de Marketing de uma empresa, onde produz conteúdos multimédia. A fotografia surgiu aos 20 anos, como um hobby. Autodidata, com o tempo foi aprendendo e evoluindo, tendo contribuído para isso a formação superior e a experiência profissional.

Centro Comercial Maia Jardim aposta continuamente numa estratégia de diversificação e de aposta em eventos capazes de trazer aos seus visitantes uma oferta cada vez mais vasta de experiências e produtos únicos e serviços selecionados.

 

O BANQUETE de Miguel Mateus e Luísa Fidalgo | Na Malaposta

O Banquete é o resultado de um trabalho de cruzamento de obras selecionadas entre o elenco e a direcção do espectáculo, que procura oferecer ao público uma discussão sobre o amor. O texto surge a partir dessa reflexão transposta em monólogos que se cruzam num processo de colagem. No limite é um pleonasmo do título: um banquete entre os actores e o público. Subirá ao palco dia 11 de fevereiro às 20:30H e estará em cena até dia 21.

 

 

O BANQUETE

de Miguel Mateus e Luísa Fidalgo

banquete_imagem-B.png

 

FICHA ARTÍSTICA

DIRECÇÃO Miguel Mateus
COM Alice Ruiz, Catarina Rabaça, José Leite, Luísa Fidalgo, Miguel Mateus e Nuno Nolasco
MÚSICA E ARRANJOS MUSICAIS Ângela Flores Baltazar
CENOGRAFIA Rita Capelo
DESENHO DE LUZ Tasso Adamopoulos
FIGURINOS Miguel Mateus e Rita Capelo
VOZ Beatriz Godinho
ASSISTÊNCIA À DIRECÇÃO João Condeça
VíDEO E IMAGEM Laura Pedrosa e Miguel Mateus
FOTOGRAFIA Alexandra Paramês
PRODUÇÃO Casa Cheia
APOIO Fundação Calouste Gulbenkian
ACOLHIMENTO Centro Cultural Malaposta e Escola de Mulheres (Clube Estefânia)
 
SINOPSE
Roubámos este título a Platão por nele nos apoiarmos para a construção deste espectáculo, que não deseja ser mais do que um lugar onde se come e se celebra o Amor. É, portanto, um “banquete de amor”. Sabemos que este poderia ser o nome de uma canção dos Santamaria – e talvez seja. (“Here we go!”)
 
11, 12, 18, 19 e 20 de Fevereiro às 20:30H
14 e 21 de Fevereiro às 16:00H
13 de Fevereiro às 19:00H

EVIL LIVES HERE – SHADOWS OF DEATH O passado que ainda atormenta as vítimas de crimes no presente retratado nesta série do ID

O passado que ainda atormenta as vítimas de crimes no presente retratado nesta série do ID

A partir de terça-feira, 19 de janeiro, às 22:00h

image002.jpg

 

O mal projeta uma sombra que se espalha durante anos e até mesmo décadas, após um crime. Esta série arrepiante revela o impacto real de um crime e como afeta as pessoas envolvidas e as mudanças que se seguem após esse trágico acontecimento. Recorrendo a entrevistas extremamente pessoais, esta série do ID (posição 74 NOS) analisa a forma como um crime altera para sempre as vidas dos envolvidos.

 

No episódio de estreia de Evil Lives Here – Shadows of Death recuamos até 2011, quando o detetive Christopher Lyons recebe um caso arquivado há 25 anos, esperando resolver um crime que muitos veem como um trágico erro judicial. Uma intrigante investigação para ver dia 19 de janeiro, às 22:00h.

 

Na semana seguinte, a 26 de janeiro, também a partir das 22:00h, somos confrontados com um caso ocorrido em 1997, no pitoresco Condado Anne Arundel, em Maryland, em que um detetive herda vários casos arquivados. Assim que começa a investigar cada um, descobre um denominador comum horrível.

 

Os crimes deixam sempre uma marca naqueles que ficam para trás. Agora, entes queridos, testemunhas e as forças da lei - muitos contando as suas histórias pela primeira vez - refletem como o passado continua a persegui-los no presente nesta série do ID.

 

A estreia de Evil Lives Here – Shadows of Death, a não perder, terça-feira, 19 de janeiro, às 22:00h, no ID, o canal de crime real exclusivo da NOS (posição 74).

 

 

"Ordem Moral", do realizador Mário Barroso, representa Portugal nos Prémios Ariel, no México

 

A Direção da Academia Portuguesa de Cinema selecionou o filme “Ordem Moral”, de Mário Barroso, para representar Portugal na edição de 2021 dos Prémios Ariel, como candidato a Melhor Filme Ibero-americano da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas do México.

Com argumento de Carlos Saboga e baseado em factos verídicos, “Ordem Moral” conta a história de Maria Adelaide Coelho da Cunha, proprietária do “Diário de Notícias” e filha do fundador do jornal que, em 1918, foge com o antigo motorista, 26 anos mais novo. Três semanas depois é encontrada e internada no hospício Conde de Ferreira, onde é declarada louca e incapaz por Júlio de Matos, Egas Moniz e Sobral Cid, permitindo ao marido vender o jornal e entregá-lo ao serviço dos poderes que irão instituir a ditadura poucos anos depois.

 O elenco é composto por Maria de Medeiros, Marcello Urgeghe, João Pedro Mamede, Albano Jerónimo, João Arrais, Júlia Palha, Sónia Balacó, Ana Padrão, Vera Moura, Dinarte Branco, Rita Martins, Miguel Borges, Jorge Mota, Ana Bustorff e conta ainda com a participação especial dos atores Isabel Ruth, Rui Morisson e Teresa Madruga.

Os prémios Ariel são celebrados desde 1947 com o objetivo de distinguir o melhor do cinema ibero-americano.

“Ordem Moral”, que esteve em competição na 35ª Mostra de Valência – Cinema del Mediterrani, na 43ª Mostra Internacional de Cinema – São Paulo International Film Festival e ainda na 33ª edição do Tokyo International Film Festival – Tokyo Premiere 2020, estreou nas salas de cinema nacionais a 10 de setembro de 2020.

 

The Silent Box: A banda bracarense que promete conquistar o panorama Rock nacional

The Silent Box é esse lugar metafórico onde mergulhamos num mundo próprio de influência Rock, Indie, Blues, Jazz, por vezes metal, onde a música parece metamorfosear-se numa base sobretudo experimental que quer definir o seu próprio rumo. A banda bracarense nasce em 2018 dentro da caixa, mas com uma filosofia fora dela.

Depois de um EP gravado em 2018 e lançado em 2019, o recém lançado single Hold On é a porta de entrada para um álbum promissor, ainda em fase de produção, com lançamento previsto para o final do ano, com o apoio do Poison Studio.

 

Hold On: Um ensaio sobre saúde mental

Em Hold On há uma linha que transpõe os limites da sanidade mental e é precisamente essa mensagem que o videoclip, com a assinatura da Gearfilms pretende transmitir.

Num exercício que nos leva pelos meandros dos distúrbios camuflados de uma mente em desequilíbrio damos por nós a estabelecer um paralelismo com os desafios que cada ser humano enfrenta e na importância da busca dessa voz interior de descoberta, por vezes de redescoberta, de um mundo interior melhor. Desse equilíbrio que acaba por se tornar na missão de vida de cada um…

 

As influências Rock dos anos 70/80

O universo da banda gravita em torno de referências intemporais como Led Zeppelin, Pink Floyd, e nomes mais recentes como Artic Monkeys, King Gizzard and the Lizard Wizard e Black Keys. Mas o mais fascinante em The Silent Box é, sem dúvida, o background de influências dos diferentes membros da banda, alguns deles com formação clássica. É nessa interessante fusão musical que The Silent Box se encontra e se redescobre a cada música.

 

Os rostos da banda

Venceram o concurso de concertos do Avante! E passaram por diversos palcos e eventos do panorama musical nacional. São amigos, de personalidades e áreas completamente distintas entre si, mas trazem em comum a paixão pela música. João Rangel Pereira (voz); Eduardo Semanas (guitarra solo), André Sales (guitarra ritmo), Diogo Soares (baixo), João Oehen (bateria) e André Semanas (teclado) descobriram que o mundo pode ter o formato de uma caixa silenciosa. Esse lugar onde muito em breve veremos nascer uma variedade de estilos e uma composição invulgar que soa a surpresa e a improvável. Uma sonoridade que se entranha sem se estranhar, prova irrefutável de um talento nacional em viagem continua…

 

Mais fotografias e single Hold On

Facebook

Instagram  

Youtube: https://www.youtube.com/channel/UC0oTq9HoGZvj9cwtsSR3ETw  

Spotify: https://open.spotify.com/artist/0VH5Qfu0C9mbGQ5asx4wXP  

Apple Music: https://music.apple.com/us/artist/the-silent-box/1493203474

 

"Trabalhos de casa", da CNB, no TMJB

TMJB image001.JPG

22072020_HD_DSC_0820_alt.jpg

 

Trabalhos de casa, CNB, coreografia Algo_Ritmo, de Xavier Carmo/Henriett Ventura

 

Trabalhos de casa, da CNB, no TMJB

 

A Companhia Nacional de Bailado vai estar no Teatro Municipal Joaquim Benite, nos dias 14 e 15 de Janeiro, às 21h, para apresentar Trabalhos de casa, com coreografias de Xavier Carmo/Henriett Ventura e de Miguel Ramalho.

 

Os bailarinos da CNB, Xavier Carmo/Henriett Ventura e Miguel Ramalho, estrearam as suas novas criações no primeiro programa que a Companhia apresentou no período pós-confinamento, em julho no Millennium Festival ao Largo. Fizeram-no num contexto particular, com condicionamentos não habituais e incorporando novas regras que então ditaram as próprias criações.

Estas criações são apresentadas no âmbito do programa Trabalhos de Casa – um espaço que a CNB oferece a criações dos seus bailarinos que manifestam interesse em desenvolver trabalho coreográfico.

 

ALGO_RITMO
O que torna um indivíduo num ser único?
Não há duas impressões digitais iguais, mas todos as temos
Não há duas retinas oculares iguais, mas todos as temos
Não há dois umbigos iguais, mas todos os temos
Não há dois A.D.N. iguais, mas todos os temos
Não há corpos iguais, mas todos os temos

No espaço – tempo em que o indivíduo se expressa e existe ele é ÚNICO, mas faz parte da HUMANIDADE.
Em algo_ritmo, procuramos uma imersão num espaço que não é espaço, num tempo que não é tempo, senão aqueles que lhes quisermos atribuir, e em que o intérprete nele se imprime como ser único e singular, dentro do colectivo que o rodeia.
A fórmula de Fibonacci serve de inspiração para este trabalho.
A sua sequência, tida por muitos matemáticos como a “impressão divina”, ou a prova de uma inteligência superior, de um grande arquitecto sobre o mundo natural, será o motor para uma outra busca, a de uma impressão Humana.
O propósito deste trabalho centra-se na busca de uma impressão própria e singular, única ao indivíduo (intérprete) e sua repercussão física sobre a cena, vista como algo irreproduzível no espaço-tempo, e na pluralidade em que ele se insere.
Ninguém foi ou será alguma vez como ele, terá vivido como ele, terá as memórias que ele teve, imaginou o que ele imaginou, ou sentido como ele sentiu.
Acima de tudo e do “todo”, vivemos num mundo globalizado onde 7 biliões de seres humanos co-habitam numa esfera cada vez mais pequena, e onde a necessidade do indivíduo se ver como único, nunca foi tão presente.

Xavier Carmo / Henriett Ventura

 

SYMPHONY OF SORROWS
Um leve toque sobre as nossas sensações à margem da realidade humana. Os nossos corpos formam um organismo que vislumbra a imagem do que temos no subconsciente. Um universo dentro de cada corpo tornado música. Como se conseguíssemos ver cada nuance musical enquanto vivemos pequenos momentos que nos são fortemente familiares.

Miguel Ramalho

 

 

Trabalhos de casa (Sala Principal, 14 e 15 de Janeiro de 2021, quinta e sexta, às 21h) 1h M/6

 

ALGO_RITMO
Coreografia Xavier Carmo e Henriett Ventura
Música original e interpretaçãoCésar Viana
Composição musical Sara Ross
Desenho de luz Cristina Piedade
Intérpretes e co-criadores Anyah Siddall, Inês Moura, Patricia Main, Shiori Midorikawa, Tatiana Grenkov

 

SYMPHONY OF SORROWS
Coreografia e figurinos Miguel Ramalho
Música Symphony No.3, Op.36 “Symphony of sorrowful songs”, Henryk Gorecki Composer, Dawn Upshaw (Soprano) And The London Sinfonietta, Conductor David Zinman
Desenho de luz Cristina Piedade

 

Folle Époque

Folle Époque, dos SillySeason, chega ao CCB a 16 de janeiro

Folle Époque_Alípio Padilha.jpg

 

O espetáculo do coletivo SillySeason que marca o centenário dos Loucos Anos 20, estará em cena em Lisboa de 16 a 19 de janeiro, depois de ter estreado no Teatro Carlos Alberto (TNSJ), no Porto, no final de outubro.

 

 

Depois da estreia no Teatro Carlos Alberto, no Porto, no final de outubro, Folle Époque, a mais recente criação do coletivo SillySeason, chega agora a Lisboa. O espetáculo, que celebra o centenário dos Loucos Anos 20, estará em cena no Centro Cultural de Belém de 16 a 19 de janeiro.

 

Com conceção e direção dos SillySeason (Cátia Tomé, Ivo Saraiva e Silva e Ricardo Teixeira) e interpretação dos próprios e de Rodolfo Major, Sara Ribeiro e Teresa Coutinho, Folle Époque propõe uma revisitação dos Loucos Anos 20 à luz dos tempos atuais, de difícil caracterização e ambiguidade.

 

No espetáculo, os anos 20 do século XX fundem-se a 2020, num jogo de narrativas hipotéticas, que remetem para estes dois tempos (ambos caracterizados pela vertigem de uma catástrofe iminente), colocando-os frente a frente. Partindo do legado histórico dos anos 1920 e dos factos que chegaram até nós, Folle Époque desenvolve-se entre a realidade e a ficção, como num mise en abyme (ou narrativa em abismo). A loucura e os seus excessos espelham o conflito ético-moral da pós-modernidade. Como serão os novos anos 20?

 

Folle Époque estará em cena no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, de 16 a 19 de janeiro de 2021, sábado e domingo, às 11h, e segunda e terça, às 19h. Seguem-se depois apresentações no Centro Cultural Olido, em São Paulo, em data a anunciar.

 

Folle Époque é uma criação dos SillySeason com coprodução do Centro Cultural de Belém e do Teatro Nacional São João.

Exposição retrospetiva de Volker Schnüttgen na Reitoria da Universidade do Porto com curadoria da zet gallery |

Exposição Volker Schnüttgen.jpg

 

Artista trocou Alemanha por Portugal há 30 anos por amor à pedra

VOLKER SCHNÜTTGEN COM EXPOSIÇÃO RETROSPETIVA

NA REITORIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

 *"Da Pedra: experiências técnico-poéticas de um escultor"

*Exposição tem curadoria da zet gallery e apoio do dstgroup

A exposição retrospectiva "Da Pedra: experiências técnico-poéticas de um escultor", do artista Volker Schnüttgen, marca o arranca da curadoria artística da zet gallery para o ano de 2021. A inaugurar no próximo sábado, dia 9 de janeiro, às 10 horas, na Sala Comum da Reitoria da Universidade do Porto, a exposição é uma homenagem ao artista alemão, que celebra 60 anos de idade e 35 de carreira, a maioria dos quais passados em  Portugal, à qual a zet gallery e o dstgroup se associam.  

Com curadoria 360º de Helena Mendes Pereira e de Bárbara Forte, da zet gallery, a exposição apresenta ainda conteúdos retrospetivos onde se incluem um livro e um documentário sobre Volker. Estará patente até 27 de fevereiro, podendo ser visitada de segunda a sexta,  entre as 10h00 e as 12h30 e das 14h30 às 17h30, e aos sábados das 10h00 às 13h00.

Padrões, Mo-nu-mentos, Tropeços ou Habitat são as séries de trabalhos que estruturam a expografia que apresenta “uma inédita seleção de pequenas esculturas e projetos que refletem essa mesma presença da sua escultura no território comum da cidadania: o espaço público”, adianta Helena Mendes Pereira, diretora e curadora da galeria. Além de escultura,  a exposição convida a visitar uma seleção de fotografias e desenhos que recuam aos primeiros anos de trabalho do artista e perseguem a continuidade do binómio experimentação-poesia.

"Da Pedra: experiências técnico-poéticas de um escultor" tem a pretensão de “dar ao autor lugar de destaque na contemporaneidade artística como exemplo de combinação das ferramentas tradicionais da escultura com o sentido da vanguarda e dos limites que a obra de arte ultrapassa 35 de carreira, dos quais 30 passados em  Portugal”, sublinha a curadora, propondo “um olhar, no tempo e no espaço, sobre um artista dos nosso afetos, dos nossos dias.”

Volker Schnüttgen nasceu na Alemanha há 60 anos, mas por amor que trocou  pátria mãe por Portugal há, precisamente, 30 anos. Terá sido por amor à pedra e pela perspetiva de uma espécie de renovação criativa que viu acontecer no encontro com as pedreiras, nomeadamente, as pedreiras de granito do Norte de Portugal. Através das pedreiras, o artista conheceu o país, começando nas pedreiras de Lioz, em Sintra, do mármore de Vila Viçosa e Estremoz, Viana do Alentejo e Trigaches (Beja), do granito de Monforte (Alto Alentejo) e durante quase 10 anos na pedreira do Sienito na serra de Monchique, onde trabalhou com muita regularidade. Seguiu-se a Beira Alta e finalmente o Minho.

Certo é que a pedra, recurso endógeno e simbolicamente embrionária de começos, acompanha 35 anos do percurso de Volker Schnüttgen, escultor nascido em Attendorn, na Alemanha e que, em 1982, iniciou os seus estudos de escultura e gravura na Universidade de Artes de Bremen. O Mestrado em Multimédia foi já concluído na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, em 2008, instituição onde viria a ser docente largos anos.

É também por isso, que a Sala Comum da Reitoria da Universidade do Porto se apresenta como o espaço de celebração da obra de um artista que, num caminho que deambula entre a madeira, os metais e, sempre, a pedra, consegue manter vivo o princípio de exploração e de experimentação de diferentes materiais e tecnologias, nunca perdendo o espaço-tempo da poesia que confere aos objetos mágicos que brotam das suas mãos, resultados de uma nostalgia de pensamento que o leva a situar-se sempre na paisagem de neblina fria das suas origens.

A obra de Volker Schnüttgen marca a cena artística nacional e internacional, muito para lá da bilateralidade que estabelece entre Portugal e Alemanha. Espanha, Suécia, Holanda, Moçambique, EUA ou o Irão são mais alguns dos territórios onde inscreveu as suas narrativas, tanto em obras de arte em espaço público como em coleções particulares e institucionais.

José Teixeira, presidente do conselho de administração do dstgroup, é um dos seus colecionadores mais representativos e é por isso, com naturalidade que o grupo que também nasceu da “pedra” se associa a esta celebração artística em homenagem a Volker Schnüttgen.

 

As Três Irmãs de Tchékhov marcam início de 2021 no TeCA

Peça comemora 120 anos em 2021

As Três Irmãs de Tchékhov

marcam início de 2021 no TeCA

 

As Três Irmãs 1 © João Tuna.jpg

 

Peça centenária ganha uma nova versão, dirigida e concebida por Carlos Pimenta, que vai estar em cena a partir de amanhã

 

Quem conta um conto, acrescenta um ponto. Nunca um ditado popular fez tanto sentido como este rifão aplicado à obra do russo Anton Tchékhov. No início de 2021, a peça As Três Irmãs, estreada em 1901, em Moscovo, volta a ter uma nova versão, desta vez apresentada pela Ensemble – Sociedade de Actores, num espetáculo que sobe ao palco do Teatro Carlos Alberto (TeCA), entre amanhã e 16 de janeiro. 

 

A peça, concebida e dirigida por Carlos Pimenta, representa para o encenador e para a companhia Ensemble um regresso aos textos de Tchékhov, em particular a um dos seus trabalhos que finta o presente e o tempo que passa, mantendo-se hoje tão atual como em 1900, ano em que foi escrito. Nesta versão, Carlos Pimenta explora esta peça centenária através da reconversão do palco num estúdio de gravação, preenchido por um conjunto de atores que grava As Três Irmãs.

 

O protagonismo é vertido, quase na íntegra, para uma dramaturgia sonora, focada no poder do som, com espaço para o mais eloquente de todos, o silêncio. A peça, próxima do teatro radiofónico, trabalha a dramaturgia de Tchékhov numa leitura cénica justaposta por uma camada dramática com recurso às palavras do escritor russo. Ao espectador cabe imaginar o restante universo de escuta.

 

“Ativando o dispositivo teatral, procuramos que reconheçam Irina, Macha ou Olga, que talvez nem sequer tenham existido. Mas que importância terá tudo isso? Convocamos, pois, o espectador para um exercício de escuta ativa, para vazios que vai ter de completar. E também lhe dizemos para não se fiar nas imagens. Desta vez, não encaramos o espetáculo como “reino da visão”, como escreveu Debord”, refere o encenador Carlos Pimenta, em discurso direto sobre a sua versão da peça As Três Irmãs.

 

O espetáculo As Três Irmãs pode ser visto entre amanhã e 16 de janeiro, de quarta a sexta-feira, às 19h00; ao sábado e domingo, às 10h30. No dia 10 de janeiro, o espetáculo terá tradução em Língua Gestual Portuguesa. Já no dia 15 há nova edição da Conversa com o Jorge, que permitirá ao público aproximar-se e interagir com aqueles que fazem o espetáculo em palco. A peça é para maiores de 12 anos e os bilhetes têm um custo de 10 euros. 

EM JANEIRO NO TEATRO TABORDA

TEATRO (IN)COMPLETO - Volume I

de Carlos J. Pessoa

15 JAN
sex 18h00
Teatro Taborda
[LANÇAMENTO DO LIVRO]

TEATRO (IN)COMPLETO – Volume I é o novo livro de Carlos J. Pessoa, que reúne as primeiras cinco peças de teatro escritas pelo autor para o Teatro da Garagem.
LER + AQUI
CONFIRME A SUA PRESENÇA AQUI
 
EM ENSAIOS

TARTUFO

104ª Criação Teatro da Garagem
Coprodução Teatro Nacional São João
 
TODO O MÊS
Teatro Taborda
[TEATRO]
 
Na idade das fake-news, da adulteração dos factos, da radicalização de posições, do colapso e da miséria, o Teatro da Garagem traz o TARTUFO de Molière à cena, convocando a plenitude do texto, os diálogos e as palavras.
 
LER + AQUI
COMPRE O SEU BILHETE AQUI
 
ACOLHIMENTO

FILHAS DO TÉDIO

de Thomas Mendonça
 
ATÉ 15 JAN
qua 13h00-21h00
Teatro Taborda
[EXPOSIÇÃO DE PINTURA]
 
Com a pandemia, Thomas Mendonça deixou de conseguir cumprir as suas rotinas de trabalho – ora pelo estado vegetativo, de pânico, alerta, contingência, ora pelo estado de calamidade ou emergência. Por “morrer” de vazio, começou então a pintar. Preservou-se e aproveitou, recatado, para pintar retratos a acrílico sobre todas as embalagens de gelados, pizzas e cereais que a quarentena lhe providenciou.
LER + AQUI
 

TRY BETTER, FAIL BETTER'21
[Ciclo Novos Criadores]

 
22 JAN
Online
[ABERTURA DE OPEN CALL]
 
O Teatro da Garagem convida jovens criadores das áreas do Teatro e da Dança a submeterem os seus projetos para a edição de 2021 do TRY BETTER, FAIL BETTER - FEST EDITION.

Em breve serão comunicadas todas as informações sobre os requisitos e o período de candidaturas.
 
TODO O ANO

OFICINA DE TEATRO

 
ATÉ JUL
qui 10h00 
Saber Maior - Universidade Sénior da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior
[SERVIÇO EDUCATIVO]

Através da experimentação de metodologias transversais e inclusivas, tenta-se responder aos desafios do futuro, utilizando as práticas criativas e artísticas como ferramenta de aprendizagem acessível a todos.

LER + AQUI

 

E-GARAGEM


TODO O ANO
vários locais
[SERVIÇO EDUCATIVO - Formação para Executivos]

Em parceria com a IFE – International Faculty for Executives, o E-GARAGEM estende o trabalho de formação através do Teatro e construção de mais e melhor cidadania a outras áreas da sociedade.

LER + AQUI