Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Ikonoklasta - Meio Diabo - Edição a 28/09

a0c7f1e9-1e59-4d0a-8631-4521eee82db3.png

 

IKONOKLASTA  “Meio Demónio”

Quando foi preso em 2011, com mais uma dúzia de pessoas no Largo da Independência em Luanda, apenas por comparecerem a uma manifestação convocada anonimamente, já tinha muitos anos de rap, como radialista e MC livre de edições formais, que rapidamente passou do habitual egotrip a letrista comprometido com causas essenciais. Nas ruas em Angola, tanto dessa, como da última vez em que esteve detido, dizia-se que “o Brigadeiro Matafrakuxz” ou que o “Ikonoklasta”, tinha sido preso de novo. São muitos os heterónimos que utilizou ao longo de quase 25 anos de rap. Internacionalmente, adotou-se o nome civil de Luaty Beirão para espalhar a notícia de um grupo de jovens que foi preso por se reunir para estudar Gene Sharp, o que acabou por se tornar a maior campanha denunciadora do regime no poder há 40 anos até então. O caso Angola17 chegou a todos os cantos do mundo e, de MC ativo e comprometido, passou a ativista fulcral num período que só o tempo lhe dará a perspectiva ajustada. O MC foi secundarizado e Luaty Beirão tornado personagem principal. Hoje, com livros editados sobre a experiência como cidadão ou como um dos poetas Angolanos referenciais da sua geração, rima sem filtro e lança um single que faz tudo voltar ao início, como se do seu primeiro se tratasse, onde Ikonoklasta, o MC avesso a ícones, se define, começando pelo tal do Luaty Beirão, um “Meio demónio”.

Youtube: /ikonoklasta
Facebook: /luatybeirao
Twitter: @LuatyBeirao
Bandcamp: ikonoklasta.bandcamp.com


Instrumental: Syn
Artwork: Pedro Coquenão e Kioko

Edição: A Lata - suzylorena@alatamusic.com

 

RAM é o artista responsável pelo contentor marítimo da Nacional

 

image005.jpg

 

O contentor marítimo já está pronto e a Nacional desafia todos os portugueses a encontrá-lo nas ruas de Lisboa!

Pintado pelo artista RAM, que se juntou à marca na primeira edição da Regata de Portugal, o contentor tem o Mar como inspiração mas não só… traduz nas suas cores, formatos e elementos a portugalidade da Nacional e do próprio artista.

 

A Regata de Portugal irá decorrer de 3 a 7 de outubro no Terminal de Cruzeiros de Lisboa e os mais corajosos poderão adquirir uma entrada VIP com um simples passatempo. Até dia 26 de setembro, todos os portugueses podem procurar o contentor pronto nas ruas de Lisboa e tirar uma fotografia original. As cinco fotografias mais criativas ganham um bilhete duplo para entrada na área VIP do evento, podendo apoiar o barco da Nacional na Regata de Portugal. Para aceitar este desafio basta participar no facebook da marca.

 

Para Miguel Caeiro, o artista mais conhecido por RAM, “É uma honra fazer parte de um marco como este: da forma que melhor sei – através da minha arte – vou estar presente na primeira edição da Regata de Portugal com uma marca que faz parte da história de todos nós, a Nacional”. Acrescenta ainda que “Este tipo de iniciativas e o apoio da Nacional são de louvar, uma vez que enaltecem a arte urbana e o que é verdadeiramente nosso. Com o meu próprio estilo, quero chegar a bom porto com a Nacional e deixo o desafio a todos os portugueses: descobrem onde está o nosso contentor?”.

 

Recorde-se que a Regata de Portugal oferece 14 horas de festa por dia – das 10h00 às 00h00 – e uma programação diversificada que, para além da Vela, conta ainda com iniciativas ligadas à arte, à gastronomia, à música e à sustentabilidade. A Nacional é uma das oito empresas portuguesas que se junta a esta grande festa da portugalidade, tendo, na primeira Regata de Portugal, uma equipa de velejadores experientes a manobrar o seu barco e, no espaço do evento, atividades para o público e ativação de marca.

 

E os portugueses… aceitam o desafio? Dica: o contentor está pelo centro de Lisboa.

 

A Nacional deseja-lhe bons flashs!

A Braga Music Week está quase a chegar!

7bccd7af-b226-4ffd-9cf7-da399108c98f.jpg

 

3, 2, 1...Descolagem!

A Braga Music Week vai levar-nos numa viagem ao lado escuro da lua.

 


Estamos em contagem decrescente para a sexta edição da Braga Music Week. No ano passado a Semana da Música de Braga abriu a porta aos Mão Morta, com uma edição dedicada ao 25º aniversário do álbum Mutantes S.21. Em 2018 vai levar-nos numa nova viagem, cujo tema é a celebração dos 45 anos do álbum The Dark Side of the Moon dos incontornáveis Pink Floyd.
 
De 28 de setembro a 6 de outubro, a Semana da Música de Braga vai dinamizar a cidade com a irreverência que já a caracteriza, oferecendo espetáculos em vários espaços culturais e em lugares não convencionais, apresentando novos talentos e promovendo colaborações artísticas entre agentes locais, sempre com o apoio da Câmara Municipal de Braga.
 
O que podemos esperar então desta viagem supersónica? Um evento diferenciador, com concertos em alguns dos espaços culturais mais importantes da cidade - Theatro Circo, gnration, Sé La Vie, Mavy, entre outros -, um Music Market, noites de cinema e jogos dedicadas à música, uma competição de futebol que junta bandas, produtoras, editoras e festivais, e, claro, o famoso NAAMOBILE, o palco móvel que invade o centro histórico da cidade, trazendo os concertos para as ruas, praças e jardins.
 
Este ano, o festival aposta no seu cartaz mais internacional até à data, que nos leva desde o Brasil, com Far From Alaska ou Medulla, até ao Japão, com Acid Mothers Temple (programação do gnration), passando pela Escandinávia, com Inner da Finlândia e Tilde Hjelm da Suécia. Destaca-se ainda a colaboração dos Killimanjaro e Stone Dead no Dia Internacional da Música, numa noite dedicada às grandes canções dos últimos 40 anos do Punk. Os fãs deste movimento podem contar também com um concerto imperdível dos insanos The Parkinsons, no dia do NAAMOBILE. Também confirmados estão nomes como Gonçalo, Scúru Fitchádu, David Bruno, Palas e muitos outros.
 
Verifiquem a ignição, apertem os cintos e preparem-se para a Braga Music Week.
 

c5ad0217-6646-4196-9f21-3812e171e906.jpg

 

 

Qual o papel dos serviços educativos dos museus na promoção do conhecimento? 150 profissionais debatem desafios e dificuldades no Pavilhão do Conhecimento

Mediacao_Conhecimento_Cultura_Cientifica-convite.p

 

Os serviços educativos são a alma das organizações de ciência e cultura na promoção do conhecimento. O seu trabalho envolve públicos e comunidades de todas as faixas etárias e de diferentes contextos sociais. Nos dias 24 e 25 de Setembro, o Pavilhão do Conhecimento acolhe a iniciativa "Mediação do Conhecimento e Cultura Científica", um encontro de reflexão, debate e troca de experiências do que constitui o trabalho destes serviços.

Durante dois dias, uma centena e meia de profissionais da área da ciência, cultura e educação, comunicadores de ciência, gestores de programação cultural e de projectos educativos, investigadores e bibliotecários irão partilhar experiências inovadoras e boas práticas num debate vivo e participado, controverso em alguns casos e de olhos postos no futuro.

O painel Ciência e Cultura no actual contexto de políticas educativas reúne os representantes das entidades que organizam esta iniciativa: Rosalia Vargas, Presidente da Ciência Viva, Maria Fernanda Rollo, Secretária de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, João Costa, Secretário de Estado da Educação, e Miguel Honrado, Secretário de Estado da Cultura.

Justin Dillon será o key note speaker do primeiro dia do encontro com a comunicação The value of out-of-school science in addressing wicked problems. Docente da Universidade de Exeter, tem-se dedicado nos últimos 15 anos à investigação ligada à aprendizagem das áreas STEM (Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática) em espaços como museus, centros de ciência e jardins botânicos. No segundo dia, a conferência (In)Comunicar traz ao Pavilhão do Conhecimento o criador do seu primeiro logótipo: o designer e ilustrador Henrique Cayatte.

Nas sessões paralelas, serão várias as questões em debate: Como é feita a avaliação dos programas educativos dos museus e espaços culturais ligados à promoção do conhecimento científico? Como envolver os cidadãos na curadoria dos espaços? Como abrir as portas a novos públicos, culturas e contextos sociais? Como programar fora de portas? Estarão os museus e centros de ciência atentos e reactivos ao que se passa na sociedade? Como podem os museus beneficiar de financiamento privado através do mecenato e de patrocínios? E que instrumentos de financiamento público estão disponíveis na área da disseminação da cultura científica?

Num registo descontraído serão apresentadas ideias "fora da caixa" para cativar novos públicos ou surpreender os habituais no painel Deslumbra-me, moderado por alguém a quem a palavra arrojo assenta como uma luva: Fernando Alvim. E porque os erros por vezes também acontecem - Ups! -, os participantes serão convidados a partilhar as aprendizagens que resultaram de experiências menos bem-sucedidas. Com um café à frente, para despertar os mais tímidos.


Programa em www.encontroservicoseducativos.pt

A CASA DE BERNARDA ALBA

Anette Naiman.jpg

 

A CASA DE BERNARDA ALBA  é a grande criação da Companhia João Garcia Miguel (Cia JGM) que marca a rentrée  da companhia, no Teatro Ibérico, no dia 18 de setembro, às 21h30. A peça parte do texto de Federico García Lorca e a adaptação e encenação são de João Garcia Miguel.  

Com a morte do segundo marido, Bernarda Alba decreta um luto de oito anos e submete as suas filhas à reclusão, dentro das frias paredes da casa, com as janelas fechadas. Duas das filhas, porém, apaixonadas pelo mesmo galanteador das redondezas, um rapaz de vinte e cinco anos chamado Pepe Romano, desencadeiam uma disputa cruel e perigosa para conquistarem o amor desse homem, com consequências trágicas.

 

Texto: Federico García Lorca | Adaptação e Encenação: João Garcia Miguel | Intérpretes: Sean O’Callaghan, Anette Naiman, Paula Liberati e Duarte Melo | Figurinos: Rute Osório de Castro | Fotografia: Mário Rainha 

JORNADAS EUROPEIAS DO PATRIMÓNIO 2018

f36296d7-a6b6-4da4-8205-a99c5918e807.png

 

“O presente dá sempre vontade de voltar ao passado. É mais certo o passado que o presente.”
Natália Gromicho

Natália Gromicho apresenta “Voltar ao passado no presente” uma exposição inserida nas JORNADAS EUROPEIAS DO PATRIMÓNIO 2018 com o apoio à divulgação da Direção Geral do Património Cultural que reúne uma coleção inédita da artista e que é apresentada, no dia 28 de Setembro no Atelier Natalia Gromicho Chiado.
30 desenhos datados entre 1995 e 2018, convivem com as mais recentes criações da artista em diferentes expressões artísticas.
No dia 28 de Setembro a exposição poderá ser vista das 14h às 18h, nos restantes dias, carece de marcação através dos habituais contactos.

Natália Gromicho estudou pintura na Faculdade de Belas Artes e na Escola ArCo, em Lisboa. Com 20 anos de carreira, assinalados em 2015, tem representado Portugal em várias mostras internacionais, colectivas bem como individuais, num total de mais de 100 exposições. A sua obra integra colecções particulares e institucionais em todo o mundo, com destaque para Portugal, Austrália, EUA, Brasil, Itália, Rússia, França, Reino Unido, Timor-Leste, Singapura e Índia. Natália Gromicho pinta em regime de “open studio”, permitindo ao público observar o trabalho em curso.


Voltar ao passado no presente 
Pinturas de Natália Gromicho
Inauguração | 28 de Setembro | 14-18h
28 e 29 de Setembro
www.nataliagromicho.com

O Atelier Natália Gromicho funciona em exclusivo através de marcação prévia (excepto se comunicado o evento), pelo que os interessados devem fazer a marcação através do email info@nataliagromicho.com ou através do contacto telefónico 965865454 


Atelier Natália Gromicho, Rua Nova da Trindade, 5G Piso S/L| 1200-301 Lisboa
www.nataliagromicho.com 

“Palavras na Nossa Terra” evoca poeta Fernando Pinto do Amaral

Cartaz - Palavras na Nossa Terra.jpg

 

Fernando Pinto do Amaral será o poeta evocado no próximo encontro de poesia “Palavras na Nossa Terra”, que se realiza no dia 28 de setembro, às 21h00, na Biblioteca Municipal de Pinhal Novo.

Depois de frequentar a Faculdade de Medicina, que abandonou por falta de vocação, Fernando Pinto do Amaral licenciou-se na área das literaturas românicas, tendo mais tarde concluído o doutoramento nessa mesma área. É professor na Faculdade de Letras de Lisboa, tradutor e crítico literário. Colabora regularmente no jornal "Público" e nas revistas "Ler" e "Colóquio Letras". Em 1990 publicou o seu primeiro livro de poesia, "Acédia", a que se seguiram "A Escada de Jacob" (1993), "Às Cegas" (1997) e "Poesia Reunida 1990-2000". De entre os seus ensaios, destaque para o "O Mosaico Fluido - Modernidade e Pós-modernidade na Poesia Portuguesa mais Recente" (1991). Traduziu, entre outros, Baudelaire, Verlaine, Borges.

A participação nestes encontros de poesia, que decorrem uma vez por mês, na Biblioteca Municipal de Pinhal Novo, é livre e aberta a todas as pessoas que gostem de ouvir, escrever, ler ou declamar poesia.

 

 

Lançamento “Arraial”: Os Jogos de Tabuleiro tornam-nos mais humanos

Lançamento “Arraial”

Os Jogos de Tabuleiro tornam-nos mais humanos

“Arraial”, o mais recente jogo da MEBO Games, foi lançado ontem no Hotel do Chiado, em Lisboa, num evento que contou com a presença de 80 jogadores de tabuleiro, bem como dos autores e ilustrador do jogo.

Em conversa com os convidados Gil D’Orey, fundador da MEBO, explicou “os jogos de tabuleiro tornam - nos mais humanos porque obrigam-nos a interagir com pessoas e não com máquinas. Além disso permitem-nos bons momentos de convívio ao mesmo tempo que desenvolvemos as nossas células cinzentas.”

Já o ilustrador, Nuno Saraiva, bem conhecido pelas suas ilustrações das Festas de Lisboa, referiu que “este projeto lhe deu uma especial satisfação não só porque o tema dos Arraias lhe é querido mas porque ilustrar um jogo tão original, dirigido a diferentes públicos-alvo, foi um desafio ambicioso.”

Também os dois autores do “Arraial”, Nuno Bizarro Sentiero e Paulo Soledade, que já criaram outros títulos para a MEBO Games, como Reis de Portugal, Panamax ou o I Love Portugal, se mostraram satisfeitos pela forma como o público se entusiasmou com este jogo de estratégia cujo objetivo principal é conseguir “encher” o Arraial de visitantes.

O “Arraial” pode ser jogado por 1 a 4 pessoas, de qualquer faixa etária, com um tempo aproximado de 15 minutos por jogador, permitindo que famílias e amigos convivam e se divirtam,

O Arraial já está disponível no mercado nacional em lojas como a FNAC, El Corte Inglés, Pingo Doce e Continente, sendo lançado com o preço recomendado de 29,90€. Internacionalmente, já foi licenciado para ser produzido e comercializado nos mercados dos Estados Unidos da América e da Coreia do Sul.

 

Sobre a MEBO Games:

Fundada em 2010 por Gil d’Orey, a MEBO Games é editora de muitos jogos de tabuleiro, sendo que alguns têm a História e cultura portuguesas como tema de fundo.

“Os jogos da MEBO Games não são só para crianças, são para toda a família. O que queremos é que ao final do dia, nas férias ou ao fim de semana, pais e filhos, avós e netos, primos ou grupos de amigos se queiram juntar em redor do tabuleiro, desfrutando da companhia uns dos outros para uma atividade lúdica, que verdadeiramente os divirta”, explica Gil d’Orey.

Num país onde a cultura dos jogos de tabuleiro ainda não está suficientemente enraizada, a MEBO Games é uma das editoras mais inovadoras e que mais tem contribuído para dinamizar o mercado dos jogos de tabuleiro.

Saiba mais sobre a MEBO Games em www.mebo.pt/

CATWALK 360 º CHEGA AO FORUM COIMBRA

ForumCoimbra_Catwalk360.png

 

Dia 21 de Setembro, às 21h30, a passerelle ganha outro encanto

 

 

  • Desfile de moda contará com a presença de Lourenço Ortigão, Jéssica Athayde, Ângelo Rodrigues, Iva Lamarão e Afonso Vilela; 
  • Transmitido em directo, com perspectiva 360º, nas redes sociais do shopping;

 

Catwalk 360º dá nome ao evento que irá receber, no Jardim Exterior do Forum Coimbra, Lourenço Ortigão, Jéssica Athayde, Ângelo Rodrigues, Iva Lamarão e Afonso Vilela para um desfile gratuito e aberto ao público no dia 21 de setembro, às 21h30.

 

Henrique Borges apresenta o álbum "Incursão" nas FNACs de Lisboa e Porto

Henrique Borges, apresenta o seu álbum "Incursão" nas FNACs de Lisboa e Porto nas seguintes datas:


SETEMBRO
Dia 22 – 17h00 - FNAC Vasco da Gama
Dia 29 - 17h00 – FNAC Chiado
Dia 30 - 17h00 – FNAC Cascais
 
OUTUBRO
Dia 20

  • 17h00 – FNAC NorteShopping / Porto
  • 22h00 – FNAC MarShopping / Porto

 Dia 21 - 17h00 – FNAC Stª Catarina /Porto

 Vídeo Amanhecer - Henrique Borges

Guitarra Portuguesa : Henrique Borges
Acordeão : Pedro Santos
Violoncelo : Vânia Moreira
Bailarina: Rita Carpinteiro
Realizado e criado por Henrique Borges
Música, gravação e mistura : Henrique Borges
Filmagem : Henrique Borges, Luís Teixeira e Paula Borges

 

O CD "Incursão" é parte integrante de um projecto artístico que harmoniza três áreas distintas: a música, o vídeo e a fotografia.

O álbum Incursão e o livro (Urbex | Incursão) podem ser adquiridos no site www.henriqueborges.pt  e  nas lojas habituais.