Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

BONS SONS: O MAIOR AMOR DE SEMPRE

O nosso amor de verão foi memorável e terminou de coração cheio! Foram apresentados 52 espetáculos programados nos 8 palcos e no auditório, distribuídos por vários pontos da aldeia, num total de 202 artistas. A este balanço, soma-se 57 atividades paralelas, 8 concertos inesperados e 1 pedido de casamento, numa edição que registou o maior número de visitantes de sempre, durante quatro dias memoráveis, passaram pelo BONS SONS 38.500 visitantes, ultrapassando os 38.000 visitantes da última edição bienal do festival, em 2014.

52 espetáculos
202 artistas
8 concertos inesperados
20 concertos espontâneos no Palco Garagem
57 atividades paralelas
38.500 visitantes
124 jornalistas e fotógrafos
420 voluntários envolvidos (320 da aldeia, 100 externos)

 

 

 

NOVOS PALCOS, NOVAS MEMÓRIAS

memorias-c-carlosmanuelmartins.jpg

 

 

Este ano, o mapa do recinto teve algumas alterações e deu a conhecer recantos da aldeia que, para muitos, ainda permaneciam desconhecidos, como aconteceu com o novo palco Zeca Afonso que recebeu, nesta estreia, PAUS, Zeca Medeiros, Mirror People e Slow J, Linda Martini ,The Lemon Lovers e Peltzer.

Alguns dos restantes palcos, já bem conhecidos dos visitantes, surgiram também com formatos diferentes e novos nomes. É o caso do Tarde ao Sol, no adro da Igreja de S. Sebastião, que deu lugar ao palco Amália passando a receber concertos também à noite. Por lá passaram artistas como Norberto Lobo, Miguel Calhaz, João Afonso, Ela Vaz e Fado Violado.

Também o Auditório de Cem Soldos passou, este ano, a chamar-se Auditório Agostinho da Silva, não só durante o festival, onde recebeu programação ligada às artes performativas, pela Materiais Diversos e cinema, via Curtas em Flagrante ou atividades dedicadas a crianças, mas durante o ano inteiro.

Fora dos palcos, os concertos inesperados apanharam de surpresa os visitantes com Salvador Sobral, Selma Uamusse, Tomara, António Bastos, Miguel Calhaz, Zeca Medeiros, Moonshiners e Lena d'Água e Primeira Dama a ocupar as varandas e escadarias das casas.

 

 

 

FESTIVAL MAIS SUSTENTÁVEL

 

sustentavel-c-carlosmanuelmartins.jpg

 

Um dos principais objetivos do BONS SONS em cada edição é assegurar o crescimento sustentado do evento. Este ano, além da continuação das medidas implementadas anteriormente, o festival introduziu mudanças que contribuíram para a diminuição da sua pegada ambiental.

Além da forte aposta na reutilização de materiais, na diminuição dos resíduos produzidos e dos sistemas de recolha e tratamento mais eficazes, o BONS SONS contou com novidades amigas do ambiente: o reforço das WC secas e a introdução de urinóis-fardo de palha em toda a zona do campismo que pouparam água e valorizam o ciclo natural; a implementação de lâmpadas LED, mais amenas ao ambiente; a eliminação total dos copos descartáveis; e a chegada de uma alternativa aos tradicionais recipientes descartáveis, os pratos de base biológica feitos a partir de farelo de trigo.

Outra medida implementada com sucesso nesta edição foi o conceito cashless: o pagamento das compras efetuadas no recinto passou a ser feito com recurso à pulseira do festival, carregada previamente, evitando contas de cabeça e dinheiro perdido nos bolsos.

 

 

 

UM FESTIVAL PARA TODOS

todos-c-carlosmanuelmartins.jpg

© Carlos Manuel Martins

 

A pensar nos vários tipos de público, o festival ofereceu, não só um cartaz com diferentes estilos musicais, mas também ações para crianças, atividades paralelas e um conjunto de serviços para melhorar a experiência de pessoas com mobilidade reduzida.

Para as famílias, o BONS SONS contou com um conjunto de atividades para os festivaleiros de palmo e meio, cujo sucesso foi comprovado pela boa adesão do público. Houve música para bebés e grávidas, passeios e aulas com o burro de miranda, oficinas, jogos e peças de teatro.

De ano para ano, o BONS SONS também tem procurado também diminuir barreiras de forma a que todos, sem exceções, possam viver a aldeia e tirar o máximo de partido do festival. Para isso, os palcos foram dotados de plataformas elevadas individuais ou de zonas de visibilidade privilegiada que permitiram, aos visitantes em cadeira de rodas, assistirem aos concertos no meio da multidão de forma segura.

 

 

 

AMOR DE VERÃO
COM UM FINAL FELIZ

amor-c-carlosmanuelmartins.jpg

 

 
 
© Carlos Manuel Martins

 

Os últimos acordes fizeram-se ouvir, de madrugada, em Cem Soldos, com uma festa de encerramento, preparada propositadamente para o BONS SONS, com música de FOQUE e a performance de GODOT, numa edição onde os visitantes levam, na bagagem, boas recordações deste amor de verão e a vontade, talvez, de regressar.

Para registarem o evento, 124 jornalistas e fotógrafos marcaram presença no festival, acompanhados pela equipa de comunicação do BONS SONS, levando Cem Soldos ao resto do país, num festival que só é possível graças ao envolvimento de mais 400 pessoas, entre população e pessoas externas.

O BONS SONS sorri e agradece a todos os que contribuíram para que esta edição ultrapassasse todas as expectativas. Para o ano, temos encontro marcado em Cem Soldos para a 10.ª edição deste amor de verão que celebra a música portuguesa e a partilha de bons momentos entre várias gerações. Até já!

 

 

 

BONS SONS dá as boas-vindas ao fim-de-semana com música e cinema

A música portuguesa já se instalou em Cem Soldos. As tendas estão montadas, o amor de verão está no ar e as casas, as ruas e as esquinas da aldeia são habitadas por sorrisos e bons momentos entre amigos ou família. Depois de um arranque memorável, com concertos, artes performativas, música para bebés e até concertos inesperados à varanda de Selma Uamusse e Salvador Sobral, o BONS SONS prepara-se para dar as boas-vindas ao fim-de-semana com concertos e atividades para todos os gostos.

 

inesperados-c-carlosmanuelmartins.jpg

 

SEX. 10 de Agosto

 


14:00 — Patrícia Costa MPAGDP


15:30 — Meta MPAGDP


16:30 — S. Pedro Giacometti


17:45 — Norberto Lobo Amália


18:00 — Curtas em Flagrante Auditório Agostinho da Silva


19:00 — Tomara Giacometti


20:30 — João Afonso Amália


21:45 — Mazgani Lopes-Graça


23:00 — 10 000 Russos Zeca Afonso


00:15 — Sara Tavares Lopes-Graça


01:30 — Mirror People Zeca Afonso


02:45 — António Bastos Aguardela


03:45 — Forol DJ Set Aguardela


 

Esta sexta-feira, a maratona de concertos arranca com Patrícia Costa que traz ao BONS SONS os ritmos do fado e do folclore português e um repertório que inclui grandes clássicos, melodias antigas com novos poemas mas, também, fados novos. Logo a seguir, o palco MPAGDP é ocupado pelo improviso da loopstation de Meta, cantantora que traz na voz sonhos e memórias que se unem numa viagem de regresso a ela mesma.

O Palco Giacometti recebe S. Pedro, o alter-ego de Pedro Pode, ex-homem forte dos Doismileoito, que traz na bagagem uma coleção de histórias quotidianas, letras que nos fazem sorrir e versos que ficam a ressorar.

Norberto Lobo regressa ao BONS SONS em formato de quarteto, acompanhado de Ricardo Jacinto (violoncelo), Marco Franco (bateria) e Yaw Tembe (trompete) e o mais recente álbum Estrela.

Depois de ter integrado os Atomic Bees e colaborado com Rita Redshoes, The Legendary Tigerman, David Fonseca, Rita Redshoes, António Zambujo e Márcia, Filipe Monteiro envergou numa aventura a solo que dá a descobrir ao final da tarde, no Palco Giacometti, sob o alter-ego Tomara.

Autor e intérprete, João Afonso prepara-se para lançar um novo disco a partir da obra de Zeca Afonso, e atua no palco Amália às 20:30.

Do top de vendas nacional para o BONS SONS, Mazgani sobe ao Palco Lopes-Graça que será, mais tarde, marcado pelo regresso de Sara Tavares. Depois de oito anos sem gravar, a voz que reconhecemos à distância está de volta com uma sonoridade renovada e um novo trabalho antecipado pelos singles Coisas Bunitas e Brincar de Casamento.

Formada por Pedro Pestana, André Couto e João Pimenta, a banda 10 000 Russos é uma força formidável com um percurso singular dentro do mundo do krautrock/shoegaze/psicadélico que vai tomar conta do Palco Zeca Afonso às 23:00.

O disco sound dos anos 70 fundido com os sons atuais da música de dança chega ao BONS SONS já depois da uma da manhã pela mão de Mirror People, projeto de Rui Maia (X-Wife).

António Bastos leva ao Palco Aguardela um universo de possibilidades musicais onde as barreiras do estilo são constantemente ultrapassadas com uma energia contagiante. A madrugada continua com o DJ Set de Forol numa viagem por vários estilos musicais que vai abanar a pista até à última música.

Durante à tarde, é altura de estar atento a ruas e ruelas porque há Concertos Inesperados à espreita.

 

 

 

ATIVIDADES PARALELAS

atividades-c-carlosmanuelmartins.jpg

 

 

© Carlos Manuel Martins

 

Entre concertos, o BONS SONS disponibiliza um conjunto de atividades para todos os públicos. Além das iniciativas para as famílias, que acontecem todas as manhãs com música, jogos, aulas e passeios de burro, entre outras, o Auditório Agostinho da Silva recebe, esta sexta-feira, sessões de cinema.

Em duas sessões, às 15:00 e às 18:00, o cinema chega ao festival com as Curtas em Flagrante. Com filmes de língua portuguesa, estas sessões levam-nos até revoluções, à infância, aos amores e desamores e à arte urbana, entre muitas outras histórias para ver no grande ecrã.

Patente até domingo, no mesmo local, pode ser visitada, entre as 16:00 e as 20:00, a instalação S E N S O, que procura explorar no território, com as pessoas, os lugares e a sua cultura, no momento presente, com base no passado e com foco no futuro.

A tradicional Feira de Marroquinarias já ocupa as ruas de Cem Soldos com centenas de artigos feitos por artesãos portugueses.

 

 

 

 

 

 

BILHETES À VENDA EXCLUSIVAMENTE
NAS BILHETEIRAS DO RECINTO

PASSE 4 DIAS
45€

BILHETE DIÁRIO
22€

 

 

A ESPERA TERMINOU: O BONS SONS ARRANCA ESTA QUINTA

Acabou a espera e o amor de verão finalmente chegou. A aldeia de Cem Soldos abre, esta quinta-feira, as portas à nona edição do BONS SONS. O recinto está montado, os habitantes estão a postos e os palcos estão prestes a receber, no primeiro dia do festival, concertos de Salvador Sobral, Fado Violado, Selma Uamusse, Slow J, entre muitos outros.

 

QUI. 9 de Agosto

 


14:00 — Palankalama MPAGDP


15:30 — Vozes de Manhouce com Isabel Silvestre MPAGDP


16:30 — Lince Giacometti


17:45 — Tia Graça - toda a gente devia ter uma Amália


18:00 — Sara Anjo Auditório Agostinho da Silva


19:00 — Jerónimo Giacometti


20:30 — The Lemon Lovers Zeca Afonso


21:45 — Salvador Sobral Lopes-Graça


23:00 — Fado Violado Amália


00:15 — Selma Uamusse Lopes-Graça


01:30 — Slow J Zeca Afonso


02:30 — Xinobi DJ Set Aguardela


 

Os Palankalama chegam do Porto para fazerem as honras de abertura do BONS SONS. Às 14:00, o quarteto vai dar a ouvir música instrumental, com influências da sonoridade tradicional/folk de várias regiões do mundo, no palco A Música Portuguesa a Gostar de Ela Própria que recebe, logo depois, o grupo de cantares Vozes de Manhouce com Isabel Silvestre.

A voz emotiva de Lince, o projeto a solo de Sofia Ribeiro dos We Trust, vai estrear o Giacometti com uma eletrónica ponderada com mestria e sensibilidade. Este palco vai receber também, ao final da tarde, Jerónimo, banda que junta as influências dos três irmãos Gil (Les Crazy Coconuts), Nuno (Few Fingers) e Luís (Nice Weather For Ducks e Obaa Sima).

Às 20:30, The Lemon Lovers levam ao palco Zeca Afonso amor e promessas fundamentadas em passos de dança num espaço que será ocupado, mais tarde, pelo ritmo contagiante de Slow J e The Art of Slowing Down.

A estrear-se no BONS SONS, Salvador Sobral promete levar-nos numa viagem que começa no jazz e passa pela bossa-nova e as sonoridades da América Latina, marcada por uma capacidade de interpretação inesperada e única. Pouco depois, também no palco Lopes Graça, Selma Uamusse traz-nos o seu primeiro álbum a solo, uma explosão de géneros que resultou na busca da sua africanidade e da sua moçambicanidade.

Ao palco Amália sobe, às 23:00, Fado Violado, o projeto de Ana Pinhal e Francisco Almeida que junta o Fado ao Flamenco. Antes, este vai ser também o palco da homenagem prestada por Luís Fernandes às mulheres que vivem nos bastidores das vidas dos músicos com Tia Graça – Toda a gente devia ter uma.

A encerrar o primeiro dia do BONS SONS, Xinobi ocupa o Aguardela num DJ Set que vai ecoar noite fora provando a sua habilidade para reorganizar música incrível em todo um novo universo.

E, como no BONS SONS a música não ocupa apenas os palcos mas também em cada esquina de Cem Soldos, além dos concertos em cartaz, durante o dia, vão acontecer Concertos Inesperados em diferentes espaços da aldeia.

 

 

 

ATIVIDADES PARALELAS

atividades-c-carlosmanuelmartins.jpg

Para os mais novos o festival começa logo pela manhã com atividades para partilhar entre toda a família: há música, jogos, aulas e passeios com os simpáticos Burros de Miranda, histórias encenadas e uma exposição.

Já no Auditório Agostinho da Silva a programação, que inclui performances, cinema, dança, uma mesa redonda e uma instalação, arranca com Sacro, de Sara Anjo, às 18h00, uma peça que reflete sobre os mecanismos vitais da vida: o que nos move? Como nos movemos? E para onde nos movemos?

A Feira de Marroquinarias regressa com uma variedade de artigos de artesãos e alfarrabistas nacionais e produtos para todos os gostos que vão dar cor às ruas de Cem Soldos.

De 9 a 12 de agosto, todos os caminhos vão dar ao BONS SONS!

 

 

 

 

 

 

BILHETES À VENDA EXCLUSIVAMENTE
NAS BILHETEIRAS DO RECINTO

PASSE 4 DIAS
45€

BILHETE DIÁRIO
22€

Jerónimo lançam video antes de actuarem no Bons Sons |Surma Virus @ Redbull Neopop

"Big Bites", dos Jerónimo, ganha vídeo na véspera dos irmãos subirem ao palco Giacometti, no Bons Sons. 

 

 Gil, Luís e Nuno, todos eles irmãos e todos eles com o sobrenome Jerónimo. Os três tinham bandas diferentes (Les Crazy Coconuts, Nice Weather For Ducks e Few Fingers). Paralelamente juntaram-se numa única, deram-lhe o nome Jerónimo e "Big Bites" tornou-se o cartão de visita do primeiro de três EP's que vão lançar ao longo dos próximos meses, pela Omnichord Records.

O vídeo surge como desafio ao colectivo composto por Rogério Silva, Alberto Hoffmann, Filipe Fernandes e Manu Ferreiro, alunos do curso de Cinema, video e multimédia da Universidade Lusófona, no âmbito da cadeira de Pós-produção e produção Multimédia.

O tema "Big Bites" faz também parte da banda sonora da nova série da RTP "Verão M", que inclui também temas dos First Breath After Coma e dos Nice Weather For Ducks (que têm no seu "Marigold" o tema do genérico da série).

Os Jerónimo actuam no Festival Bons Sons esta Quinta-feira, dia 9, às 19h, no Palco Giacometti.

 

17198fe0-629a-43d7-8a4e-d7886bf33e3d.jpg

 

f8b9a2d7-37de-44c7-adeb-d3cfcb067edc.jpg

No dia 11 de Agosto, Surma sobe ao palco do Teatro Sá de Miranda, no âmbito da programação da RedBull para o Neopop. SURMA VIRUS, um dos mais belos e benignos vírus digitais, com imagens dos ensaios, já está a "infectar" toda a gente. Não fiquem de fora e cliquem na imagem acima. 

BONS SONS: a aldeia acessível a todos

De 9 a 12 de agosto, o BONS SONS volta a tomar conta da aldeia de Cem Soldos, em Tomar, para quatro dias de partilha e de bons momentos, em amigos ou em família, ao som da melhor música. A pensar nos vários tipos de público, o festival oferece um cartaz com diferentes estilos musicais, ações para crianças, atividades paralelas e um conjunto de serviços que visam melhorar a experiência de pessoas com mobilidade reduzida.

De ano para ano, o BONS SONS tem procurado diminuir barreiras de forma a que todos, sem exceções, possam viver a aldeia e tirar o máximo de partido do festival. Para isso, os oito palcos estão dotados de plataformas elevadas individuais ou de zonas de visibilidade privilegiada que permitem, aos visitantes em cadeira de rodas, assistirem aos concertos no meio da multidão, mas de forma segura, vivendo o momento de forma mais intensa, sem terem de se separar dos amigos.

 

Junto à entrada da escola, existe um parque de estacionamento reservado para veículos com dístico próprio. Atendendo às necessidades específicas destes visitantes, foi também instalada uma casa de banho exclusiva e adaptada. Para além disso, os acompanhantes de pessoas com mobilidade reduzida têm entrada gratuita no festival.

A 9.ª edição do BONS SONS conta com 48 concertos, em oito palcos distribuídos por vários locais da aldeia, e nomes como Salvador Sobral, Cais Sodré Funk Connection, Linda Martini, Dead Combo, PAUS, Sara Tavares, entre muitos outros. Durante o mês de julho, os bilhetes estão à venda ao preço promocional de 20,00 euros (bilhete diário) e 40,00 euros (passe geral com campismo).

mmm-bonsSons2010-02.jpg

 

BILHETES À VENDA NOS LOCAIS HABITUAIS

PASSE 4 DIAS
Maio-Julho 40€ / Agosto 45€

BILHETE DIÁRIO
Maio-Julho 20€ / Agosto 22€

 

BONS SONS CONVIDA A VIVER A ALDEIA EM FAMÍLIA atividades para famílias e crianças

De 9 a 12 de agosto, o BONS SONS está de volta a Cem Soldos, em Tomar, com mais de 45 concertos, em oito palcos distribuídos por vários locais da aldeia, e nomes como Linda Martini, Dead Combo, Slow J, PAUS, Sara Tavares, Salvador Sobral, Lena d'Água e Primeira Dama, entre muitos outros. Mas não só. O festival convida o público a viver a aldeia em família e, para isso, além dos concertos e das atividades paralelas, o BONS SONS apresenta um conjunto de atividades para os festivaleiros de palmo e meio e é sempre bom referir que crianças até aos 11 anos têm entrada gratuita no recinto.

No BONS SONS, as manhãs são dedicadas aos mais novos e às suas famílias, com uma programação específica, em parceria com as escolas de música do concelho, Canto Firme e Gualdim Pais. Em duas sessões diárias, uma às 10:00 e outra às 11:00, o Armazém recebe as crianças, acompanhadas dos pais, para darem os primeiros passos na procura de bons sons.

Também os Jogos do Hélder regressam, este ano, com mais jogos e um circuito refrescante pelas ruas da aldeia. Feitos de materiais tão simples como madeira ou corda, estes jogos de inspiração medieval utilizam apenas a energia mais acessível do mundo: a humana.

Já o Burro Mirandês é a estrela principal do Curral e estará disponível para passeios, a diferentes ritmos, adequados aos mais novos e aos mais velhos. Nas “aulas do burro” é possível interagir com estes simpáticos animais de raça protegida e ficar a saber mais sobre as suas características, hábitos, e a sua forma de pensar e agir.

Por tradição, a aldeia está ligada a histórias e os monstros há muito que povoam os medos populares. O que seria dos monstros (e dos medos) se um dia ficassem sem lugares onde assombrar? É o mote para quatro peças de teatro para assistir em família. Da tradição portuguesa para as ruas das povoações, as criaturas que assombraram os nossos avós encontram agora problemas que nunca imaginaram enfrentar: um mundo poluído tão inóspito que nem os monstros é capaz de acolher. Esta atividade estende-se numa oficina de expressão plástica sobre a temática das Criaturas do Bestiário Tradicional Português.

Por sua vez, o Festival de Bandas Imaginárias vai programar um Palco pra Bandas Imaginárias no BONS SONS um conjunto de textos e ilustrações, da autoria de Johnny Almeida e Cat Serafim, respetivamente, que estarão em exposição durante o festival. Estes materiais servem também de base para duas oficinas: uma de escrita e outra de ilustração em que o objetivo é trabalhar com os participantes para que estes possam, através de dinâmicas descontraídas, construir as suas próprias bandas imaginárias.

Todas as atividades requerem inscrição obrigatória e têm um número limitado de participantes.

À semelhança dos anos anteriores, o Espaço Criança é um serviço de apoio à família e conta com algumas atividades diárias com jogos, trabalhos manuais, brincadeiras, ginástica, entre outros. Este local tem também disponível uma zona de fraldário, um serviço de babysittig e de aluguer de auriculares infantis.

Durante os quatro dias do BONS SONS, as ruas do centro de Cem Soldos dão lugar à Feira de Marroquinarias com artigos de artesãos e alfarrabistas nacionais e produtos para todos os gostos.

Igualmente a pensar nas famílias, alguns espaços do recinto foram reforçados e surgem com uma nova cara. A zona da restauração, por exemplo, regressa aumentada para atender às exigências de toda a família, com mais diversidade e espaços mais amplos. Também a área do campismo foi reforçada e oferece alternativas ao campismo tradicional, com tendas já montadas no recinto disponíveis em vários tamanhos, conforme o número de pessoas.

 

9—12 AGOSTO

foto-burros-c-cmm.jpg

© Carlos Manuel Martins

BURROS DE MIRANDA
CURRAL
11:00–20:00

O Burro de Miranda teve, durante muito tempo, um enorme valor e utilidade como animal de apoio aos trabalhos agrícolas. Atualmente, devido aos avanços da tecnologia e ao êxodo rural, é importante encontrar outras formas de garantir a conservação deste simpático animal. No BONS SONS, o Burro Mirandês vai estar disponível para passeios, em diferentes ritmos, para crianças e adultos, promovendo o contacto com a espécie. Além disso, a Aula do Burro vai dar a conhecer as características e hábitos da raça, bem como promover os valores culturais e naturais do Planalto Mirandês.

 

© Carlos Manuel Martinsfoto-helder-c-cmm.jpg

 

JOGOS DO HÉLDER
LARGO DO ROSSIO E RUAS DA ALDEIA
11:00–20:00

Este ano, os Jogos do Hélder regressam com mais jogos e um circuito refrescante, com água, pela aldeia. Feitos de materiais tão simples como madeira ou corda, os Jogos do Hélder usam apenas a energia mais acessível do mundo: a humana. Os jogos, muitos de inspiração medieval, são construídos pelo próprio Hélder, e famosos por terem a notável capacidade de divertir o público de todas as idades.

 

foto-expobandas.jpg

 

PALCO PRA BANDAS IMAGINÁRIAS
SEDE DO SCOCS
11:00–20:00

O Festival de Bandas Imaginárias é um conjunto de textos e ilustrações sobre música que queremos expor. É como se juntássemos as nossas influências musicais numa centrifugadora e de lá saíssem estas bandas imaginárias, cada uma com características muito próprias, algo excêntricas e incomuns.

 

foto-musica-c-cmm.jpg

 

MÚSICA PARA CRIANÇAS
ARMAZÉM
10:00, 11:00

Lotação: 15 crianças (dos 0 aos 6 anos)

As manhãs do BONS SONS são dedicadas aos mais novos e às suas famílias, com programação específica, em parceria com as escolas de música do concelho. Disponível em duas sessões, uma às 10:00 e outra às 11:00, o Armazém recebe as crianças até aos 6 anos acompanhadas dos pais para darem os primeiros passos na procura de bons sons.

 

foto-bestiario.jpg

 

BESTIÁRIO À SOLTA
QUINTAL DO POÇO
11:00, 15:00, 18:00, 21:00

“Não haverá nunca distância suficiente entre nós e os monstros que nos habitam.” Os monstros povoam os nossos medos e habitam os espaços onde tradicionalmente os pavores se escondem. O que seria dos monstros (e dos medos) se um dia ficassem sem lugares onde assombrar? Se a Maria Gancha tivesse de fugir do seu poço envenenado, se as Moiras Encantadas vissem incendiados os seus montes sem que os seus encantamentos fossem quebrados, se o habitat dos Tardos e Lobisomens estivesse tão poluído que não pudessem correr o seu fado por essas madrugadas fora? Do Bestiário Tradicional Português para as ruas das nossas povoações, as criaturas que assombraram os nossos avós encontram agora problemas que nunca imaginaram enfrentar: um mundo poluído tão inóspito que nem os monstros é capaz de acolher. 4 peças, 4 intérpretes, todos os monstros da nossa tradição.

 

 

 OFICINA CRIATURAS DO BESTIÁRIO PORTUGUÊS
©

OFICINA CRIATURAS DO BESTIÁRIO PORTUGUÊS
ARMAZÉM
16:00

Lotação: 15 crianças (dos 7 aos 12 anos, crianças com idades inferiores apenas acompanhadas por adultos)

Oficina de expressão plástica sobre a temática das Criaturas do Bestiário Tradicional Português. Para que serviam estas criaturas? Que medos ou perigos estão associados a elas?

 

 

OFICINAS PALCO PRA BANDAS IMAGINÁRIAS
SEDE DO SCOCS
14:00, 18:00

 

Cartaz completo BONS SONS 2018

 

 

De 9 a 12 de agosto, o BONS SONS está de volta. Quatro dias, oito palcos e mais de 45 atuações são a receita deste amor de verão que, todos os anos, traz a Cem Soldos milhares de apaixonados pela música e pela aldeia. Durante o festival, as ruas, as praças, os largos e as esquinas ganham uma nova vida, a música apodera-se do território, e o amor de verão acontece.

Em 2018, o cartaz do BONS SONS surpreende pela diversidade com variados géneros musicais, artistas consagrados, músicos emergentes, muitas estreias, alguns regressos acarinhados e diversas atividades paralelas.

 

Dead Combo
© Daniel Costa Neves

DEAD COMBO

Regressam, em 2018, com “Odeon Hotel”, sexto álbum de originais. Tó Trips e Pedro Gonçalves têm vindo a desenhar uma trajetória extraordinária, quer nacional quer internacionalemente, com influências do fado, rock e bandas sonoras dos westerns, bem como música da América do Sul e de África, que trazem agora ao BONS SONS.

 

 Salvador Sobral
©

SALVADOR SOBRAL

Salvador Sobral está de regresso aos palcos e estreia-se no BONS SONS com “Excuse Me”. Numa viagem que principia no jazz, o músico revela, ao longo deste concerto, em que promete explorar também algumas canções de um próximo disco, influências da bossa-nova, das sonoridades da América Latina e uma capacidade de interpretação inesperada, única e arrebatadora.

 

Slow J
© Filipe Feio

SLOW J

A natureza obsessiva com que vive a música é a primeira coisa que nos vem à cabeça quando pensamos em Slow J. Inspirando-se na profundidade da poesia de Sam the Kid e de Manuel Cruz e na energia pura de Imagine Dragons e Da Weasel, Slow J afirmou-se no panorama da música nacional com “The Art of Slowing Down”, que traz agora ao BONS SONS.

 

 Selma Uamusse
© Gonçalo F Santos

SELMA UAMUSSE

O BONS SONS recebe também Selma Uamusse com o seu primeiro álbum a solo, um mergulho no desconhecido a partir da busca da sua africanidade e da sua moçambicanidade, sem certezas quanto ao caminho a tomar. O resultado é uma explosão de géneros que pertence a muitos sítios e a sítio nenhum.

 

Mazgani
© Rita Carmo

MAZGANI

Compositor, cantor e guitarrista natural do Irão mas radicado em Portugal desde a revolução Iraniana de 1979, Mazgani sobe ao palco do BONS SONS com o mais recente álbum de originais, “The Poet’s Death”.

 

 Sara Tavares
©

SARA TAVARES

Depois de oito anos sem gravar, Sara Tavares regressa com um novo trabalho, antecipado pelos singles “Coisas Bunitas” e “Brincar de Casamento”, que revela uma sonoridade renovada, marcada pela introdução de elementos mais eletrónicos que se complementam com a riqueza dos arranjos dos instrumentos acústicos e a voz única que reconhecemos à distância.

 

Sean Riley & The Slowriders
© Joana Linda

SEAN RILEY & THE SLOWRIDERS

Também afastados dos palcos durante uns tempos, Sean Riley & The Slowriders regressam com um álbum homónimo: "Dili", "Greetings" e "Gipsy Eyes” são os singles de apresentação que vão entoar no BONS SONS.

 

 Cais do Sodré Funk Connection
©

CAIS DO SODRÉ FUNK CONNECTION

Apaixonados pelo funk e a soul, os Cais do Sodré Funk Connection recriam o som e o ambiente dos clássicos das editoras míticas das décadas de 60 e 70, com a energia de uma verdadeira celebração. É uma viagem pela história da música negra recriando, ao vivo, através de uma banda de nove elementos, alguns dos enérgicos momentos alguma vez gravados em vinil.

 

Paus
©

PAUS

PAUS continuam a ser Hélio Morais, Makoto Yagyu, Fábio Jevelim e Quim Albergaria. Um baixo, teclados e uma bateria siamesa ainda são as ferramentas do seu ofício. Oito anos, três LPs, dois, EPs, várias tours internacionais depois, a viagem levou-os à Madeira e, agora, ao BONS SONS. “Madeira” é o som dos PAUS a apaixonarem-se pelas cores e pelas pessoas que fazem a ilha. Um regresso ao BONS SONS.

 

 Linda Martini
©

LINDA MARTINI

A celebrar 15 anos de carreira, os inconfundíveis Linda Martini, banda de destaque no rock português, regressam ao BONS SONS com uma mão cheia de sucessos e o mais recente trabalho, agraciado pela crítica e pelos fãs.

 

Lena d'Água e Primeira Dama com a Banda Xita
© Vitorino Coragem

LENA D'ÁGUA E PRIMEIRA DAMA COM A BANDA XITA

Ícone da pop-rock portuguesa, Lena d’Água sobe ao palco do BONS SONS com Manel Lourenço, o cantor e compositor que se apresenta como Primeira Dama, e com os membros do coletivo Xita Records.

 

 Zeca Medeiros
© Fernando Resendes

ZECA MEDEIROS

Zeca Medeiros oferece temas onde se reconhece uma semântica muito própria, demonstrando toda a sua estética, diversidade e complementaridade deste ator, músico e compositor. “Aprendiz de Feiticeiro, Imagens e Canções” é o seu mais recente trabalho. No BONS SONS, podemos esperar uma mistura de sensações e uma viagem pelos mais de 40 anos de carreira do artista.

 

FAZEM AINDA PARTE DO CARTAZ
DO BONS SONS 2018

The Lemon Lovers, 10 000 Russos, Peltzer, Mirror People, Lince, S. Pedro, O Gajo, Monday, Jerónimo, Tomara, quartoquarto, Luís Severo, António Bastos, Xinobi DJ set, Conan Osiris, Colorau Som Sistema, Tia Graça – Toda a gente devia ter uma, Fado Violado, Norberto Lobo, João Afonso, Ela Vaz, Miguel Calhaz, Motion Trio, Moonshiners, Palankalama, Patrícia Costa, Homem em Catarse, Orquestra de Foles, Vozes de Manhouce com Isabel Silvestre, Meta, Artesãos da Música, Douradas Espigas, Sacro, de Sara Anjo, UM [unimal], de Critina Planas Leitão, Filhos do Meio e Curtas em Flagrante.

 

 

 

 

 

ALINHAMENTO

8 AGOSTO
FESTA DE RECEÇÃO

Concerto do vencedor do concurso do 7º Festival Por Estas Bandas
+ Cover de Bruxelas DJ Crew

9 AGOSTO

10 AGOSTO

11 AGOSTO

12 AGOSTO


PALCO LOPES GRAÇA

 

Holy Nothing

 

Mazgani

 

Sean Riley & The Slowriders

 

Dead Combo

 

Selma Uamusse

 

Sara Tavares

 

Cais Sodré Funk Connection

 

Lena d’Água e Primeira Dama com a Banda Xita


PALCO ZECA AFONSO

 

The Lemon Lovers

 

10 000 Russos

 

Zeca Medeiro

 

Peltzer

 

Slow J

 

Mirror People

 

Paus

 

Linda Martini


PALCO GIACOMETTI

 

Lince

 

S. Pedro

 

O Gajo

 

Monday

 

Jerónimo

 

Tomara

 

quartoquarto

 

Luís Severo


PALCO AGUARDELA

 

Xinobi DJ set

 

António Bastos

 

Conan Osiris

 

Festa Encerramento

 

 

 

Colorau Som Sistema

 


PALCO AMÁLIA

 

Tia Graça – Toda a gente devia ter uma

 

Norberto Lobo

 

Ela Vaz

 

Motion Trio

 

Fado Violado

 

João Afonso

 

Miguel Calhaz

 

Moonshiners


PALCO MPAGDP

 

Palankalama

 

Patrícia Costa

 

Homem em Catarse

 

Orquestra de Foless

 

Vozes de Manhouce com Isabel Silvestre

 

Meta

 

Artesãos da Música

 

Douradas Espigas


AUDITÓRIO

 

Sacro, de Sara Anjo

 

Curtas em Flagrante

 

UM [unimal], de Critina Planas Leitão

 

Filhos do Meio

 

 

 

 

 

OUTRAS NOVIDADES

Recordamos ainda algumas novidades desta edição: o novo Palco Zeca Afonso, um anfiteatro natural num campo com algumas oliveiras, muito propício a concertos destinados à nova música portuguesa. Por outro lado, dois palcos, que muitos já conhecem como a palma da mão, regressam com novos nomes e prontos a criarem novas memórias: o palco Tarde ao Sol, no adro da Igreja de São Sebastião, presta, a partir de agora, homenagem a Amália Rodrigues (Palco Amália) com concertos, não só durante a tarde, mas também à noite, e o Auditório de Cem Soldos passa a chamar-se Auditório Agostinho da Silva, não só durante o festival, mas durante o ano inteiro, com programação ligada às artes performativas, cinema ou atividades para crianças.

No que toca à comodidade, o BONS SONS implementou um conjunto de novos serviços, a pensar no bem-estar de quem vem viver a descontração da aldeia. Os pagamentos cashless, por exemplo, vão permitir a utilização da pulseira do festival, equipada com um chip recarregável, como moeda de pagamento. Por sua vez, a área da restauração surge aumentada, com mais diversidade e espaços mais amplos. Também a zona do campismo foi reforçada e oferece alternativas ao campismo tradicional, com tendas já montadas no recinto disponíveis em vários tamanhos, conforme o número de pessoas. A pensar nas noites quentes de verão, o festival traz ainda uma nova área de estar que convida à descontração debaixo do céu estrelado.

 

 

 

 

 

BILHETES À VENDA NOS LOCAIS HABITUAIS

PASSE 4 DIAS
Maio-Julho 40€ / Agosto 45€

BILHETE DIÁRIO
Maio-Julho 20€ / Agosto 22€

 

BONS SONS 2017 CARTAZ COMPLETO COM O MELHOR DA MÚSICA PORTUGUESA

O BONS SONS está de volta de 11 a 14 de Agosto, com a música de produção nacional a tomar conta da Aldeia. Vão ser quatro dias com mais de 40 actuações divididas por oito palcos, dedicados a programas distintos, com feira de artesãos, exposições de arte, espaço para crianças, comida tradicional e outras actividades que animam as ruas, praças e largos de Cem Soldos.

Este ano, voltamos a viver a Aldeia com um cartaz amplo, do fado ao indie-rock, do acústico ao electrónico, do rural ao urbano, das influências tradicionais às contemporâneas, entre artistas emergentes e consagrados.



O CARTAZ ESPELHA A DIVERSIDADE DA MÚSICA PORTUGUESA

rodrigoleao.jpg

 

Rodrigo Leão apresenta um novo concerto em nome próprio, onde reencontra a sua veia mais pop, enérgica e leve, com o regresso da “trindade básica” de guitarra, bateria e baixo, acompanhada pela voz de Ana Vieira, que gravou e tocou com o músico entre 2004 e 2010.

 

orelhanegra.jpg

 

Os Orelha Negra actuam, pela primeira vez, no BONS SONS, depois de um ano cheio de actuações quentes e esgotadas com temas que irão integrar o próximo álbum.

maomorta.jpg

 

Passados 25 anos sobre a edição de “Mutantes S21”, os Mão Morta apresentam um concerto de celebração desse álbum, incluindo ainda três temas nunca tocados ao vivo e outros seis seleccionados pela banda, tendo por base letras que remetem para ambientes urbanos, relatando histórias de cidades.

capitaofausto.jpg

 

Com três álbuns editados e uma quantidade de seguidores cada vez maior, os Capitão Fausto trazem as canções orelhudas entre o rock e a pop, dando espaço, no registo mais recente, aos metais e aos instrumentos de sopro, a acompanhar as guitarras.

 

samueluria.jpg

 

Samuel Úria vai cantar à Aldeia mensagens que darão prazer decifrar, com vários momentos aparentemente opostos, sussurros e complexidades que caracterizam o seu percurso até ao último disco, “Carga de Ombro”, editado em 2016.

paulobraganca.jpg

 

Uma das grandes surpresas de 2017 será Paulo Bragança, ícone irreverente do fado que, depois de vários anos a viver na Irlanda, está de regresso à música e aos palcos portugueses, oferecendo ao público do BONS SONS, uma capacidade interpretativa notável.

 

frankiechavez.jpg

 

De guitarra em punho, Frankie Chavez assume o conceito “one man band” e o resultado é um blues/folk composto por ambientes limpos e por outros mais crus e psicadélicos.

 

neladeiras.jpg

Personalidade incontornável da música portuguesa, Né Ladeiras rejeita todos os rótulos e partilha o seu talento apenas quando sente ter algo de novo a dizer. É de um desses longos silêncios que nascem o novo disco e o novo espectáculo que vem apresentar ao BONS SONS.

 

medeiroslucas.jpg

 


MEDEIROS/LUCAS junta Pedro Lucas e Carlos Medeiros na construção de uma topografia da música popular portuguesa, construindo paisagens emocionais em palco.

 

Personalidade incontornável da música portuguesa, Né Ladeiras rejeita todos os rótulos e partilha o seu talento apenas quando sente ter algo de novo a dizer. É de um desses longos silêncios que nascem o novo disco e o novo espectáculo que vem apresentar ao BONS SONS.

 

BONS SONS vence prémios de Melhor Alinhamento e Melhor Acolhimento e Recepção nos Iberian Festival Awards 2017

02fb6d1a-9ecc-41a2-a416-08c60d1c010d.jpg

 

 

O BONS SONS volta a ganhar dois prémios na segunda edição dos Iberian Festival Awards (Prémios dos Festivais Ibéricos): Melhor Alinhamento e Melhor Acolhimento e Recepção.

Nesta segunda edição, cuja entrega de prémios aconteceu ontem (16 de Março), em Barcelona, o festival de Cem Soldos foi o mais nomeado, seleccionado para 19 categorias.

Em 2016, o BONS SONS venceu também dois Iberian Festival Awards, nas categorias de Melhor Festival de Tamanho Médio e Melhor Contribuição para a Sustentabilidade.