Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Raffaello, o Príncipe das Artes estreia dia 23 de janeiro nos cinemas UCI

Raffaello, o Príncipe das Artes dia 23 de janeiro
nos cinemas UCI El Corte Inglés e Arrábida 20

2ad73179-34cf-4bda-9526-e714e702b64e.jpg

 

Raffaello, o Príncipe das Artes estreia dia 23 de janeiro nos cinemas UCI El Corte Inglés, em Lisboa, e Arrábida 20, no Porto.

Dos criadores de Florença e a Galeria dos Ofícios e I Musei Vaticani, Raffaello, o Príncipe das Artes, realizado por Luca Viotto, é a primeira adaptação cinematográfica sobre a vida e obra de Raffaello Sanzio, um filme produzido pela Sky em colaboração com os Museus do Vaticano. 

Júlia Buisel distinguida com Prémio Bárbara Virgínia

Sessão de homenagem tem lugar dia 8 de fevereiro, na Cinemateca
Júlia Buisel distinguida com Prémio Bárbara Virgínia

Na quarta edição do Prémio Bárbara Virgínia, a Academia Portuguesa de Cinema vai atribuir o galardão a Júlia Buisel pelos mais de cinquenta anos de carreira ao serviço do cinema português, não só como atriz mas, também, como autora, assistente de encenação, assistente de realização, anotadora, script supervisor e, mais recentemente, realizadora.

A Direção da Academia Portuguesa de Cinema presta, deste modo, homenagem a uma mulher que se distinguiu pela sua enorme versatilidade e valioso contributo para a história do cinema português.

A sessão de homenagem e de entrega do Prémio Bárbara Virgínia decorre no próximo dia 8 de fevereiro, às 21H30, na Cinemateca, em Lisboa. Após a entrega do galardão, será exibida a curta “Quantas Vezes Tem Sonhado Comigo”, que assinala a estreia de Júlia Buisel como realizadora, e ainda “Pássaros de Asas Cortadas”, filme que sofreu 17 cortes da censura da época, de Artur Ramos, que conta com Júlia Buisel como intérprete. 

O Prémio Bárbara Virginia foi instituído pela Academia Portuguesa de Cinema em 2015 para homenagear mulheres que se distinguiram no cinema português. Até à data, o prémio foi atribuído às atrizes Leonor Silveira e Laura Soveral, e à colorista Teresa Ferreira.

Sobre Júlia Buisel:

Nascida em 1939, Júlia Buisel está ligada ao cinema desde os anos 60. Começou como atriz no filme “Pássaros de Asas Cortadas”, tendo-se destacado pelos papéis que desempenhou em filmes como “O Miúdo da Bica” e “Uma Hora de Amor”. Em 1981, iniciou uma ligação profissional com Manoel de Oliveira que durou mais de 30 anos e, durante esse período, para além de script supervisor de eleição do realizador, foi também atriz em alguns dos seus filmes.

Em 2018, Júlia Buisel estreou-se na realização com o filme “Quantas Vezes Tem Sonhado Comigo”. Tendo Lisboa como cenário, o primeiro trabalho de Júlia Buisel como realizadora utiliza fragmentos escritos por Fernando Pessoa e revisita, através das personagens interpretadas por Catarina Wallenstein e Dinis Gomes, algumas das casas onde o poeta viveu, bem como locais que gostava de frequentar.

 

12ª Festa do Cinema Italiano em abril com retrospetiva de Nanni Moretti

7dd46844-8c95-4e7f-b4b7-aec09f41ec3f.png

 

A 12ª Festa do Cinema Italiano realiza-se de 5 a 14 de abril, em Lisboa, no Cinema São Jorge, nos Cinemas UCI El Corte Inglés e na Cinemateca Portuguesa - Museu do Cinema, e noutras cidades portuguesas, nomeadamente, Almada (5 a 10 de abril), Coimbra (9 a 11 de abril), Porto (10 a 14 de abril), Setúbal (11 a 14 de abril), entre outras a anunciar em breve.

Este ano, o festival dedica uma retrospetiva exaustiva a Nanni Moretti. Uma oportunidade para ver em sala grandes sucessos estreados nos cinemas nacionais mas também obras inéditas, nomeadamente curtas-metragens e documentários do realizador romano.

580d0a5e-ae62-40a2-b5e4-0d807b4e4b06.jpg

Subtil, irónico, controverso, provocador e premiado, Nanni Moretti é, provavelmente, o realizador italiano que mais se destacou internacionalmente nos últimos trinta anos. Autor muito amado, conseguiu com o seu inconfundível estilo retratar o próprio país e a sociedade à sua volta de forma inteligente e nunca banal.

A Festa do Cinema Italiano é organizada pela Associação Il Sorpasso, com o apoio da Embaixada de Itália, do Instituto Italiano de Cultura de Lisboa, da Câmara Municipal de Lisboa e da EGEAC.

DUMBO | NOVO POSTER | NOS CINEMAS A 28 DE MARÇO

1646f156-ff2f-4d98-9c55-6404caf97bbf.jpg

 

DUMBO é realizado por Tim Burton (“Alice no País das Maravilhas”, “Charlie e a Fábrica de Chocolate”) com o guião de Ehren Kruger (“Ophelia”, “A Casa dos Sonhos”), e produzido por Justin Springer (“TRON: O  Legado”), Kruger, Katterli Frauenfelder (“A Casa da Senhora Peregrine para Crianças Peculiares”, “Olhos Grandes”) e Derek Frey (“A Casa da Senhora Peregrine para Crianças Peculiares,” “Frankenweenie”).

DUMBO voa para os cinemas a 28 de Março, na versão legendada e dobrada.

 

Cinema japonês contemporâneo no Museu do Oriente | Aos domingos de janeiro em sessões gratuitas

Sing My Life (c) 2016 Ayakano Film Partners (c) 20

 

 

Comédia romântica, comédia musical, drama e uma grande produção de época são os géneros em destaque no ciclo de cinema japonês contemporâneo, com filmes nunca estreados no circuito comercial português, que o Museu do Oriente apresenta em Janeiro, em sessões gratuitas aos domingos, às 17.00.

 

No primeiro fim-de-semana do mês, dia 6, “A Living Promise” (2016) de Ishibashi Kan, centra-se na história de um workaholic em recuperação, de seu nome Nakahara, CEO de uma empresa de tecnologia. Perturbado pelo telefonema de um velho amigo com quem tinha cortado relações, Nakahara decide visitá-lo em Shinminato, sua cidade natal. À chegada, espera-o um choque: o amigo faleceu entretanto. Nakahara descobre que, antes de morrer, o amigo estava empenhado em impedir que a realização do Festival Hikiyama - tradição que remonta ao período Edo - saísse de Shinminato para outra cidade, por dificuldades financeiras. Nakahara decide então retomar a luta do amigo.

 

No dia 13 de Janeiro, “A Sparkle of Life” (2013) de Sotoyama Bunji, é um filme que retrata a história de Tsurumoto Tae. Viúva aos 77 anos, após uma década a cuidar do marido, decide dar mais uma oportunidade ao amor depois de se cruzar com um vestido de noiva numa montra. Ignorando a oposição de familiares e amigos, inscreve-se num site de encontros, em busca de marido. E é aqui que conhece Nose Yuichiro.

 

“Sing My Life” (2016) de Mizuta Nobuo, é a comédia exibida a 20 de Janeiro, protagonizada pela actriz Tabe Mikako, no papel de Otori Setsuko. Aos 20 anos, Otori é jovem, bonita e canta com uma voz admirável. Mas a sua aparência doce e jovial esconde uma língua afiada e um temperamento volátil, a que se junta uma surpreendente maturidade.

 

O último filme deste ciclo, a 27 de Janeiro, é “The Vancouver Asahi” (2014), de Ishii Yuya. Este drama de época é baseado numa história verídica de uma equipa de basebol, no Canadá, à beira da Primeira Grande Guerra. No início do século XX, os japoneses que emigravam para o Canada deparavam-se com uma dura realidade: trabalho penoso, discriminação e pobreza. Neste cenário, o espírito lutador da equipa de basebol japonesa-canadiana Vancouver Asahi, incluindo o capitão Reggie Kasahara (interpretado por Tsumabuki Satoshi), viria a tornar-se um símbolo de esperança.

 

Co-organizado pela Embaixada do Japão e com o apoio da Japan Foundation, este ciclo de cinema tem entrada gratuita, mas é necessário levantar bilhete no próprio dia. Todos os filmes são exibidos na língua original, com legendas em Português do Brasil.

 

 

Ciclo Cinema Japonês Contemporâneo

6, 13, 20 e 27 Janeiro (domingos)

Auditório do Museu do Oriente

17.00

Entrada gratuita, mediante levantamento de bilhete no próprio dia da exibição

Filmes legendados em Português do Brasil

Co-organização: Embaixada do Japão Apoio: Japan Foundation

 

Programa:

 

6 Janeiro | A Living Promise [2016], de Ishibashi Kan

Duração: 120’

 

 

13 Janeiro | A Sparkle of Life [2013], de Sotoyama Bunji

Duração: 81’

 

20 Janeiro | Sing My Life [2016], de Mizuta Nobuo

Duração: 125’

 

27 Janeiro | The Vancouver Asahi [2014], de Ishii Yuya

Duração: 132’

 

www.museudooriente.pt

Janeiro com propostas de cinema para toda a família

No Centro Cultural de Poceirão e Auditório Municipal de Pinhal Novo

Auditório Municipal de Pinhal Novo.JPG

 

 

 

Em janeiro, o Centro Cultural de Poceirão e o Auditório Municipal de Pinhal Novo exibem um conjunto de sessões de cinema, para toda a família.

Já no próximo dia 20, às 16h00, o Centro Cultural de Poceirão proporciona uma tarde de “Cinema Infantil – Filminhos Infantis”, com entrada gratuita, numa organização da Câmara Municipal de Palmela (informações e reservas: 212 336 655).

No dia 23, às 21h30, as sessões do Cineclube Odisseia regressam ao Auditório Municipal de Pinhal Novo, com a exibição do filme "As Consequências do Amor", de Paolo Sorrentino. Esta é a história da vida de um homem introvertido, que muda completamente quando se vê atraído por uma jovem criada. O filme, de crime/drama/romance, de 2004, é destinado a maiores de 12 anos e tem 1h40min. de duração. A organização é do Cineclube Odisseia, com o apoio da Associação Juvenil Odisseia e da Câmara Municipal de Palmela (informações: cineclubeodisseia2017@gmail.com).

            No âmbito da programação regular de cinema, o Auditório Municipal de Pinhal Novo exibe também, no dia 27, às 16h00, “O Principezinho”, de Mark Osborne. Baseado numa das mais importantes obras infantis de todos os tempos, escrita pelo ilustrador e piloto francês Antoine de Saint-Exupéry e publicada em 1943, o filme conta a história de uma menina que vive com a sua mãe, uma mulher de tal modo obcecada com o futuro da filha que tem tudo delineado para cada hora de vida da criança. Certo dia, a menina conhece o vizinho da casa ao lado que, em tempos, fora aviador e lhe conta como conheceu, em pleno deserto, um principezinho louro que lhe disse viver no asteróide B612. Com este novo amigo, a menina vai conhecer uma história de amizade que a mudará para sempre. O filme de animação/drama, de 2015, é destinado a maiores de 6 anos, e tem 108 minutos de duração. Mais informações: 212 336 630 ou cultura@cm-palmela.pt.

Prémios Ariel 2019: Academia Portuguesa de Cinema escolhe "Parque Mayer" para representar Portugal no México

A Direção da Academia Portuguesa de Cinema escolheu o filme “Parque Mayer”, de António-Pedro Vasconcelos, para representar Portugal na edição de 2019 dos Prémios Ariel, como candidato a Melhor Filme Ibero-americano da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas do México.

Três anos depois de “Amor Impossível” (2015), António-Pedro Vasconcelos regressa aos cinemas com um novo filme sobre o início do salazarismo. Escrito por Tiago Santos, “Parque Mayer” decorre em Lisboa, no início do período do Estado Novo (1933), tendo como pano de fundo a história de Deolinda, uma jovem da província que tem o sonho de ser artista no Parque Mayer, e que se apresenta num casting para coristas para a nova revista no teatro Maria Vitória. Durante os ensaios, Deolinda apaixona-se por Mário, o encenador, mas este está fascinado por Eduardo, a estrela da revista que, por sua vez, tenta seduzir Deolinda. À medida que a narrativa se desenrola, o Estado Novo começa a apertar o cerco e a liberdade de cada um está cada vez mais limitada.

Depois do sucesso de "Call Girl" (2007), "A Bela e o Paparazzo" (2010), "Os Gatos Não Têm Vertigens" (2014) ou "Amor Impossível" (2015), este filme marca a quinta parceria entre o realizador António-Pedro Vasconcelos, o produtor Tino Navarro e o argumentista Tiago Santos. O elenco é composto por Francisco Froes, Daniela Melchior, Diogo Morgado, Miguel Guilherme, Alexandra Lencastre, Carla Maciel, Miguel Borges, Almeno Gonçalves e Tino Navarro.

Os prémios Ariel são celebrados desde 1947 com o objetivo de distinguir o melhor do cinema ibero-americano.

 

Sobre “Parque Mayer”:

Lisboa, 1933. Num teatro do Parque Mayer, durante os ensaios para uma nova revista, há de tudo: amores não correspondidos, pequenos dramas pessoais e uma constante luta contra a censura e a hábil tentativa de a contornar. Mas, acima de tudo, o Parque Mayer esconde terríveis segredos com a capacidade de destruir vidas num tempo em que o Estado Novo começa a apertar o cerco à liberdade de cada um. Portugal inteiro está no “Parque Mayer”, onde a resistência à opressão será feita com um quadro de revista.

“Parque Mayer” estreou nas salas de cinema nacionais a 6 de dezembro de 2018. Veja o trailer do filme em:

 

 

Metropolitano de Lisboa promove 4ª sessão de curtas-metragens de animação na estação Cais do Sodré

 

O Metropolitano de Lisboa apresenta a última edição da “Mostra de Curtas de Animação”, iniciativa lançada no âmbito do seu 70.º Aniversário, que tem como finalidade promover a cultura e a criatividade, dando a conhecer aos seus clientes o que é feito nacional e internacionalmente em termos de cinema de animação.

 

Integrado no projeto de dinamização das estações do Metro, a estação Cais do Sodré recebe, dia 6 de janeiro, pelas 16h00, o último conjunto de curtas-metragens de animação de diferentes países com uma programação da curadoria da Bang Awards – International Animation Awards.

 

O Metropolitano de Lisboa pretende com esta iniciativa oferecer aos seus clientes e suas famílias uma opção de lazer onde podem passar uma hora divertida, de forma gratuita.

 

O Metropolitano de Lisboa reafirma o seu esforço no sentido de continuar a promover a mobilidade sustentável, seguindo os melhores padrões de qualidade, segurança e eficácia económica, social e ambiental, através da aposta em novas formas de fidelização e de captação de novos clientes.

 

 

 

Programação do dia 6 de janeiro 2019 (domingo):

 

Filme: Carrot Crave; Autor: Vernon James C. Manlapaz ; Sinopse: Um coelho faminto tenta de tudo para encontrar a maior cenoura. Será que vai conseguir?; País: Filipinas; Duração: 02:18

 

Filme: A Incrível História das Linhas de Torres Vedras (2010); Autores: Alice Eça Guimarães e Jorge Marques Ribeiro; País: Portugal; Duração: 5.10 min; Sinopse: Um dos momentos mais marcantes da História de Portugal. No início do Séc XIX Portugal foi cenário de guerras políticas. Apesar de não ter sido o protagonista, a imagem de Portugal mudou para sempre.

 

Filme: “White + Black = RED” (2011); Autor: Simone Giampaolo; País: Suíça; Duração: 02:11; Sinopse: White + Black = RED" is a socially positive animated short with a strong antiracist message. The story is about an argument between two opposite characters: one white and one black who, by the end of the film, learn how to respect and love each other. It is entirely stop-motion animated on two female bodies, a pale one and a darker-skinned one.

 

Filme: Bud’s Songs Time; Autores: Hélder Nóbrega (2015) ; País: Brasil ; Duração: 03:52 ; Sinopse: Acompanhe a história do velho Roxx, caminhando mais uma vez pelo deserto de Gueramba. Ele chega ao seu local preferido e como de costume, começa a tocar uma canção. A música atrai Bud, o monstro, um velho conhecido seu.

 

Filme: Squamata (2015); Autores: Gustavo Girotto ; País: Brasil ; Duração: 04:51 ; Sinopse: Quando um vaga-lume é expulso de seu grupo por ser muito pequeno, ele encontra um camaleão que pode servir como um inusitado caminho para conseguir a sua aceitação.

 

Filme: Mite-y Beard ( 2017 ); Autor: Sarah-leigh Burger, Clare Savage, Megan Lentin, Marli Fraser, Darian Stassen, Stephanie Coles, Dominic Seeber; País: África do Sul ; Duração: 04:04; Sinopse: Um videoclip de animação que conta as aventuras de um casal.

 

Filme: O Chapéu  ( 2017 ); Autor: Alexandra Allen; País: Portugal; Duração: 04:50; Sinopse: O dia de um varredor de jardim é alterado quando encontra um chapéu mágico.

 

Filme: Sonder  ( 2018 ) Autor: Nicole Janér; País: Brasil; Duração: 06:03; Sinopse: Uma criança com marcas estranhas no rosto e no corpo é constantemente ignorada pelos amigos. Um dia, um menino passa a entendê-la mudando a sua forma de estar.

 

Filme: Dolly Said No To Elvis ( 2018) ; Autor: Heather Colbert; País: Inglaterra; Duração: 03:42; Sinopse: Vídeocilp oficial da música “Dolly Said No to Elvis” de Mark Nevin. A verdadeira história de Dolly Parton em animação.

 

Filme: AO (2015); Autor: Jaime Maestro; País: França; Duração: 08:15 min; Sinopse: Uma estrela cadente cai do céu, alterando o destino de duas crianças.

 

O REGRESSO DE MARY POPPINS | EPK | ESTREIA A 20 DE DEZEMBRO

66ba2544-cd80-4788-b956-c1b01bf4dff3.jpg

REGRESSO DE MARY POPPINS, da Disney, uma sequela musical nova e original, Mary Poppins regressa para ajudar a nova geração da família Banks a descobrir a alegria e encanto perdidos, devido a uma trágica perda pessoal. Emily Blunt protagoniza a ama quase perfeita com habilidades mágicas, que pode tornar qualquer tarefa numa aventura fantástica e inesquecível, e Lin-Manuel Miranda como o seu amigo Jack, um iluminador de candeeiros de rua, que ajuda a trazer luz – e vida – às ruas de Londres.

O REGRESSO DE MARY POPPINS  é realizado por Rob Marshall, a partir de um argumento de David Magee e história de Magee & Marshall & John DeLuca, com base em The Mary Poppins Stories de PL Travers. Os produtores são John DeLuca, Rob Marshall e Marc Platt, com Callum McDougall como produtor executivo. A música é de Marc Shaiman e o filme contém canções originais com a música de Shaiman e a letra de Scott Wittman e Shaiman. O filme conta também com Ben Whishaw como Michael Banks, Emily Mortimer como Jane Banks e Julie Walters como Ellen, a governanta da família Banks. O filme introduz ainda três novas crianças dos Banks intepretadas por Pixie Davies, Nathanael Saleh e Joel Dawson e apresenta Colin Firth como William Weatherall Wilkins e Meryl Streep como Topsy, a prima egocêntrica de Mary. Angela Lansbury aparece como a Senhora Balloon, uma personagem preciosa dos livros de PL Travers, e Dick Van Dyke é o Sr. Dawes Jr., o presidente aposentado do banco que agora é administrado pela personagem de Firth.

 

 

Cinema Infantil “A Idade da Pedra” no Fórum Cultural

still_01_site.jpg

 

A sessão de Cinema Infantil “A Idade da Pedra”, de Nick Park, realiza-se, no dia 16 de dezembro, pelas 11:00h, no Fórum Cultural José Manuel Figueiredo, na Baixa da Banheira.

 

Sinopse

Há milhares de anos, durante o período Neolítico, uma tribo de homens das cavernas levava uma existência pacífica e em total sintonia com a Mãe Natureza. Até que, um dia, foi expulso das suas terras por um exército liderado pelo ganancioso Lord Nooth, com o argumento de que terminara a Idade da Pedra e se dava início à Idade do Bronze. É então que Dug, um corajoso rapaz das cavernas, decide unir o seu clã contra o poderoso exército inimigo numa batalha de futebol. A partida, apesar de difícil, acaba por se tornar épica e por salvar a pequena tribo do jugo do adversário…

Produzido pela Aardman Animations e o BFI (British Film Institute), este é um filme de animação em stop-motion, com realização de Nick Park ("A Fuga das Galinhas", "As Aventuras de Wallace e Gromit", "Wallace e Gromit: A Maldição do Coelhomem") e texto de Mark Burton e James Higginson. Na versão portuguesa, entram as vozes de Bumba na Fofinha (Mariana Cabral), José Pedro Vasconcelos e Eduardo Madeira.

 

“A Idade da Pedra”

Reino Unido | 2018 | 89 min.

Destinatários: família e crianças maiores de 6 anos de idade

Entrada gratuita, mediante o levantamento de bilhetes

 

Reserva de Bilhetes:
Fórum Cultural José Manuel Figueiredo
Rua José Vicente, Baixa da Banheira
Tel. 210888900

Horário da Bilheteira:
De 3ª a sábado – 14:30h às 19:30h
Dias de espetáculo e cinema – uma hora antes do início do espetáculo ou sessão. Os bilhetes podem ainda ser reservados através do telefone 210 888 900, no horário de funcionamento da bilheteira. As reservas podem ser levantadas, no máximo, até 1h antes do início do espetáculo, com um limite de cinco bilhetes por reserva.

Compra de bilhetes online:

http://ticketline.sapo.pt

http://pt-pt.facebook.com/cmmoita

E nos postos de venda aderentes: http://ticketline.sapo.pt/pagina/postosdevenda