Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Cristina Bacelar apresenta nas FNACs o álbum "Nem Tudo é Fado".

df515f85-a800-4115-9df1-07f245e47455.jpg

 

NEM TUDO É FADO  o novo trabalho a solo de Cristina Bacelar, vai ser apresentado ao vivo em showcases FNAC.

NEM TUDO É FADO é uma viagem pelo fado e pelo flamenco, resultante das várias experiências musicais vividas nos últimos anos. Neste álbum, o xaile negro do fado e o mantón de manila do flamenco vestem-se na Cidade Invicta, através da voz e da guitarra de Cristina Bacelar.
 
O fado é aqui revisitado de forma original e arrojada, pincelado com os tons coloridos da bossa nova e do jazz, num cruzamento entre guitarra flamenca, guitarra portuguesa, percussões e saxofone.
 

Showcases FNAC / Datas

Abril
Dia 14 - FNAC Sta. Catarina - 17h

Dia 14 - FNAC Gaia Shopping - 22h

Dia 21 – FNAC Cascais – 22h
Dia 22 – FNAC Chiado – 18h30

Maio
Dia 5 – FNAC Almada – 17h
Dia 6 – FNAC Colombo – 17h


Formação:

Cristina Bacelar
 - voz e guitarra

Pedro Silva – percussão

Armando Ribeiro - saxofone

Rui Pedro Claro  - guitarra portuguesa

 

Mais novidades brevemente!

 

 

Gonçalo Tavares apresenta "Ao Piano" nas FNAC's

 

50a07638-0109-48a2-b80b-dec1da891825.jpg

 

 

Porque é de sentimentos do que falamos quando falamos de Gonçalo Tavares, de emoções, de lugares insondáveis do coração mas que todos conseguimos reconhecer.
Consegue sem esforço, aliás, com a sua voz, o fraseado que evoca grandes cantores românticos e crooners de respeito e um extraordinário instinto para as baladas poderosíssimas, Gonçalo Tavares é uma espécie de despertador de emoções alguém que com a sua arte acorda pequenas mas necessárias revoluções do coração com elegância e saber.
A resposta literalmente apaixonada das plateias que o vêm e ouvem cantar não engana: Gonçalo vai directo ao coração, sem lamechices ou concessões. "Ao piano" é o seu mais recente trabalho.

 
 

Videoclip "Rios" - Gravado na aldeia de Meitriz, pertencente à freguesia de Janarde, no concelho de Arouca.  Banhado pelo rio Paiva e com montanhas sublimes, este foi o local certo, a paisagem certa, que descreve na perfeição o poema do single “Rios” da autoria Gonçalo Tavares.
 
Videoclip produzido por Carlos Mateus Lima e Gonçalo Tavares
 

II FESTIVAL INTERNACIONAL DE ÓRGÃO DE MAFRA

IIfestivalOrgaos.jpg

 

II FESTIVAL INTERNACIONAL DE ÓRGÃO DE MAFRA

Símbolo da cultura organística de excelência em Portugal, o Concelho de Mafra possui um património único no mundo. Com o intuito de o divulgar, a Câmara Municipal organiza o II Festival Internacional de Órgão de Mafra, de 14 a 22 de abril, na Basílica de Mafra e nas igrejas que possuem órgãos históricos (Gradil, Ericeira, Livramento e Encarnação). A entrada é gratuita.

A intensa atividade organeira, que decorreu no século XIX, estendeu se dos seis instrumentos da Basílica de Mafra a outras localidades, pelo que a iniciativa decorre, também, nessas igrejas. Os programas incluirão artistas portugueses e estrangeiros e apresentarão o órgão enquanto solista e instrumento acompanhador.

O festival começa com a atuação do espanhol Juan María Pedrero, na Igreja de São Silvestre do Gradil, no dia 14 de abril, às 21h30, seguindo-se no dia 15 de abril, um Concerto de Violoncelo e Órgão na Igreja de S. Pedro da Ericeira, às 17h30, com Diana Vinagre e João Vaz.

No segundo fim de semana, a música para coro e órgão está a cargo do Ensemble S. Tomás de Aquino e de André Ferreira, no dia 20 de abril, às 21h30, na Igreja de Nossa Sra. do Livramento. A 21 de abril, às 21h30, a Igreja de Nossa Sra. da Encarnação abre portas ao italiano Enrico Zanovello que tocará no órgão histórico.

O concerto de encerramento será protagonizado pelo Coro Gregoriano de Lisboa, acompanhado do organista Sérgio Silva, na Basílica de Mafra, no dia 22 de abril, às 21h30.

Informações pelo telef.: 261 817 170

Viviane canta Piaf - Showcases FNACs e concerto na Casa da Música no Porto

dfabc967-1bc4-45b9-b3c3-c46d9ab026f5.jpg

 

 

   VIVIANE CANTA PIAF                         

Com uma carreira a solo de 12 anos e após o lançamento em dezembro último do seu mais recente CD "Viviane canta Piaf", 2018 é o ano em que Viviane leva aos palcos o espetáculo com o mesmo nome, em jeito de homenagem à grande cantora francesa Edith Piaf.

Antecedendo o concerto de dia 17 de Maio na Casa da Música, Viviane vai estar nas FNACs do Porto , a saber:


27 Abril | 22h00 | FNAC Marshopping
28 Abril | 17h00 | FNAC Sta Catarina
28 Abril | 22h00|FNAC Norteshopping

Dia 17 de Maio na Casa da Música podemos esperar um espetáculo único e inesquecível, de uma das vozes mais carismáticas da actual música portuguesa.

 

Músicos:
Voz e flauta - Viviane
Piano - Filipe Valentim
Guitarra acústica  - Tó Viegas
Guitarra elétrica - João Vitorino
Acordeão - João Gentil
Contrabaixo - Bruno Vítor

Cidades, vilas e locais a descobrir durante o Caminhos do Ferro

1decf12d-8a51-4585-b27f-2b477167a369.jpg

 

 

 

O Caminhos - programa cultural que acontece nos municípios do Médio Tejo - apresenta-se anualmente em três momentos, unidos pelas redes viárias da região. Em Abril, o programa acompanha as linhas ferroviárias através do CAMINHOS DO FERRO; em Julho, segue os cursos dos rios, ao ritmo do CAMINHOS DA ÁGUA e, em Outubro, percorre as estradas para assistir ao CAMINHOS DA PEDRA.

Esta iniciativa da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo e dos seus municípios, é também um ponto de encontro. Um encontro dos artistas com as comunidades, dos residentes com os vizinhos ou outros visitantes, da arte com o entretenimento, da cultura com a paisagem natural. E, assim, surge como um convite à descoberta destes concelhos e da sua diversidade, agora enriquecida por um programa cultural que amplia a experiência de quem os visita.

O Caminhos do Ferro - que acontece já de 13 a 15 e de 20 a 22 de abril- leva ao Médio Tejo o melhor que temos no país na música, no teatro e na dança. Mas também o que de melhor se cria, em outros países, como Brasil, Espanha ou França, com circo contemporâneo e música em português adocicado. Serão dois fins-de-semana repletos de propostas imperdíveis, todas gratuitas, que ampliarão a experiência de quem aceitar o desafio desta escapadinha.

Em abril, como de resto durante todo o ano, há monumentos nacionais em ilhas fluviais, como é o caso do Castelo de Almourol. Em Vila Nova da Barquinha há ainda gastronomia do rio reconhecida pela sua qualidade. Há uma Igreja Matriz em Atalaia, há um Parque de Escultura Contemporânea que convida ao fruir da natureza e do Tejo e há Pedro Jóia, Sopa de Pedra e muito mais para engrandecer a sua visita durante o primeiro fim-de-semana.

Constância é uma vila que, todos os dias, observa em silêncio o abraço de dois rios, o Tejo e o Zêzere. As ruas apertadas também fazem parte do charme desta vila que é um reconhecido pedaço de paraíso à beira rios plantado. Constância vai ter dragão com borboletas no Borboletário Tropical de Santa Margarida mas também Bruno Pernadas junto às estrelas e Shakespeare com um Romeu e Julieta cheio de doçura. E mais, muito mais.

No Entroncamento é impossível escapar aos caminhos de ferro. A voz que anuncia as viagens, diretamente da estação, ecoa por grande parte da cidade. É no Entroncamento que está sediado o Museu Nacional Ferroviário, uma verdadeira viagem de comboio feita ao rimo do passo de quem o visita. Hélder Moutinho, Ekilibuá e João Bento, trazem, respectivamente, fado, circo contemporâneo e um concerto para piscina numa actuação verdadeiramente inédita.

Em Mação, terra de tradições, há florestas e ribeiras a perder de vista e o rio Tejo que ali criou pescadores. Quando não estivermos a assistir ao brasileiro Castello Branco, a Daniel Pereira Cristo ou atrás do Dragão Tiro, podemos deliciar-nos com a gastronomia de excelência ou, entre tantas outras atrações, conhecer o Museu de Arte Pré-histórica e do Sagrado do Vale do Tejo ou então inspirar o ar junto ao Castro de São Miguel de Amêndoa, monumento nacional.

Teresa Salgueiro vai vaguear por todo o centro histórico de Abrantes – considerado um dos mais bonitos do país -, sem precisar sair do palco. Os Big Dancers vão colorir fachadas e, quem sabe, desafia-las a dançar. A Igreja de São João Baptista, monumento nacional, é um fôlego que se perde. E, claro, há restaurantes para confortar os visitantes entre actuações, seja na cidade ou na albufeira e periferia.

Tomar, cidade cheia de vida e atrações, recebe-nos com o rio Nabão e eleva-nos com o Convento de Cristo - Património Mundial da Unesco. Durante o Caminhos do Ferro brinda-nos ainda com actuações dos Gaiteiros de Lisboa, Hu(r)mano ou Les Chant des Pavillion.

O caminho parece longo mas não é, porque cada passo no Médio Tejo leva-nos a uma descoberta que não se esquece. Prova disto são os percursos desenvolvidos por quatro artistas em quatro municípios do Médio Tejo que poderá acompanhar, bastando comparecer no local e hora marcados. Caso escolha Constância, será levado por Marina Palácio a ouvir as vozes das ninfas que fazem dançar as flores e plantas. Em Vila Nova da Barquinha, Lara Soares descobriu um modo de criar um mapa que nos orienta entre o fatual e o imaginário. No Entroncamento, há as estórias de oito entroncamentenses captadas por João Bento e, em Mação, Ana Bento vai desvendar o que está além do olhar. Uma forma especial e com certeza inesquecível de descobrir estes quatro municípios, através do olhar muito próprio dos artistas do Caminhos do Ferro.

São seis dias de programação para todos os perfis, todas as gerações etotalmente gratuita. Uma forma perfeita para descobrir o Médio Tejo!

 

PROGRAMA POR MUNICÍPIOS

MAÇÃO

13 ABR (6ª)
17:00 Mação: histórias da história ou para além do que se vê - Cineteatro – percurso com Ana Bento

14 ABR (Sáb)
11:00 Mação: histórias da história ou para além do que se vê - Cineteatro – percurso com Ana Bento
17:00 Mação: histórias da história ou para além do que se vê - Cineteatro – percurso com Ana Bento
21:30 Daniel Pereira Cristo – Auditório do CC Elvino Pereira – música

15 ABR (Dom)
16:00 Mação: histórias da história ou para além do que se vê - Cineteatro – percurso com Ana Bento

20 ABR (6ª)
15:00 Dragonologia (EZ) – Largo dos Combatentes – teatro de rua

21 ABR (Sáb)
21:30 Castello Branco - Auditório do CC Elvino Pereira – música

ENTRONCAMENTO

13 ABR (6ª)
18:00 Dragonologia (EZ) – Rua Luís Falcão – teatro de rua
22:30 Hélder Moutinho – Centro Cultural – música

14 ABR (Sáb)
21:00 Ekilibuá (Maintomano) – Praça Salgueiro Maia – novo circo


20 ABR (6ª)
11:00 8 Linhas - Exterior Piscinas Municipais - percurso com João Bento
15:00 8 Linhas - Exterior Piscinas Municipais - percurso com João Bento

21 ABR (Sáb) 
11:00 8 Linhas - Exterior Piscinas Municipais - percurso com João Bento
17:00 8 Linhas - Exterior Piscinas Municipais - percurso com João Bento
21:30 João Bento Live Act – Piscinas Municipais – música


22 ABR (Dom)
10:00 Baloiçar (Quinto Palco) - Centro Cultural – teatro para bebés
11:30 Baloiçar (Quinto Palco) - Centro Cultural – teatro para bebés 
15:00 8 Linhas - Exterior Piscinas Municipais - percurso com João Bento
 

VILA NOVA DA BARQUINHA

13 ABR (6ª)
11:00 Dragonologia (EZ) - Escola D.Maria II – teatro de rua
15:00 De mapa na mão com cheiro a laranja – Exterior do Centro Cultural – percurso com Lara Soares
21:00 Irakurriz (Shakti Olaizola) – Centro Cultural – novo circo

 

14 ABR (Sáb)
15:00 De mapa na mão com cheiro a laranja – Exterior do Centro Cultural – percurso com Lara Soares
22:00 Pedro Joia – Igreja de Atalaia – música

 

15 ABR (Dom)
11:00 De mapa na mão com cheiro a laranja – Exterior do Centro Cultural – percurso com Lara Soares
15:00 De mapa na mão com cheiro a laranja – Exterior do Centro Cultural – percurso com Lara Soares
18:00 Sopa de Pedra – Igreja Matriz de Tancos – música


CONSTÂNCIA

20 ABR (6ª)
9:00 O Inesperado Caminho das casas-flores nas asas das avós-ninfa! - Praça Alexandre Herculano - percurso com Marina Palácio
11:00 Dragonologia (EZ) - Parque Ambiental Sta. Margarida – teatro de rua
14:00 O Inesperado Caminho das casas-flores nas asas das avós-ninfa! - Praça Alexandre Herculano - percurso com Marina Palácio
21:30 Castello Branco - Auditório do Centro de Ciência Viva – música

 

21 ABR (Sáb)
11:00 O Inesperado Caminho das casas-flores nas asas das avós-ninfa! - Praça Alexandre Herculano - percurso com Marina Palácio
15:00 O Inesperado Caminho das casas-flores nas asas das avós-ninfa! - Praça Alexandre Herculano - percurso com Marina Palácio
18:00 Le Chants des Pavillons (La Fausse Cie) - Praça Alexandre Herculano – música
21:30 Bruno Pernadas  - Auditório do Centro de Ciência Viva – música

 

22 ABR (Dom)
11:00 O Inesperado Caminho das casas-flores nas asas das avós-ninfa! - Praça Alexandre Herculano - percurso com Marina Palácio
16:00 Romeu & Julieta (Teatro Praga) - Casa do Povo de Montalvo - teatro

 

TOMAR

20 ABR (6ª)
21:30 Hu(r)mano (Marco da Silva Ferreira) - Cine-teatro Paraíso - dança

 

21 ABR (Sáb)
11:00 Dragonologia (EZ) - Parque Infantil – teatro de rua
15:00 Dragonologia (EZ) – Corredoura – teatro de rua
21:30 Le Chants des Pavillons (La Fausse Cie) – Corredoura – música
22:30 Big Dancers (El Carromato) – Corredoura – teatro de rua


22 ABR (Dom)
21:30 Gaiteiros de Lisboa - Praça da República – música
 

ABRANTES

14 ABR (Sáb)

11:00 Dragonologia (EZ) – Centro histórico – teatro de rua
15:00 Dragonologia (EZ) - Centro histórico – teatro de rua

15 ABR (Dom)
21:30 Teresa Salgueiro – Praça Raimundo Soares – música

20 ABR (6ª)
21:30 Big Dancers (El Carromato) – Praça Barão da Batalha – teatro de rua 

RICARDO BACELAR - TOUR PORTUGAL

image015.jpg

 

 

 

RICARDO BACELAR APRESENTA “SEBASTIANA” AO VIVO, EM LISBOA

 

Primeiro Ricardo Bacelar apresentou-se ao público português com o single “Nothing Will Be As It Was”, versão de um original de Milton Nascimento, Ronaldo Bastos e Renée Vincent, um dos poucos temas cantados do álbum “Sebastiana” e onde desponta a voz da convidada especial Maye Osorio (EUA). Agora o pianista, compositor e arranjador brasileiro revelas as datas da passagem pelos palcos portugueses!

 

Serão quatro os concertos que o músico dará em Portugal, todos em Lisboa. Um showcase e três concertos levarão Ricardo Bacelar à FNAC do Vasco da Gama, ao Auditório LEAP, ao Espelho de Água e ao Cascais Jazz Club. Os dias, horas e detalhes dos bilhetes estão todos presentes abaixo.

 

19.04 | FNAC Vasco da Gama, Lisboa, 18h30, Entrada Gratuita

20.04 | Auditório LEAP, Amoreiras – Lisboa, 20h, 5€

21.04 | Espelho de Água, Lisboa, 21h30, 5€

22.04 | Cascais Jazz Club, Cascais, 22h, 8€

 

 

 

 

MUSEU NACIONAL DA MÚSICA | Aniversário dos 150 anos de Vianna da Motta

DOMINGO, 22 de Abril, a partir das 16h, 
no MUSEU NACIONAL DA MÚSICA | Entrada Livre
No próximo Domingo, o Museu Nacional da Música abrirá excepcionalmente para celebrar os 150 anos do nascimento do pianista e compositor Vianna da Motta (1868-1948).
As comemorações terão início por volta das 16h, com uma breve introdução da directora do museu, Dra. Graça Mendes Pinto, e de Elvira Archer, especialista no estudo da vida e obra do compositor.
Segue-se um recital de João Costa Ferreira, pianista que lançou recentemente um CD áudio dedicado a obras para piano solo de Vianna da Motta na editora Grand Piano (Naxos).
No museu estará exposta alguma documentação, como partituras, programas, postais e fotografias de Vianna da Motta.
 
 
Entre 1919 e 1938 Vianna da Motta exerceu funçōes de director do Conservatório Nacional, instituição que albergava, nessa altura, a actual colecção do museu. No início da década de 30 foi, com Tomaz Borba, uma das vozes mais infuentes para que o Estado Português comprasse aquela que é hoje uma das partes mais importantes do nosso acervo: o espólio do museu privado (Museu Instrumental de Lisboa) que Carvalho Monteiro tinha feito com Lambertini e que incluía, entre outros valiosos instrumentos, o espólio do Alfredo Keil.
 
 

CONVITE_parte1 (1).jpg

 

 

Texto de Elvira Archer

José Vianna da Motta grande virtuose internacional do piano, nasceu na ex-colónia portuguesa da ilha de S. Tomé a 22 de Abril de 1868 e faleceu em Lisboa a 1 de Junho de 1948.

Ainda não tinha dois anos quando veio com seus pais para a metrópole que se instalaram  em Colares, concelho de Sintra, onde deu os primeiros sinais da sua musicalidade precoce que, tornando-se notória, foi levado com seis anos ao paço real, acompanhado do seu harmónio feito à sua medida, para fazer uma audição, não sabendo ainda uma nota de música, mas tocando de ouvido melodias que ouvia a seu pai.

Impressionados com tal talento, D. Fernando II e sobretudo a Condessa d’Edla prontificaram-se a auxiliar os custos do ensino no Conservatório Real de Lisboa, onde iniciou o curso de piano com perto de sete anos e terminou com treze.

Os seus progressos e o sucesso com que se apresentou no seu primeiro concerto que teve lugar no Salão da Trindade, facultaram-lhe obter dos seus mecenas uma bolsa para, em 1882, ir continuar na Alemanha os seus estudos humanísticos e musicais, estes no Conservatório Scharwenka em Berlim. Foi nesta cidade, onde manteve o seu domicílio durante cerca de 32 anos e onde colaborou com artistas famosos como Ferruccio Busoni ou Pablo de Sarasate, que desenvolveu a sua carreira de pianista e de pedagogo.

Recebeu os ensinamentos de Franz Liszt no último curso de verão, dado em Weimar em 1885, frequentou o curso de aperfeiçoamento interpretativo de Hans von Bülow de 1887, em Frankfurt, e tornou-se adepto de R. Wagner quando assistiu pela primeira vez, ainda estudante, ao Parsifal em Bayreuth.

Com o deflagrar da Primeira Guerra Mundial foi obrigado a abandonar a Alemanha em 1914, tendo então aceite o lugar de “professor superior” da classe de virtuosidade de piano do Conservatório de Música de Genebra.

Em 1917 regressou definitivamente a Portugal, onde fundou a Sociedade de Concertos de Lisboa e onde, em 1919, lhe foi conferido o cargo de professor e director do Conservatório Nacional de Lisboa que exerceu até 1938,  realizando a desejada reforma europeizante daquela instituição com uma nova orientação pedagógica.

Como compositor, no âmbito da Música de Concerto, é considerado o iniciador da música de carácter nacional em Portugal, sendo a sua obra mais relevante a Sinfonia À Pátria.

José Vianna da Motta, figura de grande vulto cultural, aplaudido por reis, imperadores, presidentes de vários países e nas melhores salas da Europa e do Continente Americano de norte a sul, embora tenha sido um prestigiado divulgador da música alemã, também o foi, mundo fora, da portuguesa.

 

Elvira Archer

PROGRAMA do RECITAL

 

Obras de José Vianna da Motta

 

Pensée Poétique, Rêverie op. 36

Amizade, Mazurca

Singela, Polca-mazurca op. 17

Elegia, op. 45

Três Romances sem palavras, op. 51

Meditação

O Crepúsculo

Lamentação

Les Inondations de Murcie, Scène caractéristique op. 28

Fantasiestück, op. 2

1ª Rapsódia Portuguesa, "Fados"

 

JOÃO COSTA FERREIRA é um pianista português detentor do prestigiado “Diplôme Supérieur d’Exécution” da École Normale de Musique de Paris / Alfred Cortot, instituição onde estudou com Marian Rybicki e Guigla Katsarava. É também investigador, titular de uma Licenciatura e de um Mestrado de Investigação em Música e Musicologia pela Université Paris-Sorbonne, instituição onde lecionou enquanto tutor. Atualmente, prossegue os seus trabalhos de investigação em Doutoramento nessa universidade sob a direção da musicóloga e filósofa Danielle Cohen-Levinas, estudando, nomeadamente, a escrita, técnica e interpretação pianísticas na obra de José Vianna da Motta.

É detentor de vários prémios, destacando-se o 2º prémio (1º prémio não atribuído) no XVº Concurso Internacional de Piano Maria Campina e o 1º prémio “Musicologia” no 8º Concurso “Jeunes solistes de la Sorbonne”. Em 2015, João Costa Ferreira foi galardoado pela Cap Magellan com o prémio “Melhor revelação artística” numa gala para a celebração da República Portuguesa realizada nos salões do Hôtel de Ville de Paris.

Actua regularmente em Portugal, França e Holanda, tendo gravado várias vezes para a RDP-Antena 2. Apresentou-se, enquanto solista, com a Orquestra de Sopros e a Orquestra de Cordas do Conservatório de Artes do Orfeão de Leiria e com a Orquestra Filarmonia das Beiras, sob a direção dos Maestros Alberto Roque e Ernst Schelle. Trabalha também em projetos de interpretação de obras para piano a quatro mãos com o pianista Bruno Belthoise.

Iniciou a sua actividade de pedagogo em 2009 sendo convidado como assistente do pianista francês Jean Martin (discípulo de Yves Nat) para leccionar no âmbito de masterclasses realizadas em França. Além disso, João Costa Ferreira é frequentemente convidado a orientar masterclasses em conservatórios de música de Portugal.

João Costa Ferreira é artista da AvA Musical Editions e colabora com a editora para a publicação de obras de José Vianna da Motta tendo já revisto e prefaciado várias dezenas. Lançou recentemente um CD áudio dedicado a obras para piano solo deste compositor na editora Grand Piano (do grupo Naxos).

Iniciou os seus estudos musicais aos onze anos no Conservatório de Artes do Orfeão de Leiria com o professor de piano Luís Batalha.

 

Apoio: Associação dos Amigos do Museu Nacional da Música

 


PRÓXIMOS EVENTOS NO MUSEU NACIONAL DA MÚSICA:

https://www.facebook.com/pg/museunacionaldamusica/events/?ref=page_internal

 

 

 

Whales com 20 datas, vinil e novo single e video a caminho

Depois da tour europeia, há vinil, vinte datas e novo vídeo

Whales apresentam o disco de estreia ao vivo 

75643b65-7d62-4f43-91bf-62ca85217efd.jpg

 

Os Whales iniciam hoje a primeira parte da digressão nacional de apresentação do seu disco de estreia, que é também hoje lançado em formato vinil. Na próxima semana estreiam o video para o novo single - "Twerp".


Depois de três semanas em digressão conjunta com os Fugly, que passou por sete países da Europa e que acabou no Festival MIL, o trio arranca hoje com uma série de datas nacionais que em dois meses, entre concertos e showcases, atravessa o país do Algarve a Ponte de Lima em vinte datas até ao meio de Junho. 

Na próxima semana estreiam o novo vídeo, produzido pela Casota Collective, para o single "Twerp", continuando assim uma ligação artística que já lhes valeu uma nomeação, como vídeo de "Ghost", para os Berlin Music Video Awards.

****
Expresso

"O talento dos Whales em produzir temas vibrantes é justificado ao longo de cada segundo, deixando-nos com um vazio quando o disco é dado por terminado"
Música em DX

"Os Whales são uma das mais refrescantes bandas da música Portuguesa. ... O futuro está aqui."
PIB

"Whales are now branching out by themselves, bringing together their own blend of indie electro and classically inspired influences."
Kabult

"Portugal's Whales make some pretty exciting, experimental electronic music."
Scientists Of Sound

"Whales unleash a dreamy, cosmic spell on us with their atmospheric indietronica."
IHMoosiq

Ante-estreia "Valente Maio" a 27 abril! Bilhetes à venda.

 

Dois soberbos instrumentistas, juntos e ao vivo, em nova criação d’Orfeu AC.
Valente Maio apresenta-se a Águeda a 27 de abril. Bilhetes já à venda!

sexta 27 abril, 22h00
ANTE-ESTREIA | LOTAÇÃO LIMITADA
Espaço d’Orfeu – ÁGUEDA

image.png

 

José Valente e Manuel Maio formam “Valente Maio”, a nova criação d’Orfeu AC.


A nova criação da d’Orfeu AC “Valente Maio” tem ante-estreia confirmada para 27 de abril, às 22h00, na Latada do Espaço d’Orfeu, em Águeda. José Valente (violetista) e Manuel Maio (violinista) formam este duo que casa violino e viola d’arco de uma forma enérgica e singular, a partir de composições originais de ambos. O bilhetes estão já à venda e a lotação é limitada.

O duo entre o violino e a viola d’arco protagoniza um dos conjuntos mais cúmplices da história da música. A sua familiaridade física, que lhes concebe uma semelhança de texturas e técnicas musicais, foi explorada ao longo dos séculos por inúmeros compositores e intérpretes. Manuel Maio, violinista, e José Valente, violetista, conhecidos pela flexibilidade linguística e irreverência criativa, sendo ambos também compositores premiados, associam-se para formar “Valente Maio”. Um encontro entre o violino e a viola d’arco que viaja entre múltiplos estilos, suscitando uma entusiasmante mistura entre virtuosismo e sensibilidade, entre o 'clássico' e o 'jazz', entre o que se conhece destes dois instrumentos e aquilo que, por eles, há-de vir.
 
O concerto registará uma confluência entre contextos, de uma conversa pertinente e atual entre a tradição e a contemporaneidade, protagonizada por uma formação instrumental cheia de potencialidade para explorar, com recurso a loopstation e pedais de efeitos, mas de dimensão essencialmente acústica. O grande desafio deste duo é exatamente a reunião de toda esta exuberância de estilos e alusões, na definição de um idioma interessante e transparente que integra a multiplicidade estética proposta e mantém o rigor que distingue a música erudita.
 
Os bilhetes para a ante-estreia de “Valente Maio” estão já à venda no Espaço d’Orfeu e têm o valor de 8€ (ou 4€ com Cartão d’Orfeu). O momento é especial e a lotação é limitada.
 
 

http://www.dorfeu.pt/valentemaio
https://www.facebook.com/events/127969538048450/

Dead Combo e Feira do Vinil: um fim de semana repleto de música na FNAC Chiado

Apresentação – Concerto dos Dead Combo e Feira do Vinil – FNAC Chiado 

 

Dead Combo e Feira do Vinil: um fim de semana repleto de música na FNAC Chiado

Dead Combo©Daniel_Costa_Neves.jpg

 

 

O palco dos Armazéns do Chiado regressa a rigor para receber o “Encontro Marcado” dos Dead Combo, na estreia, ao vivo, do novo álbum “Odeon Hotel”. A apresentação aos fãs do sexto álbum de originais da banda, está marcada para o dia 21 de abril a partir das 18h, à porta dos Armazéns do Chiado, e tem acesso gratuito. O concerto será seguido por uma sessão de autógrafos, no fórum da FNAC Chiado, para os fãs que apresentarem o novo disco “Odeon Hotel” ou algum dos anteriores álbuns da dupla Tó Trips e Pedro Gonçalves. O novo álbum conta com 13 músicas e trata-se de uma compilação de fado lisboeta, blues e ritmos latinos, cuja inspiração foi no cosmopolitismo da cidade de Lisboa.

 

Para além da atuação da banda portuguesa de Folk, a FNAC Chiado terá uma “Feira do Vinil”, até 25 de abril, numa celebração inteiramente dedicada a quem ouve música “à moda antiga”. 

Só durante este fim de semana, nos dias 20, 21 e 22 de abril, a FNAC oferece, ainda, um desconto direto de 20% em todos os discos de vinil, à venda em loja.