Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Costura na rua e gastronomia africana e brasileira na ComunicAlta - 7 outubro

 

descarregar (4).png

descarregar (8).jpg

 
 
Deejay Rifox (clicar para vídeo)

Sob o mote 'Bairro Sonha', a ComunicAlta retorna à Alta de Lisboa, desta feita na freguesia de Santa Clara, para a sua edição de outono, no dia 7 de outubro, na Av. Sérgio Vieira de Mello.
O conceito principal continua o mesmo: comunicar e mostrar a criatividade emergente da comunidade, reforçando a Alta de Lisboa como um território criativo.

Esta edição traz diversas novidades. A Cozinha Mundo, o food court da feira, apresentará pela primeira vez uma variedade de pratos africanos de todos os países lusófonos, preparados pelas talentosas cozinheiras da Alta: Catarina Panguana, de Moçambique; as Kilandras de Angola; Maria Semedo de Cabo Verde; Maria da Conceição de São Tomé e Príncipe; Andreza da Guiné-Bissau; além de diversas bancas com salgados brasileiros e a tradicional Sopa da Pedra da APCL - Associação de Paralisia Cerebral de Lisboa.

palco da ComunicAlta será o cenário para projetos artísticos de dança e música do território, desde apresentações das escolas até projetos emergentes de músicos do bairro, com curadoria dos Active Boys, uma produtora de eventos formada por dois jovens da Associação Espaço Mundo.

espaço Artivar será dedicado ao conceito 'Faça você mesmo'. Venha com tempo e disposição para participar, aprender, consertar e divertir-se! As costureiras da Alta das Associaçoes Per 11 e Espaço Mundo, estão prontas para o corte e costura, ensinando ou fazendo arranjos. A cicloficina estará afinada, a aguardar as bicicletas para pequenas reparações com o apoio da associação Cicloda. Traga tampas de garrafas que o Fab Lab Lisboa da CML terá à disposição máquinas de transformação de Plástico em novos objetos. E ajude o bairro a sonhar, desenhando num mural. 

Pelo recinto da ComunicAlta, diversas entidades do bairro e de Lisboa apresentarão seus serviços e os feirantes expõem e vendem as suas artes. As famílias podem experimentar atividades desportivas como Kikboxing ou aprender a andar de skate, assistir a um concerto dos mini mozarts ou pular em insufláveis e trampolins.

 

 

descarregar (5).png

 

A ComunicAlta funciona também como empoderamento dos jovens Associação Espaço Mundo e Associação de Moradores do Per 11 que participam ativamente na montagem da feira e como voluntários.

Este projeto é financiado através do programa Bip/Zip da CML, dinamizado pelas associações Espaço Mundo e Sempre Ligados, em parceria com o Centro Social da Musgueira, Aral – Associação de Residentes do Alto do Lumiar, Associação CLIP – Recursos e Desenvolvimento, Associação Aprender em Parceria – A PAR, Associação de Moradores do Per 11, ALCC – Lusofonia e Cultura e com o apoio das Juntas de Freguesia de Santa Clara e Lumiar.

O bairro sonha e fecha a rua Sérgio Viera de Mello. para receber empreendedores e público em geral num dia cheio de  sabores e saberes a descobrir.

 

Programa Atividades
Todo o dia

Insuflável 
Cozinha Mundo - Comida Africana, Brasileira e portuguesa

Cicloficina  - Associação Cicloda
Serigrafia - Impressão de T-shirts  - Associação de Residentes do Alto do Lumiar

Jogos e circuito de trânsito  - Câmara Municipal de Lisboa
Aulas de skate - Ericeira Surf & Skate
Concerto Mini Mozart`s  - Arca das Artes
Oficina de transformação de plástico  - Fab LAB CML

Costura na rua - Associação de Moradores do Per 11
Trampolim - Associação Azimute Radical

 

Feira do Livro do Porto: Fantoches de Hugo van der Ding e a “liberdade livre” de Afonso Cruz

GCO - Guilherme Costa Oliveira  CM Porto_1.jpg

A primeira semana da 10.ª edição da Feira do Livro do Porto, que decorre até ao dia 10 de setembro, nos Jardins do Palácio de Cristal, apresenta uma programação para todas as idades e para todos os gostos. A continuação da homenagem a Manuel António Pina, um teatro de fantoches preparado por Hugo van der Ding, uma conversa com o escritor Afonso Cruz, sessões de comédia dedicadas à poesia e oficinas de escrita para os mais novos são alguns dos pontos altos das propostas para esta semana.

 

Responsável pelo reconhecido podcast “Vamos Todos Morrer”, o humorista Hugo van der Ding volta a (re)contar a história de Portugal. Desta vez, com a ajuda de fantoches, que entram em cena esta quarta-feira, dia 30 de agosto, às 21 horas. Através de um formato inédito, será recriada a atribulada história de sucessos e insucessos de uma das mais conceituadas cantoras líricas portuguesas. “Uma grande Fantochada: Luísa Todi e Napoleão, uma tragédia em teatro de fantoches” chega ao auditório da Biblioteca Municipal Almeida Garrett (BMAG) e promete apelar à criança interior de cada um. No mesmo dia, às 18 horas, Sónia Baptista conduz a conferência-performance “E Hoje, é um Esquilo?”, uma reflexão sobre a prática artística como investigação filosófica e poética, e vice-versa.

 

Na quinta-feira, 31 de agosto, às 16h30, é a vez do escritor Afonso Cruz tomar a palavra no auditório BMAG, numa conversa moderada pela jornalista Inês Fonseca Santos. A sessão marca o arranque do ciclo de conversas “Terrivelmente Teimo em Adorar a Liberdade Livre”, que convida autores de diferentes gerações a partilhar o amor pela escrita e pela palavra, e as referências literárias de que são feitos. A sessão será disponibilizada, posteriormente, no canal de YouTube do Município do Porto.

 

Durante esta semana, a Feira do Livro do Porto serve, ainda, de mote ao lançamento do projeto “Porto Literário”, promovido pelo jornal Público com o apoio técnico do Museu e Bibliotecas Municipais do Porto. Às 15h30 do dia 31 de agosto, no Lago dos Cavalinhos, Rui Moreira, presidente da Câmara Municipal do Porto, e Cristina Soares, jornalista do Público, apresentam a iniciativa, destinada à produção e distribuição de conteúdos e roteiros dedicados à cultura literária da cidade, através de um storytelling local que percorre autores, casas, topónimos e pontos emblemáticos.

 

10.ª edição da Feira do Livro do Porto arranca esta sexta-feira | 25 de agosto, às 17 horas | Jardins do Palácio de Cristal

A 10.ª edição da Feira do Livro do Porto arranca, esta sexta-feira, nos Jardins do Palácio de Cristal.

Feira do Livro do Porto.png

Manuel António Pina é o autor homenageado na 10.ª edição da Feira do Livro do Porto, que já faz parte da agenda cultural da cidade. A feira literária está de regresso aos Jardins do Palácio de Cristal e, entre 25 de agosto e 10 de setembro, são mais de uma centena de editoras, livreiros e alfarrabistas que vão ocupar a Avenida das Tílias. A inauguração da exposição “Pina Germano” e a música de Mafalda Veiga são alguns dos destaques do primeiro dia.

 

Uma vez mais, a cultura, a música, o cinema e o humor vão invadir os Jardins do Palácio de Cristal, com “os livros, sempre eles, em lugar de destaque”, tal como refere o presidente da Câmara Municipal do Porto.

FNAC celebra a magia do vinil e do livro com festa no MAR Shopping Algarve

Entre 21 de julho e 31 de agosto, a FNAC MAR Shopping Algarve, em Loulé, recebe mais uma edição da Festa do Vinil & Festa do Livro e prova que livros, música e verão são a combinação perfeita.

 

DJ Pete Tha Zouk é o special guest da Festa do Vinil 2023 e celebra 30 anos de carreira com um vinil exclusivo FNAC.

 

 

Pela 4.ª vez, a FNAC promove a Festa do Vinil & Festa do Livro, ao disponibilizar uma vasta seleção dos melhores vinis e livros, fora de portas, no MAR Shopping Algarve. Esta celebração é o ponto de encontro perfeito para os amantes de música e de literatura, e conta com uma agenda especial de showcases ao vivo para preencher o verão dos portugueses com música no seu formato mais clássico.

 

A Festa do Vinil decorre de 21 de julho a 13 de agosto e procura não só promover a cultura deste formato icónico das décadas de 50 a 80, como também proporcionar uma imersão sonora e visual. Para isso, participam vários DJs locais de renome nas Vinil Live Sessions, onde será possível assistir à magia do manuseamento do vinil.

 

No dia 9 de agosto, a Festa do Vinil 2023 tem como special guest o DJ Pete Tha Zouk, que está a celebrar 30 anos de carreira. Para assinalar este marco, o DJ vai lançar um vinil com faixas emblemáticas do seu percurso, que será comercializado e já se encontra em pré-venda, em exclusivo pela FNAC.Nos últimos anos, tem-se assistido a um ressurgimento do interesse em torno deste formato analógico, com um número crescente de colecionadores e de artistas a lançarem discos de vinil.

 

“Temos verificado uma maior procura pelo vinil, não só pela geração que nunca deixou o vinil, mas com cada vez mais jovens a interessarem-se por este formato. O vinil exerce uma atração única e tem um impacto muito especial pelo seu apelo nostálgico e autêntico. Ouvir discos de vinil oferece uma possibilidade rara de fazer parar o tempo para apreciar a arte que ali está, especialmente relevante numa altura em que sofremos todos de falta de tempo e de excesso de ruído e estímulos”, refere Inês Condeço da FNAC. Nesse sentido, a FNAC irá promover no âmbito da Festa do Vinil uma campanha de 3 por 2 em todos os vinis disponíveis em loja.

 

As Vinil Live Sessions têm início sempre às 18h00 e vão decorrer nas seguintes datas:

 

  • Domingo, 23 de julho – Lord Vegan 
  • Quarta-feira, 26 de julho – Paolo Matos
  • Domingo, 30 de julho – Special K
  • Quarta-feira, 2 de agosto – PLASMA
  • Domingo, 6 de agosto – Nelson Vaz
  • Quarta-feira, 9 de agosto – Pete Tha Zouk
  • Domingo, 13 de agosto – Peregrino

 

 

E porque a FNAC também pretende oferecer o melhor da literatura nacional e internacional, entre 14 e 31 de agosto decorre no mesmo espaço a Festa do Livro, onde os visitantes podem usufruir de descontos até 50% numa extensa e variada seleção de livros. Esta é a festa ideal para aqueles que ainda procuram uma boa leitura para o verão e a oportunidade perfeita para conhecer alguns os escritores que vão estar em sessão de autógrafos.

 

Feira do Livro de Lisboa prolonga-se até 13 de junho

 

descarregar.jfif

A Feira estará aberta ao público por mais dois dias

 AberturaEncerramento
2.ª a 5.ª feira12h3022h00
6.ª feiras e vésperas de feriado23h00
Sábados11h00
Domingos e feriados22h00

Feira do Livro com mais de 2300 eventos e a melhor programação de sempre

 AberturaEncerramento
2.ª a 5.ª feira12h3022h00
6.ª feiras e vésperas de feriado23h00
Sábados11h00
Domingos e feriados22h00

A melhor Feira do Livro de sempre conta com a maior oferta editorial e volta às datas habituais

 

descarregar.jfif

 

A 93.ª edição da FLL acontece entre 25 de maio e 11 de junho

 AberturaEncerramento
2.ª a 5.ª feira12h3022h00
6.ª feiras e vésperas de feriado23h00
Sábados11h00
Domingos e feriados22h00

Saiba como pode aproveitar ao máximo os últimos dias da Feira do Livro de Lisboa

image.png

A 93.ª Feira do Livro de Lisboa termina no dia 13 de junho. Neste sentido, a Maria João Faria, uma das influenciadoras portuguesas incluídas no Guia dos 100 influenciadores literários lusófonos, criado pelo Clube de Autores, revela algumas dicas para aproveitar estes últimos dias ao máximo.

Fazer uma lista dos livros que quer comprar: com tantos stands e livros, é fácil ficar perdido. Por isso, o melhor é fazer uma lista e verificar a editora de cada um dos livros. Ao saber exatamente quais os livros que quer e qual é a editora, consegue encontrar os livros mais facilmente e sem perder muito tempo à procura.

Hora H: se procura as melhores promoções, não pode faltar à Hora H. A Hora H acontece de segunda a quinta-feira,com exceção de feriados, das 21h às 22h. Todos os livros, dos stands aderentes, com mais de 24 meses ficam com 50% de desconto. É ou não um ótimo motivo para ir à Feira do Livro?

Livros do Dia: Se não tem disponibilidade para ir à Hora H, não se preocupe, pode sempre aproveitar os livros do dia. Todos os dias, há um ou mais livros diferentes, por editora, que ficam com um belo desconto. Pode ver os livros do dia no próprio site da feira.

Livros manuseados e stands de alfarrabistas: uma outra dica para aproveitar a Feira do Livro é procurar pelos livros manuseados e pelos stands de alfarrabistas. Algumas editoras têm cestos com livros com algumas marcas de uso, apenas a 5 euros. Além disso, pode encontrar muitas pérolas nas bancas dos alfarrabistas.

Eventos: por último, mas não menos importante, para uma experiência completa na Feira do Livro, não se esqueça de ver quais são os eventos e sessões de autógrafos que vão decorrer durante o dia. É sempre uma ótima forma de conhecer os seus autores preferidos ou, até mesmo, conhecer novos autores e novos livros.

 

 

Município promove “Festas com Livros” – visite de 6 a 11 de junho!

Festas com Livros.jpg

O Município de Palmela promove a Feira do Livro “Festas com Livros”, entre os dias 6 e 11 de junho, nas Bibliotecas Municipais de Palmela e Pinhal Novo e no Museu – A Estação (Pinhal Novo).

Esta iniciativa, que conta com o apoio do Grupo das Bibliotecas Escolares do concelho, integra a realização de exposições e atividades de animação e promoção da leitura destinadas à comunidade educativa e ao público em geral.

O Foyer do Auditório Municipal de Pinhal Novo – Rui Guerreiro recebe, entre os dias 6 e 26 de junho, a Exposição “Universo dos Livros Cartoneros: uma itinerância em Portugal” enquanto que a Sala Infanto-Juvenil da Biblioteca Municipal de Pinhal Novo acolhe a Exposição “Os Bonecos das Preocupações”, com trabalhos desenvolvidos pelas turmas participantes na Hora do Conto do Serviço Educativo do Museu e Bibliotecas.

Do programa da “Festas com Livros” destacam-se, ainda, as apresentações dos livros “De esguelha como o Marelha”, de Susana Filipe, “Legumes com Letras”, de Diana Pedreira, “Um dia passei por aqui”, de Tássia Camargo, com as presenças das autoras e as oficinas “Livros Cartoneros: ilustrar com…”, dinamizada por Paula Moita, “Ilustrar com os Sentidos: desenhos de plantas”, pelo Grupo das Plantas e “Viagens pela Memória, a palavra na voz da comunidade local”, por Alexandrina Pereira. No Museu – A Estação, decorrerão atividades com entrada livre, centradas nos Direitos Humanos.

Mais informações/inscrições: bibliotecas@cm-palmela.pt

Consulte o programa completo da “Festas com Livros” em www.cm-palmela.pt e participe!

Feira do Livro: Lançamento da obra de José Medeiros Ferreira realiza-se hoje, às 19h00

Hoje, dia 31 de maio, às 19h00, na Feira do Livro

A Revolução do 25 de Abril: Ensaio Histórico,

de José Medeiros Ferreira

 

40 anos após a sua primeira edição, saiu de novo à estampa, com a chancela da Shantarin, a obra de Medeiros Ferreira

SHANTARIN _ José Medeiros Ferreira_ A Revoluçã

A sessão de apresentação do livro terá lugar Feira do Livro de Lisboa hoje, dia 31 de maio, às 19h00, no Auditório Poente. O lançamento contará com a presença de Eduardo Paz Ferreira, Pedro Aires Oliveira e José Pacheco Pereira.

 

“Neste trabalho pioneiro, Medeiros Ferreira estabeleceu um primeiro quadro interpretativo do 25 de Abril, expurgando-o de leituras esquemáticas e maniqueístas”, refere Pedro Aires Oliveira, coautor da introdução à presente edição, professor de História Contemporânea na NOVA FCSH e investigador no IHC/IN2PAST. “Ao contrário das narrativas que faziam da ‘luta de classes’ o cerne da revolução, Medeiros Ferreira propõe-nos uma visão que confere a devida primazia à luta pelo poder entre grupos políticos organizados e instituições. Só por isso, vale a pena regressar a esta obra fundadora da moderna historiografia da Revolução dos Cravos”, conclui.

 

Para Maria Inácia Rezola, igualmente coautora da introdução ao volume, professora na ESCS-IPL, investigadora no IHC/IN2PAST e Comissária Executiva da Estrutura de Missão do 50.º aniversário da Revolução do 25 de Abril, “este ensaio histórico sobre a Revolução do 25 de Abril, escrito num contexto em que a história da Revolução ainda não usufruía de completa dignidade académica, foi um trabalho pioneiro que inaugurou uma escola interpretativa que subsiste até aos dias de hoje”. E acrescenta: “Num momento em que se celebram os 50 anos da Revolução de Abril, importa revisitar a obra de José Medeiros Ferreira e apreciar a sua clarividência para compreender os acontecimentos e os atores que marcaram a história da construção da democracia em Portugal”.

 

A reedição, com novidades, de uma obra clássica e atual

Uma das novidades da presente edição é a seleção de fotografias a cores e a preto e branco do 25 de Abril, do 1.º de Maio de 1974 e de outros momentos da Revolução, da autoria de Jorge da Silva Horta. A nova edição conta ainda com um glossário de Manuel Martins, que introduz aos leitores que não viveram a Revolução o extenso rol de lugares, datas, atores, organizações e documentos citados ao longo do ensaio por Medeiros Ferreira. Finalmente, a capa é da autoria de José Brandão, nome de referência do design em Portugal e professor emérito da Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa.

 

Uma figura incontornável na história da Democracia em Portugal

Dirigente estudantil aquando da crise académica de 1962 e preso político, José Medeiros Ferreira  que foi expulso de todas as universidades portuguesas – estava exilado na Suíça quando eclodiu a Revolução do 25 de Abril. Um ano antes, enviara ao 3.º Congresso da Oposição Democrática em Aveiro uma tese premonitória, que defendia o envolvimento das Forças Armadas para pôr termo à ditadura e à guerra nas colónias africanas e apoiar um plano de ação nacional que conduzisse à descolonização, à democratização e ao desenvolvimento do País.

 

Regressado do exílio pouco depois da Revolução, Medeiros Ferreira foi Ministro dos Negócios Estrangeiros do I Governo Constitucional e desempenhou um papel político de relevo na abertura da jovem democracia portuguesa à Europa e ao mundo. Esteve a seu cargo a preparação diplomática do pedido de adesão de Portugal à CEE, em março de 1977.

 

Foi na fase inicial de uma brilhante carreira académica no domínio da história contemporânea portuguesa, e de novo à frente do seu tempo, que da pena de Medeiros Ferreira saiu à estampa, em 1983, o Ensaio Histórico sobre a Revolução do 25 de Abril. A obra é, agora, reeditada pela Shantarin.

 

Sobre a Shantarin

SHANTARIN, topónimo medieval de uma cidade no ocidente da Península Ibérica, resultou da arabização de Santa Irene — sendo que Irene romanizara εἰρήνη (eirēnē), termo grego para paz. Na cidade imaginada de SHANTARIN, mulheres e homens originários do Norte, do Sul e do Oriente, judeus, cristãos e muçulmanos, falantes de línguas várias, viveram e conviveram, sonharam e criaram, produziram e comerciaram, contribuindo para a construção e a prosperidade da urbe, em paz e em liberdade. Com o nome e com o espírito daquela terra de fronteira e de encontros, a Shantarin é uma editora de humanidades que, privilegiando o rigor filológico, científico e editorial, difunde em várias línguas obras que levam consigo os signos da criação artística e literária e os valores da liberdade, da democracia e da dignidade humana.