Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Alentejo e o seu Cante é tema de livro apresentado na Biblioteca de Loulé

Livro Alentejo.jpg

 

No próximo dia 23 de novembro, pelas 15h00, a Biblioteca Municipal de Loulé irá dinamizar mais uma sessão de “Livros Abertos”, que contará com a presença do escritor Desidério Lucas de Ó para dar a conhecer “Do Alentejo pró mundo com o cante na Alma”.

Na sessão de apresentação deste livro, o autor falará da sua obra e responderá a todas as questões colocadas pelo público. Nesta ocasião, estará presente a Associação de Amigos do Alentejo com o seu grupo coral, para um momento de cante.

 “Um magnífico livro de nostalgia, que nos remete para um tempo em que todos os alfabetos enraizavam na ruralidade profunda do Alentejo... através do olhar duma criança”.  

Nesta sessão vão estar disponíveis vários exemplares da obra para venda, seguindo- uma sessão de autógrafos. A entrada é livre.

 

CML/GAP /RP

Dia Mundial da Filosofia - Gandhi // Seminário de Geometria Sagrada - Almada e Lima de Freitas // Esta semana a não perder

image002.jpg

 

GANDHI - A FORÇA DAS RAÍZES
Colóquio do Dia Mundial da Filosofia
Quinta-feira, 21 de Novembro, às 19h30

Auditório da Biblioteca Municipal de Oeiras

Entrada livre mediante inscrição no seguinte formulário: https://bit.ly/2QcJ1wb

Actividade do Dia Mundial da Filosofia enquadrada no âmbito das comemorações do 150º aniversário do nascimento de Mohandas Karamchand Gandhi, e contando com o apoio institucional da Comissão Nacional da UNESCO

PROGRAMA

- Comunicação por S. E. a Embaixadora da Índia em Portugal, K. Nandini Singla

- Leitura da mensagem da Directora-Geral da UNESCO, Audrey Azoulay, para o Dia Mundial da Filosofia por Fátima Claudino, responsável da Comissão Nacional da UNESCO pela área de Educação

- «Gandhi e o conhecimento de si mesmo»,
comunicação por José Carlos Fernández, escritor, filósofo e Director Nacional da Nova Acrópole. Director das Revistas "Fénix", "Pandava - A sabedoria da Índia" e "Matemática para Filósofos".

- «Paz positiva e virtudes colectivas. A exemplaridade de Gandhi»
Comunicação por Helena Marujo, Professora associada do ISCSP-UL e coordenadora Executiva da Cátedra UNESCO em Educação para a Paz Global Sustentável da UL. Investigadora do Centro de Administração e Políticas Públicas da UL

- «Gandhi e a sabedoria da Índia antiga»,
Comunicação por Paulo Alexandre Loução, escritor e investigador do Instituto Internacional Hermes. Director da Nova Acrópole Oeiras-Cascais e coordenador do Círculo Lima de Freitas.

Informações:
oeiras-cascais@nova-acropole.pt
963 925 758

image003.jpg

 

  1. E. a Embaixadora da Índia em Portugal, K. Nandini Singla,

que fará a comunicação de abertura

 

Encontro sobre o passado e o futuro do esparto em Loulé

Esparto.jpg

 

Mostrar e partilhar as técnicas e usos que ainda estão na memória e no domínio de alguns, já poucos, é o objetivo do encontro em ambiente informal em torno dos usos passados e do que pode ser o potencial de utilização futura do esparto, enquanto matéria-prima. A iniciativa, no âmbito do projeto Loulé Criativo da Câmara Municipal de Loulé, realiza-se no dia 19 de novembro, a partir das 15h00, no Palácio Gama Lobo.

O esparto já foi uma das matérias-primas mais trabalhadas na região do Algarve, em particular no concelho de Loulé. A aldeia de Alte foi um centro de produção, manufaturando-se alcofões, ceirões, capachas e, mais recentemente, peças com finalidade decorativa.

Trabalhado com a mesma técnica utilizada com a palma, a empreita, utiliza-se a planta ao natural, sendo humedecido antes da sua utilização, para se tornar maleável e passível de entrançar.

Mas em Alte além deste modo de trabalhar o esparto, um outro foi de grande importância, designadamente a utilização do esparto pisado. Demolhado, o esparto era posteriormente pisado, de modo a ser facilmente torcido, permitindo produzir corda com diferentes espessuras e a partir daí peças diversas.

O encontro é aberto a artesãos, designers e público em geral. A entrada é livre.

CML/GAP /RP

Reinaldo Teixeira é o próximo convidado de “Conversas Com…” no Café Calcinha

Reinaldo Teixeira.jpg

 

O presidente da Associação de Futebol do Algarve, Reinaldo Teixeira, é o próximo convidado do evento “Conversas com…”, no dia 15 de novembro, sexta-feira, pelas 21h30, no histórico Café Calcinha.

Natural do concelho de Loulé, Reinaldo Teixeira tem-se destacado como empresário de sucesso, nomeadamente nas áreas do turismo e imobiliária, mas também no desporto e no mundo do Futebol. Entre outras funções que desempenhou, foi delegado da Liga Portuguesa de Futebol. Foi eleito no passado mês de junho presidente da Associação de Futebol do Algarve para o quadriénio 2019-2023.

A entrada é livre e tem a apresentação e moderação de Neto Gomes.

“Conversas Com…” é um projeto que o Município de Loulé tem levado a efeito desde 2015. O histórico Café Calcinha em Loulé tem recebido um importante ciclo de conversas, que pretendem trazer até ao público presente as memórias dos convidados, todos eles com ligação ao desporto, dando a conhecer o seu trabalho e partilhando com todos as histórias e estórias da sua carreira desportiva.

Este ano já participaram nesta atividade o treinador Manuel Cajuda, Lenine Cunha, o atleta mais medalhado do mundo, os pilotos Miguel Farrajota e Carlos Sousa, o ex-árbitro Pedro Henriques e o vice-presidente da Federação Portuguesa de Ciclismo, Sandro Araújo.

A entrada é livre e a apresentação e moderação estará a cargo, mais uma vez, de Neto Gomes.

 

CML/GAP /RP

INSTALAÇÃO SOBRE MISSÃO DA POLÍCIA MARÍTIMA NA GRÉCIA E DRAMA DE MIGRANTES INAUGURADA

Exposição Fotografica dos 100 anos da Policia Ma

 

As cerimónias comemorativas dos 100 anos da Polícia Marítima que estão a acontecer por estes dias na cidade algarvia de Quarteira, tiveram durante a manhã de hoje um dos momentos mais marcantes da efeméride: a inauguração da instalação que pode ser vista até à próxima terça-feira, no auditório do Centro Autárquico de Quarteira, e que pretende retratar a missão portuguesa na Grécia e o drama dos migrantes no Mar Egeu.

Este trabalho da autoria de uma equipa da RTP constituída por David Araújo, Leonel Soares e Rosário Salgueiro, pretende trazer ao público um pouco do que é o trabalho da Polícia Marítima na Grécia e também um retrato do Campo de Refugiados de Mória.

O operador de imagem David Araújo, mentor deste projeto, fez o acompanhamento desta missão no mês de agosto, levando consigo uma máquina fotográfica, o que resultou nesta instalação que comporta a componente de fotografia, imagem vídeo, o som captado e que transmite o barulho da água a embater nos botes e o cheiro dos coletes, mantas térmicas, roupa e calçado que recolheu desta missão.

À entrada da exposição, é entregue aos visitantes uma lanterna para que possam visualizar da melhor forma os trabalhos expostos até porque o espaço está às escuras já que a ideia é recriar o ambiente destes momentos dramáticos, que acontecem sobretudo durante a noite.

As imagens captadas durante o resgate dos migrantes por parte dos operacionais portugueses preenchem as paredes do Centro Autárquico e, na área central, são as fotografias do Campo de Moria, “o maior campo de refugiados da Europa e onde estes migrantes permanecem com um futuro incerto”, como explicar o autor. Momentos emotivos perpetuados pela lente de David Araújo às quais o próprio não ficou, naturalmente, indiferente. “São marcas que ficam de qualquer trabalho que fazemos. Mas este tipo de trabalho marca sempre mais e aqui está o resultado: não foi suficiente fazer o trabalho só para a televisão, senti a necessidade de fazer algo mais, as pessoas têm que saber desta realidade”, sublinhou o operador de câmara da televisão pública.

Para o responsável deste projeto expositivo, esta é uma iniciativa muito direcionada para a comunidade escolar. “É importante que os pais, nos dias de hoje, saibam explicar a um filho aquilo que se passa à sua volta, até porque isto é o mundo real na Europa”, considera David Araújo.

Vítor Aleixo, presidente da Câmara Municipal de Loulé, é da mesma opinião. “O mundo de hoje é um mundo global, tem problemas, ameaças e angústias e, apesar de outros viverem a milhares de quilómetros daqui, não significa que não tenhamos compaixão e que não queiramos ver o que se passa hoje noutras latitudes. Ninguém está a salvo de passar por estas situações extremas. A Câmara de Loulé está sempre disponível para mostrar o mundo aos seus cidadãos”, explicou o autarca, adiantando que esta iniciativa vem na linha de projetos da mesma natureza que envolvem as escolas e “que têm a ver com a fragilidade humana no mundo atual”.

Este responsável municipal sublinhou ainda o “lado humano mostrado pela Polícia Marítima nestas missões”. “Não há uma abordagem técnica fria mas há uma sensibilidade. Estamos a lidar com uma missão de Estado das autoridades que têm essa competência mas, ao mesmo tempo, estes homens são capazes de perceber que no campo, na ação estão perante os seres humanos com todos os dramas que eles têm”, disse ainda.

Presentes nesta sessão estiveram também três dos elementos da Polícia Marítima que já integraram estas missões: Dulce Rodrigues, Mário Carolino e Carlos Dias. Apesar do papel da instituição nestas águas ser principalmente de bloqueio e fiscalização da entrada de migrantes, a verdade é que o resgate dos migrantes é o que de mais importante chega ao grande público. Como explicou o elemento feminino desta equipa, “o nosso objetivo principal é a deteção, a segurança da fronteira, mas o que se vê nestas imagens é este lado mais humanitário de salvamento das pessoas”.

O trabalho da Polícia Marítima começa em terra, com uma equipa munida de uma viatura de controlo costeiro equipada com radar e com visores térmicos noturnos, que faz a visualização de toda a costa turca e do Mar Egeu “para detetar pontos para que os operacionais na embarcação possam confirmar se esse alvo é positivo ou negativo”. Ou seja, se está a navegar em condições de segurança, os elementos policiais tentam acompanhar os migrantes, levando-os às autoridades gregas. “A maior parte das vezes o que acontece é que essas embarcações, por serem frágeis e terem excesso de lotação, correm perigo de naufrágio e a decisão que é tomada em conjunto é pô-los em segurança na nossa embarcação e fazer o transporte até terra, determinado sempre pelo polícia grego que nos acompanha”, explica Carlos Dias.

Por vezes, no início há uma dificuldade na aproximação dos agentes, sobretudo por questões culturais e religiosas, mas rapidamente a missão portuguesa consegue quebrar as barreiras e até inverter as regras dos migrantes: “Eles querem pôr os homens primeiro em porto seguro, depois as mulheres e por fim as crianças. Nós invertemos esse papel: primeiro os bebés, por serem mais desprotegidos, depois as mulheres e no fim os homens”, explicam os operacionais que manifestam. A emoção destes momentos não se sobrepõe ao profissionalismo desta equipa da Polícia Marítima que, após o resgate, dá a sua missão por terminada, entregando o “protocolo” que se segue às autoridades gregas.

Refira-se que esta exposição marcante pode ser visitada até a próxima terça-feira, 12 de novembro. De Quarteira segue para o Museu da Marinha, em Lisboa, e a partir daí será definida a sua itinerância. É provável que a mesma regresse ao concelho de Loulé.

CML/GAP /RP

 

“Livros Abertos” com António Carlos Cortez: Apresentação de “Voltar a Ler”

António Carlos Cortez.jpg

 

 

No próximo sábado, 9 de novembro, pelas 18h00, a Biblioteca Municipal Sophia de Mello Breyner Andresen, em Loulé, recebe mais uma sessão de “Livros Abertos”, desta vez com a apresentação de “Voltar a Ler”, de António Carlos Cortez. Lídia Jorge, Pedro Miranda Albuquerque e Luís Ricardo Duarte irão apresentar a obra.

«Porque a literatura é um compósito complexo de signos que nega a ditadura do banal em que estamos imersos e, na sua expressão máxima, a poesia, se insurge contra as palavras gastas dum quotidiano asfixiante, eis porque ela é incompreendida, ou rechaçada para territórios periféricos ao debate político.

Agitar as águas do real, essa é a suprema função da arte. Como a História comprova, a arte semeia a dúvida necessária em torno de novos absolutos, é ela o espinho que se crava fundo na certeza dos moralistas. É a dúvida e o princípio do incerto que mobiliza também este voltar a ler, pois foi sempre no gesto da releitura que se perceberam melhor certas ideias e caíram por terra certos preconceitos. Voltar a ler é abertura, compreensão, partilha.

Num livro sobre poesia portuguesa moderna e contemporânea, sobre ensaístas portugueses e temas relativos à educação e à cultura, António Carlos Cortez dirige-se a professores e pais, quer convocar alunos e investigadores, todos quantos não querem e não cedem aos tempos dos ‘burrocratas’.

Um livro para voltar a ler.».

António Carlos Cortez nasceu em Lisboa, em 1976. Poeta, ensaísta e crítico literário, colaborador permanente de diversas publicações, é professor de Literatura Portuguesa e de Português no Colégio Moderno, em Lisboa. É investigador do CLEPUL (Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias da Universidade de Lisboa) em Literatura Moderna e Contemporânea. Publicou o seu primeiro livro de poesia em 1999. Recebeu, em 2011, com “Depois de Dezembro (Licorne)”, o Prémio da Sociedade Portuguesa de Autores para melhor livro de poesia publicado em Portugal em 2010. Na sua obra destacam-se os seguintes livros: “O Nome Negro” (2013), “Animais Feridos” (2016) e a antologia “A Dor Concreta” (2016), vencedora do Prémio de Poesia Teixeira de Pascoaes da Associação Portuguesa de Escritores em 2018. É ainda autor de “Voltar a Ler”, compilação de ensaios e crítica literária. Tem obras publicadas no México e no Brasil e está incluído em várias antologias de poesia em Portugal e no estrangeiro.

A venda de livros será assegurada pela livraria Papelnet.

A entrada é livre.

 

CML/GAP /RP

 

As primeiras Jornadas de Anfíbios chegam a Loulé

anfíbios.jpg

 

Loulé irá receber as l Jornadas de Anfíbios, nos dias 8 e 9 de novembro, com a temática "Ameaças e Soluções”. O evento, que decorrerá no Auditório do Convento Espírito Santo, com receção dos participantes a partir das 9h30 de sexta-feira (dia 8), surge no âmbito de uma parceria entre a Associação Almargem e a Câmara Municipal de Loulé.

O objetivo principal da iniciativa é o de sensibilizar para a importância deste grupo de animais cada vez mais ameaçado e de debater possíveis estratégias de conservação para o futuro.

Este evento, gratuito, pretende atingir um público alargado: desde técnicos de empresas, associações, municípios, docentes e até o cidadão comum.
O programa das Jornadas irá contar com a presença de representantes da Associação Almargem, CCMar - Universidade do Algarve; CIBIO/InBio – Universidade do Porto, Município de Vila Nova Famalicão, Município de Lousada, Unidade de Saúde Pública - ACES Central e ainda do Projeto LIFE LINES – Universidade de Évora.

Através de comunicações orais e workshops vão ser abordados temas tão diversos como os anfíbios do concelho de Loulé, as medidas de mitigação de mortalidade rodoviária em Portugal no projeto LIFE Lines, as estratégias de conservação em Madasgáscar, assim como dicas sobre como tornar o nosso quintal mais “amigo dos anfíbios”. Haverá também uma saída noturna À Nave do Barão (freguesia de Salir), no dia 8, para identificação de espécies in situ.

O programa completo e inscrições podem ser acedidos através do endereço: https://forms.gle/cKftD3xPzuLiSZvq8

 

 

CML/GAP /RP

Famílias debatem prevenção de comportamentos aditivos na Biblioteca de Loulé

Comportamentos Aditivos.jpg

 

Esta sexta-feira, dia 8 de novembro, pelas 18h30, terá lugar na Biblioteca Municipal de Loulé mais uma sessão do Ciclo de Conversas "Semear Hoje...Colher o Amanhã...", desta vez dedicada à “Prevenção de Comportamentos Aditivos”.

Com o objetivo de desafiar o público em geral a partilhar e a refletir sobre um tema que  preocupa, cada vez mais, os pais de adolescentes e que de diz respeito à iniciação no consumo de drogas ou álcool nesta faixa etária, e quais as medidas preventivas a tomar, a sessão contará com a presença da oradora Margarida Pinto.

Licenciada em Psicologia Clínica, Margarida Pinto exerce funções na Divisão de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências. É responsável pela Equipa Técnica Especializada de Prevenção e Assessora da carreira Técnica Superior de Saúde-Psicóloga Clínica.

À semelhança do que tem vindo a acontecer nas sessões anteriores, durante a iniciativa o público poderá proporcionar aos seus filhos, com idade igual ou superior a 3 anos de idade, a participação numa atividade dedicada à promoção do livro e da leitura dinamizada pelos profissionais da Biblioteca, mediante inscrição prévia.

 A participação é gratuita mas sujeita a inscrição através do seguinte link: http://tiny.cc/CC811 

Para mais informação o interessados poderão contactar o telefone 289 400 882.   

Refira-se que o Ciclo de Conversas "Semear Hoje...Colher o Amanhã..." pretende apoiar as famílias nos caminhos a percorrer na busca de resultados únicos e incríveis, debatendo temas pertinentes e atuais. 

CML/GAP /RP

Marvila tem um hotel, por uma noite, no festival ORIENTE-SE

cartazOrientese19 (1).jpg

 

TEATRO 

ORIENTE-SE – Festival de Teatro Amador

19 e 26 de Outubro – 9 e 16 de Novembro de 2019 | 21h30

Auditório Fernando Pessa - Lisboa

 

Marvila tem um hotel, por uma noite, no festival ORIENTE-SE

  

A terceira edição do ORIENTE-SE – Festival de Teatro Amador prossegue com “Hotel da Bela Vista”, pela Theatron – Associação Cultural. A companhia de Montemor-o-Novo traz a Marvila a comédia de Ödön von Horváth, que, a partir de um hotel falido em que os empregados não têm nada para fazer, retrata uma Alemanha que tenta sobreviver ao colapso económico pós-guerra.

 

ORIENTE-SE teve início no dia 19 de Outubro e, ao longo de quatro sábados (com um de intervalo), recebe quatro grupos oriundos de várias zonas do País. O anfitrião deste Festival é o Teatro Contra-Senso, grupo de teatro amador, sediado em Marvila, com 22 anos de vida.

A actriz Rita Lello é a Madrinha da terceira edição do ORIENTE-SE.

 

 

HOTEL DA BELA VISTA

 

Tempos de aflição exigem medidas desesperadas. Que o digam os peculiares habitantes do Hotel da Bela Vista!

 

Nos espartilhados anos 30, perdidos numa Europa Central que tenta sobreviver ao colapso económico do pós-guerra, sete personagens lutam pela sobrevivência quando tudo parece falhar. Numa “saison empestada”, na iminência de uma catástrofe, só um milagre os poderá salvar.

 

Qual é a pior coisa que pode acontecer quando se juntam dois barões descontrolados, três estarolas disfarçados e falidos e um representante? E se apimentarmos o ambiente com uma jovem ingénua e apaixonada?

 

90 min. | M/12

 

 

Historial da Theatron – Associação Cultural

 

A Theatron – Associação Cultural começou por ser uma associação juvenil – Associação Juvenil Theatron – criada a partir do sonho de alguns jovens, em Janeiro de 1998. Em 2003, alterou o seu nome para o actual.

 

Para além do teatro, a história da Theatron – Associação Cultural é transversal a outras artes, como as artes plásticas, a fotografia ou a dança. Curiosamente, chegou a produzir um espectáculo de rádio. Realizou ainda os Encontros de Teatro anuais, assim como o Festival de Teatro, em parceria com a Câmara Municipal de Montemor-o-Novo.

 

No seu currículo também se incluem os workshops, as oficinas de teatro, bem como As Noites Lá Fora, os Serões de Poesia e animações de Natal.

 

 

Ficha técnica e artística

Texto original: Ödön Von Horváth | Adaptação e encenação: Catarina Caetano | Interpretação: Ana Filipa Galeano, Bernardino Samina, Filipe Fernandes, Hélder Pais, João Macedo, Leonor Pinto, Patrícia Vicente, Rosa Souto Armas| Desenho de luz: Nuno Borda de Água| Sonoplastia: Catarina Caetano | Produção: Todinha Santos | Cenografia/Figurinos: Leonor Pinto, Maria João Crespo

 

ORIENTE-SE – Festival de Teatro Amador

19 e 26 de Outubro – 9 e 16 de Novembro de 2019 | 21h30

Auditório Fernando Pessa

Rua Ferreira de Castro

1900-697 Lisboa

 

Metro: Bela Vista

Autocarros: 755, 794

Coordenadas GPS: N 38.7504466 W -9.1202096

 

Bilhetes: 3€

 

Reservas

E-mail: reservas@contrasenso.com

SMS/WhatsApp: 917 504 801

 

“Trilhos das Colinas”: Vale Judeu volta a promover prova solidária

TRilhos das Colinas.jpg

 

 

No âmbito do plano de atividades da Sociedade Recreativa e Cultural de Vale Judeu, será organizado, uma vez mais, no próximo dia 17 de novembro, o evento de Marcha/Corrida/Trail “Trilhos das Colinas”, que terá carácter solidário.

A prova será constituída por três percursos - 7km, 14km e 21km -, este último apenas destinado à corrida e trail. O percurso do “Trilhos das Colinas” é realizado por caminhos rurais e algumas veredas (percurso trail) acessível a todas as pessoas e tem como objetivo promover e incentivar a prática da atividade física, assim como um estilo de vida saudável, permitindo o contacto direto com a natureza.

A abertura do secretariado tem lugar pelas  8h30, na sede da Sociedade. A sessão de aquecimento acontece às 9h45 e o início do passeio será às 10h00, culminando o evento com um lanche convívio entre os participantes, a partir das 12h00.

As receitas obtidas reverterão a favor da Sociedade Recreativa e Cultural de Vale Judeu de forma a poder melhorar as condições dos utilizadores desta coletividade sem fins lucrativos.

As inscrições, com um valor de  3€ por pessoa, decorrem até ao dia 14 de novembro e poderão ser efetuadas nos seguintes locais: Sociedade Recreativa e Cultural  de Vale Judeu, Loja das Taças em Loulé, Stand Tony do Adro, ou online através de www.faceboook/src.valejudeu. Para mais informações, os interessados poderão contactar a organização através do email trilhosdascolinasvalejudeu@gmail.com

 

CML/GAP /RP