Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

SE ISTO É UM HOMEM, de Primo Levi, estreia no Teatro Municipal Mirita Casimiro a 8 de Outubro

SE ISTO É UM HOMEM, de Primo Levi, estreia no Teatro Municipal Mirita Casimiro a 8 de Outubro 

Esta produção, da responsabilidade da Companhia de Teatro de Almada, é acolhida em Cascais e conta com o apoio do Instituto Italiano de Cultura de Lisboa 

image (1).png

É um dos clássicos da literatura italiana, e uma das obras que mais contribuiu para celebrizar Primo Levi, amplamente lembrado pelo seu trabalho sobre o Holocausto - e, agora, é também o texto desta produção da Companhia de Teatro de Almada. O acolhimento desta peça, pelo Teatro Experimental de Cascais, terá lugar nos dias 8, 9 e 10 de Outubro, e conta com o apoio do Instituto Italiano de Cultura de Lisboa. 

Com encenação de Rogério de Carvalho e interpretação de Cláudio da Silva, SE ISTO É UM HOMEM debruça-se, num guião traduzido por Simonetta Neto, sobre um perturbante testemunho acerca do Holocausto, numa “análise fundamental sobre o mecanismo do campo de concentração, [e] sobre a humilhação do homem pelo homem, visando o extermínio”, conforme dita a sinopse.  

Rogério de Carvalho (n. 1936) foi distinguido em 1980 com o Prémio da Crítica para a melhor encenação com Tio Vânia, de Tchekov, e em 2001 com o Prémio Almada de Teatro, pelo Ministério da Cultura. Este antigo professor de liceu e pedagogo do teatro dirigiu espectáculos nos principais palcos portugueses e trabalhou com incontáveis companhias, sem nunca pertencer a nenhuma.  

As sessões deste espectáculo acontecem Sexta-feira e Sábado às 21h30, e Domingo às 16h00, no palco do Teatro Municipal Mirita Casimiro, que regressa agora à sua lotação completa. É aconselhada a compra antecipada de bilhetes, através de reserva pelo e-mail acontecenotec@gmail.com ou em Ticketline.pt.  

 

Teatro Oficina e Amarelo Silvestre estreiam novo espetáculo, “1/2 Kg de Carne”

transferir (16).jpg

 

A companhia de teatro de Guimarães, Teatro Oficina, desafiou a companhia de teatro de Canas de Senhorim, Amarelo Silvestre, a pensar um espetáculo criado a partir do território e o resultado é “1/2 Kg de Carne”, um corpo feito de várias vozes que são as de todos nós. Atores e público, juntos na caixa de palco do Grande Auditório do Centro Cultural Vila Flor, irão desvendar o peso de um coração, em estreia absoluta, a 8 e 9 de outubro, a partir das 19h30.

Com encenação de Rafaela Santos e apoio dramatúrgico de Fernando Giestas, ambos responsáveis para direção artística da Amarelo Silvestre, “1/2 Kg de Carne” conta com a interpretação de Haroldo Ferrari e de vários elementos do ‘Gangue de Guimarães’: Luísa Maria, Mário Alberto Pereira, Rita Morais, Sara Costa e Zé Ribeiro.

 

"Pica Pau Amarelo" sobe ao palco do Teatro-Cine de Torres Vedras

transferir (15).jpg

Em outubro, a programação do Teatro-Cine de Torres Vedras revisita um clássico que continua a marcar gerações. Pica Pau Amarelo é o espetáculo que será apresentado no dia 15 de outubro, sexta-feira, às 21h30.

Emília, a icónica boneca de trapos do Sítio, acaba de ter uma nova e grandiosa ideia: escrever o seu livro de memórias. E já tem título: As memórias da vida muito maravilhosa de Emília, Marquesa de Rabicó, que deve ser escrito pela mão do Visconde de Sabugo.

Mas será que está tudo assim tão claro na cabeça da Emília? Memórias são exatamente o quê? São as coisas que nos aconteceram ou o modo como depois as lembramos? Do alto da sua simplicidade, Jeca Tatú observa o corrupio de Emília e as tentativas de explicação do Visconde de Sabugo. Jeca não gasta muito tempo a pensar nas memórias. Prefere olhar à sua volta e sentir o Sítio, dia após dia. E o livro de memórias… Logo se verá.

Pica Pau Amarelo é uma coprodução da Ópera Isto e da Casa da Música que conta com interpretação de Ângela Marques (Emília), Mário João Alves (Visconde de Sabugo, piano e percussões) e Alexandre Reis (Jeca Tatú, Dr. Caramujo, flautas, piano e percussões).

Baixa da Banheira: Teatro “Não se Ganha, Não se Paga!”

 

não se ganha não se paga ©Jose Frade 02.11.20-2

 

“Não se Ganha, Não se Paga!” é uma comédia da autoria do ator e dramaturgo italiano Dario Fo (1926-2016), prémio Nobel da Literatura em 1997, em cena no Fórum Cultural José Manuel Figueiredo, na Baixa da Banheira, no dia 9 de outubro, pelas 21:30h. Esta peça do Teatro Ubu / Arte 33 tem encenação de Ana Nave.

 

Com uma grande agitação social como pano de fundo, duas famílias tentam encontrar forma de contornar a situação de crise em que vivem, garantindo a sobrevivência. Os acontecimentos precipitam-se numa sequência delirante. A fome não morre, os valores confundem-se e a Revolução começa no coração de cada um.

 

Texto: Dario Fo | Encenação: Ana Nave | Tradução/adaptação: Rui Silvares | Interpretação: Ana Nave, António Olaio, Carlos Dias Antunes, Francisco Silva, Patrícia Conde | Música original: Manuel Paulo | Cenário: Ana Nave/ Rui Silvares | Figurinos: Rafaela Mapril | Desenho de luz: Daniel Verdades | Produção: Arte33

 

Destinatários: Geral | M/12 anos

Duração: 90 min.

Bilhete: 3,56 euros

 

Fórum Cultural José Manuel Figueiredo.
Rua José Vicente, 2835-134 Baixa da Banheira


Horário da Bilheteira
De terça-feira a sábado, das 14:30h às 19:30h
Dias de espetáculo: Uma hora antes do início do espetáculo ou sessão; encerra aquando do início do espetáculo ou sessão.
Os bilhetes podem ainda ser reservados, através do telefone 210 888 900, no horário de funcionamento da bilheteira. As reservas têm que ser levantadas, no máximo, à véspera do espetáculo/sessão, com um limite de cinco bilhetes por reserva.

 

 

Maria Matos - Programação Outubro'21

transferir (7).jpg

 

 

PERFEITOS DESCONHECIDOS
Quinta a Sábado às 21h00 | Domingo às 17h30
Duração: 100m | M12
Bilhetes: 20-16€

TODOS TEMOS UMA VIDA SECRETA
Um grupo de amigos de longa data organiza um jantar. A anfitriã propõe um jogo: cada um deixa o telemóvel sobre a mesa e cada mensagem ou chamada que chega é lida e ouvida por todos, afinal entre amigos não há segredos.
Alguém tem algo a esconder? Jogamos? 
A partir deste momento as surpresas e reviravoltas sucedem-se em espiral. 
Alternando entre o drama e a comédia, os segredos de cada um serão revelados, no final da noite nada será como dantes e os amigos descobrem que são, afinal, Perfeitos Desconhecidos. 
 

Texto Paolo Genovese Encenação, Tradução e Adaptação Pedro Penim Cenário Joana Sousa Figurinos Joana Barrios Desenho de Luz Luís Duarte Vídeo Joana Linda Sonoplastia Sandro Esperança Assistente Encenação Bernardo de Lacerda

Com Ana Guiomar, Cláudia Semedo, Filipe Vargas, Jorge Mourato, Martinho Silva, Samuel Alves, Sara Barradas

 

TEATRO - INFANTIL

 

transferir (8).jpg

 

 

O MEU MELHOR AMIGO 
9 de Outubro
Sábados | 16h00 | Duração: 65 m | M3
Bilhetes: 10€


O Meu Melhor Amigo leva-nos às ruelas de um bairro típico português e a todas as aventuras que lá vamos viver com um divertido gang de gatos de rua! Sofia, uma mulher vinda de outro país, agora habitante do bairro, que vive sozinha num quarto alugado, e o casal de cães – Manjerico e Sardinha, todos juntos, vão formar o grupo de amigos mais divertido e improvável de sempre!

Entre gatos e miados, fados e aliados, O Meu Melhor Amigo, trará um ambiente bem português, num espectáculo cheio de cor e alegria, pincelado por muitas e animadas guitarradas, onde os valores da amizade e da solidariedade falam mais alto, alertando para o problema dos animais abandonados e para a inserção de quem pode ser diferente. Um hino bem português, recheado dos valores mais importantes da vida.

Com: Catarina Clau, David Ripado, Diogo Tormenta, João Duarte Costa, Luciana Balby, Maria Curado Ribeiro, Valter Teixeira, Vânia Naia

 

STAND UP

transferir (9).jpg

 

 

Artistas Unidos em Ponte de Lima - MORTE DE UM CAIXEIRO VIAJANTE de Arthur Miller

Os Artistas Unidos estarão em Ponte de Lima, no Teatro Diogo Bernardes, para apresentar MORTE DE UM CAIXEIRO VIAJANTE de Arthur Miller na 6ª feira 1 de Outubro, às 22h00.

image003.jpg

 

O espectáculo é intrepretado por Américo Silva, Joana Bárcia, André Loubet, Pedro Caeiro, Pedro Baptista, José Neves, Paula Mora, Tiago Matias, Rita Rocha Silva, Ana Amaral, António Simão, Hélder Braz e Joana Resende, e a encenação é de Jorge Silva Melo.

MORTE DE UM CAIXEIRO VIAJANTE de Arthur Miller Tradução Ana Raquel Fernandes e Rui Pina Coelho Com Américo SilvaJoana BárciaAndré LoubetPedro CaeiroPedro BaptistaJosé NevesPaula MoraTiago MatiasRita Rocha SilvaAna AmaralAntónio SimãoHélder Braz e Joana Resende Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Som André Pires Luz Pedro Domingos Assistentes Nuno Gonçalo Rodrigues e Joana Resende Encenação Jorge Silva Melo Co-produção Artistas Unidos, TNDM, TNSJ M12

Em Ponte de Lima, no Teatro Diogo Bernardes a 1 de Outubro
6ª feira, às 22h00

Happy  Tudo bem, miúdo. Vou mostrar-te a ti e a toda a gente que Willy Loman não morreu em vão. Ele tinha um sonho bom. O único sonho que vale a pena ter — ser o número um. Lutou muito, e agora hei-de consegui-lo por ele.

Arthur Miller, Morte de um Caixeiro Viajante

Estados Unidos, anos 40. Como pano de fundo o sonho americano, o ideal de self made man e o mito do sucesso. Willy Loman quer dar o mundo aos seus filhos, quer que o conquistem. Depois de 34 anos a trabalhar como caixeiro viajante, vê os seus sonhos, esperanças e ilusões desvanecerem-se, perdendo o chão e, consequentemente, a noção de realidade. Uma tragédia moderna do cidadão comum, que encontra na impotência e inutilidade do fracasso a derradeira violência.

É tão bom voltar àqueles autores que foram abrindo caminhos inesperados ao teatro. Fizemo-lo com Harold Pinter, fizemo-lo com Pirandello, fizemo-lo recentemente com Tennessee Williams. Tão bom passar uns tempos, uns anos, com o mesmo autor, ver-lhe os recursos, as obsessões, os segredos. E mostrar aos espectadores que o teatro se vai fazendo. Sim, somos herdeiros. Herdeiros daqueles que não se subjugaram a uma lógica do entretenimento nem se resumem a “eventos” e que obrigaram o palco a ser um lugar de conflito e pensamento. Agora, com Arthur Miller.

Jorge Silva Melo

ONNI Objeto Náutico não Identificadao | Teatro da Comuna | Estreia 2 de Outubro, 21h30

Encenação única e genial do inglês John Mowat, um dos encenadores mais inovadores da sua geração, na linguagem de teatro físico, com trabalho reconhecido e bem premiado no panorama  internacional

 

 

view (1).jpg

 

 "A comédia ainda é a melhor forma de falar a sério"

Na linguagem de teatro físico, com encenação do excepcional encenador inglês JOHN MOWAT, esta peça de teatro retrata o momento histórico da chegada dos europeus à América do Sul no ano de 1500.
Conhecer o passado é compreender o presente e ganhar consciência de que ele pode ser alterado. 
Este trabalho surge como uma resposta para esta problemática social que atinge milhares de cidadãos em todo o mundo, um dos principais focos da Agenda de 2030 de Desenvolvimento Sustentável da ONU ou seja “dignificar as ações em prol da educação para o respeito dos direitos humanos, da igualdade de género e de oportunidades, a promoção de uma cultura de paz e de não-violência, da cidadania global e da valorização da diversidade cultural.”
Um elenco jovem, energético composto por três incríveis profissionais da lusófonia. 
Uma obra dinâmica, oportuna, essencial nos tempos que correm e destinada a toda a família.

AQUI TODA A INFORMAÇÃO

O elenco:
João Lima: Ator formado pela Escola Profissional de Teatro de Cascais, protagonista de várias peças, entre elas "Barulho das luzes" de Tiago Torres da Silva.
Anilson Eugénio: Recentemente integrou o elenco principal de ”O Bar do Gilmário” e o spin-off “After Party”, ambas as sériies de comédia escritas pelo actor e humorista angolano Gilmário Vemba e o argumentista português Henrique Dias, interpretando a personagem “Kapuka”. Uma seríe produzida pela SPi Televisão com transmissão na MUNDO FOX, em Angola e Moçambique.
Armando Amaral: Brasileiro, formado pela  Escola Profissional Tablado no Rio de Janeiro, integrou o elenco de diversas telenovelas da  da Globo, entre elas "33 Variações" de Wolf Maya.

Estreia | BRASA, de Tiago Cadete | Teatro das Figuras

O espectáculo BRASA, do encenador e actor Tiago Cadete, inserido no BoCA – Biennial of Contemporary Arts, estreia esta quarta-feira 29 de Setembro no Teatro das Figuras em Faro e estará em Lisboa de 14 a 17 de Outubro nas Carpintarias de São Lázaro.  

O espectáculo aborda a temática do processo migratório, Portugal e Brasil, os actores partilham as suas próprias experiências como migrantes e é lançado um olhar crítico sobre a relação histórica entre Portugal e o Brasil.

Sinopse:
A palavra Brasil tem origem na grande quantidade de árvores de pau-brasil existentes na região do litoral brasileiro. Brasil deriva de brasa, pois esta árvore possui uma seiva avermelhada, cor de brasa. Durante anos essas árvores foram extraídas e vendidas para o continente europeu. Podemos dizer que foi um dos objectos que mais cruzou o Atlântico.

Nos últimos anos, novos grupos migratórios escolheram Portugal ou o Brasil para estudar, em busca de novas oportunidades de trabalho ou para sair do seu país de origem por motivos políticos. Quem são esses novos migrantes brasileiros e portugueses? Que desejos têm quando decidem migrar? Em “Brasa”, Tiago Cadete lança um olhar crítico sobre a relação histórica entre Portugal e Brasil.

ESTREIA | TEATRO DAS FIGURAS, Faro
29 de Setembro às 21h30
Reservas: 289 888 110

ESTREIA | CARPINTARIAS DE SÃO LÁZARO, Lisboa
De 14 a 17 Outubro às 21h00
Bilheteira onlinehttps://ticketline.sapo.pt/evento/boca-tiago-cadete-56930 
 

 

  

Teatro Experimental de Cascais recebe 8 espectáculos em mostra de teatro e talento jovem

mostra_T 6ª edição | 2021 

10 SET | 2 OUT
TEATRO MUNICIPAL MIRITA CASIMIRO
 

Teatro Experimental de Cascais recebe 8 espectáculos em mostra de teatro e talento jovem  

 

Encenações, leituras interpretadas e ainda dança em destaque na programação mais diversificada de sempre da mostra_T 

 

Arrancou dia 10 de setembro, a 6.ª edição da mostra_T, uma iniciativa do Teatro Experimental de Cascais que existe desde 2016, tendo surgido em resposta aos inúmeros pedidos de acolhimento que chegavam à companhia, ao longo do ano. Pela primeira vez, esta mostra de talento jovem recebe um espectáculo de dança, e uma produção além-fronteiras, internacionalizando o evento. No total, o Teatro Municipal Mirita Casimiro cede o palco, entre os dias 10 de Setembro e 2 de Outubro, a 8 espectáculos de 7 grupos diferentes, entusiasmados por poderem partilhar o seu trabalho. 

 

“Um Setembro com uma programação cultural muito completa, para todos os gostos e idades” é a proposta do Teatro Experimental de Cascais para este regresso pós-férias, conforme explica Fernando Alvarez, responsável de Programação, Cenografia e Figurinos do Teatro Experimental de Cascais. “Esta iniciativa, que já é praticamente uma tradição nossa, e que começou por proporcionar esta oportunidade a grupos oriundos da Escola Profissional de Teatro de Cascais, tem este ano como uma das suas novidades a abertura de portas a grupos oriundos de outras Escolas. É muito gratificante podermos acompanhar os seus primeiros passos profissionais, em muitos dos casos, bem como o crescimento de algumas destes grupos que recebemos num espírito do TEC de apoio a quem começa e precisa de um palco para se mostrar!”, completa. 

 

Leandro Paulin, Companhia Cepa Torta, Play Company, Elephant in the room, SE Theatre Company, João Lara e Ileimn Ceciliano, e Embuscada Associação Cultural são os nomes dos responsáveis e/ou participantes seleccionados, depois de uma fase de candidaturas rigorosa efectuada no primeiro trimestre do ano, coma apresentação dos seus projectos à 6.ª edição da mostra_T. Os bilhetes e reservas para quem quiser assistir são geridos pelos mesmos.  

 

mostra_T6ª edição|2021 

Terrorismo, dos Irmãos Presnyakov 

M16| 90m  

direcção Leandro Paulin 

teatro                                                                                                           10 e 11 SET |21h 

 

Esta noite grita-se 

Cinderela, de Lígia Soares (dia 14) 

M12 | 40m 

Boa noite, mãe, de Marsha Norman (dia 15) 

M18 | 120m  

direcção Filipe Abreu e Miguel Maia | Companhia Cepa Torta  

leituras interpretadas                                                             14 e 15 SET|21h 

 

Narke, de João Pires 

M14 | 90m  

direcção João Pires e Vera Gromicho |Play Company 

teatro                                                                                         17 e 18 SET|21h 

 

O que resta é o Amor, criação colectiva 

M12 | 105m  

direcção criação colectiva |Elephant in the room 

teatro                                                                                         21 e 22 SET|21h 

 

I, Banquo, de Tim Crouch  

M16 | 45m  

direcção Elliott Wallis | SE Theatre Company 

teatro                                                                                         24 e 25 SET|21h 

 

Vívido, de João Lara e Ileimn Ceciliano 

M6 | 60m  

coreografia João Lara e Ileimn Ceciliano 

dança                                                                                          28 e 29 SET|21h 

 

Um protesto ou o Amor que nos faltou, criação colectiva 

M16 | 75m  

direcção Sílvia Moura | Embuscada Associação Cultural  

teatro                                                                1 e 2 OUT|21h