Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

PERFORMACT VOLTA A APRESENTAR TRABALHOS NO PALCO DO TEATRO-CINE DE TORRES VEDRAS

descarregar (14).jpg

O Teatro-Cine de Torres Vedras acolhe no próximo dia 26 de abril, pelas 21h30, mais um ciclo de performances que serão apresentadas pela Performact.

Ecléctrica é o nome dessa apresentação, o mesmo que a Performact deu a espetáculos com igual objetivo realizados anteriormente, também no Teatro-Cine de Torres Vedras. Mas mais que uma simples mostra, Ecléctrica procura ser uma partilha, uma forma de energizar uma noite que traz ao palco do Teatro-Cine de Torres Vedras um pouco das várias realidades geradas por professores convidados e alunos no contexto do curso intensivo de intérprete de dança contemporânea da Performact.

De referir que esta entidade foi fundada em 2016, fruto de uma colaboração entre a Ilú Associação Dança-Teatro de Intervenção Urbana e a sua associação parceira Untamed Productions, sendo que procura formar bailarinos a um nível profissional com um rigoroso plano de ensino orientado para a área da performance no campo da dança contemporânea. A Performact faculta aos estudantes não só a oportunidade de trabalhar as suas próprias capacidades físicas e intelectuais com vários profissionais de renome nacional e internacional, mas também fornece conhecimentos complementares de produção, o que é essencial na formação de um intérprete e na sua perceção daquilo que é um espaço cénico e performativo.

As entradas para se assistir ao espetáculo Eclétrica no Teatro-Cine de Torres Vedras são gratuitas.

 

Programa comemorativo do Município de Torres Vedras do 48.º aniversário do 25 de Abril

descarregar (11).jpg

O Município de Torres Vedras comemora o 48.º aniversário da “Revolução dos Cravos” com um programa de atividades que se realizarão ao longo do próximo dia 25 de Abril:

 

11h00 | Sessão Solene Comemorativa do 48.º Aniversário do 25 de Abril | Salão Paroquial de São Pedro da Cadeira

Sessão que irá contar com as intervenções do presidente da Junta de Freguesia de São Pedro da Cadeira, dos representantes dos partidos e do movimento de cidadãos com assento na Assembleia Municipal de Torres Vedras, da presidente da Câmara Municipal de Torres Vedras e do presidente da Assembleia Municipal de Torres Vedras.

descarregar (12).jpg

15h00 | Inauguração do Centro Interpretativo da Reserva Natural Local - Foz Azul | Espaço do antigo posto da Guarda Fiscal da Assenta

 

17h00 | Inauguração da exposição coletiva Salada (da autoria de Mariana Gomes, Pedro Valdez Cardoso e Rui Horta Pereira) | Paços - Galeria Municipal de Torres Vedras

Esta exposição, pensada a três e para a Paços - Galeria Municipal de Torres Vedras, foi batizada de Salada. Não obstante o inusitado do título, congruentemente, os artistas que conceberam a exposição convidaram um chef para escrever sobre a mesma. Para aguçar a curiosidade, ou o apetite, aqui fica um excerto do que Rodolfo Lindeberg escreveu, em carta, aos artistas: “…No vosso caso, ao contrário do Lucien que se fechava numa sala para finalizar e “requintar” a sua produção, é de uma sala aberta que aqui se trata, sala aberta que convida o público. Pergunto:  têm segredos para desvendar ou compor? Quer-me parecer que estão secos de mistério, se não têm nada a dizer, quem sou eu para me aventurar por resvalantes considerações estéticas, quase maionesicas. Tenho cenouras para descascar, algumas batatas, contar as ervilhas, juntar pepinos, alcaparras etc., etc., cortar tudo com 5 milímetros quadrados - será que isto vos diz alguma coisa - apelar aos deuses e credos para que o molho que faço, secreto obviamente, corresponda sem mácula ao do meu mestre Lucien. Portanto, tem cópias ou originais? tem esculturas verdadeiras ou falsas, tem o quotidiano disfarçado e camuflado... tem pedestais ou estantes... tem objetos instalados pelo chão ou pinturas na parede... que vão os-meus-amigos fazer exatamente?!, não saber é como não degustar. Não há molho que valha à salada! Bem hajam.”

A exposição Salada estará patente na Paços - Galeria Municipal de Torres Vedras até 18 de Junho.

18h00 | Inauguração da exposição 48 anos de cartazes e outras inspirações do 25 de Abril (a partir da coleção do Arquivo Ephemera) | Paços - Galeria Municipal de Torres Vedras

"Nos 48 anos de 25 de Abril, a data em que o tempo da democracia ultrapassa o da ditadura, o golpe militar seguido de uma revolução tornou-se um daqueles momentos raros na história em que há um “antes” e um “depois”. Nestes 48 anos, a comemoração da data tornou-se uma festa democrática, que, como é normal numa democracia, é também um momento de avaliar o que se conseguiu e o que se deveria ter conseguido, combinando festa com reivindicações e protestos.

As marcas dessa data ficam na iconografia, nos cartazes, nas fotografias, nos panfletos, nos objectos, que o ARQUIVO EPHEMERA recolhe, preserva e divulga. Uma pequeníssima parte dessa colecção está aqui exposta, com o contributo da doação que foi feita ao Arquivo pela Associação 25 de Abril em 2020. É um contributo não só para a história colectiva, mas também para uma pedagogia da memória assente na valorização tanto dos sinais mais nobres como dos objectos mais triviais, que é um dos objectivos do nosso trabalho."

José Pacheco Pereira

(texto escrito segundo a antiga ortografia)

descarregar (13).jpg

A exposição 48 anos de cartazes e outras inspirações do 25 de Abril estará patente na Paços – Galeria Municipal de Torres Vedras até 14 de Maio.

Legenda da imagem: Desenho pertencente ao Arquivo Ephemera, proveniente de doação da Associação 25 de Abril, apresentado num concurso para crianças por ocasião do XV aniversário do 25 de Abril.

 

Tour Ibérica dos Golosa la Orquesta

descarregar (7).jpg

A World Music da América Latina

Vindos do Chile, apresentam uma performance que funde sem limites vários ritmos latino-americanos com a força do rock e a liberdade do jazz. Um concerto quente, que explode na interação direta com o público, transmitindo a energia da música latino-americana.

 
Com nove anos de experiência, 3 álbuns lançados, 3 digressões pela Europa visitando 7 países europeus, mais de 70 concertos no estrangeiro e infinitos no seu país. Nomeado para os Prémios Pulsar no Chile em 2019 com seu álbum "Sobre la Ciudad", que conta com a colaboração do cantor e compositor argentino Kevin Johansen.
 

 

Datas confirmadas para a tour ibérica:

 
20 Abril – Lisboa – B.Leza - bilhetes
21 Abril – Porto – Hot Five - bilhetes
22 Abril – Torres Vedras  - Bang Venue - bilhetes
23 Abril – Beirã - Cais Coberto  
24 Abril – Grândola – Comemorações do 25 de Abril
27 Abril – Barcelona - Golem's
28 Abril – Zaragoça - La Boveda
 

descarregar (8).jpg

Espetáculo de teatro "Cada um com o seu olhar" no Teatro-Cine de Torres Vedras

descarregar (9).jpg

O Teatro-Cine de Torres Vedras acolhe no próximo dia 25 de março, pelas 21h30, a representação do teatro Cada um com o seu Olhar.

De referir que este espetáculo será apresentado por um grupo de teatro que foi constituído com a participação do Gabinete de Apoio à Deficiência Visual da Câmara Municipal de Torres Vedras e partindo da abordagem do teatro-educação. Dar a conhecer e a experienciar a linguagem teatral, de forma orientada, a pessoas cegas e com baixa-visão e ainda a indivíduos que apresentem problemas associados, trabalhando as diferentes competências relacionadas com aquela linguagem, foi o objetivo subjacente à criação do grupo de teatro que apresentará o espetáculo Cada um com o seu Olhar

Refira-se ainda que as sessões deste grupo pretendem criar espaços de desenvolvimento pessoal e de comunicação, o que passa pela projeção de vivências e expressão da fantasia, bem como pela representação de problemas sociais e humanos, contribuindo-se para a busca de soluções positivas para a realidade individual e coletiva.

As entradas para se assistir ao espetáculo Cada um com o seu olhar no Teatro-Cine de Torres Vedras são gratuitas.

 

Criação coletiva, com a participação do Gabinete de Apoio à Deficiência Visual da Câmara Municipal de Torres Vedras
Dramaturgia, encenação e direção artística: Ana Cláudio
Apoio técnico e desenho de luz: Teatro-Cine de Torres Vedras

3º round do Poetry Slam Torres Vedras

descarregar (5).jpg

Neste último round serão escolhidos mais dois finalistas. 

O Poetry Slam Torres Vedras vai para o terceiro round. Do primeiro e do segundo round passaram para a grande final a Salomé Abreu, Mariana Mota, Maria João Costa e Karol Ruszkiewicz. No terceiro round, que se realiza no próximo dia 18 de março, às 21h30, no Centro de Artes e Criatividade de Torres Vedras, o público irá decidir as últimas duas pessoas que se irão juntar aos finalistas do Poetry Slam Torres Vedras edição 2022, a realizar dia 29 de abril. 

A participação é gratuita e para maiores de 18 anos que com a sua poesia poderão ser um dos finalistas, para tal só precisam de se inscrever para o email portugalslam@gmail.com.

O objetivo deste evento é “dar voz e sensibilizar públicos para a poesia como forma de expressão artística. Desenvolver pensamento crítico sobre assuntos prementes da sociedade ou autobiográfico”, refere a organização.

Os MCs NBC, anfitrião do Poetry Slam Torres Vedras, e a Li Alves, do Portugal SLAM! vão conduzir este último round. 

O Poetry Slam Torres Vedras é uma coorganização da Câmara Municipal de Torres Vedras com o Centro de Artes e Criatividade de Torres Vedras, a EMERGE – Associação Cultural, através do seu programa AVIVA (#EMERGEAVIVA), e o Portugal SLAM! 

O que é o Poetry Slam?

O Poetry Slam é uma prática em torno da palavra dita, que tem na sua base várias regras que envolvem a performance e poesia original dos seus participantes. Originário de Illinois, Chicago, Estados Unidos da América, nos anos 80, quando um poeta local e um construtor civil lutaram através da leitura de poesia contra aquilo que eles sentiam que era uma perda de fulgor da poesia em geral na mesma medida que queriam devolvê-la às pessoas pela sua voz. 

Desde 2009 que o Poetry Slam começou a surgir através de eventos locais em Lisboa. Foi rapidamente disseminado noutras cidades, construindo uma rede que hoje em dia conta com cerca de 12 localidades diferentes, que utilizam esta prática para promover a prática poética junto das comunidades locais e desenvolvendo aptidões literárias (linguagem e comunicação) através da poesia, descobrindo novos talentos escondidos. 

 
Agenda

18 março 2022 | sexta

Poetry Slam 3º round

Já existem quatro finalistas Salomé Abreu (vencedora do 1.º round), Mariana Mota, Maria João (vencedora do 2.º round) e Karol Ruszkiewicz. No terceiro round, o público irá decidir as últimas duas pessoas que se irão juntar aos finalistas do Poetry Slam Torres Vedras edição 2022. Se tem (...)

Saber Mais

Ciclo "Café com Filmes" - 1.º trimestre de 2022

descarregar (21).jpg

 

O ciclo “Café com Filmes”, produzido pela Câmara Municipal de Torres Vedras em parceria com o Académico de Torres Vedras, prossegue.

Recorde-se que este ciclo parte da tradição de Torres Vedras na área do cinema, nomeadamente de um passado cineclubista. É objetivo da iniciativa dinamizar um conjunto de atividades à volta do mundo do cinema e vídeo, sobretudo mediante a exibição de filmes que contribuam para a formação de olhares sobre o mundo e a sociedade, para a descodificação da linguagem e para a formação de novos públicos.

As próximas sessões a realizar no âmbito do ciclo “Café com Filmes” acontecerão no Teatro-Cine de Torres Vedras, sempre pelas 21h00. Nelas será exibido: o filme Mais uma rodada, de Thomas Vinterberg (13/1); o filme Gunda, de Victor Kossakovsky (27/1); o filme Shoplifters – Uma família de pequenos ladrões, de Hirokazu Kore-eda (3/2); os filmes Janela, de Patrícia Sobreiro, e A metamorfose dos pássaros, de Catarina Vasconcelos (17/2); o filme A candidata perfeita, de Haifaa Al-Mansour (10/3); e o filme Os sete samurais, de Akira Kurosawa (31/3).

A participação nas sessões do ciclo “Café com Filmes” são gratuitas.

Mais informação sobre o ciclo “Café com Filmes” pode ser obtida na área de agenda do site da Câmara Municipal de Torres Vedras ou no Facebook da iniciativa.



 

Mais uma rodada



Sinopse: Martin (Mads Mikkelsen) e três dos seus amigos decidem aplicar à sua monótona vida de professores do ensino secundário a teoria de que o ser humano precisa de uma pequena quantidade de álcool no sangue para diminuir os problemas da vida e aumentar a criatividade. O que começa como um estudo académico promissor acaba por trazer consequências para as suas vidas a nível pessoal e profissional.

 

Mais Uma Rodada diverte e traz à tona uma discussão pertinente sobre os efeitos de usar o álcool para fugir da realidade. Você não precisa estar bêbado para rir, ou chorar, com o grupo de professores, e entender o motivo do filme ganhar o Oscar de Melhor Filme Internacional.” Rolling Stone

 

Vencedor do Oscar na categoria de “Melhor Filme Internacional”

BAFTA de "Melhor Filme não falado em Inglês"

Festival de Cannes – Seleção Oficial

Festival Internacional de Toronto – Seleção Oficial

 

Dinamarca, Suécia, Holanda, 2020
Realização: Thomas Vinterberg
Género: Drama
Duração: 1h57 min

 

 

Gunda 

 

Sinopse: Na vastidão do mundo vivo, partilhamos o nosso planeta com biliões dos chamados animais de quinta. Contudo, nas sociedades industrializadas, somos amiúde condicionados para os considerar animais sem senciência, meros recursos passivos. Em Gunda, o realizador Victor Kossakovsky propõe-nos um universo moral radicalmente recalibrado, onde o encontro com uma mãe porca (a epónima Gunda), duas vacas astuciosas e uma galinha perneta e exuberante nos recorda o valor inerente da vida de todos os seres.

 

“Um filme marcante de um cineasta original” The Hollywood Reporter

“Comovente e deslumbrante” The Film Stage

 

Noruega, EUA, Reino Unido, 2020
Realização: Victor Kossakovsky
Género: Documentário
Duração: 96 min

 

 

Shoplifters – Uma família de pequenos ladrões

 

Sinopse: Nas margens de Tóquio, uma família que pratica pequenos furtos para sobreviver, decide abrigar uma menina que encontram na rua. Apesar das dificuldades, parecem uma família feliz - até que um acidente revela segredos escondidos, colocando os seus laços à prova.

 

Shoplifters é um retrato “classista” do Japão, a contrapor conforto material e calor emocional, a perguntar o que é, realmente, uma família.” Público

 

Festival de Cannes – Vencedor da "Palma de Ouro"

Festival de Munique – Prêmio ARRI / OSRAM de Melhor Filme Internacional

 

Japão, 2018
Realização: Hirokazu Kore-eda
Género: Drama
Duração: 2h01min




Janela (exibição integrada em “Sessão Dupla”)



Neste ensaio autobiográfico, Patrícia Sobreiro explora uma visão pessoal e íntima de uma janela, que se funde com a memória de uma avó.

 

Portugal, 2019
Realização: Patrícia Sobreiro
Duração: 6m48s
Género: Fotofilme documental

 

 

A metamorfose dos pássaros (exibição integrada em “Sessão Dupla”)



Sinopse: O falecimento da sua avó faz com que a realizadora e seu pai se encontrem em um lugar emocional diferente daquele que muitos pais e filhas conhecem. Ao longo deste “diário polifónico” ambos exploram a intimidade, as relações familiares, a ausência materna e a passagem do tempo, enquanto encaram a perda como algo impulsionador de novos recomeços.

 

Portugal, 2020
Realização: Catarina Vasconcelos
Duração: 1h41min
Género: Documentário

 

 

A sessão dupla em que serão exibidos os filmes Janela e A metamorfose dos pássaros contará com a presença das respetivas realizadoras.

 

 

A candidata perfeita


Sinopse: Maryam é uma jovem médica ambiciosa que trabalha numa clínica de uma pequena cidade na Arábia Saudita. Apesar das suas qualificações, Maryam tem de conquistar diariamente o respeito dos colegas homens e a aceitação dos seus pacientes.

Impedida de viajar para o Dubai, na tentativa de procurar um emprego melhor, uma confusão burocrática leva-a a deparar-se com os formulários para as eleições municipais da cidade e decide concorrer. Com o pai músico ausente numa tour de primeiros concertos públicos permitidos no Reino em décadas, Maryam convoca as suas duas irmãs mais novas para começar a arrecadar fundos e organizar eventos de campanha. Enquanto enfrentam as restrições dos papéis tradicionais da mulher, a audaciosa candidatura de Maryam começa a ganhar impulso e a desafiar a sua comunidade conservadora. À medida que cresce uma luta renhida com o seu oponente homem, Maryam e a sua família mobilizam a sua determinação e criatividade para fazer avançar a sua sociedade tradicional.

 

A Candidata Perfeita dá uma visão sincera da sociedade da Arábia Saudita que despertará a curiosidade do público ocidental.” The Hollywood Reporter

“Um filme com mensagem admirável pela sua sutileza e também pela sua execução, A Candidata Perfeita enfrenta a opressão e defende fortemente a mudança.” Rotten Tomatoes

 

Arábia Saudita | Alemanha, 2019
Realização: Haifaa Al-Mansour
Género: Drama
Duração: 1h44 min

 

 

Os sete samurais (exibição integrada na rúbrica “Lugar ao Clássico”)

 

Sinopse: No Japão do séc. XVI, uma aldeia farta de ser saqueada por grupos de bandidos, que lhe roubam as colheitas e as mulheres, decide pedir auxílio para a sua defesa a um grupo de Samurais. Seis guerreiros, chefiados por Kambei (Takashi Shimura) e pelo filho de um camponês, preparam os moradores da aldeia para resistirem a um novo e iminente ataque.

 

"Os Sete Samurais não apenas é uma nova forma de filme de ação, mas também criou um subgênero no cinema: os filmes que falam sobre um grupo de heróis inesperados numa missão impossível que lutam para salvar suas almas." Ana Maria Bahiana

“Kurosawa oferece-nos beleza no meio da razão, uma espécie de garantia quando tudo o resto é posto em causa. Ao mesmo tempo que questiona ações, esperanças, pensamentos, joga deliberadamente com as nossas emoções e também nós nos abrimos e regressamos à infância. Numa sequência final profundamente subtil e misteriosa, Kurosawa anuncia a esperança. No final de contas, somos todos humanos; todos sentimos o mesmo - no fundo, todos somos camponeses.” Donald Richie, The Films of Akira Kurosawa

 

Festival Internacional de Veneza de 1954 – Vencedor do "Leão de Prata"

Óscares de 1954 – Nomeado na Categoria de "Melhor Direção de Arte e Melhor Figurino"

 

Japão, 1954
Realização: Akira Kurosawa
Género: Ação/Drama
Duração: 3h27 min

Palimpsesto - Ciclo de Música Ibérica e Mediterrânica - 14, 15 e 16 de janeiro no CAC

Primeiro momento concentra-se na tradição da música e instrumentos portugueses. 

 

Nos dias 14, 15 e 16 de janeiro o Centro de Artes e Criatividade de Torres Vedras recebe a primeira edição do Palimpsesto, o Ciclo de Música Ibérica e Mediterrânica que pretende unir músicos de Portugal, Espanha, Grécia e Turquia, numa celebração da música e culturas da Ibéria e do Mediterrâneo. 

Este primeiro momento de Palimpsesto irá concentrar-se na tradição da música e dos instrumentos portugueses, com concertos, palestras e oficinas levadas a cabo por músicos, construtores e académicos, nomeadamente Alma Menor, Tiago Morais, José Alberto Sardinha e Mário Estanislau.

Simultaneamente aos eventos dos dias 14, 15 e 16 de Janeiro, o Ciclo irá contar com a presença de vários construtores de instrumentos tradicionais e associações de investigação e divulgação da música tradicional lusa. Entre eles constam a Associação Gaita-de-Foles (Lisboa); Inocêncio Casquinha (Alverca do Ribatejo); Luís Eusébio (Óbidos); Orlando Trindade (Caldas da Rainha); e Mário Estanislau e Victor Félix, representantes da Sons da Música - Construtores de Instrumentos Musicais (Torres Vedras). Estarão, também, expostos e disponíveis para venda alguns dos exemplares de instrumentos portugueses e ibéricos.

Esta é a primeira edição do Palimpsesto - Ciclo de Música Ibérica e Mediterrânica em Torres Vedras, que é uma iniciativa da Associação Musicálareira, com o apoio da Câmara Municipal de Torres Vedras, da Kontraproduções, numa coprodução com o Centro de Artes e Criatividade de Torres Vedras e produzido pela West Wave Productions. 

Programação para o mês de janeiro:

descarregar (26).jpg

Alma Menor | É a partir do encontro entre a sonoridade forte e vibrante da gaita de fole com a riqueza de timbres do acordeão, na procura da complementaridade entre estes através de acentuações, quebras rítmicas, alternância entre tensão e sossego, melodia e harmonia, que nasce Alma Menor. Alma Menor é ainda um nome baseado no conceito da sua própria música, o resultado da combinação de dois instrumentos que marcaram a etnografia musical portuguesa, e ao mesmo tempo arriscando outras sonoridades improváveis. Dois músicos que procuram a sua inspiração na mais variada música do mundo, desafiando os limites da imaginação, não raras vezes, numa contradição surpreendente e emocionante.

Multimédia, escultura e ilustração na Paços — Galeria Municipal de Torres Vedras

descarregar (7).jpg

 

A Paços — Galeria Municipal de Torres Vedras acolhe três exposições distintas desde o dia 18 de dezembro, convidando o público a explorar diferentes obras artísticas da autoria de João Henriques, Jéssica Gaspar e Rui da Costa Lopes.

O curador João Silvério, Jéssica Gaspar e João Henriques estiveram na inauguração, que contou ainda com a presença da vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Torres Vedras, Ana Umbelino, do diretor da Escola Superior de Artes e Design de Caldas da Rainha (ESAD.CR), João dos Santos, dos responsáveis do projeto “RAMA | Residências Artísticas”, Paulo Brighenti e Ana Margarida Sousa, e de familiares de Rui da Costa Lopes.

O efeito estufa é a exposição de João Henriques que apresenta uma série fotográfica realizada em 2020 sobre as estufas do concelho de Torres Vedras. O autor explora o paralelismo entre os conceitos de transparência e opacidade, característicos dos próprios materiais das estruturas e também inerentes a aspetos de ordem económica, social e ecológica, num diálogo entre imagens, conceitos e realidades.

Já Spectacular Instability é exposição individual de Jéssica Gaspar, finalista da ESAD.CR. A mostra, que apresenta obras em formato vídeo, fotografias e uma peça de carácter escultórico, resulta do trabalho desenvolvido numa residência artística de três meses no projeto “RAMA”, em Alfeiria.

 

“Esta pesquisa concentra uma ideia de paradoxo entre o que é visível de imediato e o que é quase invisível, como uma distopia do olhar sobre mundo em que vivemos, enquanto memória da natureza, e as radicais alterações a que está sujeito” referiu João Silvério, que acompanhou a residência e assina a curadoria da exposição, durante a visita guiada.

No dia 18 de dezembro foi, ainda, inaugurada uma homenagem póstuma ao professor e ilustrador Rui da Costa Lopes. Professor de Filosofia, dedicou muito do seu tempo a escrever e desenhar temas de intervenção social e política. Escreveu, ainda, para teatro e conquistou o Prémio Ferreira de Castro com a novela A Siberiana. A exposição apresenta trabalhos produzidos nos seus últimos 10 anos de vida.

 
Agenda

18 dezembro 2021 a 29 janeiro 2022 | sábado

Homenagem a Rui da Costa Lopes

Ilustrações de Rui Costa Lopes

De 18 de dezembro de 2021 a 29 de janeiro de 2022 decorrerá na Paços – Galeria Municipal de Torres Vedras uma exposição de trabalhos de Rui da Costa Lopes. Integram esta exposição trabalhos produzidos nos últimos 10 anos de vida do autor, na sua maioria ilustrações de personagens e (...)

Saber Mais

 

18 dezembro 2021 a 05 março 2022 | sábado

O efeito estufa

Exposição de Fotografia de João Henriques

Série fotográfica efetuada em 2020, a partir da presença, e do protagonismo económico, social, ambiental, e visual, crescente das estufas no concelho de Torres Vedras. O termo efeito estufa é amplamente reconhecível através das ramificações ambientais e climáticas, que, embora visíveis, (...)

Saber Mais

 

18 dezembro 2021 a 05 março 2022 | sábado

Spectacular Instability

Obras de Jéssica Gaspar no âmbito da Residência Artista na RAMA

“As obras trabalhadas pela artista Jéssica Gaspar no período de residência na RAMA é um desenvolvimento das suas pesquisas enquanto aluna finalista da ESAD.CR do Politécnico de Leiria. Nesta exposição, intitulada Spectacular Instability, a artista apresenta quatro obras em formato vídeo, (...)

Saber Mais

Exposição "Spectacular Instability" na Paços - Galeria Municipal de Torres Vedras

descarregar (4).jpg

 

As obras produzidas por Jéssica Gaspar na residência artística que realizou este verão no âmbito do projeto “RAMA” vão estar patentes na Paços - Galeria Municipal de Torres Vedras entre os dias 18 de dezembro e 5 de março.

Recorde-se que o “RAMA - Residências Artísticas Maceira Alfeiria” é um projeto destinado a artistas, investigadores e curadores nacionais, a funcionar nas aldeias da Maceira e Alfeiria, com o apoio da Câmara Municipal de Torres Vedras, o qual se pretende desenvolver como centro de investigação avançada no campo das artes e no do cruzamento destas com as ciências e a educação. Este ano foi atribuída a primeira bolsa de criação artística no âmbito daquele projeto, à qual puderam concorrer alunos da Escola Superior de Artes e Design das Caldas da Rainha (que em 2020/2021 tenham sido finalistas da licenciatura ou do mestrado em Artes Plásticas), tendo a mesma sido ganha pela referida criadora.

O trabalho desenvolvido por Jéssica Gaspar como resultado da atribuição dessa bolsa poderá ser observado na exposição Spectacular Instability, a qual será inaugurada no próximo dia 18 de dezembro, pelas 16h00.

Segundo João Silvério, nesta mostra “a artista apresenta quatro obras em formato vídeo, fotografias e uma obra que implica uma relação direta com o espetador. Poderíamos dizer que essa obra é uma síntese do trabalho apresentado em que a dimensão visual, e performativa, nos confronta com a instabilidade do olhar, de perscrutar uma imagem que nunca iremos apreender na sua totalidade em confronto com a presença refletida do contexto em que nos encontramos. As obras em formato vídeo, situam-nos em dois momentos que se contrapõem, porque são, por um lado, fragmentos de paisagens registadas a partir do trabalho de campo situado nas áreas da Maceira e Alfeiria. E por outro lado dois vídeos, realizados em estúdio, centram a nossa atenção sob o processo de transformação de sólidos sujeitos a diferenças atmosféricas. A sua pesquisa concentra uma ideia de paradoxo entre o que é visível de imediato e o que é quase invisível, como uma distopia do olhar sobre mundo em que vivemos, enquanto memória da natureza, e as radicais alterações a que está sujeito. Entre a utopia e uma ideia de melancolia, sobre as condições que podem alterar o nosso modus vivendi e deste modo a sobrevivência e a liberdade”.

Exposição de fotografia "O efeito estufa" de João Henriques na Paços

JOÃO HENRIQUES EXPÕE "O EFEITO ESTUFA" NA PAÇOS - GALERIA MUNICIPAL DE TORRES VEDRAS

descarregar (3).jpg

O efeito estufa, exposição de fotografia da autoria de João Henriques, vai estar patente na Paços - Galeria Municipal de Torres Vedras entre os dias 18 de dezembro e 5 de março.

O efeito estufa patenteia, segundo o autor, “uma série fotográfica efetuada em 2020, a partir da presença, e do protagonismo económico, social, ambiental, e visual, crescente das estufas no concelho de Torres Vedras. O termo efeito estufa é amplamente reconhecível através das ramificações ambientais e climáticas, que, embora visíveis, ainda assim parecem permanecer nalguma invisibilidade, não só pelo seu carácter etéreo e atmosférico, como pela negação, de uma fatia das populações e comunidades. Parece existir uma nota de paralelismo com as estufas enquanto estruturas das explorações agrícolas, elas próprias constituídas a partir de diferentes graus de transparência e opacidade, material, económica e social. Esses termos, e modos de funcionamento, parecem assim sustentar a possibilidade da fotografia explorar elementos retóricos e estéticos que são comuns, numa construção entre a materialidade, a imagem e o conceito, que procura ampliar o conhecimento sobre este território e sobre algumas das importantes questões contemporâneas que lhe dizem respeito”.

A inauguração da exposição O efeito estufa, da autoria de João Henriques, terá lugar no próximo dia 18 de dezembro, pelas 16h00.

 

João Henriques
Possui estudos superiores em Gestão de Empresas, Psicoterapia e Fotografia. No seu trabalho autoral procura cruzar territórios, exteriores e interiores, com questões ontológicas da fotografia, convocando a tensão entre a superfície da imagem e a profundidade da observação. Exerce, adicionalmente, as funções de programador em Fotografia, no Centro de Estudos em Fotografia de Tomar (CEFT), e de curador de conferências, colaborando, neste âmbito, com os festivais Imago Lisboa Photo e Encontros da Imagem.