Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

A Ásia nas suas mãos no Museu do Oriente

Tanabata%20(2).jpg

 

 

Neste início de Verão, o Museu do Oriente sugere um conjunto de workshops que ensinam artes e técnicas artesanais orientais como o origami - dobragem de papel - ,  o kanzashi e o bojagui - tipos de costura decorativa.

Assinalando o Tanabata, uma das maiores festas populares do Japão, realiza-se a 7 de Julho o ateliê “Tanabata – o festival das estrelas em origami”. Comemorado na sétima noite do sétimo mês do ano, o Tanabata celebra a história de amor entre as figuras lendárias Orihime e Kengyu. Forçados a separar-se e a viver em lados opostos da Via Láctea podem, contudo, encontrar-se num único dia do ano – 7 de Julho. Na mitologia japonesa, este casal é representado por estrelas  que, nesta oficina, serão recriadas através da técnica do origami.

 

A 14 de Julho, o desafio é criar um anel em tecido no workshop de kanzashi. As hana kanzashi, flores em tecido tradicionais feitas em seda ou algodão, são modeladas à mão, pétala a pétala. Estas flores serviram outrora para ornamentar os penteados das damas japonesas nos séculos XVII e XVIII, indicativos do seu estatuto social e ainda hoje são usados pelas geishas. Esta é, no entanto, apenas uma das múltiplas aplicações das hana kanzashi nos nossos dias, podendo ser utilizadas em anéis, brincos, ganchos, porta-chaves, entre outros acessórios.

 

No dia 20 de Julho, recorrendo à técnica de patchwork coreano bojagui, os participantes vão aprender a coser uma forma conhecida como folha de lótus. Decorativa, bem como utilitária, a forma é ideal para cobrir chávenas e o bule antes de servir o chá, um tabuleiro ou uma pequena mesa de apoio.

 

“Dobras e bases – origami para iniciados” é o workshop que se realiza a 21 de Julho e que dá a conhecer as variações da base de pássaro, dobras ‘invertidas’, ‘plissadas’, ‘enroladas’ e ‘afundadas’. Para quem se está a iniciar no origami, esta é a oportunidade para estudar cada base e a sua história particular, o modelo que a inspirou e o autor que a criou ou desenvolveu, e aprender a construir modelos simples, ideais para principiantes.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.