Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

A Travessia - mulheres e meninas em refúgio

De acordo com dados do ACNUR e UNICEF, atualmente mais de metade dos refugiados são mulheres e crianças e representam o grupo mais vulnerável à violência. Forçadas a deslocar-se das suas casas, em busca de proteção e segurança, enfrentam uma perigosa travessia, que coloca em risco os seus Direitos Humanos, desde os países de origem, passando por países de trânsito e de destino. As mulheres que viajam sozinhas, e crianças não acompanhadas, permanecem particularmente expostas aos riscos de violência sexual e de género ao longo de rotas para a Europa e outros destinos.

71b43d64-0bf9-4c0a-85d0-da807a199a3c.jpg

 

Associação Renovar a Mouraria, no âmbito do Projeto “NO Border” por ocasião do dia Internacional da Mulher, encontra-se a organizar a iniciativa: “A Travessia – Mulheres e Meninas em Busca de Refúgio”, que terá lugar dia 15 e 16 de março:


Dia 15 de Março – “Testemunhos e Guia para Decisores Políticos”, entre as 14h00 e as 18h45 no Auditório António Almeida Santos, no Edifício Novo da Assembleia da República. Esta sessão conta com testemunhos e recomendações apresentadas por mulheres e meninas refugiadas, em Portugal, de diferentes idades e origens (Síria, Venezuela, Cuba, Quénia, Bósnia)

Dia 16 de Março – “Conferência Internacional” entre as 09h15 e 18h45, no Salão Nobre da Câmara Municipal de Lisboa. Esta iniciativa pretende ser um espaço privilegiado de reflexão sobre as realidades enfrentadas por mulheres e meninas refugiadas e requerentes de asilo, partilhando Boas Práticas e apresentando Recomendações elaboradas com a colaboração ativa de mulheres refugiadas no nosso país. Este evento irá trazer a Portugal reputadas especialistas internacionais, nomeadamente: Shannon Pfohman (Directora de Política e Advocacy da Caritas Europa), Diana Tudorancea (Associação de Mulheres Migrantes de Malta) e Anna Zobnina (Coordenadora de Estratégia &Política na Rede Europeia de Mulheres Migrantes).

A entrada é livre, mas a inscrição obrigatória.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.