Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Agenda semanal Centro Cultural de Belém · 16 — 23 setembro

 

Concerto Inaugural da Temporada Sinfónica

Orquestra Metropolitana de Lisboa

Mahler: Quarta Sinfonia
20 setembro | 17:00 | Grande Auditório

 

No Concerto Inaugural da Temporada Sinfónica CCB/Metropolitana, vamos ouvir a Quarta Sinfonia de Gustav Mahler. Composta nos verões de 1899 e 1900, a sinfonia culmina na canção Das himmlische Leben (A vida celestial), que será interpretada pela soprano alemã Anne Schwanewilms. Antes dessa viagem, cruzamo-nos com o músico húngaro Péter Eötvös e o seu Diálogo com Mozart, uma releitura de apontamentos dispersos nos cadernos pessoais do compositor de Salzburgo. Um concerto com a direção musical do maestro Pedro Amaral.

fnac_AnoMorte.jpg

Cinema

O Ano da Morte de Ricardo Reis
Um filme de João Botelho
22 e 23 setembro | 21:00 | Grande Auditório

 

Depois de ter abordado a obra de Fernando Pessoa (em Filme do Desassossego), Eça de Queiroz (Os Maias) e Fernão Mendes Pinto (Peregrinação), o realizador João Botelho adaptou para o cinema o livro O Ano da Morte de Ricardo Reis, escrito por José Saramago em 1984.
A ação da história passa-se em 1936, o ano de todos os perigos, do fascismo de Mussolini, do nazismo de Hitler, da terrível guerra civil espanhola e do Estado Novo em Portugal, de Salazar. Fernando Pessoa, o criador, encontra Ricardo Reis, a criatura. Duas mulheres, Lídia e Marcenda, são as paixões carnais e impossíveis de Ricardo Reis. 
 
 
 
 

NO FUNDO PORTUGAL E MAR_creditos Áthila Bertoncin

 

Ciclo No Fundo Portugal É Mar 
Perspetivas de Arte, Ciência e Ambiente
25 setembro a 5 dezembro 2020 


A partir do dia 25 de setembro, a Fábrica das Artes do CCB retoma o ciclo No Fundo Portugal É Mar (uma parceria com a Estrutura de Missão para a Extenção da Plataforma Continental). Esta programação é um convite ao mar, lançado aos públicos de todas as infâncias que queiram mergulhar nestas propostas artísticas, mas também científicas e ambientais.

O ciclo parte da exposição/instalação multimédia No Fundo Portugal É Mar, de Graça Castanheira, e desdobra-se em formações e oficinas online em educação ambiental, conversas e palestras com amantes e conhecedores do mar, e os espetáculos A Tartaruga e o Menino do Mar (de Ana Sofia Paiva e Margarida Botelho, em estreia absoluta) e A Menina do Mar (por Carla Galvão, Filipe Raposo e Beatriz Bagulho, a partir da música de Bernardo Sassetti).

 

 

© The Estate of Philip Guston

Formas de Ler
O Poder da Comédia

Helena Vasconcelos
24 setembro | 18:00 | Sala Ribeiro da Fonte

A necessidade da introdução da comicidade na literatura vem de muito longe e o riso é considerado, ainda hoje, como o melhor remédio para muitos males. Ao longo deste ciclo de debates literários, vamos constatar como a comédia tem servido como uma espécie de refrigério em tempos sombrios — como os que estamos a viver — e é suficientemente subversiva e desordeira para incluir críticas mordazes, e por vezes violentas, ao status quo, afirmando-se como o último bastião da liberdade e contra a repressão censória, seja ela política, social, religiosa, de cariz sexual ou moral.

Este ciclo inicia-se a 24 de setembro com a leitura da obra As Aves (Edições 70), de Aristófanes (c. 447 a. C. — c. 385 a. C.).