Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Ann Hamilton em Guimarães para conversa no CIAJG e novo projeto expositivo

Esta quinta-feira, 12 de julho, às 18h30, o Centro Internacional das Artes José de Guimarães (CIAJG) promove uma conversa com Ann Hamilton no âmbito da residência artística que a norte-americana iniciou no dia 02 de julho e decorrerá até 01 de agosto numa das salas expositivas que irá acolher, entre 01 de setembro e 20 de outubro, uma importante parte do projeto concebido pela artista para a Contextile 2018 - Bienal de Têxtil Contemporânea, em Guimarães. 

 

4804A2F6-29B0-47AB-B25F-862CC80F398B.png

 

Ann Hamilton (EUA, 1956) é uma artista visual reconhecida internacionalmente pelo envolvimento sensorial das suas instalações multimédia em grande escala. Usando o tempo como processo e material, os seus métodos invocam o lugar, a voz coletiva, as comunidades passadas e o trabalho presente, fazendo-nos despertar as capacidades sensoriais e linguísticas de compreensão que constroem as nossas faculdades de memória, razão e imaginação. Reconhecíveis por uma acumulação densa de materiais, os seus ambientes efémeros criam experiências imersivas que respondem poeticamente à presença arquitetónica e à história social dos locais onde intervém.

 

Entre as suas distinções, Hamilton recebeu a National Medal of the Arts, Heinz Award, MacArthur Fellowship, United States Artists Fellowship, NEA Visual Arts Fellowship, Louis Comfort Tiffany Foundation Award, Skowhegan Medal for Sculpture e Guggenheim Memorial Fellowship. A exposição em nome próprio que irá inaugurar a 01 de setembro no CIAJG decorre em parceria com a Contextile 2018 - Bienal de Têxtil Contemporânea.

 

Desde o passado dia 29 de junho, novas exposições habitam o Centro Internacional das Artes José de Guimarães: “Leopard in a Cage”, de Julião Sarmento, “Mundo Flutuante”, de Pedro A.H. Paixão, e “Lábios de Flamingo”.

 

Neste novo ciclo expositivo, o Centro Internacional das Artes José de Guimarães apresenta uma exposição integralmente dedicada à reunião de projetos inéditos de Julião Sarmento (Lisboa, 1948), um dos mais destacados artistas contemporâneos portugueses que vem construindo, desde o final dos anos 1960, uma obra extraordinariamente prolífica que define um notável sentido de repetição, por um lado, e de rutura, por outro. Os sucessivos trabalhos ou séries que vai concebendo apresentam uma enorme diversidade de meios – pintura, filme, fotografia, desenho, som, tapeçaria, escultura – ao mesmo tempo que obedecem a um léxico temático reduzido e desenvolvido com minuciosa coerência. 

 

Leopard in a Cage” (leopardo numa jaula) propõe, do ponto de vista curatorial, o desafio de recuperar um conjunto de projetos que nunca antes haviam sido mostrados ou mesmo realizados, que são apresentados em diálogo com trabalhos novos, especificamente concebidos e produzidos para esta exposição. O título da exposição cita um projeto de 1975, “Um Leopardo na SNBA”, que visto a esta distância temporal condensa muitos dos traços distintivos da obra do artista. O projeto, que nunca viria a realizar-se, e que é agora apresentado enquanto tal, estabelece, simultaneamente, o tema animal, referencial nestes e nos anos seguintes do trabalho de Julião Sarmento, o tema do desejo, uma estética do rigor e da contenção, um trabalho com as coordenadas invisíveis do tempo e do espaço, o campo de interpretação deixada ao espetador. 

 

A par com a exposição de Julião Sarmento, o Centro Internacional das Artes José de Guimarães desafiou Pedro A.H. Paixão a interagir de forma extensiva com a coleção permanente do Centro, patente no piso 1. Esta exposição tem como mote de base lançar um olhar abrangente sobre a produção do artista, acolhendo obras dos primeiros anos do seu percurso e trabalhos muito recentes, mas abre igualmente o campo a novas abordagens e à exploração de meios que não tinham sido antes tratados de maneira tão aprofundada como agora. Assim, para além de se apresentar um amplo conjunto de trabalhos em vídeo, um meio que Pedro A.H. Paixão nunca, em rigor, deixou de explorar, mas que nos últimos anos perdeu intensidade em favor do trabalho em desenho (aqui também presente em extensão), é o projeto sonoro, especificamente concebido para o espaço da coleção e em estreito diálogo com algumas das peças que a constituem, que surge como a grande novidade e o elemento unificador e perturbador, que sublinha e confere às obras expostas o seu carácter de inquietante e familiar estranheza.

 

No piso inferior, o CIAJG acolhe, ainda, a exposição “Lábios de Flamingo”, realizada em colaboração com o serviço de Educação e Mediação Cultural. “Lábios de Flamingo” é o Museu Imaginário dentro do Museu – como se de todos os museus do mundo para aqui afluíssem todas as obras de arte que imaginámos um dia ver reunidas.

 

Numa época em que a migração das imagens se tornou tão comum, o CIAJG quis criar um observatório, um lugar da imaginação de onde pudéssemos olhar para um conjunto de imagens, que na sua grande maioria nos são familiares, e voltar a pensar sobre elas. Para tal, foi definido um conjunto de temas, mais ou menos transversais, que são o mote para reunir imagens das mais variadas proveniências e épocas, que, em conjunto, nos permitem viajar pela imaginação através do tempo e do espaço – como se entrássemos numa máquina de atravessar o tempo à velocidade da luz. A luz que vem dos retroprojetores, dispositivos que reenviam inelutavelmente para as salas de aula de antanho, onde e quando as aulas de história da arte eram uma espécie de caverna de onde surgiam imagens mágicas – mágicas como se as víssemos pela primeira vez. E as reconhecêssemos.

 

As exposições de Julião Sarmento e Pedro A.H. Paixão ficarão patentes até 07 de outubro. “Lábios de Flamingo” poderá ser visitada até 12 de agosto. Recordamos que o CIAJG se encontra aberto de terça a domingo, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 19h00. Aos domingos de manhã, a entrada é gratuita.