Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

"Apeadeiro" de Nuno Cardoso no palco do CCVF (08 dezembro)

Centro Cultural Vila Flor recebe “Apeadeiro” de Nuno Cardoso, capítulo final da trilogia composta por “Náufrago” e “Subterrâneo”

image001.png

 

Depois de “Náufrago” e “Subterrâneo” (peça que estreou no CCVF em janeiro de 2016), Nuno Cardoso traz a Guimarães “Apeadeiro”, espetáculo que encerra a trilogia e que se assume como o mais autobiográfico de todos. “O meu corpo é a minha terra, e a minha terra é o meu corpo”. É a partir desta frase que Nuno Cardoso se confronta com a vila que o viu nascer, o seu passado e o seu percurso como ator e encenador, pondo-se a si em evidência. A peça sobe ao palco do Centro Cultural Vila Flor esta sexta-feira, 08 de dezembro, às 21h30.

 

Em “Apeadeiro”, Nuno Cardoso encerra uma viagem interior pelo seu próprio percurso de vida, tomando como território referencial a vila onde nasceu e cresceu, Canas de Senhorim, e tendo como pressuposto fundador e repto para a criação a frase “o meu corpo é a minha terra, a minha terra é o meu corpo”. Com esta frase inicia-se a busca de um lugar de criação fundado na memória corporal, no gesto que ficou como marca distintiva de personalidade e que está inextricavelmente ligado ao contexto social e geográfico que o forjou. Surge, assim, uma obra que é simultaneamente território de celebração e de mediação entre um imaginário original residente na memória e um universo presente quotidianamente urbano.

 

Este espetáculo não pretende ser uma criação sobre Canas de Senhorim real, mas antes a anatomia de uma identidade que Nuno Cardoso tem transportado na sua prática enquanto criador. É, no entanto, a paragem desta trilogia que convoca a noção de autobiografia, não projetando sobre textos de outrem o ponto de partida da criação.

 

“Apeadeiro” tem a particularidade de ser uma obra construída no desejo de habitar uma linguagem a que Nuno Cardoso não acede habitualmente, de habitar um espaço de criação distante de qualquer zona de conforto – ou seja, distante da palavra, da teatralidade – para construir uma nova gramática.

 

“Apeadeiro” é coproduzido pelo Centro Cultural Vila Flor, pelo Teatro Municipal do Porto e pelo Centro de Artes de Ovar. Os bilhetes encontram-se à venda nas bilheteiras do Centro Cultural Vila Flor, da Plataforma das Artes e da Criatividade e da Casa da Memória de Guimarães, bem como nas lojas Fnac e El Corte Inglês, entre outros pontos de vendas, e na internet em www.ccvf.pt e oficina.bol.pt.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.