Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Artista plástico João Noutel: PHENOMENA é um olhar crítico sobre o que sentimos

Galeria Art Lounge inaugura exposição do artista plástico João Noutel:

PHENOMENA é um olhar crítico sobre o que sentimos

cartazPhenomenaNoutel.jpg

 

 

Quando: 24 de novembro de 2022 (Inauguração)

Hora: 18 horas

Onde: Galeria Art lounge, Lisboa

 

 

Uma exposição que apresenta duas obras base e trinta retratos como que se de dípticos se tratassem, muitos deles de figuras icónicas da civilização moderna, mas tratados de forma profundamente irónica e crítica, como se o observador fosse repescado e convocado a participar na desconstrução de cada obra.

Importa explicar que as obras que vão integrar esta exposição não são obras sobre as pessoas retratadas, estas serviram apenas de base e ferramenta de trabalho para as mensagens que o artista plástico João Noutel pretende representar.

Anthony Hopkins, “Batman", Iris Apfel, Isabel II, Walt Disney, Sónia Araújo, Simone de Oliveira, Sean Connery são alguns dos 30 exemplos.

 

O lado mais imediato da sofisticação do desenho é aqui imediatamente ultrapassado por uma problematização mais complexa, porque como valter hugo mãe descreveu há uns anos, o trabalho de João Noutel é sobretudo problematizante, nunca decorativo, levantando questões sobre a singularidade de cada indivíduo, acusando alguma solidão, angústia, mas lançando sempre pistas de perceção de esperança e felicidade, colocando-o, nesta perspetiva, orgulhosamente só no panorama artístico nacional.

É assim através de mecanismos de representação do modo de vida contemporâneo, fragilizado pela avalanche de informação visual dos nossos dias, que se integra a abordagem algo perscrutadora destas figuras, umas mais anónimas do que outras, corroborando a aceitação de cada obra enquanto válida interpretação do que sentimos, pensamos e fazemos em pleno séc XXI.

 

A componente iconográfica e metafórica do universo criativo da obra de João Noutel, explora de forma subtil e irónica alguns paradoxos da condição humana - sejam a felicidade, a fama, a ilusão, a tensão, o desejo - através de mecanismos narrativos complexos, instrumentalizando o desenho e as imagens, desconstruindo-os através duma linguagem plástica limpa e rigorosa, com forte impacto visual, procurando os limites possíveis para a força gráfica da pintura.O autor refere: "Não confundir exuberância cromática com artificialidade. A cor é fundamental, distrai, impacta, contribui para a experiência visual, mas o que me interessa está para além disso: é a subtileza dos paradoxos e ironia da vida a base de trabalho."