Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Artistas Unidos em Almada com Hrabal

António Simão em Uma solidão demasiado ruidosa, a partir do romance de Bohumil Hrabal, pelos Artistas Unidos

UMA SOLIDÃO DEMASIADO RUIDOSA_fotografia Jorge Go

 

Uma solidão demasiado ruidosa, a partir do romance de Hrabal e interpretado por António Simão, vai estar em cena no Teatro Municipal Joaquim Benite, nos dias 25, 26 e 27 de Setembro, sexta e sábado, às 21h30, domingo, às 16h.

 

Os Artistas Unidos retomam um espectáculo criado por António Simão em 1997: um monólogo pujante que nos transporta para o ambiente amarelecido e cru da Checoslováquia de Kafka, símbolo universal do absurdo existencial que povoa as nossas vidas. Uma história simples: um funcionário que vive algures numa casa escura e velha cheia de livros, cuja tarefa é prensar papel velho numa cave – todos os dias, toneladas de livros. Um homem solitário, que vive das memórias do passado, das frases livrescas e das canecas de cerveja; como um vagabundo que lê todos os livros que passam por essa cave, o homem torna-se culto por inadvertência.

 

Bohumil Hrabal (1914-1997), nome maior da literatura checa do século XX, deixou uma obra marcada pela irreverência e pelo sentido do grotesco. Viveu a ocupação nazi e o estalinismo do pós-guerra, tendo exercido vários e distintos ofícios, entre os quais os de ferroviário, contra-regra, telegrafista, empregado de notário, marçano, angariador de seguros, caixeiro-viajante, operário siderúrgico, figurante de teatro, e também o de prensador de papel, no qual se inspiraria para escrever Uma Solidão Demasiado Ruidosa, publicado em 1976. António Simão encena esta «lição de História com muito mais de trinta e cinco anos, que é o tempo de que fala a personagem do romance (desde a II Guerra até ao Maio de 1968), mergulhando nas pulsões do intemporal inconsciente do Mundo. Aquilo de que sofreu Hanta, a personagem desta história, chega nestes nossos dias ao pico do seu horrendo desenvolvimento – a industrialização, a tecnologia, o consumo e a desumanização.»

 

Uma solidão demasiado ruidosa (Sala Experimental, dia 25 e 26, às 21h30, dia 27, às 16h) 1h | M/12

 

A partir do romance de Bohumil Hrabal

Criação e interpretação António Simão
Cenografia e figurinos Rita lopes Alves
Luz Pedro Domingos

 

(Artistas Unidos)